LER é VIAJAR, APRENDER, ADQUIRIR CULTURA, É TORNAR-SE GENTE.

Sejam bem vindos!

Para ter o texto Offline em formato txt, solicite-o via e-mail.

Caso se interesse pelos anúncios click nos mesmos para conhecê-los melhor e assim ajude o blogg Cego Lendo Livro.

Postagens super interessantes

Deixe seu email:

sábado, 13 de agosto de 2011

Operação Cavalo de Tróia VI

OPERAÇÃO CAVALO DE TRÓIA VI.
J. J. BENITEZ

J. J. Benitez, nascido em Pamplona, Espanha, em 1946, formado em Jornalismo pela Universidade de Navarra (1965), há mais de 25 anos percorre o mundo e indaga sobre
a figura do seu grande amigo, Jesus de Nazaré. Este incansável (deu volta ao mundo mais de cem vezes) tem publicados, até o presente, 36 livros (quatro milhões
de exemplares vendidos).
O interesse do autor pelo Mestre nasceu em 1975, quando a ciência anunciou que o Santo Sudário de Turim poderia ter sido a mortalha que envolveu o corpo do Galileu.
Uma vez concluída sua ambiciosa obra, se seu Chefe não mudar de opinião, J. J. Benitez espera poder trazer à luz parte dos cento e vinte livros atualmente em projecto.
Casado com Blanca, mora junto ao seu segundo amor, o mar, afastado de tudo que não seja investigação.
A série Operação Cavalo de Tróia apareceu no Brasil em 1987 e, desde então, tem encantado os leitores com seu relato da vida de Jesus de Nazaré. Por vezes singelo
e suave, por outras chocante e polêmico, esse relato cumpre um objetivo maior, o de chamar a atenção para o ser que mudou os rumos da nossa história e até hoje,
dois mil anos depois, continua vivo e mais atuante do que nunca na vida de muitos.
Cavalo de Tróia é o nome de uma operação secreta da Força Aérea dos Estados Unidos, que em 1973, transportou dois astronautas ao ano 30 de nossa Era. Uma viagem
ao passado, à Palestina de Jesus de Nazaré, cujo objetivo era conhecer de primeira mão a vida, a obra e o pensamento do Filho do Homem.
Os protagonistas deste salto são Eliseu, um piloto que durante os saltos ao passado permanece quase o tempo todo no módulo espacial que foi instalado no monte
das Oliveiras, e Jasão o major que se tornará, desde então, a testemunha ocular da Vida, Paixão, Morte,
Ressurreição e Ascensão do Galileu. O diário das memórias deste último acabaram nas mãos do autor, que traça o perfil mais humano, completo e rigoroso do Rabi.

SÍNTESE DO QUE JÁ FOI PUBLICADO
Janeiro de 1973
A Força Aérea norte-americana inicia a operação secreta denominada Cavalo de Tróia. Um ambicioso projeto científico que leva dois pilotos de volta ao ano 30 da nossa
era. Mais concretamente, à Palestina de Jesus de Nazaré.
O objetivo é tão complexo quanto fascinante: conhecer em primeira mão a vida e os pensamentos do chamado Filho do Homem.
Jasão e Eliseu, responsáveis pela exploração, vivem a cada passo quase minuto a minuto as terríveis jornadas da Paixão e Morte do Galileu. E comprovam que muitos
dos fatos narrados nos textos evangélicos foram deturpados, omitidos ou mutilados.
Depois do primeiro salto no tempo, Jasão, o major da Força Aérea norte-americana que dirige a operação e autor do diário no qual é contada essa aventura, passa
por uma profunda transformação.
Embora cético no início, a proximidade do Mestre abala sua estrutura interior.
Março de 1973
Os responsáveis pelo Cavalo de Tróia decidem repetir o experimento.
Ficam no ar algumas incógnitas. Uma, em particular, dos cientistas: o que aconteceu na madrugada de domingo, 9 de abril do ano 30, Como explicar o misterioso desaparecimento
do cadáver do Rabi da Galiléia?
Jasão entra de novo em Jerusalém e assiste, perplexo, a várias aparições do Mestre. A desconcertante experiência se repete na Galiléia, Não há dúvida: o Ressuscitado
é uma realidade física.
Desta vez, a Ciência não tem palavras. Não sabe, não compreende o como daquele corpo glorioso.
Jasão se aventura em Nazaré e reconstrói a infância e impropriamente chamada vida oculta de Jesus. Conclusão idêntica os evangelistas não acertaram ao narrar essas
etapas transcendentais da encarnação do Filho de Deus. A adolescência e a maturidade foram mais intensas e apaixonantes do que tudo aquilo que já foi falado ou imaginado.
O major vai conhecendo e entendendo a personalidade de muitas figuras que rodearam o Galileu.
Jamais, até hoje, havia sido traçado um perfil tão minucioso e exaustivo dos homens e mulheres que participaram da obra do Mestre. É dessa forma que o Cavalo de
Tróia desmitifica e coloca em seu justo lugar protagonistas como Maria, a mãe de Jesus, Pôncio Pilatos ou os discípulos.
Mas a aventura continua. Desejosos de chegar até o final, de conhecer, enfim, toda a vida pública ou a pregação de Jesus de Nazaré, os pilotos norte-americanos tomam
uma decisão drástica: agirem à margem do procedimento oficial. E Embora suas vidas já estejam comprometidas por um mal irreversível conseqüência do próprio experimento
-, preparam-se para um terceiro salto no tempo. Uma experiência singular que nos Mostra Jesus infinitamente mais humano e divino. Um Jesus que pouco ou nada tem
a ver com aquele retratado ou sugerido nas religiões e na História.

O diário (sexta parte)

18 DE MAIO, QUINTA-FEIRA (ANO 30)

«Eu me enganei, sim... outra vez.
Mas Eliseu, meu dedicado companheiro, soube esperar. Soube
escutar. Soube compreender. Tornou fácil o difícil.
Como já devo ter mencionado, as lembranças, a partir daquela
manhã de quinta-feira, 18 de maio, são confusas. Alguma coisa me
transformou e me dominou. Abandonei precipitadamente a Cidade
Santa e, esquecendo a missão, galopei sem descanso.
O Mestre nos esperava...
Seu amor nos protegeria... O que havia acontecido naquela longa
presença derradeira do Rabi, Melhor dizendo, o que havia acontecido
comigo Não era eu. Não era o cientista que, supostamente, devia
avaliar, comparar e julgar. De fato, alguma coisa singular instalara-se
no meu coração.

Na minha mente só brilhavam um rosto, uma frase, uma piscadela
de cumplicidade.
Até breve! Estava decidido. Iríamos em frente, já! Adiantaríamos o
ansiado terceiro salto no tempo. E Ele nos esperava.
Coitado do Posseidon. Mal lhe déramos descanso.
A questão era que, já avançada a noite, Eliseu me recebia
desconcertado. E durante algum tempo na verdade, todo o tempo -,
de maneira atropelada e sem muito êxito, tentei reconstituir os fatos
do andar de cima da casa dos Marcos e ao pé do monte das
Oliveiras.
Meu irmão, percebendo que alguma coisa não ia bem, limitava-se a
escutar. Deixou que eu desabafasse. Depois de uma longa pausa,
apontou os beliches, sentenciando:
- Vamos descansar. Um dia por vez. Decidízemos amanhã.
Eu me recusei, sentia-me decepcionado.
Insisti.
- Ele nos espera.
Não houve resposta. Eu sabia de seu ardente desejo. Ele, como eu,
havia planejado a nova aventura com precisão e carinho. Contudo...
Agora eu o compreendo e bendigo sua fibra.
Ali morreu minha defesa apaixonada. O cansaço então chegou e
fez-se o silêncio. A última lembrança que tenho é a de um Eliseu de
costas, entretido na revisão dos cinturões de segurança que varriam
o solitário cume do Ravid.
Sim, amanhã decidiríamos.

19 DE MAIO, SEXTA-FEIRA
Eliseu, prudente, me deixou dormir. Foi um sono longo.
Profundo. Revigorante. Um descanso fantástico. Ou não foi o sono?
Vejamos se sou capaz de explicar.
A nova manhã nasceu esplêndida. Luminosa. Os sensores do
berço ratificaram o que tínhamos à vista. Temperatura às 9:00
horas, 18 graus Celsius. Umidade relativa por volta de 47 por cento.
Visibilidade ilimitada. Ventos calmos.
Sim, um dia primaveril e diferente. A princípio, como eu ia dizendo,
atribuí a mudança ao sono sereno e reconfortante.
Pouco a pouco, porém, ao sair para a plataforma rochosa do portaaviões,
comecei a intuir que ali acontecia alguma coisa mais. As
palavras, de novo, me seguram, me limitam.
Era uma sensação. Ou deveria eu falar de um estado? Quase não
lembro do Jasão do dia anterior. Aquela fogosidade, aquele
empenho cego em dar o terceiro salto pareciam agora um pesadelo
remoto. Alguma coisa irreal.
Meu Deus, como explicar tudo isso!
Claro que discuti o problema com meu irmão e ele concordou
comigo. Também havia percebido. Parecia ter sido repentino, embora
eu continue tendo sérias dúvidas.
Era, sim, como se algo invisível, superior, benéfico e sutil tivesse
se derramado em nossos corações. Algo que, obviamente, naquele
instante, não soubemos definir.
Era, sim, uma sólida e implacável sensação (?) de segurança.
Uma segurança diferente de outras que experimentara.
Uma segurança em mim mesmo e, em particular, naquilo que levava
em minhas mãos. Uma estranha e inexplicável mistura (?) de
segurança, paz interior e confiança.
Tudo nos parecia diferente. E a princípio, talvez por conta de um
pudor estúpido, nenhum de nós se atreveu a mencionar a palavra, o
espírito não sei como descrevê-lo que pairava no meio daquela
sensação.

Foi meu irmão quem, corajoso, abriu seu coração.
- Não consigo entender disse -, mas aí está. Alguma coisa ou
alguém abriu minha mente. E sei que minha vida não será mais a
mesma. Seu espírito, suas palavras e suas obras se instalaram em
todo meu ser...
Então, ajoelhando-se, exclamou:
- Bendito seja..., Jesus de Nazaré.
Dias depois, ao retomar as missões que haviam ficado em
suspenso, ao saber, de forma definitiva, aquilo que ocorrera e fora
vivido pelos discípulos do Mestre em Jerusalém, comecei a
desconfiar. E hoje sei quem foi o responsável por aquela cálida e
poderosa sensação. Hoje sei que fomos participantes do magnífico
presente do Mestre. Um obséquio várias vezes prometido e que
levava um nome mágico: o Espírito da verdade.
Mas não vamos nos adiantar aos acontecimentos.
Não havia tempo a perder. Assim, diante do meu próprio desconcerto
e da expressão feliz e radiante de Eliseu, entregamo-nos a uma
análise calma e minuciosa da situação. E de forma espontânea,
começamos pelo mais importante. Minha fuga louca da Cidade Santa
acabava de arruinar um dos objetivos da missão oficial: seguir os
discípulos depois da impropriamente denominada ascensão. O que
acontecera durante a célebre festa do Pentecostes? Dera-se então
realmente a chegada do Espírito? Mais ainda, o que era exatamente
essa entidade? Podíamos dar credibilidade aos feitos fantásticos
narrados por Lucas? O que ocorrera no cenáculo? Aqueles ali reunidos
teriam visto as incríveis línguas de fogo? Os discípulos do Mestre
teriam falado em outros idiomas? Para tentar esclarecer essas
incógnitas, dispúnhamos somente de um recurso: apresentarmo-nos
em Jerusalém e, com paciência e tato, reunir toda a informação
possível.
Segundo assunto não menos delicado: a chamada Operação
Salomão. Aquela, justamente, era outra das chaves deste segundo
salto. Não podíamos falhar. Mas o início dessa operação estava
condicionado à base-mãe-três.
Eliseu e este que escreve repassamos mais uma vez o tempo de

minha permanência na Cidade; finalmente desistimos. Não havia
forma de sermos precisos.
Dependia de uma porção de fatores, cada um mais frágil e inseguro
do que o outro. Contudo, guiados por essa força férrea e recémchegada
que nos invadia, deixamos nas mãos de Ab-bã, o Pai dos
Céus...
Curioso. Belo par de cientistas! E Eliseu e eu nos olhamos,
estupefatos. Desde quando confiávamos no critério e na vontade de
Ab-bã? O incrível é que nenhum dos dois se tinha incomodado. Ao
contrário. Lutaríamos, sim. Isso estava claro.
Mas, a partir de certo ponto, o assunto passaria à sua jurisdição.
Sim, não há dúvida, alguma coisa havíamos aprendido com o Mestre.
Terceiro problema. Melhor dizendo, terceiro problema duplo: a
ameaça de Pôncio Pilatos e o assunto irritante da escassez de
recursos.
O governador, como anunciara o centurião, não descansaria até
prender o mágico poderoso que se atrevera a ridicularizá-lo. Na
verdade, eu pouco podia fazer. Allém das habituais e conhecidas
medidas pessoais de segurança, só podia reforçar os cuidados e
confiar.
Discreto, Eliseu, não querendo piorar meu ânimo, tratou de aliviar
minha carga, lembrando-me de uma coisa que eu já sabia:
- Resistiremos. Com o terceiro salto, tudo isso desaparece.
Outra questão foi o dilema difícil criado pela opala branca.
A princípio, eu havia perdido uma oportunidade de trocá-la em
Jerusalém. Contudo, meditando sobre as recomendações sensatas do
ancião Zebedeu, que me advertiu sobre as intenções tortuosas e a
voracidade de banqueiros e cambistas, fiquei um pouco inseguro.
Nem mais: Eliseu achou ótima a fuga aparentemente louca da Cidade
Santa. Que fazer então com aquela pedra preciosa? Como sabemos,
segundo Cláudia Procla, governadora, a peça tinha sido avaliada em
alguns milliões de sestércios (um pouco mais de 330 mil denários de
prata). Uma enorme fortuna.
Eu podia até me arriscar a viajar a Jerusalém levando a pedra.

Podia até negociar sua venda. Mas seria aconselhável transportar um
carregamento tão vultoso e pesado de moedas até ao berço?
Meu irmão não quis saber. O bom senso lhe recomendava cautela.
Esperaríamos.
Foi quando, ao fazer a contagem das parcas reservas existentes na
sacola de borracha, aqueles exploradores, longe de cair num
desânimo até natural, caíram na gargalhada.
Outro indício, sim, de que algo esplêndido e prometedor estava
nascendo no fundo de nosso ser...
Eliseu acariciou as moedas e cantou pela segunda vez: - Dez
denários e vinte asses...
E ao nos olharmos, um riso contagioso, inexplicável e irrefreável
explodiu de novo, quase nos fazendo chorar.
Desconcertante Nem tanto. Hoje acho que sei o porquê de reação
tão paradoxal. Em parte, a explicação foi dada por meu amigo com o
seguinte comentário certeiro:
- Seu Chefe está com algum problema...
E o riso voltou, eliminando qualquer vestígio de pessimismo.
Insisto. Hoje eu sei. Ali se dera um milagre. Aqueles homens
começavam a compreender. Melhor dizendo, aqueles loucos
aventureiros começavam a confiar em alguma coisa aparentemente
pouco científica, mas sublime.
Com efeito, Ab-bã, nosso Chefe, tinha um problema.
Por último, maravilhados diante da nossa própria atitude,
repassamos os detalhes do terceiro salto, mais que estudado.
Eliseu me observava com complacência. Aquele Jasão, tranqüilo e
sensato, mediu e calculou com equilíbrio. Tínhamos tudo, sim, mas
convinha esperar e cumprir primeiro com o estabelecido. E aquela
atmosfera de paz, confiança e segurança chegou ao berço.
Eliseu, em silêncio, foi se sentar na frente do computador central.
Digitou e, no ato, o fiel Papai Noel iluminou a tela e nos iluminou.
A leitura das frases pronunciadas pelo Ressuscitado em 22 de abril,
durante sua aparição na colina das Bem-Aventuranças, fechou a

inesquecível manhã.
.. Quando fordes devolvidos ao mundo e à época de onde
procedeis, uma única realidade brilhará em vossos corações: ensinai
a vossos semelhantes, a todos, tudo o que vistes, ouvistes e
experimentastes ao meu lado. Sei que, à vossa maneira, terminareis
por confiar em mim. Sei também que não temeis os homens, nem o
que possam representar,proclamareis minha verdade. E muitos
outros, graças ao vosso esforço e sacrifício, receberão a luz da minha
promessa...
Não houve comentários. Não sei se meu irmão tinha preparado
tudo.
Não interessa. Os dois estávamos de acordo: aquele era de fato o
verdadeiro objetivo, o mais sagrado, dessa experiência dura,
estranha e fascinante. Claro que confiávamos nEle. Como não confiar
depois do que havíamos visto e experimentado...
Iríamos em frente, sim. Não deixaríamos em branco um único
minuto, um único fato relacionado com o Mestre. O mundo devia,
tinha direito de saber.
Posseidon!
Ao nos aproximarmos das escotilhas, percebemos nossa
incompetência. O nobre cavalo branco, dado por Civílis na fortaleza
do governador, em Cesaréia, reclamava um mínimo de atenção. Os
relinchos reiterados e breves, rematados com um som grave, quase
com a boca fechada, não deixavam dúvidas. O animal protestava.
Chamava. Mas como podia saber que estávamos ali? O módulo,
protegido pela radiação IV(infravermelha), era invisível aos seus
olhos. Devíamos tomar uma decisão.
Ficávamos com ele? Meu irmão, coberto de razão, foi contra.
Certamente, pensando nas viagens que nos esperavam, contar com
o Posseidon podia ser de grande utilidade. Contudo, enquanto a
ameaça de Pôncio Pilatos continuasse pesando sobre este
explorador, a presença do chamativo animal constituía um perigo
extra. Tentei dissuadi-lo, argumentando que, ao montá-lo, não tinha
reparado em marca alguma, nem de raça, muito menos de
propriedade.

Eliseu me olhou feio. E eu soube a verdade: a única, a verdadeira
razão de peso que me levava a defender o novo companheiro... era o
afeto. Mas não protestou. Encolheu os ombros e me deixou com
minha decisão.
Havia uma prioridade. Querer alimentar o equino no alto daquela
planície pedregosa e ressequida era coisa quase impossível. A água,
talvez, era o de menos. O berço estava em condições de fornecê-la.
A forragem já era outro problema.
A vegetação que mal crescia no lugar era formada quase só pelos
heróicos círculos de cardos perenes (a já mencionada Gundelia de
Tournefort).
Dessa forma, de comum acordo, decidi descer até a plantação
situada ao norte do Ravid, ao pé do caminho que unia Migdal a
Maghar. Com um pouco de sorte, podia encontrar o que procurava
entre as hortas.
O que não imaginei, naturalmente, é que o Destino sempre ele
també me esperava entre aqueles esforçados felah.
Peguei a vara de Moisés, os últimos denários e, sol a pino, puxei
as rédeas do faminto Posseidon, cruzando a ladeira suave. Tudo
estava calmo. Amarrei o paciente animal à frondosa macieira de
Sodoma, devagar, extremando as precauções, fui me aproximando do
que chamávamos de zona morta, a rampa de uns seis por cento de
desnível que terminava na pista de terra negra e vulcânica.
O caminho parecia livre. Ao longe, à altura da plantação, vi um
bando de onagros, os asnos asiáticos duros e altivos, de ventre
branco e orelhas grandes. Fiquei tranqüilo. Trotavam rápido em
direção ao yam. Era o momento. Montei de novo o cavalo e, sem
perder tempo irrompemos no caminho. Minutos depois, sem saber
para onde ir, entrei decidido no labirinto de hortas e pomares. Não
foi preciso caminhar muito. A sombra de umas amendoeiras em flor,
um casal de fèlas (camponeses) trabalhava na colheita de enormes e
suculentos hati (os famosos alhos-porós da Galiléia). Como se
mostraram desconfiados, tive de repetir a pergunta. Precisava
comprar cevada, se possível, cozida, e também alguns efa(1) de bom
feno(2), bem como a pequena e nutritiva ol (fava) que começava a
ser colhida nas margens do yam.

Suponho que eles me entenderam, mas, com má vontade, quase me
dando as costas, se limitaram a indicar o rumo oeste, balbuciando
alguma coisa sobre um tal Camar. Nem tentei esclarecer a situação.
Aquilo não me parecia aramaico. Não querendo criar problemas
desnecessários, aceitei como boa a indicação e voltei ao início da
plantação. Ali, ao pé do montículo que protegia o pomar pelo seu
lado norte, meio escondida entre alfarrobeiras, figueiras, pistácias e
tamareiras, distingui uma choça de adobe com teto de palmeira.
*1. Cada efa- medida de capacidade para sólidos era equivalente a pouco mais de 43
quilos. (N. Do m.)
2. Estávamos em plena colheita da cevada o que chamavam de primeira ceifa e o feno,
conseqüentemente, devia ser de excelente qualidade. Quer dizer, composto de leguminosas,
gramíneas, rosáceas com flores e folhas de cheiro agradável e labiadas. Em resumo, um feno
doce e verde. (N. Do m.)
A curta distância da casa, sentado sobre a grama e recostado
contra a a de basalto de um poço, um velho me observava.
Decidi fazer a prova. Eu me apeei do animal e, ao chegar perto do
sujeito, comecei a entender.
Respeitoso, retribuiu meu cumprimento, mas num aramaico da
Galileia todo truncado. Levantou-se, estendeu a mão direita e,
depois de entoar um que Deus fortaleça tua barba, colocou a
mesma mão sobre o coração. Estava eu, de fato, diante de um
badarvi (um beduíno)(3).
O ancião, que devia ter uns 60 anos, vestia uma longa túnica
branca parecida com o dissaha dos nómades da Arábia), com mangas
amplas, cobradas por cima dos cotovelos. Cobria-se com um turbante
(um keffiyeh), também de lã e de um branco igualmente imaculado. E
sob o keffiyeh, solto sobre os ombros estreitos, um longo e
desgrenhado cabelo, de um ruivo flamejante.
Olhamo-nos com curiosidade.
O rosto, magro, todo anguloso e marcado por dezenas de rugas,
mostrava uns olhos pequenos, escuros e arrogantes. E na base
daquele semblante negro esverdeado, uma barbicha grisalha e
descuidada.

Sorriu, mostrando umas gengivas ulceradas e sem um único dente.
E, segurando a grande mão de prata que lhe pendia do pescoço(4),
fez sinal para que eu me aproximasse e que tomasse posse de seu
humilde lar.
Hesitei. Sequer havia perguntado quem era eu ou por que me
encontrava ali. Pouco a pouco, conforme fomos avançando na pista
de Jesus de Nazaré, o contato com esses numerosíssimos badn o
povo que fala claramente foi nos dando um conhecimento mais
completo e preciso de seus modos e costumes.
*3. O termo badmvi (beduíno, no singular) deriva do árabe (badu), embora os autênticos
habitantes do deserto se autodefinam como arab (árabes, no plural). Esta expressão arab
era a comumente usada nos tempos de Jesus para designar os beduínos em geral. (N. Do
m.)
*4. Esse tipo de enfeite conhecido como khamsa tinha para os badu um valor especial e
mágico. Tanto as mãos, como as pedras azuis, olhos, triângulos, etc., serviam
fundamentalmente para conjurar o temido mau-olhado uma das superstições mais difundidas
naquela época e naquelas terras, que o grande Rabi da Galiléia também enfrentou. (N. Do m.)
E a hospitalidade, como espero ter oportunidade de relatar, era
uma de suas normas mais sagradas. Pena que os evangelistas
praticamente não tenham mencionado os vários momentos nos quais
o Mestre conversou e conviveu com os arab. Mas vamos dar tempo ao
tempo.
Logo, o amável velho voltava em silêncio da escuridão da choça;
depositando no chão uma tigela de madeira e um ibrig (espécie de
jarro de pedra). Cerimonioso, me estimulou a experimentar.
Não fazê-lo teria sido um insulto. Dessa forma, correspondendo com
teatralidade idêntica, levei a jarra aos lábios, descobrindo com
prazer que o modesto aperitivo não era outra coisa senão o rai,
espécie de mosto ligeiramente fermentado e sabiamente misturado
com iogurt batido com suco de frutas. Em seguida, diante do olhar
atento do meu anfitrião, como ditavam os bons costumes, enfiei três
dedos da mão direita na tigela, tirando de dentro uma das delicadas
e douradas tortas de pão Deliciosa...
O homem, contente com meus elogios, esclareceu que uma coisa

inexplicável pode ser a mão de Deus o havia levado naquela
manhã a preparar o liageh, um pão especial, elaborado com farinha
de trigo e empapado em manteiga e mel.
O que me chamou a atenção é que falava de Deus e não de
deuses. Esses povos pré-islâmicos adoravam e veneravam toda uma
legião de gênios benéficos (os wely) e maléficos (os inn), bem como
numerosos fenômenos da Natureza, planetas e meteoritos. Mas não
me pareceu prudente aprofundar-me num tema tão pessoal.
De acordo com as especificações da boa educação entre os badu,
repeti o raki três vezes e, finalmente, agitando a jarra, fui depositála
nas mãos finas e longas do ancião. Foi então que, ainda de acordo
com esses mesmos costumes, o gentil beduíno decidiu comer. E o fez
num reverendo mutismo.
Não tive alternativa. Se realmente desejava comprar a forragem
para o paciente Posseidon, era preciso me ajustar às normas e me
armar de paciência. Não me enganei. Ou sim? Concluída a refeição,
como eu imaginava, ignorando a razão ou razões da minha presença
em sua propriedade, ele tomou a palavra e aquele aramaico
detestável começou a falar de seus ancestrais e de sua gloriosa
origem. Eu me resignei, fingindo um vivo interesse e assentindo em
silêncio a cada uma de suas afirmações mais que duvidosas.
Soube assim que se chamava Gofel, embora todo mundo, na
comarca, o conhecesse por um apelido: Camar, que em árabe significa
lua. O apelido do antigo nômada procedente, segundo ele, das
remotas mesetas do Moab se achava, pelo jeito, perfeitamente
justificado. Mas sobre esse tema teríamos grandes notícias no
terceiro salto.
Disse pertencer ao mui nobre clã ou tribo dos Beni Saher, oriundos
dos pastos de Madaba. E agitado referiu-se à sua estirpe como os
filhos do penhasco, uma lenda que situava o nascimento do tal
pooado numa rocha ou saher, nos limites da atual Belqa. E depois de
enumerar os nomes dos vários varões até a quinta geração,
esgotado, concluiu amaldiçoando como era de esperar os Adwan,
os Togallr, os Hamaideh, os rltawne e, naturalmente, os odiados
Sararat(1). Todos, segundo o agitado Camar, cães raivosos e
inimigos ancestrais de nossa gente.

Era o ritual e, repito, não tive outro remédio senão escutar e
esperar.
Finalmente, como se fosse a coisa mais natural, perguntou a que se
devia a honra da minha visita. Fui direto e sucinto.
Camar, contudo, depois de compreender minhas prosaicas
intenções, não respondeu. Dirigiu um olhar ao cavalo e, levantandose,
caminhou até o animal. Eu não soube o que fazer nem o que
dizer.
Ele encarou posseidon e acariciou a estrela negra da fronte.
O eqüino, com as orelhas em ponta e para a frente, mostrou-se
dócil e tranqüilo. Bom sinal. O fino instinto do animal parecia
coincidir com minhas observações iniciais: Camar era confiável.
*5. Conforme fomos avançando na exploração, comprovamos que, de fato, os clãs ou tribos
mencionados por Camar se achavam distribuídos por boa parte da Peréia, mar Morto (em
particular nas regiões do leste), deserto do Negueb, Decápole e, claro, Galiléia. A esses grupos
de arab devíamos somar outras centenas de famílias e subclãs. (N. Do m.)
Devagar, deu a volta em torno do animal, apalpando-o e
examinando-o. Escutei alguns elogios relativos ao excelente aprumo,
à crina prateada, fina e imaculada, à cabeça retilínea e ao pescoço
de cisne do meu amigo.
Depois disso, voltou para perto de mim. Continuou observando o
cavalo e, pedindo minha permissão, foi separar os lábios do animal.
Segurou a cabeça com destreza e energia. O badawi sabia...
Deixei que ele continuasse. Certamente aquele personagem podia
ser muito útil. Ainda tínhamos pela frente muitos dias de
permanência forçada no Ravid.
Quem sabe, pensei, nossa despensa pudesse até ser beneficiada.
Acertei, mas não como imaginava.
Ele examinou os dentes do cavalo e, uma vez mais, mostrou-se
satisfeito. A verdade é que, até aquele momento, não havia
reparado na idade do meu companheiro. Os incisivos de leite
apareciam definitivamente substituídos, mostrando as respectivas

concavidades nas pontas. Posseidon, com toda a probabilidade,
estava prestes a completar cinco anos.
- Bem ele sussurrou por fim, reforçando as palavras com um sorriso
maroto -, na minha juventude fui sais e sei o que digo...
Sais? Eu devia ter imaginado. Um especialista na avaliação de
cavalos.
- .. Ofereço-te 40 peças...
Foi tudo tão repentino e inesperado que fiquei com a boca aberta,
incapaz de reagir. E Camar, tomando o silêncio como uma negativa
lógica, divertindo-se com o que achava ser uma forçosa cerimônia de
pechincha, aumentou a soma.
- Quarenta e cinco e que meus ancestrais me perdoem.
- Mas...
Rápido e astuto, adotou uma postura falsa e obrigatória naquele
tipo de negócios entre os badu.
- Achas que estou te enganando?
- É que...
Não me deixou terminar. E em seguida fez mais um gesto teatral,
batendo no peito e invocando o suposto fundador de sua tribo.
- Oh, pai Sahael!... Protege-me deste munayyil? 22
Fiquei na minha. Apesar da grosseria do insulto (munayyil, entre os
arab, é sinônimo de covarde(6) e homem sem honra), eu sabia que
lamentos e impropérios faziam parte do ritual.
- O que pretendes? - Ele elevou a voz, desconcertado diante da
aparente resistência daquele estrangeiro. - Queres ver minha ruína?
Queres sujar minha cara?(7) Não vês que estou jurando pelo mais
santo?
Juro por mim e por meus cinco! Achas que sou um cão sararat?(5)
A comédia, de fato, chegava ao fim. Ao jurar por si mesmo e por
suas cinco gerações, Camar defendia sua honra no limite do
permitido pelos escrupulosos badu. Quanto à alusão pejorativa ao
clã dos sararat, o velho queria usar uma muleta, uma expressão

comum e corrente naquele tempo. Os sararat, nômadas dos nômadas,
haviam caído na desgraça, sendo qualificados pelos judeus, gentios
e arab como ladrões, assassinos e cães do deserto(8). Não era por
acaso que, ao longo da sua vida de pregação, Jesus de Nazaré se
referiria, em diferentes ocasiões, a estes infelizes, tão injustamente
marginalizados e desprezados.
Francamente, não sei o que aconteceu. Suponho que o Destino,
atento, viera ao meu encontro.
Enquanto eu assistia, perplexo, à encenação de Camar, alguma
coisa me fez pensar na proposta. Resisti, mas foi inútil. Aquilo era
implacável.
Pesei prós e contras e, desconcertado, tive de reconhecer que a
oferta nos aliviaria de duas maneiras.
*6. O termo munayyil (pintado com nileh) procedia de um velho costume dos arab. O homem
covarde que, por exemplo, fugia da batalha, ao voltar ao acampamento recebia no rosto um
banho de nileh (índigo) O ritual, geralmente, ficava a cargo de uma mulher da tribo. Dessa
forma, o munayyil, com o rosto pintado de azul, era o alvo de gozação de sua gente, sendo
desprezado por todos. (N. Do m.)
*7. Entre os badu, a honra e a hospitalidade são dois princípios sagrados. Faltar à palavra ou
trair os seus é considerado uma das piores afrontas. Na verdade, entre eles, é expressão
corrente manter a brancura da cara, se referindo à preservação da honra pessoal ou do clã.
(N. Do m.)
8. Os badus que chegamos a conhecer nas sucessivas explorações apareciam divididos numa
infinidade de clãs. Um desses grupos os sararat devia sua péssima fama a uma remota e
duvidosa lenda. Segundo a tradição, Sarar, o ancestral dessa tribo assassinou a própria mãe
ao nascer, e o pai, como castigo, obrigou que uma cadela o amamentasse. Daí o qualificativo
de cães do deserto. (N. Do m.)
De um lado, pairava o assunto da presença comprometedora de
Posseidon. Doía, sim, mas cedo ou tarde, eu teria de seguir os
conselhos de meu irmão. Ao mesmo tempo, e não era uma questão
de fugir da magnífica ocasião, a venda do cavalo nos tiraria do
sufoco.
- De acordo...
Nem eu mesmo acreditava.

- Mas vamos deixar em cinqüenta...
Camar ficou pálido. Contudo, não lhe dei a menor chance.
- ... Cinqüenta denários rematei autoritário e um presente.
Os olhinhos do badawi baixaram. Beijou a mão de prata e, sorrindo
meio forçado, negou com a cabeça.
Não insisti. Eu devia mostrar firmeza. Assim, puxando o posseidon,
fingi uma retirada em grande estilo, encaminhando-me para a
estrada.
O velho truque funcionou. Logo, um Camar gesticulante e choroso
obstruía meu caminho, repetindo a habitual cantilena de juramentos.
O resto foi simples. E o trato se fechou em 47 peças de prata e um
enorme saco com a melhor colheita da horta: alho em abundância,
cebolas, as suculentas adashim (lentilhas), alhos-porós, ovos e dez lo
(seis quilos) de tenras pol (favas).
Eu não quis olhar para trás. Com o coração na mão, literalmente
fugi da plantação. Acabava de vender um amigo por um punhado de
moedas.
Curioso e demolidor Destino...
Naturalmente, Eliseu aplaudiu a operação. Eu, de minha parte,
fiquei silencioso e taciturno o resto do dia, refugiando-me nos
preparativos para a iminente partida em direção à Cidade Santa e
colocando em dia minhas anotações e lembranças.
Repassei, em particular, os fatos transcendentais vividos por este
explorador nas primeiras horas da manhã de quinta-feira, 18 desse
mês de maio, na casa do falecido Elias Marcos e no monte das
Oliveiras(9).
*9. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 5, pp. 314 e ss. (N. Do a.)
Tremi de novo, mas, enquanto escrevia, formando a imagem da
última aparição incrível do mestre, um desgosto crescente e, imagino,
inevitável tomou conta de mim.
Como era possível? Caí de novo nos textos evangélicos e, repito,
meu ânimo foi esquentando.

Marcos e Lucas, os únicos que se referem ao prodígio,
simplesmente não davam uma dentro... Como isso era possível? O
primeiro, no capítulo 16, versículo 19, diz textualmente: E o Senhor,
depois de lhes ter falado, foi levado ao céu, e está sentado à direita
de Deus. Será que a prolongada presença do Ressuscitado entre
seus discípulos por volta de meia hora não tinha sido
considerada importante? Será que o jovem João Marcos o futuro
escritor sagrado (?) - não soubera ou não quisera se informar a
fundo? Essa lamentável escassez terminaria provocando, com o
tempo, uma polêmica absurda entre exegetas e escribas. E a maioria
sempre tratou de justificar o texto de Marcos, argumentando, mais ou
menos, que o evangelista inspirara-se na história de Elias e o Salmo
110(10). Em outras palavras, alguma coisa assim como se a
ascensão tivesse sido uma licença poética.
Eu me revoltei, claro. Ele o disse. O Mestre repetiu duas vezes.
Primeiro no cenáculo e, por último, na franja oeste do monte das
Oliveiras:
.. Eu vos pedi que permanecêsseis aqui, em Jerusalém, até minha
ascensão junto ao Pai....
Lenda? Licença poética?
Marcos disse a verdade, mas não foi fiel a tudo aquilo que
aconteceu naquela manhã memorável. Se tivesse relatado os fatos
com detalhes, ninguém teria por que duvidar. Mas o que eu
estranhava em tudo isso, As mutilações, silêncios e mudanças nos
textos que eu me nego a aceitar como revelados
- mal haviam começado.
*10. No livro segundo dos Reis (2,11), podemos ler: Iam caminhando (Elias e Eliseu;
enquanto conversavam, quando um carro de fogo com cavalos de fogo se interpôs entre eles; e
Elias subiu ao céu no torvelinho. Por seu lado, o referido Salmo 110, garante: Oráculo de
Yaveh ao meu Senhor: Senta-te à minha direita, até que eu faça de teus inimigos o escabelo
dos teus pés. (N. do m.)
Estou sendo realmente objetivo? Temo que não...
Talvez eu simplifique muito. Talvez o bom e voluntarioso Marcos

não tivesse tido toda a culpa. Vou me explicar. Segundo minhas
informações, embora o jovem João Marcos, como venho relatando,
tivesse conhecido o Mestre e o seguido durante alguns períodos de
sua vida, seu evangelho deveria levar o nome de Pedro ou Paulo.
Foram eles que, parece, o estimularam a escrever. Mas isso não foi o
pior. O lamentável é que ambos, Pedro e Paulo, influíram
decisivamente na redação, adulterando e suprimindo coisas segundo
os interesses das cabeças visíveis da quase recém-fundada Igreja de
Roma(11). Como dizia o Mestre, quem tiver ouvidos... E o que dizer
de Lucas? Não conheceu Jesus. Parece que quase toda a sua
informação sobre o Mestre vinha do, para muitos, nocivo Paulo(12).
Talvez isso explique o porquê de muitos de seus arroubos literários e
de seus erros crassos. Mas vamos por partes. No momento me atenho
ao tema que me ocupa: a ascensão. Vejamos alguns exemplos
daquilo que afirmo.
No último capítulo de seu evangelho (versículos 50 e 51), ao narrar
a derradeira presença do Ressuscitado, escreve impávido: Depois
levou-os até perto de Betânia e, erguendo as mãos, os abençoou. E
aconteceu que, enquanto os abençoava, separou-se deles e foi
elevado ao céu.
*11. Embora ainda não exista uma documentação histórica que prove, todos os indícios
mostram que Marcos pode ter empreendido a redação do seu evangelho pouco depois da
morte de Pedro e Paulo. Quer dizer, até o ano 68 de nossa era.
Provavelmente como observa o major -, Marcos elaborou o texto de acordo com suas
próprias lembranças e com as indicações de Pedro. Pode ser até que o contato com Paulo o
tenha levado a novas modificações. O certo é que, entre a morte de Jesus de Nazaré (ano 30)
e a confecção dos escritos de Marcos, podem ter transcorrido esses quase quarenta anos.
Um período de tempo muito longo para lembrar com precisão os fatos e, sobretudo, as
palavras do Galileu. (N. Do a.) *12. Não é minha intenção julgar ninguém, e muito menos Paulo,
mas estou convencido de que a invenção da Igreja deve muito ao fabricante de tendas de
Tarso. Como espero poder expor, a mensagem chave do Mestre - o homem é um filho de
Deus - foi lamentavelmente modificada e Paulo teve muito a ver com essa nefasta mudança de
rumo. (N. Do m.)
Perto de Betânia? Nada disso.
E o que aconteceu com a importante mensagem que o Filho do
Homem preocupou-se em lembrar aos seus?

.. Amai aos homens com o mesmo amor com que eu vos amei. E
servi vossos semelhantes como eu vos servi... Servi-os com o
exemplo... E ensinai aos homens com os frutos espirituais de vossa
vida. Ensinailhes a grande verdade. Incitai-os a crer que o homem é
um filho de Deus... Um filho de Deus!... O homem é um filho de Deus
e, portanto, todos sois irmãos... Lucas fica mudo. Por quê? Se falou
com Paulo, se perguntou a muitas testemunhas, por que ocultou
essas palavras importantes Dias mais tarde, quando a Providência
me permitiu assistir à definitiva ruptura entre os apóstolos, intuí a
possível razão que teria levado Lucas e os outros tabeliães a
descer um espesso véu sobre essa cena decisiva da ascensão. Mas
disso prefiro falar mais adiante.
Quanto ao segundo texto os Atos dos Apóstolos -, atribuído
geralmente a Lucas(13), a desordem alcança níveis insuspeitos.
A verdade é que não há como negá-la.
O médico de Antioquia mistura tudo, acrescentando não sei se de
sua própria colheita fatos que jamais aconteceram. E, cúmulo da
prepotência, ainda tem o atrevimento de afirmar que escreveu no
primeiro livro o evangelho que leva seu nome tudo aquilo que
Jesus fez e ensinou desde o começo....
Meu Deus! Como estão enganados aqueles que se consideram
crentes!
Mas vamos continuar com os exemplos.
O capítulo 1 dos referidos Atos (versículos 6 a 12), diz textualmente:
Aqueles que estavam reunidos lhe perguntaram: «Senhor, é este
o momento em que vais restabelecer o Reino de Israel?.
Ele lhes respondeu:
*13. Segundo informações obtidas à margem da missão oficial, Lucas, o médico pagão que
terminaria se tornando um seguidor de Paulo, escreveu seus textos por volta do ano 80, na
província romana de Acaya, ao sul da Grécia. Embora, de fato, tenha consultado muitas
testemunhas da vida do Mestre, sua principal inspiração foi o inevitável Paulo de Tarso.
Parece que conheceu os escritos de Marcos e parte das memórias de Mateus Levi. Quando
morreu, no ano 90, preparava um terceiro livro sobre o Galileu. (N. Do m.)
Não vos cabe conhecer o tempo e o momento em que o Pai, com

sua autoridade, determinou, e sim que recebereis a força do Espírito
Santo, que virá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em
Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra.
E dito isso, foi levantado na presença deles, e uma nuvem
ocultouo dos olhos deles. Estando eles a olhar fixamente para o céu
enquanto ia embora, apareceram dois homens vestidos de branco
que lhes disseram: «Galileus, que fazeis olhando para o céu? Este
que foi levado, este mesmo Jesus, virá assim como o vistes subir ao
céu.»
O que foi dito. Toda uma salada de erros e invenções.
Para começar, o confiado Lucas mistura a pergunta dos ali
reunidos com o final da impropriamente chamada ascensão.
Como podemos lembrar, a pergunta colocada por Simão, o Zelota,
representando os atemorizados discípulos surgiu no cenáculo.
Quanto à resposta do Mestre, nada tem a ver com a realidade. Lucas
ouviu o galo cantar, mas...
Segundo parágrafo. Nuvem? Anjos? Roupas brancas? Anúncio da
volta de Jesus? Tudo isso não passa de lenda. O Ressuscitado
simplesmente, desapareceu. Ali não houve mais nada. E não é
pouco...
Suponho que, interpretando o sentimento generalizado da primitiva
Igreja com respeito à iminente e triunfal volta à Terra do saudoso
Mestre, Lucas deu asas à sua imaginação, enfeitando um prodígio
que não precisava de reforço algum. A Ciência hoje sabe disso nós
sabemosmuito bem.
Aqueles que, por outro lado, não sabem ainda são os teólogos e
os exegetas. Muitos continuam acreditando, e afirmando, que o
fenômeno da ascensão só foi um ensinamento teológico, sem rigor
algum. Mais claro: que a ressurreição e o próprio Ressuscitado jamais
existiram.
Coitadinhos...
Ultimo exemplo.
Tanto no Evangelho como nos Atos, o confuso e confundido médico
oferece, insisto, uma invenção que, entendo, altera a por si só

fantástica realidade do Ressuscitado. Vejamos. O evangelista afirma
que, numa das aparições, o Mestre comeu com os discípulos (Lc. 24,
42 e 43 e Atos 1, 4). Além de não estabelecer com clareza o lugar e
a data (essa presença deu-se em (?) 1 de abril, sexta-feira, às
margens do yam),
ccomete outro erro. Ignoro o que poderiam ter-lhe contado as
testemunhas presentes, mas, como já tive oportunidade de relatar
neste apressado diário(14), ao lhe ser oferecido peixe o Galileu
recusou negando-se a comer. O Ressuscitado jamais ingeriu comida
ou bebida. Nem nessa nem em qualquer outra das dezanove
aparições que pudemos contabilizar. Um detalhe aparentemente
folclórico e sem maior transcendência mas que, para a Ciência, traz
um conteúdo interessante. Um detalhe sutil que, de forma
definitiva, manifestava a realidade lógica e esmagadora daquele
corpo glorioso. Um maravilhoso detalhe que parecia
programado, não para aquele tempo, mas para o nosso... Lucas,
por fim, voltava a enfeitar os fatos, de forma desnecessária.
E não tenho outro remédio senão me perguntar: se esses textos,
supostamente sagrados, mudaram o rumo de meio mundo, o que teria
ocorrido se houvessem respeitado a verdade? Contudo, o mais triste
que põe em jogo boa parte de tudo que se narra nesses
evangelhos -, estava por chegar.
E pouco a pouco fui me resignando.
*14. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 3, pp 321 e ss. (N. do a.)
DE 21 DE MAIO A 25 DE JUNHO
Outro período importante, sim. Foram dias intensos nos quais este
explorador recebeu uma informação privilegiada. Uma informação
que, para variar, tampouco foi relatada pelos evangelistas. Vejamos
se sou capaz de analisá-la bem.
Depois de descansar sábado e domingo, em 21 de maio do ano 30,
primeiro dia da semana, abandonei o Ravid ao romper do dia,
empreendendo aquela que seria a última missão oficial em terras da

província romana da Judéia.
Eliseu, como sempre, lacônico. Ambos detestávamos as
despedidas. Como devo ter mencionado, era difícil estabelecer a
data exata da minha volta. Bastariam talvez duas ou três semanas, a
não ser que o Destino tivesse outros planos. Na verdade, um período
mais que suficiente para visitar a Cidade Santa e a aldeia de Nazaré,
reunindo a documentação que nos fora encomendada e que este
aloucado grego não soubera conseguir no tempo devido.
Na parte de cima do porta-aviões tudo andava sem novidades. A
base-mãe-três, como suspeitávamos, parecia um refúgio excelente,
sem interesse algum para os habitantes da zona e muito menos para
o gado. O certo é que, naqueles dias, os alarmes, especialmente a
cortina de microlaser que varria a popa do Ravid num ângulo de
180 graus e a uma razão de cem varreduras por segundo -, não
tinham detectado nenhum alvo importante, exceto as inevitáveis
irrupções dos bandos festivos de pombos selvagens, pombas ruivas e
andorinhas da Galiléia, tão habituais, naquela benigna primavera,
nos penhascos e escarpados da vizinha Arbel.
O berço, segundo o previsto, depois de desligada a SnrlP 27 (a
pilha atômica), continuou vivo, graças à energia fornecida pelos
providenciais espelhos solares, capazes de gerar até 500 W Como foi
dito, a longa permanência do módulo no alto do Ravid nos obrigou a
reservar a potência do plutônio da SNAP limitada a um ano para o
obrigatório vôo de retorno à meseta de Massada. Desde os primeiros
instantes, foi só pisar em terra e meu irmão ocupou-se da instalação
e funcionamento dos doze espelhos de vidro com revestimento de
prata(1). E como medida suplementar e de precaução, fixou também
no exterior da nave as chapas de reserva, a base de aço doce
prateado e metal eletroprateado, cujos índices de reflexão 91 e 96
por cento, respectivamente podiam incrementar a autonomia
elétrica do berço.
A despensa, discretamente sortida, não nos preocupava. Em
princípio, água e alimentos eram mais que suficientes para sustentar
Eliseu durante minha ausência. Em caso de emergência, contudo,
sempre havia o recurso da plantação. Meu companheiro, então, devia
descer e negociar com os felah. O contato com Camar havia sido

positivo, deixando aberta uma porta interessante. Ainda assim,
lembrando a amarga experiência vivida na cripta de Nahum, eu Lhe
supliquei que não caísse na tentação de se afastar do módulo.
Ele deu um sorriso maroto e, francamente, eu estremeci.
O acordo entre nós era o seguinte: enquanto este explorador
permanecesse ausente, ele se ocuparia com as análises
interrompidas do sangue da Senhora, a mãe do Mestre, e a revisão
da viagem ao sul de Israel, batizada como Operação Salomão. A
primeira parte do seu plano devia se completar com os estudos
correspondentes sobre o DNA de José, o pai terreno de Jesus. Mas,
para isso, este que aqui escreve tinha de trabalhar com alguns dos
restos ósseos, missão que me obrigava a visitar de novo o cemitério
da recôndita Nazaré. Mas isso ficaria para a minha volta a Jerusalém.
*1. Cada uma dessas unidades, de 29 centímetros de diâmetro, levava presa ao dorso uma
película de cobre, com a possibilidade de ser fixada a um estribo de ferro, em disposição
azimutal biaxial. O sistema permitia que toda radiação refletida incidisse num único ponto. Isso
era possível graças à fórmula especular assimétrica e ao deslocamento do eixo de giro
horizontal no centro da curvatura da imagem. (N. Do m.)
último, seguindo as rigorosas normas do Cavalo de Tróia, fizemos a
revisão da indumentária e do equipamento. Na verdade, coisa de
rotina.
Fui aspergido meticulosamente com a pele de serpente, incluindo
mãos, pescoço e cabeça. Repassamos a tatuagem na palma da mão
esquerda, bem como os crótalos (as lentes de contato, vitais para
a visão infravermelha) e as sandálias eletrônicas. A partir desse
momento era preciso ter mais cuidado. Aquele era o último par
disponível.
Com a sacola de borracha e os trinta denários de prata nela
depositados, voltou a risada. Mas meu ânimo estava intacto.
Iríamos em frente.
Por uma questão de prudência obedecendo aos conselhos
sensatos de Eliseu a valiosa opala branca ficou no berço.
Quanto à sacola de viagem, poucas vezes eu havia encontrado uma
tão leve: algumas provisões (basicamente frutas secas), água, a

habitual farmácia de campanha(2) e um par de ampolas extras,
vazias.
A vestimenta tampouco foi mudada: túnica de linho cru, modesto
cinto trançado com cordas egípcias e o incômodo mas imprescindível
manto azul celeste confeccionado com lã das montanhas da Judéia.
E me aferrando à vara de Moisés saltei em terra, afastando-me.
O que me reservava o Destino? A resposta foi um comichão familiar
no estômago. Não me inquietei. Aquela misteriosa força continuava
ali, me inundando. E seguro de mim mesmo, aproveitando o cálido
amanhecer, caminhei rápido ao encontro da via maris e das portas
da buliçosa Tiberíades.
Sim, aquela experiência seria diferente. Eu sentia isso com nitidez.
Allguma coisa ou Alguém me acompanhava.
*2. Numa dezena de ampolas de barro foram colocados, entre outros, os seguintes
remédios: analgésicos, antitérmicos, antibióticos de amplo espectro (tetraciclina, cotrimoxazol e
amoxicilina), antidiarréicos (loperamida), antiácidos (trissilicato de magnésio e hidróxido de
alumínio), anti-histamínicos, antibióticos para uso tópico (neomicina e bacitracina), cloroquina
(importantíssima como antipalúdico), um amebicida (tinidazol ou metronidazol), uma mistura
especial para reidratração por via oral, soros antipeçonhentos polivalentes e soluções antifungos
(clotrimazol). (N. Do m.)
No limite da conexão auditiva (15 mil pés), frente à capital do
yam, despedi-me de vez de Eliseu, confirmando a caminhada até a
segunda desembocadura do Jordão. A partir de Tiberíades, a ligação
com o berço ficava praticamente cortada.
Não precisei esperar muito tempo. Logo me juntei a uma numerosa
caravana de sírios que transportava farinha de cevada e cujo destino
era Jericó, na margem ocidental do rio. O capataz e chefE dos
burriqueiros aceitou de bom grado a companhia daquele grego
solitário e a soma de doze asses (meio denário de prata) por dia de
viagem. Como eu já disse, muitos peregrinos procuravam esse tipo de
proteção quando precisavam se deslocar dentro e fora do país.
O céu foi benévolo. Na tarde de terça-feira, dia 23, pouco antes do
cair da noite, este explorador batia nas portas do lar dos Marcos, em
Jerusalém. O último trecho, a partir de Jericó, embora solitário, foi
coberto sem incidentes dignos de nota.

O ambiente, reconheço, me desconcertou. O luto pela morte do
cabeça da família parecia ter desaparecido por completo. Tudo era
agitação e uma alegria contagiosa e inexplicável. Maria, a senhora
da casa, João Marcos, o caçula, Rode, o resto da criadagem e os
discípulos do Mestre que ainda permaneciam na moradia me
receberam de braços abertos. Todos menos João Zebedeu, é claro...
A verdade é que eu sentia falta deles. Depois da aparição no yam,
na tarde de sábado, 29 de abril, não tinha voltado a vê-los. A
Senhora e Tiago, seu filho, também continuavam no casarão.
Serei capaz de explicar tudo isso?
Como digo, alguma coisa pouco comum acontecia ali. Rostos,
gestos e atitudes não eram normais. Aquilo não tinha relação com o
que eu havia visto e escutado na Galiléia.
Desconcertante, sim.
Pensei primeiro nos efeitos lógicos provocados pela última
aparição do Ressuscitado. Mas não... O comportamento, insisto, me
era familiar. Sorrisos, alegria, companheirismo e afeto não eram
estridentes. Ali pulsava alguma coisa mais profunda, mais serena,
mais sólida e contínua. Todos falavam e se manifestavam com um
aprumo, uma segurança e uma doçura que, repito, me lembrou a
sensação enigmática experimentada por meu irmão e por quem
aqui escreve no cume do Ravid.
Algum tempo depois, após vários dias de conversas intensas e
uciosas com aqueles vinte amigos, cheguei a uma conclusão. Uma
conclusão que me fez estremecer. - Mas vamos por partes.
Não podia acreditar naquilo. Que acontecera com aquele Pedro
agressivo e desconsiderado? Agora se apresentava diante de mim,
sóbrio, exuberante, irradiando uma paz insólita e desconhecida. Até
o seco e cético Tomé dava rédea solta a um otimismo e a uma
confiança que teriam dado muita satisfação ao Mestre.
Foi Maria, a Senhora, quem, nessa mesma noite em que me
interessei pela causa dessa mudança tão chamativa, começou a me
abrir os olhos. E pouco a pouco, repito, ao interrogar mais sobre o
resto, pude ir montando os detalhes daquele que, sem dúvida, tinha
sido um dia hístórico para todos. Sim, eu disse bem, para todos.

Eis aqui a essência daquilo que aconteceu naquela quinta-feira, 18
de maio, e que, por causa da minha proverbial incompetência, não
tive a sorte de presenciar: Segundo meus informantes, entre os quais
devo mencionar homens muito sensatos e lúcidos como José de
Arimatéia, Nicodemos e o próprio Tiago, irmão do mestre, pouco
depois do adeus definitivo do Ressuscitado no monte das
Oliveiras, um Pedro firme e corajoso ignorando as disposições do
Sinédrio contra aqueles que pregavam a Ressurreição deu uma
ordem seca: todos aqueles que amavam Jesus de Nazaré deveriam
congregar-se na casa dos Marcos.
O caçula e a criadagem percorreram então Jerusalém e, entre a
terceira e a quinta hora (por volta das dez e meia da manhã), cerca
de vinte homens e mulheres, todos fiéis seguidores dos
ensinamentos de Jesus, foram abarrotar o andar superior do casarão.
Ali, o já quase consagrado novo líder, Pedro Simão, dirigiu-se ao
grupo e, com sua peculiar eloqüência, falou dos recentes
acontecimentos registrados naquele mesmo cenáculo e no monte
vizinho.
De acordo com minhas indagações, Pedro não alterou os fatos, nem
tampouco as palavras do Rabi. Cometeu porém um erro não sei se
involuntário que se repetiria no futuro e que, como eu já disse em
outras ocasiões, terminaria modificando gravemente a mensagem do
Mestre.
Ao fazer alusões à magnífica e esperançosa paternidade de Deus,
o pescador esqueceu o trecho, reforçando, por outro lado, o fato
deslumbrante da realidade física do Ressuscitado.
E os presentes vibraram de emoção. Sim, Jesus vivia. Jesus tinha
corpo. Jesus voltara da tumba. Jesus, de forma definitiva, era
triunfante. E Pedro atacou a casta sacerdotal, ridicularizando-a.
Suponho que isso seja compreensível. Eram seres humanos.
Acabavam de padecer o horror e a vergonha da crucificação. Como
não se aferrar à idéia maravilhosa de um Jesus vivo, que falava, que
se mexia e que tocava? Não pretendo justificar o erro de Pedro e
daqueles que o seguiram nisso, mas eu entendo. Eu O vi. Conversei
com Ele. Tivemos a sorte de meio analisar sua estrutura física. Como
não ficar extasiado com tal prodígio?

O vibrante discurso no qual foi plantada, sem querer, a semente
de uma religião em torno a figura do Galileu e não de sua
mensagem prolongou-se durante uma hora. Foi tal o impacto que
ninguém se mexeu. Todos esperaram as ordens do brilhante líder.
Mas Pedro, atônito com sua própria força, não reagiu. Foi Mateus
Levi, seguido por André, o irmão de Simão, quem resolveu a
incômoda situação, lembrando a promessa do Mestre de enviar o
Espírito. Esse seria o sinal. Só depois agiriam.
Quando perguntei que idéia tinham desse Espírito da Verdade,
nem um único dos meus confidentes soube me explicar. Não
entenderam o Ressuscitado. Não sabiam do que ele falava.
Contudo, logo averiguariam...
Todos aceitaram. Esperariam.
A iniciativa seguinte correu por conta de Pedro. Num daqueles
interrogatórios, o pescador me confessou que a idéia surgira ao
lembrar as frases de Jesus sobre o malogrado Judas Iscariotes. Uma
alusão, com efeito, que aconteceu naquele mesmo andar superior e
na primeira parte por assim dizer da última presença do Galileu
na Terra. Judas não está mais convosco havia dito o mestre
porque seu amor esfriou e porque ele negou-se a confiar em vós.
Muito bem, essa referência ao traidor levou o líder a procurar um
substituto. Ele expôs o assunto a todos os discípulos e a sugestão
foi aprovada por unanimidade. Mas como fazer para nomear o
embaixador número doze?
Guiados por sua boa fé cometeram o erro de anunciar sua intenção,
a todos os presentes. E parte do grupo, excitada pelos
acontecimentos fantásticos daquela mesma manhã, se colocou como
voluntária em meio a uma formidável gritaria.
Todos queriam esse posto. Curiosamente segundo minhas
informações -, entre esses cinqüenta ou sessenta braços levantados,
nenhum pertencia a uma mulher. Eu não me enganava.
As coisas, depois da partida do Rabi, não tinham melhorado para
as sofridas e resignadas mulheres. Essa, contudo, é outra história.

Foi preciso pôr ordem e fazer uma votação. Assim, depois de várias
discussões, o problema ficou reduzido a dois candidatos: um judeu
do bairro alto de Jerusalém, ferreiro de profissão, viúvo, de uns 50
anos de idade, homem de escassas palavras, que recebia o nome de
Matias, e um badawi conhecido pelo apelido de Beer-Seba,
Berseba ou Barsaba,(3) 20 anos mais jovem e que havia se
destacado por seu excelente trabalho entre os correios de Davi
Zebedeu. Lamentavelmente, como veremos, a condição de prosélito
não o favoreceu na hora da votação final. Este a'rab, nascido entre
os nômades do Negueb, que adotou o nome de José ao se converter
ao judaísmo, teria desempenhado um trabalho mil vezes mais
frutífero que o lacônico ferreiro. Mas, não esqueçamos, os discípulos
do Mestre viviam, e continuariam vivendo, enraizados na fé e nos
costumes judaicos.
Pedro, finalmente, tomou de novo a palavra e explicou que, dada
a importância e complexidade da eleição, ele e seus irmãos iriam
para o pátio do andar inferior para decidir. E assim foi.
Quando me interessei pelo procedimento utilizado para essa
votação, André, que tinha sido chefe do grupo quando Jesus estava
vivo, sorriu com benevolência. Ele me olhou como quem tem na frente
um menino pequeno e exclamou com certo tom de arrependimento:
*3. Berseba, naquele tempo, era uma cidade próspera e notável ao sul do país, na rota em
direção ao Egito e no começo do deserto do Negueb. Parece que o nome procedia de um dos
poços (beer) utilizado pelo mítico patriarca Abraão.
Quanto a Barsaba, o apelido em aramaico significava Filho do Sábado. Lucas, em Atos (I,
23) o traduz como Justo, ressaltando assim sua condição de homem que respeita a lei.
(N. do m.)
- Querido amigo, não sejas ingênuo. Votação! Que votação? Ali, na
hora, antes que alguém pronunciasse alguma palavra, meu irmão se
acercou e sugeriu que não era o momento de confiar os graves
assuntos do reino aos que se aproximam...
Aqueles que se aproximam era uma das expressões comumente
utilizada pelos judeus para designar os prosélitos. E o badu, repito,
era um deles.
- A importante e complexa eleição - continuou, resignado morreu

ali mesmo. Fez-se uma simulação, sim, mas a sorte já estava lançada.
Quando Pedro invocou o nome de Matias, nove mãos se levantaram
em uníssono, obviamente influenciadas pelo brilho do novo líder. Só
Bartolomeu e Simão, o Zelota, confiaram em Berseba.
Interessante. Bartolomeu e o Zelota. Ambos, como veremos, se
mostrariam especialmente ácidos com a filosofia e a mudança de
Pedro ao proclamar a boa nova. Naturalmente eu os interroguei em
várias ocasiões. O urso de Caná, mais diplomático, escudou-se na
magnífica trajetória do correio.
Por essa razão se pronunciou a seu favor. O Zelota, por sua vez,
que não era de meias palavras, foi contundente:
- Esse ferreiro parece mais fenício do que judeu... Nunca gostei dos
indecisos...
A bem da verdade, o antigo guerrilheiro terminaria acertando.
Matias foi de fato apresentado como o novo embaixador número
doze, e ficou incumbido da tesouraria.
Mas, segundo me consta, pouco ou nada teve a ver com as
atividades da primitiva Igreja.
Naquelas semanas consegui conversar em duas ocasiões com ele.
Sinceramente, ele me decepcionou. Quase não sabia falar.
Havia escutado o Mestre meia dúzia de vezes e sempre na Cidade
Santa. Não estava convencido de sua divindade. Não entendia o
porquê da encarnação do Filho do Homem. Na verdade, sua adesão
ao grupo dos galileus obedecia mais ao ódio à casta sacerdotal -
ridicularizada por Jesus de Nazaré do que a um sincero e fervoroso
desejo de participar das idéias do Rabi.
Consumada a eleição, por volta da hora sexta (meio-dia), Pedro,
assumindo uma chefia implícita jamais fora designado abertamente
-, ordenou silêncio.
E convencido da chegada iminente do Espírito prometido pelo
Mestre, pediu calma, entoando o Ouve, Israel. A oração foi cantada
em coro com entusiasmo. Aquele grupo, ao qual foram se somando
outros seguidores, estava seguro. Isso me ratificaram.
Mas seguro de quê? A palavra sempre repetida foi poder. O

Mestre, diziam, havia anunciado isso. O Espírito chegaria com poder.
O reino se estabeleceria no mundo com força e majestade. Eles
eram os embaixadores. Eles tinham sido eleitos. Era deles o poder
para conduzir a nação judaica à glória que lhe cabia.
Em resumo, aquilo que já se sabia...
Eu me senti decepcionado. Aquela boa gente apesar daquilo que
iria acontecer por volta da uma da tarde continuava obcecada com
as velhas idéias manipuladas sobre um Messias terreno, político e
libertador.
E aconteceu o inexplicável.
Devo confessá-lo. Foi inútil. Por mais que eu perguntasse, por mais
horas que eu consumisse em exaustivos interrogatórios, por mais
interesse que eu demonstrasse e que demonstrassem as
testemunhas, não pude atravessar a barreira.
Uma vez mais me choquei contra a palavra presença.
Este foi o conceito que sintetizou o fenômeno vivido no cenáculo
quando todos ali congregados entoavam fervorosos Ouve, Israel.
Uma presença!
As opiniões foram unânimes. Não havia passado nem uma hora
desde que Pedro os animou a rezar, quando, de repente, alguma
coisa (?) instalou-se no aposento... e nos corações.
Claro que aquilo me era familiar.
Alguma coisa Impossível. Como digo, ninguém acertou uma
descrição melhor.
Uma presença, Jasão - repetiam. - Allguma coisa que nos arrepiou
o cabelo. Uma presença que foi desmoronando a reza até nos deixar
em silêncio. Um silêncio total. Nós nos olhávamos assustados. Sim,
todos sentiram a mesma coisa. Ali flutuava alguma coisa ou alguém.
Uma presença. Só isso.
Quando perguntados se tinham visto, escutado ou percebido
alguma coisa, todos, absolutamente todos, negaram sem vacilar.
Línguas de fogo ou de luz sobre as cabeças? Um barulho, como o
de um vento impetuoso?

Os pacientes e espantados hebreus me olhavam desconcertados.
Mas quem escreve estas linhas não estava louco.
Negativo. Nem línguas nem ruídos estranhos. Só essa definição
irritante e imprecisa: uma presença.
O importante, porém, não eram os detalhes. O assombroso foi o
resultado da enigmática presença: homens e mulheres...,
diferentes. Otimistas. Confiantes. Seguros de si mesmos.
Profundos. Não é que o misterioso fenômeno os tivesse
transformado em homens mais sábios. Tampouco teriam avançado
muito em relação às chaves do revolucionário legado de Jesus.
Tinha sido alguma coisa de outra natureza. Alguma coisa que
acionara um sonolento motor interno, proporcionando-lhes aquilo que
já sabemos: uma sensação de segurança e confiança no Mestre.
Foi quando comecei a intuir que o berço, da mesma forma que o
cenáculo havia sido visitado (?) por essa mesma presença. Uma
força superior, benéfica, incompreensível para a modesta
inteligência humana, que nos estava transformando. Um presente, e
isso é definitivo, que o Ressuscitado chamou de Espírito da Verdade.
Claro que a minha curiosidade não foi satisfeita. Precisava de
respostas. O que ou quem era essa entidade? De onde vinha? Por
que modificara o temperamento e o pensamento de todos nós? Por
que naquele momento, 18 de maio de 30, e não antes? Naturalmente
tive de esperar. Seria durante o terceiro salto que essas e outras
perguntas receberiam um esclarecimento preciso e completo.
O grupo, atônito, sem poder dar crédito à sensação magnífica
que o envolvia, tinha ficado mudo durante alguns minutos. Depois,
segundo meus informantes, foram surgindo murmúrios. E dos
cochichos, como uma onda, passaram aos gritos, palmas e abraços.
Pedro teve problemas. A assembléia enlouquecera de alegria.
Como te explicar isso, Jasão?... Nós estávamos felizes. O medo
desaparecera. Era como voar.
O alvoroço e A confusão se prolongaram por quase meia hora.

Por último, retomando o controle, Pedro pronunciou aquelas
palavras históricas:
- Irmãos, chegou a hora! Vamos ao templo e falemos claro! O líder
acertou. Desta vez, sim. Simão Pedro soube captar o fenômeno da
esmagadora presença. E associando-o com rapidez ao anunciado
advento do Espírito Santo, agitou os corações, provocando o delírio.
O novo Chefe se consagrava minuto a minuto.
Pará-los?
Se alguém tivesse se atrevido a pedir calma ou bom senso,
simplesmente seria arrastado por eles. A julgar pelos dados
recolhidos, aquela centena de homens e mulheres se convertera num
tufão, saindo às ruas. Ali não havia lógica, pelo menos lógica
humana.
E gritando o nome do Ressuscitado, seguiram os passos do
inflamado Pedro.
Era o triunfo de um grupo que, durante cinqüenta dias obscuros,
fora humilhado, perseguido e supostamente anulado.
Entendi tudo.
Aqueles que, por outro lado, não saíam de seu próprio espanto
eram as centenas de peregrinos e sacerdotes que viam o grupo
passar pelas ruas. Mas ninguém se atreveu a enfrentar tal furacão.
Finalmente Pedro e os seus tomaram posse do páttio dos Gentios,
no concorrido Templo(4).
*4. Naquela época, o povo de Israel celebrava uma de suas três festas anuais mais solenes:
a Hasartha ou Concentração, também conhecida como Shavuot, porque se realizava sete
semanas depois do oferecimento do omer, no segundo dia da Páscoa ou Pesah.
Antigamente consistia numa celebração eminentemente agrícola, pois marcava o tempo da
colheita de trigo (mês de sivan). Depois foi agregada à festa a lembrança da entrega da Lei ou
Torá no Sinai. Segundo os sábios, essa entrega pode ter ocorrido por volta do dia 6 do referido
mês do sivan (maio junho). Como as célebres tábuas foram ditadas a Moisés cinqüenta dias
depois da saída do Egito, a festividade do Shavuot só podia ser comemorada no mês de
sivan. Esse número - cinqüenta foi o que posteriormente serviu aos gregos para designar a
conhecida festa do Pentecostes. O duplo motivo agradecimento a Yaveh pela Lei e as
obrigatórias primícias para apresentar no Templo fazia com que a Cidade Santa se tornasse,
naqueles dias, um formigueiro de gente procedente de todo o mundo conhecido. (N. do m.)

Ainda segundo meus informantes, Pedro foi direto, repetindo, mais
ou menos, aquilo que tinha sido proclamado naquela manhã no
cenáculo. Talvez fosse por volta das duas ou duas e meia da tarde.
Não houve trégua. Não houve concessão.
A discussão foi esquentando. Simão, com uma eloqüência invejável,
concentrou-se na grande notícia: Jesus de Nazaré, o crucificado,
continuava vivo. Muitos dos ali presentes podiam dar fé disso. E
explicou. Deu detalhes. Invocou os que chegaram a vê-lo no yam, e
naquela mesma manhã nas ruas cheias de Jerusalém.
A paixão, as pausas estudadas e, de novo, a segurança
esmagadora daquele galileu não demoraram a surtir efeito sobre
uma massa desconcertada e incapaz de raciocinar.
O líder, hábil, cedeu a palavra aos seus irmãos. Foi assim que
Zebedeu, Mateus Levi, Felipe e André entraram na discussão,
confirmando aquilo que já tinha sido exposto. Mas nenhum soube
completar a brilhante intervenção de Simão, que constituía a alma da
mensagem daquele poderoso Ressuscitado: o homem é um filho
de Deus. O erro se repetia.
Os sacerdotes, inquietos, formaram círculos, murmurando. Mas o
magnetismo e a audácia daqueles homens convenceram a multidão.
Ouviram-se vozes, pedindo conselho e perdão. Não era o momento
para detenções e polêmicas. E a casta sacerdotal, raivosa e
humilhada, teve de se retirar.
O fato não passou despercebido para os discípulos. E eles
cresceram.
O resto foi tão lógico quanto satisfatório. Por volta da hora
décima (16:00 horas), por iniciativa de João Zebedeu, os radiantes
embaixadores deixaram o gentio invadir a grande piscina de Siloé,
ao sul da cidade. Ali, eufóricos - quase uma nuvem -, batizaram
mais de duas mil pessoas. Pelo menos foi isso que disseram. Um
batismo em nome do Senhor Jesus.
Já bem avançada a noite, esgotados mas felizes, de novo se
refugiaram no casarão dos Marcos. O mundo diziam uns aos outros
é nosso. Preparemos a gloriosa volta do Senhor. Claro que não
esqueci o assunto intrigante do chamado dom para línguas.

Segundo Lucas, os íntimos do Ressuscitado desconcertaram o público,
falando em todos os tipos de idiomas. Línguas que, parece, não
conheciam.
Quando levantei o assunto, voltaram as risadas. Aquele grego de
Tessalônica de fato parecia ter perdido o juízo.
- Muitas línguas! Sim, Jasão, as de sempre. As habituais.
A informação me deixou perplexo. No fundo eu tinha acreditado no
evangelista. Quando aprenderei o que aconteceu, segundo me
contaram, foi simples. Aquela tarde, no átrio dos Gentios, reunia-se
uma multidão muito variada. A festa do Shavuot podia congregar
em Jerusalém mais de dez mil peregrinos, vindos de toda a diáspora.
De fato, muitos daqueles que haviam vindo para a Páscoa, sete
semanas antes, continuavam ainda na Cidade Santa. Ali, no Templo,
segundo meus informantes, além de centenas de vizinhos da capital,
reuniram-se judeus e gentios da Lídia, Capadócia, Babilônia, Egito,
Trácia, Palmira, Nabatéia, Numídia, Creta, Roma, Silícia e um enorme
etc.
- Muito bem, seguindo o costume do Mestre disse, francamente,
eu sabia pouco -, os oradores, os cinco discípulos, intercalaram
outros idiomas em seus respectivos discursos feitos em aramaico.
Naturalmente, línguas que conheciam. A saber: grego (mais
exatamente ,oiné), latim, aral, egípcio e siríaco(5).
Achei tudo normal, tendo em conta que muitos dos judeus que
residiam no estrangeiro não falavam aramaico, mas compreendiam
koiné, o grego internacional ao qual se recorria para quase tudo:
comércio, cultura, etc.
Mas voltemos ao velho tema. Muitos, crentes ou não, pensam hoje
que os íntimos de Jesus eram uns ignorantes, sem a menor base
intelectual. Erro lamentável. Como terei oportunidade de expor mais
adiante.
*5. O aramaico, idioma nativo dos íntimos do Mestre, penetrou na Palestina e regiões
vizinhas por volta dos séculos X e VIII a. C. Procedia, segundo todos os indícios, da Síria e das
tribos do Leste. Ao evoluir, deu lugar a vários dialetos.
Entre os mais destacados estavam o hoje chamado ocidental-que abrangia o aramaico
palestino, o dos tárgumes judeus e o samaritano, entre outros e o oriental, que os
especialistas subdividem em aramaico do Talmud da Babilônia, dos livros mandeanos, e siríaco.

Este último apareceu em Edessa (hoje, Urfa, na Turquia). Ainda pode ser ouvido no Líbano e na
Urmia. (N. Do m.)
os onze galileus e o Iscariotes (o único judeu) haviam freqüentado
as escolas das sinagogas e, embora seu nível não possa ser
comparado ao dos nossos universitários, sabiam manter uma
conversa de certo nível, dominando, sem dúvida, alguns idiomas. Por
exemplo, exceto os gêmeos, que apresentavam dificuldades maiores,
o resto se defendia muito bem no mencionado grego internacional.
Em latim, a língua de Roma, ainda que macarrônico como o dos
estivadores, Mateus Levi, Judas, Bartolomeu, Simão, o Zelota, os
Zebedeu e Tomé também eram capazes de entender e se fazer
entender. Quanto ao aral (árabe), muito usado na Palestina e
arredores, Bartolomeu e o Zelota manejavam palavras e frases soltas.
Estes dois, em particular o urso de Caná, que era sem dúvida um
dos mais cultos, estavam em condições de se aventurar até mesmo
no difícil egípcio e no siríaco, outro dialeto aramaico.
Em resumo, sobre o tal dom para línguas, nada mesmo. Em todo
caso, um novo arrebatamento literário do amigo Lucas.
E já que o Destino parece decidido a me colocar diante do
inefável médico de Antioquia, eu me recuso a omitir sua incrível
versão sobre os acontecimentos registrados naquele dia memorável
que hoje chamam Pentecostes.
Ignoro quem o tenha informado, mas o certo é que o responsável
foi um total irresponsável. O serviço de Lucas à História e à
comunidade de crentes não poderia ter sido mais negativo.
Vejamos por quê.
Ao escrever sobre a substituição de Judas (Marcos 1,15), o
escritor sagrado (?) continua confundindo as datas.
Num daqueles dias - diz -, Pedro ficou em pé no meio dos
irmãos... Num daqueles dias? Falso. Tudo aconteceu no mesmo dia,
quintafeira, 18 de maio (mês do Sivan). Ao ler o parágrafo
imediatamente anterior versículos 12 ao 14(6) comprovamos que
as fontes do evangelista deixaram muito a desejar...
*6. O texto que o major menciona diz assim: Então voltaram a Jerusalém do monte
chamado das Oliveiras, que fica perto de Jerusalém, à distância de um caminho sabático.

Quando chegaram, subiram ao andar superior, onde moravam Pedro, João, Tiago e André,
Felipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago de Alfeu, Simão, o Zelote, e Judas de Tiago.
Todos eles continuavam rezando, com um mesmo espírito, em companhia de algumas
mulheres, de Maria, a mãe de Jesus, e de seus irmãos. (N. Do a.)
Depois da ascensão, os discípulos foram para a casa dos Marcos,
sim, mas a espera foi questão de horas, não de dias.
Ato contínuo, - Atos 1,16-22 -, Lucas oferece um discurso de Pedro
que jamais foi pronunciado(7). Pelo menos, não naquele cenáculo e
na referida manhã. Duvido também que Simão falasse do campo
comprado pelo Iscariotes. Ele sabia que as moedas recebidas por-
Judas tinham sido jogadas pelo traidor na sala das escovas, no
templo , numa última tentativa desesperada de salvar o Mestre(8).
Não acredito, insisto, que Pedro se atrevesse a manipular esse fato.
O evangelista, por outro lado, além de alterar a sorte final dos 30
siclos, coloca isso na boca do líder. Uma afirmação, enfim, tão falsa
quanto pouco caridosa.
E o desastre continua...
Ao mencionar Matias, substituto de Judas, Lucas de novo deforma
os fatos, ocultando parte da verdade(9). Nem houve oração prévia à
votação e muito menos o escritor adverte sobre as tortuosas
intenções de Simão com relação a Berseba, o segundo candidato.
O lapso tem, em parte, uma justificativa.
*7. O discurso citado por Lucas é o seguinte: Irmãos, era preciso que se cumprissem as
Escrituras em que o Espírito Santo, pela boca de Davi, já havia falado sobre Judas, aquele que
foi guia dos que prenderam Jesus. Porque ele era um dos nossos e obteve um posto neste
ministério. Este, pois, comprou um campo com o preço da sua iniqüidade, e caindo de cabeça,
arrebentou-se pelo meio, espalhando-se todas as suas entranhas. E isso ficou conhecido por
todos os habitantes de Jerusalém, de tal forma que o campo ficou sendo chamado, em sua
língua haqueldamá, que quer dizer «Campo de Sangue». Pois no livro dos Salmos está escrito:
Que fique seu curral deserto, e não haja quem nele habite. E também: Que outro receba seu
pagamento.
Convém, assim, que, dentre os homens que andaram conosco todo o tempo que o Senhor
Jesus aqui conviveu, a partir do batismo de João até o dia em que foi levado, um deles seja
constituído conosco testemunha de sua ressurreição. (N. Do a.)
8. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia I, pp. 58 e ss. (N. Do a.)
9. O parágrafo em questão diz o seguinte: Apresentaram dois: José, chamado Barsabás,
apelidado de Justo, e Matias.

Então oraram assim: Tu, Senhor, que conheces os corações de todos, mostra-nos qual destes
dois escolheste para ocupar, no ministério do apostolado, o posto do qual Judas desertou para
ir aonde lhe correspondia. Jogaram dados e a sorte caiu sobre Matias, que foi agregado ao
número dos doze apóstolos. (N. Do a.)
O discípulo de Paulo, ao pôr no papel esses acontecimentos, não
podia macular a imagem de um dos fundadores do movimento ao
qual pertencia. Como explicar aos crentes que o carismático líder
havia desprezado um prosélito?
Assim se faz a História...
Mais adiante, no capítulo 2 de Atos, o fantástico Lucas se solta e
diz:
Ao chegar o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no
mesmo lugar. De repente veio do céu um ruído como o de uma rajada
de vento impetuoso, que encheu toda a casa na qual se encontravam.
Apareceram a todos umas línguas como de fogo, que se espalharam e
pousaram sobre cada um deles... Fantástico.
De onde tira o evangelista o ruído e as línguas de fogo? A
propósito, ele também não esclarece se foram doze ou cento e vinte.
Ocupado em repartir fogos artificiais, não acredito que o Espírito
fizesse restrições.
O fato, como eu já disse, foi mais sério e profundo do que o que
Lucas nos retrata. Uma vez mais, porém, ele achou que aquilo não
era suficiente e que convinha enfeitar um pouco o assunto. Se
realmente tivesse acontecido aquilo que o escritor afirma, o ruído e
as línguas teriam terminado por provocar um pânico generalizado e
uma debandada coletiva. O detalhe, contudo, não foi levado em
conta pelo inventor.
Mais confusão.
E continua assim versículos 4 a 14(10) o evangelista, que não
oculta, mistura, inventa e deforma.
*10. Atos (2, 4-14) diz textualmente: ... ficaram todos tomados
pelo Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, segundo o
Espírito lhes concedia expressar-se.
Havia em Jerusalém homens piedosos, que ali residiam, vindos de

todas as nações que existem sob os céus. Ao se produzir aquele
ruído, as pessoas se congregaram e se encheram de estupor ao ouvir,
cada uma delas, em sua própria língua.
Estupefatos e admirados diziam: Não são galileus todos estes que
estão falando? Pois como cada um de nós ouve em sua própria língua
nativa? Partos, medos e elamitas; habitantes da Mesopotâmia,
Judéia, Capadócia, o Ponto, Ásia, Frígia, Panfília, Egito, a parte da
Líbia que faz fronteira com Cirene, forasteiros romanos, judeus e
prosélitos, cretenses e árabes, todos os ouvimos falar em nossa
língua as maravilhas de Deus. Todos estavam estupefatos e
perplexos e se diziam uns aos outros: Que significa isto?. Outros,
ao contrário, diziam rindo: Estão cheios de mosto!. (N. Do a.)
Dom para línguas? Falso.
Gente de Jerusalém que ouviu o ruído impetuoso e foi se reunir na
casa dos Marcos?
Falso.
Esses discursos, depois do advento do Espírito da Verdade, foram
pronunciados no Templo uma hora e meia mais tarde.
Sinceramente, não consigo entender. Não posso compreender o
porquê de tanto despistamento, a não ser que Lucas não pudesse
falar com as testemunhas ali presentes coisa de que duvido ou
que sua memória falhasse. Cinqüenta anos era muito...
Claro que também cabe outra explicação, já insinuada
anteriormente: que o evangelista teria tido a informação precisa,
mas desejoso de engrandecer o episódio e influenciado pelas idéias
peregrinas de seu mestre, Paulo de Tarso, decidiu modificar fatos e
palavras para glória maior da primitiva Igreja. Não era a primeira
vez que acontecia isso, nem seria a última. E eu disse bem. Falei de
idéias peregrinas , referindo-me a Paulo. Basta repassar uma de
suas epístolas (1 Cor. 14) para captar a obsessão deste não
duvido disso bem intencionado artífice do cristianismo sobre o
célebre dom para línguas. Estaria aí a inspiração que teria
movido Lucas a narrar uma história tão diferente? Como dizia o
Mestre, quem tem ouvidos... Quanto ao suposto discurso do líder
versículos 14 a 36 do mencionado capítulo 2 de Atos(11) -, pouco

posso acrescentar. A manipulação foi igualmente intensa.
*11. Segundo Lucas, o discurso de Pedro foi o seguinte: Então Pedro, se apresentando aos
Onze, levantou a voz e lhes disse: «Judeus e todos os habitantes de Jerusalém: Que vos fique
bem claro e prestai atenção às minhas palavras. Estes homens não estão embriagados, como
supondes, pois é a hora terça do dia. Pelo contrário, está acontecendo aquilo que disse o
profeta: «Nos últimos dias, disse Deus, derramarei meu Espírito sobre toda carne e vossos filhos
e vossas filhas profetizarão; vossos jovens verão visões e vossos anciãos sonharão sonhos. E
derramarei meu Espírito sobre meus servos e minhas servas. Farei prodígios no alto do céu, e
sinais embaixo, na Terra. O sol se transformará em trevas, e a lua em sangue antes que chegue
o grande e glorioso Dia do Senhor. E todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo.»
Quem podia zombar dos discípulos, tachando-os de bêbados, se não existiu o pretendido
milagre das línguas? Para Lucas, porém, dá na mesma. É possível que precisasse de uma
desculpa.
Um incidente que lhe permitisse fechar a história e destacar a frase correta. Nesse caso, a do
profeta Joel. E por que a frase correta? Aí está outra sutileza que acaba revelando os truques
do evangelista. Foi a partir do Pentecostes que os íntimos e seguidores do Mestre se
convenceram de que o retorno de Jesus era algo iminente. Uma volta com grande poder e
majestade, escoltada por sinais celestes. E Lucas, que escreve meio século depois da
ascensão, aproveita a passagem para inserir uma profecia feita de encomenda. Ele,
provavelmente, continuava acreditando nesse próximo retorno e não duvidou em lembrá-lo à
primitiva Igreja, colocando isso na boca de Pedro.
A falha, contudo, quase imperceptível, está na data. Naquela quinta-feira, 18 de maio,
ninguém falava ainda do espetacular e imediato regresso do Rabi. Isso foi depois.
- Israelitas, escutai estas palavras: Jesus, o Nazareno, foi um homem que Deus confirmou
entre vós, realizando por meio dele os milagres, prodígios e sinais que vós bem conheceis. E
Deus, com sua vontade e presciência permitiu que Jesus vos fosse entregue, e vós, através de
ímpios, o matastes, pregando-o numa cruz. Deus, porém, ressuscitou Jesus, libertando-o dos
sofrimentos do Hades, porque não era possível que ele o dominasse. Porque dele diz Davi: «Eu
via constantemente o Senhor diante de mim, porque está à minha direita, para que eu não
vacile. Por isso meu coração se alegra, minha língua exulta e minha carne repousa com
esperança. Porque não abandonarás minha alma no Hades, nem permitirás que teu santo
experimente a corrupção. Tu me ensinaste os caminhos da vida, e me encherás de alegria na
tua presença.»
Irmãos, quanto ao patriarca Davi, permiti que eu vos diga com franqueza: ele morreu, foi
sepultado e seu túmulo está entre nós até hoje. Mas, ele era profeta, e sabia que Deus lhe
havia jurado solenemente fazer com que um descendente seu lhe sucedesse no trono. Por isso,
previu a ressurreição de Cristo e falou: «Ele não foi abandonado na região dos mortos, e a sua
carne não conheceu a corrupção. Deus ressuscitou este Jesus. E nós todos somos testemunhas
disso. Ele foi exaltado à direita de Deus, recebeu do Pai o Espírito prometido e o derramou: é o
que vós estais vendo e ouvindo.» De fato, Davi não subiu ao céu, mas falou: «O Senhor disse ao
meu Senhor: senta-te à minha direita, até que eu faça de teus inimigos um escabelo para teus
pés. Que todo o povo de Israel fique sabendo com certeza que Deus tornou Senhor e Cristo
aquele Jesus que vós crucificastes. (N. Do a.)

E precisando de uma desculpa que justificasse, além disso, o
forçado milagre dos idiomas desconhecidos -, o escritor situa o
início do discurso do líder na hora terça.
Hora terça As nove da manhã? Se Lucas conversou com Pedro,
João Marcos, Paulo ou outras testemunhas, então teria de saber
- necessariamente que o horário foi outro. Como eu já detalhei, a
desmaterialização () do Ressuscitado ao pé do monte das Oliveiras
se deu pouco antes das 8:00 horas. E foi entre as 10 e as 11:00
horas que, obedecendo à ordem de Pedro, reuniram-se no lar dos
Marcos os cento e vinte homens e mulheres que amavam Jesus. A
enigmática presença - o Espírito inundou a sala depois da sexta
(por volta das 13:00 horas). Por causa disso, o grupo se mobilizou,
dirigindo-se ao Templo. E foi por volta da nona (15:00 horas)
quando os discípulos lançaram seus discursos.
Tenho certeza de que Lucas sabia disso tudo, mas, como desejava
enfeitar os fatos, que melhor solução do que a do mosto às nove da
manhã?
E o que eu já disse: um desastre.
Quanto ao conteúdo do discurso, além de esquecer () que foram
cinco os que falaram à multidão, o evangelista coloca na boca de
Simão certos argumentos, citações e reflexões que nunca existiram.
Exceção feita às alusões à morte e ressurreição de Jesus, o resto é
irreconhecível. Não duvido que o líder tivesse chegado a pregar
essas e outras admoestações em sua longa carreira como embaixador
do reino (mais de 30 anos), mas nunca na manhã ou na tarde dessa
quinta-feira.
Em ambas oportunidades não me cansarei em insistir nisso -,
todos, absolutamente todos, se concentraram naquilo que,
obviamente, os deixara perplexos: a deslumbrante realidade física do
Ressuscitado. Repito: aquilo era um triunfo e os íntimos, não
esqueçamos disso, eram seres humanos.
Isso, e não outra coisa, foi o que comoveu e deixou boquiabertos
os peregrinos e habitantes da Cidade Santa. Ali estavam as
testemunhas , homens e mulheres confiáveis. Podiam perguntar a

elas, e fizeram isso. Esse foi o grande argumento.
Se os oradores tivessem se limitado às palavras retumbantes que
Lucas menciona além disso impróprias para o tosco Pedro -, o mais
provável é que o desenlace teria sido outro.
Os sacerdotes, por exemplo, não teriam consentido semelhante
desafio. A norma do Sinédrio contra aqueles que dessem publicidade
à Ressurreição continuava vigente. Se não agiram foi, simplesmente,
porque o povo estava eletrizado com a grande notícia.
Lamentavelmente, porém, isso não foi suficiente para alguns.
Bem, repassando o infeliz texto, temos a sensação de que o
evangelista, obedecendo, talvez, à recomendação de outros,
procurou sublimar a imagem do corpo apostólico desde os primeiros
momentos. Alguém os teria qualificado de homens sagrados e foi
preciso manter e defender essa idéia a todo custo. É como se o
Espírito da Verdade só tivesse se derramado sobre os Doze.
Esta hipótese explicaria o porquê de algumas outras não menos
infelizes frases atribuídas ao líder e que Lucas introduz no discurso
mencionado. Duvido que Pedro chegasse a afirmar em público, e
muito menos diante de seus companheiros, que Deus havia
ressuscitado o Mestre e que a carne do Rabi não experimentaria o
apodrecimento. E digo que não acredito nessa afirmação porque,
como espero narrar mais adiante, os onze tiveram a ocasião de
escutar dos lábios do próprio Ressuscitado que o ato de voltar à vida
era, na verdade, um atributo da natureza divina do Filho de Deus. Em
outras palavras, que a ressurreição de Jesus não dependeu da
vontade do Pai. Se Pedro, naquele momento, tivesse dito algo assim,
teria faltado gravemente com a verdade. Outra hipótese é que o
evangelista não soubesse ou não quisesse saber sobre esse fato
singular e tivesse tentado apresentar Simão Pedro como um profeta,
como um homem sagrado.
Apodrecimento? Aqui está outra incongruência de Lucas.
Naquela época, nem Pedro, nem ninguém, estava em condições de
saber o que acontecera no túmulo. Para os seguidores do Mestre, o
cadáver simplesmente desaparecera. Mais ainda: Simão e as demais
testemunhas das aparições tiveram a oportunidade de verificar que
aquele corpo glorioso, especialmente durante as primeiras

presenças, pouco ou nada tinha a ver com o antigo suporte físico
do Mestre. Nunca, que eu saiba, se aventuraram a falar de
decomposição. Essa idéia, como outras, frutificou muito depois.
Por último, o evangelista volta a forçar os dedos no versículo 21 do
catastrófico capítulo 2.
E todo aquele que invocar o nome do Senhor afirma Pedro (?)
será salvo. Lucas, como já dissemos, escreve esse texto por volta do
ano 80 e se esquece de um detalhe quase insignificante que,
contudo, invalida o trecho. A expressão aqueles que invocam o nome
do Senhor seria cunhada algum tempo depois do Pentecostes. Foi
uma espécie de marca da casa. Uma forma de se definir. Naqueles
momentos iniciais, que é quando Lucas situa o discurso de Pedro,
nem o líder nem qualquer outro falava assim. Anos mais tarde é que
nasceria o slogan, não naquela controvertida quinta-feira.
Sirvam, pois, estas reflexões como aviso aos navegantes.
Diante dos erros numerosos e graves e escrevo isso com todo
respeito -, como é possível aceitar os evangelhos como a palavra de
Deus?
Espero e desejo que o hipotético leitor destas minhas memórias
saiba julgar por si próprio.
Agora eu sei. A decisão foi providencial. O Destino sempre sabe o
que faz.
Organizadas as indagações sobre o Pentecostes, pouco faltou para
que eu voltasse a Nazaré. Mas a insistência e o carinho dos Marcos
me obrigaram a ceder, prolongando minha estadia em Jerusalém até
meados de junho.
Sim, a casualidade existe.
Graças a essa circunstância, tive a excelente oportunidade de ser
testemunha de uma série de acontecimentos inéditos para mim e,
suponho, para os que se consideram crentes. Fatos de tal
transcendência que, obviamente, não podiam ser relatados pelos
evangelistas. E não porque não tivessem tido notícia deles, mas sim
por conta da delicada natureza dos próprios fatos.
Tentarei colocá-los em ordem, da maneira como aconteceram, e

sintetizá-los. A verdade é que me assusta o pouco que me resta de
vida... e o muito que ainda tenho de contar.
O primeiro desses fatos apareceu nítido e implacável poucas horas
Antes do advento do Espírito. Pedro foi o grande impulsor.
Nos dias seguintes ao Pentecostes, o líder entusiasta e vários dos
íntimos continuaram pregando e conversando com todos que
quisessem saber sobre a ressurreição. E foi, nesses discursos e
conversas que a idéia se firmou. Os discípulos interpretaram mal as
palavras do Ressuscitado sobre sua segunda vinda à Terra e assim
nasceu o erro. Se o Mestre havia afirmado que regressaria e de
fato afirmara -, isso significava que a volta era certa e iminente.
Jesus de Nazaré acabava de ir ao Pai para preparar a definitiva
entronização do Reino no mundo.
O assunto estava claro. A nova ordem universal era questão de
dias ou semanas.
E a euforia disparou.
Mas o equívoco foi mais além.
Movidos pela maior boa vontade, desejosos de abrir caminho ao
Senhor e de criar um ambiente propício de irmandade, eles se
lançaram a um trabalho febril de ajuda e zeparação de injustiças. E
não ficou mendigo, indigente ou necessitado em Jerusalém que não
recebesse dinheiro ou alimentos. Foi uma loucura. Invocando essa
nova era que estava próxima, muitos seguidores venderam suas
terras, casas e propriedades, distribuindo a riqueza entre os irmãos
menos afortunados. Nada era de ninguém e tudo de todos.
Se o Senhor Jesus - como começavam a chamar o Mestre estava
prestes a voltar para a Terra, e a Terra seria equilíbrio e bem-estar,
que sentido tinha o dinheiro? Pouco serviram as advertências
sensatas de pessoas como José de Arimatéia, Bartolomeu, Maria
Marcos e a própria Senhora, entre outros. Os pedidos de prudência
eram como zunidos de moscas nos ouvidos daqueles exaltados.
Ninguém escutava. Eu, triste, não tive outro remédio senão ficar à
margem de tudo.
Naturalmente, como demonstraria a História, Jesus de Nazaré não
voltou. O resto não é difícil de imaginar. A catástrofe foi inevitável.

O Mestre não voltava e o mundo continuava rodando.
Contudo, sobre esse fato importante nenhum dos escritores
sagrados (?) diz coisa alguma. Não é preciso ser muito esperto para
entender o porquê.
E já que menciono tão trágica circunstância, que provocaria uma
infinidade de conflitos e atritos, não ocultarei um pensamento que
não me deixa desde então.
Poderia ter sido essa uma das causas que propiciaram a falta
quase absoluta de informação sobre a faceta humana de Jesus? Foi a
crença firme no regresso imediato do Mestre que teria despojado de
importância os anos anteriores à sua vida de pregação?
O ambiente, enfim, foi esfriando e alguns dos íntimos e fiéis
seguidores do Rabi da Galiléia acabaram se despedindo,
abandonando Jerusalém. No início de junho, por exemplo, os gêmeos
de Alfeu, a Senhora e Tiago, seu filho, foram em direção ao yam.
João Zebedeu os acompanhou e eu, francamente, me senti aliviado,
embora não tivesse que suportar suas malcriações habituais, pois
jamais me dirigiu a palavra naqueles dias. Foi o único a quem não me
atrevi a interrogar.
Segundo fato.
Tudo começou com Mateus Levi, o antigo cobrador de impostos.
Lembro-me de que, a poucos dias da irrupção do Espírito no
cenáculo, o sério e lacônico galileu surpreendeu a todos nós.
Havia começado a escrever. E fazia isso sem descanso.
Quando me aproximei dele e, solícito e feliz, me mostrou as folhas
fiquei sem jeito. Num aramaico limpo, ele acabava de iniciar uma
espécie de diário ou memórias sobre os dias trágicos da paixão e
morte de Jesus de Nazaré. Embora superficial, o relato se ajustava à
verdade. Ou eu me enganava muito ou aquele texto era o primeiro
dos que, com os anos, constituiriam o legado dos evangelistas sobre
os ensinamentos do Mestre.
Eu o interroguei com curiosidade e compreendi que estava decidido
a pôr no papel o mais notável de tudo que havia visto, escutado e
sentido junto ao seu adorado Rabi.

A recente estréia literária de Mateus não passou despercebida.
Pouco a pouco, quase todos desfilaram pelo aposento superior da
casa dos Marcos, lendo o manuscrito. As reações, contudo, não foram
unânimes. Embora a maioria tivesse aprovado o rigor e a precisão do
conteúdo, três discípulos mostraram clara oposição quanto ao próprio
ato de redigir em si. Bartolomeu, o Zelota e Tomé, foram os primeiros
a argumentar contra Mateus:
Se o Mestre estava prestes a retornar, por que perder tempo
escrevendo sobre sua vida e ensinamentos? Ele se encarregaria de
lembrar tudo...
O Senhor Jesus - disseram - não aprovaria uma coisa assim.
Sabes bem que, quando vivo, repetiu que não desejava ver suas
palavras por escrito.
A afirmação, contundente, me desconcertou. Sobre isso eu também
não sabia nada. O Rabi, que eu soubesse, não havia deixado
escritos, pelo menos de seu punho e letra. Mas a advertência dos
discípulos a Mateus não combinava com algo que eu havia visto: os
manuscritos ditados por Jesus ao Zebedeu pai.
Aquilo sim era uma contradição.
Teríamos de esperar, porém, o ansiado terceiro salto para
resolver o enigma. Bartolomeu e os demais, claro, não tinham
captado as verdadeiras intenções de Jesus.
O certo é que, não dando ouvidos às críticas, Mateus Levi
continuou seu trabalho. E ninguém mais voltou a incomodá-lo.
Curioso. Tempos atrás, um incidente desses teria provocado, com
certeza, uma disputa azeda. Pois bem, desde aquele bendito
Pentecostes, não me cansarei de insistir nisso: os íntimos se
tornaram menos agressivos. Houve polêmicas e discussões, mas
jamais caíram nos velhos insultos ou nas desqualificações pessoais. A
estranha presença mudou essa gente de forma radical. Não
acredito estar exagerando se afirmar que aprenderam mais em
poucos dias do que nos quatro anos de convivência com o Galileu.
Quando este explorador abandonou Jerusalém, o esforçado Mateus
continuava mergulhado em seu projeto. Suponho que, com o tempo,
chegaria a terminá-lo. Depois, ao ler aquilo que atualmente aparece

no evangelho que leva seu nome, voltei a me surpreender. Esse texto
também é irreconhecível(12).
*12. Embora, de momento, não me sinta com forças para revelar a esplêndida fonte na
qual bebi, posso completar a informação do major com o seguinte: as memórias de Mateus, ao
que parece, foram concluídas no ano 40. Mais tarde, depois do cerco de Jerusalém por Tito, em
70, Isador, um dos discípulos de Mateus, decidiu empreender a definitiva redação do diário
original. Aquele crente conservava uma das múltiplas cópias do que fora escrito pelo cobrador
de impostos da Galiléia, bem como parte daquilo que fora redigido por João Marcos depois da
morte de Pedro. (N. Do a.)
O terceiro acontecimento significativo não tardaria a chegar. Na
verdade, de acordo com a visão de cada um, foi uma conseqüência
do fato anterior.
Numa reação muito humana e compreensível, André, irmão de
Simão Pedro, adotou uma iniciativa similar à de Mateus Levi.
Escreveria, sim. Colocaria no papel suas numerosas lembranças
intensas. E se lançou ao trabalho.
No início, foi tudo bem. Melhor dizendo, quase bem.
Bartolomeu, Tomé e Simão, o Zelota, protestaram de novo. O
resultado, contudo, foi idêntico. André tinha tudo muito claro.
O verdadeiro problema apareceria na segunda semana de junho,
quando, ao ler em voz alta as palavras do Ressuscitado em sua
última aparição, André esqueceu a grande mensagem sobre a
paternidade de Deus e a filiação dos homens.
Aí surgiu o conflito.
O urso de Caná o fez ver que estava suprimindo o que mais
interessava ao Mestre. Tinha razão. E embora o complacente André
prometesse emendar o lapso, a admoestação provocou uma
discussão densa e interminável na qual o líder se manifestou
abertamente contra Bartolomeu. Não era aquilo que atraía as
massas. Não era essa a revolucionária idéia que a cada dia
arrastava centenas de judeus e gentios ao batismo. Não era isso, em
definitivo, aquilo que Pedro e seu grupo pregavam todos os dias. Era
o Jesus vivo, ressuscitado, poderoso e triunfante que os havia
colocado na boca de toda Jerusalém.
Não, não mudariam...

Bartolomeu e os outros dois, pacientes, com serenidade, tentaram
enfocar melhor a discussão. Assisti, maravilhado, à exposição de
alguns argumentos irrepreensíveis.
Eis aqui os argumentos que me pareceram mais solenes e certeiros:
O Mestre - clamou Bartolomeu - nos ensinou que o homem pode
manter uma relação direta com o Pai, com Deus... Não importa que
seja pobre, rico, ignorante ou pecador. Não percebes que este é o
grande triunfo? Mas o líder, secundado na polêmica por Felipe,
Tiago de Zebedeu e Mateus, não retrocedeu.
Nunca entendi a mudança súbita do antigo cobrador de impostos
nesse assunto crucial. Como podemos lembrar, em outra das
acaloradas discussões no yam, Mateus Levi manifestou-se a favor da
pregação da mencionada paternidade de Deus.
É bom não esquecer isso. Aqueles homens, apesar daquilo que
haviam visto e ouvido, eram judeus. Acatavam a Lei, e o exposto por
Bartolomeu ainda ecoava no íntimo deles. A Torá não falava dessa
incrível, quase blasfema, relação entre Yaveh e os seres humanos. Ao
contrário do que lhes tinha ensinado Jesus, continuavam pensando
que a obediência a essa Lei é que provocava a resposta de Deus
(13).
Bartolomeu insistiu:
Jesus foi muito claro. A salvação não depende da obediência à
Lei, mas sim da fé... Não houve saída. Suponho que, além do
deslumbramento provocado pelo fenômeno da ressurreição, Pedro e o
resto da oposição intuíram que a grande mensagem traria
dificuldades no estreito terreno no qual, de agora em diante, teriam
de viver e se desenvolver. De fato, se contemplarmos a história da
primitiva Igreja, veremos que o líder e seus irmãos sempre se
moveram, durante anos, dentro das rigorosas coordenadas que a
religião judaica determinava.
A argumentação seguinte desta vez a cargo do Zelota foi
rejeitada sem dó nem piedade:
Não percebeis que o Mestre está nos proporcionando uma religião
sem grilhões, sem castas sacerdotais e sem medos? Uma religião de
e pela alma... E Tomé acrescentou: Quantas vezes o Rabi repetiu

isso? O Evangelho do Reino nada tem a ver com velhas leis, raças ou
culturas.. A batalha dialética parecia perdida.
Ainda assim, lançando mão de alguma coisa que todos
aceitavam, Bartolomeu esgrimiu com perícia:
O Espírito da Verdade nos visitou. Pois bem, não compreendeis
que um de seus propósitos é purificar as almas e limpar as mentes?
Não entendeis que, a partir de agora, nosso trabalho se resume em
fazer a vontade do Pai?
*13. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 5, pp.105 e ss. (N. Do a.)
E, enérgico, enfatizou:
. Que mais glória, sabedoria e triunfo podeis esperar? .
A oposição respondeu convencida:
Esqueces que o Senhor Jesus venceu a morte. Esse é o grande
triunfo... Isso é o que todos devem saber. Essa é a vontade do Pai.
Bartolomeu, impotente, discordou mais uma vez. Por fim,
desalentado, clamou:
Eu vos direi qual é essa vontade!... Cumprir os desejos do
Mestre... Quer dizer, proclamar ao mundo que somos filhos de um
Deus... Filhos de um Deus! Mas o líder, eufórico, driblou o argumento
preciso.
É isso que fazemos, querido urso... É isso que pregamos... Deus
é o pai do Senhor Jesus!... Simão tinha razão. Até certo ponto.
Finalmente haviam compreendido o obscuro assunto da divindade do
Mestre. Contudo, como observava Bartolomeu, a segunda parte do
mistério a paternidade de Deus para com os seres humanos
escapara ao entendimento deles. O grupo parecia condenado a
fabricar uma irmandade de crentes na figura do Senhor Jesus,
esquecendo-se da outra irmandade: a de um mundo sem
hierarquias nem distinções, no qual todos soubessem que eram filhos
do Pai. Foi uma pena...
E não me enganei. A julgar pelos resultados, Pedro e os seus
mantiveram a postura inicial, adorando o Galileu e transformando-o
num exemplo a seguir. Estava assistindo ao nascimento de uma seita

que, anos depois, sob o gênio organizacional de Paulo, se
transformaria no que hoje chamam de Igreja. Estão enganados
todos aqueles que supuseram, e supõem, que a Igreja se consolidou
com Jesus ou nos dias posteriores ao Pentecostes. Aquilo, pelo
menos até onde consegui saber, não era uma organização, tal como
hoje concebemos. Não havia hierarquias. No máximo, um
reconhecimento implícito de um líder. Não existia ritual algum. Só um
desejo sincero, embora utópico, de compartilhar tudo e de pregar as
excelências do Mestre.
A ruptura foi irreversível. Ninguém cedia um milímetro nas posturas,
tão claras quanto coerentes. Falaram, sim, mas o abismo, longe de
desaparecer, foi crescendo. O cisma estava aberto.
Naturalmente, nem um único evangelista menciona esses
lamentáveis acontecimentos. Fatos que dividiam o primitivo colégio
apostólico em dois grupos irreconciliáveis sob o ponto de vista
estritamente teológico. De um lado, Pedro, seu irmão André, Tiago
Zebedeu, Felipe e Mateus Levi. Pouco depois, João Zebedeu se uniria
a estes. No outro extremo, formando um segundo clã, Bartolomeu,
Tomé e Simão, o Zelota.
Tanto os gêmeos de Alfeu como Matias se mantiveram numa terra
de ninguém, afastados de toda atividade apostólica.
Escrever sobre o distanciamento de alguns homens que haviam
estado em contato íntimo com o Filho de Deus? Esclarecer que o
carismático Pedro renunciou à grande mensagem de Jesus? Divulgar o
cisma? Reconhecer que seis apóstolos se equivocaram? Impossível.
Isso teria maculado a imagem da nascente Igreja, propiciando
dissidências e desordens. Seria muita humildade para alguém que se
considerava de posse da verdade.
E como era previsível, o grupo minoritário não teve alternativa:
teria de abandonar Jerusalém.
Lembro-me de que tive longas conversas com os três. Quais eram
suas intenções? Renunciariam à pregação? O urso de Caná foi
contundente. Primeiro, pediria o conselho dos irmãos que moravam
em Filadélfia, do outro lado do Jordão. Lázaro era um deles. Depois,
se essa fosse a vontade do Pai, iria para longe, talvez em direção ao
leste.

Ali anunciaria a boa nova sobre a paternidade de Deus e a filiação
dos homens. A verdade é que Bartolomeu, embora estivesse
logicamente triste com o rumo dos acontecimentos, falou com
serenidade. Sabia o que queria. Além disso, em seu coração
pesavam agora, com força, as palavras proféticas do Mestre na
última ceia.
Palavras, à maneira de uma despedida, das quais não se havia
esquecido e me lembrou com precisão:
.. Quando eu tiver partido - falou Jesus - pode ser que tua
franqueza interfira nas relações com teus irmãos, tanto os antigos
quanto os novos...
.. Dedica tua vida a demonstrar que o discípulo conhecedor de
Deus pode chegar a ser um construtor do reino, até mesmo quando
estiver sozinho e separado de seus irmãos de fé...
.. Sei que serás fiel até o final...
.. Levai convosco o preceito da tradição judaica e vos empenhai
em interpretar meu evangelho de acordo com os ensinamentos dos
escribas e fariseus...
.. Aquilo que não podeis compreender agora, o novo mestre,
quando tiver chegado, vos revelará nesta vida...(14) Por que
esconder isso? Uma vez mais fiquei maravilhado diante do poder
daquele Homem. Como podia saber o que aconteceria dois meses
depois da emocionante despedida histórica? Sei que, depois do que
eu havia vivido, a pergunta era uma solene estupidez.
Tomé, do seu lado, respondeu no mesmo tom que o urso de Caná.
A decisão de se separar de seus antigos companheiros era dolorosa,
mas não havia alternativa. Cumpriria a ordem do Rabi. Falaria do Pai
aos gentios. Talvez até tirasse umas férias. Depois, veríamos...
A bem da verdade, eu nunca mais soube nada dele. Algumas
tradições garantem que se dirigiu ao Chipre, Creta e Sicília, visitando
até mesmo a costa norte da África. Mas são apenas suposições. Num
dia daquele quente mês de Sivan, acredito ter sido um domingo, dia
10, aquele que havia sido o cético do grupo desapareceu sozinho e
sem despedidas. Coisa bem ao estilo de Tomé...(15).
Quanto ao antigo guerrilheiro Simão, o Zelota -, comungando com

a opinião dos dois companheiros, deixou a questão para o Pai. Por
nada deste mundo trairia o Mestre. Ele também guardava na memória
as frases certeiras e lapidares que o Rabi lhe dedicara naquela
memorável despedida, na noite de 6 de abril.
.. Que fareis quando eu for embora e enfim despertardes e
perceberdes que não compreendestes o significado do meu
ensinamento, e que tendes de ajustar vossos conceitos errôneos a
outra realidade?
*14. Ampla informação sobre a mencionada despedida de Jesus em Operação Cavalo de
Tróia 2, pp.175 e ss. (N. Do a.).
15. Parece, segundo minhas fontes, que Tomé, o Dídimo, foi preso por Roma e executado na
ilha de Malta. Ali, em algum lugar, foram encontrados seus restos. É possível que tenha
chegado a escrever também seu próprio evangelho, (N. Do a.).
.. Simão, sempre serás meu apóstolo, e quando chegares a ver
com o olho do espírito e submeteres plenamente tua vontade à do
Pai do céu, então voltarás a trabalhar como meu embaixador...
Simão também não teve dúvida. Era o momento. O Espírito da
Verdade lhe abriu os olhos. E agora ele ria de si próprio e de suas
idéias bobas sobre um reino material e um Messias guerreiro e
libertador. A mensagem aparecia muito clara em seu íntimo: Era
preciso despertar a grande esperança. Era mister que o mundo
soubesse daquele Deus. Um Pai radiante e benigno, todo amor, que
nos estava presenteando a vida. No fundo era simples. Tudo
consistia em fazer a Sua vontade....
E ele o fazia. Para começar, iria para o Egito. Depois, quem sabe...
(16)
Nunca mais voltei a vê-los... naquele agora.
Na quarta-feira, dia 14, uma notícia procedente de Caná sacudiu os
íntimos. Era a segunda morte em cerca de trinta dias. Primeiro foi a
morte de Elias Marcos, agora a do pai de Bartolomeu.
E o urso, acompanhado pelo Zelota e por quem escreve este
diário, foi para sua aldeia natal. Dali, segundo explicou, se dirigiria
à residência de um tal de Abner, em Filadélfia (atual Amã).
Quanto a seu companheiro de viagem, simplesmente perdi sua

pista depois da despedida em Nazaré.
O que estava claro para mim é que nenhum dos
dissidentesBartolomeu, Tomé e Simão, o Zelota chegou a
participar, direta ou indiretamente, da posterior edificação da
chamada Igreja dos Cristãos. Acredito até que jamais voltaram a se
reunir. Uma Igreja, por certo, que seria definitivamente desenhada,
não por Pedro e seu grupo, mas por aquele gênio de marketing
chamado Paulo. A ele e aos gregos devemos na realidade aquilo que
hoje constitui a Igreja Católica. O inteligente Paulo, fazendo suas as
premissas que vigoraram nos dias posteriores à chegada do espírito,
*16. Essas mesmas e especialíssimas fontes indicam que o Zelota cumpriu sua palavra.
Recuperado o ânimo, viajou ao Egito, pregando a boa nova. Chegou às fontes do Nilo e ali
morreu. A África conheceu em primeira mão a mensagem de Jesus de Nazaré. Talvez, algum
dia, este investigador que aqui escreve decida realizar um velho sonho: procurar o túmulo de
Simão, o Zelota. Mas isso, como tudo, depende da vontade do Pai...
Forjou uma religião cujo objetivo básico era a glorificação do
Mestre. Lamentavelmente, a grande mensagem, a que provocou o
cisma, foi enterrada. E assim continua... vinte séculos depois. Mas
essa história me levaria paRa longe, afastando-me daquilo de que
fui incumbido.
Meu trabalho na Cidade Santa chegava ao fim. Na verdade, só
faltava pôr ordem em outro capítulo. Um capítulo, reconheço, que
me obcecava e ia crescendo dia a dia. Um capítulo espetacular,
igualmente suprimido pelos evangelistas. Eu me refiro, é claro, às
numerosas aparições do Mestre depois de sua morte na Cruz. Desde
que cheguei a Jerusalém, as notícias SOBRE as incríveis presenças
do Ressuscitado se davam quase sem interrupção. Vinham de todos
OS lugares.
A princípio, resisti. Aquilo era uma loucura. Alguém, provavelmente,
andava inventando. Talvez a ressurreição tivesse transtornado as
mentes das pessoas.
Mas não, o equivocado era eu.
Conforme fui interrogando os mensageiros, comprovei que seus
testemunhos eram sólidos. Não consegui achar contradição alguma.
De fato algo estranho, fora do comum, havia acontecido nesses
quarenta dias.

Os íntimos e demais seguidores do Rabi se reuniam em torno
desses correios e escutavam, felizes e encantados, os sucessivos
relatos. Cada história era um jorro de oxigênio que renovava a
certeza de todos, fortalecendo as idéias e as pregações diárias de
Pedro e seu grupo. De certa maneira, as aparições pareciam dar
razão ao líder. Aquilo era físico.
Palpável. Deslumbrante. Aquilo mexia com os corações. Fazia
palpitar as pessoas. Provocava polêmica. Entusiasmava.
Pouco a pouco consegui colocar em ordem todo aquele aglomerado
de fatos, reunindo, acredito eu, uma informação exaustiva sobre o
tema. Contudo, antes de passar a comentar esses fatos fascinantes,
considero conveniente que o hipotético leitor deste diÁRio receba um
relato todo Ordenado.
Algumas das presenças, já detalhadas nas páginas Anteriores
foram reduzidas à expressão mínima. É meu dever esclarecer também
que nem todas as aparições puderam ser investigadas por este que
aqui escreve.
A falta de tempo e a distância de alguns cenários me impediram.
Contudo, como digo, nunca duvidei da credibilidade das
testemunhas. Simplesmente, não havia como desconfiar de gentios e
judeus que se achavam separados por tantos quilômetros e que,
apesar disso, contavam praticamente a mesma história.
Dito isso, tentarei enumerar, em rigorosa ordem cronológica, aquilo
que viram e escutaram centenas de homens e mulheres entre a
madrugada do dia 9 de abril, domingo, e as primeiras horas da
manhã de 18 de maio, quinta-feira, desse ano 30 da nossa era.
9 DE ABRIL
1 Pouco antes do romper do dia (ao redor das 5:47 horas).
Horto de José de Arimatéia. Testemunhas: Maria Madalena e mais
quatro mulheres. Observam um homem com roupas brancas e o rosto,
cabelos e pés translúcidos como o cristal. Reconhecem a voz do
Mestre. Quando Madalena tenta abraçá-lo, o Ressuscitado não

permite: Não sou aquele que conheceste na carne. Duração: uns
cinco minutos.
2 Por volta das 9:35 horas. Também na plantação do velho de
Arimatéia, nas cercanias de Jerusalém. Unico testemunho: o de
Madalena. Ela descreve o Ressuscitado como um estrangeiro com
túnica e manto brancos. Reconhece a voz de Jesus.
Duração: segundos.
3 Hora sexta (meio-dia), mais ou menos. Betânia. Jardim da
propriedade da família de Lázaro. O Ressuscitado se apresenta
diante de Tiago, seu irmão. Lembrou-me uma nuvem.
Ou talvez fumaça... Era uma massa brumosa que, partindo da
cabeça, foi moldando uma figura.. E pouco a pouco, a nuvem
converteu-se num homem. A testemunha não reconhece o Mestre, e
sim sua voz. Passeiam. O Homem fala de certos fatos que deviam
acontecer, mas Tiago se nega a revelá-los. Anos mais tarde, alguns
associaram essa revelação à morte de Tiago, acontecida no ano de
62. Desaparecimento súbito.
Duração: de três a quatro minutos.
4 Por volta da nona (15:00 horas). Também em Betânia. No
umbral de um dos aposentos da casa de Lázaro. Vinte testemunhas.
Entre outros, a família de Lázaro, Davi Zebedeu (o chefe dos
correios), Salomé, sua mãe, a Senhora, Tiago (irmão de Jesus) e
Madalena. Desta vez, o reconhecem. Trata-se de um homem de carne
e osso. Desaparecimento súbito.
Duração: segundos.
5 16:15 horas, aproximadamente. Interior da casa de José de
Arimatéia, em Jerusalém. Testemunhas: Maria Madalena e vinte e
quatro mulheres. Elas têm primeiro uma clara sensação de frio. Como
uma corrente de vento gelado. O Mestre aparece de repente no
centro do círculo formado pelas hebréias. É um homem de carne e
osso. O Ressuscitado reivindica o papel da mulher na difusão da boa
nova. Vós - diz - também sois chamadas a proclamar a libertação
da Humanidade pelo evangelho da união com Deus... Ide pelo mundo
inteiro anunciando este evangelho e confirmando os crentes na fé
neste evangelho... A presença se extingue. Por causa dessa

aparição, o Sinédrio dita normas contra aqueles que propagarem
notícias sobre a volta à vida do Rabi da Galiléia.
Duração: entre um e dois minutos.
6 16:30 horas. Jerusalém. Interior da casa de Flávio, antigo
conhecido de Jesus. Testemunhas: mais de quarenta gregos,
seguidores dos ensinamentos do Mestre (alguns se achavam em
Getsêmane na noite da prisão). Aparição repentina.
O Homem lhes pede também que saiam pelo mundo e proclamem
a boa nova. Dentro do reino do meu Pai - comunica-lhes - não
haverá judeus nem gentios... Embora o Filho do Homem tenha
aparecido na Terra entre os judeus, trazia seu ministério para todos
os homens. Desaparecimento fulminante.
Duração: pouco mais de um minuto.
7 Por volta das 18:00 horas. No caminho da Cidade Santa a
Emaús. Talvez a cinco ou seis quilômetros de Jerusalém.
Testemunhas: os irmãos Cleófas e Jacó, pastores. Um Homem sai
ao seu encontro. Não reconhecem o Mestre nem sua voz. O Homem
lhes fala lembrando-lhes que o reino anunciado por Jesus não era
deste mundo e que todos os seres humanos são filhos de Deus. O
Homem entra na casa dos pastores, senta-se à mesa e parte com
facilidade uma fatia de pão de trigo. Depois de abençoá-lo,
desaparece.
Duração: uma hora e meia, aproximadamente.
8 20:30 horas. Pátio a céu aberto no lar dos Marcos, em
Jerusalém. Testemunha: Simão Pedro. Um Homem se apresenta de
repente junto ao desmoralizado discípulo. O pescador não o
reconhece, apenas sua voz. O Ressuscitado, entre outras coisas, lhe
diz: Prepara-te para levar a boa nova do evangelho àqueles que se
encontram nas trevas. Passeiam lembrando o passado e falando do
presente e do futuro.
Desaparecimento igualmente súbito.
Duração: mais de cinco minutos.
9 21:30 horas. Andar superior da casa de Elias Marcos
Jerusalém). Testemunhas: o cabeça da família, José de Arimatéia, dez

dos onze discípulos (faltava Tomé) e este que escreve este diário.
Portas fechadas e trancadas. Um vento gelado faz oscilar as chamas
das lamparinas. O quarto fica no escuro. Uma ziguezagueante e
infinitesimal faísca elétrica (?) azulada aparece no fundo do
aposento. A faísca (?) desenha uma figura humana nitidamente
composta por uma sutil linha de cor violeta. Uma cascata de luz ()
se derrama da parte de cima, envolvendo a silhueta. Aparece um
homem luminoso.
Ninguém reconhece o Mestre. A forma violácea fala e parece como
se a voz saísse de toda a estrutura. Copos metálicos e espadas,
situados perto da aparição, se entrechocam, caindo ao chão. O ser
de luz (?) se desvanece, recolhendo-se sobre si mesmo, até restar
apenas um ponto brilhante, branco como o mais potente dos arcos
voltaicos.
Duração: impossível de determinar. Talvez um ou dois minutos(17).
11 DE ABRIL, TERÇA-FEIRA 10
Pouco antes das 8:00 horas. Interior de uma das sinagogas de
Filadélfia (adiante da Peréia). Testemunhas: Lázaro e mais de cento
e cinqüenta seguidores do Mestre.
*17. Ampla informação sobre essas nove aparições em Operação Cavalo de Tróia 2, pp. 282
e ss., 298 e ss., 345 e ss, 436 e ss., 339 e ss., 358 e ss., 369 e ss., 366 e ss e 378 e ss.,
respectivamente. (N. Do a.)
A reunião tinha por objetivo difundir uma notícia procedente da
Cidade Santa: a ressurreição do Mestre.
Quando Lázaro e Abner, o chefe daqueles fiéis, se dispunham a
falar, um Homem surgiu do nada, a poucos passos dos oradores.
Tampouco o reconheceram. Segundo os emissários que relataram o
fato, o Ressuscitado disse:
A paz esteja convosco...
Já sabeis que tendes um só Pai no céu e que existe um único
Evangelho do Reino: a boa nova do presente da vida eterna que os
homens recebem pela fé. Ao regozijar-vos em vossa fidelidade ao
Evangelho, rogai a Deus para que a verdade se estenda em vossos
corações com um novo e mais belo amor aos vossos irmãos. Amai a

todos os homens como eu vos amei e servi-os como eu vos servi.
Recebei em vossa comunidade, com agradável compreensão e afeto
fraternal, todos os irmãos consagrados à divulgação da boa nova.
Sejam judeus ou gentios.
Gregos ou romanos. Persas ou etíopes. João pregou o reino por vir.
Vós, a força do evangelho. Os gregos já anunciam a boa nova e eu,
em breve, vou enviar o Espírito da Verdade à alma de todos esses
homens, meus irmãos, que tão generosamente consagraram suas
vidas à iluminação de seus semelhantes, afundados nas trevas
espirituais. Todos sois filhos da luz.
Não tropeceis no erro da desconfiança e da intolerância. Se, pela
graça da fé, vos enobrecestes amando os não crentes, não deveríeis,
igualmente, amar vossos companheiros crentes da grande família da
fé? Lembrai que da maneira que vos amardes uns aos outros, todos
os homens reconhecerão que sois meus discípulos.
Percorrei, pois, o mundo todo anunciando o evangelho da
paternidade de Deus e da irmandade dos homens. Fazei-o com todas
as raças e nações. Sede prudentes ao escolher os métodos para a
divulgação dessas verdades. Recebestes gratuitamente este
Evangelho do Reino e gratuitamente o entregareis.
Não temais... Eu estarei sempre convosco, até o final dos tempos.
Deixo-vos minha paz...
Dito isso, o Homem desaparece da vista dos ali congregados.
Duração: por volta de três minutos.
As testemunhas, impressionadas, se apressam a relatar o ocorrido
aos íntimos do Mestre e a sair pelos caminhos, anunciando aquilo
que foi solicitado pelo Homem. Para dizer a verdade, são os
primeiros missionários. Os pioneiros na difusão de uma mensagem
a grande mensagem não contaminada.

16 DE ABRIL, DOMINGO
11 18:00 horas. Cenáculo, na casa dos Marcos Jerusalém).
Portas novamente trancadas. Testemunhas: os onze íntimos e este
que escreve este diário. Momentos antes da presença, as chamas
das lamparinas de óleo oscilam, mas não chegam a se apagar. Como
que saído de uma das paredes, apresenta-se na sala um Homem de
carne e osso. Todos o reconhecem. E Jesus de Nazaré. O
Ressuscitado ordena que saiam pelo mundo e anunciem a boa nova.
Envio-vos, não para amar as almas dos homens, mas sim para amar
os homens... Sabeis pela fé que a vida eterna é um dom de Deus.
Quando tiverdes mais fé e o poder de cima (o Espírito da Verdade)
tiver penetrado em vós, não ocultareis vossa luz... Vossa missão no
mundo se baseia no que vivi convosco: uma vida revelando Deus e
em torno da verdade de que sois filhos do Pai, assim como todos os
homens.
Esta missão se concretizará na vida que fareis entre os homens, na
experiência afetiva e vivente do amor a todos eles, assim como eu
vos amei e servi. Que a fé ilumine o mundo e que a revelação da
verdade abra os olhos cegados pela tradição.
Que vosso amor destrua os preconceitos engendrados pela
ignorância. Ao aproximar-vos de vossos contemporâneos com
simpatia compreensiva e uma dedicação desinteressada, vós os
conduzireis à salvação pelo conhecimento do amor do Pai. Os judeus
exaltaram a bondade. Os gregos, a beleza. Os hindus, a devoção. Os
remotos ascetas, o respeito. Os romanos, a fidelidade... Eu, contudo,
peço a vida de meus discípulos. Uma vida de amor ao serviço de seus
irmãos encarnados. O Ressuscitado levanta os braços. As mangas
deslizam e ele mostra a Tomé a pele limpa, sem sinal algum de
feridas. E Lhe diz: Apesar de que não vês nenhum sinal de cravos,
pois agora vivo sob uma forma que tu também terás, quando deixares
este mundo, que dirás aos teus irmãos?. O Homem se distancia.
Caminha até uma das paredes e desaparece. Duração: quatro
minutos(18).

18 DE ABRIL, TERÇA-FEIRA 12
Pouco depois das 20:00 horas. Residência de Rodã (cidade de
Alexandria, no Egito). Testemunhas: uns oitenta gregos e judeus que
compartilhavam os ensinamentos do Mestre.
Quando um dos correios enviado por Davi Zebedeu conclui sua
exposição sobre a morte de Jesus de Nazaré, um Homem aparece
de repente entre os ali reunidos. Rodã, Natã de Busiris (o
mensageiro) e outros o reconhecem. O Ressuscitado, segundo Natã,
diz textualmente: Que a paz esteja convosco... O Pai me enviou para
estabelecer algo que não é propriedade de raça ou nação alguma,
nem de algum grupo especial de educadores ou pregadores. O
Evangelho do Reino pertence aos judeus e gentios, ricos e pobres,
homens livres e escravos, mulheres e homens e, inclusive, crianças.
Espalhai este evangelho de amor e verdade através de vossas vidas.
Amai-vos com um novo amor, como eu vos amei. Servi a humanidade
com uma devoção nova e surpreendente, como eu vos servi. Então,
quando os homens virem como vós os amais, e quanto trabalhais em
seu favor, compreenderão que entrastes pela fé na comunidade do
reino dos céus. Então seguirão o Espírito da Verdade, que eles
descobrirão em vossas vidas, até encontrar a salvação eterna.
Assim como meu Pai me enviou a este mundo, eu também vos
envio. Todos sois chamados a difundir esta boa nova àqueles que se
debatem nas trevas. O Evangelho do Reino pertence a todos aqueles
que acreditam nele... Prestai atenção: este evangelho não deve ser
confiado exclusivamente aos sacerdotes...
Em breve, o Espírito descerá sobre vós e vos guiará à verdade. Ide
, pois, e pregai esta grande notícia...
*18. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 2, pp. 489 e ss. (N. Do a.)
E não vos esqueçais de que estarei convosco até o final dos
tempos.
O Homem desaparece. Dois dias depois quinta-feira, 20 de
abril outro correio chega a Alexandria com a notícia da
ressurreição. Rodã e sua gente transmitem ao perplexo mensageiro
outra informação não menos valiosa: Sim, nós sabemos. Acabamos

de vê-lo. , Duração da presença: escassos dois minutos.
21 DE ABRIL, SEXTA-FEIRA 13
Pouco depois do amanhecer (6:00 horas). Praia de Saidan, no lago
de Tiberíades. Testemunhas oficiais(1): dez dos apóstolos (faltava
Simão, o Zelota), o adolescente João Marcos e este que aqui
escreve. Um Homem aparece na margem do yam. Às 6:30 horas, as
embarcações tripuladas pelos íntimos se aproximam da costa. O
Homem alerta os pescadores sobre a presença de um cardume de
tilápias. Enchem as redes e regressam. Quando estão quase
chegando, Zebedeu intui que aquele Homem é o Mestre. Simão
Pedro se lança à água e nada até a margem. O Homem os convida
a comer um pouco do peixe.
Todos o reconhecem. O Homem nega-se a comer. Passeia com os
discípulos pela praia. Faz isso com dois de cada vez.
Ao se dirigir a Pedro, lhe diz, entre outras coisas: Não te
preocupes com o que fazem teus irmãos. Se quero que João (o
Zebedeu) permaneça aqui enquanto tu te vais e até que eu volte,
que te importa?.
Minutos depois, caminhando junto a André, o Ressuscitado,
sutilmente, lhe anuncia a morte de Tiago (irmão de Jesus): ...
Quando teus irmãos se dispersarem em conseqüência das
perseguições, sê um sábio e prudente conselheiro para Tiago, meu
irmão de sangue, pois ele terá de levar uma carga muito pesada, que
sua experiência não permite suportar.(2)
1*. Para não cansar o hipotético leitor deste diário, optei por suprimir minhas próprias
vivências com o Ressuscitado, registradas desde as 4 horas dessa madrugada. A informação,
além disso, aparece em páginas anteriores. (N. do m.)
2. A morte de Tiago, ao que parece, deu-se 32 anos mais tarde. Ou seja, no ano 62 da
nossa era. (N. Do m.)
Noutra conversa desta vez com Tiago de Zebedeu -, o

ressuscitado formula uma nova profecia. Dirigindo-se ao filho do
trono aFirma: Aprende a pensar nas conseqüências de tuas palavras
e atos. Lembra que a colheita é de acordo com a semeadura. Com fé,
estas graças te sustentarão quando chegar a hora de beber o cálice
do sacrifício. Não temas nunca...(3).
Às 10, depois de despedir-se, deixam de vê-lo. Duração:
oficialmente, umas quatro horas.
22 DE ABRIL, SÁBADO
14 Hora sexta (meio-dia). Monte da Ordenação (hoje chamado
das Bem-Aventuranças), ao norte do Kennereth (lago da Galiléia).
Testemunhas oficiais: os onze discípulos. Um Homem surge de
repente no topo. É Jesus de Nazaré. O Ressuscitado levanta o rosto
para o céu e, com voz grave, pede ao Pai que cuide daqueles
homens. Depois coloca as mãos sobre suas cabeças. A cada vez,
fecha os olhos, ficando em silêncio alguns segundos. Finalizada a
cerimônia, conversa com os onze, demonstrando excelente bom
humor. Abraça Simão, o Zelota, durante um longo minuto. Repete a
operação com o resto e por volta das 13:00 horas,(4) retrocedendo
até o centro do círculo, desaparece de maneira abrupta.
Duração oficial: uma hora.(5)
29 DE ABRIL, SÁBADO
15 Por volta da nona (15:00 horas). Praia de Saidan.
Testemunhas: os onze discípulos, o jovem João Marcos, a Senhora,
parte da família dos Zebedeu, cerca de quinhentos moradores das
localidades próximas e aquele que escreve este diário.
3*. Tiago de Zebedeu morreria no ano 44. (N. Do m.) 4. Ampla informação em Operação
Cavalo de Tróia 3, pp. 295 e ss. (N. Do a.)
5. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 3, pp. 335 e ss. (N. Do a.)

Depois de um audaz discurso de Pedro, no qual ele proclama a
ressurreição do Mestre, o maarabit, o vento do oeste, cessa
bruscamente. Faz-se um silêncio anormal. As fogueiras se alteram. De
repente, no centro da lancha atracada que Simão Pedro ocupa, surge
um Homem. Parte dos felah e am-ha-are ali reunidos retrocede e
cai. É o Rabi. Durante alguns instantes, o Ressuscitado passa o olhar
sobre a multidão. Finalmente, exclama: Que a paz esteja convosco...
Deixo-vos minha paz.
O Homem desaparece. Voltam os sons habituais do yam, bem
como o vento. Duração: não mais de quinze segundos.(6)
5 DE MAIO, SEXTA-FEIRA
16 Primeira vigília da noite (cerca das 21:00 horas).
Pátio a céu aberto na casa de Nicodemos Jerusalém).
Testemunhas: o anfitrião, os onze discípulos e cerca de setenta
seguidores do Mestre, entre os quais se encontram mulheres e
gregos. Meia hora depois de iniciada a reunião, um Homem se
apresenta de improviso entre eles. É reconhecido na hora. E, segundo
as informações que estão em meu poder, Jesus lhes diz: A paz
esteja convosco. Eis aqui o grupo mais representativo de fiéis,
embaixadores do reino, discípulos, homens e mulheres aos quais
apareci desde que me libertei da carne. Eu vos lembro agora aquilo
que vos anunciei tempos atrás: que minha estada entre vós
terminaria. Disse-vos que tinha de voltar para junto do Pai. Também
vos expus claramente que os sacerdotes principais e os líderes dos
judeus me entregariam para ser condenado à morte. Mas também vos
disse que me levantaria do túmulo. Então, qual é a razão de vosso
desconcerto? Por que tanta surpresa quando, no terceiro dia,
ressuscitei? Não crestes em mim porque escutastes minhas palavras
sem entendê-las.

Agora, portanto, prestai atenção para não cair de novo no erro de
me ouvir com a mente, ignorando-me com o coração.
*6. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 5, pp.118 e ss. (N. Do a.)
Desde o primeiro momento de minha estada entre vós, ensinei-vos
que meu único objetivo era revelar o meu Pai dos céus aos seus filhos
da Terra. Vivi essa encarnação para que possais aceitar o
conhecimento desse grande Deus. Eu vos revelei que Deus é vosso
Pai e vós sois seus filhos, Deus vos ama!... E é fato que sois seus
filhos...
Pela fé em minhas palavras, isto se torna uma verdade
eternamente viva em vossos corações.
Quando, por essa fé viva, estiverdes conscientes desse Deus e
daquilo que afirmo, então tereis nascido como filhos da luz e da vida.
E eu vos prometo que continuareis ascendendo e que encontrareis o
Pai no Paraíso...
Eu vos exorto a que não vos esqueçais de que vossa missão
consiste na proclamação do Evangelho do Reino. Quer dizer, a
realidade da Paternidade de Deus e a irmandade entre os homens...
Anunciai a boa nova, em sua totalidade. Não deveis cair na tentação
de revelar somente uma parte. Prestai atenção! Minha ressurreição
não deve mudar a grande mensagem, ou seja, que sois filhos de um
Deus!
Permanecei, pois, fiéis ao Evangelho do Reino.
Deveis andar pelo mundo, pregando o amor de Deus e o serviço
aos homens.
O que o mundo necessita é saber que todos são filhos do Pai e
que , graças a essa fé, podem conhecer e experimentar essa nobre
verdade. Minha encarnação deveria ajudar a compreender que os
homens são filhos do céu, mas sei também que, sem fé, não é
possível alcançar o autêntico sentido dessa revelação.
Agora, aqui, estais compartilhando a realidade da minha
ressurreição. Mas isto nada tem de estranho. Eu tenho o poder de
sacrificar minha vida.... e de recuperá-la. É o Pai quem me outorga
esse poder. Mais do que por isto, vossos corações deveriam

estremecer é pela realidade desses mortos de uma época que
empreenderam a ascensão eterna pouco depois que abandonei o
túmulo de José de Arimatéia...
Vivi para vos mostrar como, com amor, podeis revelar Deus a
vossos semelhantes. O fato de amar-vos e servir-vos foi uma
revelação.
Se fiquei entre vós como o Filho do Homem foi para que chegásseis
a conhecer esta grande verdade: sois filhos de um Deus!
Ide, pois, e proclamai este evangelho.
Amai como eu vos amei. Servi como eu vos servi.
Recebestes com generosidade... Sede, pois, generosos.
Ficai em Jerusalém até que eu vá ao Pai e vos envie o Espírito da
Verdade. Depois, Ele vos conduzirá a uma verdade mais ampla e vos
acompanhará por todo o mundo.
Estarei sempre convosco...
Deixo-vos minha paz.
Dito isso, o Homem desaparece.
Duração: uns quatro minutos.
13 DE MAIO, SÁBADO
17 Por volta da décima (16:00 horas). Perto do poço de Jacó
(cidade de Sicar, em Samaria). Testemunhas: cerca de setenta e cinco
samaritanos, fiéis seguidores do Mestre.
Enquanto comentam as notícias sobre a ressurreição, o Rabi
aparece diante deles. Todos o identificam. O texto, com as palavras
do Ressuscitado, é enviado também à casa dos Marcos.
Dizia assim: A paz esteja convosco... Estais jubilantes por saber
que sou a ressurreição e a vida. Mas nada disso servirá se antes não
nascerdes do espírito e encontrardes Deus. Se chegardes a ser filhos
do Pai pela fé, nunca morrereis.
O Evangelho do Reino ensina que todos os homens são filhos de

Deus. Muito bem, é preciso que esta boa nova seja espalhada por
todo o mundo. Chegou a hora em que não devereis adorar Deus no
monte Gerizim nem em Jerusalém, mas ali onde vos encontrardes. Ali
onde estiverdes..., em espírito e verdade. É a vossa fé que salva a
alma. A salvação é uma graça de Deus para todos aqueles que se
consideram seus filhos. Mas não vos equivoqueis. Ainda que a
salvação seja um presente do Pai, oferecido a quantos o desejam
pela fé, é mister render frutos espirituais na vida.
A aceitação da verdade sobre a paternidade de Deus significa que
deveis tornar vossa a segunda grande revelação: todos os homens
são irmãos..., fisicamente!
Portanto, se o homem é vosso irmão, é muito mais que vosso
próximo. E o Pai exige que o ameis como a vós mesmos.
Se o homem pertence, pois, à vossa própria família, não só o
amareis com um amor fraterno, como também o servireis como
serviríeis a vós mesmos. E assim o fareis, porque eu, primeiro, fiz
convosco.
Ide pois pelo mundo, anunciando esta boa nova a todas as
criaturas de cada raça, tribo e nação.
Meu espírito vos precederá e estarei sempre convosco. Ato
contínuo, ante o temor e a perplexidade dos samaritanos, o
Ressuscitado desaparece.
Duração: uns três minutos.
16 DE MAIO, TERÇA-FEIRA
18 Pouco antes das 21:00 horas. Cidade de Tiro (costa da
Fenícia). Testemunhas: os emissários não conseguem chegar a um
acordo. Alguns mencionam cinqüenta. Outros falam de uma centena
de gentios, todos eles conhecedores dos ensinamentos de Jesus. No
instante da aparição discutem sobre a pretendida volta do Galileu à
vida real. Ao se apresentar subitamente diante deles, quase todos o
reconhecem. É um Homem normal e comum. Estas são as palavras
do Ressuscitado: A paz esteja convosco...

Regozijai-vos ao saber que o Filho do Homem ressuscitou dentre
os mortos. Assim sabeis que vós, assim como vossos irmãos, também
vencereis a morte. Mas para alcançar essa vida superior é preciso
que, previamente, tenhais nascido do espírito que busca a verdade e
tenhais descoberto o Pai. O pão e a água da vida se outorgam
unicamente aos que têm fome da verdade e sede de Deus.
Não vos confundais... Que os mortos ressuscitem não constitui o
Evangelho do Reino. Essas coisas só são o resultado, uma
conseqüência a mais, da fé na boa nova. Fazem parte do evangelho e
da sublime experiência daqueles que, pela fé, se convertem em filhos
de Deus... mas, lembrai, não é o evangelho.
Meu Pai me enviou para difundir esta notícia: todos sois filhos
desse Deus!
Assim, pois, eu vos envio longe, para que pregueis esta salvação.
A salvação é um dom de Deus, mas aqueles que nascem do
espírito demonstram os frutos imediatamente, através do serviço aos
seus semelhantes. Estes são os frutos: serviço amoroso, dedicação
desinteressada, fidelidade, equilíbrio, honradez, esperança
permanente, confiança sem reservas, misericórdia, bondade contínua,
clemência piedosa e paz sem fim. Se os crentes não contribuem com
estes frutos na sua vida diária... estão mortos! O Espírito da Verdade
não vos enganeis não reside neles. São rebentos inúteis de uma
videira viva e logo serão podados.
Meu Pai exige que todos os filhos da fé rendam um máximo de
frutos. Se vós sois estéreis, Ele cavará ao redor das raízes e cortará
os ramos inúteis. Esta é a grande verdade: conforme avançais no
reino dos céus, esses frutos deverão ser mais numerosos. Podeis
entrar no reino como uma criança, mas vos asseguro que meu Pai
solicitará que alcanceis, pela graça, a plenitude de um adulto.
Ficai tranquilos...Quando sairdes a proclamar esta boa nova, eu
vos precederei e meu Espírito da Verdade habitará em vós.
Deixo-vos minha paz...
Em seguida, o Homem desaparece.
Duração: entre quatro e cinco minutos.

No dia seguinte segundo os emissários que trouxeram a notícia
aqueles gentios (tírios e sidônios, em sua maioria) se lançaram
valentemente às ruas, enchendo de estupor os habitantes de Tiro,
Sidon, Antioquia e Damasco.
18 DE MAIO, QUINTA-FEIRA 19
6:30 horas. Aposento do andar superior da casa dos Marcos, na
Cidade Santa. Testemunhas: todos os íntimos (onze), Maria Marcos,
uma das servas e este que aqui escreve.
Quando se preparam para fazer o desjejum, um Homem se
apresenta na sala. É o Mestre.
Algumas cenas de pânico. O Ressuscitado os tranqüiliza.
Simão, o Zelote, a pedido dos outros, formula a seguinte pergunta:
Então, Mestre, estabelecerás o reino? Veremos a glória de Deus se
manifestar no mundo?. Jesus responde: Simão, ainda te aferras às
tuas velhas idéias sobre o Messias judeu e o reino terreno. Não te
preocupes... Receberás poder espiritual quando o Espírito tiver
descido sobre ti... Depois vós andareis por todo o mundo pregando
esta boa notícia do reino. Assim como o Pai me enviou, eu agora vos
envio.... O Rabi faz uma alusão ao desaparecido Judas Iscariotes e
diz: Judas não está mais convosco porque seu amor esfriou e porque
ele se negou a confiar em vós... Confiai, pois, uns nos outros!. Em
seguida dá meia-volta e caminha para a saída, dirigindo-se, com os
onze, para o sopé ocidental do monte das Oliveiras. Ao cruzar as ruas
repletas de Jerusalém, muitos moradores o reconhecem.
Pouco depois das 7:00 horas, o Ressuscitado e os íntimos param a
meio caminho do cume. Jesus, em silêncio, contempla a cidade. Volta
junto aos discípulos mudos e perplexos. Pedro se ajoelha diante do
Mestre. Todos o imitam. São as últimas palavras do Filho do Homem
na Terra: ... Amai os homens com o mesmo amor com que eu vos
amei... E servi vossos semelhantes como eu vos servi. Servi-os com o
exemplo... E ensinai com os frutos espirituais de vossa vida. Ensinai

a grande verdade...
Incitai-os a acreditar que o homem é um filho de Deus... Um filho de
Deus! O homem é um filho de Deus e todos, portanto, sois irmãos...
Lembrai-vos de tudo que eu vos ensinei e da vida que vivi entre
vós... Meu amor vos envolverá... E meu espírito e minha paz reinarão
entre vós... Adeus!.
O Ressuscitado, em pé, desaparece.
Duração: uma hora e vinte minutos, aproximadamente.(7)
*7. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 5, pp. 312 e ss. (N. do a.)
Cenário das aparições de Jesus de Nazaré depois da sua
ressurreição, na madrugada de Domingo, dia 9 de abril do ano 30.
Durante quarenta dias se apresentou a judeus e gentios em
dezenove ocasiões.
Uma caricatura...
Quanto mais analiso essas dezenove aparições, mais confirmo o
que disse: os evangelhos que os fiéis veneram não passam disso.
Uma má caricatura do que aconteceu.
Pensei nisso várias vezes. Por que comento esses fatos? A verdade
é que poderia passar por cima de tudo isso. Ainda me falta tanto
para contar... Mas, essa força que me preenche, que me acompanha
e guia desde então, extravasa, forçando-me a expressar algumas
opiniões. Seguirei a intuição. Ele sabe.
Eu me concentro no essencial, e aí fica claro que os mencionados
textos sagrados (?) foram gravemente mutilados. Se essas
presenças do Ressuscitado eram de domínio público, perfeita e
minuciosamente conhecidas pelos embaixadores do reino, por que
os evangelistas só fazem alusão a algumas poucas? Salvo João, que
menciona quatro e muito por cima, os outros se contentam com duas
ou três.
Como é possível? Afinal, a volta à vida do Filho do Homem não era
importante? Não o foram suas palavras? Duvidaram, talvez, da
credibilidade das testemunhas? Acharam que o número de pessoas
que tinham chegado à verdade não era suficiente? Claro que era.

Segundo meu parco conhecimento, todos pareceram estar de acordo:
aquelas aparições eram a culminação de uma vida e de um ideal.
Mas...
E, antes de continuar, me permitirei abrir um parêntese que
confirma, com muita clareza, a solidez desses acontecimentos e a
aceitação unânime deles por parte dos íntimos. Trata-se de dados
precisos, altamente significativos, que impressionaram a todos que
os conheceram. Vejamos.
Entre as anotações feitas por este explorador naqueles dias,
consta o seguinte:
Primeiro.
Segundo os correios e demais mensageiros que trouxeram as
notícias à Cidade Santa, o total de testemunhas que conseguiu ver e
escutar o Ressuscitado nessas dezenove presenças oscilou entre
1.488 e 1.538. Bendito Deus! Não são números mais que suficientes?
Segundo.
Tempo em que o Mestre foi visível: oito horas e trinta e seis
minutos, aproximadamente!
Um recorde na História da Humanidade.
Terceiro.
As aparições se registraram de dia, à noite, em lugares abertos ou
fechados e com as portas trancadas.
Isso tampouco foi levado em consideração?
Quarto.
Dessas dezenove presenças, quatro aconteceram a consideráveis
distâncias de Jerusalém. A saber: Alexandria, a 517 quilômetros; Tiro,
também em linha reta, a pouco mais de 200; Filadélfia, a 76, e o yam
(lago de Tiberíades), a 140 quilômetros.
Uma bobagem?
Quinto.
Se as anotações não falham, eis aqui as vezes em que o Rabi foi
observado por discípulos e seguidores privilegiados: Pedro foi quem
mais contabilizou sete oportunidades; depois dele, vêm os

discípulos, com seis (Tomé e Simão, o Zelote, o viram cinco vezes).
Maria Madalena também pôde contemplá-lo em cinco ocasiões. A
Senhora, Tiago, seu filho, e João Marcos, o caçula dos Marcos,
desfrutaram de duas oportunidades cada um. O Galileu foi visto uma
vez por José de Arimatéia, Nicodemos, Elias Marcos, Lázaro, Cleófas e
Jacó (os pastores de Emaús), Davi Zebedeu e a família de Lázaro.
Quem, em seu pleno juízo, se atreveria a duvidar da credibilidade
desses homens e mulheres, cada um mais carismático que o outro?
Fecho o parêntese.
Com efeito, como dizia, os argumentos eram sólidos. Que eu saiba,
ninguém questionou essas presenças. Ao contrário.
Reafirmaram a crença geral, fortalecendo, em particular, a postura
de Pedro e seu grupo e dando asas às pregações.
Mas...
Sim, alguma coisa aconteceu. Alguma coisa terminou arruinando
esses prodígios. E o silêncio desceu sobre essa magnífica e sublime
etapa da história do Filho do Homem.
Suponho que a censura porque é disso que se trata foi gradual.
E os anos, o distanciamento e o esquecimento se encarregaram do
resto.
Não é difícil imaginar. Quando os ânimos se estabilizaram, mais de
um levou as mãos à cabeça, rejeitando o conteúdo, o contexto e as
circunstâncias de muitas dessas aparições.
Provavelmente não houve má intenção. Eram judeus não nos
esqueçamos disso e não tinham conseguido se livrar da mão de
ferro (A Lei) que governava vidas e idéias. Foi esse condicionamento
que os fez refletir e sepultar os fatos.
Por quê? Esboçarei algumas possíveis razões. O coração me diz
que não estou enganado.
Primeiro: as mulheres.
E não me refiro à mera circunstância de que chegaram a ser
testemunhas. Isso eles poderiam ter aceitado. Por outro lado, o que
era contrário aos costumes e ao entendimento foi aquilo que ocorreu
na quinta aparição. Como podemos lembrar, nessa presença, o

Ressuscitado reivindicou para a mulher um papel na divulgação do
reino. Foi claro e taxativo. Vós afirmou diante de vinte e cinco
mulheres também sois chamadas a proclamar a libertação da
Humanidade pelo evangelho da união com Deus... E se ainda havia
alguma dúvida, acrescentou: Ide pelo mundo inteiro anunciando este
evangelho e confirmando os crentes na fé neste evangelho... Jesus
de Nazaré, sem dúvida, conhecedor da péssima situação social da
mulher e se adiantando à História, lembra que todos, homens e
mulheres, são iguais na hora de administrar os assuntos do reino.
A ordem do Rabi, contudo, não agradou aos judeus teimosos e
machistas.
Considerar como iguais as mentirosas e impuras por natureza?
Nem sonhando...
E esta aparição foi excluída. Nunca existiu.
As mulheres, claro, não só deixaram de ser equiparadas aos
sagrados embaixadores do reino, mas também, para o cúmulo da
desobediência àquilo que foi prescrito pelo Filho de Deus, continuaram
sendo anuladas e menosprezadas.
Exagero? Acredito que não. E como prova do que afirmo, aqui estão
algumas frases do, insisto, nefasto Paulo de Tarso. Em sua epístola
primeira aos Coríntios (14, 34-36), ele escreve com um descaramento
que hoje provoca vergonha e indignação: Como em todas as igrejas
dos santos, as mulheres se calam nas assembléias, porque não lhes
cabe falar, e sim viver como submissas como diz a Lei. Se querem
aprender alguma coisa, que em casa perguntem aos seus maridos,
porque não é decoroso que a mulher fale na igreja. E este era o
homem que dizia venerar Jesus de Nazaré! Sem comentários...
Mais de uma vez eu me perguntei sobre isso. Se a primitiva Igreja e
os evangelistas tivessem respeitado fatos e palavras e, mais concretamente,
essa quinta aparição, os cristãos continuariam polemizando
sobre o papel da mulher na obra do Rabi da Galiléia! Mas não foi
este o único nem o mais doloroso silêncio.
Segunda: os gentios e prosélitos.
Como já foi dito, o Ressuscitado se apresentou também diante de
um bom número de gregos, fenícios, arab e samaritanos, entre outros

não judeus. Segundo meus cálculos, diante de 400 ou 600. Quer
dizer, de acordo com as estatísticas, por volta de uns 33 por cento do
total.(8)
Muito bem, eis aqui outra das razões que poderiam ter gerado uma
censura impiedosa.
Voltemos ao exposto anteriormente. Eram judeus, e a Torá dizia
sem paliativos: os prosélitos constituíam uma casta de segunda
ordem, marcada pelo pecado.(9) Esses indivíduos, pagãos convertidos
ao judaísmo,
8. É quase certo que essas cifras foram sensivelmente superiores. Como já indiquei, numa
das aparições do yam, muitas das mais de quinhentas testemunhas eram gentios que viviam
nos povoados próximos a Saidan. (N. Do m.)
9. Os ger (prosélitos), mais numerosos que os halalim, ou filhos ilegítimos dos sacerdotes,
dividiam-se em dois grandes grupos: os prosélitos da justiça e os temerosos a Deus. Os
primeiros, ao se converter à religião judaica, eram circuncidados, submetendo-se ao banho ritual
e à oferenda do sacrifício. Os segundos, por sua vez, considerados como pagãos, só aceitavam
Yaveh, bem como a observância de alguns preceitos. (N. Do m.)
tinham limitados muitos de seus direitos cívicos, sendo sempre
incomodados pelos sacerdotes e judeus mais ortodoxos. A penosa
situação não comparável, é claro, à dos bastardos chegava a
extremos inconcebíveis. Por exemplo: as casas e propriedades de um
ger (estrangeiro) eram impuras, segundo a Lei. Uma impureza
idêntica à de um cadáver que impedia a entrada dos judeus mais
rigorosos. Por exemplo: apoiando-se no Deuteronômio (23, 4-9),
muitos rabinos propugnavam que os prosélitos procedentes de Edom
(ao sul do mar Morto) e do Egito não podiam casar-se com judeus ou
judias imediatamente depois de sua conversão.(10) Por exemplo:
segundo o direito judeu, o pagão não tinha pai legítimo. Daí que
os descendentes de prosélitos foram designados com o nome da mãe
(ver Yeb, 98.a, Peiata rabbati, 23-24, 122, a, 11, entre outros). Tão
abominável princípio jurídico - 'ên 'ab 1.e gôy, que quer dizer o
pagão não tem pai - criava, entre os judeus, uma atmosfera de
rejeição em relação ao ger (prosélito) e tudo que lhe dizia respeito.
Ao menos, nos círculos mais fechados e rigorosos. Esse pessimismo
se traduzia, além disso, numa dúvida permanente sobre a
capacidade moral dos gentios. Assim, por exemplo, toda pagã,

inclusive a casada, era suspeita de haver praticado a prostituição.
Outros, mais duros, equiparavam os pagãos à lepra. E nem é preciso
dizer que nenhuma prosélita podia aspirar, jamais, a contrair
matrimônio com um sacerdote. Assim estava escrito no Levítico (21,
7). Melhor dizendo, assim interpretavam Yaveh os tortuosos doutores
da Lei(11). Uns especialistas, os quais o Mestre enfrentou com
coragem. Em questões de herança, por exemplo, o ger não se saía
em melhores condições. Perdidos e ofuscados naquele labirinto de
normas e leis, os guardiães da Torá chegavam a fazer perguntas
como estas: O prosélito tem o direito de herdar de um pai pagão?
*10. Embora pareça incrível, Yaveh, no Deuteronômio, assinala que egípcios e
edomitas não podiam pertencer à casa de Israel até a terceira geração (uma vez
convertidos ao judaísmo). A norma continuou vigente até pouco depois do ano 90 da
nossa era, com a oposição de alguns (entre estes, o célebre Gamaliel). (N. Do m.)
11. O mencionado versículo do Levítico diz assim: Não tomarás por esposa uma mulher
prostituta nem profanada nem tampouco repudiada pelo seu marido; pois o sacerdote está
consagrado ao seu Deus. (N. Do a.)
Que direito têm à herança os filhos do prosélito concebidos antes
da conversão do pai?. A verdade é que a tortuosidade daquela
gente justificaria muitos dos ataques e advertências de Jesus. Pois
bem, com respeito à primeira questão, os judeus só os autorizavam a
ficar com o dinheiro e os bens que não guardavam relação com os
ídolos do pai. No segundo caso, os filhos ficavam em situação ainda
pior. O inapelável princípio judaico já citado - o pagão não tem pai
- condenava-os à miséria, não podendo sequer recorrer aos tribunais,
mesmo que eles demonstrassem que também haviam se convertido
ao judaísmo(12).
Imagino que o hipotético leitor terá compreendido por onde estou
indo. Nos tempos de Jesus de Nazaré, um ger, um prosélito, era um
ser desprezado, sem pai legítimo e com escassos direitos perante a
Lei de Moisés. Esta, ao menos, era a corrente generalizada nos
círculos mais ortodoxos. Mas esses não eram os únicos horrores que
suportavam(13). Talvez mais adiante ao narrar a vida de pregação
do Mestre eu tenha a oportunidade de voltar a essa dramática

situação.
Está claro. Quando os íntimos judeus, afinal de contas
receberam as notícias sobre as diferentes aparições do Rabi a
gentios e prosélitos de Filadélfia, Alexandria, Tiro e do yam, para
não falar dos odiados samaritanos, mais de um torceu o nariz em
sinal de desaprovação.
O que era aquilo?
O Ressuscitado falando aos gregos a rab, tírios, fenícios e aos
impuros samaritanos!
*12. A gravíssima situação dos prosélitos dava lugar a injustiças: segundo Shebut (X, 9),
aquele que pedisse a um ger, cujos filhos se converteram com ele, não está obrigado a
devolver, no caso de o prosélito morrer. Dado que o direito rabínico estabelecia que a esposa
não podia herdar (B. B.,
VIII,1 ), se o ger falecia sem filhos nascidos depois da conversão, por falta de herdeiros
legais, qualquer um estava legitimado para tomar suas propriedades e, é claro, não restituir as
possíveis dívidas. E, para o cúmulo do cinismo, contudo, a Lei autorizava os credores a separar
das terras, dinheiro, casas, colheitas etc. A parte que o prosélito falecido havia deixado
pendente (Gerim, III 11-12). Em outras palavras, o primeiro que chegasse praticava o que se
chamava de tomada de posse (Gerim, III, 9-10,13). (N. Do m.)
13. Ampla informação sobre a rejeição dosjudeus em relação aos gentios e os prosélitos em
Operação Cavalo de Tróia 5, pp. 66 e ss. (N. Do a.)
Hoje, esses fatos podem ser incompreensíveis. Será que os
discípulos tinham aprendido coisa alguma? Não se lembravam dos
ensinamentos do Galileu? Naturalmente que sim. Mas estavam onde
estavam. A Lei era a Lei. E eles, repito, nunca se afastaram da férrea
norma judaica. Convém não esquecer disso... . Essas testemunhas
também eram crentes, mas sua condição de ger quase as
desconsiderava. Em várias ocasiões, eu os vi discutir sobre o
assunto. Mas, honestamente, nesses momentos, eu não tinha
consciência da transcendência de tais polêmicas.
Como equiparar esses homens e mulheres com as testemunhas
judias? E o que mais os preocupava: como dizer ao povo que eram
irmãos na fé? Como valorizar os testemunhos de pessoas sem pai
legítimo, suspeitas de prostituição e idolatria e claramente
condenadas por Yaveh?
Não, isso era demais. A referência a essas aparições nas

pregações só havia levado a críticas, gozações e, em resumo, a uma
depreciação da religião que estavam impulsionando. Uma religião,
insisto, em torno da imagem e da ressurreição do Senhor Jesus.
Eis aqui uma questão que os fiéis de hoje costumam esquecer.
Pedro e seu grupo trabalharam muito tempo na Cidade Santa e nas
terras da Palestina. Foi mais tarde que alguns embaixadores do
reino decidiram buscar a sorte em outras paragens do Mediterrâneo.
Como assumir, portanto, essas aparições no meio de uma cultura que
desprezava os prosélitos? Como dizer e defender que um Filho de
Deus havia tomado iguais os indivíduos que a tradição e a sagrada
Lei consideravam indesejáveis?
Como se sabe, esse rigoroso acatamento das regras da religião
judaica por parte do líder e dos seus provocaria lamentáveis
confrontos com Paulo e seus seguidores(14).
*14. Um dos conflitos que o major menciona aparece no capítulo 15 dos Atos dos Apóstolos
(versículos 1 a 3). Lucas diz textualmente: Alguns que haviam descido de Jerusalém ensinavam
aos irmãos: «Se não vos circuncidardes conforme a Lei de Moisés, não podeis ser salvos». Isso
produziu uma agitação e uma disputa nada pequenas, levantando-se Paulo e Barnabé contra
eles. Por fim determinaram que Paulo e Barnabé, acompanhados de alguns do grupo, fossem
até os apóstolos e presbíteros de Jerusalém, para consultá-los sobre isso. (N. do a.)
Simplesmente, essas presenças do Mestre diante de centenas de
pagãos e prosélitos colocavam a nascente Igreja numa posição tão
deLicada quanto desnecessária. E eles optaram então por não jogar
mais lenha na fogueira, suprimindo-as. Se revisarmos o que foi
escrito pelos evangelistas, observaremos que não há menção alguma
às aparições em Filadélfia, Alexandria, Tiro e Sicar. Só Paulo, sem
entrar em detalhes comprometedores, menciona que, numa dessas
aparições do Rabi, as testemunhas foram mais de quinhentos irmãos
(1 Cor., 15,
6). Entendo que fala do ocorrido em 29 de abril, sábado, na praia
de Saidan, quando o Ressuscitado se apresentou diante de mais de
quinhentos felah e am-ha-are. Habilmente, Paulo evita mencionar que
muitos daqueles homens e mulheres, moradores das imediações,
eram gentios e prosélitos.
Hoje, logicamente, ao ler os textos sagrados (), temos a impressão

de que não houve mais aparições do que as mencionadas. Não podia
ser de outra forma. E não só por causa do que acabo de relatar. Na
minha opinião, o que alijou de uma vez essas quatro transcendentais
presenças do Mestre depois de sua morte e ressurreição foi o
conteúdo das mensagens.
Aquilo se chocava frontalmente com a Torá, com a tradição, com o
sentimento de superioridade do povo eleito e, sobretudo, com a
filosofia que começava a se consolidar no grupo dominante.
Dentro do reino do meu Pai disse Jesus aos gregos não há nem
haverá judeus nem gentios. Recebei em vossa comunidade disse
em Filadélfia diante de um bom número de arab -, com agradável
compreensão e afeto fraternal, todos os irmãos consagrados à
divulgação da boa nova. Sejam judeus ou gentios. Gregos ou
romanos. Persas ou etíopes. O Pai me enviou esclareceu por fim
na cidade de Alexandria diante de gregos, egípcios e judeus para
estabelecer alguma coisa que não é propriedade de raça e nação
alguma, nem de algum grupo especial de educadores ou
pregadores... Prestai atenção! Este evangelho não deve ser confiado
exclusivamente aos sacerdotes. As diretíssimas e transparentes
alusões de Jesus não podiam ser aceitas naquele tempo e, muito
menos, registradas nos textos evangélicos. Insisto de novo: a
mensagem não era compatível com as circunstâncias e práticas
daqueles homens. Por essa razão, sem dúvida, Jesus a repetiu com
tanta insistência.
Houve contudo alguma coisa mais. Alguma coisa que deixou Pedro
e os seus fora de jogo.
Sabedor do que ia acontecer, o Ressuscitado se apresenta na casa
de Nicodemos, em Jerusalém, e na primeira vigília da noite, com
todos os íntimos em sua presença, lança uma advertência chave:
Eu vos exorto a que não esqueçais que vossa missão consiste na
proclamação do Evangelho do Reino. Quer dizer, a realidade da
paternidade de Deus e a irmandade entre os homens. Anunciai a boa
nova em sua totalidade. Não deveis cair na tentação de revelar
somente uma parte. Prestai atenção! Minha ressurreição não deve
mudar a grande mensagem, ou seja, que sois filhos de um Deus!
Outros setenta seguidores foram também testemunhas

privilegiadas. Contudo, o líder e a primeira comunidade, como já
mencionei, fizeram ouvidos surdos a esse decisivo esclarecimento.
Bartolomeu, Tomé e Simão, o Zelota, com efeito, tinham razão. Mas,
como foi dito, a grande mensagem não vendia, não inflamava as
multidões.
Pôr no papel essa aparição? Reconhecer publicamente que eles não
tinham seguido os conselhos do Homem que adoravam? De maneira
alguma.
E assim foi feito. A presença número dezesseis tampouco existiu.
Jamais faria parte da história do Filho do Homem.
Novo e triste silêncio nos impropriamente chamados textos
revelados.
É justamente nessa aparição que o Mestre fala de alguma coisa a
que já me referi nas páginas anteriores, ao comentar um dos
supostos discursos de Pedro no dia do Pentecostes e que aparece
nos escritos de Lucas. O Ressuscitado, com uma clarividência
assombrosa, adiantando-se aos acontecimentos, faz uma revelação
que tampouco foi levada em conta pela primitiva Igreja.
Agora, aqui, estais compartilhando a realidade de minha
ressurreição - lhes disse. Mas isto não tem nada de estranho. Eu
tenho o poder de sacrificar minha vida e de recuperá-la. É o Pai quem
me outorga esse poder...
Conclusão: não foi Deus, o Pai, como pregariam depois Simão Pedro
e os seus, que ressuscitou Jesus de Nazaré, mas sim Ele mesmo. Ele
desfrutava desse poder. Interessante diferença...
E antes de prosseguir com este desastre, intuo que devo voltar
atrás. Alguma coisa toca um aviso dentro de mim. Sim, acho que me
esqueci de uma sutileza.
Foi em Alexandria, na presença número doze, onde o
Ressuscitado, de repente, manifestou alguma coisa que, em nossa
época, poderia ser mal interpretada.
Este evangelho - afirmou - não deve ser confiado exclusivamente
aos sacerdotes.
A afirmação, na minha humilde opinião, contém mais do que

aparece num primeiro exame literal. Duvido que o Mestre se referisse
unicamente às castas sacerdotais daquela época. Pelo que sei, e
pelo que me foi dado a conhecer em nossa longa permanência junto
ao Rabi, o aviso era infinitamente mais sutil. Estava claro que os
sacerdotes que haviam conspirado contra Ele fariam suas a
mensagem. Eles estavam a milhões de anos-luz da boa nova. Eles se
consideravam os sagrados depositários da verdade e os únicos com
acesso à Divindade.
Para essas castas, Yaveh era inacessível, vingativo e discriminador.
Não repito -, não acredito que Jesus de Nazaré estivesse pensando
nesses ciumentos custódios da Torá quando formulou a advertência. É
óbvio. Eu me inclino é pelos outros sacerdotes. Assim como
demonstrou em diferentes aparições, sabia o que ia acontecer. E quis
pôr as coisas no seu devido lugar. Sabia que, com o tempo, esses
outros sacerdotes - a hierarquia definitiva que nasceria com a
primitiva Igreja monopolizariam sua imagem e suas palavras.
Quer dizer, seu evangelho. Um evangelho mutilado e contaminado,
mas, afinal de contas, contendo parte da verdade.
A pergunta chave é por quê?. Por que o Ressuscitado não deseja
que a boa nova seja propriedade exclusiva dos sacerdotes? Hoje,
do jeito que estão as coisas, a maior parte dos fiéis aceita que o
ministério deva ser exercido precisamente por esses supostos
representantes do Senhor Jesus. A verdade é que Jesus repetiu isso
à exaustão. Seu evangelho a grande mensagem nada tinha a ver
com as estruturas, adições, dogmas, leis, primados e demais
intermediários.
Tudo era simples e fascinante. Sua grande revolução foi esta:
mostrar ao mundo que Deus não era uma idéia mais ou menos
abstrata, remota e fiscalizadora. A revelação que justificou sua vida
dizia outra coisa: Deus ê um Ab-bã, um Pai. Um Ser amoroso que só
pede confiança. Em outras palavras, Jesus de Nazaré não pregou,
nem propagou, uma religião tradicional, mas um estilo de vida.
Compartilhar seu ideal seu evangelho significa entender e aceitar
que existe esse Pai e que, conseqüentemente, os seres humanos são
fisicamente irmãos.
Esse achado, para quem tem a sorte de descobri-lo, muda

radicalmente a bússola do pensamento. A pessoa entra numa nova e
esperançosa dinâmica na qual só vale a experiência pessoal.
É o início de uma aventura na qual o homem não dependerá mais
de velhas servidões. Ao procurar Deus por esse atraente atalho, Deus
já está com ele. Esse evangelho, por fim, como insistiu o Mestre
exaustivamente, não precisa, pois, de recintos sagrados, livros
revelados ou veneráveis depositários da verdade.
A advertência, contudo, como reflete a História, não teve eco. Nem
Pedro, nem Paulo, nem o resto dos primeiros cristãos tiveram isso em
mente. Muito pelo contrário. Aos poucos, uma engrenagem cada vez
mais hierarquizada e dogmática foi abrindo caminho, monopolizando,
condenando e discriminando. E hoje essa máquina - tão alheia aos
propósitos do grande Rabi da Galiléia continua controlando e
dirigindo vontades.
Escrever e deixar registrada a aparição de Jesus aos pagãos da
Alexandria? Dizer ao mundo que o evangelho não devia ser confiado
exclusivamente aos sacerdotes? Não, aqueles homens não estavam
loucos.
E uma vez desafogado meu coração, continuarei com a grande
fraude.
De que outra forma posso qualificar a ocultação sistemática dessas
aparições? Discípulos e evangelistas conheceram a verdade e, no
entanto a ocultaram. Isso não é uma fraude? Na verdade, se
examinamos os evangelhos, descobrimos, alarmados, que as únicas
presenças anotadas pelos escritores sagrados (?) foram
protagonizadas pelos íntimos e alguns seguidores próximos.
Naturalmente, todos judeus.
Naturalmente, todas manipuladas.
Exemplos.
João, no capítulo 20, versículos 19 ao 30(15), além de confundir
cenas correspondentes a duas aparições diferentes (a nove e a
onze), inserindo-as numa única, coloca nos lábios de Jesus frases que
nunca existiram. É natural que eu tenha dúvidas. Foi Zebedeu quem
teria falsificado essas frases famosas Ou elas teriam sido resultado
de uma interpolação posterior? Seja como for, o que aparece claro é

que a sentença em questão interessava à recém-inaugurada Igreja.
Os pecados daqueles que vós perdoardes - escreve o evangelista
no referido capítulo - serão perdoados; aqueles que não
perdoardes, não serão perdoados.
A liturgia, a engrenagem e o dogmatismo avançavam velozes e era
preciso justificar aquilo que, mais adiante, seria conhecido como
sacramento da penitência. Em alguém devia repousar o fundamento
de tal privilégio e, provavelmente, João Zebedeu foi eleito como a
testemunha irrefutável. E digo que foi eleito porque, à vista dos
erros que apresenta o mencionado texto,é quase certo que João não
pode ter sido o autor do mesmo.
*15. A passagem citada diz assim: Ao entardecer daquele dia, o primeiro da semana
estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde se encontravam os discípulos,
apresentou-se Jesus no meio deles e Lhes disse: «A paz esteja convosco».
Dito isto, mostrou-Lhes as mãos e as costas. Os discípulos se alegraram de ver o Senhor.
Jesus Lhes disse outra vez: «A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos
envio».
Dito isso, soprou sobre eles e lhes disse: «Recebei o Espírito Santo. Os pecados daqueles
que vós perdoardes serão perdoados; aqueles que não perdoardes, não serão perdoados».
Tomé, um dos Doze, chamado de o Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus. Os
outros discípulos lhe diziam: «Vimos o Senhor». Mas ele lhes respondeu: «Se não vir em suas
mãos o sinal dos cravos e não enfiar minha mão no seu lado, não acreditarei». Oito dias depois,
estavam outra vez os discípulos dentro e Tomé com eles. Jesus se apresentou no meio deles,
estando as portas fechadas, e disse: «A paz esteja convosco». Em seguida disse a Tomé:
«Aproxima teu dedo e olha minhas mãos; traz tua mão e enfia no meu lado, e não sejas
incrédulo mas sim crente». Tomé lhe respondeu: «Senhor meu e Deus meu». Jesus lhe disse:
«Acreditaste porque me viste? Felizes aqueles que não viram e acreditaram. (N. Do a.)
E se o foi, ou a memória lhe falhava de forma escandalosa, ou
manipulara a verdade.
Erros?
Sim, alguns. Falhas que nos fazem duvidar da autenticidade de
toda essa passagem.
Para começar, nessa aparição, a última daquele domingo, 9 de
abril, o Ressuscitado não mostrou aos íntimos as mãos e o lado. Isso
aconteceu sete dias mais tarde (não oito, como afirma o
evangelista).

E de onde o responsável pelo texto sagrado (?) tirou que o Mestre
tinha soprado sobre seus discípulos? O escriba de plantão confundiu
tudo. O Espírito da Verdade(16), como anunciaria Jesus em muitas
presenças, chegou muitas semanas depois e para todos. A verdade
é que essa discriminação evoca suspeitas.
E quanto às palavras pronunciadas pelo Rabi depois do suposto
sopro, quem conhece um pouco o estilo do Filho perceberá que elas
dificilmente se encaixariam em seu pensamento e linha de conduta.
O evangelho não era isso. A boa nova, repito, não era propriedade
de ninguém e ninguém ostentava atribuições especiais. Na aparição
número doze, em Alexandria, Jesus deixou isso muito claro: O pai me
enviou para estabelecer uma coisa que não é propriedade de raça ou
nação alguma, nem de algum grupo especial de educadores ou
pregadores.
Concluído o relato sobre a terceira presença, na qual o
Ressuscitado repreende Tomé por sua incredulidade, o evangelista
de repente se detém. E como se joão Zebedeu não se lembrasse ou
como se sua lembrança tivesse sido imprecisa.
*16. Segundo minhas fontes, por volta do ano 101, quando João Zebedeu tinha 99 anos,
ao observar que os textos que circulavam entre os primeiros cristãos se achavam incompletos,
decidiu escrever seu próprio evangelho. Para tanto, sempre de memória, ditou suas lembranças
a um tal Natã, judeu natural da Cesaréia e convertido ao cristianismo. Só a Primeira Carta de
João foi escrita pelo apóstolo de próprio punho, na forma de apresentação ou prólogo à
narrativa de Natã. Presumivelmente, como afirma o major, dado o longo tempo transcorrido
desde as aparições (71 anos), a memória de João pode ter falhado. Além disso havia as
múltiplas adulterações sofridas pelo texto original com a passagem dos anos. (N. Do a.)
E salva a situação com uma frase na qual reconhece, implicitamente,
que houve mais aparições:
Jesus realizou, na presença dos discípulos, muitos outros sinais
que não estão escritos neste livro... Ele, como os demais, sabia a
verdade. Mas...
Mais adiante, no capítulo 21, acontece uma coisa curiosa que
parece confirmar aquilo a que já me referi antes: alguém meteu a
mão no texto joânico. Alguém, não contente com o exposto por João
com relação às aparições do Mestre, acrescentou mais algumas(17).
O problema é que, ao fazer isso, além de faltar com a verdade,

mutilando e deformando as conversas de Jesus com seus discípulos
na praia de Saidan(18), não contabilizou as presenças narradas
pelo Zebedeu e meteu os pés pelas mãos...
O intruso, no versículo 14 do dito Epílogo, diz que esta foi a
terceira vez que Jesus se manifestou aos discípulos depois de
ressuscitar dentre os mortos.
Lástima. Se tivesse tido a precaução de somar as aparições que
João cita, teria verificado que aquela acrescentada por ele era a
quarta. A saber: aparição do Mestre a Madalena, junto ao sepulcro;
aos íntimos no cenáculo e oito dias depois a todos os discípulos
(Tomé, inclusive).
Como eu dizia, um relato distorcido, no qual só se oferecem as
presenças de Jesus aos embaixadores do reino e a Maria
Madalena.
*17. É bem conhecido pelos especialistas que o Epílogo (capítulo 21) do evangelho de João
pode ter sido um acréscimo posterior. Boismard, em 1947, denunciou isso com grande coragem:
o capítulo 21 aparece como uma confusa mescla de estilos adivinhando-se outras mãos
(Revue Biblique, LVI). O estilo do intruso - segundo Boismard- guarda uma suspeita relação
com o estilo dos escritos de Lucas. Em 1936, outro prestigioso escriturista Vaganay já havia
se manifestado sobre isso, destacando que o versículo 25 do referido Epílogo, por exemplo,
não era do mesmo molde que o precedente, podendo dever-se a um acréscimo (Revue
Biblique, XLV). As opiniões desses eruditos seriam posteriormente ratificadas pelas fotografias
com raios infravermelhos e ultravioletas. Na última página do evangelho de João (Códice
Sinaítico) foi comprovado que o texto original terminava no versículo 24 e não no 25. Alguém,
sem dúvida, metera a mão... (N. Do m.).
18. Ampla informação sobre a referida aparição em Operação Cavalo de Tróia 3, pp. 332 e
ss. (N. Do a.)
Em outras palavras, doze testemunhas. E que aconteceu com as
outras 500? Apagaram-se da memória de João? Claro que não. ;
Quanto ao segundo testemunho evangélico o de Marcos -, a
desordem, a manipulação e a censura também não faltam.
Vamos dar uma olhada.
No capítulo 16, versículos 9 a 20(19), o evangelista (ou quem se
encarregou de fazer emendas na página) dá fé de três aparições
somente. E todas, é claro, aos de sempre: aos íntimos e a Madalena.
Das outras, nenhuma palavra.

Além disso, de forma bem camuflada, insinua-se no texto outra
falsidade. As pessoas que iam a caminho de uma aldeia, e a quem
o Ressuscitado se apresenta, não eram dois apóstolos, como sugere
Marcos (?), mas sim Cleófas e Jacó, pastores de Emaús, que, parece,
conheciam os ensinamentos do Mestre.
O mais grave, contudo, se esconde na terceira e última presença.
O evangelista que a identifica com a impropriamente chamada
ascensão -, sem o menor pudor, se esquece do que realmente
Jesus dissera naquela manhã de 18 de abril e inventa com um
descaramento inacreditável.
*19. O texto mencionado pelo major diz assim: Jesus ressuscitou de madrugada, no primeiro
dia da semana, e apareceu de imediato a Maria Madalena, de quem havia extraído sete
demônios. Ela foi comunicar a notícia aos que haviam vivido com ele, que estavam tristes e
chorosos. Eles, ao ouvir que vivia e que havia sido visto por ela, não acreditaram.
Depois disso, ele apareceu, com outra figura, a dois deles quando iam a caminho de uma
aldeia. Eles voltaram para comunicar o fato aos demais; mas estes também não acreditaram.
Por último, estando à mesa os onze discípulos, Ele lhes apareceu e lhes jogou na cara sua
incredulidade e sua dureza de coração, por não terem acreditado em quem O havia visto
ressuscitado. E lhes disse: «Ide por todo o mundo e proclamai a Boa Nova a toda a criação.
Aquele que crê e for batizado, se salvará; aquele que não crê, será condenado. Estes são os
sinais que acompanharão aqueles que acreditam: em meu nome expulsarão demônios, falarão
em línguas novas, pegarão serpentes em suas mãos e embora bebam veneno, este não Lhes
fará nenhum dano; colocarão as mãos sobre os enfermos e estes ficarão bons».
Com isto, o Senhor Jesus, depois de lhes falar, foi elevado ao céu e sentou-se à direita de
Deus. Eles saíram a pregar por todas as partes, colaborando o Senhor com eles e confirmando
a Palavra com os sinais que a acompanhavam. (N. Do a.)
Aquele que crê e for batizado - Marcos põe na boca do Rabiserá
salvo; aquele que não crê, será condenado. Deus do céu! Quando e
onde o Mestre teria pronunciado uma sentença tão destoante de seu
temperamento amoroso e misericordioso? Posso intuir que Marcos
ou quem tenha sido o artífice de tal despropósito soube ou escutou
alguma coisa que soava relativamente parecido. E distorceu tudo,
ajustando as coisas aos interesses do momento e da nascente Igreja.
Essa alguma coisa foram umas palavras lançadas na terça-feira, 16
de maio, na aparição aos gentios de Tiro. Nessa ocasião, como
podemos lembrar, Jesus disse:
A salvação é um dom de Deus, mas aqueles que nascem do

espírito demonstram os frutos imediatamente, através do serviço aos
seus semelhantes. Estes são os frutos: serviço amoroso, dedicação
desinteressada, fidelidade, equilíbrio, honradez, esperança
permanente, confiança sem reservas, misericórdia, bondade contínua,
clemência piedosa e paz sem fim. Se os crentes não contribuem com
estes frutos na sua vida diária... estão mortos! O espírito da Verdade
não vos enganeis não reside neles. São rebentos inúteis de uma
videira viva e logo serão podados.
A diferença é eloqüente...
Jesus nunca falou de condenação, muito menos de batismo.
Isso foi outra maquinação de alguns homens que renunciaram à
grande mensagem e que não tiveram outra saída senão defender-se
dos múltiplos ataques internos e externos.
Fidelidade? Honradez? Misericórdia? Piedosa clemência? Os
embaixadores do reino e os evangelistas deram os frutos indicados
pelo Ressuscitado na Fenícia? Honraram a verdade? Mostraram-se
fiéis ao que aconteceu? Era própria de homens misericordiosos e
clementes uma atitude tão severa e radical? O mais triste é que essa
invenção continuou galopando ao longo da História, chantageando
milhões de homens e mulheres de boa vontade.
Sim, provavelmente, apoiando-me nas palavras do Filho de Deus,
eles é que estavam mortos.
O resto das afirmações de Marcos é pura brincadeira.
Sinais? Quando é que o Mestre referiu-se a demônios, línguas,
serpentes e venenos? Não é necessário ser muito esperto para
descobrir que suas alocuções, depois da ressurreição, foram sempre
mais sérias e profundas. O [ivangelista, por outro lado, com uma
evidente miopia, transforma o magnífico prodígio num circo vulgar.
Dessa forma, tampouco é de estranhar que os escritores sagrados (?)
não façam uma única menção às profecias interessantes e precisas
formuladas pelo Ressuscitado em várias de suas presenças. O
anúncio das perseguições e das mortes violentas de seu irmão em
carne (Tiago) e do outro Tiago (o Zebedeu) não seria importante?
Por que ocultaram isso? Teriam eles achado que uma referência
dessas daria maior relevância a esses discípulos que ao próprio

líder? Pode ser que, neste ponto, eu esteja equivocado. Talvez eu
veja maquinações onde nunca tenha havido uma sequer. Mas é que
hátantas!
Vou fechar esta revisão com um capítulo que, pessoalmente, me
parece um dos mais belos e esperançosos de todos aqueles que o
amplo episódio das aparições contém. Um capítulo - é isso mesmo
também ignorado pelos evangelistas.
Se a memória e minhas anotações não falham, é na primeira
presença, na de número onze, na treze e também na dezesseis que
o Ressuscitado fala com clareza de outras formas de vida, existentes
depois da morte.
Tanto meu irmão quanto eu repassamos e discutimos tudo
exaustivamente.
Na primeira, quando Madalena tenta abraçar o Rabi, este não
hesita em afastá-la:
Não sou aquele que conheceste na carne.
Pouco depois, no domingo, 16 de abril, ao se apresentar no
cenáculo em meio aos onze, Jesus, dirigindo-se ao incrédulo Tomé,
diz:
Apesar de que não vês nenhum sinal dos cravos, pois agora vivo
sob uma forma que tu também terás quando deixares este mundo...
Cinco dias mais tarde, na praia de Saidan (presença número
treze), ao conversar com os íntimos, Jesus é igualmente preciso:
Ficarei pouco tempo na minha forma atual, antes de ir ao Pai.
Quando tiverdes chegado ao final neste mundo - Jesus ergueu o
rosto para o azul do céu -, tenho outros melhores, onde trabalhareis
também para mim. Nesta obra, nesse e nos outros mundos,
trabalharei convosco...
Por último, em 5 de maio, de novo diante dos íntimos e de setenta
seguidores, na casa de Nicodemos, faz outro anúncio singular:
Agora, aqui estais compartilhando a realidade da minha
ressurreição. Mas isto nada tem de estranho. Eu tenho o poder de
sacrificar minha vida.... e de recuperá-la. É o Pai quem me outorga
esse poder. Mais do que por isto, vossos corações deveriam

estremecer é pela realidade desses mortos de uma época que
empreenderam a ascensão eterna pouco depois que abandonei o
túmulo de José de Arimatéia...
Ficamos perplexos.
Jesus de Nazaré jamais mentiu. Nunca inventou. Tudo que disse se
cumpriu... ou está para se cumprir. Por que iríamos duvidar de
palavras que garantem outra forma de vida depois da morte?
Tínhamos, além disso, certas provas. Além de ter visto e tocado
aquele corpo glorioso - a definição me parece excelente -, nossos
sistemas analisaram tudo, até onde foi possível(20). Era físico, sim,
embora de uma natureza desconhecida.
.. agora vivo sob uma forma que tu também terás quando deixares
este mundo...
Essa era a chave. Nessas palavras a Tomé está contido o grande
jorro de oxigênio. A afirmação categórica não deixa espaço para
dúvidas: depois da morte há vida.
Em minha opinião, esta é uma das mensagens mais extraordinárias
e gratificantes que o ser humano, sempre temeroso, possa ter recebido.
E hoje, enquanto ponho em ordem essas lembranças, nada pode
me convencer do contrário. Ao morrer, um corpo similar ao que
vimos e estudamos nos espera a todos. A todos!
Naturalmente, viramos o assunto de cabeça para baixo. E chegamos
a algumas conclusões. Pobres, eu sei, mas conclusões.
*20. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 3, pp. 356 e ss. (N. Do a.)
exemplo:
À vista do ocorrido nas três primeiras presenças, nas quais a
forma física do Ressuscitado apresentava anomalias, cabe a
possibilidade de que esse recém-estreado suporte corporal (?) (as
palavras me entorpecem) deva experimentar uma série de mudanças
sucessivas e necessárias em sua formação (?). Isso explicaria a
advertência de Jesus a Madalena? Que teria acontecido se a mulher
o tivesse tocado? As seguintes, nas quais o Mestre aparecia já com
um corpo aparentemente normal (?), talvez viessem a confirmar
essa suposição. O misterioso corpo - a forma de que falou o Rabi

se acharia então definitivamente constituído. Um corpo capaz de
atravessar (?) paredes, que não precisa de aparelho circulatório,
respiratório nem digestivo e que tem a faculdade de se materializar
e se desmaterializar á vontade.
Um sonho, sim. Coisa difícil de aceitar para um cientista.
Mas Ele o disse..., e fez.
Eliseu chegaria também a outra conclusão hipotética.
Ajustando-se ao que Jesus anunciou - quando tiverdes chegado ao
final neste mundo tenho outros melhores, onde trabalhareis também
para mim -, audaz e imaginativo, especulou o seguinte:
- É possível que, depois da morte, providos dessa nova forma
corporal (?), sejamos transportados e colocados em outros mundos
melhores que o nosso, nos quais devemos continuar agindo e
aprendendo.
E entusiasmado o termo mais exato seria esperançoso -
formulou uma hipótese que me encanta:
Para meu irmão, esse corpo glorioso podia ser MAT-1. Foi assim
que o batizou.
E o que ele entendia por MAT-1?
Matéria física, embora desconhecida de nossa Ciência, 50 por
cento. Quer dizer, um corpo integrado por elementos tangíveis e
mensuráveis (50 por cento) e por uma substância mais sutil
(também 50 por cento), que, simplificando perigosamente,
poderíamos definir como espiritual. Por isso não considerá-la
MaTéRIA, e sim MAT.
Quanto ao 1, eis aqui o curioso e não demonstrável raciocínio: se
aquilo que já tínhamos visto e ouvido e que nos esperava no terceiro
salto era correto, depois da morte um longo caminho nos espera. O
Mestre repetiu isso até a saciedade. Pois bem, segundo Eliseu, logo
ao acordar do sono da morte, recebemos o novo corpo (MaT-1).
E com ele devemos viver e prosperar durante um tempo (?). (O
hipotético leitor destas memórias compreenderá que as palavras não
são meu melhor aliado.) Uma vez terminada essa etapa inicial, a
porcentagem de matéria ficaria reduzida, aumentando, por outro

lado, a da substância mais leve. E o ser desfrutaria então de um
corpo (?) MAT-2. O suposto processo continuaria com as
sucessivas aquisições de corpos cada vez menos densos e muito
mais espirituais. Em outras palavras, a cada salto evolutivo (?), o
homem receberia uma estrutura (?) MAT-3, MAT-4, MAT-5, etc.
E pode até chegar o instante em que essa inteligência no
caminho quase infinito em direção ao Pai já não precise de
suporte físico algum, transformando-se numa entidade
absolutamente espiritual. Esse talvez seja o verdadeiro objetivo, a
julgar pelos ensinamentos do Filho do Homem, de todos os que
foram, são, e serão primeiro MATéRIA pura.
Obviamente, para alcançar esse estado ideal, onde a criatura não
se veja limitada pelas pobres e grosseiras estruturas materiais, é
básico e primordial que entendamos o porquê dessa ordem cósmica.
Mas, como insinuava Eliseu, essa compreensão só será uma realidade
bem cimentada... no outro lado. Aqui, por enquanto, basta-nos a
confiança. O cérebro não dá para mais que isso.
A bela teoria também se encaixava bem com algo que, pouco a
pouco, fomos aprendendo com o Rabi da Galiléia: o Pai, sempre
misericordioso, sábio e econômico, nunca age bruscamente. Passar
de um corpo como esse que conhecemos para uma forma espiritual
poderia causar um choque, talvez um trauma, nada aconselhável. Da
mesma forma que um bebê não salta de repente para o
amadurecimento, assim entendo o que acontece no outro lado.
Tudo isso é gradual, sereno, lógico e natural. E não são palavras
minhas, mas dEle.
Tudo isso, enfim, justificaria os famosos MAT do meu criativo
irmão. Ou era tudo pura imaginação?
Claro que ao refletir sobre essas questões, fomos assaltados por
uma porção de interrogações: Será que tudo isso significava que o
ser humano é imortal? E o que acontece com a morte? Prova-se uma
vez ou é preciso morrer em cada mudança de forma? Por que o
Mestre falava em trabalhar nesses outros mundos? A que
trabalhos se referia? Que quis dizer com os mortos de uma época
que haviam empreendido a ascensão depois de sua ressurreição? E
as respostas chegaram. Claro que chegaram, embora em seu devido

momento.
Devo me conter e esperar?
Intuo que isso é melhor. Contudo, existe alguma coisa que
pressiona para sair. E não vou segurar. Sei que para o hipotético
leitor destas memórias isso pode ser tão urgente quanto
esclarecedor.
Sim, meu irmão tinha razão... em parte. Quando Eliseu interrogou o
Mestre sobre a teoria dos MaT, Jesus, sorrindo feliz, deu-lhe a
entender que ele não estava num caminho muito errado...
Dito e feito.
Quem tiver ouvidos...
15 A 18 DE JUNHO
Acertei nisso também. O Destino foi indulgente.
Depois de carregar na sacola de viagem umas amostras de terra da
horta de José de Arimatéia essenciais para completar os exames
sobre o fenômeno da ressurreição(1) -, no amanhecer de quinta-feira,
15 do mês de Tammu (junho), este que aqui escreve se juntava a
Bartolomeu e a Simão, o Zelota, empreendendo a caminhada em
direção ao norte.
E acertei...
A caminhada em companhia dos discípulos seria mais cômoda,
segura e instrutiva.
O urso, condicionado pela necessidade de chegar a Caná o mais
rápido possível, escolheu a rota mais curta, atravessando Samaria.
Não fosse por essa circunstância, a idéia teria sido rejeitada. Aquele
território, como creio já ter mencionado, não era do agrado dos
judeus. Samaritanos e judeus simplesmente se odiavam.

Hábeis e prudentes, os galileus contornaram as aldeias dos
impuros e enfadonhos samaritanos(2). O falecido rei Herodes, o
Grande, havia tentado suavizar essas tensões,
*1. Ampla informação sobre esses exames em Operação Cavalo de Tróia 5, pp.125 e ss. (N.
do a.)
2. Embora não muito clara, a origem dos samaritanos parece estar em algumas tribos do
leste (Mesopotâmia), forçadas pelos assírios a ocupar as terras dos israelitas quando estes
foram desterrados no século VIII antes de Cristo. Ao se misturarem com osjudeus que
continuavam na zona, acabou aparecendo um povo mestiço, que, para todos os efeitos, foi
considerado pagão.
Essa situação, à qual se somaram as notáveis diferenças em matéria religiosa e a construção
de um segundo templo no monte Gerizim (provavelmente por volta do século V antes de Cristo)
criariam um abismo entre eles. Para cúmulo, no ano 128 a. C., João Hircano destruiria esse
templo, multiplicando o ódio dos samaritanos. E foi dito: A partir de hoje, Siquém será chamada
a cidade dos idiotas, pois nós nos divertimos com eles como se faz com um louco (Levi, VII, 2).
(N. Do m.)
casando-se com uma samaritana (Maltake), com quem teve dois
filhos: os célebres Arquelau e Anápas. Desconfia-se até que, em outro
gesto de boa vontade, Herodes teria autorizado os kuteus(3) a
rezarem no átrio interno do Templo da Cidade Santa (assim o registra
Josefo em Antiguidades, XVIII, 2, 2).
Contudo, essa trégua seria rompida de vez no ano 8 da nossa era
quando, sob o governo do procurador romano Copônio (de 6 a 9
depois de Cristo), um grupo de samaritanos irrompeu no templo,
espalhando nos pórticos e nos santuários uma coleção de ossos
humanos. Aquele ato de vingança, um sacrilégio em plena festa da
Páscoa, esgotou a paciência dos judeus. Jamais perdoaram os
samaritanos. Desde então, as brigas e insultos mútuos sempre
estiveram na ordem do dia.
Felizmente, ninguém nos incomodou. Na sexta-feira, dia 16, duas
horas antes do cair da noite, este explorador se despedia dos
discípulos às portas de Nazaré. Eles continuaram até a vizinha Caná e
eu, fiel ao plano previsto, contornei a fonte concorrida, pegando
apressado a trilha branca e empoeirada que ligava a aldeia de
Nossa Senhora a Séforis, capital da baixa Galiléia.
A princípio, o propósito não era complicado. Subiria pela franja

norte do Nebi Sain um caminho bem conhecido deste pobre
explorador e no qual ele já havia sofrido um acidente lamentável -,
chegando até o cemitério de Nazaré antes do pôr-do-sol.
*3. O nome de kuteus (assim os judeus chamavam os samaritanos nos tempos de Jesus)
procedia do país de Kuta, na Pérsia, lugar de origem das tribos que se assentaram na Samaria
(Josefo em Ant., IX e XII). E, embora os samaritanos defendessem que seus ancestrais eram os
patriarcas judeus José em especial -, o certo é que todo o mundo os qualificava como povos
de Kut, ou descendentes de colonos medo-persas.
Ou seja, estranhos ao povo, ou allogenes, como cita Lucas (17, 18). Os samaritanos
reconheciam o Pentateuco, mas desprezavam o resto da Bíblia. Isto, logicamente, não era
suficiente para os judeus, que, além disso, os tachavam de idólatras por manter um culto no
monte Gerizim. (Lembrar a alusão do Ressuscitado na aparição aos samaritanos, em Sicar.) (N.
Do m.)
Uma vez aí saberíamos o que fazer.
Se os cálculos e os raciocínios não falhavam, com o crepúsculo, na
entrada do shabbat (o dia sagrado para os judeus), o pequeno
cemitério estaria livre de todo tipo de visitantes. A lei e a tradição
eram inflexíveis.
No sábado, por exemplo, era proibido o traslado dos mortos às
sepulturas(4). Mais ainda, não era permitido sequer mover um único
membro do defunto, embora estivesse autorizada a cerimônia da
lavagem e embalsamamentos(5). Isso me deixou mais tranqüilo... em
parte. E o que aconteceria com o coveiro e a inseparável
companheira? Continuariam no local? Claro, só havia um meio de
esclarecer a dúvida.
A proximidade do sábado jogou a meu favor. Os felah que
habitualmente trabalhavam nas proximidades do caminho acabavam
de deixar as tarefas. Não tive problemas. Subi rápido a ladeira do
Nebi e, a meio caminho do cume, o apertado olival me deu um sinal.
Aquele era o ponto. Eu me desviei para a esquerda e, devagar,
escondido entre as árvores, fui chegando ao meu objetivo. O breve
quadrilátero, de uns 50 metros de lado, se apresentou tranqüilo e
silencioso. Pelo jeito estava deserto. Mas eu não quis me precipitar.
A lembrança da minha última incursão desastrosa entre as oitenta
estelas de pedra(6) me fez dar uma freada.
*4. A Misná, no seu capítulo X (Segunda ordem: Shabbat), reproduz esta norma com

precisão: Transportar uma pessoa viva em padiola, está livre de pecado, apesar da padiola, já
que esta é coisa secundária. Se é um morto, é culpado. Também, transportar uma quantidade
como uma azeitona de um cadáver, ou de uma carniça, ou como uma lentilha de um réptil, é
culpado.
(N. do m.)
5. Nesse sentido, o capítulo XXIII da citada Misná é igualmente
taxativo: Pode-se fazer todo o necessário para o morto: ungi-lo e
lavá-lo, desde que não se mexa em nenhum de seus membros. Podese
tirar o colchão debaixo dele e pode-se colocá-lo sobre a areia
para retardar a decomposição. Pode-se segurar o queixo, não para
que se levante, mas para que não continue afundando, da mesma
maneira que a uma viga quebrada se sustenta com um banco ou com
as laterais da cama, não para que se levante (que seria uma
construção ou trabalho), mas para que não continue afundando. No
sábado não se fecham os olhos do morto nem tampouco em dia de
feriado no momento da agonia. Quem fecha os olhos no momento de
expirar é como quem derrama sangue. (Entendiam os judeus que
seria como apressar sua morte.) (N. Do m.)
6. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 5, pp. 273 e ss. (N. Do a)
Dessa vez eu agiria com mais segurança. Se fosse necessário,
imobilizaria a burrinha (prostituta) e seu companheiro.
Inspecionei a choça de palha e adobe que se levantava ao leste, e
que servia de refúgio ao coveiro e à prostituta, mas, de onde eu
estava, não percebi nada anormal.
Se o casal estava ausente, aquele podia ser o momento.
Tentei me acalmar. Tinha pressa? Sim e não... Na verdade, a
operação, tal como fora concebida, deveria ser executada durante a
noite. Isso reduziria os riscos. Eu me agüentei à beira das oliveiras
que cercavam o cemitério. O sol, já começando a descer por trás dos
488 metros do Nebi, continuaria iluminando durante cerca de uma
hora.
Em frente do telhado, do outro lado do quadrilátero, as cinco
grandes pedras calcárias que fechavam as criptas também pareciam
solitárias e desafiadoras. Sim, desafiadoras para este explorador.
Ali, nas grutas conquistadas do Nebi, se o instinto não me enganava,

deviam repousar os restos de José, o pai terreno do Filho do Homem,
e os de Amós, o irmão de cinco anos, tristemente falecido em 3 de
dezembro do ano 12.
A advertência de Tiago, na minha primeira visita ao cemitério, foi
vital. Como podemos lembrar, enquanto este explorador ficava em
respeitoso silêncio diante da estela que perpetuava a memória do
pai e da criança desaparecidos, o irmão de Jesus, colocando a mão
em meu ombro, exclamou em voz baixa:
- Não estão mais aqui...
Isto significava duas coisas: que os ossos, de acordo com o
costume, haviam sido jogados ao kokhim, fossa comum que se abria
no centro do cemitério, ou que, também de acordo com a tradição, a
família pudesse tê-los levado a um ossário particular, depositando-os
numa daquelas criptas usuais na rampa oeste. No primeiro caso, não
havia nada a fazer. O kokhim, de cerca de quatro metros de lado,
estava cheio de ossos e caveiras, na mais caótica desordem.
Ainda restavam as criptas funerárias. E a intuição me dizia que a
família de José respeitara aqueles restos, conservando-os numa das
costumeiras arcas de pedra ou madeira de cedro.
Era preciso então penetrar nas criptas e esclarecer a incógnita. Só
assim, dispondo de uma amostra dos ossos de José (de preferência
uns molares ou pré-molares), estaríamos em condições de terminar o
estudo delicado sobre a possível paternidade do desventurado
empreiteiro de obras(7).
*7. Como foi dito, esses exploradores conseguiram extrair o ácido desoxirribonucleico (DNA)
do Mestre, graças aos pêlos da barba e aos múltiplos coágulos de sangue recolhidos nos
dramáticos momentos de sua paixão e morte. Conseguimos também uma amostra de sangue
de Nossa Senhora, mas, para tentar verificar se Jesus de Nazaré havia sido concebido de forma
natural (quer dizer, com o esperma de José e o óvulo de Maria), precisávamos daquilo que
Eliseu chamava de terceira pista genética. Em outras palavras, sangue, cabelos com raiz,
ossos ou qualquer outro elemento pertencente a José que tivesse preservado células vivas, nas
quais, como se sabe, se armazena a espiral da vida (o DNA). Se o Mestre devia sua
concepção aos pais biológicos, o código genético apareceria, necessariamente, nos materiais de
José e de Nossa Senhora. (N. Do m.)
Foi difícil resistir. Confesso que a espera me paralisou. Eu morria de
vontade de enfrentar as pesadas pedras que bloqueavam as criptas

e agir.
Tudo foi calculado minuciosamente. Não podia falhar.
E a claridade diminuiu.
Alguns minutos mais e...
Ajustei os crótalos e a visão IV (infravermelha) modificou a
escuridão crescente, facilitando meus movimentos. Quebrei um galho
de oliveira e me dispus a caminhar até a rampa oeste.
Parecia claro. O coveiro e a companheira não estavam no cemitério.
Deduzi que, diante da iminente chegada do sábado e da lógica
falta de trabalho, os dois tinham decidido ir para Nazaré ou, quem
sabe, a Séforis ou qualquer outra vila próxima.
Contudo, eu não devia me fiar nisso. E se voltassem? Procurei me
acalmar, lembrando outra das rígidas disposições rabínicas. Nenhum
judeu estava autorizado a caminhar, no sábado, mais de dois mil
côvados(8). Calculei a distância entre Nazaré e o cemitério pela rota
mais curta (o cume do Nebi).
*9. O que osjudeus denominavam a fronteira do sábado era o
ponto mais afastado ao qual tinham autorização para chegar.
Esse caminho sabático de Lucas foi estabelecido em dois mil
côvadosjudeus (um quilômetro, aproximadamente; Fr, 4, 3 e 5,
7). A lei ditava as razões pelas quais se podia alcançar essa fronteira: pode-se esperar o
anoitecer até a fronteira do sábado para vigiar os preparativos de uma noiva ou um morto,
como levar o caixão ou a mortalha. Naturalmente, os astutos judeus conseguiram driblar a
norma, criando o que chamavam de erub: um ponto no qual depositavam um pouco de comida,
simulando assim que o lugar era uma segunda residência. Isso Lhes permitia somar outros mil
metros. Em caso de necessidade ou conveniência, o erub se multiplicava até onde fosse
necessário. (N. Do m.)
Não gostei. Se muito, o caminho dava uns setecentos metros. Se o
casal tivesse escolhido a aldeia de Nossa Senhora, o trabalho que
representava a ida e a volta não violava a Lei.
Supondo que o destino fosse Nazaré...

Outra dúvida me perturbou: que segurança eu tinha de que o
coveiro e a burrinha eram judeus? Nenhuma. Se eram pagãos, as
coisas se complicavam. A volta podia se dar a qualquer momento.
Sim, era uma situação ruim...
Mas eu estava onde estava. Não tinha muitas alternativas.
Dessa forma, confiando na formidável força que me sustentava,
me arrisquei. Cruzei rápido entre as estelas e fui me colocar na frente
das cinco pedras.
Ao levantar os olhos, reparei numa coisa que não havia captado
nas minhas visitas anteriores e que, com toda sinceridade, me gelou
o sangue.
- Era o que faltava murmurei entre os dentes, imaginando a sorte
deste intrometido se chegasse a ser capturado.
Na metade da rocha calcária que fazia as vezes de fachada, a
pouco mais de dois metros do solo, bem visível, as autoridades de
Roma haviam embutido uma lousa de mármore de 60 por 40
centímetros, aproximadamente, na qual, em grego, se podia ler o
seguinte:
É sabido que os sepulcros e os túmulos, que foram feitos de
acordo com a religião dos antepassados, ou dos filhos ou dos
parentes, devem permanecer perpetuamente imutáveis. Se alguém,
pois, for convicto de tê-lo destruído, de haver, com má intenção,
transportado o corpo a outros lugares, causando injúria aos mortos,
ou de haver removido as inscrições ou as pedras do túmulo, ordeno
que seja levado a julgamento como aquele que, agindo contra a
religião dos Manes, o faz contra os próprios deuses. Assim, pois,
primeiro é preciso honrar os mortos. Que não seja permitido a
ninguém, em absoluto, mudá-los de lugar, se o convicto por violação
de sepultura não deseja sofrer a pena capital.
Bendito Deus! Aquilo parecia outra brincadeira do Destino...
Eu sabia o que me esperava se fosse apanhado com as mãos na
massa. Mas não era preciso que me lembrassem disso com tanta
pompa e precisão.
O édito, nascido provavelmente nas chancelarias de Augusto, era

coisa comum naquele tempo em muitos cemitérios da província
romana da Judéia. Esse não seria o primeiro nem o último que eu
descobriria, nas minhas andanças. Tratei de esquecer o aviso e
prossegui com aquilo que era mais importante.
Cheguei perto das pedras redondas que fechavam as entradas às
respectivas grutas funerárias e fui apalpando e examinando.
Não havia vida. Rocha calcária..., As cinco pedras, de um metro e
meio de diâmetro, podiam pesar não menos de setecentos quilos
cada uma. Era muito peso para ser deslocado com a força de um
único homem. E assim como foi planejado, recuei alguns metros,
ativando a tatuagem(9). Não havia alternativa. Se eu queria entrar
nas criptas e localizar os restos de José, aquele era o procedimento
mais rápido e eficaz.
Dei uma olhada ao meu redor. No céu, estimuladas por uma lua
nova, algumas estrelas madrugadoras brilhavam insolentes. Tive a
sensação de que gritavam, me denunciando. Mas não, tudo
continuava em paz.
Digitei, passando os dados necessários: distância, volume
espacial, tempo para a inversão e, obviamente, a natureza dos
swivels a remover.
Quinze segundos depois, um trovão seco e apagado espantava
uma família de corvos voando sobre as oliveiras. E a boca da cripta
apareceu limpa e desafiadora.
Voltei a observar o cemitério e seus arredores. Aquele era outro
momento chave. O estampido, embora breve, podia ter chamado a
atenção.
Indócil, esperei.
As corujas recuperaram a paz e eu com elas.
Bom, era o momento...
Deslizei os dedos até o extremo superior do cajado, tocando o
laser de gás e colocando-o na potência mínima (umas frações de
watt).
*9. Ampla informação sobre este dispositivo em Operação Cavalo de Tróia 5, pp.141 e ss.
(N. Do a.)

Ao atingir o ponto, um finíssimo fio de fogo apareceu na noite.
Aproximei o galho de oliveira e o cilindro (de apenas 25 micros)
provocou a combustão.
Não havia tempo a perder. E transportando a improvisada tocha,
penetrei silencioso na cripta.
A umidade me agrediu. Fazia muito tempo que aquele lugar estava
fechado.
O reduzido habitáculo, em forma de círculo, de uns três metros de
diâmetro e pouco mais de um e meio de altura, foi escavado com
paciência, conquistando um calcário dócil e cinza. Em seu perímetro,
a 50 centímetros do solo, havia uma dúzia de cavidades em arco.
Hesitei...
Encurvado e com o coração na mão, virei-me em direção à pedra
desaparecida. Não, aquele não era o plano. Mas não tive forças.
Já dentro, como medida de precaução, evitando assim que alguém
me surpreendesse ali, eu devia ativar de novo a tatuagem,
materializando a rocha e fechando a gruta.
Contudo, repito, fiquei em dúvida. Fiquei com medo. Depois da
amarga experiência nos subterrâneos da casa do saduceu, em
Nazaré, não queria tentar a sorte. Sabia que a tatuagem não
falharia, mas...
O coração, acelerado, ficou do meu lado.
Não o faria. Correria o risco. Inspirando fundo, olhei as arcas de
pedra que descansavam nas cavidades.
Era minha vez.
José e seu filho Amós. Esta era a inscrição que, supostamente,
teria de figurar num dos ossários. Será que eu a encontraria?
Repassei as caixas com nervosismo.
Bendito seja o céu! Todas apareciam gravadas na parte da frente.
A maioria em aramaico. Outras em grego.
Auxiliado pela chama crepitante, fui lendo: Teodoto Liberto. Não,
aquela tradução para o grego do nome hebreu Natanael

(Bartolomeu) não era o que eu procurava...
Yehoeser filho de Eleazar. Tampouco.
Miriam filha de Nathan. Comecei a desconfiar. Teria errado de
cripta?
José e seu filho...
A emoção saltou.
Era José?
Contudo, ao terminar de ler, compreendi que me enganara.
José e seu filho Ismael e seu filho Yehoeser. O resto das
apressadas traduções foi igualmente estéril. A decepção veio na
hora. Ali não repousavam os ossos de José...
Não importava. Repetiria a leitura.
Naturalmente, outro fracasso. Aquela não era a cripta.
Entrei de novo e dediquei alguns segundos à obrigatória vigilância
de tudo que me rodeava. Tudo respirava sossego.
Tudo menos o céu e aquele que escreve este diário. Agora eram
milhares as testemunhas que pareciam gritar, denunciando o
sacrilégio. Eu me fiz uma única pergunta: quanto tempo seria
necessário para examinar as covas restantes? Felizmente reagi. Não
me deixaria abater. Dispunha da noite inteira, a não ser que
recebesse, é claro, alguma visita.
Fechei a cripta e, antes de digitar sobre a tatuagem, preparando
a segunda exploração, dei-me alguns minutos.
Precisava pensar. Tinha de me aliviar daquela tortura. Tinha de
encontrar uma pista, um indício, que simplificasse a busca.
Mas qual? Só Deus e os familiares sabiam onde se achava o
ossário. Supondo que minha intuição estava certa...
Imagino que tenha sido uma coincidência. Ou não? O certo é que,
ao repassar mentalmente as inscrições das doze arcas, percebi algo
que parecia ter certo fundamento.
Mas eu não tinha certeza. Decidido a verificar, caminhei até as
estelas do cemitério.

Concentrei minha atenção nas mais próximas às criptas.
Bingo!
Ali havia alguma coisa.
Voltei a ler. Sim, minha suposição era correta. As inscrições que
acabara de ver na cova funerária se repetiam nas primeiras filas.
Estava claro. Aqueles restos tinham sido enterrados na mesma época
e, posterior e paulatinamente, exumados e depositados na cripta
correspondente.
Nesse caso, naquela que ocupava o extremo direito da rampa
calcária.
O achado me reconfortou. Se existia uma ordem de exumação
como era presumível -, essas fileiras, as que confirmavam minhas
suspeitas, tinham de ser as mais antigas. No campo oposto eu me
lembrava disso -, o pequeno cemitério apresentava uma área ainda
virgem, pronta para novos enterros.
Muito bem, nas filas próximas a essa zona reservada, eu havia
descoberto a estela que perpetuava a memória de José e de seu
filho Amós. Em resumo: a tal fileira a número onze era mais
moderna e, conseqüentemente, os ossos ali sepultados deveriam
ter sido resgatados muitos anos mais tarde.
Comprovei meu raciocínio no próprio terreno. O cemitério somava
treze fileiras. A partir daí, até o lugar onde se levantava a choça, a
terra se achava livre e, repito, preparada para novos inquilinos.
A questão, agora, se concentrava em outro ponto não menos
problemático. Aceitando que a fileira onze fosse uma das mais
novas (?) José estava morto havia 22 anos e seu filho, 18), para qual
cripta haviam sido levados? O problema obviamente não era fácil de
resolver. Eu me deixei conduzir pelo bom senso. Se os ossos das duas
filas iniciais do cemitério se achavam na gruta da direita (a que
acabara de abrir), os exumados do lado oposto talvez tivessem ido
parar naquela localizada no outro extremo, quer dizer, a mais
moderna (?). Naturalmente, essa coisa de moderna era outra
suposição deste explorador otimista.
Assim, dado que as especulações terminavam aí, optei pela cripta
citada. Fui me colocar em frente à pedra e digitei, volatilizando-a.

O segundo estampido voltou a me paralisar.
Agucei os sentidos. Observei a choça, o bosque de oliveiras e o
caminho que subia até o cume do Nebi.
Novos vôos inquietos de urubus. Mais ansiedade. E, finalmente,
caindo devagar como a neve, o maravilhoso silêncio.
Entrei com precauções idênticas. A umidade governava também
aquele lugar. E alguém - pode ter sido esse anjo com nome de
mulher chamado Intuição - passou pertinho de mim, na ponta dos
pés. Seu sussurro, embora claro e preciso, foi por mim rejeitado.
Desta vez, sim. A gruta artificial, um pouco mais aberta que a
anterior, tinha uma forma muito similar: havia sido escavada em
círculo, com uma altura máxima ligeiramente superior à minha (1,80
metros). Nas paredes, também a curta distância do chão tosco,
alinhavam-se outras cavidades.
Contei dez. E nas cavidades, caixas ou arcas fundas de calcário. Em
duas delas, ao contrário da primeira cripta, repousavam alguns
ossários menores. Deduzi que podiam ser restos de crianças.
A chama crepitante me chamou a atenção. No chão, ao pé das
cavidades, encontrava-se uma das arcas. Estava quebrada, com a
tampa a curta distância, e havia uma série de ossos espalhados e
desarticulados. Eu me inclinei, examinando-os. Era estranho.
A cova, provavelmente, estava fechada fazia muito tempo. O que
havia acontecido? Passei a tocha pelo teto e, ao descobrir uma
ampla fissura, imaginei que a queda fora causada por um movimento
sísmico.
Eu me virei sobre a malsucedida arca e procurei a inscrição.
A princípio, fiquei mais tranqüilo: aquele não parecia ser o ossário
de José. Continha somente um esqueleto. A gravação na pedra -
Menahem filho de Simão - confirmou a desconfiança.
Mexi nos ossos e verifiquei o que imaginava. A umidade e a longa
permanência no ossário estavam acelerando a desintegração. Eles já
estavam muito frágeis. Isso podia complicar os planos. Mas não
desanimei. Sabia que a umidade intensa da Galiléia não nos
favorecia. As pessoas da região conheciam essa circunstância e

dificilmente fabricavam ossários de madeira. (O cipreste, o sicômoro
e o pinho eram mais econômicos que a pedra.) Se eu tivesse a sorte
de localizar os restos, mais concretamente os dentes de José, o
problema não nos afetaria. Essas peças são justamente as mais
indicadas para o estudo que queríamos fazer. A polpa, da qual
deveríamos extrair o DNA, encontra-se sempre muito bem protegida,
resistindo à ação dos agentes físicos, térmicos e químicos, assim
como à inevitável putrefação.
Um segundo achado, à esquerda da entrada, de novo chamou
minha atenção. Tratava-se de três lanternas ou lâmpadas de argila e
dois cântaros de tamanho médio. Um continha óleo em estado sólido,
muito degradado, e o outro, um líquido verde e podre.
Provavelmente, a água utilizada no obrigatório ritual da purificação
depois da última manipulação das ossadas.
Na verdade, pensei em aproveitar o combustível. Mas, inquieto,
constatando horrorizado que o tempo voava, continuei na companhia
da tocha oscilante. Ou muito me enganava ou teria de substituí-la em
breve.
Atento, repeti a operação, revisando as inscrições das nove caixas.
As duas primeiras me confundiram. Em ambos os ossários, os
menores, li a mesma coisa:
Yehoeser ilkabia. Não pude evitar. A curiosidade foi mais forte.
Levantei as tampas e acho que entendi. Estava diante dos restos de
dois rapazes. Possivelmente irmãos. E, seguindo o costume, ao
falecer o primeiro filho, os pais deram o nome do morto ao segundo.
Menahem (filho de) Simão. Simão. Má sorte! A tocha começou a
lamber a mão deste escriba, cada vez mais desconsolado. Não tive
alternativa. Depositei a tocha e o cajado no solo da cripta e me
lancei para o exterior, ao encontro das oliveiras.
O lugar continuava silencioso. Desta vez peguei três longos ramos
robustos. E me surpreendi a mim mesmo: quanto tempo pensava ficar
nessa delicada situação?
Incrível. Deixei o medo de lado e me convenci de que aquilo devia
ser apurado até o final. Nem agora consigo entender esse
comportamento tão arriscado, quase suicida.

Miriam esposa de Judá.
Negativo.
Yeohoeser filho de Yeohoeser.
Balancei a cabeça negativamente. Deus! Será que eu me enganara
de novo de cripta?
Salomé esposa de Eleazar.
O coração parou. A respiração agitada baixou e tentei escutar.
Alguma coisa soara lá dentro. De repente, fixando os olhos na chama
oscilante, compreendi que a luz poderia me delatar. Apaguei a tocha,
pisando nela, e me levantei rápido, como impulsionado por uma
mola. O ruído se repetiu. Agora muito perto.
Eu me apoiei no umbral e peguei a vara de Moisés. Se era o
coveiro, não tinha outro remédio a não ser imobilizá-lo.
Mas o Destino, sempre brincalhão, não demorou a me apresentar o
responsável por esses ruídos e pelo sobressalto.
Entre as estelas, a visão, vermelha me mostrou o corpo inquieto e
estilizado e a cauda longa abanante de uma raposa de ventre
cinzento, faminta. Respirei aliviado.
Contudo, o aviso me deixou alerta. Eu estava me descuidando.
Era violador de túmulos e, se me pegassem, o castigo seria a morte.
Acendi o ramo de oliveira e, com certo desânimo, ocupei-me das três
últimas arcas.
Slonsion mãe de Yehoeser.
Um desastre...
José...
Meu pobre coração quase pifou.
Não pode ser!... Oh, Deus... Sim!
José e seu fillio Amós. Quase deixei cair a tocha.
Aturdido e incrédulo, colei o nariz na nona e providencial arca de
pedra.
Sob os nomes, também em grego, eliminando dúvidas, lia-se o
mesmo epitáfio gravado na estela do cemitério: Não desaparece

aquele que morre. Só aquele que é esquecido.
Recuei alguns passos. Contemplei o ossário e, tentando acalmar
meu louco coração, dei graças a Deus. Melhor dizendo, agradeci e
pedi perdão. Aquilo que eu estava fazendo e o que eu estava
prestes a fazer não teriam sido aprovados pela família...
Nova olhada ao exterior. A raposa continuava rondando perto da
choça. Nada parecia me incomodar. Havia chegado o momento.
A arca, de uns 50 centímetros de comprimento por 70 de altura e 30
de diâmetro, gemeu e protestou ao ser retirada do nicho. E a
depositei com carinho no centro da cripta e, tremendo, me dispus a
retirar a tampa de calcário.
E se não fossem os restos de José?
Rejeitei a dúvida tola. Tiago, em minha primeira visita ao
cemitério, confirmou com suas palavras que aquela inscrição era dos
seus. Além disso, quantos José e Amós compartilhavam o mesmo
ossário?
Eu mesmo me repreendi. Não devo duvidar. Os ossos irão
confirmar se estou certo ou não.
Levantei a lousa pesada e aproximei a tocha.
Estremeci.
Cuidadosamente colocados apareciam a caveira e os restos
descamados de uma criança.
Amós?
O esqueleto, desarticulado, havia sido colocado sobre uma dupla
esteira de folhas de palmeira. Peguei a esteira pelas pontas e, com
muito jeito, procurando não alterar a disposição da ossada, eu a
retirei e depositei no chão. Meu objetivo não era esse.
Novo calafrio.
José?
Em idêntica posição e com o mesmo ritual esmerado, a família
havia armazenado os restos no fundo da arca.
Esses movimentos, eu sei, deveriam estar sendo feitos em
condições de trabalho muito específicas e rigorosas. A análise

posterior do DNA assim o exigia. Mas, diante da impossibilidade de
carregar um equipamento que isolasse as amostras evitando a
contaminação, tive de me resignar.
Tentaria otimizar a assepsia isolando-me das peças que deviam ser
levadas ao berço. Nesse sentido, a pele de serpente, separando
a epiderme, foi de enorme ajuda, servindo-me de luvas.
De repente, o coração voltou a oscilar. À distância, a raposa se
lamentava. Corri até a entrada da gruta e inspecionei ansioso ao
redor. Alarme falso.
Consumido pela pressa, tomei em minhas mãos o crânio do adulto.
Felizmente, o tempo e o traslado à cripta respeitaram a mandíbula.
Não sobravam muitos dentes. Revisei o maxilar.
Escolhi um dos prémolares, com as raízes intactas. Em seguida,
selecionei o terceiro molar ainda incipiente e visível na mandíbula. A
extração foi rápida e limpa. O perióstio(10), obviamente
desaparecido e a cortical (parte superior do osso) muito quebradiça
facilitaram a operação.
*10. o perióstio: membrana fibrosa, branca, vascular, mais ou menos grossa e resistente
(depende da idade), que circunda o osso (N. Do m.)
Guardei o tesouro numa das ampolas de barro que conservava na
sacola de viagem e, sem conseguir conter a curiosidade, continuei
examinando a caveira. Afinal aquela era uma oportunidade única... A
dezena de dentes apresentava um desgaste marcante, inicialmente
os molares e pré-molares remanescentes. Atribuí isso à dieta, ou
melhor, ao excesso no consumo de pão. Um dos caninos, no maxilar,
tinha uma raiz dupla, coisa efetivamente normal na dentição. Mas o
que mais me chamou a atenção foi a reabsorção alveolar. Sem
dúvida, José padecera de uma das doenças mais freqüentes naquele
tempo: a piorréia(11) ou doença periodontal. É o problema que
acaba dizimando os dentes. Isso podia explicar também o porquê da
escassez de peças dentárias(12). De fato, estava na pista certa. Ali,
na parte superior do crânio, aparecia notável orifício ovalado, de uns
seis centímetros de diâmetro maior. Não me enganara. Eram os
restos do pai terreno de Jesus. A ostensiva ferida na região
temporoparietal, que, sem dúvida, fora fatal, coincidia com a

descrição da família.
José, como fora dito, caíra do alto de um edifício enquanto
trabalhava, na cidade de Séforis.
*11. Esta doença afeta progressivamente os tecidos que sustentam o dente, crescendo a
partir da parte mais superficial (gengiva) até a mais profunda (osso). Trata-se de uma doença
grave. Nas fases mais avançadas, provoca a mobilidade e perda das peças dentárias. Envolve
duas situações claras: inflamação da gengiva (gengivite) e a do ligamento periodontal
(periodontite). (N. Do m.)
12. Como é sabido pelos especialistas, na origem da doença periodontal, entram múltiplos
fatores desde hormônios até remédios. Contudo, o comum é que a doença seja produzida por
um excesso de placa bacteriana e de cálculos (saliva) na superfície dos dentes. Essa placa se
forma por determinados microorganismos, bem como uma substância pegajosa integrada por
resíduos de alimentos e saliva. As bactérias alteram a configuração normal da gengiva,
enfraquecendo-a, nela penetrando e a inflamando. A saliva, por sua vez, além de contribuir no
suporte dos microorganismos, colabora nessa irritação, multiplicando a inflamação. Na primeira
fase, a gengiva fica avermelhada e sangra (gengivite). Se o problema aumenta, a gengivite
geralmente acaba na chamada periodontite.
É quando aparece a bolsa periodontal e as toxinas das bactérias penetram com facilidade,
ocasionando a destruição do osso alveolar. Daí surge a mobilidade, a migração dentária e,
finalmente, a perda dos dentes. A julgar pela reabsorção alveolar e a redução da altura facial
no crânio, cabe a possibilidade de que José tivesse sofrido esta última fase da doença. (N. Do
m.)
Intrigado, querendo comprovar a informação, examinei o resto da
ossada.
Não demorei a descobrir que outros ossos estavam igualmente
fraturados. Na análise constatei rupturas na clavícula direita, perônio,
em várias costelas e em um dos metatarsos.
Aquilo devia ser conseqüência da queda fatal.
Outro detalhe que me assombrou e do qual eu logicamente não
tinha informação a estatura do empreiteiro de obras. Pena não
dispor da mais tempo e dos recursos necessários para avaliar tudo
com mais precisão. Sei, porém, que a margem de erro nas medições
foi mínima. A julgar pela longitude dos úmeros, tibias e fêmures
(segundo a fórmula de Trotter e Gleser), José pode ter tido 1,80
metros de altura. Uma constituição respeitável, levando-se em conta
que a média para os homens da época do Mestre oscilava em torno
de 1,60 metros.

A verdade é que, olhando bem, isso justificava a não menos
notável altura de Jesus (1,81 metros).
Os ossos, em geral, mesmo com a deterioração natural, me
pareceram fortes. José deve ter sido, também, um homem atlético
como seu Filho. Nas tíbias, por outro lado, percebi alguns sintomas
de compressão. A explicação talvez estivesse na contínua flexão das
pernas, coisa normal num terreno acidentado como o de Nazaré e
arredores.
Ao inspecionar as suturas da abóbada craniana e a apófise xifóide
do esterno, confirmei aquilo que já sabia: José morrera antes de
completar 40 anos. As primeiras continuavam abertas e a apófise não
se juntara ao corpo. Assim, como detalhei nas páginas precedentes,
segundo a família, o empreiteiro morreu em 25 de setembro do ano 8
da nossa era, quando tinha 36 anos de idade.
Mas O crânio, em resumo, era claramente mesocéfalo(13), com uma
fronte alta e vertical e um índice nasal mesorrino (ao redor de 48,9).
*13. Mesocéfalo ou de cérebro médio. No caso de José aparecia com bastantes
rugosidades, protuberâncias superciliares e uma pronunciada glabela. O índice médio de alturacomprimento
craniana era ortocéfalo. De seu lado, os processos mastóides eram moderados.
Apresentava também um índice firontoparietal metriometópico. Embora não dispusesse do
instrumental necessário, calculei que o comprimento craniano podia oscilar ao redor de 185
milímetros, com uma largura de 146, aproximadamente. Não observei processos degenerativos
em articulações e vértebras (N. Do m.).
Quer dizer, um nariz médio, muito diferente, por certo, do nariz do
Rabi. A mandíbula, em harmonia com o resto da estrutura craniana,
se apresentava curta, ampla e poderosa.
Imerso naquele estudo apaixonante, sinceramente perdi a noção do
tempo e do lugar perigoso onde me encontrava. Mas o Destino
cuidou deste irresponsável explorador.
Não pensei duas vezes. Tinha de aproveitar a magnífica
oportunidade única. As novas amostras, além disso, ampliariam e
garantiriam os resultados das pesquisas sobre o DNA. E sem demora
alguma, me lancei sobre a pequena caveira de Amós.
Embora a mandíbula tivesse desaparecido, o maxilar conservava
ainda vários dentes deciduais ou de leite, bem como os

permanentes, escondidos sob o osso. Resgatei as peças um canino
e um molar e me apressei em ocultá-las na segunda ampola vazia.
A missão, praticamente consumada, chegava ao fim. A curiosidade,
porém, de novo me venceu. Nunca aprenderei.
Faltou pouco para que aquele erro complicasse tudo.
O crânio do menino, falecido aos cinco anos de idade, apresentava
sintomas de osteoporose(14) nos parietais e occipitais. Revisei de
novo os restos, mas, naturalmente, naquelas circunstâncias, era
quase impossível averiguar o porquê do problema. Pensei numa
hipotética deficiência de ferro e proteínas ou quem sabe numa
infecção da mãe. Tudo era possível.
Vários dentes haviam sido vítimas também de um mal agudo e
generalizado: as cáries. Outra doença habitual no meio daquela
gente.
O resto da ossada, frágil e consumida pela umidade, não me disse
grande coisa, exceto confirmar a idade da criança, através da
observação da epífise interior do perônio.
Contente, satisfeito diante do excelente resultado da aventura,
devolvi os ossos de Amós ao interior do ossário, cobrindo-os com a
tampa de pedra. Ergui-me e, obedecendo a um estranho impulso,
baixei os olhos, pronunciando em silêncio uma oração: aquele belo e
original Pai Nosso escrito pelo próprio Jesus de Nazaré.
*14. A osteoporose provoca a formação de espaços anormais no osso ou sua rarefação sem
descalcificar, pela ampliação de seus canais (N. Do m.).
Não pude concluir...
Subitamente, alguma coisa me mandou de volta à realidade. A cruel
e impiedosa realidade., Eu me senti numa armadilha.
Instintivamente apaguei a tocha. O que fazia? Fugia Ficava
escondido na caverna?
Disparado, o coração não ajudou. Deus!
Escutei de novo os sons confusos. Reagi e, devagar, muito devagar,
medindo cada passo, assomei à entrada da gruta.

A escuridão espessa, alimentada pela lua nova, multiplicou minha
aflição. A visão IV não detectava nenhum ser vivo. Mas o barulho
estava ali, em algum lugar. Eu amaldiçoei minha irresponsabilidade.
Podia ter abandonado o cemitério logo depois de ter extraído os
dentes de José...
Segurei-me no cajado. Se fosse preciso eu me defenderia. As
amostras continuavam comigo. Nada nem ninguém tiraria de mim
esse material.
Risadas?
Foi o que percebi em seguida. Pareciam vir da zona norte, talvez da
trilha que conduzia ao cume do Nebi.
O coração, de novo disparado, continuou bombeando até eu
começar a me sentir mal.
Sim, risadas, vozes, gritos.
Alguém se aproximava pela direita, pela já mencionada trilha.
Acho que comecei a hesitar.
A hesitação e o medo, em partes iguais, me prenderam ao solo da
cripta funerária.
O que fazer? Pular como uma gazela em direção das oliveiras?
Esquecer o ossário? Fechar a caverna? Continuar ali dentro? Se eu
optasse pela primeira saída, talvez pudesse atravessar o cemitério e
desaparecer antes da chegada dos ainda invisíveis indivíduos.
E se não fosse isso? O que aconteceria se me pegassem a meio
caminho? Sequer sabia quantos eram...
Tentei pensar. Impossível. O medo não deixava.
De repente, os crótalos colocaram diante deste abalado
explorador duas figuras avermelhadas, abraçadas e cambaleantes.
Precisei de alguns segundos para me certificar e entender.
Não havia a menor dúvida. As risadas e o vozerio confirmaram tudo.
O coveiro e sua companheira voltavam de Nazaré embriagados como
gambás.
Ao entrar no cemitério, cegados pelo vinho, acabaram trombando
uma das estelas, caindo entre os túmulos. Mais risadas. Mais gritos.

Confusão.
O Destino, eu sei, se apiedou de mim.
Esperei. Ao princípio, a situação não parecia tão crítica como eu
havia imaginado. O ânimo quebrado foi se erguendo pouco a pouco.
Os dois, ajudando-se mutuamente, tropeçando aqui e ali,
conseguiram a duras penas seu propósito, chegando à choça.
Nunca entendi como conseguiram atravessar o Nebi. ; Aos poucos o
alvoroço foi se extinguindo, dando lugar a maravilhosos e
tranqüilizadores ronquinhos.
Arquivei na cabeça o susto e a lição e, sem perder tempo,
restabeleci a ordem na cripta e fechei a entrada.
Duas horas mais tarde, ao romper do dia, aquilo já era história.
Apertei o passo, ansioso por voltar ao Ravid e concluir esta fase da
missão. Uma vez mais, o Destino fora benevolente comigo.
DE 18 A 24 DE JUNHO
Na mesma tarde de sábado, dia 17, sem tropeços nem percalços,
este explorador abraçava seu irmão. Tudo no porta-aviões
caminhava muito bem. Para dizer a verdade, toda essa paz começava
a me preocupar. Isso não era normal.
Dedicamos essa noite só ao descanso. Eliseu entendeu isso e,
embora morresse de vontade de fazer perguntas e de expor aquilo
que descobrira nas análises de sangue da Senhora, deixou que eu
me recuperasse.
Na manhã seguinte, com alma e coração exultantes, eu o informei
de tudo que havia visto e ouvido na prolongada permanência na
Cidade Santa e no cemitério de Nazaré. Não fez muitos comentários.
Não valia a pena. O destino dos embaixadores do reino estava

claro. E a valiosa informação, como de costume, foi transferida ao
banco de dados de Papai Noel.
De seu lado Eliseu, não menos feliz, mostrou-me os relatórios e os
resultados de suas investigações em torno do sangue que este
explorador, como podemos lembrar, teve a sorte de recolher em
Nazaré, quando Maria, a mãe do Mestre, ficou levemente ferida no
nariz(1).
O lenço providencial e a não menos oportuna hemorragia nasal da
Senhora nos permitiriam completar outra missão decisiva, especial e
encarecidamente encomendada pelos diretores do Cavalo de Tróia.
Como já comentei, naquele momento, as exigências de Curtiss nos
pareceram lógicas e normais. Para nós, cientistas, a possível
paternidade de José era um desafio apaixonante.
*1. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 5, pp. 56 e ss. (N. Do a.)
Mais tarde, aparentemente por acaso, (), meu irmão descobriu
algo que nos horrorizou e nos fez duvidar da honestidade de tal
pedido. Mas vamos dar tempo ao tenpo.
Ambos estávamos conscientes de que o lenço citado fora usado
para enxugar o sangue da mulher. Eu era testemunha. Contudo, fiéis
aos procedimentos e aos protocolos estabelecidos pelos
responsáveis da Operação, os primeiros ensaios foram orientados
para questões básicas. Identificação da amostras como sangue
humano, sexo, etc.(2) Por último, Eliseu concentrou seus esforços
naquilo que realmente interessava: o grupo sangüíneo. As provas
foram contundentes. A Senhora transportava o tipo B.
*2. Considerando que, nessa ocasião, a amostra podia ser macerada ou destruída
opção que não fora possível na análise de sangue de Jesus de Nazaré -, meu irmão
descartou a prova dos cristais de Teichmann, escolhendo a técnica do
hemocromogênio, mais limpa e eficaz. O reativo da cristalização se achava integrado por
uma base nitrogenada (piridina), insípida, um agente hematizante e um redutor. Esta
reação, como sabem os especialistas, não precisa de aquecimento. Muito bem, uma vez
verificado o que era óbvio para nós, que se tratava de sangue humano, partimos para o
estudo do diagnóstico individual Procurando o grupo da Senhora. Para tanto decantouse
pelo método dos aglutinógenos (teste de absorção-elução). Nesse teste, as
aglutininas se fixam sobre a mancha e, depois de uma incubação de 24 horas, são
retiradas por meio de uma lavagem, esquentando-se posteriormente a 56 graus Celsius.

Liberadas, as aglutininas, definitivamente nos proporcionaram o diagnóstico do grupo.
Tratava-se, assim, da identificação das aglutininas utilizando-se hemácias
testemunhas, quer dizer, aglutinógenos conhecidos. E a surpresa veio quando meu irmão
acrescentou hemácias do tipo B. O sangue, de fato, era do tipo B. Não satisfeito com
isso, Eliseu confirmou os resultados com um segundo diagnóstico, utilizando para tanto a
técnica mista de Pereira. Colocou um dos Fios da amostra sobre acetato de celulose,
agregando soro anti-A. Ao mesmo tempo, num segundo fio igualmente manchado,
adicionou uma gota de soro anti-B. E depois de incubá-los e lavá-los, acrescentou as
hemácias A e B, respectivamente. Cinco minutos depois, uma vez incubados na câmara
úmida a 50 graus Celsius, fez a leitura da aglutinação. O resultado foi o mesmo: grupo
B. (N. Do m.)
Isso nos levou ao final da experiência. Sabíamos que o Filho do
homem pertencia ao grupo AB(3) e conhecíamos também, agora, o
da mãe. Só restavam duas operações, não menos delicadas e
definitivas: averiguar os respectivos grupos sangüíneos de José e
Amós, assim como os DNA de todos eles.
Com esse material estaríamos em condições de excluir ou não a
paternidade do empreiteiro de obras em relação ao Rabi. Do ponto
de vista da Ciência, um gene de grupo sanguíneo só se apresenta
num indivíduo se estiver presente num dos dois ou em ambos(4).
Fizemos alguns cálculos. Na teoria só na teoria -, aceitando que
José fosse o pai biológico de Jesus, as possibilidades combinatórias
(em grupos sangúíneos) eram as seguintes: Primeira: o pai podia ser
A, a mãe B. Segunda: pai A e mãe AB. Terceira: B para José
e AB para a Senhora. Quarta: AB para ambos(4).
*3. Este tipo de sangue grupo AB, com aglutinógenos A e B - não é muito
freqüente nas raças européias, alcançando um índice que oscila entre 3 e 3,2 por cento.
O O, ao contrário, se situa em 43,4 por cento. No Oriente Médio, contudo, esse grupo
é mais comum. No Irã, por exemplo, as pessoas com AB chegam a 12,76 por cento.
Quanto à incidência na totalidade da espécie humana, o AB é o menos representativo,
com 2 por cento, diante de 42 e 45 do O e do A, respectivamente. (N. Do m.)
4. Acho que é bom esclarecer que os ensaios com grupos sangüíneos dificilmente
demonstram uma paternidade. Fazem, isso sim, o contrário: averiguar que uma suposta
paternidade é impossível. O sangue, como sabemos, é um equivalente das impressões
digitais. Quer dizer, tem uma natureza primária inalterável. Lattes explica isso com
perfeição: O fato de pertencer a um grupo sangüíneo definido é um traço fixo de todo
ser humano, que não pode ser alterado nem pela passagem do tempo, nem por

alguma doença intercorrente. O sangue, portanto, como resultado de que suas células
não dispõem de nenhum, um dos dois, ou ambos aglutinógenos, deve fazer parte de um
desses fenótipos (grupos primários): O, A, B ou AB. Através dos anos surgiram
outros grupos mais complexos, diretamente relacionados com raça e geografia. Assim,
por exemplo, os antígenos Rh (CDE/cde) supõem 85 por cento da população. O M,
30 por cento, o N, 20, e o MN, entre outros, 50 por cento. A estes podemos
acrescentar o Hp e o Gm mas, dado que não foram decisivos em nossas
investigações, vamos descartá-los. (N. Do m.)
Obviamente, se Maria era B, as análises seguintes só podiam
oferecer o grupo A. Mas era preciso demonstrar isso.
De segunda-feira, dia 19, em diante, meu irmão e eu nos
entregamos sem pressa a um trabalho intenso, conscientes das
repercussões desses experimentos.
A primeira causa de inquietação, surgida já no começo da
operação, foi a possível contaminação das amostras e o estado das
mesmas. Embora as ampolas de barro empregadas no traslado dos
dentes tivessem sido desinfetadas minuciosa e rigorosamente,
sempre ficava uma dúvida. Contudo, as circunstâncias mandavam e,
simplesmente, confiamos na nossa boa estrela. Com respeito à
integridade das peças dentárias, as observações ao microscópio nos
deixaram tranquilos e animados. Não detectamos cáries nem fissuras.
Outra questão era o interior. Depois de tantos anos, as polpas do
molar e do pré-molar, no caso de José, bem como as do canino e
molar de Amós, podiam ter sido reabsorvidas e ter aderido às
paredes.
Neste caso, as coisas ficariam mais complicadas. Os legistas
conhecem bem esse problema. Quando os restos estão deteriorados,
o DNA não serve, havendo até mesmo a destruição dos fragmentos
maiores.
Mas, repito, confiamos. E chegou o grande momento.
Decidimos pelo molar, reservando o pré-molar de José para um
segundo ensaio.
Eliseu o perfurou e, hábil, extraiu a polpa.
Bingo! Não havia reabsorção!

Eu sabia que o dente pertencia a um ser humano. Mas mesmo
assim fomos fiéis ao método científico. Primeira determinação: a
espécie. O exame foi conclusivo. A coroa e a raiz estavam no mesmo
plano, indicando que o dente pertencia a um ser humano.
(Como se sabe, o homem é o único mamífero cujos dentes se
desenvolvem na vertical.) Segundo item obrigatório: idade.
Seguindo as diretrizes de Gustafson, avaliamos alguns dos seis
processos evolutivos básicos(5).
*5. Uma vez terminada a erupção dentária, especialistas como Gustafson, Miles e
Dalitz estabeleceram uma série de regras, em função do desgaste, para determinar a
idade do indivíduo.
Esses processos evolutivos são os seguintes: da superfície (conseqüência da
mastigação), paradontose (mudanças nos tecidos de suporte do dente), dentina
secundária (a cavidade da polpa fica recheada de um tecido duro que procede da
parede), aposição de cimento (este aumenta sua densidade com a migração),
reabsorção da raiz (em determinadas áreas, cimento e dentina são reabsorvidos por
células especiais), transparência da raiz (com a idade, os canais que cruzam da polpa à
periferia se fazem invisíveis, devido ao recheio de substâncias minerais). (N. Do m.)
Logicamente nem todos foram viáveis. Muito bem, quantificando as
modificações provocadas no dente por cada um desses processos, o
resultado da idade de regressão deu um total de quatro pontos.
Considerando uma margem de erro de mais ou menos cinco anos, a
idade de José ficou determinada assim em 35 anos. Em outras
palavras, o que já sabíamos (o pai terreno de Jesus morrera aos 36
anos de idade).
Quanto à primeira determinação o sexo -, seria esclarecida pouco
depois, com as análises celulares(6). A incógnita, obviamente, já era
conhecida por mim, quando, ao inspecionar a ossada, pélvis, fêmur,
sacro e o corpo do esterno duas vezes maior que o manúbrio -,
constatei que os ossos pertenciam a um homem. Não obstante,
esperamos. Tudo devia ser feito com rigor.
Os passos seguintes diagnóstico dos grupos sanguíneos de José
e Amós não ofereceram maiores complicações. Repetimos os
procedimentos já expostos, obtendo o que já suspeitávamos: o pai
terreno do Rabi da Galiléia pertencia ao grupo A.

Exatamente igual ao menino.
O achado nos fez estremecer. O Filho do Homem de fato era filho
do homem... Seu grupo - AB -, como mandam as leis da
hereditariedade, foi propiciado pela genética de José e da Senhora.
E a mesma coisa acontecia com Amós, o irmão. Sob o ponto de vista
científico, tudo se encaixava de forma matemática.
*6. Um dos procedimentos para estabelecer o sexo aparece na contagem
cromossômica, graças aos corpos cromaníticos sexuais.
No homem, por exemplo, o cromossomo Y é fluorescente à quinacrina. Ao contrário,
nas células que não estão em divisão, a feminina apresenta um ou mais nódulos de
cromatina fixados à superficie interna da membrana nuclear. As masculinas, por exemplo,
carecem desse corpo de Barr. Outro traço típico feminino aparece também nos
leucócitos. Estes mostram o que se denomina corpo de Davidson (uma fina projeção
em forma de banqueta de tambor). No caso que nos interessa- o suposto pai biológico
de Jesus de Nazaré -, a presença do cromossomo Y na contagem cromossômica foi
decisiva. (N. Do m.)
Como eu disse, aglutinógenos A e B são transmitidos com caráter hereditário
dominante. Ou então, o que dá na mesma: não surgem nos filhos se não estiverem
presentes nos progenitores. Assim, por exemplo, pais AB nunca poderiam ter filhos do
grupo O.
Mas essa pista importante precisava ser ratificada. E Eliseu, nervoso e emocionado,
penetrou no último capítulo: a observação dos respectivos DNA(7) e seus estudos
comparativos.
Dessa vez, fiquei fora. Imagino que meu irmão tenha compreendido. Embora não
fosse um comportamento próprio de um cientista, a invasão dos territórios mais íntimos
do ser humano nunca me agradou. E muito menos, mergulhar e trazer à superfície os
DNA dos meus amigos. Foi instintivo. Não sei expressar isso com palavras, mas o
sentimento era claro: não manipularia as chaves da vida de Jesus de Nazaré e da
Senhora.
Para esses experimentos, o Cavalo de Troia nos dotara de duas técnicas
desconhecidas, que eu saiba, pela comunidade científica. A primeira foi desenvolvida e
aperfeiçoada pelos laboratórios de engenharia genética da Marinha norte-americana.
Durante anos, como é habitual, *7. Todos os traços que identificam um indivíduo estão
ligados a seu dote genético, depositado em chave química numa molécula: o DNA ou
ácido desoxirribonucleico. O dote genético de cada pessoa é o resultante do dote
contido no DNA procedente de seus progenitores. O descobrimento da estrutura do DNA,
em 1954, por Watson e Crick, foi o que permitiu saber no que consistia o suporte do
material hereditário e dar seqüência ao conceito do gene. O DNA é uma substância

dispersa no núcleo de todas as células. Num determinado momento da divisão celular,
essa substância se concentra na forma de bastões ou cromossomos. A estrutura do DNA
é similar à de uma fileira dupla em forma de escada em caracol. A parte externa se acha
integrada por um açúcar e um radical fosfato. Na parte de dentro se concentram quatro
bases chaves (formando pares): A (adenina), T (timina), C (citosina) e G
(guanina. Cada volta dessa hélice dupla mede 3,4 nanômetros (um nanômetro equivale
à bilionésima parte do metro) e contém dez pares de bases. Um fragmento correto de
DNA forma o que se denomina gene ou unidade funcional. Cada gene encerra o código
necessário para fabricar uma proteína. O ser humano dispõe de cerca de cem mil. Esses
genes são idênticos na sua quase totalidade, cumprindo as mesmas funções em todos
os indivíduos. Um por cento, por outro lado, é específico e contribui com os traços e
características que diferenciam cada pessoa. (N. Do m.)
a ciência Militar foi absorvendo e fazendo suas as interessantes
descobertas de cientistas como Khorana e Niremberg (decifradores
da base do código genético), Smith e K. Wilcox (descobridores das
enzimas de restrição), A. Kornberg e sua equipe (que acharam a
Glimerasa) e Berg (que produziu a primeira molécula de DNA
combinado), entre muitos outros. Nem é preciso dizer que esses
importantes homens da Ciência jamais souberam dessas
manipulações. Pelo que não cansarei o hipotético leitor deste diário
com as seqüências complexas e confusas que integravam essa
técnica, propriedade da armada(8). Não é esse, obviamente, o
propósito que me leva a narrar o que vivemos na Palestina de Jesus
de Nazaré. Lembro-me de que foi numa quarta-feira, dia
21, por volta do meio-dia... Este que aqui escreve estava
passeando na zona da muralha romana, absorto e concentrado nos
planos de nossa próxima missão iminente, a das fronteiras de Israel.
*8. A título de orientação, proporcionarei algumas das mais destacadas características
da nossa primeira técnica, utilizada na obtenção dos referidos DNA. Para começar, é bom
esclarecer que a aplicação de provas científicas na determinação da paternidade
biológica se faz em função de polimorfismos genético-bioquímicos, tais como marcadores
enzimáticos eritrocitários, proteínas séricas e antígenos, entre outros. Esses sistemas, em
particular os marcadores enzimáticos, proteínas séricas e sistema HLA, apresentam a
característica de uma herança mendeliana simples. Assim, o filho reúne dois alelos um
herdado do pai, o outro da mãe que se manifestam com clareza nas análises. Muito
bem, tal técnica consistia, fundamentalmente, na replicação do ácido desoxirribonucleico.
Esse ácido, como se sabe, é portador da informação genética, contendo quatro tipos de
desoxinucleótidos: A (desoxiadenilato), T (desoxitimidilato), G (desoxiguanilato) e

C (desoxicitidilato). É a seqüência dessas bases, justamente, o que determina a
formação genética. E foi graças aos achados dos cientistas mencionados que Cavalo de
Tróia conseguiu a replicação do DNA contido nas amostras e sua posterior identificação.
Para isso, Eliseu, em resumo, executou os seguintes processos:
Primeiro: Extração química do DNA, partindo das amostras que estavam em nosso
poder (sangue, cabelos com raiz e dentes). Os restos foram digeridos, isolando assim
o DNA. Depois, se procedeu à separação, utilizando-se fenolclorofórmio (com 400
microlitos podem ser obtidos, por exemplo, entre 5 e 40 microgramas de DNA. Acima de
um micrograma, o DNA, em forma de o vinho branco, aparece a olho nu no fundo do
tubo de ensaio).
Segundo: Mediante o uso de tesouras químicas (enzimas de restrição), o ovinho foi
segmentado em zonas específicas. As restrictasas cortam o DNA em pequenas seções,
permitindo um manejo mais fácil das chamadas regiões hipervariáveis e não codificantes
do genoma humano. (Tais regiões não são propriamente genes, pois não codificam a
síntese de nenhuma proteína e, portanto, não têm expressão genética: Em outras
palavras, o estudo dessas regiões hipervariáveis não traz informação sobre a estrutura
fenotípica do indívíduo.) Em seguida, mediante um primeiro cevador e um ciclador
térmico, foram obtidas cópias ilimitadas. (Em horas, por exemplo, depois de 30 ciclos, é
possível fabricar 1 073 741 824 cópias. Nas nossas provas utilizou-se uma
polimerasa especial, extraída de uma bactéria cujo habitat são as fontes termais (a
Thermus aquaticus), que proporciona excelentes resultados a altas temperaturas.
Terceiro: Meu irmão explorou e reconheceu as regiões que interessavam, auxiliado
por uma sonda especial (marcada com fosfata alcalina). Esta é mais recomendável que
o fósforo 32, já que rompe os elos, podendo, além disso, ficar registrada em filme.
Quarto: O padrão (DNA) foi transferido para nylon, preparando-se depois uma sonda
radioativa.
Quinto: Depois da união da sonda com as seqüências específicas de DNA, procedeuse,
por meio de uma lavagem, à eliminação do excesso de DNA.
Sexto: A sonda radioativa foi fixada sobre o padrão (DNA) da membrana, juntando a
película de raios X. Por último, depois dessa revelação, Eliseu conseguiu por fim o padrão
das bandas, o esperado perfil genético do indivíduo. (N. Do m.)
Excitado, Eliseu gritou através do sistema de som: conseguimos!...
Aqui estão as provas!
Depois dos ensaios com os grupos sangüíneos, eu havia intuído
este desenlace. Agora, porém, estava diante da confirmação
definitiva.
Mostrando os diferentes perfis genéticos, meu irmão convidou-me

a compartilhar sua alegria. Eu os examinei com cuidado, ratificando
resultados na tela do computador central. Não havia dúvida: a
análise conjunta das regiões selecionadas oferecia um padrão de
faixas claramente coincidente. Papai Noel, frio e objetivo, resumiu
tudo assim:
Para cada uma das regiões se obtém uma perfeita
compatibilidade entre as amostras do suposto pai e da suposta mãe.
Observa-se de um fragmento materno e de outro..., de procedência
paterna.
Nota do AuTor: O major, falecido em 1981, não chegou a conhecer
o que foi batizado como a reação em cadeia da polimerasa (PCR),
descoberta anos mais tarde por Kary Mullis.
As técnicas descritas em seu diário se ajustam de forma
extraordinária aos atuais processos para a obtenção do DNA.
Coincidência?
Meu Deus! Pura dinamite! Seis regiões hipervariáveis selecionadas,
todos os códigos de DNA resultavam coincidentes. A certeza, assim,
era superior a 99,9 por cento.
No final de seu relatório, Eliseu escreveu de forma contundente:
A perfeita compatibilidade de perfis nos DNA do Mestre, de José e
Maria permite concluir que a paternidade e a maternidade foram
provadas, embora não tenha sido possível fazer um estudo
estatístico diferencial, por razões óbvias.
Considerando, contudo, a distribuição das freqüências nos Estados
Unidos e em outras populações, a probabilidade de paternidade e
maternidade obtida supera os 99,9 por cento. O que significava
tudo isso? Em palavras simples, que o código genético de Jesus
aparecia repartido entre os códigos genéticos de seus pais terrenos.
O Filho do Homem, portanto, segundo a Ciência, foi concebido com o
esperma de José e o óvulo da Senhora(9).
Era o que eu dizia, pura dinamite.
A mesma coisa aconteceu com a impressão genética de Amós.
Possibilidade de erro?
Mínima, segundo meu irmão.

Para que dois perfis de DNA, pertencentes a indivíduos diferentes,
coincidam em seis regiões hipervariáveis, teríamos que pensar numa
supercoincidência. Dito de outra forma: um para um bilhão, segundo
Papai Noel.
Para nós dois, estava tudo claro. Contudo, cumprindo o programado
pelo Cavalo de Tróia, repetimos a experiência.
Desta vez, Eliseu lançou mão da segunda técnica, igualmente
desconhecida do mundo científico.
Executou a prova sobre o pré-molar de José e o molar de seu filho,
Amós.
*9. Todas as afirmações sobre a paternidade de José em relação a Jesus e sobre a
questão da virgindade de Maria são de exclusiva responsabilidade do autor. A Editora
Mercuryo não compartilha das mesmas. (N. Da Editora Mercuryo).
Extraídas as polpas, depois de congeladas e esterilizadas com
nitrogênio líquido, evitando assim a possibilidade de contaminação,
as reduziu a pó, depositando-as numa minicâmara de fluxo laminal.
Em seguida, concluída a seleção química do DNA, seu isolamento e
corte do ovinho com as enzimas de restrição, Papai Noel assumiu o
comando, procedendo à injeção de um nemo em cada uma das
regiões escolhidas.
(Esta espécie de microcensor, de 30 nanômetro por nós batizado
de nemo e que descreverei depois com mais detalhe funcionava
como uma sonda, identificando e transmitindo por rádio o padrão
de faixas. Quer dizer, o perfil genético do indivíduo. A impressão
digital, uma vez em poder do computador, era ampliada à vontade.)
Essa diminuta maravilha da Ciência possível de programar soment
com a participação de Papai Noel - economizava muitas fases da
primeira técnica de identificação do DNA, exceto as já mencionadas.
Definitivamente um sistema mais rápido, limpo e confiável.
Segundos depois do ingresso dos nemos nas regiões
hipervariáveis selecionadas nas amostras, a tela do computador
oferecia algumas imagens inquestionáveis.
Tranqüilo, Eliseu as repassou duas vezes, emitindo um veredicto:

- Paternidade e maternidade... provadas. Porcentagem de
segurança: cem...
Missão cumprida.
Uma vez demonstrada definitivamente a paternidade biológica de
José, a informação toda foi transferida imediatamente para os
arquivos de Papai Noel. Quanto aos DNA, amostras, etc., cumprindo
as ordens, foram hermeticamente fechados num recipiente especial.
Nem nós tivemos acesso à chave de abertura. Essa guarda foi
confiada ao computador central. O general Curtiss foi muito explícito
e taxativo: o recipiente com o DNA de Jesus de Nazaré passaria
direta e imediatamente às suas mãos logo depois de chegar à
meseta de Massada.
Naquele momento, como já mencionei, não estávamos conscientes
das verdadeiras intenções dos diretores do projeto com respeito a
esse delicadíssimo material genético. Éramos soldados. Cumpríamos
uma missão. Não devíamos perguntar. Mas o Destino, felizmente,
tinha previsto tudo.
A partir daquele instante, ficou tudo estranho, confuso.
Saí da nave e, sem dar explicações, caminhei durante horas pelo
alto do Ravid. Precisava pensar.
Não sei como dizer isso, mas, ao ser demonstrada a paternidade
física de José, invadiu-me uma sensação amarga.
Era paradoxal.
Tratava-se de um triunfo, contudo meu espírito se entristeceu.
Talvez estivéssemos cruzando uma fronteira sagrada, não sei.
O certo é que, em meio àquele desassossego, um pensamento
acabou se instalando no meu coração, confundindo de vez as coisas.
Não porque afetasse meus princípios religiosos, totalmente
consistentes, mas porque, como cientista, eu caíra do cavalo.
Aquilo que acabara de ver a impressão digital genética do
Mestre não combinava com outra não menos inquestionável
realidade: a divindade do Mestre.
Eu tinha sido testemunha privilegiada. Havia visto, verificado se
me permitem - tocado essa divindade. A ressurreição e as

aparições posteriores não deixavam espaço para dúvidas. Contudo,
repito, aquilo não se encaixava nos meus parcos conhecimentos. Se
a concepção e a natureza física do Rabi da Galiléia eram
absolutamente humanas, onde colocar esse outro traço inegável que
completava a essência de Jesus? Eu devia buscar isso nos genes? As
pesquisas tinham sido transparentes. No código genético não
havíamos encontrado nada de anormal. Então, esse traço foi
adquirido a posteriori? Mas, como? Como conseguiu essa divindade?
Naturalmente, fiquei confuso. Não tinha respostas. Mas, teimoso,
do alto do ridículo pedestal da Ciência, continuei procurando... e me
confundindo mais.
Os pais terrenos não desfrutavam desse poder, por isso, não
puderam transmiti-lo. Mas ele estava aí, em algum lugar.
Lembro-me de que, no final, impotente, tive um branco total.
E o Destino, imagino, com pena de mim, jogou-me uma corda.
Talvez a divindade eu mesmo me disse num dos escassos
momentos de lucidez nada tenha a ver com a genética. Não estarei
medindo as coisas com critérios diferentes? Desde quando, querido
Jasão, o adimensional (a divindade) é comparável ao puramente
material?
Acabei me rendendo. E ao voltar ao módulo e compartilhar estas
inquietações com meu irmão, Eliseu respondeu com sua lógica
proverbial:
- Por que você se atormenta? Quando o vir, pergunte-lhe.
Fiquei desarmado. Ele tinha razão. Eu faria isso logo que désse o
tão ansiado terceiro salto no tempo.
Já não podendo se conter, ele deixou no ar outra delicada questão.
Uma interrogação que também martelava o meu cérebro desde que
decidimos provar a paternidade biológica do empreiteiro de obras.
- Se o Mestre foi gerado como qualquer ser humano, por que os
evangelhos e os crentes lhe atribuem uma concepção sobrenatural?
O assunto, obviamente, nos levou muito longe. Já falei sobre isso
em seu devido momento(10), mas em homenagem ao meu irmão já
desaparecido e ao que pode ter sido a verdade, voltarei ao assunto

traçando as linhas mestras daquela interessante conversa.
Eliseu falava bem sobre isso. Dois evangelistas Mateus e Lucas
garantem que Maria concebeu Jesus por obra e graça do Espírito
Santo(11). Nós sabíamos que não tinha sido assim, mas, de onde
saíra essa informação?
Pegamos o primeiro texto e o desmantelamos, analisando-o com
frieza: Como Mateus Levi soubera daquela informação? Primeira
possibilidade: a própria Senhora tinha lhe comunicado?
Sinceramente, duvidei.
*10. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 2, pp. 452 e ss. (N. Do a.)
11. Mateus, no capítulo 1, versículos 18 ao 25, diz textualmente: A origem de Cristo foi
assim: Maria, sua mãe, comprometida em casamento com José, antes que coabitassem,
achou-se grávida pelo Espírito Santo. José, seu esposo, sendo justo e não querendo
denunciá-la publicamente, resolveu repudiá-la em segredo. Enquanto assim decidia, eis
que o Anjo do Senhor manifestou-se a ele em sonho, dizendo: «José, filho de Davi, não
temas receber Maria, tua mulher, pois o que nela foi gerado vem do Espírito Santo. Ela
dará à luz um filho e tu o chamarás com o nome de Jesus, pois ele salvará o seu povo
dos seus pecados. Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que o Senhor havia dito
pelo profeta: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e o chamarão com o
nome Emmanuel, o que traduzido significa: Deus está conosco.
José, ao despertar do sonho, agiu conforme o Anjo do Senhor lhe ordenara e recebeu
em casa sua mulher. Mas não a conheceu até o dia em que ela deu à luz um filho. E ele
o chamou com o nome de Jesus. (N. Do a.)
Ela, que acreditava firmemente na concepção não humana de seu
filho.
Afirmou isso várias vezes. Nunca entendi esse aspecto, mas,
insisto, não acreditei. E duvidei porque, se tivesse contado a Mateus
tudo o que ocorreu nos meses que antecederam ao nascimento, a
Senhora nunca teria inventado aquilo que o escritor sagrado (?)
assegurou. Podia estar equivocada em suas apreciações, mas jamais
mentiria. Eu me explico. O evangelista afirma que Maria encontravase
grávida antes de começarem a viver juntos. Quer dizer, antes de
estarem legalmente casados. A Senhora nunca diria isso. Como já
informei no momento devido, quando grávida de Jesus, a Senhora já
estava casada com José fazia oito meses. Mais claro ainda: tanto o
anúncio do anjo como a concepção aconteceram depois das bodas

(estas foram celebradas em março do ano menos oito e a visita de
Gabriel e a gravidez imediata registraram-se em novembro desse
mesmo ano). Portanto, o escrito de Mateus está viciado: não foi
durante os esponsais ou noivado que Maria ficou grávida, mas, sim,
muito depois.
Se é assim, a afirmação seguinte - José resolveu repudiá-la em
segredo - também não se sustenta. Imagino a expressão da Senhora
se o seu homem tivesse se atrevido a levantar tal despropósito
diante dela.
Quanto ao célebre sonho do perplexo José, o evangelista não diz
toda a verdade. Se a informação procedia da Senhora, o escritor
sagrado (?) voltou a manipulá-la. Maria sabia o que acontecera.
Sabia que a verdadeira preocupação de seu esposo era outra. O que
realmente obcecava o então carpinteiro era mais ou menos a mesma
coisa que me tinha deixado confuso: como uma criança concebida
por humanos podia ser divina.
O resto da mensagem proporcionada pelo sonho também não se
encaixa nos fatos. A Senhora, insisto, nunca faltou com a verdade.
Como entender, então, a categórica afirmação de que seu marido era
da casa de Davi? Ela era a única descendente do famoso rei.
Pecados? Jesus veio ao mundo para salvar seu povo dos pecados?
Isso, fica evidente, não foi coisa da Senhora. Ela soube das
palavras do Ressuscitado em todas as aparições. Em nenhuma delas
ele se referiu a salvar seu povo de seus pecados.
Alguém, realmente, teria voltado a meter a mão....
Em resumo: na minha humilde opinião, aquilo que Mateus escreveu:
não procede da mãe do Mestre.
Segunda possibilidade: será que ele teria recebido a informação
da família de Jesus, de seus companheiros, os apóstolos, ou de seus
seguidores? Ninguém está em condições de saber. Obviamente, tudo
é possível. Contudo, se assim foi, detecto algo que não bate com
Mateus. O evangelista era galileu. Conhecia as tradições e as leis
judaicas. O Que quero dizer é Muito simples: Mateus Levi
dificilmente teria afirmado que Maria ficara grávida antes de contrair
matrimônio. Se tivesse agido assim, Jesus de Nazaré como já

expliquei em páginas anteriores(12) teria sido qualificado como
mamer (bastardo). E isso não ocorreu. Se o que está narrado no texto
supostamente sagrado fosse certo, a vergonha e a marginalização
teriam caído como uma laje sobre a Senhora, sobre sua família e,
naturalmente, sobre o Mestre. E seus atos e palavras não teriam tido
o menor eco social. Seus inimigos não o teriam perdoado.
Não, Mateus não era um irresponsável. Não acho que essas
afirmações sobre a virgindade tenham nascido de sua pena.
Terceira possibilidade: uma vez mais... alguém meteu a mão no
texto primitivo de Mateus. Pouco importa quem e quando. O triste, o
lamentável, é que deformou a realidade. Uma realidade, a magnífica
maternidade da Senhora, que não precisava de enfeite algum. E,
definitivamente, essa parece ser a razão que teria movido o
manipulador ou manipuladores a modificar os fatos. A história se
repetia. O Filho do Homem - sua figura, em suma devia ser
vendido com todas as honras. E que diziam as lendas mais antigas
e régias? Que deuses, heróis e avatares em geral sempre nasceram
de uma virgem. Em Alexandria, por exemplo, muito antes de Jesus de
Nazaré, o povo celebrava no dia 6 de janeiro o nascimento do deus
Eon, um ser nascido da virgem Kore. Nessa data, depois de uma
cerimônia noturna, as pessoas caminhavam em procissão até a gruta
na qual havia nascido o deus. Elas o tomavam em seus braços,
passeavam com ele e, finalmente, o devolviam à caverna na última
vigília: a do canto do galo. Ao deixar o santuário,
*12. Ampla informação sobre os manzerim em Operação Cavalo de Tróia 5, pp. 83 e
ss. (N. Do a.)
bradavam em uníssono: A Virgem deu à luz... Aumenta a luz. A
mesma coisa acontecia no reino vizinho da Nabatéia, ao sudeste de
Israel. Ali, nos templos de Petra, outra virgem
- Chaabou - dava à luz o não menos célebre deus Dusares...
(Essa festividade pagã serviria aos árabes cristãos para fixar a
data do nascimento de Jesus no mencionado dia 6 de janeiro.) Foram
esses ou outros mitos que condicionaram a verdade, reduzindo-a ao
que os crentes lêem hoje. Pessoalmente, acredito nisso. Basta dar

uma olhada na História para provar que as Igrejas não tiveram o
menor pudor em se apropriar de alguns desses mitos. Exemplo: o
Natal. Qualquer pesquisador medianamente informado sabe que
esse dia 25 de dezembro não é o do nascimento de Jesus, mas sim
resultado da usurpação de uma velha celebração, igualmente pagã.
Desde a mais remota antigüidade, os egípcios festejavam nessa
data o que chamavam de a vitória do sol. Quer dizer, o lógico
prolongamento dos dias. E a igreja católica, por esperteza,
provaveLmente por volta do século IV, apropriou-se da festividade
herdada então pelos romanos -, convertendo-a, por decreto real, no
Natal(13).
O segundo texto evangélico o de Lucas também foi
minuciosamente investigado. O resultado nos decepcionou(14).
*13. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 2, pp. 465 e ss. (N. Do a.).
14. O capítulo I, versículos 26 ao 38, diz assim: No sexto mês foi enviado por Deus o
anjo Gabriel a uma cidade da Galiléia chamada Nazaré, a uma virgem desposada com
um homem chamado José, da casa de Davi; o nome da virgem era Maria. E entrando
lhe disse: «Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo». Ela ficou intrigada com
essas palavras e pôs-se a pensar qual seria o significado da saudação. O Anjo, porém,
acrescentou: «Não temas, Maria, porque encontraste graça junto a Deus. Eis que
conceberás no teu seio e darás à luz um filho, e tu o chamarás com o nome de Jesus. Ele
será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o senhor Deus lhe dará o trono de Davi,
seu pai; ele reinará na casa de Jacó para sempre, e o seu reinado não terá fim». Maria
respondeu ao anjo: «Como é que vai ser isso, se não conheço varão?». O anjo lhe
respondeu: «O Espírito Santo virá sobre ti e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua
sombra; por isso o santo que nascerá será chamado Filho de Deus. Também Isabel, tua
parente, concebeu um filho na velhice, e este é o sexto mês para aquela, que chamavam
de estéril. Para Deus, com efeito, nada é impossível». Disse, então, Maria: «Eis aqui a
escrava do Senhor; faça-se em mim segundo tua palavra». E o Anjo a deixou. (N. Do a.)
Para começar, o médico de Antioquia não conheceu pessoalmente a
Senhora. A informação, como conseqüência, não foi da primeira
(Lucas se converteu ao cristianismo e começou a seguir seu mestre,
Paulo de Tarso, por volta do ano 47, mais ou menos. Maria, por
ocasião da morte de Jesus, tinha cerca de 50 anos de idade. Em 47,
portanto, se estivesse viva, estaria beirando os 70 anos. Quer dizer,
dificilmente pode ter conhecido Lucas. Todas as notícias indicam que
ela faleceu um ou dois anos depois da crucificação, no ano 31 ou

32).
Partíamos, assim, de um fato quase certo: o evangelista recebeu os
dados de segundas ou terceiras pessoas.
Quando começou a escrever, Todos os indícios assinalam uma
época: depois da morte de Paulo, no ano 67. Isto nos situava, no
mínimo, a quase 40 anos depois do desaparecimento do Mestre.
Quarenta anos!
Era fácil conhecer a verdade depois de tanto tempo? Obviamente
não era uma tarefa simples. E muito menos se, como desconfiávamos,
já circulavam as interpretações deturpadas sobre a suposta
virgindade da Senhora. Talvez Lucas não tenha deturpado os fatos
deliberadamente. Talvez tenha se limitado a escutar e a copiar o que
era de domínio público entre os primeiros cristãos. Embora haja
também a possibilidade já levantada com relação ao texto de
Mateus de que alguém, muito depois, tivesse mudado essa
passagem..., porque convinha que fosse assim.
Seja como for, o certo é que o aludido capítulo é outro acúmulo de
erros e falsidades.
Nem Nazaré era uma cidade, nem Maria uma virgem, nem
estava prometida, nem José era da casa de Davi, nem o anjo
mencionou jamais que Deus lhe daria o trono desse rei, nem a
Senhora pronunciou as palavras que Lucas cita - Como será isso,
posto que não conheço varão -, nem Gabriel referiu-se à sombra do
Altíssimo, nem aquele era o sexto mês de gravidez de Isabel, nem
Maria, por fim, se proclamou jamais como a escrava do Senhor...
Embora tenha sido incluído em outro lugar deste diário que escrevo,
entendo que é oportuno e benéfico lembrar agora o texto da
verdadeira fala do anjo à jovem esposa de José. A diferença em
relação ao texto do escritor sagrado (?) é eloqüente...
Venho por ordem daquele que é meu Mestre, a quem deverás
amar. A ti, Maria, trago boas notícias, já que te anuncio que a
concepção em teu ventre foi ordenada pelo céu...
A seu devido tempo serás mãe de um filho. Vais chamá-lo ehosu'a
(Jesus ou Yaveh salva), que inaugurará o reino dos céus sobre a Terra
entre os homens... Fala sobre isso só com José e Isabel, tua parente,

a quem também compareci e que logo dará à luz uma criança cujo
nome será João. Isabel prepara o caminho para a mensagem de
libertação que teu filho proclamará com força e profunda convicção
aos homens. Não duvides da minha palavra, Maria, já que esta casa
foi escolhida como morada terrestre dessa criança do Destino...
Tens minha benção. O poder do Altíssimo te sustentará...
O Senhor de toda a Terra estenderá sobre ti sua proteção. A
mensagem é transparente.
Concepção ordenada pelo céu... Isso não significava que Deus
fosse modificar as leis naturais da ereditariedade, fazendo Maria
conceber sem a participação de seu esposo.
Sempre acreditei que esse Pai magnífico e poderoso tem a faculdade
de conseguir que alguém conceba da forma apontada pelos evangelistas.
Mas sei também que, acima de tudo, é um Deus sensato e
respeitoso para com suas próprias leis. Se o Mestre desejava ser um
homem no sentido total da palavra -, por que começar com uma
alteração tão singular? Não é lógico, a não ser que os próprios
homens, no seu afã de enaltecer Jesus, tenham mudado a realidade.
Como sempre, somos nós quem fazemos Deus à nossa imagem e
semelhança.
E inaugurará o reino dos céus sobre a Terra entre os homens.
Quando é que o anjo faz alusão ao trono de Davi ou à casa de
Jacó?
Não é magnífico que o Filho do Homem viesse para abrir os olhos
de toda a Humanidade em vez de tomar posse do governo de uma
nação? De fato, os primeiros cristãos logo se esqueceram das
advertências do Ressuscitado. E, como bons judeus, não deixaram de
aproveitar a oportunidade, identificando o Mestre com o Messias
prometido.
Acho que, outra vez, estou me esquecendo de uma coisa importante.
Já mencionei isso de passagem, mas entendo que convém
aprofundar o assunto. Disse que a Senhora estava convencida da
concepção não humana de seu Filho. Muito bem, como isso teria
sido possível? Qual teria sido seu raciocínio? Se Maria, quando ficou

grávida, estava legalmente casada, mantendo as naturais relações
sexuais com José, por que afirmava que Jesus fora concebido de
forma sobrenatural?
A chave, na minha opinião, era Isabel, sua prima longínqua.
Teria sido simplesmente uma dedução. Se a mãe de João Batista
estava incapacitada para ter filhos e, contudo, deu à luz o
Anunciador, isso queria dizer que essa gravidez fora coisa do
Altíssimo. E se as duas crianças João e Jesus tinham praticamente
a mesma missão (ass anunciou o anjo), por que a concepção de seu
Filho seria diferente? Este raciocínio tinha certa lógica. E a Senhora,
repito, o fez seu. Não há dúvida que essa pretensão foi mais forte
que as palavras claras de Gabriel: A concepção em teu ventre foi
ordenada pelo céu.
Para Maria, mulher afinal de contas, aquilo era mais sublime
considerando o sagrado destino de Jesus que a prosaica idéia de
uma gravidez puramente humana.
Nem será preciso dizer que ficamos desolados. Eliseu e eu deixamos
por aí o irritante assunto dos textos evangélicos.
Afinal não éramos juízes. Nossa missão era outra: sem falsa modéstia,
mais sutil e transcendental. Foi nos dada a oportunidade de
seguir o Filho do Homem e narrar tudo o que vimos e ouvimos. Esse
era o nosso trabalho. E a ele nos entregamos com paixão.
O resto daquela semana foi igualmente tenso. Depois de muitos
cálculos, meu irmão e eu fixamos o sábado, 24, como data limite para
sair em direção ao sul e iniciar assim a Operação Salomão, que
deveria esclarecer as causas do estranho sismo registrado no histórico
dia 7 de abril, em Jerusalém. Um movimento sísmico, como sabemos,
que se seguiu à morte de Jesus de Nazaré.
Além da preocupação natural com uma viagem tão longa e complicada,
o que nos deixou inquietos foi principalmente o fato de ter de
abandonar o berço. Mas não tínhamos escolha.
Estávamos plenamente conscientes também de que o módulo ficava
nas melhores mãos: as de Papai Noel. Tudo estava previsto.
Nada devia falhar. Mas...

Acho que esse foi um sentimento natural. Aquele era nosso lar, o
meio para voltar para casa, ao nosso verdadeiro agora.
Estávamos prestes a deixá-lo...
Eliseu e eu trocamos alguns olhares significativos. Ninguém disse
Os seus pensamentos, contudo, tenho certeza, foram os mesmos:
Que aconteceria se não voltássemos? Pior ainda: o que seria
daqueles exploradores se, ao subir de novo o Ravid, encontrassem a
nave destruída ou inutilizada? Isso não seria possível, eu me disse
mais de uma vez, numa tentativa para me acalmar.
Sob o ponto de vista estritamente técnico se não ocorresse uma
catástrofe -, eu tinha razão. As medidas de segurança eram quase
perfeitas. Contudo...
E a angústia, a partir daquele momento, foi uma companheira
inseparável.
Mas nem tudo foi negativo naqueles últimos dias. Outra inquietação:
a falta de dinheiro foi hábil e precisamente eliminada pelo
genial Eliseu. O espertinho esperou quase até o fim para mostrar o
que tinha obtido durante minha permanência na Cidade Santa.
Quando sugeri que levássemos conosco a valiosa opala branca,
para tentar trocá-la, meu irmão sorriu com malícia e me entregou uma
pequena bolsa, rejeitando minha proposta.
- Não será necessário... Vamos deixá-la no berço. Isto será
suficiente...
Ao abrir o saquinho, fiquei boquiaberto.
- Mas...
De novo sorriu, dando-me uma piscada.
- Meu Deus!
Incrédulo, esvaziei o conteúdo na palma da mão. Examinei outra vez
e, temendo o pior, interroguei-o com os olhos.
- Não seja desconfiado ponderou, ficando na defensiva. - Cumpri
suas ordens, major. Em nenhum momento, cruzei a linha da macieira
de Sodoma...
- Então...

E me convidando a passar à popa da nave, esclareceu de vez o
enigma.
Não tive outro remédio senão lhe dar os parabéns. O trabalho,
além de oportuno, fora tão impecável quanto criativo.
Conhecedor da nossa precária situação econômica, dedicou um
tempo para consultar os arquivos de Papai Noel. E o computador
lhe deu a idéia. De novo examinei as pedras diminutas,
transparentes e luminosas e tentei encontrar a falha. Não consegui.
Os pequenos diamantes porque era disso que se tratava me
pareceram perfeitos. Não eram birrefringentes (de refração dupla).
Quanto ao índice de refração, deu quase idêntico ao dos
verdadeiros. Só o fogo - quatro vezes superior despertava
suspeitas.
Somei as peças. Vinte. A maioria de alguns milímetros e três ou
quatro, de dois centímetros e meio.
Incrível!
Com efeito, as falsas pedras preciosas podiam nos tirar do aperto.
Contente, Eliseu foi mostrar sua mina particular. O engenheiro
havia colocado em marcha uma reduzida câmara de deposição,
fazendo crescer várias lâminas de diamante. Para isso, auxiliado pelo
computador central, utilizou filamentos de tungstênio, mantendo
pressões inferiores à atmosférica(15).
Algumas descargas de microondas, gerando hidrogênio atômico,
fizeram o resto, propiciando o crescimento das pedras sintéticas. O
resultado, repito, foi impecável... e salvador.
Com um pouco de sorte, aqueles diamantes seriam trocados por
moedas de uso legal ou por artigos que, necessariamente, seríamos
obrigados a utilizar e a consumir no périplo que nos esperava.
A operação, também sabíamos disso, não era muito ortodoxa, mas,
dadas as circunstâncias, não tínhamos escolha.
E, ao romper do dia, aquele sábado, 24 de junho, meu irmão e este
que aqui escreve enchemos as sacolas de viagem, despedindo-nos
do porta-aviões. A sorte estava lançada...
Uma nova e fascinante aventura se abria diante de nós.

*15. Além do tungstênio, Eliseu experimentou tochas de oxiacetileno, ricas em
combustível. Essas chamas terminam produzindo hidrocarburetos de baixo peso
molecular, assim como hidrogênio atômico, condensando-se em diamantes. Junto ao
substrato e ao filamento foi colocado um tubo alimentador que abastecia o hidrogênio e
o metano, sempre a uma pressão de 0,1 atmosfera. O tungstênio esquentava os gases,
rompendo seus laços moleculares e fazendo com que o hidrogênio atômico eliminasse os
átomos de carbono, permitindo assim o desenvolvimento dos cristais de diamante. Cada
uma dessas preciosas lâminas alcançou uma espessura de 250 micrometros. (N. do m.)
DE 1 A 7 DE SETEMBRO
Eliseu e eu nos olhamos. E instintivamente apertamos o passo. Por
que esconder que a dúvida nos consumia? Continuaria tudo igual?
Já se haviam passado dois meses. Dois longos e intensos meses.
Meu Deus! Tínhamos de acabar com aquela incerteza cruel! Em que
estado encontraríamos a nave? Melhor dizendo: nós a encontraríamos?
Meu irmão, grande conhecedor da blindagem do berço e dos
cinturões que o protegiam, pediu calma.
E com o sol a pino, divisamos por fim a zona morta, na popa do
Ravid.
Esperamos na beira do caminho. Várias fileiras de cavalgaduras
carregadas cruzaram rápidas em direção a Migdal.
Era sexta-feira, 1 de setembro, e os burriqueiros queriam descarregar
as mercadorias antes da chegada do sábado.
Caminho livre...
Vencemos o desnível e, em segundos, alcançamos o caminho da
macieira de Sodoma. Aqueles foram, provavelmente, os instantes
mais duros.
A suave ladeira aparecia tranqüila e solitária, como sempre.
Mas...
Desta vez foi meu irmão quem se apressou.
- Vamos! Os crótalos!...
Era isso, claro. E a visão infravermelha foi uma benção.

Aquele suspiro soou perfeito.
Eliseu deixou-se cair no chão e, vencido pela tensão, chorou
baixinho. Eu entendi. Eu também teria chorado. Mas fazia muito
tempo que minhas lágrimas tinham secado.
A nave, na tela em IV, em prata, vermelho e laranja, se apresentou
diante de mim como a mais bela das visões. E o fez como um relógio:
éramos nós que falhávamos, que tínhamos dúvida...
Continuamos avançando e, oitocentos metros à frente, ao irromper
no cinturão infravermelho, o fiel e eficaz Papai Noel reagiu em cima,
alertando-nos por meio da cabeça de fósforo(1).
- Tudo bem!... Foi de primeira!
Eliseu, feliz, saiu de perto de mim, correndo como um gamo em
direção ao vértice do porta-aviões.
A bem da verdade, e nós reconhecíamos isso, a longa ausência fora
uma espécie de ensaio geral para o terceiro salto. Acho que nos
serviu, em especial, sob o ponto de vista estritamente psicológico.
Aprendemos alguma coisa que acabaria sendo muito útil: nos
separarmos do berço e não ficarmos obcecados com sua segurança.
Papai Noel era um aliado merecedor de mais respeito e
confiança...
E durante dois dias acho que com todo o merecimento negamonos
a iniciar qualquer outra atividade. Foram 48 horas de absoluto
descanso. Precisávamos respirar. Era preciso que a mente e o espírito
tivessem um mínimo de repouso. A Operação Salomão, com toda
*1. Embora ache quejá expliquei isso, vou insistir no assunto. Por causa do dramático
incidente na cripta de Nahum, meu irmão fez algumas modificações na conexão auditiva.
Uma delas consistiu na reprogramação do computador central, de forma que, na
ausência de ambos os exploradores, qualquer intruso que penetrasse na zona de
segurança IV pudesse ser detectado por nós, desde que estivéssemos dentro dos limites
da referida conexão auditiva (15.000 pés). Para tanto, Papai Noel traduzia os
impulsos provocados pelo target em sinais eletromagnéticos de 0,0001358 segundo
cada um, sendo pontualmente remetidos até a cabeça de fósforo do explorador.
Graças a essa correção, estávamos em condição de averiguar se alguém ou alguma
coisa rondava o berço. Claro que antes de proceder ao terceiro salto, o alcance
dessa medida de segurança foi ampliado a quase o dobro: 30.000 pés.
(N. do m.)

Honestidade, tinha-nos deixado exaustos(2). Por outro lado,
conscientes que havia chegado o grande momento, deixamos espaço
para a reflexão. Cada um, de seu lado, procurou preparar-se
mentalmente.
Estávamos prestes a realizar o velho e ansiado sonho: voltar no
tempo a nos reunirmos ao querido e admirado Jesus de Nazaré. Sim,
um ideal era a culminância de todas as minhas aspirações na vida. E
acho que não erro ao dizer que com Eliseu acontecia a mesma coisa.
É difícil explicar. Ter conhecido esse Homem foi o maior
acontecimento em nossas vidas. E, logicamente, não iríamos
desperdiçar aquela ocasião de ouro.
Ainda assim, ao anoitecer do sábado, 2 de setembro, tivemos uma
conversa serena. Fui eu quem levantou o assunto, para surpresa e
desconcerto do meu irmão.
- Ainda temos tempo eu disse com frieza. - Se você não quer, se
não está seguro, cancelamos o projeto. Agora mesmo voltamos para
casa...
Ele não me deixou terminar. Estava preparado e ansioso. Não havia
mais nada que falar.
Insisti, lembrando-lhe do que ele já sabia. As novas inversões de
massa poderiam acelerar o mal que nos afligia.
Foi inútil. Aquele Homem era para ele o mais poderoso dos ímãs.
- Se eu renunciasse lamentou -, como você acha que seria o resto
de minha vida?
Fiquei cheio de satisfação e orgulho.
E implacável, ele disse:
- Agradeço sua gentileza, major, mas à merda os neurônios! Ele
merece tudo isso!
Eu não teria me expressado melhor.
O Mestre começava a dar sentido à minha pobre e vazia existência.
Por que dar prioridade agora à saúde se eu estava diante da
verdadeira fonte da vida?

*2. Ao longo deste diário não aparece informação alguma sobre a citada Operação
Salomão. Só numa das páginas, como veremos mais adiante, o major oferece uma
breve e intrigante pista. Ignoro, assim, em que consistiu essa aventura além das
fronteiras de Israel. (N. Do a.)
Apressaríamos o passo. Chegaríamos ao final.
Transformar-nos-íamos em sua sombra. Nada ficaria oculto. O
mundo e as novas gerações tinham o direito de saber...
Na manhã seguinte, eufóricos, dividimos o trabalho. Meu irmão
revisou os preparativos para o terceiro salto e eu de novo consultei
o instrumental científico que nos acompanhou na Operação Salomão,
alimentando de resultados e medições a base de dados do
computador.
Segunda-feira, dia 4, embora o plano tivesse sido estudado até o
limite, nos sentamos diante do monitor do computador, checando
procedimentos e avaliando as informações disponíveis.
A princípio, tudo pareceu em ordem. Melhor dizendo, nem tudo.
A grande dúvida continuava sendo a data prevista para o
retrocesso no tempo.
As notícias dadas por Zebedeu pai pareciam sólidas. Contudo, a
confusão dos íntimos em relação ao início da vida de pregação de
Jesus de Nazaré nos preocupava. Para uns o início do ministério se
deu no batismo no Jordão, outros falavam do célebre e misterioso
milagre de Caná. Os demais associavam-no à morte de João
Batista. Em resumo, um quebra-cabeças.
Finalmente, correndo riscos, escolhemos a proposta de Zebedeu. O
ancião de Saidan nunca tinha falado do começo da vida pública.
Baseado no que foi ditado pelo próprio Rabi, ele estimava que,
antes do período de pregação, Jesus dedicara alguns meses a
outras atividades de grande interesse e transcendência. Aquilo nos
deixara intrigados. Nos textos dos evangelistas não há menção
alguma a essas outras atividades.
Isso também não é de estranhar. Em meio ao desastre das
narrações evangélicas, podíamos esperar qualquer coisa.

Nós iríamos averiguar tudo. O desafio nos entusiasmou.
O que acontecera nesses meses anteriores ao ministério público?
Por que Zebedeu os qualificou de especialmente importantes? E se
assim o foram, por que os escritores sagrados (?) mantiveram silêncio
sobre isso? Estava decidido.
De comum acordo, Eliseu e eu fixamos a data: agosto do ano 25.
A propósito, agora que menciono isso, continuo sem saber o que
fazer com a valiosa documentação que me deu o velho Zebedeu.
Devo Incluí-la neste diário? Enterrá-la de uma vez? Por que hesito?
Será que os acontecimentos durante esses anos secretos poderiam
escandalizar hoje as pessoas de boa vontade? Bem, mas não devo
desviar minha atenção. Vou deixar tudo nas mãos dEle... como
sempre.
Ano 25!
Isso significava um acompanhamento de mais de quatro anos.
A missão assim determinamos terminaria, inexoravelmente, em
Fevereiro ou março do ano 30. Do contrário, estaríamos de novo
diante do perigoso fenômeno da ubiqüidade.
Eliseu, imune ao desalento, achou ótimo prolongarmos a aventura.
Este que aqui escreve, mais cauteloso, guardou silêncio.
Claro que a idéia me fascinava. Só pensar em viver ao lado do Filho
do Homem durante tanto tempo me fez vibrar. Mas a missão devia
ser vista também no seu conjunto. Nem tudo se mostrava tão claro e
promissor. Embora eu tenha tentado esquecer tudo, na minha
memória ressoavam, implacáveis, os fatos inquietantes vividos como
conseqüência das sucessivas inversões de massa.
Aquela ameaça podia nos arruinar, acabando num instante com o
sonho dourado. E no meu cérebro, com uma força inusitada como se
fosse um aviso -, foram desfilando os relatórios de Curtiss, mostrados
a estes exploradores pouco antes do segundo salto. Neles, como já
mencionei, os especialistas da base de Edwards recomendavam a
suspensão imediata do projeto. Nas provas com ratos de laboratório
detectaram uma grave alteração em algumas colônias neuroniais
provocadas, parece, pelo processo de inversão axial dos swivels. Nas

microfotografias aparecia com clareza. Alguma coisa superexcitava
os neurônios, multiplicando o consumo de oxigênio e os destruindo.
(Os pigmentos do envelhecimento - lipofuscina - nos neurônios e
em outras células fixas pós-mitóticas não deixavam dúvida.) Vi
também a misteriosa caixa secreta, instalada pelo Cavalo de Tróia
na nave. Uma caixa aberta por meu irmão que comprovaria o que fora
anunciado pelo general: nosso mal era irreversível. Com sorte,
tínhamos mais nove ou dez anos de vida. O experimento com as
drosófilas (as diminutas moscas do Oregon) fora definitivo: nos
décimos de segundo consumidos na inversão axial, o DNA nuclear
sofria uma mutação desconhecida.
Como resultado, várias redes neuroniais envelheciam progressivamente,
e nós com elas.
Essa dramática situação podia deteriorar-se muito mais (?) com
novos retrocessos no tempo. Havia, por exemplo, o desmaio sofrido
por Eliseu em 9 de abril, quando nos dispúnhamos a aterrissar no
monte daS Oliveiras. Havia a perda de sentidos que eu tivera, nesse
mesmo dia, quando me dirigia ao andar superior da casa dos Marcos,
em Jerusalém. Havia, enfim, a ressaca psíquica que me assaltou
durante os momentos críticos que vivi no subsolo da casa de Ismael,
o saduceu, em Nazaré.
Não, nem tudo era tão claro e promissor.
Entretanto, absorvi as lembranças amargas. Havíamos aceitado o
risco. Fizemos isso livre e conscientemente. Pra frente! Além do mais
Ele nos protegeria...
Terça-feira, 5 de setembro.

Tensa espera. A meteorologia nos obrigou a adiar o lançamento.
Uma inoportuna tempestade, procedente do Mediterrâneo, pairou
sobre a região. E nos fez ficar em dúvida. Podíamos nos arriscar e
levantar o berço. O vento cortante não o teria desestabilizado
muito. Mas também não havia pressa. Minto. Ambos queríamos fugir
o quanto antes daquele suplício. A tensão era insuportável.
A cautela, porém, se impôs. Aguardaríamos.
Eliseu não esperou os últimos minutos. Pulou o programa e, com a
ajuda de Papai Noel, desmanchou os cinturões de segurança que
nos protegiam. Todos menos um: a barreira de microlasers que varria
a popa do Ravid à razão de uma centena de varreduras por
segundo. Essa foi a única proteção naquelas horas derradeiras.
Quanto a mim, tratei de relaxar, revisando, pela enésima vez, a
rota a seguir na tentativa de localizar o Mestre.
Consegui mais ou menos, claro...
Quarta-feira, 6 de setembro.
Pouco antes do crepúsculo, os barômetros do módulo subiram.
Foi uma subida lenta, mas progressiva.
Isso, contudo, em lugar de nos tranqüilizar, disparou nossa
ansiedade. Que eu lembre, em nenhum dos lançamentos tínhamos
sofrido um nervosismo tão acentuado. Talvez fosse natural. A
iminente inversão a quarta era crucial.
Crucial? Acho que estou sendo benevolente. Se os neurônios
desmoronavam nesse retrocesso, quem sabia o que nos reservava o
Destino? E a palavra morte rondou de novo Não obstante, contendo
firmemente os temores, cada um de nós procurou evitar o assunto da
melhor forma que pôde e soube. Passeamos.
Investigamos os horizontes. Verificamos a meteorologia.
Fizemos projetos. Conversamos e, sobretudo, nos refugiamos em
nós mesmos e nessa esplêndida e enigmática força que nos
assistia.
1.020 milibares.
A noite, serena e estrelada, tentou... quis nos apaziguar.

Foi inútil.
Não houve maneira de conciliar o sono.
A ameaça de tempestade foi embora e, uma vez estabilizado o
tempo, o computador central recomendou a decolagem para as 6:00
horas do dia seguinte, quinta-feira, 7 de setembro. O salto não
devia demorar muito. A partir do meio-dia, o irritado maarabit, o
vento do oeste, irromperia pontual no yam. Por isso era bom nos
adiantarmos.
1.030 mbar.
Respiramos.
O tempo definitivamente ficou do nosso lado.
Por volta das três da madrugada, duro e reto como uma lança, meu
irmão pulou da cama. Sentou-se na frente dos controles e digitou.
Ficou assim durante uma hora. Depois, dirigindo-se a mim, mostrou
uma folha de papel. Sorriu e pediu que eu a lesse.
Ao verificar o conteúdo, respondi com outro sorriso. Aquele jovem
brilhante e entusiasta não tinha jeito.
Às cinqüenta perguntas já feitas antes todas destinadas a Jesus
de Nazaré -, ele havia acrescentado outras cinqüenta, cada uma mais
insólita e comprometedora que a outra. A bem da verdade, nesse
instante crítico não prestei maior atenção às inquietações de Eliseu.
Mas o piloto falava sério, muito sério.
Em questão de dias eu teria a oportunidade de comprovar isso.
5:00 horas.
Fiquei em pé. E com um olhar, meu irmão me entendeu.
Havia chegado o momento.
O amanhecer, previsto para 37 minutos mais tarde, marcaria o
começo da contagem regressiva.
Respirei fundo e senti que aquela força benéfica me empurrava
para o posto de pilotagem.
Bem, vamos lá... E as últimas palavras do Ressuscitado no monte
das Oliveiras soaram forte e claro na minha memória: Meu amor vos
protegerá... Até breve! Até breve!... Até breve!...

Quinta-feira, 7 de setembro.
5:30 horas.
A sete minutos do romper do dia.
Enfiados nos trajes especialmente desenhados para a inversão de
massa, fizemos a revisão de rotina dos parâmetros do vôo.
Papai Noel, alertado, já havia feito a leitura. Mas nós queríamos
ter certeza.
- Caudalímetro...
- Leio sete mil duzentos e onze...
- Câmbio. Entendi sete mil...
- OIC... Sete mil... Você continua achando que o computador deve
pilotar?
- Afirmativo... É melhor assim...
A insinuação de Eliseu não me alterou. Meditei friamente. O
berço decolaria, ficaria estacionário, retrocederia no tempo e
voltaria a aterrissar no automático.
Eu não queria correr riscos. A lembrança do incidente no cume do
monte das Oliveiras, quando meu companheiro perdera a
consciência, não saía da minha cabeça. Com Papai Noel no
comando, caso se repetisse o desmaio, não sofreríamos o menor
percalço. Isso, naturalmente, era o que eu queria; se a técnica iria
responder ou não, era outro problema.
E o Destino bendito seja me iluminou.
- Repete combustível...
- Câmbio. Leio sete mil duzentos e onze... sem a reserva.
Aquele era outro problema de que não podíamos nos descuidar.
A nave dispunha de mais ou menos sete toneladas de tetróxido de
nitrogênio (oxidante) e uma mistura, de 50 por cento, de hidracina e
Dimetil hidracina assimétrica. Embora a manobra prevista fosse
breve, o consumo de carburante devia ser controlado de forma
rigorosa. O vôo de volta a Massada, com sorte, exigiria quase 6.900
quilos de combustível. Em outras palavras, estávamos no limite. A

menor falha, qualquer ocorrência inesperada, nos colocaria numa
situação altamente comprometedora. - Apeesse... (sistema de
propulsão de subida).
- OK... - Bee mag (giroscópio de posição).
- OK...
- Ces... (seção de controle eletrônico).
- Tudo limpo...
- Dap... (piloto automático digital).
- De primeira...
As primeiras luzes do amanhecer reconstituíram os suaves perfis da
margem oriental do yam.
O tempo parecia excelente: ventos calmos, visibilidade ilimitada,
umidade de 70 por cento, temperatura em alta (20 graus naquele
momento)...
Em resumo: tudo pressagiava uma decolagem sem incidentes.
Porém...
- Fait (fogo no agulheiro: subida cancelada).
- OK...
- Imu... (unidade de medição de inércia).
- OK...
- Indicadores de velocidade.
- OK...
5:40 horas.
- Erre ce esse... (controle de reação).
- De primeira classe...
- Atenção, Eliseu!... Esnap... (pilha atômica).
- Funcionando... e OK...
Meu irmão e eu respiramos aliviados. A SNAP era a alma do
módulo. Sem ela, nada teria sido possível. Não que tivéssemos
dúvida, mas depois de um período tão longo de inatividade...

- Cinco para a ignição...
- Câmbio...
- Vamos terminar de uma vez...
- Tranqüilo...
Meu irmão levantou a mão esquerda, pedindo-me calma.
Procurei me concentrar. Continuava sendo o chefe e não devia
piorar a situação crítica.
- Estou sentindo... Dê-me erre eme ene... (dispositivos de
ressonância magnética nuclear).
- Ativados..., e nas mãos do seu namorado.
Agradeci a piada. E a tensão afrouxou.
Papai Noel, meu namorado, tomou o controle da RMN.
No primeiro momento tivemos dúvida. Devíamos incluir esse
sistema de controle na quarta inversão axial?(3). No segundo salto,
como já expliquei em outras páginas deste diário, ele foi decisivo,
demonstrando que os especialistas de Edwards tinham razão. Eu
pensei e, finalmente, concluí que isso era o certo. Nós nos
submeteríamos à revisão da RMN. Embora a doença fosse
irreversível, qualquer dado novo poderia ser útil. E, vencendo a
rejeição inicial de meu companheiro, ajustamos os escafandros nos
quais foram colocados os referidos dispositivos miniaturizados. A
RMN, como acho que já comentei, tinha por objetivo fotografar os
tecidos neuroniais durante a fração de tempo em que os swivels
variavam seus hipotéticos eixos. Esses cortes lançariam de forma
definitiva, mais luz sobre o estado das respectivas massas cerebrais.
*3. O fundamento da RMN se baseia na característica peculiar do núcleo de átomos
de hidrogênio. Em palavras mais simples: são como ímãs microscópicos, capazes de
originar um fenômeno de ressonância magnética. Submetendo os referidos átomos a um
campo magnético de alta intensidade ( 1,15 tesla, equivalente a um campo magnético
quase 34 mil vezes superior ao do campo magnético terrestre na zona do Ravid), os
núcleos de hidrogênio se alinham. Ao serem estimulados mediante ondas de rádio, os
núcleos atômicos giram sobre si mesmos, perdendo a energia inicial na forma de
radiação. Esta pode ser captada e processada com o auxílio de Papai Noel, sendo
traduzida para imagens. Nossos dispositivos RMN, trabalhando num campo de duas
teslas, podiam explorar a totalidade das massas cerebrais, interpretando cada órgão e

região em três dimensões e reconstruindo os cortes em forma sagital, axial ou oblíqua.
(N. Do m.)
6.00 horas.
- Ignição!...
Papai Noel, fria e inapelaveLmente, deu luz verde.
- Vamos embora!...
Retivemos a respiração. E os corações aceleraram no ritmo do
poderoso J 85. Uma vibração familiar sacudiu o módulo.
- Ânimo, Papai Noel. É todo seu!...
Um segundo depois, a turbina de jorro CF-200-2V elevava o berço
com um empuxo de 1.585 quilos.
- Atento!... Dê-me caudalímetro...
- Câmbio...Queimando a 5,2...
- OK...Um pouco mais!...
A decolagem, por causa da escassez de combustível, seria
concluída a uma altura máxima de 80 pés. Isso foi o programado pelo
computador. Como medida preventiva, cada estacionário foi fixado
pelos diretores da Operação a 800 pés sobre o terreno em que
deveríamos pousar. Essa margem, em princípio, evitava qualquer
possibilidade de choque no instante crítico do retrocesso no tempo.
Nessa ocasião, discutimos a anulação da subida da nave. O cume
desnudo do Ravid não parecia haver mudado no transcurso dos
últimos anos. Dessa forma, fazendo o estacionário só a sete ou dez
metros do cume, o gasto teria sido praticamente nulo. Mas,
sinceramente, não nos atrevíamos.
Era melhor agir com prudência e nos elevar a uma altitude que
oferecesse todas as garantias e, é claro, que permitisse um consumo
mínimo.
- Três segundos e subindo a quatro...
- OK... dê-me combustível...

- Continua a 5,2. Leio 16...
- Câmbio... Entendi 16 quilos...
- Afirmativo... Dezesseis e subindo a quatro por segundo...
- Vamos, vamos!... - Preparados os auxiliares...
- OK... Tranqüilo, seu namorado sabe...
- Cinco... seis...
- Ativar foguetes...
Papai Noel, infinitamente mais sereno, ativou os auxiliares
estabilizando o módulo a 80 pés.
- Leio seis e dois... Bravo!
De fato, a nave subiu lenta e docemente, à razão de quatro metros
por segundo, queimando de acordo com o previsto: 5,2 quilos por
segundo. Tempo invertido até o estacionário: seis segundos e seis
décimos.
- Caudalímetro... Dê-me caudalímetro...
- O previsto. Trinta e quatro...
- Câmbio... entendi 34...
- OK... Afirmativo. Trinta e quatro vírgula trinta e dois...
- Preparados!...
- Membrana exterior ativada...
- Incandescência!... Já!
O computador disparou os circuitos de incandescência que cobriam
a fuselagem, destruindo assim qualquer germe vivo que pudesse ter
aderido à estrutura. Essa precaução, como detalhei antes, era
essencial para evitar a posterior inversão tridimensional dos
mencionados germes nos diferentes agora aos quais nos
dirigíamos. As conseqüências de um involuntário ingresso de tais
organismos em outro tempo teriam sido fatais.
- Sete... Oito...
- OK!... Inversão!
Aos nove segundos e dois décimos da decolagem inclusive antes

do previsto -, Papai Noel nos levou, por fim, ao instante decisivo: a
inversão axial das partículas subatômicas do módulo todo. E fez
retroceder os eixos do tempo dos swivels aos ângulos previamente
estabelecidos: os correspondentes às 6 horas da quarta-feira, 15 de
agosto do ano 25 de nossa era.
E imagino que, como era habitual, a aniquilação foi acompanhada
do inevitável estampido.
15 DE AGOSTO, QUARTA-FEIRA (ANO 25)
Jasão!... Não enxergo!... Oh, meu Deus!...
Não me lembro de mais nada. Nem sequer consegui desviar os
olhos em direção ao meu irmão...
Alguma coisa tinha sido cravada no meu cérebro. Fora um golpe
agudo.
Depois chegaram os círculos. A escuridão e uns círculos
concêntricos. Uma espiral luminosa que invadiu minha mente.
E caí. Caí devagar, em câmara lenta, num abismo negro e
interminável...
Depois, nada. Silêncio.
Mas o Destino teve piedade.
Quando acordei, um Eliseu suado e enfraquecido batalhava para
me tirar o escafandro.
Ele falou alguma coisa, mas não entendi.
- Jasão, responde!... Não me deixe sozinho com este monstro!... Ele
conseguiu!...
Pensei que tínhamos morrido. Aquilo não era real.

Meu Deus!... O que terá acontecido? Onde tínhamos ido parar?... E
a nave?...
O céu quis que, lentamente, eu fosse me recuperando. Só então
comecei a entender. Meus temores se concretizaram.
Alguma coisa falhara. Alguma coisa viera abaixo no momento da
inversão axial.
Mas, e o berço?... Deus!... Estava em terra! Eu me livrei do solícito
Eliseu e, de um salto, coloquei-me diante dos controles.
- Calma! - disse meu companheiro -. Ele já fez tudo...
Estamos a salvo... Se ele não fosse seu namorado, eu até me
casaria com ele...
Precisei de alguns minutos para captar o sentido daquelas
refrescantes palavras.
Inspecionei o painel de comando. Olhei pelas escotilhas.
Voltei de novo ao Papai Noel...
Afirmativo. O computador, no automático, havia terminado a
operação. E de que maneira!
Nada ficou ao acaso. O computador, fiel ao plano diretor, fez
descer o módulo. Desligou o J 85 e, para o cúmulo da eficiência,
soltou todos os sistemas e cinturões de segurança.
Eliseu, com um leve e afirmativo movimento de cabeça, confirmou o
que tinha à vista. E teve a gentileza de me parabenizar:
- Major... nunca mais volto a duvidar... Você é o maior! Sentei em
silêncio e fixei os olhos nos dígitos verdes que anunciavam o novo
agora. Tive de fazer um esforço. Um suor frio e uma leve
instabilidade entorpeciam meus pensamentos.
6 horas e 20 minutos..., de 15 de agosto, quarta-feira...
Ano 25 de nossa era (778 A.U.C. E 3786 do cômputo judaico)(1).
Custei a reagir. Se o retrocesso foi planejado para aparecer às
seis da manhã, esses 20 minutos a mais representavam o tempo que
havíamos permanecido inconscientes.
Deus!... Aquilo era realmente grave.

Eliseu, como eu, estava com uma expressão preocupada.
Extrema palidez. Contudo, a bem da verdade, eram relativamente
boas a coordenação motora, a fluência de pensamentos e o estado
geral do organismo. Essa ao menos foi minha impressão.
*1. O ano 25 correspondia ao 778 ab Urbe Condita (desde a fundação de Roma). Por
seu lado, os judeus fundamentalmente os ortodoxos se encontravam em 3786
(consideravam o ano 3761 a.C. Como o momento da suposta criação do mundo e
contavam a partir daí). No ano 50 a.C., Júlio César modificaria o antigo calendário
romano. Sosígenes, responsável pela mudança, preferiu o cômputo solar, abandonando
o lunar e introduzindo os bissextos. Assim se tentou corrigir o grave desajuste provocado
pela cronologia lunar, fixando o ano em 365,25 dias.
(O equinócio da primavera, por exemplo, com o cômputo lunar, chegou a cair em
maio, quando, na verdade, devia ser celebrado em março.) Esse calendário juliano
esteve em vigor até 1582, data em que foi reformado pelo papa Gregório XIII. (N. Do
m.)
Mas vamos por partes. Haveria tempo para tentar averiguar o que
acontecera na inversão de massa. Estávamos vivos. Isso era o que
importava, e não era pouco.
Agora, a prioridade era o berço e nossa situação no novo
tempo.
Revisamos todos os parâmetros.
Papai Noel nos deu um panorama prometedor: Tempo de
inversão: 16 segundos e 6 décimos. Consumo total de combustível:
86,32 quilos. Perfeito. Inferior ao programado. O computador havia
pilotado com uma habilidade de primeira...
Isso nos permitia uma bela respirada. As reservas de oxidante e
carburante somavam 7.124,68 quilos. Suficientes para o vôo de volta,
desde que a nave ficasse definitivamente imobilizada.
E foi isso que decidimos. Por nada deste mundo tocaríamos
naquelas sete toneladas.
Deterioração: nenhuma.
Eliseu resmungou alguma coisa. Eu lhe dei razão. papai Noel
tinha se esquecido destes dois exploradores maltrapilhos.
Quanto à segurança, nenhuma objeção. O primeiro cinturão o
gravitacional foi estabelecido pelo quase humano computador a

205 metros do berço. Os hologramas, com as imagens das terríveis
ratazanas-topo, entre 1.000 e 1.500 metros do vértice em que nos
havia pousado de forma magistral.
A radiação IV (infravermelha) a 1.500 e, por último, o olho do
ciclope foi disparado até a altura da macieira de Sodoma, na popa
do Ravid.
A única coisa da qual não cuidou foi a desconexão da pilha
atômica, a SNAP. Mas isso não foi culpa sua. Fui eu quem, por
prudência, não a inclui no sistema automático.
Meu irmão desligou a pilha e a energia elétrica passou a sair das
baterias solares.
Apesar dos pesares, respiramos. E nos sentimos mais ou menos
otimistas. Aquele retrocesso de 1.848 dias poderia ter sido pior.
Pouco depois, por volta das 8:00 horas, já bem descansados,
empreendemos a última fase da revisão obrigatória, com a
observação direta, e sobre o terreno, da parte de cima do portaaviões.
A primeira coisa que nos chamou a atenção foi a mudança térmica.
O cume era quase um forno. Os sensores do berço marcavam 30
graus Celsius. Um anticiclone, montado em 1.035 milibares, era dono
e senhor do yam. Logo nos acostumaríamos.
Agosto, naquelas latitudes, era tórrido e sufocante.
Mal sentimos as mudanças. A planície continuava solitária, visitada
só por aquele sol estival, cada vez mais alto e impiedoso.
A vegetação escassa, em particular os heróicos cardos as
Gundelim de Tournefort -, quase havia sucumbido. Agora se via
ressecada e cinzenta entre os azuis das agulhas calcárias e o negro
brilhante e resignado das pedras basálticas.
Descemos até a popa e comprovamos, com alegria, que a
macieira de Sodoma o Calatropis procera cinco anos mais jovem -
continuava mantendo uma notável envergadura, luzindo milhares de
flores prateadas e aquele fruto maldito para os judeus.
O resto do caminho, através de precipícios escarpados, foi
igualmente satisfatório.

Embaixo, em direção ao oeste, junto ao caminho que unia Migdal a
Maghar, vimos a familiar plantação verde e tranqüila dos felah.
E ao fundo, o yam, o mar de Tiberíades, azul metálico, pacífico, com
gaivotas pairando sobre ele.
Mais ao norte, ao longe, um gigante com o rosto nevado: o
Hermon.
Ficamos em silêncio. E ao contemplar o maciço montanhoso, acho
que pensamos a mesma coisa. Ali, em alguma parte, achava-se o
saudoso Rabi da Galiléia...
Nós o encontraríamos. Lançamos um último olhar para os
povoados à beira do lago e, impacientes, voltamos ao nosso lar.
Tudo na base-mãe-três, em resumo, estava sob controle.
Tudo. O que mais queríamos?
A verdade é que Eliseu se irritou. Não lhe faltava razão.
Mas me mantive firme. Devíamos ser audaciosos, sim, mas também
sensatos e precavidos. Esquecer o ocorrido na recente inversão axial
não nos ajudava.
Tínhamos de conhecer o verdadeiro alcance do problema.
Nova queda dos neurônios como eu imaginava era grave, o
sonho perigava. Em qualquer momento, a operação em busca de
Jesus de Nazaré podia ser interrompida abruptamente.
Não, nem tudo estava sob controle.
Todo resto daquela quarta-feira, apesar do lógico mau humor do
meu companheiro, foi dedicado à análise exaustiva dos dispositivos
alojados nos escafandros: a RMN (ressonância magnética nuclear).
As microfotografias, ampliadas pelo computador, confirmaram as
suspeitas: alguma coisa desconhecida havia alterado regiões do
cérebro muito precisas. Concretamente, várias áreas neuroniais do
hipocampo.
Nas imagens dos espaços extracelulares detectamos microscópicos
depósitos esféricos não muitos, felizmente -, que associei com
acréscimos da proteína amilóide beta. Esse polipeptídeo aparecia
também em vasos sangüíneos do córtex cerebral.

Papai Noel, sempre com base na teoria, interpretou o dano como
conseqüência do crescimento desmedido da enzima responsável pela
síntese do ócido nítrico (o óxido nítrico sintasa). Esse radical livre,
muito tóxico, estava conquistando os grandes neurônios, aniquilandoos(
2). As células glia, por outro lado, que servem de apoio
metabólico às anteriores, estavam intactas. A alarmante situação,
unida à clara deterioração do DNA mitocondrial, me deprimiu muito.
Só uma coisa, contudo, não consegui acertar naqueles momentos:
onde estava a raiz primitiva da alteração dupla.
Devia considerar o no (óxido nitroso) responsável pela queda do
fornecimento energético do DNA mitocondrial? Ou era a inversão de
massa que provocava uma mutação no DNA, causando o descontrole
do óxido nítrico sintasa? (Como se sabe, os radicais livres aparecem
também como conseqüência de radiações ionizantes muito
específicas, oxidando as moléculas quer dizer, multiplicando os
átomos de oxigênio e alterando seu comportamento.
*2. Os neurônios especializados na secreção de acetilcolina apresentavam os axonos
e corpos celulares muito deteriorados, projetando-se desde a parte basal do
prosencéfalo até o hipocampo. A acelticolina, como se sabe, constitui um dos
neurotransmissores utilizados pelos neurônios para se intercomunicar. (N. Do m.)
Que tipo de radiação se registrava nesse instante infinitesimal
da inversão axial dos eixos dos swivels?) Com os meios ao nosso
alcance, obviamente, nem o computador nem este que escreve
estávamos em condições de esclarecer tais incógnitas. A única coisa
clara a RMN era inapelável é que o excesso de soNO começava a
devorar alguns setores dos grandes neurônios. Isso, não há dúvida,
poderia desembocar numa catástrofe generalizada, já insinuada nos
sucessivos desmaios. Essa catástrofe, se meu diagnóstico era
correto, iria se manifestando por meio de sintomas de
envelhecimento prematuro, possível perda de memória(3), confusão
espaço-tempoRal, Rejeição da Realidade e, finalmente, a moRte.
Bonito panoRama...
Mas devo ser honesto. Nem tudo foi cruel e pessimista. PaRa minha
surpresa, os cortes da ressonância magnética não indicaRam
nenhum vestígio de uma coisa que havíamos obseRvado antes do

segundo salto. Repassei tudo exaustivamente. E Papai Noel o
confirmou de novo: os pigmentos do envelhecimento (lipufuscina) que
vimos nas microfotogRafias pRocedentes da base de Edwards
instalados nos neuRônios e outras células pós-mitóticas... tinham
desaparecido! Explicação? Racionalmente, nenhuma. Aquelas redes
neuRoniais simplesmente tinham RecupeRado o bRilho. A única coisa
que pude deduzir foi que, por razões desconhecidas, a própria
inversão axial sufocara o mal, dando-nos de presente, isso sim, outro
ainda pior.
Um raio de espeRança?
Foi assim que inteRpretei tudo, como um náufrago se agaRrando a
uma tábua de salvação. Talvez nem tudo estivesse peRdido. Havia
ainda a possibilidade de que no quinto e, supostamente, último
salto no) tempo,se desse o milagre. Limparíamos então os
cérebros? Seríamos indultados?
*3. O estresse oxidativo, com a conseqüente liberação de radicais livres, pode estar
estimulado pela reação do NO cnm o ânion superóxido, erando petrnxinitritn, nm agente
nitrante de proteína implacável. Esse óxido nitroso podia, de fato, afetar as engrenagens
da memória, muito especialmente o sistema límbico, responsável pela memória, bem
como pelas emuções e pelo aprendizado em geral. Se consideramos que os neurônios
não se reproduzem depois do nascimento e que, a partir da segunda metade da vida,
ao redor de uns 5 por cento dos neurônius situados no hipocampo se perdem de forma
definitiva a cada dez anos, o quadro desses exploradores era extremamente delicado.
(N. Do m.)
Ingênuo, acariciei essa remota idéia.
O Destino, contudo, se encarregaria de colocar as coisas no devido
lugar. E esse lugar era o já indicado por Papai Noel quando meu
irmão, violando as normas, abriu a caixa secreta de aço das
Drosophilas: a expectativa de vida para nós não passava de nove ou
dez anos.
Prudente, guardei silêncio sobre os primeiros e dramáticos
achados da RMN, transmitindo a Eliseu só o tímido e hipotético
raio de esperança. Ele me olhou incrédulo, respondendo com um meio
sorriso. Imagino que tenha agradecido meu gesto, embora, a essa
altura, a deterioração neuronial também não lhe tirasse o sono. O

valente rapaz dava isso como consumado. Sua verdadeira
preocupação era outra: partir o quanto antes em direção a Hermon.
Finalmente, ajudado pelo computador, procurei soluções, numa
tentativa vã de brecar ou amenizar o avanço da destruição cerebral.
Meu Deus!... De onde tirar remédios tão específicos? A farmácia
do berço, se eu me lembrava bem, não havia sido provida desses
medicamentos tão especiais.
O glutamato, de fato, administrado com prudência(4), constituía
um excelente redutor, capaz de curar, a médio ou longo prazo, os
tecidos infectados pelo óxido nitroso.
4. Este aminoácido, como neurotransmissor, favorece o intercâmbio
sináptico entre os neurônios (em especial sobre o N-metil-Daspanato),
conseguindo a abertura dos canais iônicos, que, por sua
vez, promovem a migração dos íons de cálcio até o interior dos
neurônios. Com isso, obtém-se um benéfico impulso ativador.
Contudo, a administração do glutalnato exige cautela. Uma dose
excessiva pode provocar efeito contrário ao desejado: a chuva do
neurotransmissor, ao abrir os canais, encharca os neurônios,
asfixiando-os.
Muitos dos acidentes vasculares cerebrais ratificam isso. Em
resumo: se não se acerta a dose justa, o nefasto óxido nitroso
sintasa acaba por triplicar, aguçando o problema. (N. Do m.)
Quanto ao segundo composto o ter-butil -, se o tivéssemos à
mão, teria sido de grande ajuda como antioxidante, colaborando na
limpeza dos radicais livres e precipitando os níveis das proteínas
oxidadas. (Papai Noel advertiu também que os índices de
superoxidodismutasa e catalasa, enzimas responsáveis pela
desativação do NO, estavam muito baixos.) O que fazer? Que
caminho seguir? Como combater esse fantasma naquele agora e
com meios tão precários?
Eu me resignei, é claro. E fiz a única coisa que podia fazer:
aumentar a ingestão de vitamina E(5). Para tanto convinha selecionar
muito bem a dieta, incluindo principalmente um máximo de ovos,
leite, óleos vegetais, legumes verdes, manteiga, germe de trigo,
nozes, amêndoas e alguns peixes muito especiais (enguias,

sardinhas e, se possível, extrato de fígado de bacalhau, este último,
obviamente, de difícil obtenção naquele tempo).
Contava também com o auxílio da vitamina C e do betacaroteno,
como caçadores de radicais livres(6).
Era esse, enfim, o sombrio horizonte que tinha à minha frente.
Mas estava me esquecendo de uma coisa...
A verdade é que, deprimido, eu não lhe tinha dado a devida
atenção. Na ocasião a solução de Papai Noel, além disso, me
parecera tão complexa quanto arriscada. Simplesmente mencionou os
nemo. Conhecedor da eficácia desses microssensores, sugeriu a
possibilidade de injetá-los nos tecidos neuroniais. E traçou até
mesmo um minucioso plano, destinado ao ataque ao No e à
posteriori regeneração dos grandes neuronios. Os nemo estavam
capacitados, sem dúvida, para um trabalho indicado pelo
providencial e imaginativo computador central. Contudo
incompetência minha -, a ideia sem dúvida descartada naquele
momento. E eu as esqueci.
*5. Esta vitamina é um bom oxidante. Graças aos tocoferóis sobretudo ao
alfatocoferol, ajuda a conservar as membranas, permitindo a formação de complexos
com fosfolipídeos poliinsaturados. Parte do nosso problema como a aparição de
dermatite descamadora se achava potencializada pela referida oxidação grave dos
tecidos, que diminuía os valores plasmáticos da referida vitamina E. Essa queda, por sua
vez, repercutia na atividade da desidratasa de ácido aminolevulinico, vital para a síntese
do hem. (N. Do m.)
6. O fornecimento de vitamina C estava garantido por meio das frutas e hortaliças e
fígado de vaca ou vitela. As batatas, logicamente, eram inviáveis, já que no século I não
eram conhecidas no Velho Mundo. Com respeito ao betacaroteno da classe dos
pigmentos carotenóides -, podíamos ingeri-lo por meio de algumas hortaliças,
especialmente a cenoura. (N. Do m.)
Mas as surpresas não terminavam aí.
Aconteceu nessa mesma tarde da Quarta-Feira, dia 15, quando,
quase por inércia (?), alguma coisa me impulsionou a repassar o
conteúdo da farmácia de bordo. Foi curioso, muito curioso...
Eu conhecia esse inventário. Quase o lembrava de cor.

Contudo...
A princípio, fiquei desconcertado.
Estaria sonhando?
Não era possível.
Revisei os rótulos e olhei dentro.
Não, não estava sonhando. Aquilo era real.
Mas, como?
E um raio de esperança iluminou o túnel negro.
Deus do céu! Agora, sim, eu acreditava em milagres.
Mas como haviam chegado até ao berço? Quem os colocara ali?
Porque não fomos informados? Porque não figuravam no banco de
dados do computador?
Aos poucos, reflectindo, passei de uma alegria natural a uma
dúvida mortificante e, pior ainda, a uma crescente indignação.
Na câmara frigorífica localizada na popa se alinhavam, de facto,
três medicamentos tão inesperados quanto salvadores: Glutamato,
N-ter-butil-alfa-fenilnitrona e dimetilglicina.
Todos eles, como foi dito, com especial poder oxidante.
Eu acariciei esses remédios e, perplexo, tentei me lembrar.
Foi inútil. O general Curtiss jamais comentara sobre isso.
Ninguém nos dera antecedentes.
Então...
Filhos da...!
E uma suspeita feroz me devorou.
Aqueles medicamentos tão específicos haviam sido introduzidos no
módulo de forma sub-reptícia. Eles tinham deduzido que, cedo ou
tarde, nós descobriríamos tudo. Mas por que não nos avisaram?
A resposta apareceu clara e instantânea:
Curtiss e sua gente sabiam mais do que nos tinham contado...
A partir dessa conclusão, tudo se encaixou.

Uma comédia! Tudo tinha sido uma comédia.
Os responsáveis pelo Cavalo de Tróia conheciam o verdadeiro
alcance do mal de que sofríamos. Souberam de sua existência muito
antes do início da operação. E, apesar disso, foram em frente, nos
sacrificando.
Sim, um puro e triste teatro. As dramáticas palavras de Curtiss em
Massada, ao mostrar os relatórios de Edwards, haviam sido só isso
teatro. Ele tinha indicado parte do mal, mas, sabendo do nosso
interesse por aquela aventura, jogou com a confiança e a boa
vontade de Eliseu e deste que aqui escreve. Muito esperto...
Pobres e incautos exploradores!
Informar-nos? Se tivessem feito isso, nenhum piloto em seu perfeito
juízo teria se oferecido para esse suicídio. Não num primeiro
momento, quando ainda ignorávamos quem era na realidade Jesus
de Nazaré.
Mas, à medida que fui refletindo, a indignação cresceu e cresceu.
Fui juntando as pontas e compreendi que a misteriosa atitude
daqueles militares era mais vil e desprezível do que eu imaginava.
Ao voltar para casa, meu irmão e eu acabaríamos confirmando
isso(7). Não erramos nem por um milímetro.
Por que os antioxidantes só entraram no berço no segundo
salto? Por que não no primeiro? Muito simples: não chegaram a
tempo.
Curtiss e os diretores do projeto decidiram fornecer os
medicamentos na primeira aventura. Mas, não podendo contar com
eles, decidiram arriscar. Melhor dizendo, arriscar nossas vidas. E a
segunda experiência sem querer tornou-se um magnífico banco de
provas. Foi então que depositaram os medicamentos na farmácia -
e não por caridade, mas sim como parte do experimento sujo.
*7. Se os dois primeiros medicamentos eram difíceis de obter, o terceiro a
dimetilglicina era ainda mais difícil.
Eliseu e eu, depois de discretas averiguações, soubemos que o Cavalo de Tróia
encomendara esses medicamentos no verão de 72.
Quer dizer, seis meses antes do primeiro lançamento. Isso confirmava nossas
suspeitas. A N,N Dimetilglicina pura foi comprada nos prestigiosos laboratórios Da Vince,

que, posteriormente, a venderia como Glucônico DMG. (N. Do m.)
Misteriosos? Não, o qualificativo não era bem esse...
Mas havia mais. Alguma coisa que continuou perturbando meu
coração, fazendo-me desconfiar da bondade daquele projeto
bastamente esplêndido. É que, no fundo, haviam cometido um erro.
Eu deduzi isso ao contabilizar os frascos que continham os referidos
oxidantes. Somei dez para cada um dos específicos.
Para que tantos?
Um outro medicamento contava com estoques tão exagerados. A
etilglicina, por exemplo, constituía um total de 900 comprimidos!
Considerando que a dose ótima era de 125 miligramas (ou seja, um
comprimido) diárias por pessoa, essas 900 unidades permitiam fazer
o tratamento durante 450 dias! Que coisa estranha!
Oficialmente, o segundo salto não deveria ir além dos 40 ou 45
anos no novo agora histórico.
Esquisito, de fato muito esquisito. A intuição me abriu os olhos.
Naquele momento era impossível comprovar, mas meu instinto se
manifestou claro e forte: Curtiss desconfiav a ou sabia que nós
desobedeceríamos às ordens, lançando-nos numa terceira exploração.
Ele não tinha certeza disso, mas a intuição jamais se equivoca.
Deus! E ele não se equivocou!
Devo, porém, conter meus impulsos. Tudo no seu devido momento.
Uma vez mais, fiquei em dúvida. Devia informar Eliseu sobre esses
achados e deduções? Finalmente decidi pelo silêncio.
Para que sobrecarregá-lo com mais um suplício? A carga que
tínhamos já era suficiente.
Sim - disse para mim mesmo em forma de consolo -, faço isso
depois. Talvez na véspera do definitivo retorno ao nosso verdadeiro
lar.
Tentei guardar comigo o lado positivo. Os medicamentos que
acabava de descobrir eram um bom presságio. Proporcionariam um
alívio, injetando em nós novas forças.

Pobre ingênuo!
Nessa mesma noite iniciamos o tratamento. Eliseu, confiante, não
fez perguntas. Meu comentário sucinto, suponho, esclareceu a
situação:
- Veio da parte da Providência...
16 DE AGOSTO, QUINTA-FEIRA (ANO 25)
Coincidência? Eu me nego a admitir isso. Na verdade, era como se
o Destino tivesse pressa. Como se desejasse mostrar todas as cartas.
Especialmente as marcadas. Como se quisesse desvendar a outra
cara do Cavalo de Tróia. Como se pretendesse fazer isso antes do
arranque da nova missão.
E acho que conseguiu!
Acaso? Aparentemente, sim, mas hoje sei que a palavra é uma
miragem, uma péssima justificativa da Ciência para aquilo que não
controla.
Desta vez foi Eliseu o descobridor. E o desagradável achado
jogou lenha na já atiçada fogueira da desconfiança.
O incidente surgiu por causa de uma manobra de rotina.
Depois de pensar sobre isso, prevendo uma possível emergência, o
engenheiro em informática me pôs a par de uma coisa importante.
Alguma coisa que, honestamente, nós passamos por cima e que
poderia ter nos causado um desgosto na recente (?) Operação
Salomão (por sorte, esses meses estivais foram secos e muito
tórridos).

Como já expliquei, a visão infravermelha do berço e dos cinturões
de proteção na tela do computador dependia vitalmente da SNAP, a
pilha atômica. Muito bem, ao desligá-la, fazendo com que o
fornecimento elétrico passasse a ser feito com os espelhos solares,
meu irmão levantou uma séria dúvida lógica: que aconteceria se, em
nossas prolongadas ausências, o tempo mudasse? A resposta era
simples e grave: o sistema viria abaixo, deixando-nos sem proteção.
Se o céu ficasse nublado, diminuindo a radiação solar, os
acumuladores agüentariam, quando muito, cinco ou seis dias. Era
preciso encontrar, portanto, uma solução alternativa que nos
permitisse abandonar o Ravid sem medo. ; Eliseu estimou que o mais
prudente seria deixar o assunto nas mãos de Papai Noel. Era só
transferir uma ordem para que, em caso de emergência variação
meteorológica ou qualquer outra contingência -, o computador
ativasse automaticamente o SNAP, sustentando assim a infraestrutura
de segurança. Considerando que a pilha atômica tinha uma
vida útil superior a um ano, o perigo ficava eliminado.
Aprovei a idéia e, embora nossas ausências não devessem passar
nunca de quatro semanas, fomos em frente.
Foi no desenvolvimento dessa simples operação que meu irmão
ficou sobressaltado: descobriu alguma coisa com a qual não
contávamos.
Seguindo o procedimento, digitou no computador central e puxou a
lista correspondente: CD-GMS (código de acesso aos sistemas
gerais de manutenção). Repito, coisa de rotina. Ao introduzir a
ordem, Papai Noel a fazia sua, arquivando-a no sistema diretor.
Meu companheiro, contudo, cometeu um pequeno erro, quase
insignificante. Ao digitar a mencionada senha - CD-GMS -, os dedos
erraram de tecla. Em lugar de digitar o S, deslizaram uns milímetros
à esquerda, alcançando o A.
Coincidência Duvido...
A questão é que a senha digitada não foi a mesma. Eliseu, de
forma involuntária, exigiu de Papai Noel uma ordem de entrada em
outra lista: a CD-GM1 (acesso ao material genético).
Aí veio a surpresa. Uma desagradável surpresa.

Lembro-me de ter escutado um palavrão. Depois de um breve
silêncio, meu irmão, alterado, pediu explicações (?) à máquina.
- Mas é uma filha da...!
Eu me aproximei intrigado.
- Não posso acreditar, Jasão... O seu namorado enlouqueceu...
Na tela, de fato, brilhava em vermelho uma frase que me deixou
atônito.
- O que foi? Eliseu explicou o pequeno deslize.
Tente de novo...
ele tentou, pedindo a lista que continha os relatórios sobre o
material genético, devagar, sem pressa.
Filha da...! Papai Noel, impassível, ofereceu a mesma instrução
desconcertante.
Olhamo-nos confusos. Não havia dúvida. Eliseu repetiu a senha as
quatro vezes. E, impotente, cedeu-me seu lugar na frente do rebelde
computador central.
Eu também não tive sorte.
- Como é possível?
Meu irmão, tão perplexo como eu, encolheu os ombros. E
sentenciou:
- Ou ele ficou louco ou alguém...
Louco? Não, a máquina era quase perfeita. E a resposta de Papai
Noel nos deixou de novo à beira da explosão: O usuário não tem
prioridade para executar esta ordem. Incrível.
Tanto Eliseu como eu estávamos logicamente capacitados para
executar essa e todas as outras ordens, abrindo as listas que nos
parecessem oportunas. Assim fizemos, por exemplo, ao introduzir os
resultados das análises feitas sobre as amostras da Senhora, de
José, de Amós e de Jesus de Nazaré. Por que agora essa estupidez?
Acesso negado? Era culpa nossa? Tivemos de nos render. Os esforços
do engenheiro fracassaram. Papai Noel, de repente transformado
em inimigo, ficou inacessível.

Acesso negado.
Discutimos. Tentamos decifrar o problema. A conclusão,
lamentavelmente, foi sempre a mesma: alguém de fato, uma vez
transferido o pacote informativo sobre os DNA, programara o
computador, bloqueando-o.
Allguém?
Meu irmão concordou comigo. Esse alguém era Curtiss...
Mas por quê? A que se devia aquela desconfiança? Eliseu sorriu
com benevolência.
- Você não entende?... São da Inteligência...
Eu o repreendi pela insinuação venenosa, embora, no fundo,
tivesse boas razões para pensar a mesma coisa. Finalmente ele se
desculpou:
- Existem militares e militares, querido major... Você e eu
pertencemos aos de boa vontade, como muitos companheiros, que
tratam de servir a nação da melhor maneira possível.
Aceitei a ponderação, voltando ao tema principal. O que continham
afinal essas investigações para que alguém as tivesse trancado?
- Está muito claro continuou o engenheiro com certo cansaço. - Os
DNA são muito mais do que um experimento científico. Só Deus sabe
o que planejam fazer com eles! Por isso foram classificados...
Achei que ele podia ter razão. E pouco faltou para que eu lhe
confessasse tudo que havia descoberto sobre os medicamentos. Mas
a indignação do soldado leal era tão grande que eu me contive.
Não havia dúvida, éramos apenas marionetes a serviço de alguma
coisa que me fez estremecer da cabeça aos pés.
Pobres exploradores esforçados e incautos! Quando
aprenderíamos?
Anotamos isso direitinho.
Eliseu, ferido no seu íntimo, jurou que aquilo não ficaria assim.
Encontraria a porta traseira ou a chave de acesso para abrir de
novo a lista dos DNA. Acreditava conhecer a psicologia do
administrador do sistema e batalharia para encontrar a chave. Eu

não duvidava de sua capacidade, mas, honestamente, achava a coisa
quase impossível. Estava claro que enfrentávamos uma mente
particularmente agressiva e diabólica. O tempo me daria razão...
Quanto a mim, por causa do acidente, também tomei algumas
decisões. Para começar, nos aproveitaríamos da Operação em
todos os sentidos. Um, em especial, teria a máxima prioridade: a
informação obtida naquele terceiro salto extra-oficial seria de
nossa absoluta propriedade. Ninguém nos tiraria a valiosa
documentação.
Uma idéia audaciosa e perigosa foi nascendo na minha cabeça.
Eu não permitiria. Não permitiria que essas forças tenebrosas que
nos utilizavam se apoderassem do valioso carregamento
depositado no módulo. Os DNA não cairiam em suas mãos.
E também jurei. E o fiz pelo mais sagrado que conhecia: o Filho do
Homem.
Fui militar, e tenho orgulho disso, mas entendo que para tudo há
um limite.
Meu irmão não ficou sabendo dessas minhas drásticas decisões.
Não achei oportuno que soubesse. Considerando o aspecto
arriscado da idéia e as imprevisíveis conseqüências que
poderiam derivar de uma ação desse tipo, preferi mantê-lo à
margem. Ninguém poderia culpá-lo de nada. Eu seria o único
responsável.
Assim terminou aquele dia estranho e difícil. Um dia no qual o
Destino se empenhou em nos mostrar a outra cara da Operação
Cavalo de Tróia.
Claro que agradeci. Era mais útil e lucrativo saber a que nos
atermos... antes de empreender a nova e fascinante aventura. Era
vital que conhecêssemos de antemão o que nos aguardava na volta
ao nosso verdadeiro agora.
E me coloquei nas mãos da Providência. Ela sabe...

17 DE AGOSTO, SEXTA-FEIRA
Não sei por que mas, ao subir ao porta-aviões, eu me senti
otimista. Céu azul. Ventos calmos... Um dia magnífico, sim. Os
recentes e tristes achados pareciam quase esquecidos. Agora
contava a iminente viagem ao maciço montanhoso do Hermon.
Imaginei o Mestre em algum belo canto daquele colosso nevado... O
que estaria fazendo? Por que tomara a decisão de se refugiar num
lugar tão distante? E sobretudo, quais eram seus pensamentos? Já
teria concebido a idéia de começar sua pregação? De repente,
contudo, o Destino me arrancou dessas reflexões. E continuou
tecendo e desmanchando tudo. Subitamente, ao reparar nas minhas
mãos, o otimismo se evaporou. Como não tinha percebido? Quando
me deitei, não estavam ali. Devem ter aparecido durante a noite
passada. Os velhos temores, os fantasmas conhecidos invadiram o
coração deste cansado explorador. Meu Deus! Eu me examinei com
cuidado, chegando a um único diagnóstico piedoso: a degradação
neuronial avançava com maior rapidez do que havíamos calculado
inicialmente. Acordei meu irmão e, sem dizer uma única palavra,
repeti o exame. Afirmativo! Como eu, Eliseu reagiu assombrado.
Esfregou as mãos com força e, vacilando perguntou:
- É grave?
Eu não soube responder. Melhor dizendo: não quis.
Claro que era grave. Do meu ponto de vista de médico, aquilo era
no mínimo um sintoma inquietante.
Acabei mostrando-lhe as mãos e acho que ele entendeu.
- E agora?
Balancei a cabeça de forma negativa e, imagino, isso respondeulhe
tudo. Da noite para o dia, de fato, como um aviso, os dorsos das
mãos apareceram abundantemente salpicados. Não havia dúvida. As
manchas senis, de um inconfundível vermelho escuro e formas
circulares típicas, estavam nos invadindo. O envelhecimento,
estimulado pela agressão dos radicais livres, seguia seu curso.
Comecei a tremer.

Se as manchas se apresentaram em 48 horas, de quanto tempo o
resto da patologia precisaria para surgir? A recuperação depois dos
desmaios, certamente, fora boa. Quase ótima.
Contudo, ali estava a verdade. O mal galopava de forma
inexorável.
Lutei comigo mesmo para me acalmar. Agora, mais do que nunca,
devia ser frio e coerente.
A primeira coisa era fazer em mim e em meu companheiro um exame
profundo. Depois, veríamos...
Eliseu, dócil e preocupado, deixou que eu o examinasse.
Estava claro que os vasos capilares falhavam em conseqüência do
déficit de vitamina C. A fragilidade saltava à vista.
Ao examinar os olhos, contudo, fiquei um pouco mais tranqüilo. O
arco corneano senil, ao redor da íris, ainda não havia aparecido. O
gerontoxon, no nível da córnea, com seu depósito de cálcio e células
mortas, era outro dos indícios mais temidos. Essa opacidade
amarelada da superfície da córnea, causada pela degeneração
adiposa das citadas células corneanas, podia marcar o princípio do
fim.
Nenhum dos dois tínhamos recebido aquele aviso - pelo menos
de momento. O cabelo e as unhas também não se mostravam
afetados. O cabelo se conservava firme e viçoso, sem sinais de
recessão ou embranquecimento. As unhas estavam limpas e
completas. Um envelhecimento prematuro as deixaria quebradiças. A
pele, porém, era outra questão.
Como já havia acontecido comigo, a pele de meu irmão acabava de
iniciar um inquietante processo de secura, com uma descamação
abundante.
Estávamos, portanto, diante de uma pele hiperqueratósica.
Tratei de animá-lo, explicando que o sintoma, embora ostensivo e
desagradável, não era alarmante. Mas eu mesmo não acreditava
nisso.
O piloto continuou calado, cada vez mais inteiro e sereno.
Eu quis imitá-lo, mas, a bem da verdade, fiquei no meio do

caminho.
Quando examinamos a vista e o ouvido, Eliseu explodiu. Não
conseguindo conter-se, soltou uma risada límpida e contagiante.
Aquilo de fato era absurdo. Tanto ele quanto este que escreve
tínhamos índices ótimos. Naturalmente, os valores de presbiacusia
(menor audição) e resbicia (menor visão) foram negativos.
Às gargalhadas, brincou:
- Dois cegos e surdos procurando o Mestre?... Essa é boa, major!
Agradeci o bom humor. E a tensão diminuiu.
O resto do exame deu igualmente negativo. Não constatei as
típicas ores que a osteoporose teria provocado e muito menos algum
sinal de arteriosclerose. Em relação à secreção neuro-hormonal, só os
nemo poderiam ter avaliado a situação do fator tropo,
responsável pela estimulação hormonal por meio da hipófise.
Imaginei que não devia flutuar muito.
Quanto ao outro problema- a andropausa ou diminuição dos
hormônios gonadais, com conseqüente queda da líbido -, para que
escondermos isso? Afinal, não nos preocupava. Depois de tão
prolongada permanência nas terras da Palestina era, sem dúvida, o
único sintoma de envelhecimento que agradecíamos...
O balanço, pois, apesar das aparências, não era tão ruim. O mal
andava rondando, sim, mas pelo jeito se mantinha à distância.
Ainda assim, fiquei em dúvida.
A patologia, a doença, se aninhava dentro de nós e, cedo ou tarde,
nos assaltaria.
Que decisão tomar?
Se o dano nos invadia de forma gradual, talvez tivéssemos uma
chance. Talvez, ao detectar o primeiro indício grave, fôssemos
capazes de abortar a missão, voltando de imediato a Massada e ao
nosso legítimo agora. Mas eram só suposições.
O que aconteceria se a memória, por exemplo, falhasse de
repente? O que seria de nós se os neurônios entrassem em colapso
sem aviso prévio, causando um acidente vascular cerebral? O que
fazer diante da perda de visão? Aquelas possibilidades, muito reais,

me absorveram durante o resto do dia. Foi outro trago amargo. E
tudo ficou adiado.
Por último, ao entardecer, abaládo, incapaz de achar por mim
mesmo uma solução que desse resposta ao problema, reuni-me com
Eliseu. Fui mais ou menos franco. Detalhei alguns desses perigos
não todos -, expressando minhas dúvidas sobre a conveniência de
empreender a missão. Ouviu tudo, paciente e resignado. Mas, ao
pronunciar a frase chave - entendo que deveríamos suspender o
projeto -, ele desmoronou. Esqueceu-se da hierarquia e da amizade
e me chamou de covarde, pusilânime e não sei de quantas outras
gracinhas.
Agüentei sem me alterar. Até certo ponto era compreensível.
Deixei que desabafasse.
Saiu do berço e eu o vi se afastando em direção à macieira de
Sodoma. Foi um momento amargo. Era o primeiro confronto sério.
Seria eu de fato um covarde? Esse pensamento me torturou.
Talvez tivesse razão. Já havíamos falado disso. E concordamos em
que nossa saúde não era o mais importante. Então...
Sim, um covarde.
Aquela magnífica e poderosa força que nos assistia me pôs em
pé. Saltei em terra e, decidido, fui ao encontro de Eliseu.
Não houve muitas palavras. Pedi desculpas. E o nobre amigo, com
um sorriso aberto, se encarregou do resto:
- Não, sou eu quem pede perdão... E agora, escute...
Compreendo que a situação não é das melhores. Se virássemos
deficientes físicos neste agora, tal como você diz, não sei o que
seria de nós e, muito especialmente, da valiosa informação que nos
foi concedida.
Aonde ele queria chegar? Em seguida, com idêntica segurança,
esclareceu a questão:
- ... Muito bem, proponho uma solução intermediária.
Ele me olhou fixamente. Sem pestanejar. E depois de uma breve
pausa estudada, proclamou:

- Vamos em frente. Vamos procurar o Mestre. Vamos cumprir a
missão... até onde for possível. E no primeiro sintoma grave, no
primeiro... voltamos.
Seu olhar foi intenso. Eu diria até que brilhou.
- Você aceita isso?
Sorri satisfeito. Sua devoção e interesse por aquele Homem eram
mais fortes e profundos que os meus sentimentos. Eu lhe estendi a
mão.
- De acordo, mas com uma condição...
Mostrou-se impaciente.
- Chegado esse momento, quando a nave decolar do Ravid, você
me deverá perguntar sobre o que vir. Simplesmente isso, aceita?
Eliseu franziu o senho, sem entender. Mas, esperto, não perguntou
nada.
- De acordo, major. O senhor comanda. Chegado esse instante terá
um co-piloto cego, surdo e mudo. O normal em nossa situação...
Sorrimos refeitos, esquecido o confronto azedo, envolvemo-nos na
última revisão do plano e do modesto equipamento.
Como já mencionei, se a informação do velho Zebedeu era correta,
naqueles dias agosto do ano 25 da nossa era -, o Galileu devia
estar em algum lugar do maciço montanhoso que brilhava ao norte.
Em meu poder estavam duas pistas valiosas que, talvez, se a sorte
continuasse do nosso lado, nos permitissem localizá-lo com relativa
facilidade (?).
Na teoria, o plano era simples.
Na manhã seguinte, logo cedo, deixaríamos o Ravid,
encaminhando-nos até a primeira desembocadura do Jordão, nas
proximidades de Saidan. Dali, acelerando, subindo o rio, podíamos
chegar à margem sul do lago Hule (Semeconita) antes do cair da
noite. A segunda etapa da viagem, prevista para o domingo, dia 19,
era mais complexa. Não pela distância a percorrer praticamente
igual à do dia anterior -, mas sim pelo fato de penetrar nos desvios
do imenso Hermon. O maciço, integrado por múltiplas alturas, somava

mais de 60 quilômetros de comprimento. Um labirinto. Se as pistas
falhassem, nossa busca de Jesus de Nazaré seria um esforço quase
inviável.
Nós, porém, não queríamos pensar nessa possibilidade. O
importante no momento, como repetia Eliseu, era chegar ao rio.
Uma vez lá veríamos como atravessá-lo.
Se o achássemos, encontraríamos o Mestre, e se as forças nos
acompanhassem, o trabalho consistiria em segui-lo. Viver ao seu lado
dia e noite. Reunir toda a informação possível.
Conhecer seus pensamentos, desejos e projetos. Averiguar, de
forma definitiva, quem era aquele Homem.
Nem seria preciso dizer, mas à medida que fomos revisando o
plano, meu companheiro esquentou com um entusiasmo contagiante.
O instinto (?) nos gritava que tínhamos o Mestre ao alcance da mão.
Estávamos a ponto de desvendar outro misterioso e ignorado
capítulo de sua vida.
Aqueles momentos intensos, francamente, nos compensaram das
amarguras passadas. Parecíamos crianças, encantados com a magia
de um encontro longamente desejado.
E foi o ativo engenheiro quem levantou também uma das questões
chave: será que ele nos reconheceria? O problema era difícil.
Se nós nos ajustássemos a um critério estritamente racional, esse
reconhecimento era impossível. Nós o havíamos conhecido no ano
30. Quer dizer, no futuro. Obviamente, ao retroceder cinco anos,
Ele não poderia saber quem eram aqueles gregos. Ou poderia? Na
minha mente surgiu a incrível cena na casa de Lázaro, em Betânia. O
Mestre, mesmo ignorando tudo a meu respeito, deixou os seus e,
avançando na minha direção, pousou as longas mãos aveludadas
sobre meus ombros. E dando uma piscadela, sorrindo, exclamou:
Seja bem-vindo.
Aquilo aconteceu num 31 de março, sexta-feira(1). Nunca
esquecerei.
Muito bem, se foi capaz de tal reconhecimento no ano 30, o que
aconteceria agora, no ano 25?

O exame das mochilas e roupas foi rápido. Não precisávamos de
muita coisa. Por outro lado, sim, precisávamos dormir e recompor
nossas forças debilitadas.
*1. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia, 1 pp.123 e ss. (N. Do
a.)
Decidimos colocar quinze denários de prata em cada uma das
sacolas de marcha que ficariam penduradas nos respectivos cintos. As
setenta moedas restantes capital que sobrou da Operação
Salomão ficariam no berço, junto com a valiosa opala branca e os
providenciais brilhantes sintéticos, que tão bela brincadeira nos
proporcionaram no deserto. Segundo nossos cálculos baseados
sempre nas notícias de Zebedeu pai -, a volta de Jesus ao yam (mar
de Tiberíades) deveria ser nos primeiros dias de setembro, mais ou
menos. Nesse momento, nenhuma desculpa, subiríamos ao Ravid,
para fazer nossas provisões. Em princípio, portanto, se não houvesse
imprevistos, essas trinta peças de prata (equivalentes ao salário
mensal de um diarista) supririam nossas necessidades básicas em
Água e remédios.
Levaríamos também duas cabaças fundas providas de gargalo,
servindo de cantis, cada uma com três litros de água previamente
tratada no módulo. Como já informei, tanto a água produzida na
nave quanto a recolhida do lado de fora, seguindo a norma, eram
filtradas e fervidas para eliminar os germes. Os quistos Entamoeba
histolytica e Giardia lamblia recebiam um tratamento especial com
tintura de iodo de até dez gotas por litro (a 2 por cento). Esses
parasitas, muito freqüentes naquelas latitudes, eram resistentes até
mesmo à cloração.
A bem da verdade, essas precauções, muito louváveis e
necessárias, terminavam sendo impraticáveis poucos dias depois de
iniciada uma exploração. A água acabava e nos víamos obrigados a
consumir o que havia à mão. Para evitar esses problemas, além de
muito escrupulosos na hora de beber, incluímos nas ampolas de barro
da farmácia de campanha doses abundantes de medicamentos antiinfecciosos.
Contra o impaludismo, por exemplo, ingeríamos,
obrigatoriamente, trezentos miligramas de cloroquina duas vezes por

semana, reforçando a barreira quimioprofilática com uma associação
de pirimetamina-dapsona. (Tínhamos desconfianças fundadas de que
algumas espécies caso da P. Jalczparum eram resistentes à
cloroquina.) O resto da farmácia, além do habitual, consistia de um
dos providenciais antioxidantes específicos, a dimetilglicina.
No total, reservei cerca de trinta comprimidos para cada um.
Com isso o tratamento estava garantido por um mês.
Por último, mesmo contra a vontade de Eliseu, os roupões foram
cuidadosamente dobrados e colocados no fundo das sacolas. Apesar
das altas temperaturas do verão na Galiléia, convinha sermos
prudentes e carregar esses incômodos casacos de lã. As noites no
Hermon não tinham nada a ver com as do yam. Certamente
agradeceríamos à providência.
Quanto à minha mochila, depois de muito pensar, decidi completála
com os últimos papiros existentes no berço e que haviam sido
muito úteis na transcrição do que Zebedeu pai escrevera sobre os
anos secretos, do Mestre. Pensei e acabei decidindo que o mais
certo seria tomar notas ao longo do caminho. As palavras do Rabi, os
fatos cotidianos, bem como nossas impressões pessoais seriam
registrados minuciosamente e com exatidão. Minha memória era boa,
mas eu preferia anotar tudo, dia a dia. Para isso só contava com
aquele rústico suporte vegetal, do tipo amphitheatrica.
Gradualmente, conforme precisasse, iria repondo completando assim
o precioso diário. Cada folha, de oito por dez polegadas (24 por
30 centímetros), permitia escrever dos dois lados, sendo elas unidas
na seqüência por uma costura simples. Logicamente, inclui um par de
calamus (juncos) cortados de forma oblíqua, e com fenda na ponta,
que serviriam de caneta, além de três pequenos cubos de tinta
solidificada de uns duzentos gramas cada um -, com o
correspondente tinteiro de barro. A tinta, fabricada com fuligem e
borracha, era conservada seca, sendo diluída em água na hora de
escrever.
Provisões.
Essa questão seria resolvida na plantação vizinha dos felah.
Ao descer do Ravid, tentaríamos adquirir o necessário.

Segurança pessoal.
Poucas mudanças. Em princípio, o que tínhamos de costume era
mais do que suficiente: pele de serpente cobrindo todo o corpo
tatuagens na mão esquerda e a inseparável vara de Moisés,
provida com os já conhecidos sistemas de defesa (laser de gás e
ultra-som). Num primeiro momento, como aquele salto era extraoficial,
pensamos em retirar o resto dos dispositivos de análise
alojados no cajado de Augur mas decidi deixá-los onde estavam.
Talvez fossem úteis. A
verdade é que não sabíamos o que iríamos enfrentar. Por outro
lado e sobre isso, é claro, não disse nada ao meu companheiro -,
se aquela idéia malévola continuasse crescendo no meu cérebro,
não havia porque me preocupar com tais dispositivos.
Segurança do berço.
Como na Operação Salomão, foi confiada ao inflexível e insone
Papai Noel. Os dois longos meses de ausência na época, como já
disse, serviram de exemplo e lição. O computador nunca falhara.
Como precaução extra, contudo, Eliseu sugeriu o desligamento das
mangueiras que forneciam oxidante e combustível ao J 85 e aos
outros motores. O tetróxido de nitrogênio e a mistura de hidracina e
dimetil hidracina assimétrica (a 50 por cento) eram propulsores
hipergólicos (quer dizer, queimavam-se espontaneamente quando
combinados, sem necessidade de ignição). Embora o risco fosse
remoto, poderiam causar uma catástrofe, deiXando-nos naquele
tempo para sempre.
Os tanques, portanto, foram devidamente isolados. O computador,
por sua vez, se responsabilizaria pela checagem deles, vigiando para
evitar qualquer vazamento. A alta toxicidade no caso de emanação
seria fatal para todo o ambiente, incluindo, naturalmente, os pilotos.
Para o caso de uma alta emergência coisa improvável -, o
computador foi programado para modificar o direcionamento do olho
do ciclope, como forma de nos avisar. Nesse caso, o último cinturão
protetor dos microlasers seria dirigido ao céu. Se estivéssemos
no yam ou arredores, o leque infravermelho podia ser detectado com
o auxílio dos crótalos. Tudo então era questão de voltar em

seguida ao cume do Ravid. A privilegiada torre de vigia, como acho
já ter dito, estava a dez quilômetros em linha reta de Nahum e a
catorze da pequena localidade costeira de Saidan, distâncias que
permitiam visualizar o farol dos microlaserr.
E, satisfeitos e nervosos, fomos descansar.
Logo, porém, meu irmão voltou a se levantar. Parecia preocupado.
Eu atribui essa preocupação à viagem iminente e, talvez, ao encontro
não muito distante com o Filho do Homem.
Mas, para minha surpresa, ele desceu à terra, perdendo-se no
escuro. Aquilo me deixou inquieto.
O que estava acontecendo? Pela minha cabeça passou a velha
imagem da deterioração neuronial.
Deus, outra vez não! Será que estava apresentando algum outro
sintoma novo? Qual deles?
Inquieto, eu o procurei através das escotilhas. Impossível.
A lua nova caía negra e espessa sobre o porta-aviões.
E se eu estivesse errado?
Devia me controlar. Talvez se tratasse, unicamente, de uma insônia
passageira, fruto da tensão. Não, meu irmão tinha nervos de aço.
Sempre dormia como um anjo. Eu tinha de me livrar daquela maldita
dúvida.
Meia hora mais tarde, ansioso, quando me dispunha a saltar, eu o
vi chegar.
Ele se surpreendeu ao me ver de pé. E, compreendendo minha
preocupação, desculpou-se, explicando o porquê daquela repentina
saída.
Ao ouvir o que tinha a dizer, minha estima por aquele espírito puro
e generoso cresceu de forma notável. A verdade é que a Providência
tenho certeza disso teve muito a ver com a organização daquela
grande viagem. Se eu tivesse tido outro piloto, nada teria sido
igual.
Naturalmente concordei com ele, aprovando a sugestão. Apesar dos
pesares, cumpriríamos.

Meu irmão confessou que ficara em dúvida. Ele, como eu,
continuava tendo presente o pedido do general Curtiss antes de
partirmos para o segundo salto:
- ... Levem também esta muda e plantem-na em nome daqueles que
ficaram deste lado... Será o humilde símbolo secreto de homens que
só procuravam a paz. Uma paz sem fronteiras. Uma paz sem
limitações de espaço... nem de tempo. Obrigado!... Muito bem,
depois daquilo que descobrimos e intuímos, o jovem não soube o
que fazer. Será que eu ainda lembrava da presença no módulo da
muda de oliveira? Será que eu aceitaria sua proposta? Será que eu
concordaria em transportar aquela muda e plantá-la em algum lugar?
Os acontecimentos recentes, que tinham colocado Curtiss e sua
gente numa situação reprovável, acabaram por freá-lo. Ele desejava
cumprir a palavra dada, mas desconhecia meus sentimentos.
Eu o tranqüilizei. Cumpriríamos. Embora não merecessem nosso
respeito, nós cumpriríamos. Além disso, aquela oliveira não
representava apenas alguns poucos, mas toda a Humanidade. Era a
nossa modesta homenagem ao Homem que mais fez pela paz. E o
rebento, filho de uma época, também foi depositado em seu saco,
pronto para ser transplantado para outra. Curioso. A sugestão de
Eliseu terminaria fazendo feliz a quem menos imaginávamos.
Coisas do Destino. E a noite e o silêncio como uma bela
premonição levaram-me até longe, muito longe... Nunca me
esquecerei daquele sonho.
18 DE AGOSTO, SÁBADO
Fora só um sonho? Quem sabe... Lembro-me de que estávamos num
pequeno planalto, rodeado de bosques espessos.
No sonho não identifiquei o lugar, mas eu sabia que era o Hermon.
Eliseu estava comigo, ao meu lado. E ao fundo resplandecente, o
berço.

Falávamos com o Mestre... Mais adiante, perto da nave, Pedro e
os irmãos Zebedeu nos olhavam espantados. Parecia que estavam
meio adormecidos. Jesus, meu irmão e eu conversamos sobre o
futuro, sobre nossa missão e o que nos esperava na volta ao nosso
verdadeiro agora. O Mestre sabia de tudo. E nos aconselhou
coragem e confiança. Tudo iria bem. Era estranho. Falávamos, sim,
mas não escutávamos sons. Contudo, nos entendíamos. Foram
momentos intensos e felizes. Uma paz desconhecida nos invadia. Mas
o mais incrível (?) é que, ofuscando o sol radiante, mãos e roupas
irradiavam uma luminosidade branca, intensa e deslumbrante. O
Mestre referiu-se depois à sua próxima ida a Jerusalém. Notamos
certa tristeza. Eliseu o animou. Por último, depois de nos abraçarmos,
voltamos ao módulo. Então os íntimos correram até Jesus. E ao
passarem perto de nós, com grande veneração, diziam uns aos
outros:
São Moisés e Elias.
Meu irmão quis falar. Alertá-los sobre o engano, mas eu o demovi
dessa sua intenção, lembrando-lhe de que isso nos estava
proibido.
Meu Deus! Que absurdo! Absurdo? Hoje não tenho tanta certeza
disso.
Decolamos e, logo, alguma coisa falhou...
Papai Noel enlouquecera... Os alarmes acústicos fizeram tremer a
cabine.
Perigo! O que estava acontecendo?
Nesse instante, acordei... Melhor dizendo, me acordaram.
- Jasão! O que aconteceu? O que falhou?
Ainda imerso na lembrança do sonho aparentemente louco (?),
precisei de alguns segundos para reagir. Onde estava? Continuava
no Hermon?
- Jasão! Perigo!
Pulei da cama e, confuso, fui para o painel de comando.
Aquilo era um manicômio. O computador havia disparado os sinais
luminosos e acústicos. No exterior, os hologramas com as gigantescas

ratazanastopo se agitando e gritando multiplicaram a confusão.
Mas o que está acontecendo? O que é isso?
Alguma coisa se mexia e enchia a tela do 2 D, o radar de alerta
prematuro (AP). Eram centenas, milhares de targets(1).
Eliseu desligou os alarmes e o silêncio nos fez bem.
Devíamos agir com a máxima cautela e precisão. Fui me acalmando.
- Jasão, que diabo é isso?
Não soube responder. Não tinha a menor idéia. Alguma coisa, de
fato, acabava de irromper no porta-aviões, fazendo saltar todos os
cinturões de proteção, incluindo o gravitatório, a 205 metros do
berço.
- Não estou vendo nada. As imagens em infravermelho só detectam
corpos quentes.
Afinei a resolução, amplificando os targets.
- Negativo. Papai Noel distingue apenas focos de calor.
São seres vivos!
*1. Target: no vocabulário aeronáutico, um objeto localizado no radar. (N. Do m.)
Milhares e milhares? Consultei os relógios. Faltavam dez minutos
para o romper do dia. - Muito bem. Vamos nos arriscar.
Anule as defesas! Eliseu olhou-me perplexo. - Por Deus, obedeça!
Desligue! Vou sair...
Não havia alternativa. Peguei a
vara e me lancei ao solo. Não sabíamos o que era aquilo, mas
também não podíamos ficar de braços cruzados. O intruso era
suficientemente importante para ter conseguido violar toda a nossa
segurança. Não precisei andar muito. A poucos metros da muralha
em ruínas, alguma coisa alada, leve e silenciosa precipitou-se
sobre este atônito explorador, cobrindo-o da cabeça aos pés.
Deus!
Meu irmão, que estava na escuta por meio da conexão auditiva,
irrompeu alarmado:

- Jasão! Você está bem? O que é isso? Vejo milhares de focos
quentes! Responda!
Eu respondi, é claro.
- Maldição! Estão por todos os lados!
Quando consegui tirar de cima tudo aquilo, achei que tinha
entendido. Mas outros caíram de novo sobre mim, deixando-me à
beira da histeria.
Eu os toquei e, ao tato, apesar do escuro, pareciam insetos.
Mas eram enormes.
Minutos mais tarde às 4:55 -, com as primeiras luzes do
amanhecer, o susto foi passando.
Respirei aliviado.
- Alarme falso! Foi uma praga...
O cume fora assolado por uma nuvem de mariposas de dez a
quinze centímetros de envergadura -, de asas brancas, cor de laranja
e negras, com tórax e cabeça escuros. Estavam por todas as partes.
Ao penetrar na planície e invadir as barreiras de segurança,
microlasers, IV, hologramas e gravitatório acordaram o Papai
Noel, enlouquecendo-o.
Que estranha e singular conexão com o sonho do monte Hermon!
Ao voltar ao módulo e analisar um dos espécimes, o banco de
dados nos deu a resposta. Tratava-se da Danaus chryippus, um
lepidóptero dotado de cores brilhantes de advertência cujo principal
alimento bela coincidência! - são as folhas das macieiras de
Sodoma, bem como outros vegetais da família das asclépias. Durante
a primavera e o verão, pelo visto, formam imensos enxames,
precipitando-se como uma maldição bíblica sobre os oásis, na costa
ou em qualquer outro terreno onde cresça seu alimento.
Não tivemos escolha. O engenheiro deu a ordem pertinente e a
defesa gravitatória foi deslocada até a popa do Ravid, adiante da
nossa macieira de Sodoma(2). Em cima, as Danaus se viram
irremediavelmente empurradas para todas as direções.
E o cume ficou limpo.

Como é certo o ditado não há mal que não venha para bem.
Graças às inoportunas mariposas, compreendemos que nem tudo
era perfeito como supúnhamos. E de imediato, meu irmão corrigiu a
estratégia de segurança.
Variou o limite do cinturão gravitatório, fixando-o a 500 metros do
berço e convertendo-o no primeiro escudo. Com isso, a nave ficava
perfeitamente protegida sob uma grande cúpula, invisível aos olhos
humanos. Por detrás, a 400 metros do vértice ou proa do
portaaviões, a barreira N. Por último, coincidindo com a muralha
romana, a 173 metros do lugar do assentamento do módulo, Papai
Noel colocou o cenário dos hologramas, com as terríveis cenas
fictícias protagonizadas por nossos vizinhos, as ratazanas-topo.
Quanto à varredura dos microlaserr, foi descartada. Já eram
suficientes as proteções mencionadas. Assim conseguimos, além do
mais, uma ótima economia energética e, é claro, um descanso para
o computador. O olho do ciclope só funcionaria em caso de alta
emergência, projetando o leque infravermelho na vertical.
*2. A poderosa emissão de ondas gravitatórias, como foi explicado antes, partindo da
membrana exterior do berço, era projetada à vontade, envolvendo a nave numa
invísivel e gigantesca cúpula. A barreira funcionava como um muro de contenção,
impedindo a passagem de qualquer ser vivo. Se alguém tentasse abri-la, ficava diante
de uma espécie de vento de furacão silencioso, que afastava violentamente o intruso.
(N. Do m.)
As novas medidas reduziram a área de proteção mas, por outro
lado fortaleceram-na, vencendo invasões como aquela da
madrugada e eliminando, de vez, as contínuas irrupções, na franja de
segurança, de outros vizinhos: as aves que se aninhavam perto do
Arbel e arredores.
Todos saímos ganhando. As perplexas aves, nós e, obviamente, o
computador, que ficou aliviado da tarefa de detecção e alerta.
O único inconveniente dessa modificação era a obrigatória
operação abertura e fechamento do gravitatório. Ao se aproximar da
linha estabelecida 500 metros -, os exploradores não teriam outra
alternativa se não desativá-lo e voltar a ativá-lo. Para isso, o
engenheiro idealizou a chave dupla. Por meio da conexão auditiva,

Papai Noel recebia ordens pertinentes, procedendo à anulação e
reintegração da cúpula, conforme fosse o caso. Ao nos afastarmos em
direção à popa, por exemplo, ou ao voltarmos à nave, bastava
pronunciar uma contra-senha - base-mãe-três - e o computador abria
o caminho. Para fechar, a senha escolhida foi Ravid, só que em
inglês.
A sugestão me pareceu correta. Eliseu transferiu os códigos ao
sistema diretor.
Contudo, alguma coisa me deixava inquieto.
O que aconteceria se esquecêssemos as contra-senhas? Muito
simples: não haveria forma de sair do ambiente do berço e, pior
ainda, de voltar a ele.
Ao comentar isso com meu irmão, ele rejeitou o que considerava ser
uma possibilidade remota.
Por que aconteceria alguma coisa assim? Tinha razão... até certo
ponto.
Lamentei então não tê-lo informado da magnitude do mal que nos
rondava. Se a memória ficasse enfraquecida ou bloqueada hipótese
verossímil no processo de envelhecimento prematuro que sofríamos -,
o que seria daqueles exploradores? Se isso nos acontecesse fora do
Ravid, como voltaríamos outra vez ao módulo? Meu companheiro,
sempre otimista, riu dessas minhas preocupações, chamando-me de
ave de mau agouro.
Engoli a repreensão. Talvez estivesse exagerando.
Além do mais, considerando essa nefasta suposição, se
perdêssemos a memória, de pouco serviria a senha. Sabe-se lá onde
nos pegaria a catástrofe.
O instinto (?), contudo, já tinha avisado.
Quando vou aprender? Quando serei capaz de prestar atenção às
certeiras palavras ruidosas da intuição? E, pobre de mim, esqueci a
sutil advertência, não adotando medidas necessárias.
Pagaríamos caro, muito caro, por isso.
7:00 horas.

Tudo desaparecera. Tudo caíra no esquecimento.
Estávamos em marcha. Inaugurávamos, enfim, a procura do Filho do
Homem.
Ele nos esperava. Ele nos protegeria.
Sacrifícios, punições, angústias... tudo foi relegado.
Esquecido. E iniciamos ansiosos a descida, afastando-nos do
porta-aviões.
A praga e as modificações feitas por causa dela tinham causado
bastante transtorno, atrasando em duas horas a partida.
Observei o céu. Radiante. O presságio me pareceu ótimo.
Temperatura: 27 graus Celsius. Não importava. Em frente! Em dois
ou três dias, no máximo, se o Destino se mostrasse benévolo,
estaríamos de novo diante do saudoso Rabi da Galiléia. A idéia,
repito, nos estimulou, somando-se à misteriosa força que agora,
mais do que nunca, parecia nos levantar do chão.
Deus! Que magnetismo o daquele Homem!
Na plantação dos felah pouco ou nada havia mudado. Camar, o
velho nômade, nos atendeu com sua proverbial hospitalidade.
Não pude evitar. Um calafrio me invadiu ao chegar à sua presença.
Será que ele me reconheceria? Que absurdo! Eu sabia que isso não
era possível. Estávamos no passado. Agora vivíamos cinco anos
atrás...
E assim foi. O lua não soube quem eu era. Seu aspecto e
constituição também não tinham variado muito.
Adquirimos algumas provisões as necessárias e refizemos o
caminho de volta, parando em frente da rampa que denominávamos
zona morta. Dali, segundo o combinado, iríamos em direção ao
norte, ao encontro do nahal (rio) Zalmon. Escolhemos aquela rota,
por prudência, mais tranqüila e solitária, evitando assim a repleta
Migdal.
Enquanto deixávamos para trás as ladeiras ressequidas e
desgastadas que nos separavam da curva da ferradura, não pude
deixar de me lembrar de Camar. Foi nessa breve passagem pelas

hortas que Eliseu e eu tivemos a verdadeira consciência de outro
fato, que agora ganhava relevância especial. Já Discutimos o
assunto ao longo do caminho e chegamos à mesma conclusão: esse
outro Jasão que os familiares e íntimos do Mestre mencionavam, só
podia ser eu. A explicação, mesmo que meio ao contrário, era
elementar.
Eles, Ruth, a Senhora, os discípulos etc., me conheceram no
transcurso do ano 30. Muito bem, estávamos agora no ano 25 e, com
toda certeza, voltaríamos a encontrá-los. Para todos, este agora,
aquele que iniciávamos, era o primeiro. Quer dizer, não tinham
memória do acontecido cinco anos depois. Era, pois, no ano 25 que
nos conheceriam pela primeira vez. Mas todas as alusões faziam
referência a um Jasão muito mais velho que o do ano 30. O que
queria dizer isso?
Meu irmão e eu ficamos em silêncio, deixando correr uma pausa
dramática.
Estava claríssimo. Por razões que conhecíamos muito bem, ambos
envelheceríamos de forma prematura neste agora.
Novo e prolongado silêncio.
Por isso, ao me verem no ano 30, no futuro, não conseguiram me
identificar com o outro Jasão. Como era possível chegaram a
comentar que o Jasão do ano 30 fosse mais jovem que o do ano
25?
E a desconfiança eu diria que era certeza me deixou fora do ar
algum tempo. Devíamos nos preparar. Algo aconteceria nessa nova
aventura. Algo que nos deixaria quase irreconhecíveis. Vários
sintomas, de fato, já despontavam em nossa pele.
Sacudi o fantasma e procurei me concentrar. Isso seria avaliado
no momento certo. Estávamos onde estávamos. As forças se achavam
intactas. E esqueci.
Alcançamos a solitária curva da ferradura e percorremos o
minúsculo leito do rio Zalmon. A partir daí, entramos na selva, um
dos trechos mais perigosos daquela etapa da viagem. A margem
esquerda do rio lamacento que desembocava no yam era um ninho
de insetos, cada um mais agressivo que o outro. Naquele inferno de

espadanas altas, papiros, espirradeiras venenosas, juncos de lagoa
e dos míticos aravah, salgueiros de diminutas flores esverdeadas,
concentrava-se uma nuvem de agressores potenciais.
Vestimos as mantas e, apesar da atmosfera sufocante e da
proteção da pele de serpente, cobrimos os corpos até onde foi
possível, atravessando rapidamente a intrincada vegetação.
Ao entrar finalmente na via maris, o caminho de pedras que
rodeava a margem ocidental do mar de Tiberíades, respiramos
aliviados. Os roupões estavam invadidos por muitos daqueles
mortíferos Anopheles (mosquito transmissor da malária), Aêdes
aegypti (responsável pela febre amarela), Culex guinguefasczatus
(provocador do dengue) e outros indesejáveis propagadores de
doenças como o tifo, filariose, leishmaniose, tripanossomíase e
oncocercose, entre outras.
Aceleramos. Da ponte sobre o rio Zalmon até a cidade de Nahum,
faltavam ainda quatro quilômetros.
Passamos sem problemas pelo jardim de Guinosar e pelos moinhos
de Tabha. O trânsito de gente e animais, como imaginávamos, era
quase nulo naquele sábado.
E ao chegar à altura da familiar colina ou monte das Bem-
Aventuranças antiga base-mãe-dois -, aproveitamos para
relembrar os momentos intensos vividos naquele segundo salto.
Já havíamos discutido isso e, à vista dos muros negros de Nahum
(Cafarnaum), voltamos a estudar o dilema.
Desta vez não cometeríamos os mesmos erros. Pelo menos,
tentaríamos.
Desta vez não nos apresentaríamos como prósperos comerciantes
de vinhos e madeiras e, muito menos, no meu caso, como médico. Era
melhor assim. E, de comum acordo, estabelecemos que, a partir
daquele sábado, 18 de agosto do ano 25, aqueles gregos de
Tessalônica seriam, simplesmente, viajantes ricos, desejosos de
conhecer o mundo e de averiguar a Verdade. No fundo, uma coisa
muito certa.
A simples lembrança dos problemas criados por minha condição de
curandeiro me fazia estremecer. Não cairia nesse erro de novo.

Outra questão era saber se eu seria capaz de manter-me de fora.
Reagiria com frieza diante de uma circunstância dessa natureza?
Honestamente, eu duvidava...
10:00 horas.
Os nove quilômetros que separavam o penhasco do Ravid da
cidade de Jesus - Nahum foram cobertos num ótimo ritmo.
De onde tiráv amos aquele ímpeto?
A princípio o atribuí a Eliseu, forte como um touro, puxando sem
piedade este que aqui escreve. Pode ter sido isso.
Contudo, havia algo mais... Conforme nos aproximávamos da
primeira desembocadura do Jordão, os corações começaram a bater
agitados. Mais perto, sim, estávamos mais perto...
Meu Deus! O que estava acontecendo conosco? Aquele Homem nos
havia transtornado.
Nahum, mais silenciosa que de costume, também não pareceu
diferente. Sob os arcos da porta norte, alguns mendigos e aleijados,
displicentes e abatidos pelo calor, observavam-nos passar. Um ou
dois agitaram as tigelas de barro, pedindo esmolas.
Se continuássemos nesse ritmo, e o Destino não nos distraísse,
em quatro ou cinco horas veríamos a margem sul do lago Hule.
Perfeito, eu disse a mim mesmo. Isso significava concluir a
primeira etapa da viagem até às 15 (a hora nona). Tínhamos, pois,
tempo de sobra para procurar alojamento (o cair da noite chegaria às
18 horas, 14 minutos e 53 segundos de um suposto horário zulu ou
universal). Seja como for, diante do clima benigno, já não estava
inquieto. Dormir ao ar livre era coisa habitual entre aquela gente e
com aquele tempo estival.
E o Destino nos alcançou...
Como pude ter esquecido?
Sim, ali estava. Era lógico.
Parei. Eliseu percebeu o sobressalto. Quis saber o que acontecera.
Contudo, não pude responder.
- O que aconteceu? - perguntou-me pela segunda vez.

Se aquilo acabava de me paralisar pensei -, o que seria de mim
na frente do Mestre?
A trezentos metros da porta principal de Nahum, à direita do
caminho que conduzia a Saidan, erguia-se um velho casarão, não
menos familiar.
- A alfândega! - murmurei para mim mesmo.
- A alfândega? - respondeu meu irmão, intrigado. - E daí? Não, não
era o negro edifício de basalto que me deixava perplexo.
- É ele! Eliseu.
Meu companheiro dirigiu o olhar em direção à única pessoa que,
sentada ao pé de umas frondosas figueiras que sombreavam a
fachada, cochilava de vez em quando, vencida pelo calor e pelo
tédio.
- Ele? Ele quem?
Eliseu ficou impaciente. Eu entendi. Meu irmão dificilmente poderia
lembrar-se. Que eu soubesse, ele só o havia visto uma vez.
Não consegui tirá-lo daquela incógnita irritante.
Simplesmente, eu estava fascinado.
Cheguei perto e, sorrindo, me plantei diante dele. Eliseu, aliás,
contrariado com tanto mutismo, murmurou alguma coisa irreproduzível.
O homem, enfim, em um de seus repentinos movimentos de cabeça
ao cochilar, começou a distinguir as silhuetas dos dois visitantes.
Tentou acordar melhor e, sem entender o sentido daquele
interminável sorriso, interrogou-nos com os olhos.
Pouco faltou para que eu o chamasse pelo nome. Essa foi, sem
dúvida, uma das formas de disciplina mais árduas a que tivemos de
nos submeter em tão extraordinária missão. Deu trabalho me
acostumar. Eles não me conheciam. Mas eu a eles, sim,
perfeitamente...
Ficou de pé e, conforme o esperado, solicitou sem palavras que
abríssemos as mochilas. Eliseu obedeceu prontamente. Este que aqui
escreve, abobado, continuou a olhá-lo.
Fisicamente estava quase idêntico. Agora poderia ter 25 ou 26

anos de idade. Tinha a mesma luz nos profundos olhos azuis, e seus
cabelos, menos grisalhos, continuavam louros e bem cuidados sobre
os ombros estreitos. Mãos, túne os ombros estreitos. Mãos,
túnentavam como antes, melhor dito, como no futuro): esmeradamente
limpos e asseados.
A única mudança, a mais notável, se achava na reluzente chapa
de latão presa ao peito, sobre a imaculada túnica de linho branco.
Aquele, de fato, era o distintivo de seu grêmio.
Sim, o Destino, brincalhão, nos pegava de novo.
O homem não era outro senão Mateus Levi, o publicano, cobrador
de impostos, um dos íntimos. Mas estávamos em 25 de agosto e o
Mestre não havia ainda tocado seu ombro e seu coração. Para todos,
naquele momento, era um odiado servidor de Roma, desprezado e
ignorado.
O bom homem me observou perplexo. Imagino que o olhar intenso,
sem acanhamento algum, daquele viajante que acabava de chegar o
tenha perturbado.
Fez um movimento brusco com a mão esquerda, ordenando que eu
abrisse a bolsa.
- Sinto muito...
Foi a única coisa que consegui articular.
Meus Deus! Como descrever aquela emoção? Como expressar o
monte de lembranças que me assaltava?
Ele remexeu as ampolas de barro, examinou os papiros e, sem
muito interesse, calculou o pedágio pelas provisões em dez leptos
(coisa mínima, miúdos).
Meu irmão pagou o estipulado e o funcionário, satisfeito, voltou
para a enorme figueira.
Ao prosseguir e confessar, enfim, o porquê da surpresa, Eliseu
tentou lembrar-se do homem. Conseguiu mais ou menos. O rosto do
discípulo se achava meio difuso em sua memória. Só o vira uma única
vez: na penúltima aparição no yam, em cima da colina onde a nave
se assentava então.

Aproveitei a circunstância e o adverti sobre o perigo da fortíssima
tentação que acabava de experimentar. Por nada deste mundo
deveríamos nos adiantar, pronunciando os nomes dos que
conhecíamos e que, como neste caso, iríamos encontrar no transcurso
daquele terceiro salto. Era difícil, mas essas eram as regras. A
prudência, de novo, tinha de ser nossa bússola.
Deixamos para trás o território de Herodes Antipas e penetramos
nos domínios de seu meio-irmão Filipe, na bela e agreste
Gaulanítide(3); Foi então que, por causa do encontro com Mateus
Levi, meu companheiro levantou várias questões interessantes:
Como era Jesus de Nazaré imediatamente antes da vida pública?
Ele teria se misturado com gente como o odiado publicano? E foi
mais longe: poderia o Mestre ter sabido da existência de Mateus
antes de seu período de pregação? O que teria acontecido se nós
tivéssemos falado do Rabi a Mateus? Discutimos.
Eu defendia a hipótese de um Jesus sempre o mesmo. Eliseu, do
seu lado, se mostrava reticente. Não havia provas do que eu dizia.
Tinha razão. Era o instinto que me impelia a pensar assim. A verdade
é que eu não concebia o Filho do Homem discriminando ninguém,
muito menos pela atividade desenvolvida, ainda que fosse a de um
cobrador de impostos para Roma, a invasora.
Eliseu refutou.
Se a divindade daquele Homem era um fato, quando começou a
aproveitar desse poder? Devíamos falar de um Jesus anterior a essa
faculdade e, portanto, diferente?
Sorri dentro de mim. As interrogações eram velhas companheiras.
Algumas me torturavam desde as análises do DNA.
*3. A tetrarquia na que agora entrávamos ocupava um amplíssimo território, ao norte
e leste do Jordão. Na verdade, aquelas divisões da província romana da Judéia não
valiam quase nada. Tudo estava sob o controle de Roma. Por conveniências políticas,
Augusto aceitou o testamento de Herodes, o Grande, falecido em março do ano menos
quatro, e o reino ficou dividido da seguinte maneira: Arquelau, filho do tirano edomita e
de Maltaké, uma samaritana, governaria a Judéia, a Idumea (ao sul de Jerusalém) e a
Samaria. Antipas, irmão menor de Arquelau, recebeu a Galiléia e a Peréia (ao leste do
Jordão), ambas separadas pela Decápolis. Quanto a Filipe, filho de Cleópatra, a quinta
esposa oficial de Herodes, o Grande, foi nomeado tetrarca da Gaulanítide, um imenso

e montanhoso território povoado quase em sua totalidade por gentios. Por último, a irmã
de Herodes, Salomé, obteve um pequeno pedaço de terra na costa (Iamnia), bem como
as cidades de Azoto, Fasaelis e o palácio herodiano em Askalón, também na margem do
Mediterrâneo. (N. Do m.)
Obviamente, não houve jeito de definir critérios. Carecíamos de
informação, mas estávamos perto, muito perto, da solução do
enigma.
O segundo dilema parecia mais fácil.
Teria o Mestre conhecido o publicano antes de iniciar o período de
pregação?
As notícias trazidas por Zebedeu pai indicavam que sim.
Segundo rigoroso confidente, no ano 21, depois de abandonar
Nazaré, Jesus instalou-se no yam durante uma temporada,
trabalhando, parece, nos estaleiros da próspera Saidan vizinha. Se
foi assim, se o Filho do Homem viveu realmente certo tempo em
Nahum, era possível que tivesse cruzado com Mateus Levi e, talvez,
com outros futuros discípulos. Que eu soubesse, quase todos tinham
nascido ou eram residentes no yam.
Meu companheiro, meticuloso, lembrou que o Galileu, afinal, era
judeu. Por que iria se misturar com malditos e pecadores?
Achei que ele não falava sério. Eliseu intuía como era de fato
aquele Homem. E imaginei que podia estar se divertindo comigo, me
provocando. Jesus de Nazaré tornara-se minha fraqueza.
Claro que rejeitei a sugestão.
Não tinha provas. Não sabia com certeza como era aquele outro
Jesus, anterior ao retratado pelos evangelistas.
Contudo, alguma coisa gritava dentro de mim dizendo que a
diferença devia ser mínima. Era muito significativo aquilo que já tinha
observado na infância e na juventude.
Este, em resumo, cunsútuía outro fascinante motivo para continuar
com a missão.
O que encontraríamos no Hermon? Que tipo de Homem nos
esperava? Um místico? Talvez um iluminado? Um revolucionário? Um

Deus?
11:00 horas.
Demos uma olhada no lago.
Era sábado, as águas estavam adormecidas. Apenas meia dúzia de
embarcações, tripuladas com segurança por gentios, esperavam
imóveis e pacientes a pontual visita do vento do oeste, o maarabit.
Então abririam as velas, na direção da primeira desembocadura do
Jordão. Algumas aves brancas, ruidosas e inquietas, se precipitavam
sobre o azul chumbo das águas, marcando os bancos de tilápias.
Era bonito estar ali, sim, belo e esperançoso.
Quase sem que percebêssemos, absorvidos pela conversa,
deixamos para trás os marcos que sinalizavam o velho e o novo
caminho. Esses miliários, a bem da verdade, seriam de grande
utilidade naquela e em futuras viagens. Roma, eficaz e severa, se
encarregava de plantá-los ao longo dos caminhos pavimentados e
rotas menores, para informar o caminhante sobre distâncias e
direções. Nesse caso, cada cilindro de pedra calcária, de um metro
de altura, além de anunciar as cidades próximas e as milhas a
percorrer, apresentava uma inscrição alusiva ao imperador de
plantão. Gravada em latim dizia: Imperador César Divino Tibério,
filho do Divino Augusto...
Anode Tibério.
A não ser que fossem destruídos ou derrubados coisa muito
habitual entre os judeus mais fanáticos -, esses miliários apareciam
sempre a distâncias exatas: uma milha romana (mil passos ou 1.182
metros). Para nós, repito, foram muito úteis, aliviando os cálculos que
fazíamos por meio dos dispositivos alojados nas sandálias
eletrônicas. Mas logo estaríamos sabendo de cor rotas e
distâncias.
Ao atravessar a ponte próxima à primeira desembocadura do
Jordão, dois daqueles miliários nos advertiram. Um indicava Nahum
(3,3 milhas) e outro Beth Saida Julias (2 milhas). A partir daí, tudo
era novo para mim e, é claro, para meu irmão.
Prestamos especial atenção. As referências geográficas eram vitais.

Apertamos o passo.
A estreita trilha descuidada serpenteou dócil, durante quase dois
quilômetros, sob um benéfico túnel formado por esbeltos álamos
grisalhos do Eufrates e tamargueiras emaranhadas. O passeio
solitário, foi uma delícia. Entre as frondosas copas verdes e brancas
se adivinhava o vaivém incessante das laboriosas andorinhas do mar
e das calandras de cabeça negra, sempre encrenqueiras e
melodiosas. Desde a primavera, os sofridos hawr (álamos), uma das
poucas espécies capacitadas para resistir à salinidade das terras
próximas ao Jordão, tornavam-se o lar obrigatório dessas pequenas
aves migratórias, sempre bem-vindas. Para os galileus, as andorinhas
e calandras eram allon (palavra sagrada que significa Ele ou
Deus).
Simplesmente, eles as associavam ao ressurgimento da vida, ao
santo amanhecer da Natureza.
De repente, ao longe, mal perceptível sob a sinfonia do bosque,
vimos uma gritaria.
Olhamo-nos inquietos. Pareciam vozes infantis... Com cuidado nos
aproximamos de um dos poucos clarões. Ao contemplar o
espetáculo, entendi. TranqüiLizei Eliseu e, pedindo prudência,
continuamos.
Na pequena clareira se desenhava uma encruzilhada de caminhos.
Outra pista estreita, igualmente trabalhada com a negra escória
vulcânica da região, embicava com dificuldade em direção a uma
colina de duzentos ou trezentos metros. Lá em cima, murado pelo
bosque denso, se distinguia um arremedo de cidade. Era Beth Said
Julias, o povoado levantado por Filipe e, de certo modo, a capital
administrativa da zona. Uma cidadela negra e caótica que
evitaríamos por enquanto.
Eu devia ter imaginado. Como em quase todas as rotas, as pessoas
dos lugarejos aproveitavam essas encruzilhadas para armar suas
barraquinhas e vender todo tipo de mercadoria.
Claro, era um lugar estratégico. E tomamos nota disso.
Consultamos o sol. Voava em direção ao zênite. Estávamos perto
da hora sexta (meio-dia).

Comentamos isso e, precisando de um descanso, decidimos dar
uma parada.
Lentamente, com cuidado, misturamo-nos naquele caos. Trinta ou
quarenta olhares nos seguiram curiosos.
Entre os burros amarrados às árvores e as improvisadas
banquinhas, uma criançada incansável e incontrolável desafiava o
calor, correndo e pulando diante da lógica irritação dos cidadãos.
Quase nuas, com as cabeças raspadas e as costelas à vista, as
crianças iam e vinham, provocando e judiando das altas cavalgaduras
com cardos espinhosos e longas varas pontiagudas. Os zurros
justificados e os coices perigosos, longe de intimidar a molecada,
excitavam-na, fazendo-a voltar à carga com brio renovado, entre
incontáveis gritos e risadas maliciosas e contagiosas.
Várias e modestas colunas de fumaça se erguiam, preguiçosas, de
panelas enferrujadas, sufocando o lugar com os típicos e já familiares
cheiros de peixe frito e carne ensopada.
Ali, naqueles mercadinhos em miniatura, o caminhante encontrava
de tudo.
Com aspecto cansado, sem muito interesse, camponeses e
pescadores espantavam um exército de moscas de todos os tipos que
caía, negro e zumbindo, sobre pessoas, utensílios e mercadorias. A
praga simplesmente fazia parte da paisagem. Não havia remédio a
não ser se acostumar. Assim era a Palestina de Jesus.
Frutas, hortaliças, ovos, especiarias, tilápias e sardinhas do yam
frescas ou salgadas -, pão feito na hora, água, vinho forte e quente
e, até mesmo, suco de melão convenientemente gelado com a neve
trazida do Hermon.
Isto, e muito mais, era oferecido em quase todos os cruzamentos
de caminhos.
Eliseu fez um gesto, chamando minha atenção.
A seus pés, sobre uma manta de lã descolorida e desfiada, um dos
vendedores apresentava um produto singular. Singular para nós,
é claro.
O velho, um badawi (beduíno) de idade indefinida e quase

escondido sob um amplo roupão escarlate, convidou-nos a examinálo.
Meu irmão inclinou-se e, decidido, pegou um dos produtos.
Abriu e, divertido, leu em voz alta:
Para a filha de... (o nome do comprador aparecia em branco). Para
curar a febre e o mau-olhado e para afugentar os demônios
femininos... Blá, blá, blá, blá, blá..., e os espíritos do corpo. Em nome
de Eu, aquele que Sou. Sorri, entendendo.
O nômade, diplomático, correspondeu com outro sorriso, mostrando
umas gengivas desdentadas, sangrentas e purulentas.
E o rosto enxuto, escuro como carvão, iluminou-se diante da
possibilidade de uma boa venda.
Sua mercadoria abrangia uma rica e variada coleção de amuletos,
talismãs e ídolos, muito capazes segundo o homem - de resolver a
vida de quem tivesse a sabedoria de comprá-los.
Confeccionava os amuletos em papiro, couro, lã, cobre e pedra.
- São santos esclareceu o astuto dono num aramaico mutilado e
carregado de infinitivos -, Se comprar, eles cuidar... Nada temer...
Fixei minha atenção em duas grandes lâminas avermelhadas de
argila, de 40 por 30 centímetros. Numa das faces estavam gravadas
profundas cruzes em forma de X, compostas por dois pares de
linhas paralelas. Fiquei intrigado. Aquilo para mim era desconhecido.
- Santo..., muito santo adiantou-se o badawi, adotando uma pose
solene -, Linhas feitas pelo anjo Esdriel... Proteção máxima... Não
tocar. Primeiro comprar... Barato... Deixo em dez peças.
- Dez asses - insisti convencido. O ancião puxou a manta,
descobrindo uma longa e pastosa cabeleira prateada.
- Tu louco... amigo. Dez denários de prata por tábua... Tua vida
protegida até a morte... Esdriel ser número um...
O tal Esdriel era um dos espíritos habitualmente invocados por
essa gente supersticiosa e temerosa. Triste, sim, mas esta, e não
outra, era a realidade. Por todo o país, centenas de comerciantes

como aquele badawi rendiam felicidade com a ajuda de todo o tipo
de elementos upostamente mágicos. E, como iríamos descobrir, muito
poucos resistiam. Esta, justamente, seria outra das frentes de
batalha do Filho do Homem; a luta para sanear as mentes e
vontades, fazendo-os ver que a sorte e a verdadeira proteção
não estavam nesses objetos. Mas não vamos adiantar os
acontecimentos.
Rejeitei as cruzes divinas e me interessei pelo resto dos
amuletos.
Um deles, muito mal pintado em folha de palmeira, dizia num
hebreu defeituoso:
Canção para glorificar o rei dos mundos: Eu sou aquele que Sou, o
rei que fala numa forma diferente e misteriosa para todo o mal, que
não deve causar dor ao rabino... (aqui era incluído o nome do
comprador; neste caso um rabino), servidor de Deus dos céus...
Anael, Suriel, Kafael, Abiel e demais anjos, protegei...
Fiquei pensativo.
Era este um resumo excelente do conceito de Yaveh. Assim
pensavam os judeus. Seu Deus - Eu sou aquele que Sou - era
Alguém que só causava dor ou administrava justiça.
E nada melhor que um amuleto para se congraçar com tal fiscal e,
de passagem, receber sua benção.
Nessa infeliz situação comecei a entender o verdadeiro alcance da
revolução que o Rabi da Galiléia desencadearia.
Do meu pobre ponto de vista, Jesus tentou acabar com essa
implacável cara única de Deus. Um rosto - agora sei
absolutamente falso.
Outro amuleto, escrito sobre um lenço de linho, podia ser enrolado
na cabeça, sendo útil e benéfico nas viagens. Dizia assim:
Eu sou aquele que Sou... Eu não listarei tuas culpas... (nome da
pessoa), porque levas o sinal do temeroso. Por último a lista era
interminável -, meu irmão foi me mostrar uma pequena placa de cobre
sobre a qual o artesão havia gravado o seguinte:
Onde quer que este amuleto seja visto... (nome do dono) não

deve temer. E se alguém o detém, será queimado no calabouço.
Bendito és tu, Senhor. Envia a... os remédios. Anjos que curam as
febres e o tremor, curai... com palavras santas. A peça, provida de
um cordão tão carregado de anos como de gordura, se colocava no
pescoço. Mas, cuidado, pois, segundo o velho, o poder do amuleto
estava limitado pelas horas...
Explico. Se a pessoa pagava o preço base - um denário de prata
-, a proteção se estendia às vigílias da noite. Por mais uma moeda,
o incauto comprador recebia uma benção extra, alongando a
magia para o resto do dia.
Junto a essa sagrada mercadoria se alinhavam outros poderosos
fetiches, fundamentalmente fenícios e hititas. Em chumbo, bronze,
pedra e madeira, e de todos os tamanhos, conseguimos distinguir o
que havia de mais seleto das cortes celestiais adoradas naquele
tempo e naquelas terras da Gaulanítide pagã. Ali, por um, dois, três
denáriosdependendo do material e da categoria do ídolo -, o
caminhante levava o número um fenício, o deus Ele, representado
em forma de touro(4),
*4. Entre as múltiplas deidades femininas, o trio formado por Ele, Asherat do Mar
e Baal constituía o pilar de todas as crenças. Ele, espécie de deus pai identificado
pelos gregos como Cronos, era um ser distante, quase sem forma e todo poderoso. Os
fenícios mal o invocavam. Não acontecia a mesma coisa com sua esposa, também
conhecida como Astarte ou Baalat (nossa querida esposa).
Simbolizava a fertilidade, as boas colheitas, os filhos e a vida longa. E embora
tampouco pudesse ser invocada diretamente ou por seu nome, mas sim através de
deuses de segundo nível, o povo a respeitava, considerando-a mais próxima e
humana que o misterioso e abstrato Ele. Claro que, segundo todos os indícios,
Astarte não era uma criação fenícia. Provavelmente fora copiada e modificada, com base
em outros deuses assírios, egípcios e babilônicos. A semelhança com a Ísis do Egito, por
exemplo, é notável. E também com o Inniu sumério ou o Ishtar da Assíria e Babilônia (no
século XII a.C. As relações entre o Egito e Biblos eram tão intensas que Astarte e Hator
praticamente se confundem). Quanto a Baal, o terceiro dos deuses importantes da
Fenícia, era, talvez, o mais popular e procurado. Na verdade, havia inumeráveis Baal.
Cada região, cada cidade ou cada aldeia tinha o seu próprio: Baal Tsafon (senhor do
Norte), Baal Shamim (senhor dos céus), Baal Lebanon (senhor do Líbano) e um
longo etc. Outros povos, por seu lado, o conheciam com nomes diferentes. Para os de
Sidon era Asmun. Para os giblitas, Adon ou Adoni (senhor). (Mais tarde, os gregos o
denominaram Adonis.) Para os habitantes de Tiro era conhecido como Melquart. Baal,

curiosamente, como pregaria mais tarde o cristianismo, morria a cada ano para redimir
os homens. Uma vez recolhidas as colheitas, ele se auto-imolava, reaparecendo na
primavera. Esta lenda, sem dúvida, preparou o terreno para a futura e errônea crença
dos cristãos com respeito à missão de Jesus de Nazaré. (N. Do m.)
esposa Asherat do Mar ou Astarte, com seu perfil quase egípcio e
pintada com um disco entre os dois chifres, ou o filho de ambos-,
transportando o raio da vitória na mão esquerda. Além dessas
representações divinas de Tiro, Biblos, Sidon, Arvad e da extinta
Ugarit, a pessoa podia adquirir o mais graduado dos deuses da
mítica Cartago e das velhas Babilônia e Assíria. Entre os nomes dos
primeiros, distingui o de Hammon, o deus barbudo, sentado num
trono cujos braços eram atados com cabeças de carneiro. (Os
romanos o identificaram como o deus africano Júpiter Ammon.) O
badawi, ágil como o vento, conhecendo a arraigada superstição dos
pescadores do yam, havia se abastecido até mesmo com alguns
ídolos de ébano com a representação do deus Bes, um anão gordo
como um tonel, de expressão feroz, que os marinheiros gostavam de
pregar nas proas dos barcos. Embora o invento procedesse de
Cartago, logo se estendeu por todo o Grande Mar (Mediterrâneo) e
pelos rios e lagos navegáveis. Junto a Bes também me chamou a
atenção outro ídolo estranho, gravado sobre ferro. Eu o examinei
mas, honestamente, não soube identificá-lo.
Era formado por uma espécie de tronco de cone, com um disco na
parte superior. Entre ambos, o gravador havia traçado uma linha com
as pontas dobradas para cima, em ângulo reto.
Perguntei, e o nômade, farto da insaciável curiosidade daqueles
dois estrangeiros, além de não ter tido até ali nenhum sucesso nas
vendas, respondeu de forma concisa: grande magia de deuses
baixados do céu....
Ele pouco mais sabia. Ao voltar ao Ravid, vivamente intrigado,
consultei o banco de dados do computador. Papai Noel, com
reservas, identificou o ídolo como a deusa Tanit, de Cartago, também
conhecida como o rosto de Baal. A imagem figura nas numerosas
pedras gravadas nessa parte do norte da África, mas, a bem da
verdade, eram só opiniões de arqueólogos. O computador,

finalmente, contribuiu com um dado tão interessante quanto
misterioso: talvez estivéssemos não diante de um deus, mas sim na
presença de um antigo e desconhecido alfabeto. Talvez bereber?
No rico panteão de deuses hititas reconheci Ishkur, também
venerado como Adad, e simbolizado por um X. Com este número ou
marca (?), representava-se uma divindade sem nome, responsável
pela administração das chuvas. Como teríamos ocasião de comprovar,
para muitos felah não judeus, a presença de Baal ou de um X em
seus campos favorecia as chuvas em especial as temporãs -, sendo
esses ídolos entronizados nos acessos e orientados sempre para o
norte ou para o oriente, respectivamente. Quer dizer, para os lugares
de suas supostas origens.
O mostruário, enfim, era altamente ilustrativo. Este era o
panorama religioso dos gentios. Essa caótica situação o Filho do
Homem, um dia, deveria enfrentar. Um confuso panorama ao qual se
somava, naturalmente, a equipe de deuses romanos, gregos,
egípcios, gauleses, beduínos etc. Segundo nossos cálculos
apoiados no cômputo de Hesíodo na Teogonia-, quando o Mestre
apareceu na Terra, só na planície mediterrânea eram adorados 90 mil
deuses!
É possível que hoje, influenciado pelo monoteísmo, o hipotético
leitor deste diário não tenha reparado na situação anômala de um
mundo com semelhante proliferação de deuses.
Muito bem, repito, esta era a terrível e cotidiana verdade que
Jesus de Nazaré encontrou. Por um lado, seus próprios conterrâneos
os judeus -, servindo e venerando um Yaveh distante, vingador e
sempre vigilante. Um Deus negativo, do qual se derivaram direta
ou indiretamente 365 preceitos proibitivos contra 248 positivos ou
afirmativos. Todo um pesadelo burocrático que converteu esse Deus
num contador e num fiscal tão frio quanto absurdo. Por outro lado
gentios, escravizados pelos ídolos de pedra, ouro ou ferro, cada um
mais tirânico e caprichoso que o outro. Curiosamente, com nenhum
deles incluindo o sangrento Yaveh era possível dialogar. Só o
sumo sacerdote, uma vez por ano, estava autorizado a penetrar no
santo dos santos e interrogar (?) o temido Deus do Sinai. Entre os
pagãos, só algumas divindades menores muito específicas se

achavam capacitadas para escutar e transmitir as súplicas dos
pessimistas e infelizes seres humanos. E a vida desses homens e
mulheres transcorria na dependência da sorte e do humor dessas
entidades.
Acho que, na verdade, não foi avaliado com justiça o imenso, árduo
e revolucionário empenho do Mestre em mudar esse estado de
coisas.
Difícil? A julgar pelo que estávamos vendo, a tarefa do Rabi da
Galiléia não foi difícil. Eu a qualificaria de quase impossível.
Eliseu e este que aqui escreve nos afastaríamos do badawi, e de
sua singular e significativa mercadoria, com uma sensação
asfixiante.
Como fazer o milagre? Como arrancar o mundo de tanta
escuridão?
Muito em breve descobriríamos isso. E ficamos maravilhados.
O Filho do Mestre, verdadeiramente, tinha a chave.
O maarabit, pontual como um relógio, entrou em cena, derrubando
as indolentes colunas de fumaça e surpreendendo crianças e adultos.
Entre tosses e pigarros, o público tratou de se arrumar sob os
roupões. E nós, driblando cântaros, melancias enormes, reluzentes
vasilhas de cobre e a inevitável molecada, fomos atraídos por um
cheiro apetitoso. Meu irmão aproximou-se curioso de uma daquelas
amplas frigideiras de ferro negro e gorduroso. A mulher, impassível,
continuou mexendo a enfumaçada fritura. Ao seu lado, em fundos
caldeirões de barro, acho que identifiquei alguns fígados de frango
mal passados, literalmente assaltados pelas moscas.
Devagar, de forma estudada, a orgulhosa matrona pegava os
pedaços, jogando-os no óleo. Uma cebola, previamente cozida,
brilhante e transparente, flutuava entre a carne crepitante.
Trocamos olhares. A comida tinha boa aparência. Mas desistimos,.
As condições higiênicas do frango, literalmente coberto pelas
moscas deixavam muito a desejar.
Ao ver que cochichávamos, a mulher levantou os olhos e, segurando
o pequeno touro de madeira pendurado em seu pescoço, invocou

Baal, agradecendo a presença daqueles dois estrangeiros diante de
sua humilde barraquinha. Isso explicava o amuleto e sobretudo o fato
de aparecer cozinhando em público num sábado, coisa
terminantemente proibida aos judeus. Segundo a Lei, nem sequer
estavam autorizados a manter viva a chama do candeeiro... Isso
supunha um esforço, um trabalho.
Imagino que, familiarizados com nossa presença, alguns dos
pescadores e felah terminaram por ganhar confiança e, arregaçando
mangas e apertando cintos, nos obrigaram a ir daqui para ali,
mostrando-nos as excelências de seus quiosques. As sucessivas
negativas educadas não foram ouvidas.
E tivemos de suportar a prova de melões e melancias e a forçosa
degustação de figos, tâmaras e uma ou outra tilápia salgada. Aquilo
estava ficando complicado. Os voluntariosos campesinos disputavam
no tapa os clientes, em feias discussões. E prevendo coisa pior,
apertei Eliseu, fazendo-o ver que era hora de retomarmos nosso
caminho. Mas meu companheiro, tentado por uma luminosa cesta de
maçãs vermelhas e verdes, não concordou. E eu me resignei.
O pequeno e delicioso fruto uma tauab talvez procedente da
vizinha Síria acabava de chegar ao yam.
Eliseu examinou um par e perguntou o preço. O felah, implacável,
dedo em riste, pediu um denário. Neguei com a cabeça. No máximo,
adverti, um par de leptos... Discutiram. Era o de sempre. A
pechincha fazia parte do jogo.
E, de repente, vi o homem se aproximando. Mas, sinceramente, não
me preocupei. Era um dentre tantos...
Meu irmão ofereceu cinco e o camponês, teatral, puxou a barba,
maldizendo sua sorte. Finalmente, entre bem estudados lamentos,
acabou por deixar tudo por três.
(Um denário de prata equivalia, mais ou menos, e dependendo do
lugar, a vinte e cinco asses. Cada quarto de asse, por sua vez, significava
um par de leptos.)
Assenti em silêncio e peguei as maçãs, enquanto meu companheiro
pegava a sacola de borracha, disposto a pagar o combinado. Mas
cometeu um erro. Foi tudo tão vertiginoso e súbito que nos pegou de

surpresa.
Eliseu, repito, imprevidente, desamarrou a bolsa do dinheiro das
cordas egípcias que lhe serviam de cinturão. Esse foi o erro. Ele abriu
a bolsa e pegou as diminutas moedas de cobre.
E de repente...
Aquele ladrão, plantado a meio metro destes dois exploradores e
de olho na discussão, caiu como um meteoro em cima de Eliseu,
arrancando-lhe a bolsa negra. Levamos alguns segundos para reagir.
O Meu irmão foi o primeiro. E, gritando, saiu atrás do ágil larápio.
Depois foi a vez do felah que, aos gritos, colocou em alerta o resto
do mercadinho. Imagino que tenha visto seu negócio em perigo.
Quando me dei conta, meu companheiro e o ladrãozinho já estavam
a vinte ou trinta metros de distância, no caminho que levava a Beth
Saida Julias.
Pensei em utilizar os ultra-sons, mas, dada a mobilidade do rapaz,
teria sido em vão. Além do mais, como fazer isso num local tão
concorrido? Não era racional nem prudente. A verdade é que também
não foi necessário.
Naquele momento, o infeliz ladrão, perseguido muito de perto pelo
indignado Eliseu e por alguns dos vendedores, olhou para trás para
avaliar sua vantagem, e acabou tropeçando na grossa camada de
grão basáltico que forrava o caminho. Não conseguiu se levantar para
continuar correndo. Os perseguidores caíram sobre ele e o
imobilizaram.
Eu me apressei a intervir. E graças aos céus cheguei a tempo.
Meu irmão recuperou o dinheiro e, respirando fundo, interrogou o
sujeito, repreendendo-o por sua atitude.
Foi estranho. Naquele momento, sinceramente, não percebi.
O jovenzinho, apesar dos pontapés dados pelos felah, não deu
pio. Continuou com o rosto afundado na cinza escura, resfolegando e
tentando se safar das mãos ásperas que o seguravam.
Parecia que não era a primeira vez que ocorria uma coisa assim com
o mesmo protagonista. Um dos camponeses, chamando-o de mamzer
(bastardo), levantou sua bengala, disposto a quebrá-lo em pedaços.

Fui instintivo. Segurei a bengala no ar e detive o homem com
firmeza. Atônito, o galileu me olhou sem compreender. Tentei sorrir,
explicando-lhe que aquilo não era necessário.
Bastavam os pontapés. O castigo era desproporcional.
Acho que entendeu. Baixou a arma e negando com a cabeça,
afastou-se, Levantei o agitado ladrãozinho e, segurando seus braços
esquálidos: o interroguei. Continuou lutando mas, por fim, rendido,
concordou em me olhar. E percebi medo e ódio naqueles grandes e
desolados olhos verdes. Não teria mais que oito ou nove anos de
idade.
Não se dignou a responder. Nenhuma das perguntas teve resposta.
E do pânico, o ruivo foi passando a uma atitude desafiadora.
Senti tristeza. Uma profunda tristeza.
Ao examinar o corpo quase nu, mal coberto por um rac, uma espécie
de tanga, suja e esfarrapada, percebi que estava seriamente
desnutrido. Os sintomas, à simples vista, eram inequívocos: veias
muito visíveis sob a pele seca, atrofia muscular e um acentuado
quase escandaloso relevo ósseo.
Calculei a olho a circunferência dos braços. Lamentável(5)...
Pedi a Eliseu que o mantivesse imóvel e o obrigasse a abrir a boca.
Era o que eu temia.
O exame das mucosas na língua, gengivas e palato confirmou o
diagnóstico inicial.
*5. Embora não seja um dado seguro, a medição da circunferência do meio do braço
pode proporcionar uma pista importante. Com os centímetros exatos, prévia consulta às
tabelas de porcentagens (Hanes, II), é possível uma aproximação ao índice de
desnutrição. Nesse caso, considerei preocupante essa aproximação. Com tal medida é
fácil obter a área muscular. É só aplicar a fórmula de Gurney-Jeliffe (área muscular =
circunferência, em centímetros, menos pi prega, tudo elevado ao quadrado e dividido
por 4 pi, considerando como prega a grossura do tricipital em centímetros). (N. Do
m.)
O jovenzinho, inquieto, emitiu alguns sons guturais. Como fui tão
incompetente? Como não percebi? As conjuntivas (membranas que
recobrem o interior das pálpebras e a face anterior da esclerótica)

também me confirmaram tudo. O pequeno mamzer padecia de uma
acentuada desnutrição. Coisa muito comum naquele tempo e
sobretudo entre os mais infelizes: os bastardos. Insisti, quis saber
sobre sua família, o lugar onde vivia e até mesmo seu nome.
Impossível. Ele se negou a responder.
Por último, apalpei o fígado do jovem e lancei um olhar
significativo ao meu companheiro. Ele entendeu que alguma coisa
não estava bem e, com a mesma espontaneidade com que havia
parado o ladrãozinho, vasculhou a sacola de borracha, tirando dela
um reluzente denário de prata.
Os expressivos olhos do menino acompanharam a peça. Ele a
observou, ávido. Mas continuou fechado naquele absoluto e
enigmático mutismo.
Eu decidi soltá-lo.
E Eliseu, mostrando a moeda, o convidou a gastá-la com comida. O
menino pareceu duvidar.
- Talvez não entenda aramaico insinuei como um perfeito idiota.
Meu irmão repetiu o conselho em grego, em koiné, mas o resultado
foi o mesmo. O ruivo nem se mexeu. O rosto, com uma sujeira crônica,
permaneceu inalterado. Só os olhos, ágeis e agudos como os de um
falcão, continuaram fixos nos esporádicos brilhos da prata.
Finalmente, carinhoso, com o melhor dos sorrisos, Eliseu tomou a
mão do garoto e nela depositou a moeda.
O menino o olhou desconcertado. Levou a moeda à boca e, depois
de mordê-la, o verde musgo dos olhos iluminou-se.
Tentou, acho, dizer alguma coisa, mas só distinguimos um leve
movimento dos lábios. Em seguida, como que impulsionado por uma
mola, saltou em direção ao bosque, desaparecendo.
Eliseu deu de ombros.
Minutos depois, tendo pago os três leptos, entre os cochichos das
matronas, o alvoroço da criançada e os lamentos das cavalgaduras,
estes dois exploradores retomavam a marcha, afastando-se em
direção norte.

Durante algum tempo quase não nos falamos.
Imaginei que os sentimentos eram idênticos. Já havíamos visto
miséria na passada Operação Salomão e, apesar do treinamento
duro era difícil nos acostumarmos. Contudo, não tínhamos outra
escolha. Além disso, precisávamos pensar no assunto. Pouco ou nada
podíamos fazer para resolver o problema. Calculei que aquilo era só
o princípio, E, naturalmente, acertei.
O caminho, sempre coberto pela cinza vulcânica negra e crepitante,
começou a ficar íngreme. Em questão de três milhas, passamos do
nível do yam (naquele tempo, a 208 metros abaixo do nível do
Mediterrâneo) a uma altura que oscilava entre os 100 e os 500
metros. E assim continuaria até que víssemos as lagoas de
Semaconite.
Aos poucos, o bosque de álamos do Eufrates e tamargueiras foi
rareando. E ao sair do benéfico túnel, o sol de agosto nos bateu na
cara.
Se os cálculos estavam certos, o próximo cruzamento de caminhos
se achava a uns cinco quilômetros, nas proximidades de Jaraba, outra
povoação da alta Galiléia, igualmente desconhecida para nós. Nossa
intenção era parar o menos possível, procurando alcançar a margem
sul do Hule, como já disse, antes do anoitecer. O atraso no ponto
próximo a Beth Saida Julias batizado desde aquele momento como
clareira do ruivo - não era significativo, mas também não devíamos
nos descuidar. Foi instintivo.
Aqueles dois exploradores se detiveram maravilhados. O que se
abria diante dos nossos olhos era mais belo do que imaginávamos.
Lá embaixo, à esquerda da estrada, a cerca de um quilômetro, o
alto Jordão descia lento e verdejante, como um dono e senhor. Nas
duas margens das águas espelhantes, imensas plantações de frutas,
hortas labirínticas, vinhedos carregados e uma endiabrada teia de
aranha armada com açudes e canais. E entre verdes, ocres e cinzas,
os perpétuos vigilantes do rio: os olmos esbranquiçados os eshem
-, agora amarelados e brigando inutilmente com as temperaturas
elevadas. Dezenas de choças avisavam sobre a presença humana,
apertadas umas contra as outras ou surgindo imprevisíveis entre
disciplinados esquadrões de limoeiros, romãzeiras, amoreiras,

macieiras e a luz, as brancas amendoeiras, paradoxal e
incompreensivelmente nevadas.
Meu Deus!... Aquele era outro dos habituais cenários na vida do
Filho do Homem!
Como um aviso negro e cilíndrico, apontando para o incansável
azul do céu, as torres de vigilância. Corpulentas atalaias de pedra
basáltica de dez metros de altura, sempre vigiando, sempre
carregadas de razão, sempre gritando que os kerem, os vinhedos sob
sua tutela, eram sagrados. Assim dizia a Lei de Moisés. A gefen (a
videira) e as anavim (as uvas) eram intocáveis. E durante o verão e o
tempo da vindima, donos e patrões instalavam no alto dia e noite
os melhores vigias. Embaixo, imprevidentes, enfeitadas de
vermelho, distinguíamos algumas videiras bem carregadas, prontas
para a colheita e escoradas com estacas.
O pai Jordão menos bíblico naquele curso que o propiciado pela
segunda desembocadura bendizia sem descanso a pouco célebre
Gaulanítide. Contudo, eram terras de especial importância na
existência de Jesus de Nazaré. Pouco a pouco o iríamos
comprovando.
Parecia como se a Providência tivesse investido tempo e esforços
extras ao desenhar aquelas paragens. A meu ver, deviam ser
percorridas por um Deus(6)...
*6. A depressão do Jordão faz parte do grande vale denominado falha sírioafricana,
se estendendo do norte da Síria até o rio Zambeze. Embora os especialistas
não estejam todos de acordo, tudo parece indicar que o grande vale dividiu-se em dois
trechos no Neozóico, que teria terminado há uns dois milhões de anos. Nesse período,
apareceu a falha do norte (desde Bet Shean até o Hermon) e a do sul (até a Aravá).
No final do Pleistoceno, parece, o mar penetrou a oeste, inundando essas depressões.
Pouco a pouco, calcário, gesso e sal comum foram afundando, explicando assim o alto
conteúdo salino dessas terras próximas ao atual Jordão. Movimentos tectônicos
terminaram cortando a comunicação com o oceano e apareceu um enorme lago
salgado: o mar do Jordão ou mar de Lisan. Há uns 25.000 anos, esse mar chegou à
sua profundidade máxima, com uns 200 metros abaixo do nível do oceano. E depois de
algumas mudanças há 17.000 ou 15.000 anos contraiu-se, formando basicamente o
que hoje conhecemos: os lagos residuais de Tiberíades e Hule e o profundo mar Morto,
ao sul. (N. Do m.)

Extasiados, continuamos em silêncio.
À direita do solitário caminho, embora diferente, a paisagem não
menos rica e exuberante.
Pacientes e inteligentes, os felah haviam conquistado o abrupto
perfil transformando planícies quase impossíveis nos cobiçados
celeiros da alta Galiléia. Os campos de trigo e cevada plantados
entre abril e junho se derramavam na direção leste como um mar
negro, amarela agora em chamas pela queima dos restolhos. Ao
longe, envolvidos em fumaça, grupos de camponeses pastoreavam um
fogo fraco e inquietante, perigosamente estimulado pelo maarabit, o
vento do Mediterrâneo.
Nas regiões limítrofes, pirâmides de basalto altas, escuras e
brilhantes, lembravam aos nativos e estrangeiros o titânico esforço
dos galileus para domar aquelas montanhas. Nem uma única planície
tinha ficado livre do minucioso trabalho de limpeza dos seixos e
rochas vulcânicas que assolavam a região.
Em algumas das ilhas os felah levavam em grandes carroças os
últimos feixes de uma palha desgastada e queimada de sol.
Mais adiante, as ayit, as oliveiras encurvadas, ásperas e cobertas
de rugas, avisavam sobre o novo território e marcavam sem discussão
a fronteira entre a humilde verticalidade do cereal e a altivez do
bosque. Fiel ao profeta Oséias, o olival se engalanava discreto e
distante.
Os camponeses, escrupulosos e sábios, sabedores da permanente
e lendária sede dessa espécie a Olea europea -, procuravam
plantá-la assim como recomendava a Lei: a uma distância de onze
metros de uma oliveira a outra. Algumas das ayit, vencedoras,
mostravam troncos enormes de até quatro ou cinco metros de
diâmetro. Provavelmente eram testemunhas mudas de mil anos da
história de Israel.
E por trás dessa milícia, de novo o bosque, colonizando o norte e
o oriente até os 800 ou 900 metros de altitude.
Era assombroso.
A massa florestal dominava o relevo. Disfarçada de horizonte verdeazul,
confundia os céus. Verdadeiramente, a Palestina de Jesus de

Nazaré pouco ou nada tinha a ver com a Palestina de hoje. Pelo que
fomos descobrindo, um esquilo poderia ter descido do Hermon até o
mar Morto sem tocar o solo.
Na primeira linha se apertavam as doces alfarrobeiras os harw do
Talud e da Misná -, respeitosas com o velho olival, com suas copas
amplas, abertas e hospitaleiras a todas as aves. Por atrás,
desafiadores e altivos, os ego, gigantescas nogueiras persas de
trinta metros de altura, prontas para dar frutos. E entre a folhagem
densa e aromática, suas primas, as nogueiras negras, uns intrusos
e ladrões de luz de até cinqüenta metros de altura.
Prudentes, os galileus haviam traçado numerosos corta-fogos que
entravam e se perdiam na floresta. Semanas mais tarde, numa
inesquecível incursão àqueles bosques, seguindo, naturalmente, o
Filho do Homem, meu irmão e eu desfrutaríamos de uma excelente
ocasião para explorá-los e conhecer de perto a vida de outro grupo
apaixonante: lenhadores. Nem é preciso dizer que um desses
lenhadores era, justamente, o afetuoso e sempre surpreendente
Rabi.
Ali, em algum lugar, ocultas entre nogueiras e alfarrobeiras, se
erguiam três aldeias Dardara, Batra e Gamala -, basicamente
dedicadas à colheita da keratia (a vagem doce do haruv, a
alfarrobeira) e da noz e ao corte do ego negro, de madeira dura e
homogênea, muito apreciada pelos carpinteiros e marceneiros de
interiores.
A caminhada, enfim, foi um espetáculo.
Cobrimos solitários e sem problemas os seguintes dois quilômetros
e meio e, ao chegar à altura do miliário que anunciava a povoação
de Jaraba (a duas milhas romanas: 2.364 metros), algo nos deteve.
Inspecionamos os arredores mas, à primeira vista, não detectamos
a origem da martelada prolongada e surda que encobria o familiar
chilreio monótono das incansáveis cigarras.
Eliseu apontou para o céu.
Apesar do fortíssimo calor talvez batendo nos 35 graus Celsius,
inquietos bandos de pássaros flutuavam e desciam sobre os vales
que separavam uma propriedade da outra, atacando algo que não

pudemos distinguir por causa da distância.
Continuamos devagar, com cautela, imaginando não sei por quê
uma praga de serpentes. Talvez víboras, tão abundantes no estio e,
sobretudo, nas zonas rochosas.
Uma centena de passos mais adiante, tivemos a resposta.
Meu irmão, desconcertado, recuou.
Eram milhares...
O caminho, as plantações à esquerda e os campos e blocos
basálticos da direita ferviam.
O que fazer Aquilo nos barrava literalmente a passagem.
Não pareciam agressivos, mas...
Eliseu, decidido, tocou um dos incríveis exemplares com a ponta da
sandália. Na hora, o indivíduo fugiu com um pulo ágil e vertiginoso,
com tão má sorte que foi bater e se enganchar no peito do
surprendido engenheiro. Ele o tirou com golpes rápidos da mão e,
lívido, me interrogou com os olhos.
Pouco faltou para que eu caísse na risada. Mas o susto do meu
amigo recomendava prudência.
Pensei em limpar o caminho com o laser de gás. A carnificina,
contudo, me pareceu fora de proporção.
Só restou uma alternativa: atravessar por cima da praga o mais
rapidamente possível.
Dito e feito.
Cobertos com as mantas e correndo, os dois exploradores se
lançaram na pista, triturando a cada passada várias daquelas
máquinas devoradoras.
Ao deixar aquele inferno verde, respirando fundo e, suados, não
pudemos esconder uma cortante sensação de ridículo e começamos a
rir como pobres tolos impotentes. Quando chegou a hora, Papai
Noel nos deu conta da natureza e das atividades desses insetos.
Porque afinal se tratava de outra das pragas habituais do verão na
Palestina que Jesus conheceu.
Segundo o computador, esses gigantescos ortópteros de dez a

doze centímetros de comprimento recebiam o nome de Saga
ehipigera, embora os judeus os batizassem de devoradores
verdes... e com razão. As enormes cigarras, com asas rudimentares,
apresentavam uma tonalidade verde garrafa com franjas brancas ou
marrons no ventre. E para onde fossem, levavam a morte verde. Nada
resistia à sua voracidade: plantas, outros insetos, rãs, lagartos,
serpentes e até pássaros do tamanho de uma andorinha.
Cresciam na primavera e no verão como os gafanhotos -,
migravam para Israel, assolando tudo que aparecia pela frente.
Em várias ocasiões, ao longo daquele terceiro salto, teríamos a
má sorte de bater de frente com os saga. E a experiência foi sempre
desagradável. Os órgõs bucais, enormes, agarravam a pele,
cortando-a como navalha.
Eram mais ativos durante a noite. Quando alguém dormia ao ar
livre, de repente, sem nenhum aviso, podia ser literalmente
sepultado pelos devoradores, que não distinguiam plantas,
animais ou seres humanos.
Os felah combatiam essas pragas com muita dificuldade, usando o
fogo claro, com a ajuda inestimável das aves, que se precipitavam
sobre eles em grandes bandos. Se um pássaro, contudo, fosse
atacado pelos devoradores dificilmente chegava a retomar o vôo.
Em segundos, outros, devoradores caíam sobre ele, deixando só
ossos.
Nesse caso, os penetrantes silvos dos abelharucos multicolores
alertavam outros inquilinos da zona, que se apressavam a
compartilhar a festa. Até os guarda-rios (martim-pescador de peito
branco) abandonavam seu plácido território no Jordão se
aventurando na tórrida atmosfera daquelas elevações. E com eles,
outras entusiasmadas famílias de cotovias, gaviões e calhandras de
cabeça negra. A caça, em certas ocasiões, se prolongava por dois
ou três dias, transformando aquelas paragens num mare-magnum de
saltos, chorinhos, marteladas e incessantes planadas e bicadas.
Mas as surpresas não haviam terminado.
Recuperados do susto, depois de limpar os roupões dos pegajosos
e recalcitrantes devoradores, decidimos dar uma boa respirada. À

sombra de um dos blocos de basalto que escoltavam de perto o
caminho, tratamos de matar a fome, pegando as provisões fornecidas
por Camar: ovos crus, grãos de trigo tostados, cenouras, nozes, figos
secos e tâmaras. Uma dieta obrigatória, rica em vitaminas E e C.
Estávamos nisso quando, por cima do monocórdio canto das
cigarras negras, tivemos a impressão de ouvir algo...
O som estava por perto. Levantamo-nos e tentamos localizar o
lugar de onde viera o barulho.
Repetiu-se pela segunda vez.
Trocamos um olhar. Parecia um grunhido. Seria um animal? 211
Naquele tempo, e naqueles bosques, eram freqüentes o urso e um
tipo de javali de cabeça grande e presas curtas e temíveis como
adagas ou, o que era pior, os bandos de cães selvagens, geralmente
famintos e impiedosos.
Deslizei o dedo até o extremo superior da vara de Moisés e me
preparei.
Meu irmão caminhou alguns metros, rodeando parte do negro
círculo de basalto. Terceiro grunhido.
Imitei Eliseu e, inquieto, avancei devagar a dois ou três passos das
pedras, seguindo o flanco oposto. O estranho som, claramente
gutural, vinha de algum ponto do penhasco.
Não sei explicar mas, ao ouvir de novo o singular lamento (), uma
imagem me veio de repente à memória. Tratei de desfazê-la. Isso
não era possível...
De repente, Eliseu me alertou.
- Jasão!... Aqui!... Rápido!
Corri ao lugar e segui a direção apontada pelo meu companheiro.
- Não pode ser...
Meu irmão, intuitivo, exclamou:
- Eu sabia... Alguma coisa me dizia que isso ia acontecer...
Eu também acertara. O pressentimento fora atinado.
- Bem ponderou Eliseu, adiantando-se aos meus pensamentos -, e

daí?
Eu não soube o que responder.
- Isso não é casual...
Concordei.
No alto de um dos penhascos, agachado e encolhido, nos
observava um personagem que havia pouco conhecêramos: o ruivo!
Mas como não o tínhamos visto? Como não tínhamos percebido
antes sua presença numa caminhada tão longa? No fundo dava na
mesma. A questão era que ele estava ali e, evidentemente, nos
seguia por alguma razão.
Com medo, ignorando nossos pedidos para que descesse, o garoto
continuou em seu esconderijo. De vez em quando, como uma resposta
para tudo, negava com a cabeça.
Eliseu fez menção de subir pelas pedras. Lá em cima, soltando uns
animalescos sons guturais, ele saltou mais para o alto, mantendo a
distância.
Meu irmão desistiu.
Embora nos tivesse seguido, estava claro que não tinha intenção
de fazer amizade.
Nós lhe mostramos um pouco de comida, convidando-o a descer.
Negativo.
Outra vez negou com mãos e cabeça, acompanhando os
movimentos com gritinhos fundos e agudos. Gritinhos de protesto e
rejeição.
Como fora incompetente!
Então entendi. Mas, confuso, não tive coragem de dizer tudo ao
meu companheiro. E vendo aquele infeliz, me senti de novo invadido
pela tristeza.
O que eu podia fazer? Nada, absolutamente nada.
Enterrei o achado no íntimo e, carregando as mochilas, depois de
lançar um último olhar ao rígido e refratário ladrãozinho, voltamos ao
caminho, apertando o passo.

Uma centena de metros mais adiante, ao olharmos para trás, a
criança havia desaparecido.
Como era possível? Onde se escondia?
Esquadrinhamos campos e fundos de vales. Inútil. Era como se a
terra o tivesse engolido.
E, preocupados, nos dispusemos a terminar aquele trecho da
viagem. Logo veríamos o cruzamento de Jaraba.
Voltaríamos a encontrá-lo? E se isso ocorresse, o que faríamos?
Sem querer acabamos nos envolvendo numa polêmica difícil e
tortuosa.
Admitindo a remota possibilidade de que ele se juntasse a nós,
que papel nos reservava o Destino?
Aquilo não estava previsto.
Eliseu, compassivo, não fez reparos.
- Que mal pode nos acontecer se ele nos acompanhar? Talvez seja
positivo para todos...
Fui contra.
A missão nos obrigava a ficarmos livres e sem nenhum compromisso.
Quase estive a ponto de confessar minhas suspeitas. Se minha
avaliação era correta, acolher o menino complicaria os nossos planos.
Não houve saída. Teimoso, manteve-se em sua posição. Senti que
começava a ter carinho pelo ruivo. Coisa terminantemente proibida
pelo Cavalo de Tróia. Segundo as regras, éramos apenas meros
observadores e, por nada deste mundo, devíamos nos envolver com
sentimentos ou amoricos com os nativos daquele agora histórico.
Claro, isso era o ideal. Pura teoria. Na prática e como acontecia
conosco e o Mestre -, as coisas eram muito diferentes. Mas, tão
obstinadamente quanto meu companheiro, eu me agarrei às normas,
rejeitando as sugestões do bem-intencionado Eliseu. O Destino,
felizmente, deixaria o assunto no lugar que lhe cabia.
- Vamos chamá-lo de Denário...
Reclamei.
- Vai ver ele tinha seu próprio nome.

Acho que nem me ouviu. E continuou fazendo planos.
- É esperto... Podíamos lhe ensinar um ofício. Talvez procurar uma
família para ele.
Feliz, querendo vê-lo de novo, Eliseu parava de vez em quando,
procurando inutilmente nos campos e colinas.
Ao lembrá-lo da terminante proibição de intervir nos fatos que
pudessem alterar o desenrolar natural dos acontecimentos, ele caiu
na risada. E com sua habitual e cristalina espontaneidade, disse:
- Teorias, puras teorias. Você sabe muito bem que só nossa
presença já constitui uma descarada violação deste agora.
Aí ele me pegou.
- Além do mais acrescentou, afundando o dedo na delicada ferida
-, quem disse que nós, pobres diabos sentimentais, somos capazes
de modificar o Destino? Se fosse assim, você acha que esta operação
teria sido realizada? Arrematou convencido.
- Não, querido major. Esse Destino ao qual você, agora, talvez com
razão, distingue com uma merecida maiúscula, não teria autorizado
isso.
Essas palavras tão sensatas e justas me desarmaram. Pensei nelas
durante muito tempo. Naquela operação de fato palpitava algo
mágico.
Algo misterioso e sublime que, por sorte, escapou à nossa
percepção.
Mas essa já é outra história...
Ao dobrar uma curva, a conversa se perdeu. E voltamos à realidade.
Diante de nós, lenta e cansada, apareceu uma caravana.
Detivemos nossa marcha. Embora não houvesse motivo algum para
problemas, ficamos alerta.
Tratava-se de uma dúzia de redas enormes e pesadas carroças de
quatro rodas, puxadas por mulas esgotadas e resfolegantes.
Saímos do caminho.
Os homens da caravana, seminus, com as cabeças cobertas por

turbantes brancos e armados de paus e longos chicotes de couro,
fustigavam sem dó os animais, forçando-os a acelerar o passo. Pelos
gritos e blasfêmias, concluí que eram uma quadrilha de tírios.
Falavam um idioma indecifrável para mim.
A cada golpe, as mulas respondiam com um novo esforço. Mas as
pesadas cargas, o chão solto e granulado e, sobretudo, a violência
do sol iam sufocando os animais, fazendo-os tremer e titubear. E os
cinco ou seis fenícios, mais animais que as próprias mulas,
aumentavam as blasfêmias e chicotadas, deixando os exaustos
animais quase mortos.
Eliseu, indignado, desviou o olhar.
Tentei averiguar o que havia dentro das carroças, a olho nu, mas
era impossível. Estava tudo cuidadosamente coberto com densos
galhos de feto.
De repente, um dos caravaneiros parou perto de nós. E, suado,
apontando na direção do yam, perguntou em aramaico se o caminho
à frente estava aberto. Aquele, como já expliquei, era outro costume
habitual nas sempre perigosas e imprevisíveis rotas da Palestina.
Viajantes, burriqueiros e chefes de comboios trocavam informações
quando cruzavam caminhos.
Esclareci que tudo estava tranqüilo, exceto o trecho infectado pelos
devoradores verdes. Ao ouvir isso, o homem murmurou alguma coisa
em sua língua, cuspindo sobre os animais. Ficou em dúvida por
alguns instantes e, em seguida, avançando até a cabeça das
carroças, gritou alguma coisa. As mulas estancaram, mexendo as
cabeças, nervosas. Os tírios se agruparam e, depois de ouvir aquele
que nos havia interrogado, discutiram, golpeando os animais com os
chicotes.
Pareciam furiosos e contrariados. Prudentemente demos volta,
retomando nossa marcha. Aos poucos passos, contudo, nosso
interlocutor nos chamou aos gritos. Queria ter certeza.
Descrevi a cena e, convencido, franziu o cenho, amaldiçoando sua
alma, a do seu pai, dos seus defuntos, o injusto deus Baal e a
maldita hora em que lhe ocorreu aceitar o transporte daquela água
mineral...

Água mineral?
Eliseu ficou interessado nessa carga curiosa e o tírio, contra
vontade, com o pensamento concentrado nos devoradores, explicou
que procedia das fontes do Jordão, perto de Panéias (Cesaréia de
Filipe) ao norte. Mais à frente, verificaríamos. Tratava-se de fato da
saudável água hipotermal (fria), baixa em minérios e de notáveis
propriedades diuréticas.
Aproveitei a ocasião e fiz a mesma pergunta que o fenício me
fizera:
- Sem problemas.
Fiquei mais tranqüilo. Isso significava que o resto da rota estava
aberto e sem conflitos.
O rude caravaneiro, porém, com um sorriso malicioso, foi mais além,
esclarecendo um ponto que sempre inquietava os viajantes. Em
especial, os muito patriotas e os judeus mais ortodoxos.
- Nem sinal dos kittim... até o cruzamento do Dabra.
O sujeito voltou ao grupo e deu algumas ordens. Na hora, as
cabeças das mulas foram cobertas com grandes e generosos sacos de
aniagem. Dois tropeiros ficaram na frente do comboio e instigaram os
indecisos animais a retomar o caminho. Desta vez em silêncio, sem
golpes, devagar, tendo o medo como novo integrante da caravana.
Fiz meus cálculos.
A referida encruzilhada de Dabra estava quase ao sul do lago Hule.
Ao cair da tarde, portanto, tropeçaríamos nos kitim (os romanos).
Mas não tínhamos por que nos preocupar. Ao contrário. No nosso
caso, as tropas auxiliares, destacadas na afastada região da
Gaulanítide, sempre representavam certa segurança. Ou não?
Fomos em frente e Eliseu, depois de esquadrinhar pela enésima vez
os arredores procurando o desaparecido Denário, referindo-se à
caravana, disse estar contente com a escolha do sábado para iniciar
a procura do Mestre. Compartilhei sua alegria. Tivemos sorte. Em
escolher outro dia, a estreita e descuidada artéria pela qual
caminhávamos teria sido um suplício e uma fonte inimaginável de
conflitos.

Sim, talvez seja o momento de abrir um parêntese e falar sobre
isso.
Tudo que vou falar fizera parte, além disso, do dia-a-dia no qual
Jesus se movimentava. E acabou propiciando uma infinidade de
historinhas e fatos mais ou menos importantes.
Alguns deles, como veremos, denunciados pelos textos sagrados
(?).
Essa estrada, pela qual agora caminhávamos, era um dos eixos
comerciais de maior intensidade e transcendência na vida da
Palestina. Dia e noite, dezenas de caravanas cruzavam por ali numa
direção e na outra. O tráfego era angustiante. No fundo, era lógico
que fosse assim. Mais ao norte, na cidade de Panéias, a rota se
ligava a outra igualmente vital: a que se dirigia a Damasco, pelo
lado leste, e à buliçosa Tiro, na costa mediterrânea. Procedentes,
assim, dos quatro pontos cardeais, afluíam nessa estrada todas as
mercadorias imagináveis... e algumas vezes Essa florescente
realidade não era nada nova. Embora a paz do imperador Augusto
tivesse multiplicado a segurança geral, o comércio intenso aparecia
refletido já nas palavras do profeta Ezequiel, 600 anos antes de
Cristo(7). Referindo-se à vizinha Fenícia mais concretamente a Tiro
e Biblos -, ele faz um minucioso e exaustivo inventário de tudo que
entrava nessas cidades costeiras.
*7. No capítulo 27, versículos 9 ao 25, Ezequiel fala das relações comerciais entre
algumas cidades fenícias e o resto do mundo. Entre outras coisas diz: Os anciãos de
Gebal (Biblos) e seus sábios estavam a teu serviço para reparar as tuas avarias. Todos
os navios do mar e seus marinheiros estavam aí para assegurar teu comércio. Os
habitantes da Pérsia, de Lud e de Fut serviam como guerreiros no teu exército... Társis
era teu cliente, em virtude da abundância de todos os bens: permutavam a prata, o
ferro, o estanho e o chumbo pelas tuas mercadorias. Javã (Jônia), Tubal e Mosoc
(provavelmente Anatólia) comerciavam contigo, trazendo escravos e objetos de bronze
em troca de teus víveres. De Bet Togarma (Armênia) traziam-te cavalos, cavaleiros e
mulas como mercadorias. Os filhos de Rodã (Rodas) faziam comércio contigo, muitas
ilhas (oceano Índico) eram teus clientes, trazendo como tributo dentes de marfim e
ébano. Cliente teu era Edom (Síria) em virtude da abundância de suas mercadorias:
trazia-te turquesa, púrpura, escarlate, bisso, coral e rubis em troca das tuas mercadorias.
Judá e a terra de Israel exerciam comércio contigo,trazendo o trigo de Minit (país de
Amon: a Decápolis ou a Peréia), pannag (possivelmente bálsamo), mel, azeite e resina
em troca das tuas mercadorias.

Damasco era tua cliente, por causa da abundância de tuas mercadorias, da
abundância de todos os bens, ela te fornecia vinho de Helbon (norte de Damasco) e lã
de Saar (?). Dã e Javã, desde Uzal (beduínos), em troca das tuas mercadorias
forneciam ferro trabalhado, canela e cana. Dadã comerciava contigo em artigos de
montaria. A Arábia e todos os príncipes do Cedar eram teus clientes, negociando contigo
em cordeiros, carneiros e bodes. Os mercadores de Sabá e de Reema (Iêmen)
comerciavam também contigo, fornecendo-te toda a variedade de perfumes e de
pedras preciosas e de ouro em troca das tuas mercadorias. Harã, Quene e Éden (alto e
médio Eufrates) e os mercadores de Sabá, da Assíria e de Quelmad (também
Mesopotâmia) comerciavam contigo. Traziam a teu mercado vestes finas, mantos de
púrpura e brocado, tapetes multicolores e cordas trançadas. Os navios de Társis
formavam tua frota comercial. (N. do m.)
Muito bem, tanto na época como no ano 25, boa parte dessas
inumeráveis e exóticas mercadorias passava obrigatoriamente pela
artéria à qual me refiro sempre paralela ao rio Jordão.
Como é fácil imaginar, o próspero comércio envolvia povos, línguas
e costumes, religiões e problemas de mil origens e natureza,
transformando a Gaulanítide num cenário internacional e atraente. E
a onda humana é bom não esquecer - foi testemunha, em
numerosas ocasiões, das palavras e prodígios do Galileu.
Se tivesse que sintetizar esse rico trânsito de raças, culturas e
mercadorias, eu o dividiria em quatro grandes grupos, segundo os
pontos de partida. A saber: Os que procediam do norte e oeste.
Nas prolongadas permanências na região, assistimos a um
transporte contínuo, quase diário, a partir dos espessos bosques da
Fenícia (hoje Líbano), das mais nobres e cobiçadas madeiras. Por
essa estrada, rumo a Israel, a Nabatéia, etc., circulava o rei das
árvores, o cedro, em comboios intermináveis e lentos. Junto com os
troncos, ou a madeira já cortada, os fenícios exportavam também o
caro azeite balsâmico que se extraía dos cedros e que os egípcios
usavam para os rituais de mumificação de seus príncipes e faraós. O
Egito também era o principal consumidor de coníferas, mer (uma
árvore de madeira vermelha) e utilizados na fabricação de navios,
mastros, móveis e ataúdes.
O mer, sobretudo, era talhado na região de Nega, famosa por seus
bosques impenetráveis.

Do norte também vimos desfilar, em todo tipo de carroças e
animais de carga, ritios e sidônios, orgulhosos com uma de suas
grandes invenções: o vidro. Aquela era uma das mercadorias mais
comuns na região. O notável vidro fenício, cujo segredo de fabricação
foi roubado, quase inteiramente, dos egípcios(8), chegava a todas
as partes. O baixo custo seguido por Tiro e Sidon repercutia nas
vendas, fazendo com que as jarras, cálices, garrafas, vasilhas, pratos,
contas e telhas vidradas pudessem entrar até mesmo na casa dos
mais humildes. Pouco a pouco, as peças transparentes iam
substituindo as de barro e madeira.
E junto com a especialidade da Fenícia o vidro delicado e
barato, havia outra não menos próspera fonte de renda para a
vizinha costa nortista: a púrpura, a marca dos fenícios. Os hábeis
comerciantes enviavam os tecidos já tingidos, sempre em carroças
fechadas e permanentemente vigiadas, a todo o mundo conhecido.
Em poucas ocasiões aceitavam vender os pequenos gasterópodos,
dos quais extraíam a apreciada tintura preciosa.
Nesse caso, os cântaros bojudos ou os cestos de vime que
transportavam a tintura viajavam sempre à noite e, repito,
fortemente escoltados por mercenários(9). Ao contrário do vidro, a
púrpura era um artigo de luxo, ao qual só os mais poderosos tinham
acesso.
*8. Cerca de 4.000 anos a. C., os egípcios, parece, já conheciam a arte de fabricação
do vidro. Utilizavam para isso areia, cinzas vegetais, carbonato de cal terroso e salitre,
produzindo uma pasta opalina que teve muito sucesso. É claro que os espertos fenícios
ficaram com os segredos dessa fabricação, melhorando-os. Daí surgiria toda uma
florescente indústria. Mas os habitantes de Tiro e Sidon inventaram um vidro
transparente que causou furor. Não contentes com isso, ainda inventaram uma produção
em série, inundando os mercados e barateando o preço. Pouco a pouco, os artesãos
descobriram a técnica do sopro, e o negócio, simplesmente, os transformou em homens
imensamente ricos. As caravanas transportavam o vidro, bem fundido, bruto ou
delicadamente talhado e perfilado. (N. Do m.)
9. O molusco do gênero Murex brandaris ou Murex trunculus era então muito
abundante nas costas da Fenícia. O corante era obtido por meio da segregação das
glândulas do tal gasterópodo. Para conseguir um só grama de púrpura, os fenícios
tinham que sacrificar ao redor de 10 mil Murex. Por isso o apreciado produto era sempre
muito bem guardado e vigiado. (N. do m.)

A cor em si, naquela época, era símbolo de realeza e de máximo
poder. Algo que nasceu justamente do humilde Murex.
Numa aberta concorrência com os fenícios, outros países, Israel
inclusive, trabalhavam numa púrpura de menor qualidade e brilho que
obtinham de um inseto parasita denominado precisamente púrpura.
Mas a escassez do inseto e o processo trabalhoso tornavam essa
púrpura descafeinada um produto ainda mais caro que a genuína.
Dos portos de Tiro, Biblos, etc. Chegava também a essa artéria
uma infinidade de comboios ou comerciantes solitários carregando
um produto que nos deixou maravilhado: todo tipo de esculturas
ídolos animais e belíssimas representações de cidades em miniatura
talhadas em marfim adquirido na Ásia, África e nas remotas costas
da Europa setentrional. Havia marfim de elefante e de morsa.
Dessas oficinas fenícias saía igualmente a mais abundante e
artística coleção de vasilhas de ouro, prata e bronze que se possa
imaginar. Com uma delicadeza peculiar, os oleiros do Sidon
conseguiam vidrar a argila, fazendo dela jarros, pratos e diminutos
frascos de perfume que nada ficavam a dever ao vidro autêntico.
A longínqua Cartago também fazia parte dessa intrincada rede
comercial, oferecendo, sobretudo, algo que ficou na moda entre as
donas de casa da região: ovos de avestruz, previamente esvaziados
e decorados com cores vivas. Alguns alcançavam preços exorbitantes.
Os judeus ortodoxos, contudo, rejeitavam esses ovos, chamando os
seus compradores de idólatras. E não foram poucas as brigas e
disputas provocadas por essa novidade. (Como podemos lembrar,
Yaveh proibia a representação de imagens.) Por essa artéria
concorrida entravam, também, os mais surpreendentes produtos:
alcachofras, carne e peixe em salmoura da Ibéria, armas, braceletes e
colares de Cirene, carne apimentada da Gália, mel e queijo da
Sicilia, gansos da Bélgica, minerais da Germânia, Grã-Bretanha,
Itália e África, linho e trigo do Egito, vinho das campinas gregas,
cipriotas e italianas, peixe de Córcega, limões de Numídia e,
naturalmente, a produção da própria Gaulanítide (papiro, canas e
aves das lagoas do Hule, a apreciada carne de gado de seus sempre
verdes pastos nortistas, trigo, cevada, mel, flores e peixe, entre
outras especialidades).

Mercados do leste e do sul.
Se tudo isso aqui mencionado já era por si avassalador, aquilo que
chegava das misteriosas China e Índia e da Arábia, mar Vermelho,
Núbia não ficava atrás.
Quando as vistosas caravanas desembocavam por fim no alto
Jordão, na rota de Damasco, ou pelo sul do yam, o trânsito sofria
inúmeros e endiabrados congestionamentos, ora divertidos, ora
trágicos, com as freqüentes confusões, brigas e abusos de todo tipo.
Esta, insisto, era a paisagem habitual que o Mestre e aqueles que o
acompanharam em muitas e freqüentes idas-e-vindas pela
Gaulanítide contemplaram.
Procedentes do velho e mítico caminho da seda, hindus e orientais,
mil tipos e condições, atravessam Israel oferecendo primorosos
tapetes, pimenta, nardo, algodão, cavalos, finíssimos instrumentos
musicais, rosas secas, jade, a inevitável e apreciada seda e até
jogos malabares.
Era uma delícia...
Desde o princípio, desfrutamos essa realidade com aquele mar de
gente, em geral aberta, respeitosa e desejosa de agradar. E sem
falar do Filho do Homem...
Bem, mas eu devo me conter. Tudo em seu devido tempo.
Talvez os mais espetaculares fossem os traficantes árabes,
originários, em sua maioria, dos reinos de Sabá, da Nabatéia e dos
austeros desertos do Nafud, ao norte da Arábia. As pessoas mais
humildes, sobretudo, os recebiam com especial entusiasmo.
Os altos barcos do deserto (os camelos), sempre mal humorados
e malcriados, os brancos e generosos abba de algodão dos homens,
as alegres e multicoloridas roupagens das beduínas
- com os rostos tatuados -, as lojas de peles, os falcões
encapuçados que habitualmente os acompanhavam e as cálidas
danças e gritos rituais faziam desse povo todo um espetáculo.
E na sua passagem, crianças e adultos ficavam hipnotizados.
Com eles chegava a mirra (vital para a elaboração de perfumes e
cosméticos), o custoso bálsamo (em dura concorrência com o

cultivado em Jericó e no oásis de En Gedi, na costa ocidental do mar
Morto), os volumosos cestos de incenso (consumido em toneladas no
Templo da Cidade Santa),
O alcatrão (imprescindível para calafetar embarcações e
embalsamar cadáveres), outras madeiras finas como o buzo e a
cidreira, pássaros exóticos das costas e ilhas do mar Vermelho e do
golfo Pérsico, e o não menos procurado indigo (um corante natural
que embeleza os tecidos e que fazia enorme sucesso entre as classes
abastadas)(10).
Eliseu de fato tinha razão. Tivemos sorte. O Destino, outra vez, fora
compassivo.
Aquele sábado foi uma exceção. O tráfego, por conta do calorent
mês de elul (agosto), era fraco, quase nulo.
Por fim alcançamos o miliário que anunciava o desvio em direção à
vizinha povoação de Jaraba.
Impacientes, aceleramos...
Ali por que não? -, nos aguardavam o Destino!... e alguém mais.
Como podíamos imaginar algo assim?
Mas ali estava...
A escassa distância da encruzilhada, num dos pontos mais
distantes do Jordão (ao redor de dois quilômetros), divisamos um
notável tumulto.
Instintivamente, reduzimos a marcha.
O caminho estava todo tomado por uma fileira de cavalgaduras. E
começamos a ouvir gritos e inevitáveis blasfêmias.
Meu irmão fez um gesto de quem intuía problemas. Mais uma vez
acertou.
*10. Esta substância, originária da Índia, ao que parece, se extraía das folhas do anil
(Indigofera tinctoria). Os egípcios, uma vez mais, foram os grandes exportadores da
tintura já elaborada. Para isso esmagavam as folhas com canas, obtendo um líquido
que, no contato com o oxigênio do ar, mudava para uma bela tonalidade azul. O índigo
era uma mistura que continha cerca de 90 por cento de indigonita (índigo azul) e 10 por
cento de outros elementos residuais (basicamente indirrubina ou vermelho de índigo).
Depois se cozinhava, impedindo a fermentação e desativando assim as enzimas. Outros

povos, como os romanos, o utilizavam como cicatrizante e elemento base para a
preparação de cosméticos. As romanas, por exemplo, apreciavam-no muito para
sombrear os olhos. Devido à sua natureza molecular e à grande estabilidade, aguenta
fortes lavagens. Coisa que não se ignorava já naquela época. Na Europa só seria
introduzido por volta do século XVI. (N. do m.)
Ao chegarmos ao final da caravana, procedente sem dúvida do
yam, de outras latitudes mais meridionais, não soubemos o que
fazer. Dar a volta seria perda de tempo. Por outro lado, a grande
excitação dos estrangeiros quase todos negros -, correndo de um
lado para o outro e batendo com paus nos enormes asnos, nos
deixou intrigados, forçando-nos a passar no meio dos animais.
Nunca, até aquele momento, eu havia visto burros tão vistosos e
espetaculares. Tinham uma fronte considerável (quase um metro e
meio), orelhas largas e altaneiras sobre cabeças amplas, nas quais
se destacavam focinhos brancos como neve. Mas o mais chamativo
era a cor da pele, quase rosada, com uma cruz de Santo André nas
costas e uma mecha grande de crinas cinzento-avermelhadas no final
dos rabos. Agitados com os próprios relinchos causados por tão cruel
castigo, os animais se mexiam inquietos, tropeçando uns nos outros
e pondo em perigo volumosas ânforas que carregavam nas costas. O
caos logicamente, foi engrossando. Os negros, vestidos com túnicas
vermelhas que tocavam a terra, tratavam de acalmar os animais,
dando gritos estridentes e, o que era pior, varadas violentas sobre
patas e ventres. Mais de um dos negros teve de pular rápido, para
evitar os coices certeiros, agressivos e mais que justificados dos
aturdidos jumentos. Nós também levamos uns bons coices, coisa que
não desejamos a ninguém.
Finalmente, ao sair daquele manicômio, demos com uma muralha
humana.
Por que não obedeci ao meu instinto? Por que não evitamos o
tumulto? O que teria sido um atraso de dez ou quinze minutos Era só
entrar nos vales que separam as propriedades ao longo da rota para
sair fora do desastre...
A princípio não distinguimos nada. O grupo de homens, quase
todos vendedores naquele cruzamento de caminhos, formava um

apertado círculo gritando e gesticulando na maior confusão.
Eliseu, cada vez mais intrigado, tratou de abrir caminho, numa
tentativa de averiguar o que provocava toda aquela excitação. Eu o
deixei à vontade.
Quanta incompetência minha!
Eu devia tê-lo tirado daquilo tudo, afastando-nos do lugar e do que
nos esperava.
Allguns galileus, indignados, levantavam as vozes contra o resto
dos seus conterrâneos, pedindo justiça e chamando os kittim. Outros,
igualmente ferozes, chamavam alguém de gentio sujo e
assassino. Temi o pior. Nós também éramos estrangeiros e,
inconscientemente nos havíamos colocado no olho do misterioso
furacão.
Não houve tempo nem possibilidade de reagir. Vários daqueles
energúmenos, ao perceber a presença e a insistência de meu irmão
em chegar ao interior do círculo, se voltaram contra ele e,
confundindo-o com um dos integrantes da caravana, partiram para os
golpes, empurrões e chutes, derrubando-o.
O céu quis que a pele de serpente o protegesse e que eu, rápido
como um raio, acionasse os ultra-sons, deixando três deles fora de
combate em questão de segundos.
Atônito, sem saber o que fazer nem para onde olhar, o resto da
turba retrocedeu, incapaz de articular qualquer palavra.
Gritos, impropérios e ameaças cessaram ali mesmo, ficando no ar a
algazarra de negros e asnos e, é claro, um protagonista: o medo
coletivo e insuperável.
Ajudei meu companheiro e trocamos olhares significativos.
Ele concordou com a cabeça. Estava bem e convinha nos afastarmos
daquele lugar o quanto antes possível. Não devíamos brincar com a
sorte.
Mas as surpresas estavam só começando...
Eliseu, ao descobri-lo, esqueceu-se da regra, e precipitou-se ao seu
encontro. Eu, tão desconcertado como o engenheiro, não soube
reagir.

Bendito Deus!
Aquilo era a última coisa que eu havia imaginado.
Olhei para os pasmados e silenciosos vendedores. Pareciam
estátuas. Mas eu não podia confiar nisso. Em questão de minutos, os
exaustos companheiros cairiam em si e sabe Deus o que aconteceria
então...
Devagar retrocedi, sem perdê-los de vista, e fui-me juntando ao trio
integrado por Eliseu, um altíssimo indivíduo de quase dois metros,
também de joelhos, na metade do caminho, e a causa de toda
aquela enorme confusão.
O gigante, visivelmente arrependido, sem poder conter o pranto,
abanava o corpo sem parar para a frente e para trás, alternando as
lágrimas com curtos gemidos agudos.
Meu irmão, suplicante, fez um gesto para que eu interviesse.
E devagar, segurando o extremo superior do cajado, sem deixar de
controlar os galileus, eu me inclinei sobre a vítima.
- Morreu?
O espigado e choroso homem, entendendo o aramaico do meu
companheiro, intensificou seus lamentos.
Tomei o pulso da vítima. Estava um pouco lento, mas normal.
E inspecionei a cabeça, procurando alguma fratura.
Negativo. Só as costas apresentavam algumas equimoses,
provocadas pelo extravasamento de sangue sob a pele.
Aparentemente, alguns edemas locais de menor relevância.
Interroguei o desconsolado indivíduo e, entre incontáveis soluços,
acho que entendi que alguns dos seus asnos haviam derrubado e
pisoteado a vítima. Parece que o menino não vira chegar a caravana
e caíra sob as patas do animal, que agora era castigado.
Apalpei os pequenos inchaços do Líquido seroalbuminoso e, como
imaginava, a dor reativou o inconsciente do ladrãozinho, acordandoo.
Abriu os atraentes olhos verdes e, confuso, nos olhou um a um.

Imaginei que, uma vez mais, tentaria escapar. Mas eu me
equivocara.
Ao reparar em Eliseu, subitamente, sem medir palavras, lançou-se
sobre ele, abraçando com força o peito do explorador. E diante da
surpresa geral, caiu num pranto amargo e ruidoso.
Meu irmão me olhou. Eu sorri e dei de ombros. E terno, gratamente
surpreso, muito devagar, hesitante, foi dar um abraço na criança,
retribuindo o gesto afetuoso dela.
Pelo que pude constatar, o jovenzinho só apresentava contusões de
primeiro grau. Nada sério.
Ao observar a recuperação do atropelado, os imóveis vendedores
se agitaram nervosos.
Eu me levantei e, disposto a agir de imediato, coloquei-me entre
os dois bandos. Não foi necessário. Os galileus, temerosos,
retrocederam até as banquinhas.
E com um sinal, sem perder tempo, meu companheiro colocou o
Denário nos ombros. Era bom colocar distância entre nós e aquela
gente...
E assim foi.
O gigante, reconfortado diante do final inesperado, reagiu com
idêntica rapidez, restabelecendo a ordem na caravana e retomando
sem demora a caminhada.
Ao perder de vista a encruzilhada, paramos. O menino havia
parado de chorar e, dócil e contente, continuou sobre os ombros do
meu amigo. Por uma questão de prudência, preferi esperar a
caravana para nos juntarmos aos negros das túnicas vermelhas. A
viagem em grupo era mais agradável e segura.
O condutor e chefe, mais calmo agora, acolheu-nos de braços
abertos, bendizendo a hora em que aqueles gregos haviam cruzado
seu caminho.
E o homem tornou aprazível a caminhada, contando-nos sua
agitada existência. Assim ficamos sabendo que ele se chamava
Azzam, que em árabe significa bom homem. Era, de fato, um
beduíno, nascido no deserto de Neguev, ao sul de Israel.

Durante sua juventude fora um gazou, um bravo guerreiro, sempre
envolvido em investidas ou conflitos com outras tribos.
Um dia abandonou tudo e dedicou-se ao tráfico de escravos.
Viveu no Egito e na Núbia. Finalmente, formou uma empresa,
especializando-se na fabricação e venda do vinho de zimbro(11).
Este, justamente, era o carregamento que transportava sobre os
dorsos dos curiosos jumentos núbios, uma espécie hoje extinta.
Sua intenção era chegar a Damasco e ali vender a preciosa carga.
*11. Este cobiçado vinho, consumido habitualmente por gentios e judeus,
era extraído do fruto do Juniperus phoenicia ou comminis, do qual existiam
grandes plantações ao norte do Sinai, nos pedregais vermelhos de Edom, ao
sul do mar Morto, e no deserto do Neguev. Uma vez maduro, era triturado, a
ele acrescentando-se água previamente fervida a 30 graus Celsius.
Ao fermentar, obtinha-se o licor citado. Alguns o destilavam, conseguindo um
líquido forte, coisa para macho. Também era adquirido para aromatizar a carne
e para uso medicinal. (N. do m.)
Duas horas mais tarde, em frente da pedra miliar que informava a
encruzilhada seguinte, decidimos nos despedir, separando-nos do
comboio.
Azzam, que fazia jus ao seu nome, benzeu-nos, pedindo à brilhante
estrela matutina que guiasse nossos passos.
Abraçamo-nos e, antes de partir, o bom homem nos presenteou
com uma cabaça de vinho, repleta daquela beberagem forte e
transparente, mais ou menos parecida com a nossa genebra(12).
Não podíamos rejeitar. Seria um insulto. Curioso Destino...
Algum tempo depois em plena vida pública de Jesus de Nazaré -,
voltaríamos a encontrá-lo. E em que circunstâncias! Na verdade, o
mundo é muito pequeno...
O sol, tão esgotado quanto nós, fugia em direção ao oeste,
concedendo o perdão e deixando os homens livres.
Aceleramos. Só restavam duas horas de luz e o lago Hule, se eu não
estava errado, ficava ainda a cinco pedras miliares (quase seis

quilômetros).
Ao contemplar meu irmão, feliz e confiante, com o ruivo silencioso
sobre os ombros, voltaram-me as velhas dúvidas e receios.
Ele havia feito as coisas à sua maneira. Muito bem. E daí? Devia eu
dizer-lhe isso? Seria conveniente dar-lhe os antecedentes do mal de
que, com toda certeza, o garotinho sofria? Não me atrevi. Era melhor
deixar isso para outra ocasião. Talvez ele terminasse descobrindo
tudo. Era irremediável. Sim, uma vez mais eu me entreguei nas mãos
do Destino. Ele sabia..
Imerso nessas reflexões, precisei de um tempo para perceber que
estava esquecendo de uma coisa vital: as referências geográficas.
Procurei espantar essas angústias concentrando-me no que tinha à
vista.
A partir do cruzamento de Jaraba, a paisagem mudou. O Jordão,
cada vez mais distante do caminho, desapareceu por trás de uma
nova onda de oliveiras. Hortas e plantações ficaram mais abaixo, à
esquerda, agora ressuscitadas por um sol oblíquo em retirada.
*12. Genebra: bebida alcoólica fabricada com aguardente em que se destilam bagas
de zimbro. (N. Do t.)
O caminho caprichoso, continuava vencendo declives e depressões.
Calculei que o abrupto perfil já alcançava 800 ou 900 metros.
À direita, as nogueiras e alfarrobeiras dos quilômetros anteriores
foram substituídas por outro horizonte imenso, espesso, verdeescuro,
no qual dominavam a ramagem tortuosa dos carvalhos do
Tabor (os sagrados allon) e as suaves copas desgrenhadas dos
azinheiros (os et shemen), conquistadores veteranos daquela
agreste e belíssima Palestina de Jesus de Nazaré. De vez em quando,
fugindo da escandalosa reunião das aves e das réstias de luz
amarela no meio da mata cerrada, apareciam tímidos no caminho os
ar, os loureiros espartanos e sofridos, convertidos,
incompreensivelmente, em aprendizes de árvores. Aquele, desde
então, foi o trecho dos ar.
Ao vencer uma das ladeiras rebeldes, exaustos, vimos por fim a
encruzilhada de Qarrin.

Surpresa.
Uma edificação!
Era a primeira nos 17 quilômetros percorridos desde Nahum.
Erguia-se negra e descuidada, à esquerda do caminho e a curta
distância da bifurcação. Talvez a dez ou quinze passos além.
A julgar pelo lugar e pelo perfil inconfundível, deduzi que se tratava
de uma mutation, uma hospedaria e estação destinada à troca de
cavalos. Igual às pousadas que já havíamos visitado, esta tinha dois
andares, mas com um detalhe que a distinguia das anteriores: era
cercada por uma muralha espessa de quase três metros de altura que
a protegia toda, formando um retângulo de cerca de 50 metros de
lado. Estávamos na Gaulanítide, terra de bandidos, proscritos e
indesejáveis.
Essa lamentável realidade justificava a enorme muralha escura e
ostensiva. Assim os viajantes sentiam-se mais seguros.
Observamos atentamente. Outro incidente teria sido demais...
Tudo parecia tranqüilo, adormecido.
Ao pé da muralha, em ambos os lados do caminho e nas margens
da encruzilhada, cochilavam e conversavam os inevitáveis
vendedores. Nessa ocasião, mais de cinqüenta. Era lógico.
Aquela ramificação conduzia à mencionada Qarrin, um laborioso
povoado com pouco mais de três mil almas, situado a seis
quilômetros dali, cercado de bosques e montado sobre um penhasco,
a 900 metros de altitude. Uma plácida aldeia de lenhadores e félah
que oportunamente iríamos percorrer à sombra do Galileu.
Os carvalhos e os pinheiros de Alepo, empurrados pelos
camponeses, haviam retrocedido. Em seu lugar, alguém, paciente e
delicadamente, plantara uma formação marcial de oliveiras.
Havia centenas delas, traçadas com rigor simétrico e anestesiadas
pelo furioso ciciar das cigarras. Rachadas e epilépticas, se perdiam
em direção ao norte, civilizando, à sua maneira, a paisagem
primitiva.
Ao fundo, bem perto do albergue, uma pontezinha de troncos
saltava, alegre e ágil, sobre um ivadi, pelo qual fugia, cristalino e

apressado, um riacho de pequeno porte. A pesada carga do estio
calorento, o modesto tributário do Jordão via acrescentada agora a
não menos irritante presença de uma molecada nua, turbulenta e
feliz.
Ao descobrir os meninos, Denário emitiu um gritinho áspero. E
deslizando pelas costas de Eliseu, correu ladeira abaixo, reunindo-se
ao grupo festivo. Sem vacilar, de um pulo mergulhou nas águas
refrescantes, misturando-se com os outros meninos.
Surpreendido, meu irmão não soube o que fazer. Eu o tranqüilizei,
explicando que o banho, além de tirar parte da sujeira, acalmaria a
dor das costas, provocando uma vasoconstrição e a conseqüente e
benéfica redução dos edemas.
Avançamos em silêncio.
Observei Eliseu de soslaio, mas não vi sinal de que tivesse
detectado a doença do ladrãozinho. Estaria cego? Como era
possível? O último grito, gutural, quase estrangulado, era um sintoma
inequívoco.
Ao chegarmos à encruzilhada, como era de prever, os felah se
mobilizaram. Fizeram gestos para que nos aproximássemos. Mas não
era essa nossa intenção. E ao perceberem que iríamos passar direto,
alguns, os mais decididos, vieram ao nosso encontro, mostrando seus
produtos entre intermináveis falatórios e fingidas reverências.
Meu irmão, sempre afável e condescendente, parou, examinando as
mercadorias. Eu me conformei.
A zona, como eu disse, rica em bosques, oferecia aos nativos uma
boa porção de produtos derivados das alfarrobeiras, carvalhos,
azinheiros e loureiros.
O produto mais abundante era a semente do haruv (alfarrobeira);
colocada em cestas e sacos. Eram vagens marrons, de polpa
açucarada e rica em cálcio, consumidas tanto pelo povo quanto pelo
gado (em especial, pelas grandes varas de porcos existentes na
margem oriental do yam). As vagens eram vendidas frescas, secas ou
moídas. Com a farinha faziam tortas saborosas, muito apreciadas por
homens e mulheres que queriam conservar a linha. Quando estivemos
em Qarrin, descobrimos com assombro toda uma indústria, baseada

precisamente nessa semente, keratia. Os camponeses moíam-na,
obtendo um pó ocre com o qual adoçavam bebidas e sobremesas. A
engenhosidade dos felah ia bem mais além. Esse pó era misturado
com ovos, leite e mel, e o resultado convertido em tabletes era
exportado como um tipo de chocolate. A keratia, enfim, além de ser
utilizada como medida de peso para o ouro(13), servia para a
extração de uma seiva cor de âmbar que perfumava os cosméticos.
Eliseu, perplexo, me chamou. Intrigado, respondi no ato e, ao
verificar o conteúdo, balancei a cabeça. Ao pé da enorme muralha, de
fato, outra banquinha oferecia ao sedento caminhante um líquido
loiro, de grande consumo entre judeus e gentios. Este que aqui
escreve já observara isso em explorações anteriores. Em grandes
jarras de vidro ou cerâmica, enterradas na neve procedente do
Hermon, aquele galileu vendia cerveja... Uma cerveja leve e até
bebível, fruto da fermentação da cevada. No processo, o amido se
transformava em açúcar e, posteriormente, num álcool de baixa
graduação e em dióxido de carbono. Os recipientes, providos de
coadores (parecidos com os coadores das chaleiras atuais),
forneciam o líquido limpo, sem os resíduos da casca da cevada.
*13. O termo keratia (grego) deu lugar ao nome científico dessa semente (Ceratonia).
E foram precisamente os gregos que descobriram que os grãos da alfarrobeira
mantinham sempre o mesmo peso (200 miligramas), sendo aproveitados como medida
eficaz para pesar o ouro (carat). Num princípio, a onça tinha 140 carates. Daí a
denominação quilate. (N. do m.)
Faltou pouco para que pedíssemos duas doses. Mais adiante,
afastados os inevitáveis escrúpulos, desfrutaríamos, em mais de uma
ocasião, dos oportunos e benéficos postos de cerveja.
Naquela zona estratégica do mercadinho, ao longo do muro
frontal ao albergue, os vendedores eram mulheres. Hebréias,
beduínas e egípcias, tão faladoras, encrenqueiras e descaradas como
os homens... Ou até mais.
Ao passar perto delas, o bem apessoado Eliseu teve de agüentar
todo tipo de gracinhas, destinadas, naturalmente, a atrair a
atenção dos viajantes sobre as mercadorias. Mas o tímido
engenheiro, resfolegante e vermelho como um pimentão, não captou

a intenção das mulheres. E apertou o passo. Mas tudo estava
previsto entre as astutas matronas veteranas. De repente, dada uma
ordem coletiva, vários pirralhos que as acompanhavam cortaram o
passo nervoso do meu companheiro. E o arrastaram como a um tonto
até as tigelas e cestas. Ele aprenderia logo...
Imagino que meu sorriso aberto o tenha acalmado. No fundo, como
em todas as épocas, elas só queriam vender.
Entre os produtos à venda estavam também os frutos habituais da
região: sementes e cascas de pinheiro do Alepo e de loureiro. As
primeiras, soltas ou cobertas de mel, muito adequadas para aqueles
que sofriam de impotência sexual, segundo as maliciosas mulheres.
Eliseu, meio recuperado, respondeu que esse não era o seu caso. E
as vendedoras, cáusticas, fizeram coro, fazendo enrubescer de novo o
inocente explorador. Ele se defendeu como pôde e, obviamente, fui
eu a vítima.
- Você pensou no seu namorado Talvez ele agradeça.
Neguei nervoso. Tarde demais. A turma, divertindo-se, caiu em cima
de mim. E tive de suportar as mais mordazes insinuações. Acabei me
rendendo. Meu companheiro, às gargalhadas, tinha melhorado o
ânimo.
Em outras vasilhas apareciam os grãos previamente tostados.
Daquilo também não sabíamos grande coisa. Muito bem, diante da
nossa surpresa, descobrimos que era a base de uma infusão negra,
suave e aromatizada muito próxima do café. Os montanheses a
consumiam, dia e noite.
Mas a indústria mais próspera da região, derivada dos
azinheiros, se apoiava no aproveitamento de sua resina. Os
habitantes de Qarrin a recolhiam e envasavam, exportando-a para
numerosos países, sobretudo a Grécia, e para outros povos
produtores de vinho branco. Essa resina, colocada dentro de cubas e
tonéis, evitava que o vinho azedasse. A bebida, tratada dessa
maneira, recebia o nome de retsina e também era cotada entre as
mais refinadas.
Oferecia-se também a casca do Alepo, empilhada aos montes sobre
mantas ou diretamente sobre o solo de cinza vulcânica.

Intrigado, perguntei para que serviam.
A verdade é que a engenhosidade e a esperteza dos fèlah não
conheciam limites.
Uma vez pulverizada, a casca servia como emplastro, ajudando na
cicatrização das feridas. Alguns grêmios, especialmente dos
barbeiros e auxiliadores (médicos), disputavam essa casca.
Se a moedura era destilada, o piche resultante atuava, além do
mais, como anti-séptico e segundo as mulheres era um remédio
milagroso contra as rugas. A julgar por seus rostos, consumidos por
uma velhice prematura, duvidei dessas afirmações. Mas, como em
todas as épocas, sempre há incautos que acreditam em tudo.
Por último, no instrutivo passeio diante da pousada, chegamos
perto das hábeis vendedoras de loureiro. De um lado vendiam as
folhas, imprescindíveis na cozinha. Do outro, os frutos, de um negro
brilhante, empregados como tônicos estomacais e, o mais
assombroso, como favorecedores da menstruação. Quando voltei
ao Ravid e consultei meu namorado, Papai Noel confirmou o que
diziam as mulheres. O ar, assim como a arruda, a erva sabina ou o
aipo, tinha excelentes propriedades emenagogas, excitando
diretamente os órgãos genitais. Para tanto, eles trituravam as folhas
de louro, misturando o suco espesso com vinho tinto ou licor de
zimbro. Tomavam isso as mulheres que tinham ciclo menstrual
irregular e as meninas de puberdade atrasada. Naturalmente, neste
último caso, sempre se escondiam tortuosas intenções econômicas.
Segundo a Lei, as hebréias eram desposadas a partir dos doze anos
e meio, ou seja, com a primeira regra. Se a família tinha
oportunidade de casar a filha com um bom partido, mas a menina não
era mulher, administravam-lhe a referida poção, provocando uma
menstruação prematura.
E o documento dos esposos era assinado e abençoado.
Em outras zonas da Palestina, o fruto do loureiro era aproveitado
também para a obtenção de um óleo verde escuro, muito aromático,
que acrescentavam na fabricação de sabonetes de luxo.
Ao chegar ao portão da muralha, consciente de que as incansáveis
vendedoras podiam nos enrolar infinitamente, bolei um esquema

para levar Eliseu, escapando vergonhosamente eu sei para o
interior da pousada. Às nossas costas, inevitavelmente, soaram vaias
e mais de uma maldição.
Em princípio, não tínhamos intenção de pernoitar no albergue
lúgubre e pouco recomendável. Mas, já que estávamos ali, seria bom
dar uma olhada. Com o Destino nunca se sabe...
O pátio amplo estava deserto. Como na maioria das edificações da
comarca, o basalto era o principal material, quase único, empregado
na construção. Grandes lajes escuras, maltratadas, empoeiradas e
carcomidas pavimentavam a esplanada espaçosa.
À esquerda (tomando o portão como referência), ao pé do muro,
erguiam-se um poço quadrado e dois bebedouros altos e estreitos,
encostados no bocal do poço, paralelos à muralha.
Uma parelha de jumentos, solta e entediada, bebia sem vontade,
brigando sem sucesso contra uma nuvem de insetos zumbindo
impertinentes. Os jumentos nos olharam com cara de poucos amigos.
Na frente, à direita, erguia-se o edifício da pousada, negro e
hostil, em forma de L. Um velhíssimo casarão esticado, de dois
andares, de aspecto tão entediado e mal-encarado como os burros.
Na parte de baixo, através de sete arcos escuros e corpulentos,
adivinhavam-se os estábulos, provavelmente vazios. E na parte
superior, a típica e tradicional galeria, abrigando cerca de trinta
portas de madeira minguadas e sem brilho. Quase com certeza, eram
os quartos dos hóspedes. Nos extremos do L, escadas fundas de
pedra, embutidas nos muros, permitiam o acesso ao corredor e às
celas. No alto da escadaria, algumas cortinas vermelhas pendiam nos
dintéis.
Aquilo anunciava em todas as pousadas que ainda havia vaga para
possíveis caminhantes retardatários.
Diante do avanço do quente mês de agosto e da coincidência do
sábado, era de se presumir que o lugar estivesse quase vazio. Não
nos equivocamos.
Eliseu reparou em alguma coisa que se destacava na muralha da
esquerda, um pouco acima do poço. Curioso, como sempre, chegoú
perto. Eu fui atrás dele, um pouco desconcertado pelo silêncio

absoluto: Tratava-se de um letreiro, com dizeres em koiné e
aramaico, gravados a fogo numa prancha de madeira.
Não atires pedras na fonte em que bebeste. O aviso era
bastante comum nos poços e asas de pássaro (fontes).
Na parte inferior, o responsável do albergue, cansado da péssima
educação de muitos dos visitantes, havia acrescentado: Não urines
nos bebedouros.
Os asnos, displicentes, mantiveram a distância, brincando com a
água e afocinhando entre as milagrosas ervas que coloriam as juntas
das lajes.
De repente, um sapateado súbito nos desviou da leitura atenta. Ao
nos Tirarmos, descobrimos diante de um dos arcos uma mulher que
dançando, vinha na nossa direção.
Trocamos um olhar espantado.
Pedi calma. Aquele era outro dos costumes nos albergues,
sobretudo quando os clientes eram escassos. Em muitos albergues,
patrões ou empregados saíam ao encontro dos viajantes e,
dançando, prometiam todo tipo de prazeres se aceitassem entrar e
se alojar em seus domínios.
Sensual, contorcendo-se e sem deixar de bater umas castanholas
brancas de madeira, chegou perto de nós.
Eliseu, sem jeito, fez um árduo esforço para não soltar uma
gargalhada mais que justificada. Eu o fulminei com o olhar, embora o
quadro fosse realmente tragicômico.
Sorridente, envolvida numa vaporosa túnica de seda verde, a
esquelética aparição continuou dançando, girando sobre si mesma
e pulando de vez em quando com uma graça duvidosa.
Os pés descalços e sujos me pareceram estranhos. Enormes para
uma mulher. Grandes como túmulos de filisteus... Mas eu, torpe e
lento em reflexos, não percebi.
A dança grotesca, ao som do sofrível toque de castanholas,
terminou por fim com uma violenta reverência. Aquele, de fato, não
era o seu dia. Ao inclinar-se, roçando o chão com os longos cabelos
loiros encaracolados, a cabeleira se soltou, caindo no chão. Meu

companheiro não resistiu. E as gargalhadas ressoaram no pátio,
sendo prontamente correspondidas por sussurros não menos
inoportunos. Os asnos eram, com efeito, mais inteligentes do que
imaginávamos. A anfitriã, aturdida, pegou a peruca, colocando-a
sobre o crânio.
Olhou-nos com desafio e dureza.
Mas Eliseu, rápido, corrigiu, respondendo com outra cerimoniosa
inclinação de cabeça.
Suada e exausta, ela aceitou o cumprimento. Sorriu de novo e, com
uma piscadela, deu-nos parabéns por termos escolhido sua casa. A
voz, quadrada e profunda como o poço, me deixou meio zonzo. Mas
continuei nas nuvens...
Umas grandes gotas de suor, deslizando pelo estreito rosto ossudo,
acabaram de vez com a festa da mulher. Arrastaram impiedosas o
azul que lhe sombreava os olhos e o vermelho vivo que exibia nos
lábios.
Deu meia-volta e, assumindo que aceitávamos o convite, divertindo-
se de forma provocante com alguns movimentos bem estudados
de quadris, foi em direção ao prédio.
O engenheiro perguntou o que devíamos fazer.
Eu me senti encurralado. Dormir naquele lugar não estava nos
nossos planos. Contudo, o cansaço natural e os quilômetros que nos
separavam do lago Hule me fizeram ficar em dúvida.
Conversamos.
Para o meu amigo, a idéia de suspender a caminhada parecia
positiva. No dia seguinte, com o frescor da manhã, recuperaríamos o
tempo perdido.
Tempo perdido?
O Destino sorriu maroto. Claro, ele nos esperava ali dentro...
Aceitei. Peguei a mochila do meu companheiro e, resignado, me
dirigi ao arco pelo qual a dançarina acabava de desaparecer.
Eliseu voltou para o lado de fora, à procura do ruivo.
Bendito seja Deus!

Nesse assunto de pousadas eu ainda não tinha visto tudo...
Aquela superava em termos de sujeira e miséria todas as que
havíamos conhecido antes.
Ao fim da escura e fétida arcada tive que cobrir o rosto.
Uma fumaça branca enchia quase toda a área extensa que fazia as
vezes de cozinha, copa e salão social. Era uma sala retangular, de
oito por cinco metros pessimamente arejada por um par de estreitas
janelinhas e oprimida por uma penumbra crônica.
Ouvi gritos e maldições. Era a voz da aparição dando ordens.
Depois, o ciciar da água jogada sobre o fogo. E a fumaça foi se
extinguindo pouco a pouco. Mas a patroa continuava vociferando e
arremetendo contra os jovenzinhos, ao que parece responsáveis pela
inconveniência. Os empregados, acovardados, retiraram-se para o
outro extremo da cozinha. E a mulher, ao perceber a minha presença,
apressou-se ao encontro deste explorador que aqui escreve,
desfazendo-se em mil desculpas e chamando a criadagem de inútil e
bastarda. Pediu que eu tomasse posse da casa e, voltando ao
arremedo de cozinha, eu a vi encher uma jarra.
Meu Deus! Onde estávamos?
Um amplo balcão dividia a sala em dois ambientes, para dizer
isso de uma forma caridosa. Era o típico tabuleiro das tavernas e
albergues públicos: uma plataforma de madeira de cerca de seis
metros de comprimento, aberta em cinco pontos onde foram
encaixadas outras tantas vasilhas bojudas, ancoradas, por sua vez,
no chão de pedra. Do outro lado, ao pé do muro que se levantava
diante do arco da entrada, iluminada (?) pelas janelinhas malencaradas,
distinguia-se uma caótica sucessão de caldeirões, fogões
de ferro, sacos e cestas, gaiolas de madeira com frangos e galinhas
meio asfixiados, pratos, tigelas de barro e duas mesas repletas de
hortaliças, fogaças de pão preto e uma temível família de facas,
cravada numa superfície úmida e gordurosa.
No alto, penduradas no teto todo descascado, atacadas por
insetos e moscas, pingavam gordura e sangue várias costelas, alguns
cordeiros esquartejados e numerosas réstias de um embutido negro
que ressudava.

O resto da mobília consistia em três mesas de azinheiro altas e
estreitas, tão oscilantes quanto gastas pelo tempo e pela sujeira,
estrategicamente colocadas de forma paralela no centro da sala de
jantar. As lâmpadas de azeite, ainda menos confiáveis que as
janelinhas, se bem podemos dizer, combatiam com um amarelo
oscilante a penumbra imprecisa e pesada. A mulher insistiu. Senteime
e, de um gole, esvaziei o copo de vinho muito quente que
acabara de servir. Na verdade, era o que eu precisava. Ela sorriu
contente, servindo uma segunda dose. Eu quis recusar, mas, sagaz e
intuitiva, percebendo que estava diante de um estrangeiro, deixou
de lado o aramaico galileu e, se expressando num koiné impecável,
anunciou sem rodeios:
- O vinho é grátis...
E, curiosa, sem nenhum pudor, iniciou um bombardeio de perguntas,
interessando-se por nossas origens, motivo da viagem, destino,
profissão e sobretudo pela saúde da bolsa pendurada no meu
cinto.
Escapei como pude, driblando a mulher. Não passávamos de
gregos, de passagem em direção ao norte, com o objetivo de ver o
mundo...
Acho que acreditou em mim. Nesse tipo de lugar era perigoso falar
demais. Os espiões de Roma, como também os numerosos
confidentes dos tetrarcas, freqüentavam albergues e estações de
troca de cavalos, dividindo mesa e toalha com nativos e viajantes.
No decorrer da vida pública do Mestre, teríamos a oportunidade de
comprovar isso: alguns desses infiltrados foram rápidos em seguir
os passos do Rabi informando pontualmente o governador, Filipe, seu
meio-irmão Antipas e a fina flor das castas sacerdotais sobre tudo
que acontecia e se dizia. Logicamente, numa situação assim, todos
desconfiavam de todos. (Flávio Josefo fala disso em várias ocasiões.
Jerusalém, sobretudo no reinado de Herodes, o Grande, tornou-se
uma cidade na qual os habitantes procuravam falar em voz baixa e o
menos possível. Até o próprio criado edomita - Herodes se
disfarçava, misturando-se com seus súditos e escutando os
comentários que se faziam sobre ele ou sobre Roma.) Contudo, nesse
caso, eu havia me enganado. Pelo que averiguaríamos mais tarde, a

dona da pousada do cruzamento de Qarrin não era grande
simpatizante, digamos assim, dos kittim e, muito menos, dos filhos
herdeiros de Herodes, o Grande.
Mas disso me ocuparei no seu devido tempo.
Não foi preciso perguntar. Ela própria se apresentou.
Chamava-se Sitio e vinha de Pompéia. Ali, na bela cidade italiana,
dirigira um próspero oshpisa, um hospitium ou hospedaria, muito
popular e reconhecida segundo suas palavras pela fina cerveja de
Media e pelas lagostas curtidas no vinagre.
Sitio?
O nome, se eu me lembrava bem, era masculino. Que estranho...
Finalmente, este cego explorador percebeu. Tudo se encaixava. Os
pés grandes, a voz de mineiro e, naturalmente, o pomo pontiagudo,
subindo e descendo na laringe. Mas, discreto, incapaz de ofendêla,
eu me abstive de formular qualquer comentário sobre o seu sexo.
Animada e agradecida diante da esmerada atenção dada por
aquele desconhecido, continuou a lengalenga, informando-me de
que, desde a subida ao poder do maldito velhinho (o imperador
Tibério), tudo se voltara contra ela. Afogada pelos impostos e
perseguida pelos credores, finalmente teve que fugir. Depois de uma
turbulenta passagem por Tiro, onde trabalhou como prostituta,
intérprete e garçonete, decidira tentar a sorte na Gaulanítide. E ali
estava ela, dirigindo uma pousada de má reputação, entre galileus
bastardos e incultos.
Fez uma pausa. Molhou no vinho os lábios vermelhos, grossos e
estragados e, de repente, seus olhos brilharam. E, solene, proclamou:
- Mas isto não vai durar muito... Logo terei sorte.
Quem poderia ter imaginado isso? Acertou, sim, mas não como
imaginava. A sorte, de fato, a visitaria. Uma sorte com nome
próprio: Jesus de Nazaré.
Bebeu rápido e, pedindo desculpas, voltou à cozinha. O jantar
garantiu estaria pronto antes do anoitecer.
Senti tentação de voltar ao caminho. A demora de Eliseu começava
a me preocupar. Contudo, esperei.

Levantei-me e, pegando uma das lâmpadas de óleo, fui examinar
algo que me deixou intrigado. Todas as paredes, inclusive a das
janelinhas, estavam cobertas por uma excitante decoração.
Aproximei a chama.
Curioso...
Aquilo não era habitual nas toscas e primitivas pousadas da
Palestina.
Dei uma volta na frente da parede da entrada e fui ficando cada
vez mais assombrado.
De vez em quando, a patroa lançava alguns olhares. Minha
curiosidade, com certeza, era do seu agrado. Não devia ser muito
normal que os rudes visitantes se interessassem por aquela mostra
de inegável sensibilidade. Não sei quantos consegui ler. Talvez
vinte ou trinta. O certo é que depois da leitura dos quadros, minha
confusa opinião sobre Sitio foi se desfazendo. Como eu dizia, aquela
criatura era mais inteligente e comovente do que aparentava.
Com paciência e sabedoria, a dona tinha pendurado nas pedras
gastas e insípidas dezenas de tabuletas de madeira de todos os
tamanhos, pintadas ou gravadas com adágios e ditados sutis,
certeiros e insinuantes. A maioria em aramaico. Outros no grego
internacional (o koiné) e alguns em latim.
Nessa mesma noite, ao nos recolhermos, eu me apressei a tomar
nota dos dizeres mais significativos.
Comer sem beber - rezava um deles - é como devorar o próprio
sangue. Mercúrio aqui vos anuncia lucro. Apolo, saúde, e Sitio,
albergue, boa cozinha, conversa agradável ou silêncio (conforme o
gosto), dizia outro.
Quem quer que entre na pousada de Sitio sairá satisfeito.
Se não for assim então só sonhou que entrava. Mais adiante, essa
mulher admirável advertia: Se um caminhante acode a esta casa,
seu Deus Baal, Júpiter ou o Santo bendito seja seu nome se
sentará com ele.
E acrescentava sarcástica:
O caminhante sempre paga... que Deus seja deixado em paz...

Francamente, eu me divertia, esquecendo-me até da estranha e
prolongada ausência do meu irmão.
Que os pobres não passem ao largo - escrevia em koiné - ... Se
não há dinheiro não importa. A criadagem escasseia., Não confie
nas aparências - assegurava com tino outra tabuleta.
As mulheres também são seres humanos.
Simplesmente fantástico. As sentenças atrevidas faziam de Sitio
uma exceção no desprestigiado ramo de hotelaria daquele tempo.
Quase todas as pousadas, dentro e fora de Israel, tinham a fama
bem justificada de lugares de latrocínio, prostituição e abusos de
todo tipo, Era raro um dono de pousada honesto. Como diz Petrônio
em Trimalquio, esses vigaristas são mais vendedores de água que
taverneiros.
Quando um viajante entrava pela porta, sempre o fazia vigilante e
na defensiva. Em qualquer momento, podia surgir a mentira, o roubo
ou a calamidade.
Na parede da direita (sempre usarei aqui o arco da entrada como
referência), destacando-se sobre os avisos restantes, aparecia um
menu do dia os preços e os diversos serviços extras.
Sopa de verduras... Verduras frescas esclarecia Carne
ensopada com tomilho e pimenta preta (não recomendável para
solteiros e virtuosos) esclarecia de novo com ironia - ... e pirâmide
de gengibre... Sem limite... (Imaginei que isso queria dizer que o
cliente podia repetir quantas vezes quisesse.) Pão, vinho e papo,
presente da casa. Total: quatro asses...
Cama, dois asses...
E com letras maiores, destacava:
.. Com burrinha (prostituta), oito asses. Banho grátis (no rio).
Embaixo, em vermelho, uma advertência obrigatória nos
estabelecimentos dirigidos por gentios:
Comida kosher a pedido. O mesmo preço. A mesma amabilidade.
Esse tipo de cardápio - kosher ou limpo - era habitualmente
solicitado pelos hebreus. Em particular, pelos mais religiosos.
Sobretudo as carnes eram zelosamente vigiadas. Para ser kosher,

segundo a rígida lei de Moisés, tinham que ter sido selecionadas e
cortadas por açougueiros especializados. No mínimo, antes de serem
cozinhadas, deviam passar por um banho purificador, à base de água
com sal. Com qualquer vestígio de sangue, ficavam inutilizadas.
A tradição dedica-a interminá-eis e prolixas especificações (14) do
tipo de animais a serem sacrificados, ferramentas dos magarefes,
maneira de degolar, fórmulas para dessangrar, proibição de imolar no
mesmo dia a mãe e e o filhote, tendão femural (terminantemente
proibido) e artigos puros e impuros.
Na verdade um pesadelo, que o povo simples suportava com
evidente dificuldade e que, ás vezes, era motivo de largas
polêmicas. Para os furiosos vigilantes da Torá, não havia dúvida
nem possibilidade de discussão. Aquilo era a vontade de Deus. Para
outros, mais sensatos, misturar os desejos dignos com o fato de
desfrutar um bom presunto ou um gostoso caranguejo era absurdo. O
próprio Jesus de Nazaré, para regozijo de muita gente, viu-se
envolvido em mais de uma discussão com os intransigentes doutores
da Lei. E, naturalmente, os deixou confusos. A propósito, foram
encontros dialéticos jamais mencionados pelos evangelistas.
Contudo, sem dúvida, aqueles que mais me surpreenderam foram os
cartazes que enfeitavam a parede da esquerda.
Coma e procura a paz... Ama os outros homens e aproxime-os da
Lei. Se um for agredido, serão dois a se defender. melhor não
prometer que deixar de cumprir o prometido.
*14. Esta norma, recompilada no século II na Misná (Julin), reunia antiqüíssimas leis e
tradições, em particular sobre a imolação de animais não destinados aos sacrifícios
religiosos.
As regras depuradas, conhecidas também como kashruth, procediam, parece, do
próprio Yaveh. E estabeleciam, por exemplo, como fazer a degola. No gado, era
obrigatório o corte pela traquéia e pelo esôfago. Com as aves era suficiente cortar um
dos condutos. O golpe tinha que ser rápido, com um movimento para frente e para trás.
A Lei fixava igualmente as carnes e peixes autorizados ou proibidos. Só se podia comer
os quadrúpedes que ruminavam ou que tinham o casco fendido. O porco, esse sim, era
tabu. Quanto aos peixes, Yaveh proibia aqueles que não tivessem escamas e
barbatanas. O marisco, por exemplo, não era kosher. Outra regra determinava que os
judeus não deviam cozinhar a carne de cabrito no leite da mãe (o costume era habitual
entre muitos povos pagãos). Isso significava que os produtos lácteos não deviam

aparecer na mesa quando havia carne. Servir leite ou manteiga com cordeiro, por
exemplo, era um sacrilégio. A incrível Lei dispunha, também, que todas as famílias
hebréias tivessem vários jogos de panelas. No sabbath, um era destinado à carne, outro
aos produtos lácteos. (N. do m.)
Eu repassei tudo várias vezes e cheguei à mesma conclusão: os
ditados, em sua maioria, pertenciam a um venerado e já
desaparecido rabino de Jerusalém. De certa maneira, um precursor da
filosofia do Galileu. Me refiro, é claro, a Hillel, morto por volta do
ano 10 da nossa era.
Quem amplia sua fama continuei lendo a faz perecer. Que não
aumenta diminui. Quem não aprende se converte em réu de morte.
Quem se serve da coroa (a Torá) desaparece. Mais vale uma só
mão cheia de repouso que duas cheias de trabalho e afazeres vãos.
Com o melhor da tua riqueza, adquire a sabedoria. Com o que
possuis, compra a inteligência. As sábias palavras logo me
lembraram outras não menos certeiras e sublimes.
Se não estou para mim, quem estará E se estou para mim, que sou
eu? E se agora não, quando? Quem é rico?... Aquele que se
regozija com o que tem. A inveja, a cobiça e a ambição abreviam a
vida humana.
Pouco a pouco, repito, minha admiração por Sitio foi crescendo.
Quem era realmente aquela mulher? Que fazia num lugar tão
remoto e sombrio? As frases seguintes me deixaram ainda mais
perplexo:
Fala pouco e faze muito. E recebe todo homem com expressão
sorridente. Cumpre a vontade de Deus como se fosse a tua, para
que Ele faça a tua como se fosse a dEle. Não julgues o teu próximo
antes que estejas nas mesmas circunstâncias dele. Algum tempo
depois, o Mestre falaria a mesma coisa. A vontade do Pai. Sua
grande mensagem. Seu grande desejo...
Os rios vão todos ao mar e o mar não fica cheio. Que a honra do
teu amigo seja para ti tão querida quanto a tua própria honra. Não
confies em ti mesmo até o dia da tua morte.
Um apetitoso cheiro de carne ensopada quase me desviou da

leitura. Eu estava faminto.
E Eliseu? Por que não voltava
Quem é honrado quele que honra os outros. Anel de ouro em
focinho de porco é como mulher bonita sem miolos.
Anda com os sábios e serás sábio. Aquele que se cerca de idiotas,
encontra a desgraça.
Sitio começou a pôr a mesa. Ela me observou de soslaio, mas não
disse nada. Ambos, acho, estávamos de acordo: a leitura era mais
importante.
Onde não há homens, esforça-te para ser um. Quanto mais
carne, mais vermes. Quanto mais riqueza, mais preocupações.
Quanto mais mulheres, mais sortilégios. Quanto mais criadagem,
menos controle. Quanto mais escravos, mais roubo. Quanto mais
estudo da Lei, mais vida. Quanto mais escola, mais sabedoria.
Quanto mais conselho, mais inteligência. Quanto mais justiça, mais
paz. A patroa tinha sublinhado mulheres e sortilégios. Normal no
seu caso.
O conteúdo é mais importante que o recipiente.
Tudo te foi dado como empréstimo e uma rede sobre ti se
estende. Não julgues os outros. Se muito julgares, julga a ti
mesmo.
Tive a impressão de que reconhecia em algumas das sentenças
ecos do livro dos Provérbios e do Eclesiastes. Mas como era possível
isso? Sitio, supostamente, era pagã.
É melhor o pacífico que o forte. Aquele que domina seu espírito
que aquele que conquista uma cidade. Não desprezes ninguém,
nem rejeites nada como impossível, porque não existe homem que
não tenha sua honra, nem coisa que não tenha seu lugar. Seja
humildíssimo, já que o que te espera é a morte. No iminente e
providencial jantar, a mulher nos esclareceria o porquê daquela
singular decoração. E reconheço que tanto meu companheiro como
eu tivemos de nos inclinar diante de seu desejo pouco comum e, ao
mesmo tempo, ardente. E outra surpresa logo viria. Melhor dizendo,
várias surpresas.

Todo aquele que profana em segredo o nome de Deus será
publicamente castigado. Que teu amor não dependa das coisas,
nem do que tens, mas sim do que és.
Não deu tempo para mais nada. De repente, Eliseu irrompeu
através do arco. Fui ao seu encontro. Ele, furioso, exclamou:
- Aprontou outra vez!
Tentei acalmá-lo. Seu rosto estava suado.
- Aprontou? Mas, o que, quem?
Enquanto colocava na mesa uma fumarenta panela de barro, Sitio
nos olhou intrigada.
Meu irmão, visivelmente esgotado, sentou-se e, balançando a
cabeça negativamente, repetiu:
- Aprontou de novo! Aprontou de novo!
Sem querer, a dona da pousada e eu trocamos um olhar. E ela,
decidida, se intrometeu, querendo saber o motivo de tanta confusão.
Teve mais sorte do que eu. Eliseu, abatido, contou que o menino que
nos acompanhava tinha desaparecido.
Outra vez?
Meu irmão contou com detalhes a busca inútil do garoto.
Perguntou até a outros meninos que nadavam no rio. Negativo.
Nenhum deles disse coisa alguma. Tampouco conseguiu encontrá-lo
entre os vendedores. Percorreu parte do caminho que levava ao
norte, mas isso também foi inútil. Assustado e perplexo, resolveu
voltar.
Sitio, fria e racional, quis saber das características do
desaparecido. Eu me adiantei, desenhando um perfil e acrescentando
algo mais que mantinha em segredo.
O Destino, de novo, atento, entrou em cena.
A alusão à possível doença do ladrãozinho foi determinante.
- Ruivo..., mudo...
Ela pensou um pouco e, segura, exclamou:
- Só pode ser o filho de Assi...

Confuso, Eliseu, não queria acreditar no que ouvia. Nem nas
palavras de Sitio, nem nas minhas.
- Mudo? Denário é mudo?
- Surdo ponderei. - Quase com certeza, surdo... E tem família.
- Não devemos nos preocupar. É lógico que tenha voltado aos seus.
O engenheiro tinha se afeiçoado de verdade ao menino. Teve que
se esforçar para aceitar a realidade. Finalmente, mais sossegado,
rendendo-se ao sabor da suculenta sopa de verduras, continuou o
interrogatório.
Sitio, solícita, entendendo o nervosismo de meu companheiro, deulhe
todo o tipo de detalhes. Ela parecia conhecer bem os nativos da
região.
Dessa forma ficamos sabendo da obscura origem do menino, do
lugar de sua residência e da pessoa que cuidava dele.
Segundo a dona da pousada, Denário, cujo nome era Examinado
(15), levava sobre os ombros uma desgraça dupla. Além de surdomudo,
era mamer (bastardo). A mãe, uma fenícia de Sidon,
prostituta, parira a criança na cidade de Panéias, onde trabalhava.
Dias depois, ela a entregou em um kan existente ao sul do lago Hule.
(O kan era uma instituição muito antiga que acolhia todos aqueles
judeus ou gentios que não tinham meios de sobreviver. Às vezes
era também usado como albergue de passagem. Geralmente
consistia de casas ou choças, estrategicamente localizadas, sempre
abertas, e a cargo de não judeus, que se responsabilizavam pelo
alojamento, comida e cuidado dos residentes e transeuntes. O
sustento corria por conta dos tetrarcas, de ricos saduceus ou de
almas caridosas.
Em certas ocasiões, os clientes contribuíam de boa vontade com o
que dispunham. Eram lugares desorganizados, mais lúgubres, se
assim podemos dizer, que as pousadas públicas, sem móveis e em
condições higiênicas praticamente nulas. Nos kanes, acabavam se
refugiando, além de aleijados, doentes crônicos, velhos ou crianças
desamparadas, a fina flor da malandragem, os fugitivos da justiça e
bandidos em geral.
Lugares, de fato, pouco recomendáveis. O Genesis 42, 27

menciona esses lugares, e também Jeremias (41, 17).) Num desses
locais, de fato, cresceu Denário, sob a tutela do governador do kan,
um tal de Assi, auxiliador de grande bondade e notável reputação
como médico ou curandeiro.
*15. Segundo o tratado uiddushim, essa era a designação dada a todos os recolhidos
na rua e cujos pais eram desconhecidos.
(N. do m.)
Ao ouvir Sitio, minha memória ficou agitada.
Assi?
Perguntei e, de fato, emergiu, limpa e transparente, a lembrança
de outro velho conhecido. Alguém que encontrei no ano 30, na casa
do Zebedeu, em Saidan.
Incrível Destino!
Assi era, com certeza, o essênio que cuidava do patriarca dos
Zebedeu quando eu curei o ancião de um pequeno problema num dos
ouvidos(16).
Eu não podia acreditar...
O egípcio, destacado pela comunidade de Qumran para a
longínqua Gaulanítide, achava-se, justamente, muito perto do
caminho que nos conduziria nos dias seguintes até a base do
Hermon.
Coincidência?
Tão certeiras eram minhas informações que a intuitiva mulher
ficou de olho. Tinha razão. Como era possível que aquele grego, só
de passagem, conhecesse o auxiliador do lago Hule? Fugi do
assunto, concentrando-me de novo no ruivo.
O menino, como eu imaginava, era surdo de nascença e, em
conseqüência, mudo. Ninguém, é claro, sabia a causa.
Simplesmente nascera assim. E graças aos cuidados de Assi, o
menino pôde se desenvolver, livrando-se, em parte, da maldição que
representava, naquele tempo, uma patologia dessa natureza.
Denário - assim o chamaríamos entre nós -, a julgar pelas

informações de Sitio, era um menino especial. Apesar de sua
terrível limitação, era dono de uma inteligência notável. Ele era visto,
com freqüência, ao longo da rota, roubando caravanas e caminhantes
e entregando o fruto dessa rapina ao seu pai adotivo. Este, pelo
visto, não tinha conhecimento das andanças do jovenzinho.
Eu, naturalmente, decidira entrar no kan e tentar encontrar os dois.
Na manhã seguinte, se tudo fosse bem, passaríamos bem perto do
lugar. O que não calculei naquele momento foi a transcendência de
tal visita.
*16. Ampla informação em Operação Cavalo de Tróia 3, pp. 257 e ss. (N. do a.)
Sitio tirou a sopa, indo para a cozinha. Então, Eliseu fez um
comentário que confirmou minhas suspeitas tardias. A mulher, na
verdade, era um homem... Um dos muitos homossexuais que
proliferavam naquela Palestina. Mas, prudentemente, de comum
acordo, preferimos ignorar isso e deixar as coisas como estavam.
Não me cansarei de repetir. Aquele encontro no albergue próximo a
qarrin tampouco foi casual. O Destino, previdente, sabia o que
fazia.
Mas devo ser fiel aos acontecimentos, tal como se registraram.
Oxalá esse destino maravilhoso continue me presenteando com luz e
força para continuar.
Carne de vitela ao vinho.
Entusiasmado, Eliseu elogiou a boa mão da dona da pousada. E
Sitio, toda a prosa com os elogios, obsequiou-lhe com uma porção
dupla.
A conversa ficou animada.
Acho que a corrente de simpatia foi mútua e sincera.
Aproveitei a circunstância para intercalar dois temas que me
interessavam. De um lado, a segunda e não menos dramática
maldição que pesava sobre o ruivo: sua condição de mamer. Como
era possível que um essênio, pertencente a um grupo tão extremo e
radical em relação à pureza religiosa, tivesse adotado um bastardo?
A mulher suspirou. Indicou um dos cartazes que eu tinha lido e,

precisa, quase sem palavras, repreendeu minha interrogação
aparentemente pouco caridosa:
- Não julgues...
Não era essa minha intenção, mas vesti a carapuça. Em seguida,
num tom mais conciliador, ela explicou:
- Assi, embora nascido no Egito, é de origem judaica. Mas seu
nobre coração não tem raízes, nem entende essas malditas
discriminações daqueles que se dizem santos e separados. Tu és
estrangeiro e não sabes que nesta terra são mais os que procuram a
verdade e anseiam por ela do que os que adoram essa injusta Torá...
- É verdade?
E passei direto ao segundo assunto. A que obedecia a singular
coleção de sentenças que enfeitava as paredes?
- Estás interessada em saber a verdade? - insisti, fingindo certo
ceticismo. - E o que é a verdade? Será que está nesses cartazes?
Não respondeu logo. Observou-me séria e, convencida, imagino na
sinceridade dos meus questionamentos, abriu o coração, dando voz
aos seus sentimentos. E durante algum tempo, lembrando sua
passagem por Tiro, relatou seu encontro com alguns missionários
cínicos. A filosofia daqueles gregos, parece, a impressionou. E tentou
viver de acordo com o que pregavam: abandonou a prostituição, deu
aos pobres tudo quanto tinha, lutou para se livrar dos desejos
mundanos e procurou não pensar na morte como um mal irremediável.
Contudo, não foi suficiente. Alguma coisa falhava. Seu espírito
continuou órfão. O cinismo(17) não era a verdade. E continuou na
busca.
Tentou com os estóicos(18). Seu Deus-Razão a comoveu.
Concordou com a possível origem divina da alma e a irmandade dos
homens, cantada pelos seguidores de Zenon de Citio.

Aprendeu a viver em harmonia com a Natureza e, o mais
importante, consigo própria. Mas as brilhantes idéias do estoicismo
a deixaram igualmente insatisfeita. Precisava da esperança e esta,
lamentavelmente, não aparecia naquela filosofia. O Deus-Razão,
como o resto dos deuses dos gentios, era alguém remoto e
inalcançável.
Os epicuros e céticos também não trouxeram novidades ao seu
inquieto e ansioso espírito. Os primeiros, defendendo a prudência
como expoente máximo da felicidade, não a convenceram. Não era o
que precisava. Não era isso... Quanto à doutrina dos céticos
segundo a qual o conhecimento e a sabedoria são enganosos -,
sinceramente, nem o considerou.
Aprender, conhecer, crescer não podiam ser algo nocivo ou
detestável.
Finalmente, nessa árdua peregrinação, encontrou o Deus dos
judeus. Mas o desencanto foi idêntico.
*17. Ampla informação sobre as principais correntes filosóficas existentes naquele
tempo em Operação Cavalo de Tróia 3, pp. 24 e ss. (N. do a.)
18. Platão e os estóicos influíram poderosamente nas crençasjudias. O quarto livro dos
Macabeus é um claro exemplo.
Essa influência provocou uma inevitável catástrofe, com a conseqüente confusão. Foi o
célebre Filon de Alexandria quem, finalmente, tentou pôr ordem, harmonizando a filosofia
grega com a teologia hebréia. Mais tarde, Paulo de Tarso se apropriaria desse hibrido,
construindo o cristianismo. (N. Do m.)
Aquele Yaveh, longe de infundir alguma coisa que justificasse e desse sentido à sua
vida, só provocou medo e incompreensão. O instinto a obrigou a renunciar. Yaveh não
era a esperança...
Mas a viagem à religião do colérico Deus do Sinai não foi em vão.
Uma coisa a impressionou. Melhor dizendo, alguém. E o espírito desse alguém
profundamente humano e universal passou a presidir na alma e nas paredes de sua
casa. Esse alguém, como eu imaginara, não era outro senão Hillel(19).
Seus ditos e sentenças a equilibraram em parte. Mas não totalmente.
Tampouco era isso o que procurava...
A sobremesa deu um fim às exposições da atormentada Sitio.

Deliciosa.
A mulher, a bem da verdade, tinha se esmerado. Pirâmide de gengibre branco,
comprado das caravanas da índia. Um exótico e dulcíssimo biscoito, habilmente
embebido com um chocolate líquido extraído da já referida keratia. E por cima, uma
reluzente bola de mel e nozes.
Eliseu e eu devoramos tudo em silêncio. Trocamos um olhar e, acredito,
compartilhamos o mesmo sentimento. Eu lhe fiz um sinal. Não devíamos nos precipitar.
Não era o momento...
Contudo, impulsivo, desejoso de proporcionar um raio de luz à solícita estalajadeira, o
engenheiro abriu as comportas daquele nosso sentimento mútuo, fazendo-lhe uma
pergunta: *19. Hillel, o Velho ou o Babilônio, chegou a Jerusalém no reinado de Herodes
o Grande. Procedia da Babilônia, da diáspora. Era um jajamin (aqueles que
desenvolviam, interpretavam e difundiam a Lei). Logo adquiriu prestígio e respeito,
convertendo-se,junto com o também rabino Sammay, na máxima autoridade no halajá
(a tradição oral ou o caminho pelo qual transita Israel). Na verdade, formaram um dos
famosos pares da sabedoria rabínica nos tempos do jovem Jesus. É muito provável
que o Filho do Homem, ainda criança, tenha chegado a conhecê-los durante a célebre
estada no Templo, quando tinha quase treze anos de idade. Ao contrário do pedante
fariseu Sammay, Hillel se destacaria por sua humildade e grande perfil moral. Para
aquele, a essência da Torá se achava no detalhe. Para seu oponente, a chave da Lei
era seu espírito. Se alguém acertasse na interpretação de dito espírito, o detalhe era
secundário. Anos depois, o Mestre faria suas algumas das sentenças de Hillel, polindoas
e aperfeiçoando-as. (N. Do m.)
- Você conhece um tal de Jesus, carpinteiro de Nazaré? Puxou pela
memória. Esse já era um sinal inequívoco.
Negou com a cabeça.
Meu irmão, obstinado, insistiu.
- Filho de Maria e José...
Negativo. Era lógico. Estávamos no ano 25. Ainda faltava muito
para que o mestre se tornasse conhecido.
Ela, curiosa e intuitiva, perguntou:
- Por quê? Ele é como Hillel?
Nós sorrimos, aumentando sua curiosidade.
Ela nos fitou com total atenção, esperando um esclarecimento.
Desta vez tomei a palavra:

- Algum dia, se o Destino assim tiver previsto, voltaremos a nos
encontrar. Então, se te lembrares, faze-nos de novo essa pergunta.
Melhor ainda: faze a pergunta a Ele...
Concordou meio confusa.
- Eu me lembrarei... Jesus de Nazaré...
E retomando a questão chave a que este explorador deixara no ar
-, murmurou para si própria:
- A verdade... Esse Jesus, o carpinteiro de Nazaré, sabe qual é a
verdade?
Não respondemos. Ela própria, em seu momento, descobriria. E se
converteria, curiosamente, num dos seus mais apaixonados e fiéis
defensores. Um seguidor do Galileu que, como outros, jamais
figuraria nos textos sagrados (?).
O canto das aves de rapina noturnas nos avisou. Devíamos nos
recolher.
Sitio lamentou. Havia muito tempo não desfrutava de uma conversa
tão amena e construtiva. Mas, compreendendo, pegou um par de
lanternas e nos acompanhou.
A temperatura, ainda cálida, nos envolveu. E o firmamento nos
reteve no pátio durante alguns minutos, cortando nosso passo. A
mulher também ergueu o rosto e definiu aquela maravilha melhor do
que nós.
- Essa, sim, é a verdade...
Uma estrela fugaz, oportuníssima, abençoou suas palavras,
enchendo de branco e verde uma fileira de estrelas assustadas e
disciplinadas.
Onde estaria?
Meu pensamento, como outro Jasão, ziguezagueou entre as
vigilantes constelações, deixando para trás as surpreendidas Castor
e Capela e foi pairar sobre o Hermon.
Ele estava ali... Eu pressenti. Eu vi. Ele nos esperava.
Não vou ocultar isso. Nesse momento intenso, a poderosa força
que nos escoltava sussurrou no meu coração: Animo!... Chegou a

hora...
Pouco importou a sujeira, as famílias de piolhos ou a estreiteza do
quarto. Considerei tudo muito bem feito.
Estávamos a um passo do Filho do Homem. Eu podia sentir isso...
A jornada seguinte seria decisiva. Se o Destino nos protegesse, ao
anoitecer do domingo, ou, no mais tardar, na segunda-feira, dia 20,
nos encontraríamos diante das fraldas do Hermon.
Acalentado pela lembrança do saudoso Mestre e pela perplexa e
humilde chama amarelada da lanterna, tentei conciliar o sono. Mas
me custou muito.
De repente, não sei por que, surgiu na penumbra a quase
esquecida imagem de Denário. Eu resisti. Tinha que descansar.
Contudo, os gritos guturais e animalescos do ruivo inundaram-me a
memória, atormentando-me.
Foi estranho. Parecia como se alguém se empenhasse para que
eu não esquecesse sua surdez.
Estranho? Mas havia alguma coisa normal ou racional naquela
nossa aventura? Pobre e bobo Jasão! Quando aprenderei? Aquilo,
de fato, fora um aviso. Mais adiante eu entenderia por que...
O fato é que, apesar da minha resistência, o problema do pequeno
mamer entrara dentro de mim. E durante um tempo batalhei com o
problema, numa vã tentativa de averiguar qual poderia ter sido a
causa daquela doença.
Obviamente, para tentar chegar a um diagnóstico, teria de
investigar os ouvidos. E mesmo assim, o resultado seria duvidoso.
Parecia, e segundo as informações de Sitio, que a surdez era
prelingüística (aparecida antes de falar). Sim, o que eu temia,
tratava-se de uma surdez profunda, originada, talvez, de um
problema durante a gestação ou no parto, com poucas ou quase
nulas possibilidades de recuperação(20). A verdade é que essas
lesões, como hoje em dia, eram muito freqüentes naquele tempo.
Doenças como a rubéola (sofrida pela mãe no período de gestação)
(21), toxoplasmose, citomegalovírus congênito e outras infecções
intrauterinas faziam grandes estragos na população. Era também
possível que a cofose (surdez absoluta) estivesse determinada por

um fator genético ou por um acidente perinatal (eram freqüentes os
traumatismos no parto, a hipoxi, [oxigenação insuficiente), o excesso
de bilirrubina, etc.). Claro que se o mal aparecera depois do
nascimento, as causas podiam também ser inúmeras(22).
O importante, contudo, não eram essas causas hipotéticas, mas sim
o alcance das mesmas. Até onde haviam afetado o menino? Era um
surdo irrecuperável? O instinto de médico me dizia que sim.
*20. Em termos simples, a surdez se divide em leve (hipoacusia
de transmissão), na qual aparece lesado o sistema mecânico de condução do som
(ouvido externo e médio) e profunda (hipoacusia de percepção), na qual o dano afeta o
interior do caracol ou as vias nervosas que conduzem o som até o cérebro (ouvido
interno). Se a surdez de Denário era provocada por uma deformação ou destruição do
órgão de Corti ou das vias neurais, pouco se podia fazer. (N. Do m.)
21. A embriopatia rubeólica afeta o calendário embriológico
entre a sétima e a décima semanas. O ouvido interno do feto fica alterado,
produzindo-se uma hipoacusia perceptiva bilateral profunda, com destruição das células
ciliadas e da membrana tectória do órgão de Corti. (N. Do m.)
22. A meningite cérebro-espinhal é uma das primeiras causas da surdez depois do
nascimento. A isso devemos acrescentar as otites agudas necrosantes originadas do
sarampo, gripe, escarlatina, malária, febre de Malta, varíola e febre tifóide, entre outras
doenças. Todas podem se propagar no interior do labirinto, destruindo-o. As papeiras,
por sua vez, alcançam com freqüência a zona nervosa, sendo responsáveis pela
parotidite e pelas conseqüentes formas de surdez unilaterais.
Também o herpeszoster pode se assentar no gânglio de Corti, causando lesões
parecidas. (N. Do m.)
E naquela luta, tentando afugentar a imagem de Denário e
procurando desesperadamente o necessário descanso, voltei a
censurar minha absurda obsessão. Afinal, no que me afetava tudo
aquilo? Este explorador pouco ou nada podia fazer. E ainda que
tivesse estado nas minhas mãos ajudar o infeliz, as normas do Cavalo
de Tróia proibiam isso de forma terminante.

Então... Naquele instante, repito, não compreendi. O aviso (?)
não ia por aí.Não se tratava de auxiliar o ruivo. A advertência (?)
indicava mais além... O menino, de fato, seria uma peça chave na
hora de analisar e constatar um dos grandes prodígios do Rabi da
Galiléia. Mas vamos por partes.
Finalmente, entregue e confuso, caí num sono profundo e reparador.
E vivi um estranho sonho. Mais um.
Claro que jamais vou esquecê-lo.
19 DE AGOSTO, DOMINGO
Agora, tão longe e tão perto daquela inesquecível aventura, eu
tremo nas bases. Tenho certeza. E gostaria de gritar isso ao mundo:
nada é casual. O acaso não existe. O sonho que me visitou na
pousada do cruzamento de Qarrin é mais uma prova... Agora eu sei.
Ele me foi oferecido em seu momento para que eu soubesse, e
pudesse dar fé de que tudo na vida está amarrado, e bem amarrado.
Que não compreendamos esses desígnios é outra questão. Ao
verificar o que verificamos, chegamos à mesma conclusão: Nossa
missão era mágica. Nosso trabalho, sim, foi minuciosa e
magistralmente desenhado pela USAF... e por Alguém infinitamente
mais poderoso e sublime. Não, não estávamos ali por acaso... Mas
vamos ao estranho sonho premonitório. Eu me lembro de tudo com
uma nitidez de arrepiar. Estávamos nas margens do yam. Era uma
aldeia, talvez Saidan. No sonho, isso não aparecia com clareza.
Agora tenho certeza de que se tratava do pequeno povoado de
pescadores. Era inverno. Todos nos cobríamos com os pesados
roupões. O sol estava prestes a desaparecer por trás do Ravid. De
repente, um dos íntimos chamou a atenção do Mestre. Pelo caminho
de Nahum uma multidão se aproximava.
Saímos à rua. A multidão, ao ver Jesus, parou. Eram centenas.
A maioria, doentes e aleijados. Coxos, cegos, mancos, paralíticos...
E, na frente, um querido amigo: Denário.
Gritavam. Imploravam. Rogavam ao Rabi que fizesse um milagre,
que tivesse piedade deles.
O ruivo havia crescido.

Um dos discípulos se acercou do Galileu e lhe sussurrou ao ouvido.
No sonho eu soube o que ele dizia:
- Esquece-os, Senhor... São mamer, loucos, lixo.
O Mestre continuou mudo, observando-os com ternura e compaixão
E os gritos aumentaram.
Denário então saiu da multidão e foi se ajoelhar aos pés do
Mestre E, por meio de sinais, com lágrimas nos olhos, mostrou que
não ouvia.
Eu me aproximei do Rabi e lhe disse:
- Impossível, Senhor. É surdo de nascimento.
Jesus virou-se e perguntou uma coisa absurda: - Hipoacusia de
transmissão ou de percepção?
- De percepção respondi como se fosse a coisa mais natural. - O
ouvido interno está desintegrado. Curá-lo seria um sonho...
O Mestre me olhou e, num tom de carinhosa repreensão, exclamou:
- Tu, melhor do que ninguém, devias saber disso: os sonhos se
tornam realidade.
Mas eu, teimoso, insisti:
- Ninguém pode! O órgão de Corti e as vias neurais estão
destroçadas... Não te esforces... Só Deus poderia...
Jesus deu uma gargalhada. E todos o imitaram.
- Mas eu sou Deus esclareceu o Rabi. - Eu posso... É só querer. E
agora quero...
E, de imediato, o gentio irrompeu num alarido, sufocando as
palavras do Filho do Homem. Ele continuou falando, alheio ao
alvoroço, dando mil explicações sobre a misericórdia divina.
Eu quis avisá-lo. Alguma coisa incrível acabava de acontecer. Os
paralíticos caminhavam. Os cegos viam...
Denário, pálido, olhava para todos os lados, tapando os ouvidos.
Denário ouvia!
O Mestre contudo, sem notar o prodígio, continuava falando e
falando.

- Meu Deus! - gritei É um sonho! Estou sonhando! Então, levantou
os braços, pedindo silêncio. A multidão emudeceu,
colocando as mãos sobre os ombros deste perplexo explorador,
comentou:
- Não é um sonho, Jasão.
Em seguida, pegando as folhas de papiro, escrevi: Curou
centenas... Hora: cinco A.M.(1). Mestre apontou para o caderno
de campo e corrigiu:
- PM., Jasão. Cinco PM. O sonho se oncretizou às cinco PM.
Retifiquei o erro. Tens razão, PM. É pela manhã, Senhor...
Nesse momento, acordei.
Alguém, batendo na porta da cela, gritava: - Já é de manhã, senhor!
Compreendi. Tinha sonhado. Um estranho e absurdo sonho.
Absurdo?
Quando voltamos ao Ravid e consultei o computador fiquei
perplexo. O nascer do sol naquele domingo, 19 de agosto do ano 25,
registrou-se às 4 horas, 55 minutos e 44 segundos...
Incrível. Quase às cinco... A.M., claro.
Durante um tempo eu não soube o que pensar. Coincidência? Fora
por acaso que este explorador escrevera no sonho cinco A.M. e a
saída do sol, naquele instante, quando terminava o sonho, se dera
também na mesma hora. Claro que tinha sido um sonho. Nenhuma
dúvida sobre isso. Mas que tipo de sonho? Por que o Mestre
garantira que não era um sonho? Absurdo?
Mais adiante, no começo da vida de pregação, eu comprovaria que,
às vezes, o supostamente absurdo é o mais real.
*1. A.M. (antemeridian ou antes do meio-dia). P.M.
(post-meridian ou depois do meio-dia).Trata-se de palavras de origem latina
utilizadas nos países anglo-saxões, onde a contagem das horas do dia de 0 a 24 não é
habitual. (N. Do a.)
E viriam as explicações. Explicações abaladoras. Jamais vimos
coisa igual. Definitivamente não existe o acaso.

Verdadeiramente, o Cavalo de Tróia foi alguma coisa mágica.
Sitio, silenciosa, serviu o café da manhã. Parecia contrariada da
nossa partida.
Leite quente, tortas de flor de farinha recém-assadas, requeijão e
tâmaras.
Pagamos e, no portão, triste e agradecida, pediu que não a
esquecêssemos.
Prometemos.
Ela então, nervosa, suplicou que aceitássemos um humilde
presente. Pegou minhas mãos e nelas depositou uma das pequenas
tabuletas de madeira que decoravam a pousada. A inscrição me
comoveu:
Achava que não tinha nada, mas, ao descobrir a esperança
compreendi que tinha tudo. Eu a abracei, agradecendo-lhe a
gentileza.
Depois foi a vez de Eliseu. Ela lhe entregou uma bolsinha de
aniage e, sorridente, esclareceu:
- São sonhos...
Eliseu, curioso, abriu a bolsa e dela tirou outra das especialidades
da cozinheira: pães doces recheados de coco amêndoas manteigga,
canela, mel e especiarias. Um doce parecido com a baklavá. Uma
receita aprendida garantiu com os missionários gregos que
conhecera em Tiro.
Meu irmão enrubesceu. Não soube o que dizer.
Sonhos... Que coincidência!
Nós, que não éramos chegados a despedidas, afastamo-nos do
lugar. Algum tempo depois, como eu já disse, o Destino nos levaria
de novo à presença daquele afetuoso ser humano. Nessa ocasião,
contudo, acompanhados. Muito bem acompanhados.
Aproveitamos o friozinho do amanhecer e, descansados, decididos
e sobretudo exuberantes, encaminhamo-nos em direção ao objetivo
seguinte: o lago Hule.
Meu irmão parecia ter esquecido o ruivo. Por isso guardei silêncio

sobre o meu sonho recente. Para que mexer com sentimentos?
O panorama mudou.
A relativa paz da jornada anterior desaparecera. E o caminho
apresentou-se tal como era: buliçoso, cheio de gritos, de burriqueiros
sempre com as varas ao alto, de suor e de invisíveis cantos e
trinados nas profundezas do bosque.
Foi só cruzar a pontezinha de troncos e nos vimos envolvidos no
meio de um febril vaivém de homens e cavalgaduras.
Aquele, sim, era o aspecto autêntico e cotidiano da rota.
Procedentes do norte, do Hermon, marchavam, nervosas, as últimas
caravanas retardatárias de jumentos carregados até o topo com a
apreciada e preciosa neve dos cumes. Os arrieiros, conscientes do
atraso, fustigavam os animais, obrigando-os a trotar. Mais de uma
vez fomos quase atropelados. Na direção contrária, rumo ao Hule,
fomos de novo ultrapassados por outras não menos inquietas e
castigadas arreatas de asnos e mulas. A pressa era lógica. Em
poucas horas, o sol de agosto apertaria, prejudicando as delicadas
cargas de peixe do yam.
Apesar do sal e dos densos ramos de feto, as tórridas temperaturas
ameaçavam o peixe.
Meia hora depois da partida, o terreno, benévolo, iniciou uma
suave e gratificante descida.
Saímos de uma curva e, de repente, os céus nos presentearam com
um espetáculo difícil de esquecer.
O miliário de plantão, pontual e em preto-e-branco, anunciava a
distância até o Hule: três milhas romanas (quase quatro
quilômetros).
Majestoso. Simplesmente majestoso...
Paramos e, contentes, absorvemos a paisagem. Os relógios do
módulo deviam estar marcando seis horas.
Ao fundo, coisa de trinta quilômetros, inclinada ao longo da frente
norte, presidindo e mandando, cumprimentou-nos a cadeia do
Hermon.

A neve, refugiada lá no alto, despertava imaculada e laranja,
obediente aos suaves toques da luz rasante.
Ali estava o nosso Homem!
Lá de cima dos seus 2.814 metros de altitude, o maciço cintilava
verde, azul e negro em todas as direções.
Eram as raízes, os pés de um gigante de sessenta quilômetros
de comprimento. Dezenas de colinas compartilhando o silêncio e o
fofo abrigo de pinheiros, azinheirais e carvalhais e do soberano do
lugar, o altivo cedro.
Magnífico!
Jesus de Nazaré havia escolhido de forma acertada.
E entre o GebeGesh-Sheikh (a montanha de cabelos brancos
árabes e beduínos ou o Sirion dos sidônios, cantado no
Deuteronômio, e estes perplexos exploradores, outro milagre dos
laboriosos felah da Gaulanítide: a panela do Hule, uma imensa
concavidade ovalada com 29 quilômetros de diâmetro maior por dez
de diâmetro menor. U jardim, ainda na sombra, aguardando
respeitoso o despertar de seu outro dono e senhor: o manso e verde
coração. O lago Hule, o antigo Meron da Bíblia. Um pântano de
nove por sete quilômetros, quase no centro geométrico do jardim e,
justamente, em forma de coração. Dependurada no Hermon, descendo
em direção ao coração, uma madeixa de vitais artérias: quatro
rios com a correspondente prole de afluentes. E por todos os lados,
pelo este, pelo norte e pelo oeste, orbitando o Hule, uma
constelação de lagoas de todos os tamanhos; abrigada em meio a
uma selva de canas, juncos e papiros. Uma selva domixiante nos
pântanos, dificilmente contida pelos camponeses. Uma mata cerrada
alta, ondulante e perigosa, cortada pelos violentos e barulhentos
tributários do Jordão.
Achei que tinha distinguido o mais nervoso: o nahal Hermon, o rio
mais para o oriente, pulando sobre as bases da montanha, a quase
duzentos metros de altitude. Ele despencava, suicida, por canais e
cascatas até que, esgotado, ia juntar-se, depois de nove
quilômetros, ao seu irmão, o nahal Dan. Ali, sereno e patriarcal,
nascia realmente o pai Jordão.

Mais ao oeste, também selvagens e indomáveis, desciam o Senir e
o Iyyon. O primeiro se submetia ao Jordão, desembocando no bíblico
leito a três ou quatro quilômetros ao norte do coração. O Iyyon, por
sua vez, arisco, afinal de contas pagão, evitava os outros,
esvaziando-se na margem ocidental do Hule.
Aquela benção, nascida fundamentalmente nas neves perpétuas do
Hermon, fazia frutificar toda a Gaulinítide, proporcionando ao mar de
Tiberíades um caudal aproximado de 150 milhões de metros cúbicos
por ano.
Sob a proteção desse tesouro, os felah, repito, ganharam a
batalha, transformando a ondulação que se abria diante de nós num
jardim florescente e invejável. Ali, onde a selva ficava em silêncio,
apareciam imediatamente disciplinadas legiões de oliveiras, hortas
inclinadas ou terraços, e uma agitação ondulada de pomares, entre
os quais ssaíam, decididas e imponentes, as macieiras da Síria.
Aqui e aLi, tímidas e adormecidas, via-se uma vintena de aldeias.
Todas com suas finas chaminés brancas recém-pintadas.
Naquela posição, o caminho, feliz como o caminhante, esquecia
alturas e obstáculos, precipitando-se, retilíneo, até o Hule. Uma vez
ali, depois de lamber o lago do lado leste, renunciava outra vez à
comodidade da planície, subindo em ziguezague e sem pressa em
direção ao norte. Finalmente encontrava-se com a capital da região:
Panéias Cesaréia de Filipe). Pelo oriente, aparecendo e
desaparecendo entre as massas florestais, vimos chegar a também
concorrida rota procedente de Damasco. Dava uma parada em
Panéias e, em seguida, tenaz e voluntariosa, driblava o hal Dan, o
Senir e o Iyyon, perdendo-se entre colinas e bosques, em direção à
cidade marítima de Tiro. O jovem sol, sem querer, alertou a fauna dos
pântanos. E várias nuvens de aves aquáticas, brancas e
escandalosas, saíram da selva, alterando a paisagem. Era a
primeira mudança de guarda nas lagoas. Meu irmão apontou para o
Hermon e, intranquilo, colocou a grande pergunta:
- Isso é imenso... Como vamos encontrá-lo? De fato não tínhamos
muita coisa, mas tentei acalmá-lo.
- Tenha fé, rapaz... Vamos encontrá-lo.

Na verdade, só tínhamos duas pistas: uma aldeia localizada,
parece, aos pés do gigante e o nome de um de seus vizinhos.
Creio que foi inevitável... Ao examinar de novo o silencioso
Gebelesh-Sheikh, uma velha dúvida me assaltou.
O Hermon não era o único cume prateado pela neve. Em sessenta
quilômetros se espremiam outros cumes: Kahal, Kramim, Varda e
Hermonit, entre outros. A qual deles se referia meu confidente?
Em princípio, se eu bem me lembrava, o chefe dos Zebedeu fora
muito preciso: o Mestre, naquele verão do ano 25, fora se refugiar na
montanha de cabelos brancos, o que, provavelmente, significava
grande Hermon. Mas ele também podia estar enganado.
Não tinha sentido nos atormentarmos com isso. Pelo menos um ou
dois dias do gigante.
Primeiro convinha localizar Bet Jenn, a pequena povoação na qual,
segundo meu informante, Jesus de Nazaré contratou os serviços de
alguns de seus habitantes. Depois, veríamos o que fazer...
Descendo, procurei espantar os temores, refugiando-me no
obrigatório registro de referências geográficas, vitais, como já
mencionei, para futuras incursões na região.
Do lado oeste, como um farol branco, apoiada sobre penhascos de
calcário, perseguida muito de perto pelo bosque, creio ter
identificado a religiosa e ortodoxa Safed.
Mais ao norte, a uma hora de caminho da célebre cidade dos
rabinos, despontava, negro e afilado, o Meroth, um pico de 1.208
metros, escurecido da cabeça aos pés pelas oliveiras. Em algum
ponto daquela montanha escondiam-se os túmulos do famoso Hillel,
de seus trinta e seis alunos, do adversário do Babilônio, Sammay,
e da esposa deste último.
Quem sabe eu disse a mim mesmo. - Talvez um dia você possa
visitá-los e render uma homenagem particular ao ídolo de Sitio...
E, como eu imaginava, meus desejos se veriam satisfeitos... em
seu devido momento.
Por cima do Meroth, a umas dez milhas de Safed e a pouco mais de
quatro do flanco ocidental do Hule, brilhava, róseo e deslumbrante,

outro misterioso povoado: Cades ou Cadasa, lugar santo para os
judeus. Ali, segundo a tradição, venerava-se o túmulo de Josué.
Aquela cidade também me interessava. Pelo que eu sabia, Cades
desfrutava de uma curiosa singularidade: era uma das seis antigas
cidades-refúgio míticas, citadas na Bíblia(2). Um asilo inviolável
no qual podia se abrigar todo aquele judeu ou gentio que tivesse
cometido um homicídio involuntário. Assim o estabeleciam Êxodo (21,
e Números (35,9-29)(3). Foi precisamente a Josué, quando
atravessava o Jordão, que Yaveh ordenou que selecionasse as tais
cidades-asilo. Assim se garantia ao presumível inocente um
julgamento justo e, sobretudo, que ele não caísse nas mãos de
parentes vivos do morto (vingadores do sangue).
Segundo uma antiqüíssima tradição, esses refúgios deviam estar
tantes entre si. Três de cada lado do Jordão.
*2. Livro de Josué (20, 1-9) diz textualmente: Yaveh disse a Josué: «Fala aos
israelitas e diz-lhes: Apontei as cidades de asilo das quais já vos falei por meio de
Moisés, às quais pode fugir o homicida que matou alguém de forma inadvertida (sem
querer), e sirvam de asilo contra o vingador do sangue.
(O homicida fugirá para uma destas cidades: se deterá à entrada da porta da cidade
e exporá seu caso aos anciãos da cidade. Estes o admitirão em sua cidade e lhe
indicarão uma casa para que habite com eles.
Se o vingador de sangue o perseguir, não entregarão o homicida em suas mãos, pois
feriu seu próximo sem querer, e não lhe tinha ódio anteriormente. O homicida deverá
permanecer na cidade, até comparecer em juízo diante da comunidade, até a morte do
sumo sacerdote que esteja em funções naquele tempo.
Então o homicida erá voltar à sua cidade e à sua casa, à cidade da qual fugiu.).
Consagraram: Quedes (Cades) da Galiléia, na montanha de Neftali, Siquém na
montanha de Efraim, Quiryat Arbá, ou seja Hebron, na montanha de Judá. Na
Transjordânia, ao oriente de Jericó, designou-se Béser, da tribo de Rúben, no deserto,
no planalto; Ramot em Galaad, da tribo de Gad, e Golã em Basan, da tribo de
Manassés. Estas são as cidades designadas para todos os israelitas, assim como para o
forasteiro residente entre eles, para que possa se refugiar nelas qualquer um que tenha
matado alguém de forma inadvertida, e não morra nas mãos do vingador do sangue,
até que compareça diante da comunidade. (N. Do m.)
3 Em seu capítulo 35, Números estabelece: Falou Yaveh a Moisés e lhe disse: «Fala
aos israelitas e dize-lhes: Quando passardes pelo Jordão em direção à terra de Canaã,
encontrareis cidades que transformareis em cidades de asilo: nelas se refugiará o
homicida, aquele que feriu um homem por inadvertência. Essas cidades vos servirão de

asilo contra o vingador: não deve morrer o homicida até que compareça diante da
comunidade para ser julgado. Da cidade que lhes cedereis, seis serão de asilo: três
cidades lhes cedereis do outro lado do Jordão e três cidádes no país de Canaã; serão
cidades de asilo. As seis cidades serão de asilo tanto para os israelitas como para o
forasteiro e o hóspede que vivem no meio de vós, para que possa se refugiar nelas todo
aquele que matou um homem inadvertidamente... (N. Do m.)
Governantes e cidadãos eram obrigados a cuidar do traçado e da
pavimentação dos caminhos, construindo pontes, sinalizando as
cidades de forma adequada e limpando os caminhos de qualquer
obstáculo que atrapalhasse ou confundisse o fugitivo.
Com a morte do sumo sacerdote, se o julgamento ainda não tivesse
sido realizado, o suposto homicida estava autorizado a voltar ao seu
lugar de origem. E aí acontecia uma coisa interessante: a mãe do
sumo sacerdote falecido tratava de alimentar e vestir esses
refugiados, conjurando assim a possibilidade de que amaldiçoassem
o seu filho.
Se, ao contrário, o fugitivo morresse antes do sumo sacerdote, os
restos eram trasladados para junto dos seus.
Absorto nesses assuntos, de repente vi que estava perto do
Jordão, Faltando dois quilômetros até o Hule, o leito ainda cristalino
apareceu no caminho e, barulhento, trouxe-lhe música.
Logo depois, outro miliário nos obrigou a reduzir o passo. O lago
se achava a uma milha romana.
Bem perto, em algum canto do extremo sul do coração, segundo
as informações de Sitio, devia estar o kan de Assi, o auxiliador. E nos
preparamos para visitá-lo.
O que não imaginávamos é que o Destino, pegando a dianteira,
aguardava-nos impaciente..
Não foi difícil. Assi, o essênio, era muito conhecido nos pântanos:
O kan se erguia num ângulo estratégico, entre o Jordão, a oeste, e o
lago, ao norte.
Seguindo as indicações dos felah, abandonamos a rota,
enveredando por um estreito e humilde caminhozinho que
ziguezagueava em direção ao poente. Calculei que, ao sair da via
principal e dobrar à esquerda, podíamos estar a uns seis quilômetros

do cruzamento de Qarrin e a dezessete, mais ou menos, da clareira
do ruivo, nas proximidades de Beth Saida Julias.
Ao avançar em direção ao Jordão, a paisagem mudou muito. E o
caminhozinho, de apenas um metro e meio de largura, valente,
enfrentou a temida e sufocante selva de canas, adelfas e
espadanas. Dos dois lados, maciças, quase impenetráveis, erguiamse
enormes muralhas de Arundo donax, as canas gigantes de cinco
metros de altura, rematadas por feios penachos. Mas adiante, presas
entre as grossas e nodosas gane, disputando cada palmo de terra,
pediam clemência as ardaf vermelhas, brancas e cor de laranja, as
adelfas impregnadas de veneno. E no final, e roçando as águas do
Hule, outra resignada e compacta população de espadanas, o mítico
suf que serviu para trançar a cesta que salvou Moisés, com seus
esbeltos talos de três e quatro metros procurando desesperadamente
a luz. E, zumbindo entre as folhas eretas e finas como fitas, uma
ameaça errática e escura: a malária.
Ao fundo, talvez a meio quilômetro, sobre o pântano, ouvia-se,
confuso e desafinado, o concerto das aves aquáticas.
Contei setecentos passos. Alto, por fim, o corredor de canas
rendeu. E diante destes exploradores apresentou-se uma esplanada
limpa, quase circular, de uns cem metros de diâmetro, cercada
intensamente por outro bosque verde-amarelo de Arundos. Atrás, em
direção oeste, a pouca distância, murmurava rouco e inconfundível o
pai Jordão, há pouco liberado do Hule.
No centro, sete choças plantadas em círculo, todas armadas com as
enormes canas ocas e grossas. Os tetos, a pouco mais de três metros
do chão negro e empoeirado, haviam sido confeccionados com ramos
e folhas de palmeira.
Nós nos olhamos intrigados.
À primeira vista, o kan parecia abandonado.
Estranho, nenhum dos felah nos avisou...
As choças estavam fechadas, com as estreitas portinhas de cana
firmemente bloqueadas com troncos espessos e pesados.
Cada viga, de um metro, era sustentada por um par de laçadas de
cordas, solidamente amarradas ao trançado.

A tranca, não sei por que, me pareceu estranha. Não era difícil tirar
as traves.
Por questão de instinto, conversando em voz baixa, decidimos dar
uma segunda olhada minuciosa.
Negativo.
A mata cerrada que abarcava o lugar, a menos das barulhentas
aves e das nuvens escuras de insetos, estava tão solitária como o
minúsculo povoado.
O que fazer? Meu irmão, inquieto, pressentindo alguma coisa,
recomendou dar meia volta, retornando ao caminho principal.
Quase segui seu conselho, continuando a viagem até o Hermon,
algo - não sei bem definir me segurou. Algo me atraía.
Algo chamava lá de dentro das silenciosas cabanas.
E o Destino de novo entrou em ação...
De repente, de algum lugar da clareira, escapou um gritinho.
Depois outro e outro...
Eliseu, pálido, interrogou-me com os olhos.
Nenhuma idéia.
Subitamente, os gritinhos cessaram. Então, à nossa direita, detrás
de uma das choças mais próximas, tivemos a impressão de ter ouvido
um ruído metálico. Alguma coisa como correntes sendo arrastadas.
Correntes? Nem pensei duas vezes. Apesar dos protestos do
engenheiro, avancei firme até o centro do círculo formado pelas
cabanas.
O que acontecia afinal? O que ocorria naquele lugar remoto e
perdido? Não foi preciso esperar muito para descobrir. I Ao passar a
primeira choça da direita, ficamos imóveis e perplexos. Ali estava o
responsável pelo som metálico.
Quando nos viu, tão surpreendido quanto nós, ficou em pé.
Durante uns instantes ele nos observou e, sem aviso prévio, furioso
como uma pantera, veio para cima destes exploradores, berrando e
agitando os braços.

Eliseu, instintivamente, recuou.
E este que aqui escreve, num ato reflexo, deslizou os dedos até o
extremo superior da vara de Moisés. E, atento, acariciou o botão
dos ultra-sons.
Não foi preciso intervir. A corrente que o prendia à base da
cabana, com anéis grossos como punhos, esticou, derrubando-o.
Contudo, o jovem negro levantou-se de novo e, uivando e se
contorcendo de dor, tentou avançar. E, pela segunda vez, o grilhão
de ferro que lhe apertava o tornozelo esquerdo o deteve secamente,
jogando-o de bruços sobre a poeira.
Impotente, sem deixar de uivar, começou então a jogar no próprio
rosto a cinza vulcânica que cobria a clareira. Nós, lívidos, igualmente
impotentes, assistimos à progressiva e inevitável destruição do nariz,
testa, sobrancelhas, lábios e queixo. E assim continuou durante
longos e eternos minutos.
A criatura, talvez de uns vinte anos de idade, alta e forte,
completamente nua, apresentava o corpo tatuado com dezenas de
pequenos círculos que corriam paralelos desde o rosto
ensangüentado até os pés. Pareciam cicatrizes, evidentemente
provocadas. Uma espécie de escarificação ou incisões na pele,
brutais e intencionalmente marcadas, que faziam as vezes das
tradicionais tatuagens pintadas. Como constataríamos depois, era
um costume bastante difundido entre as raças africanas.
Passada a crise, o negro voltou a se sentar e, sem deixar de
gesticular, Caiu na risada. E as gargalhadas, sonoras e intermináveis,
repercutiram o kan, pondo em fuga as aves do canavial.
Estávamos, de fato, diante de um desequilibrado. Um pobre infeliz
que ficava acorrentado dia e noite.
Semanas depois, numa segunda visita ao triste lugar, desta vez em
companhia do Mestre, Assi, o auxiliador, me forneceu alguns dados
complementares que deram uma pista sobre o mal que afligia o
jovem negro. O escravo, recolhido no kan havia muitos anos, era
vítima de uma síndrome pouco comum, ligada à loucura. Uma doença
que em nosso tempo recebe o nome de amok(4).
Um mal, de origem obscura, que lhe provocava freqüentes e

repentinos ataques de ira, e ele agredia e feria quem cruzasse seu
caminho. Por causa desse perigo, tinha que estar acorrentado e
isolado. De fato, naquela época e com os recursos rudimentares ao
alcance do auxiliador essênio, não havia muitas alternativas.
*4. Amok, em malaio, significa lançar-se furiosamente à batalha. O distúrbio,
registrado basicamente entre varões, foi detectado entre os nativos da Malásia e
também em tribos da África tropical. Os malaios definem os violentos ataques de loucura
como mata gelap (olho escurecido). Passada a crise, o doente fica aniquilado física e
psiquicamente, sem nenhuma lembrança do que aconteceu. (N. Do m.)
Uma escandalosa seqüência de gritinhos nos desviou da atenta
observação ao acorrentado.
Nervoso, meu irmão suplicou que eu deixasse as coisas como
estavam. Já era o suficiente. Mas minha curiosidade foi maior.
Realmente, acontecia alguma coisa estranha. O kan não estava
vazio nem abandonado.
Eliseu, intuitivo, previu novos sobressaltos.
Não respondi. Tentei achar o lugar de onde partiam os gritos e, em
grandes passadas, fui nessa direção.,e O engenheiro, amaldiçoando
sua própria sorte, não teve outro remédio senão ir atrás de mim.
Nunca eu havia imaginado aquilo que encerravam aquelas choças;
Felizmente, todas tinham duas ou três janelinhas, altas e estreitas,
de um só palmo, pelas quais só penetravam a luz e as inevitáveis
nuvens de insetos.
Quando espiei pelas janelinhas, de início a penumbra me
confundiu: Pensei que se tratava de animais. E de certa forma era
isso mesmo.
Distingui alguns vultos em pé, outros deitados. Dez ou quinze.
Meu Deus!
Depois de alguns segundos, acostumado à escuridão quase total,
compreendi. Retrocedi incrédulo. Mas os gritinhos agudos me
empurraram de novo até a janelinha.
À esquerda da habitação, sentado e com as costas coladas à

parede de canas, estava o autor da gritaria. Não teria mais de dez
ou doze anos de idade. Estava igualmente acorrentado. Três pesados
grilhões o imobilizavam. Um, ao redor do pescoço, o prendia à
parede. Os outros, nos pulsos, ancorados em correntes pesadas e
curtas, impediam que levantasse os braços além de trinta ou
quarenta centímetros do chão.
Ao me ver (?), ele girou a cabeça e intensificou os gritinhos,
esperneando e começando um violento e sistemático golpear do
crânio contra as canas.
No extremo oposto, a quatro ou cinco metros, outro sujeito, também
sentado, brincava em silêncio com as mãos, passando-as, como se
fossem asas, diante dos olhos. Parecia absorto, divertindo-se com os
movimentos dos dedos.
Meu Deus!
Comecei a entender...
Um terceiro autista, coberto por uma minúscula tanga, também
jovem e esquelético, andava de um lado para outro, rígido como uma
árvore e driblando com habilidade os vultos que ocupavam o centro
da choça. Ele segurava uma sandália. De repente, sempre nos
mesmos lugares, parava. Apalpava o calçado.
Levava-o ao nariz e, depois de cheirá-lo, retomava o monótono
passeio repetitivo.
Que tipo de kan era aquele? Meu companheiro, intrigado, juntou-se
a este desanimado explorador. Nesse momento, uma das sombras
levantou-se e se aproximou da janelinha. Ao entrar no facho de luz,
Eliseu, vendo seu aspecto, atordoado, recuou.
O homem, contudo, continuou avançando. Acercou-se de mim e,
esboçando um sorriso forçado, perguntou:
- Sois novos?
Tive que fazer um esforço. A garganta, seca diante daquela coisa
espantosa, negou-se a responder.
O infeliz percebeu, baixou os olhos e, humilhado, fez menção de
voltar à penumbra.
- Sim balbuciei como pude. - Somos novos...

O sorriso voltou e ele me estudou detidamente.
O sujeito, já velho, sofria de um mal repugnante. Uma doença da
qual não tinha culpa alguma e que, não obstante, provocava uma
absoluta rejeição social. Seu rosto quase todo estava coberto por
uma densa mata de pêlos negros. Uns pêlos grandes, de até dez
centímetros, que, junto com o avermelhamento da conjuntiva e a
maciça queda de dentes, davam-lhe um aspecto feroz. Se eu bem
lembrava, o homem sofria do que a medicina chama de
hipertricose lanuginosa congênita. Um hirsutismo ou abundância de
pêlo duro e forte que, geralmente, prolifera por todo o corpo, exceto
nas palmas das mãos e plantas dos pés. Um problema não muito
comum, provavelmente de caráter hereditário (autossômico
dominante), que transformava esses infelizes em sanguinários
homens-lobo, cara de cachorro ou ky terrier humano.
Correspondi ao sorriso aberto e ele, animado, chegou perto.
Apesar de tudo, seus olhos irradiavam uma longínqua paz.
- Procuramos Assi adiantei. - Este é o seu kan, acho...
Ele confirmou com a cabeça e, apontado o Hule, esclareceu: - Está
pescando no agam (o lago) com os outros... Não volta até o pôr-dosol.
Má sorte...
Eu me despedi do bom homem e, reunindo-me com o ainda
nervoso Eliseu, fiz um resumo da situação. Meu irmão, aliviado,
pressionou-me. Queria sair da clareira imediatamente. Contudo,
embora eu começasse a ter bem clara a natureza do albergue, pedi
uns minutos, Tempo suficiente para examinar outra choça. Só mais
uma.
Aceitou contrariado.
Escolhi a mais afastada e fomos até ela.
O espetáculo tampouco foi muito gratificante, digamos assim..,
Definitivamente, o kan parecia um refúgio de monstros, loucos
irrecuperáveis e aleijados envergonhados.
Ao nos aproximarmos, um cheiro fétido e pesado nos obrigou a
tapar o nariz.

Naquele momento, o lugar estava quase vazio. Distingui dois
homens e algumas mulheres. Ao pé da janelinha, jogado num leito de
palha, nu e com os olhos muito abertos, olhava sem olhar um
rapazote alto e magro.
Deus!
Eliseu, perturbado pelo mau cheiro e pela visão da figura, saiu de
perto. E meu estômago, todo virado, ameaçou com um par de
violentas convulsões.
Como era possível?
Aquele infeliz era o causador da insuportável atmosfera que
dominava a cabana. Ele estava literalmente afundado em seus
próprios excrementos. Com uma das mãos, recolhia parte daquilo e
levava tudo à boca. Com a outra, se masturbava sem parar.
Obsessivamente. Gemendo com um fio de voz...
A julgar pelo aspecto e pela conduta, tratava-se, sem dúvida, de
um oligofrênico, um deficiente mental profundo, cujo coeficiente
intelectual creio que não chegava sequer a 20. Em outras palavras,
um total e irresponsável, com uma idade mental inferior à de uma
criança de dois ou três anos.
Sinceramente, caí para trás. Ndo nos viram, as mulheres se
levantaram, aproximando-se cautelosas. Pararam a um metro e uma
delas, com voz rouca e varonil, me censurou, exigindo comida. A
hebréia devia pesar uns cento e vinte quilos.
Desafiante, esperou uma resposta.
Eu dei de ombros, insinuando que aquele não era o momento.
O rosto, redondo como uma lua cheia, avermelhado, endureceu.
Notei claros sintomas de calvície. Uma alopecia frontal, do tipo
masculino.
Imagino que, insatisfeita com minhas palavras, terminou dando-me
as costas. Então, sob a túnica suja, bem perto da nuca, descobri um
inchaço suspeito. Provavelmente, outro acúmulo de gordura. A típica
corcunda de búfalo que apresentam os afetados pela chamada
drome de Cushing. Um quadro clínico provocado pelo funcionamento
defeituoso do córtex supra-renal. Em resumo, uma excessiva secreção

de cortisona, um hormônio adrenocortical(5). Se era o que eu
desconfiava a notável obesidade devia ser provocada por esse mal.
E diante da minha surpresa, impudica, a mulher levantou a parte de
baixo da túnica, mostrando um enorme traseiro.
O gesto, desavergonhado, revelaria uma coisa que confirmou o
diagnóstico.
De fato, a pele aparecia frágil, atrófica e deixando transparecer as
veias. Os flancos e raízes dos músculos estavam arrasados pelas
características estrias vermelhas.
Quanto às pernas, magras como palitos, contrastando com o
pronunciado ventre dependurado, completavam o desastre com um
conjunto de equimoses e outras manchas vermelhas (púrpura).
*5. Essa doença, descrita pelo neurocirurgião Harvey Cushing,
de Boston, é o resultado, em geral, de um adenoma independente do córtex suprarenal
ou de um adenocarcinoma, responsável por um excesso de cortisona que inibe o
hormônio adrenocorticotrópico (ACT-H). Isso leva, de forma inexorável, a uma atrofia da
glândula supra-renal contralateral. A cortisona propicia, por sua vez, entre outros
problemas, uma distribuição anormal da gordura. (N. Do m.)
Não havia dúvida. A mulher sofria da síndrome de Cushing. Uma
patologia que, além do já descrito, coloca o paciente numa posição
menos delicada de inferioridade psíquica(6).
A segunda mulher, coberta por uma grossa manta de lã, tiritando
da cabeça aos pés, levou o dedo indicador esquerdo à fronte e me
deu a entender que sua companheira não regulava bem. Depois,
confiante, chegou perto. Cabelo, sobrancelhas e pestanas haviam
quase se sumido. Pegou minhas mãos. A pele da anciã, gelada, seca,
dura, amarelada e escamosa, me assustou.
Qual era o seu mal? E com voz lenta e áspera perguntou: - Procuras
Assi?
Fiz sinal que sim.
- Ele é muito bom acrescentou devagar. Muito devagar. - Cuida de
nós... Agora está procurando o jantar.
Segunda confirmação. O responsável pelo kan estava ausente.

Em seguida, apertando minhas mãos, disse uma coisa absurda: -
Faz frio... Não consigo me acostumar... Faz muito frio...
Perplexo, não consegui responder.
Frio Em pleno agosto Naquele momento e naquela selva, não
acredito que a temperatura ficasse abaixo de 20 ou 25 graus...
E levantando a voz de arrieiro exclamou:
- O que disseste Não ouvi...
Neguei com a cabeça. Eu não tinha dito nada. Provavelmente era
surda. Pensei num hipotiroidismo, outra carência na secreção dos
hormônios tiroidais. A queda de cabelo, tumefação e tonalidade
amarelada da pele, tiritando de frio, a voz lenta e pastosa pareciam
indicar isso. Se era assim, a desagradável voz tinha que ser
produzida por infiltração mucóide da língua e da laringe.
*6. O excesso de cortisona afeta também o sistema nervoso, produzindo
excitação, estados confusos, alteração de consciência, depressões, alucinações
visuais e auditivas ou idéias delirantes. Também altera os centros da
saciedade e do apetite, localizados nas regiões ventromedial e ventrolateral,
respectivamente. A destruição do primeiro ocasiona um aumento do apetite,
com a lógica sensação de fome permanente e insaciável. (N. Do m.)
Contudo, sem um exame rigoroso, ficava tudo na especulação(7).
Eu decidi sair dali. Já tinha visto o suficiente.
Tentei me livrar das mãos da mulher. Mas, imagino que muito
necessitada de companhia, ela resistiu, apertando com força.
Foi quando, de repente, o segundo e silencioso homem levantouse.
Eu o vi gesticular. De um pulo, colocou-se às costas da anciã. Pelo
jeito eu ainda não tinha visto tudo. De repente, o enegrecido e
enrugado rosto se convulsionou. E sobrancelhas, pálpebras, nariz,
bochechas e boca afundaram num espetacular baile de tiques.
Desconcertado, incapaz de precisar o alcance e a intenção das
violentas caretas, consegui por fim soltar minhas mãos, indo para
trás.
A mulher repetiu o gesto inicial, levando o dedo direito à fronte.
Também estava certa.

Sem controle, dominado pelos tiques motores, o pobre infeliz
começou então uma nervosa e compulsiva série de blasfêmias,
juramentos e obscenidades de todo tipo.
O ataque recrudesceu e, ao lado das ostensivas caretas e tiques
musculares, surgiu outra incontrolável série de movimentos
espasmódicos na metade superior do corpo. A mulher, golpeada sem
querer por mãos, braços e tórax, retirou-se atemorizada.
Meus Deus, aquilo era demais...
A coprolalia (repetição de frases obscenas) se concentrou em outro
infeliz o oligofrênico -, que começou, na base do grito, a soltar para
fora todas e cada uma das misérias de sua deficiência mental. E a
cada menção aos excrementos, o doente acompanhava sua loucura
com tosses, salivadas e cavernosos ruídos bucais.
*7. Na visita seguinte eu confirmaria isso. A anciã sofria de hipotiroidismo. Seu coração
trabalhava de forma precária, com uma redução do volume sistólico, bem como de
freqüência. A pele extremamente fria e a hipersensibilidade ao frio eram igualmente
explicadas pela vasoconstrição periférica. Também o sistema nervoso central registrava
danos, dando lugar a uma lentidão em todas as funções intelectuais. A mulher, de forma
definitiva, estava às portas da demência. (N. Do m.)
Farto de tudo aquilo, Eliseu me pegou pelos ombros, obrigando-me
a sair daquele inferno.
Não acho que errei. O último sujeito era vítima de um distúrbio
mental chamado síndrome De la Tuzette, uma doença de
prognóstico muito ruim.
Bendito seja Deus! Onde estávamos? Em que tipo de kan tínhamos
ido parar?
Aquilo nada tinha a ver com o que eu conhecia. Aquilo não era
o típico albergue de passagem.
E, desalentado, seguindo de perto os passos apressados do
companheiro pelo corredor de canas, eu me perguntei que ou
calamidades e despojos humanos escondia o resto das choças.
Deus dos céus! Nós só nos aproximamos de duas...
O que encerravam as outras cinco?

Semanas depois, como eu já mencionei, ao descer do Hermon e
entrar de novo naquele lugar, ficaríamos devastados.
Da mesma forma que a escura e tenebrosa cidade dos mamer
localizada, como sabemos, nas proximidades de Tiberíades, este
canteiro junto ao lago Hule era também um pesadelo. Outra
demolidora realidade da Palestina na qual circulou o Mestre.
Uma espécie de tristíssimo depósito de loucos, doentes e
aleijados contamos mais de sessenta -, perfeita e rigorosamente
controlados e marginalizados, Um gueto ao qual pouca gente se
atrevia a chegar. Uma humilhante e humilhada aldeia que, contudo,
não passou despercebida para o terno e magnânimo Filho do Homem.
Naquele momento não podíamos imaginar a importância que
alcançariam os esquecidos pupilos de Assi durante a vida de
pregação de Jesus de Nazaré. Uma importância, a propósito, da qual
ninguém fala nos textos sagrados (?).
Mas essa, como já terá percebido o paciente leitor destas
memórias, é outra história. Uma belíssima história que Deus queira
espero narrar em seu devido momento...
Talvez fosse a hora tercia (por volta das nove) daquela luminosa
manhã quando, por fim, desembocamos no caminho principal.
Não conseguimos ver Assi, nem o ruivo, mas consideramos válida a
experiência.
O trânsito de homens e animais continuava no auge.
Eu me fixei nos rostos. Muitos, risonhos. Outros, congestionados
pelo calor e pela caminhada. Todos, de forma definitiva, alheios ao
que acontecia um pouco mais adiante, a setecentos passos de onde
nos encontrávamos.
Eu me senti impotente. Derrotado.
Aqueles infelizes não existiam. Não contavam para nada. Pior
ainda:
Era a vergonha e o descrédito de uma nação.
Continuamos em direção ao norte e, incapaz de sufocar tanta
amargura, comecei a falar sozinho, lamentando tudo quanto tinha
visto.

Meu irmão tomou a iniciativa e, tentando aliviar e compartilhar a
amargura, perguntou-me sobre o porquê de semelhante situação.
Quem era o culpado? Agradeci o apoio. Foi muito oportuno.
Diante de nós, acenando lá do cume, erguia-se o gigante dos
cabelos nevados. Eu devia ficar mais sossegado. Era preciso me
aliviar da amargura daquele sofrimento. O encontro com o Rabi da
Galiléia nos obrigava a permanecermos atentos, com o ânimo limpo
e estável. Não podíamos nos distrair. Era muito o que estava em
jogo. Demasiado...
E me aferrando à pergunta de Eliseu, tentei simplificar as coisas.
Para compreender de forma mediana o que representava o kan do
essênio era preciso voltar a um velho e já comentado preceito
judaico: pecado = castigo divino = doença(8).
No fundo fui explicando ao meu companheiro era tão simples
quanto dramático. Yaveh era a chave de tudo. Eu não exagerava. O
Deus do Sinai, em boa medida, era o responsável por tanta miséria,
marginalização e erro. Naturalmente, com a passagem dos séculos,
outros contribuíram também para piorar a lamentável situação.
Este foi o início da esclarecedora conversa que tivemos enquanto
avançávamos.
*8. Ampla informação complementar sobre esse tema em Operação
Cavalo de Tróia 3 e 4, pp. 405 e ss. E 313 e ss., respectivamente. (N. Do a.)
- Yaveh? E por que Yaveh? Supõe-se que é Deus...
- Sim argumentei -, um Deus estranho. Negativo.
E me concentrei nos fatos.
- Lembre-se de algumas passagens do Pentateuco. Que Levítico?
.. Mas, se não me ouvirdes e não praticardes todos estes
mandamentos, e rejeitardes os meus estatutos, desprezardes as
normas e quebrardes a minha aliança, deixando de praticar todos
meus mandamentos, então eu farei o mesmo contra vós.
Porei so vós o terror, o definhamento e a febre, que consomem os
olhos e esgotam a vida... (Levítico 26, 14-16).

Eliseu ficou em silêncio. Estranho Deus, sim...
.. E o que aconteceu quando Aarão e Maria censuraram Moisés por
haver tomado por esposa uma kusita (etíope)? A cólera de Yaveh
acendeu-se contra eles e Maria acabou leprosa, branca como a
neve. Aarão viu tudo claro. Aquele ataque de zarâ'at (lepra?) era
coisa de Deus. E pediu a seu irmão Moisés que intercedesse
(Números 12, 115).
No Deuteronômio (28, 21-27) continuei Yaveh insiste: Se não
escutares a voz do Senhor..., então o Senhor trará sobre ti a morte...
Te ferirá de tísica e febre..., e com as úlceras do Egito, com tumores,
com crosta e sarnas....
E mais adiante (Deuteronômio 32,39), o desapiedado Deus ()
esclarece: Eu feri e eu curo... Se obrares com retitude, nenhuma
dessas doenças cairá sobre ti. - Ainda bem... - murmurou meu
companheiro, perplexo.
- O Deuteronômio, como você sabe, está cheio de advertências
desse tipo.
.. Yaveh te castigará com a loucura, com a cegueira e com o
frenesi, por isso andarás tateando durante o dia, como costuma
andar um cego rodeado de trevas... Te ferirá o senhor com úlceras
muito malignas nos joelhos e no peito das pernas, e de um mal
incurável desde a planta dos pés até a cabeça... o Senhor
acrescentará tuas pragas e as de tua descendência, pragas grandes
e permanentes, doenças malignas e incuráveis: e arrojará sobre ti
todas as pragas do Egito, que tanto te apavoram, que se agarrarão a
ti estreitamente. Além disso, enviará o por sobre ti todas as doenças
e chagas que não estão escritas no livro desta Lei, até te aniquilar.
Ficamos em silêncio. E acho que pensamentos e corações voaram
juntos até o Hermon.
Que bela e difícil revolução a daquele Homem! Quão diferentes o
yaveh dos judeus e o Ab-bã de Jesus de Nazaré! Continuamos...

- Está claro sentenciei. - A saúde tem sido, e continua sendo, um
patrimônio exclusivo de Yaveh. A Bíblia o repete até a exaustão:
Yaveh ou Abimeleq (Genesis 20, 17). Eu sou Yaveh, aquele que te
restaura (Êxodo 15, 26). Rogo-te, oh Deus, que os cures agora!
(números 12,13). E assim poderíamos continuar infinitamente...
Na verdade, como também você sabe, os judeus não aceitam o
título médico. Só Deus é rofé. Eles se contentam com uma designação
que não ofenda esse Senhor. Eles se autoproclamam auxiliadores
ou curandeiros. Assi, quando o conhecer, é um deles. Os outros
médicos, os gentios, são desprezíveis usurpadores. Você deve ter
notado que, em muitas ocasiões, me olham com repugnância...
Em suma, de acordo com o que promulgou Yaveh, a doença é um
castigo divino, conseqüência, sempre, dos pecados humanos. Se um
judeu se equivoca, se infringe a Lei, esse Deus vigilante e vingativo
não perdoa...
- Meu Deus! - lamentou-se Eliseu com razão. - E o que acontece com
as doenças genéticas? Que pecado pode ter cometido o oligofrênico
que acabamos de ver?
- Tudo isso está previsto e considerado nessa Lei tortuosa e
sibilina, querido amigo. Tudo...
Evidentemente é muito difícil culpar de pecado alguém que tenha
nascido com esse ou qualquer outro defeito. Não importa.
Os intérpretes da Lei invocam então a culpa dos pais. E se estes
têm saúde, retrocedem aos ancestrais.
Alguém definitivamente cometeu um erro. E Deus, implacável, fere e
humilha. - Não, esse não é um Deus...
Eu sorri para dentro. Eliseu de fato estava pondo o dedo na ferida.
Estava se aproximando de uma das outras frentes de batalha que
deveria sustentar o Filho do Homem. Uma frente que multiplicaria o
número de inimigos e que contribuiria de forma decisiva para sua
prisão e execução. É bom não se esquecer disso.
- Em outras palavras ponderei -, a saúde, para este povo,
depende direta e proporcionalmente do cumprimento da Lei. O
problema, grande problema, é que essa Lei é uma diabólica teia de
aranha impossível de ser memorizada. Como resultado, segundo os

extremamente severos, sempre fica alguma coisa sem se cumprir. E,
situação louca, como você comprovará no devido momento, provo
duas realidades, uma mais absurda que a outra.
Um homem são, para os judeus, é alguém puro, fiel cumpridor dos
preceitos divinos. E, suposição, em muitas ocasiões, arrasta rabinos,
doutores da Lei e demais castas principais a uma presunção e
arrogância mais que notáveis. Temos, sem ir mais longe, os
chamados santos e separados, os fariseus, Deus, simplesmente,
está com eles.
Com os doentes, aleijados ou loucos, por outro lado, ocorre o
contrário. Seus males são a demonstração palpável de que Yaveh os
abandonou. E assim continuarão até que reconheçam suas faltas e se
purifiquem.
- Absurdo...
- Sim, mas real. E o conceito em questão, querido Eliseu, se acha
tão arraigado em seus corações que muito poucas das doenças
psiquiátricas ou mentais têm nome próprio(9). Para o judeu,
sobretudo extremista, a demência não é uma patologia.
Essa idéia é estranha. E não consegue concebê-la.
- Então...
*9. Ao contrário das doenças somáticas, para as quais empregavam o paradigma
paélet ou paálat, com as funcionais utilizavam uma terminologia ambigua, amparandose
no modelo pialón: deavón era o difuso pesar; o abobamento definiam como
hipazón kilayón equivalia à sensação de aniquilamento, isavón corresponderia ao
nervosismo, ivarón à cegueira espiritual, simamón estupor, sigayon à alucinação e
sigaón, por exemplo, à alienação. (N. Do
Com os desequilibrados, o problema piora. Não são somente
pecadores. Para o cúmulo da desgraça, Yaveh os castiga, mandandolhes
um espírito maligno, um ruah. Os loucos, simplesmente, são
possuídos. Quer dizer, duplamente infelizes.
Por isso, os judeus acendem uma lâmpada durante o sábado: para
que os ruah não se aproximem. Se bem que esses demônios são
invisíveis e que estão por toda parte, sempre a serviço de Yaveh.
Alguns até garantem ter visto suas pegadas, semelhantes às de

galos gigantes. Entendo. Segundo isso, o negro acorrentado no kan
de Assi é um possesso. - O negro, os epilépticos, os autistas, os
esquizofrênicos e, praticamente, todos os que padecem de distúrbios
mentais, de linguagem, de audição, etc.
Esses pobres infelizes, além disso, como você já terá intuído, não
têm direitos. São impuros e contaminam, inclusive à distância.
- À distância?
- Yaveh deixou isso claro no Levítico (5, 3): Se alguém, sem
perceber, toca uma pessoa impura, manchada com qualquer tipo de
impureza, quando disso souber se torna culpado. Meu irmão
começou a rir.
- Deus! Meu Deus!
- E a coisa não fica por aí. Para Yaveh (Levítico, 21,17-22),
qualquer impedido ou inválido está desautorizado para se fazer
sacerdote. Escuta que diz esse Deus: Nenhum dos teus
descendentes, em qualquer ação, se aproximará para oferecer o pão
de seu Deus, se tiver algum defeito. Pois nenhum homem deve se
aproximar, caso tenha algum defeito, quer seja cego, coxo,
desfigurado ou deformado, homem que tenha o pé ou o braço
fraturado, ou seja corcunda, anão, doente dos olhos, ou tenha sarna
ou pragas purulentas, ou seja eunuco.
Nenhum dos descendentes de Aarão, o sacerdote, poderá se
aproximar para apresentar oferendas queimadas a Yaveh se tiver
algum defeito; tem defeito e por isso não se aproximará para
oferecer o pão de seu Deus.
- Deus! Que Deus!...
- Sim comentei desalentado -, em
nosso tempo Yaveh seria qualificado de nazista...
Até o rei Davi se viu contagiado pela intransigência desse deus
brutal e seletivo. Assim confirma o segundo livro de Samuel (5, 8): E
disse Davi aquele dia: Todo aquele que queira atacar aos jebuseus
suba pelo canal... quanto aos cegos e mancos, Davi não quer saber
deles. Por isso se diz: «Nem manco nem cego entrarão na Casa
(Templo); Mais ainda: segundo a tradição, esses deserdados da

sorte não têm direito de participar dos rituais das grandes festas,
das oferendas e, também, de determinados casamentos.
Três vezes por ano, como você sabe, os israelitas varões devem
peregrinar ao Templo e oferecer vários sacrifícios a Yaveh(10). Muito
bem, isso não vale para as crianças, hermafroditas, mulheres,
escravos, surdo-mudos, imbecis, indivíduos de sexo incerto, doentes,
cegos, anciãos, em resumo, para todos aqueles que não estão
capacitados para chegar caminhando.
- Indivíduos de sexo incerto?
- Sim, aqueles cujos órgãos genitais aparecem ocultos ou pouco
desenvolvidos.
- Então, Sitio...
- Se fosse judeu, tampouco poderia se apresentar no Templo.
Entra na difusa categoria dos hermafroditas. Quer dizer, os que
reúnem dois sexos.
*10. Nas solenes festas da Páscoa, Pentecostes e Tabernáculos,
como indicam Êxodo, (23,14-17) e Deuteronômio (16,16), osjudeus maiores de doze
anos e meio (idad legal) tinham a obrigação de comparecer ao átrio do Templo, em
Jerusalém, e oferecer um holocausto ou sacrifício de comparecimento (reiyya). O sangue
era derramado, a pele ficava para os sacerdotes e a carne, com a gordura, era
queimada sobre o altar. Em outra passagem do Êxodo (23,14), se diz também que
Yaveh deveria receber, trêS vezes por ano, o que denominavam sacrifício festivo
(hagigá). Em muitas ocasiões, portanto, a oferenda era dupla. A hagigá era um sacrifício
pacífico, no qual o sangue e a gordura eram oferecidos no altar e a carne comida pelos
peregrinos, desde que estivessem em estado de pureza ou não fossem indivíduos
marginalizados pela Lei. Se a hagigá não fosse suficiente para satisfazer as
necessidades dos comensais fazia-se um terceiro holocausto: o sacrifício chamado da
alegria. Alegria-dizia por estar perto de Deus e poder degustar a carne sagrada.
Os dois primeiros rituais, em resumo, eram obrigatórios. O da alegria, por outro lado,
era voluntário. Naturalmente, os pecadores (aleijados, doentes, loucos etc.) não
podiam desfrutar de tais sacrifícios... (N. Do m.)
E o que entendem por imbecis? Não é o que você acha... Não se
trata de pessoas com pouca inteligência, mas sim de pessoas como
as que vimos no kan: deficientes mentais e desequilibrados. Surdosmudos?...
Por que Yaveh os proíbe de se aproximarem do templo?

Neste caso, a bem da verdade, a culpa não é de Yaveh, mas dos
ciosos intérpretes de suas palavras. Tudo procede de um texto do
Deuteronômio (31, 10-14). Ouça e deduza: ... E Moisés ordenoulhes:
no fim de cada sete anos, precisamente no da Remissão, na
festa das Tendas (Tabernáculos)., quando todo Israel vier apresentarse
diante de Yaveh vosso Deus no lugar que ele tiver escolhido, vós
proclamareis esta Lei aos ouvidos de todo Israel. Reuni o povo, os
homens e as mulheres, as crianças e o estrangeiro que em vossas
cidades, para que ouçam e aprendam a temer Yaveh o Deus, e
cuidem de pôr em prática todas as palavras desta Lei.
E filhos que ainda não sabem ouvirão e aprenderão a temer Yaveh
o Deus, todos os dias que viverdes no solo do qual ides tomar e ao
atravessardes o Jordão.
- Incrível...
- Sim, essas expressões Proclamareis esta Lei aos ouvidos de...,
para que ouçam e ouvirão, deixaram de fora os surdos. Para os
doutores da Lei, e demais extremistas, está claro que, por não
poderem escutar, não têm direito.
E a mesma coisa acontece com a oferenda e o famoso dízimo.
Nenhum dos infelizes do kan de Assi está autorizado a tais
práticas. Além de tudo, a esses se juntam os mudos, cegos, bêbados,
nus e, olhe só, os que tiveram uma polução noturna (emissão
involuntária de sêmen durante a noite(11)).
*11. Segundo a Lei de Moisés (Lev. 22,10-14, e Números 18, 8-11-12-26-30),
osjudeus eram obrigados a entregar uma oferenda aos sacerdotes. A disposição de
Yaveh abrangia todos os frutos da terra. Destes, segundo os rabinos, devia se separar
um por cinqüenta. Tratava-se da oferenda grande (teruma gedola), diferente da que
o levita fazia de seu próprio dízimo (terumat ma aser). A Lei proibia que tais frutos
fossem consumidos se antes não se fizesse a separação do referido dízimo. (N. Do m.)
- Mas...

- Assim diz Yaveh no Levítico (15, 16-17): Quando um homem tiver
emissão seminal, deverá banhar em água todo o corpo, e considerarse
impuro até a tarde. Toda veste e todo couro atingidos pela
emissão seminal deverão ser lavados em água e ficarão impuros até
a tarde.
- E que mal fazem um cego ou um bêbado? Por que não podem
apresentar o dízimo?
- A decisão, mais uma vez, foi tomada pelos sábios de Israel,
Baseados nos Números (18, 29), onde Yaveh fixa a obrigação do
dízimo. Estes intérpretes deduziram que cegos ou bêbados não
estão capacitados para ver e selecionar o melhor do melhor, como
ordena seu Deus.
Meu irmão, desconcertado, fez então um comentário. Um comentário
acertado.
- Começo a entender que tipo de povo o Mestre teve que enfrentar.
- Você ainda não viu nada, querido amigo. Nada...
- E o que acontece com os casados?
- Essa é outra longa e prolixa história. Pouco a pouco você vai
descobri-la. Vou te dar um exemplo. A extensa norma dedicada a
cunhadas (yemabot) especifica que se um homem casa com uma
mulher sã e, ao fim de certo tempo, ela fica surda-muda, o marido
tem todo o direito de repudiá-la.
- E se acontece o contrário?
- Isso, que eu saiba, a Lei não considera.
- Machistas, cretinos e ignorantes...
- Querido Eliseu ponderei -, no fundo não são culpados.
Simplesmente herdaram uma situação criada por Yaveh. Além disso,
não se esqueça de que o conceito pecado = castigo divino = doença
acabou tornando-se um excelente negócio...
Tratei de resumir tudo.
- Tal como indica a Lei, a cura está nas mãos dos sacerdotes. Yaveh
cura por meio deles. Yaveh perdoa os pecados por intermediação
dessaS castas. O que significa isso? Benefícios.

Eliseu sorriu com malícia.
- Entendi...
- Cada vez que alguém se cura ou considera que pecou, tem a
obrigação de pagar em dinheiro ou em espécie. Já imaginou o que
isso representa para os cofres do Templo e para os bolsos dos
espertos representantes de Yaveh?
E aí lhe dei um simples e eloqüente exemplo. Segundo a Lei, o
número de preceitos negativos que Deus colocou em Israel é de
trezentos e sessenta e cinco. Quem é capaz de controlar semelhante
pesadelo? Quem pode lembrar de tudo isso? Os pecados, portanto,
estão por todo lado e são cometidos, segundo Yaveh, por razões as
mais mínimas e inconcebíveis.
Puxei pela memória e lembrei-me de alguns...
O judeu não deve vestir tecidos nos quais a lã e o algodão
apareçam misturados. Isso, para Yaveh, é pecado.
O judeu não deve maltratar sua barba. (!) O judeu não deve ter
piedade dos idólatras. O judeu não deve voltar a morar no Egito.
O judeu não deve permitir que se estraguem os pomares.
O judeu não deve consentir que a noite surpreenda o enforcado.
O judeu não deve deixar que o imundo se aproxime do Templo.
O judeu não deve comer espigas nem trigo torrado. O judeu não
deve arar com boi e asno juntos.
O judeu não deve fazer intrigas.
- Belo negócio, isso sim...
- Uma sociedade limitada. - Yaveh e cia. -, que, como você vai
entender, não viu com bons olhos a concorrência do Galileu...
E prossegui, sintetizando outro capítulo chave da vida pública do
Mestre.
- Espero que vejamos isso com nossos próprios olhos, mas vou
adiantar o assunto. Quando Jesus iniciar as espetaculares curas
coletivas, como você acha que reagirão esses legítimos e
autorizados curandeiros oficiais?

- Nunca reparei nisso.
- Eles se retorcerão como víboras. Como eu lhe disse, só eles têm
capacidade para curar. Só eles desfrutam da prerrogativa de perdoar
os pecados. Assim diz Yaveh.
- E aparece Jesus e rompe com o estabelecido...
- Mais que romper, desintegra. Não esqueça que o Galileu não é
sacerdote. Legalmente não tem o direito. E, contudo, devolve a
saúde, e o mais importante e intolerável para essas castas, perdoa
as culpas! A perplexidade, indignação e ódio dos santos e
separados: não conhecerá limites.
O Mestre, ao se imiscuir no território dos sacerdotes, viola a
norma e, de passagem, colocará em perigo o negócio do Templo.
- Conclusão...
- A já conhecida: morte ao impostor. Mas veja uma coisa
interessante. Os dirigentes judeus cairão na sua própria armadilha.
Se Yaveh é o único rofé, o único médico e curandeiro, e o único
com poder para redimir o homem de seus pecados, quem é este
humilde carpinteiro de Nazaré que faz a mesma coisa? Se aceitavam
seus prodígios tinham que admitir também que Jesus se achava
capacitado para perdoar pecados. Em outras palavras, o Filho do
Homem era de origem divina.
- Ou o que dá na mesma: Yaveh e tradição... pulverizados.
- Afirmativo.
A partir daí, a conversa correu em outra direção, intimamente
ligada a esses raciocínios.
Nem toda a culpa desse caos e intransigência era de Yaveh e os
zelosos custódios da Lei. Durante séculos, como já disse, outras
culturas penetraram no espírito judaico, multiplicando a confusão e
fortalecendo o referido conceito: pecado = castigo divino = doença.
A cultura babilônica foi, sem dúvida, uma das mais importantes.
Desde a derrota de Judá em 587 a.C. E o conseqüente desterro
para a Babilônia, a norma de Yaveh se viu alterada pelas crenças e
costumes dos vencedores. Cinqüenta anos mais tarde, quando Ciro
permitiu a volta dos judeus a Yehud (assim era conhecida então a

província persa de Judá), a elite político-religiosa de Israel estava
contaminada pela filosofia babilônica. Aquele povo, como Moisés e
seus descendentes, pensava que a doença era conseqüência da ira
dos deuses. Essa atitude, de forma definitiva, reafirmou e completou
o pensamento judaico sobre o assunto.
Os Textos cuneiformes, anteriores ao êxodo do Egito, são muito
elucidativos. Aquele que não tem deuses, quando anda pela rua, a
dor de cabeça o cobre como uma veste.
Para os babilônios, quando alguém ficava doente, a primeira coisa
era determinar a falta cometida e, em seguida, averiguar a
identidade do ofendido. Se isso era possível, procedia-se à
penitência. Os sacerdotes, então, recitavam salmos e o pecador
devia se congraçar com a divindade, confessando seus erros. Por
último, como tributo obrigatório, eram feitas as oferendas
correspondentes. Um sistema, em resumo, muito parecido ao
estabelecido pelo Deus do Sinai.
E os pecados eram idênticos ou muito parecidos. Vejamos alguns
exemplos: violar as leis religiosas, falar mal dos pais, roubar, pisar
uma libação, tocar mãos sujas, mentir, adular, não cumprir promessas,
cometer adultério, destruir as balizas que marcavam as propriedades,
praticar a feitiçaria, adulterar pesos e medidas, assassinar, semear a
discórdia e desunir as famílias, desprezar os deuses e seus legítimos
representantes, não cumprir com os sacrifícios e oferendas, tomar o
alimento dos deuses ou possuir um coração falso, entre outros. Desta
antiga cultura, os judeus adotaram também as crenças nos anjos e
nos espíritos diabólicos. A Babilônia era, sem dúvida alguma, a
grande exportadora de demonologia(12).
Foram os primeiros a apresentar os anjos com asas. Quando as
quase 5 mil famílias hebréias exiladas na Babilônia.
Descobriram que a idéia pecado = castigo divino = doença era
coisa tão velha quanto enraizada entre seus conquistadores, não
tiveram o menor pudor em apropriar-se dela. E daí, muito
provavelmente, nasceu segundo conceito: diabo = possessão.
Para os povos do Eufrates, eunucos e desequilibrados não eram
mais que indivíduos tocados por ziqa, o vento ou sopro dos deuses.

*12. Entre os babilônios do século VI a.C. Apareciam muito bem diferenciadas a
profissão de mágico ou exorcista (ashipü) e a de médico (asû).Este último termo, de
forma curiosa e suspeita, está muitob próximo do aramaico assia, sinônimo do hebreu
rofé médico para os judeus). Os demônios que, segundo a Bíblia, atormentaram o rei
Saul Shedim Maziqin e Ruah Raa eram velhos conhecidos dos exorcistas babilônios.
(N. Do m.)
Embora modificado, este seria o panorama que Jesus encontraria
em relação aos possessos,
perturbados mentais com os quais conviveu e a quem curou.
À nítida e forte influência babilônica juntou-se igualmente a quase
gêmea dos egípcios. Muitos dos conjuros, amuletos e fatos que
rodeavam as curas (?) dos judeus procediam do Egito exorcistas
hebreus que conheceríamos ao longo daquela apaixonante
aventura beberam, sem dúvida, nas não menos antigas tradições
do Nilo. Lembro, por exemplo, das recomendações desses
expulsadores de demônios à família de um pobre epilético. Para
que o possuído recuperasse a saúde, além de reconhecer os
pecados, pai e mãe deveriam raspar as cabeças. O peso dos cabelos
então era convertido em ouro. Só assim pregava o esperto
exorcista era possível afugentar o espírito imundo. Mas a entrega
do dinheiro, é claro, não provocava outra coisa senão a ruína dos
progenitores...
A terapia, como muitas outras, procedia do Egito(13).
Roma também deixaria sua marca nas crenças judaicas sobre
doença e, mais concretamente, sobre a loucura. Apesar do ódio
visceral aos invasores, os auxiliadores hebreus assim
constatamos, por exemplo, com Assi, o essênio terminariam
aceitando as idéias e os remédios dos kittim.
Um dos que mais influenciou, sem dúvida, foi Celso, médico
enciclopedista, nascido em 25 a.C., e que exerceu sua função entre
14 e 37 da nossa era. Para ele, como para o resto dos cidadãos
romanos, doenças e desgraças eram castigos lógicos por
desobedecer aos deus ou, simplesmente, por não saber interpretar
sua vontade. Personagens tão ilustres como Plutarco ou Cícero
manifestam isso claramente em suas obras.

Tanto em Numa como em Leis e sobre a natureza dos deuses,
ambos expressam sua convicção de que as forças da Natureza são
movidas pelo poder divino. A doença, naturalmente, fazia parte das
caprichosas vontades dos 30 mil deuses que os governavam.
No fundo, a filosofia, apesar do monoteísmo de Israel, era a
mesma. O pobre mortal se equivocava e os deuses ou Yaveh
respondiam pronta e fulminantemente, castigando-o com a doença.
*13. Ver as obras de Diodoro de Sicília. (N. Do m.)
Foi uma pena que, entre tanta influência estrangeira, os gregos, do
seu lado não conseguiram vender seus acertados prognósticos ao
errante povo eleito. Apesar de seus erros e seu primitivismo,
homens como Platão, Aristóteles, Frasístrato ou Asclépio, entre
outros, souberam reformular o velho conceito pecado = castigo
divino = redefinindo-o com uma ideia mais ajustada à verdade: a
doença era uma perda do equilíbrio natural. Só isso.
Platão, cinco séculos antes de Cristo, e o eminente Hipócrates
propiciaram uma guinada de 180 graus nas ancestrais crenças sobre
o espírito e, conseqüentemente, sobre a doença e a demência. Os
dois trataram um tema um tanto revolucionário: a alma existia. Era
racional, imortal e residia no cérebro. A partir daí, a interpretação da
loucura, por exemplo, foi mais coerente. Os desequilíbrios mentais
foram atribuídos a desajustes orgânicos, descartando-se de vez as
pretendidas possessões diabólicas e o acerto de contas por parte
dos deuses.
Aristóteles, discípulo de Platão, compartilhava a essência desses
raciocínios, embora divergisse quanto ao território em que se
assentava a inteligência. Para o estagirita, morto em 322 a.C., a
alma repousava no coração (o sensorium commune, onde memória e
imagens se transformam em pensamentos).
Pouco depois, um neto de Aristóteles Frasístrato dá um passo
gigante. Examina as circunvoluções do cérebro humano e deduz que a
inteligência depende desses misteriosos e sinuosos percursos. Aí -
garante - tem que estar o segredo de algumas doenças.
Asclépio, por seu lado, vai mais além. E se atreve a distinguir entre

loucura febril e loucura fria. Para o grego, as duas, como o resto
das doenças, dependiam do tamanho e do movimento dos átomos,
autênticos integrantes da matéria humana. Esses átomos se
aninhavam em vazios que ele denominava de poros. O fechamento
ou alteração de tais poros provocava, de forma definitiva, a quebra
da saúde, só recuperável com o restabelecimento da ordem atômica.
Essas proposições sugestivas, contudo, foram repudiadas pela
teologia judaica.
Se Yaveh não era o justiceiro administrador das doenças e se esta
dependia de átomos ou desajustes orgânicos, o que faziam tão
categóricas afirmações contidas na Bíblia? O negócio dos
sacerdotes, além disso, segundo as hipóteses era fraudulento.
E rabinos e doutores ficaram irados.
Deslocar Yaveh em benefício do raciocínio? Nem pensar...
Revisar a próspera seqüência pecado = castigo divino = doença
Nem sonhando...
Renunciar à prestigiosa prerrogativa de perdoar as culpas dos
míseros mortais! Nada disso...
A saudável filosofia grega foi condenada assim por ser sacrílega e
inoportuna.
Yaveh e cia. Era intocável. E continuou se alimentando de citações
bíblicas, conjurações, possessões demoníacas e com o frutífero
monopólio da cura com pagamento antecipado.
Um monopólio que seria duramente questionado por um novo
magnífico Yaveh: o Filho do Homem.
A ponte 7!
Absortos na conversa animada, não percebemos o quanto tínhamos
avançado. Segundo meus cálculos, ao atravessar a tal ponte,
podíamos estar a uns dez quilômetros do kan.
Observamos o sol. Corria em direção ao zênite. Talvez rondasse
hora quinta (ao redor das onze).
Segundo o último miliário, a cidade de Panéias estava a uns doze
quilômetros. Isso representava umas três horas de caminhada. Depois

Bet Jenn. Em outras palavras, se não surgissem inconvenientes, a
décima (quatro da tarde), estes exploradores estariam às portas
da aldeia chave.
De repente, percebemos...
Onde estavam os kittim?
Não tinham dado as caras nem na encruzilhada de Dabra nem no
que já havíamos percorrido.
Coisa estranha! Os burriqueiros não costumavam errar.
E, imprevidentes, prosseguimos em bom ritmo, fixando referências e
desfrutando da exuberante paisagem.
Uma das providenciais referências muito útil em futuras incursões
ficou por conta dos rios que saíam do Leste. Antes de alcançar a
margem sul do Hule, a uns cinco quilômetros, apareceu o primeiro dos
tributários, de certo porte, do pai Jordão. Dali até Panéias ou Cesar
de Filipe, contamos quatorze. Todo um festival aquático. Em 2
quilômetros... 14 rios!
Muito bem, alguns desses afluentes, próximos dos cruzamentos dos
caminhos ou lambendo aldeias de canas, foram memorizados com
número. Assim, por exemplo, o 7 nos lembrou Dera, outro minúsculo
povoado. E a ponte que o contornava recebeu a mesma referência.
14, por seu lado, marcava a iminente Panéias, a uma milha romana.
E assim sucessivamente.
A partir do 7, justamente, a intensa circulação de caravanas
cresce muito com o transporte de dois produtos típicos da zona pela
qual andávamos: o junco e o papiro.
Enormes varas verdes e rosas cobriam os lombos de mulas e asnos
rumo ao norte e ao sul. As primeiras, os humildes agmon ou juncos de
lagoa, bem como as rosas (Butomus umbellatus), cresciam aos
milhares no Hule e nas dezenas de charcos e pântanos que o
cercavam por todos os lados. Tanto na Palestina como nos países
limítrofes, eram basicamente empregadas na confecção de tapetes e
esteiras.
Quanto ao seu irmão, o papiro, os compridos caules triangulares
de até quatro metros de altura constituía outro próspero negócio.

Como eles, além do papel(14), judeus e gentios fabricavam
dezenas de barris, roupas para os mais pobres, cordas, sandálias,
cestos, embarcações e um amplo etc. Em caso de fome, os rizomas,
eram cozinhados ou consumidos crus. Um costume também importado
do Egito, inventor do omeh ou papiro. Embora não tenhamos
experimentado, imaginei que o elevado conteúdo de algodão nos
citados Cyperus tornava muito nutritivos.
Não havia dúvida, a prosperidade daquela parte da Gaulanítide
estava assegurada. De um lado, graças à imensa selva que fervia à
margem de rios e pântanos. À esquerda da rota, desde o kan de Assi
até as proximidades de Daphne, num povoado perto de Dan, no
norte, juncos, papiros, canas, adelfas e espadanas formavam um todo
compacto e ininterrupto.
Uma selva de uns 23 quilômetros de comprimento, de Norte a sul,
por outros cinco de leste a oeste. Um intrincado labirinto de rios e
lagoas, infestado de mosquitos, aves e pequenos animais, no qual
só se aventuravam a entrar os mais hábeis ou necessitados. Uma
massa verde, trepidante e traiçoeira que não permitia o crescimento
de outras plantas e que os esforçados felah se viam obrigados,
quase todos os dias, a fazer retroceder.
De vez em quando, distinguiam-se, sobre os mansos e brilhantes
espelhos de água do Hule e das lagoas maiores, pequenas canoas
de Sapiro, já mencionadas por Jó e Isaías.
Avançavam lentas, com as proas è popas afiladas e o casco
barrigudo e também trançado com centenas de talos dourados.
Provavelmente pescavam. E a cada grito ou manobra dos
tripulantes, escapavam do meio da vegetação brancos, chorosos e
abobados volumosos pelotões de aves aquáticas.
Seria impossível descrever a variedade e beleza daquela fauna.
Só de aves menores contei mais de cem espécies. Contudo, o mais
atraente do Hule e seus pântanos eram as inúmeras cegonhas e
pelicanos. Nessa época, meados de agosto, chegavam as primeiras
ondas migratórias procedentes do Bósforo. Em várias ocasiões, entre
agosto e outubro, calculei em mais de 300 mil as cegonhas brancas e
negras, que davam uma parada no Hule, antes de prosseguir rumo ao

sul. O aparecimento da Ciconia ciconia (ceg, branca), enorme,
majestosa e insaciável, era muito festejado entre os felah. A
presença de milhares de exemplares, com seus bicos e patas
coloridos de vermelho, constituía um alívio para os campos cultivados
Desde o amanhecer até o pôr-do-sol caíam, inexoráveis, sobre
insetos, gafanhotos, grilos e saltões, praticamente limpando
hortas, pomares e plantações. Na selva também faziam estragos,
devorando todo mundo de anfíbios e serpentes.
*14. Curiosamente, o humilde papiro terminaria dando nome à Bíblia. O termo byblos
servia para designar a medula branca da planta. Muito bem, com a passagem do
tempo, biblion aplicou-se a todos os rolos ou livros e, depois, à própria Bíblia. (N. Do m.)
Os pelicanos, ao contrário, não eram bem recebidos. Para os
pescadores da desembocadura do Hule e das grandes lagoas, os
brancos e disformes Pelecans onocrotalus eram uma maldição.
Desde fins de agosto ou princípios de setembro, com os primeiros
emigrantes, a pesca diminuía sensivelmente. Em certas ocasiões
desciam sobre as colheitas até dez mil dessas aves vorazes,
engolindo tudo à vista, com seus afiados e amarelados bicos-bolsas.
Formavam enormes tumultos impossibilitando as tarefas dos irritados
moradores. Cada um desses exemplares era capaz de engolir um ou
dois quilos de peixe por dia e os frenéticos pescadores os
combatiam com todos os recursos à mão, fogo, redes lançadas sobre
grupos de aves, pedras, paus e peixe envenenado com caules e
folhas de adelfas. Era tudo inútil. Quando conseguiam neutralizar cem
pelicanos, entravam em cena outros milhares. Só em outubro, quando
faziam o vôo de volta ao yam, à costa e ao norte do Sinai, voltavam
a paz e as boas pescas.
A essas correntes migratórias se uniam, naturalmente, os flamingos,
garças, garças-ribeirinhas, pernaltas-espátulas, grossos milhares de
gansos e patos, que, por sua vez, propiciavam a florescente
indústria: carne para as mesas dos mais exigentes (em particular
de ganso rabudo e de cantadeira), fígados triturados (espécie de
patê) e penas para enfeites, travesseiros, acolchoados e colchões.
À direita da rota pela qual avançávamos, a Gaulanítide dispunha

de uma não menos próspera e invejável fonte de riqueza. Só em
alguns pontos do baixo Jordão, em Jericó, vimos coisa igual. Nunca
pude percorrê-la toda. Isso era praticamente impossível. A panela do
Hule com seus quase 28 quilômetros de norte a sul, por outros 20 de
leste a Oeste, era um dos jardins mais extensos e intensos da
Palestina. Até à fronteira marcada pelos bosques, no oriente, o
imenso retângulo de 280 quilômetros quadrados não apresentava
um só metro sem cultivo.
Aqui e ali, à beira do caminho ou perdidas na frondosidade dos
minifúndios, erguiam-se dezenas de aldeias ou minialdeias, sempre
construídas com canas, juncos ou papiros. Muitas delas, assentadas à
beira dos turbulentos afluentes, eram literalmente varridas pelas
súbitas torrentes invernais. Não importava. Dias depois, os felah
reconstruíam tudo nos mesmos lugares. Pior era o fogo. Mais de uma
vez fomos testemunhas de incêndios rápidos e implacáveis, que
reduziam os ricos assentamentos a manchas negras e fumacentas.
Esse tipo de cabanas, contudo, oferecia notáveis vantagens. Uma
delas a que mais chamou nossa atenção era sua mobilidade. Hoje
passávamos ao lado de um monte de choças, amanhã a aldeia se
evaporava. A explicação, simples e racional, estava nos trabalhos
temporários. Quando os felah eram convocados para recolher frutos e
colheitas, se as plantações tivessem longe, eles desmontavam as
canas gigantes, papiros ou juncos, deslocando-se até o ponto
requerido com as casas debaixo do braço ou sobre os ombros. Em
meio a toda essa magnificência, o rei do kan ou jardim era, sem
dúvida, a macieira.
Meticulosamente alinhadas no nir (terra arável) negro e vulcânico,
as imponentes árvores de até doze metros de altura minavam a
panela quase toda. Acredito que não seriam menos de cinqüenta
mil. As famosas tappnah sírias brancas e vermelhas eram cortadas
em toneladas até os mercados mais recônditos. Junto às cheirosas
macieiras, igualmente intermináveis, quase infinitas, cresciam outras
curiosas e exóticas árvores frutíferas. Duas delas davam frutos para
nós desconhecidos: albaricoques (?) de pequenas dimensões,
sedosos e levemente tingidos de vermelho, importados, parece, da
remota China. Os romanos gostavam muito desse fruto, para tanto
compravam antecipadamente as dulcíssimas colheitas de armeniaca

muito antes de a árvore dar frutos. E entre as macieiras e
albaricoques, outra pérola da Gaulanítide: uma cereja de ouro,
enorme, de até cinco centímetros, reservada quase que
exclusivamente para ricos, sacerdotes e patrícios. Um híbrido
singular, nascido provavelmente da Prunus ursina, também
transplantada da vizinha Síria. Um fruto que, talvez, tenha servido de
inspiração ao Rei Salomão quando, no livro dos Provérbios (25,11),
ele escreve que uma palavra dita a tempo é como maçã de ouro em
bandeja cinzelada de prata. Nem será preciso dizer que a passagem
por aquele jardim foi uma embriaguez de perfumes, incrementada
pelas ervas das centenas de matas, (hortas), como a hortelã, o
cominho e o mendro.
Ao longo de toda a rota, ao pé dos caminhos vizinhos e trilhas que
adentravam nas plantações e matas, dezenas de felah ofereciam
ao caminhante montanhas de hortaliças, ervas aromáticas, deliciosos
mikshak (melões) verdes, voluptuosas melancias de cerne vermelho i
amarelo, ethrog ácidos (refrescantes cidras de pele pálida e
aromáticas, vindas séculos antes da Índia) e, é claro, toda espécie
de caldos e sopas e a bendita e gelada cerveja de cevada.
Nesses mesmos pequenos caminhos, apareciam a toda hora
arreatas de jumentos, carregadas de caixas de canas e juncos cheias
de fruta e verduras. Umas iam na mesma direção que nós, até
Panéias ou a estrada do leste, e outras, apressadas, empreendiam a
marcha em direção ao yam, e, imagino, até a Cidade Santa.
Na ponte 13, por volta da nona (três da tarde), decidimos parar
e comer alguma coisa. Pouco antes, na ponte 11, o terreno havia
começado a subir suavemente, chegando à cota de 100 metros acima
do nível do Mediterrâneo (o Hule, como foi dito, se achava a 68
metros). A partir daí, a rota se tornava mais íngreme, marcando 330
metros nas proximidades de Panéias. Devíamos juntar forças e nos
preparar para a penúltima etapa: a localização de Bet Jenn.
À sombra de uma das cabanas, rodeados de crianças curiosas e
inquiridoras, acabamos logo com a comida já escassa: carne de vaca
defumada, ovos crus e os apetitosos bolinhos de chuva,(15) presente
de Sitio. Naturalmente, a metade da sobremesa foi parar nas mãos
dos agitados filhos dos fèlah.

*15. Bolinho de chuva, espécie de panqueca de farinha e ovos, frita em azeite, comese
adoçada com mel ou com calda de açúcar ou ainda polvilhada com alguma canela.
(N. Do t.)
Diante de nós, em direção ao noroeste, se destacavam, ao longe,
as populosas cidades de Dan e Daphne, quase asfixiadas pelos
pântanos. Um pouco mais perto, também ao lado do nahal Hermon,
uma pequena aldeia igualmente desconhecida: Huda.
Passaria certo tempo até que pudéssemos visitar a mítica Dan ou
terra grande, conhecida na antigüidade como Lais.
Aquele rico e pacífico povoado também seria cenário da vida
pública de Jesus. Na verdade, como acho já ter mencionado, toda
aquela paisagem, selvagem e florescente, seria percorrida em um
momento inquieto e infatigável do Filho do Homem.
Viagens difíceis de esquecer...
O Filho do Homem!
E meus olhos buscaram o Hermon, agora branco, azul e verde.
Estávamos perto, muito perto...
Consultamos o sol.
Em questão de três horas até às seis iria escurecer.
Era bom prosseguir com rapidez. Nossa idéia era pernoitar em Bet
Genn. Mas antes, obviamente, tínhamos que localizá-la.
E fomos em busca da Ponte 13. A rota saltou sobre o nahal
Sion, um rebelde e barulhento afluente do rio Hermon. Cota 197 e
subindo.
Três quilômetros e meio mais adiante avistamos a ponte e o nabal
14, outro tributário do Hermon o Saar - tão impetuoso e
impaciente como o anterior. Cota 300 e subindo.
O miliário de turno avisou: Panéias a uma milha romana.
Nova consulta ao implacável sol. Hora décima (ao redor das
quatro).
O jardim, de repente, rareou. As contínuas ondulações do terreno o
tornavam inviável.

Decidimos perguntar. Segundo os mapas de Papai Noel, a
modesta Bet Jenn escondia-se em algum ponto do lado oriente de
Panéias. Talvez a uns dois ou três quilômetros, no máximo.
Penetrar na Cesaréia de Filipe não estava nos nossos cálculos.
Não naquele momento. Não achávamos necessário. Provavelmente
existia algum atalho que, rodeando a cidade, nos levasse ao
objetivo primordial.
Os felah, solícitos, confirmaram a informação do computador
central.
Um pouco mais adiante, pela direita, saía um nathiv(16), uma trilha
pavimentada ou batida. Seguindo esse caminho, a coisa de seis
estádios (uns 1.200 metros), desembocaríamos na importante
estrada pavimentada de Damasco, a que vinha do leste. Muito bem,
segundo alguns dos nossos informantes, tudo era questão de
atravessar a estrada pavimentada mesmo, parece, o mencionado
nathiv continuava sozinho até a falada Bet Jenn.
Distância do cruzamento com a estrada de Damasco até à aldeia
Umas quátro milhas romanas (quase cinco quilômetros). Um pouco
mais do que o previsto.
Uma advertência. Melhor dizendo, duas: no início do pequeno
caminho de cabras encontraríamos uma patrulha romana. A trilha que
agora percorríamos estava interrompida por obras.
Mas foi o segundo aviso que nos deixou meio inquietos. O nathiv,
que conduzia a Bet Jenn era um contínuo vaivém de bandidos e
malfeitores.
Anotamos.
De fato mais a uns metros adiante, em terreno aberto e limpo,
vimos certa aglomeração de gente.
*16. Naquele tempo, os judeus distinguiam três tipos de vias: nathiv, do termo nathar
ou pisar; messillah (estrada traçada),
de salal ou traçar; e os caminhos reais. As primeiras eram pistas detestáveis, de um
metro ou um metro e meio. Tinham caráter particular e, logicamente, reparações e
manutenção corriam por conta dos nativos. Os caminhos públicos, segundo a legislação,
deviam ter uma largura de sete metros.
Mas muito pouca gente cumpria o regulamento. A Lei exigia também que as estradas

públicas fossem consertadas na primavera, antes das grandes peregrinações à Cidade
Santa. O cumprimento dessa determinação, é claro, era muito irregular.
Essa legislação, escrupulosa e exaustiva, proibia qualquer tipo de túnel ou estrutura
subterrânea que pusesse em perigo a integridade da pavimentação. Também os ramos
de árvores tinham que ser podados, de maneira que não atrapalhassem a passagem
de homens e animais. Se alguémjogava lixo ou entulho na estrada pavimentada ficava
responsável pelos danos sofridos por viajantes ou caravanas. Árvores podres ou muros
perigosos deviam ser removidos ou demolidos num prazo de trinta dias. A Lei proibia até
que se jogasse água, vidros ou qualquer outro material perigoso sobre o caminho.
(Baba Kama e Baba Bathra.) (N. do m.)
Fomos nos aproximando devagar.
A rota realmente estava interrompida. Arreatas e caminhantes eram
desviados para nossa direita. Um nathiv estreito, negro e
empoeirado seguia na direção leste, absorvendo com dificuldade os
homens e as cavalgaduras que iam e vinham.
Ao chegar ao fim da estrada, entendemos. A vital e descuidada
artéria por onde circulávamos estava sendo consertada. Partindo de
Panéias, um número grande de operários e técnicos se ocupava com
a construção da estrada pavimentada.
Eliseu, fascinado, pediu tempo. E fomos nos misturar aos curiosos e
desocupados que observavam o trabalho febril de topógrafos,
pedreiros, carpinteiros, ferreiros e demais especialistas.
A uma centena de passos, protegidos do sol por uma cobertura de
ramos e folhas de palmeira, descobrimos os sempre temidos e
temíveis kittim. Meu irmão me perguntou a respeito deles. Eu os
observei minuciosamente e deduzi que estávamos diante de um
contubernium, uma patrulha ou grupo de oito infantes, pertencentes
às tropas auxiliares. Não havia dúvida, eram soldados rasos, mais
que fartos e entediados. A julgar pelos arcos, curtos e fabricados com
aço e chifre, imaginei que eram sírios, hábeis e belicosos guerreiros
assentados habitualmente em Rafan (Síria). No lugar da típica
couraça metálica a lorica segmentata -, vestiam uma armadura
anatômica, de couro, fulvo, que protegia o tórax. As longas espadas,
de um metro de comprimento e de bordas afiadíssimas, também os
distinguiam dos legionários.

Três ou quatro jogavam dados. O resto cochilava ou olhava de vez
em quando as obras, mais atentos no sol e no cair da tarde do que
no tráfego e naqueles que vigiavam os trabalhos.
Adiante, na cabeça, distinguimos meia dúzia de operários, sob as
ordens dos topógrafos e de seus ajudantes. Seu trabalho consistia
na limpeza do terreno pelo qual devia passar o calçamento. E com
eles, os admiráveis técnicos encarregados do traçado propriamente
dito. Ficamos perplexos. A minuciosidade e a competência dos
romanos nesse tipo de construções eram admiráveis.
Os topógrafos, armados com os instrumentos de nivelamento, 297
dioptras, bastões e gromas(17) -, mediam, anotando os cálculos
com pequenas tábuas de cera que levavam penduradas nos cintos.
Os ajudantes sustentavam os bastões, atentos aos gritos de seus
chefes. Ora subiam os discos, ora desciam os discos, até que,
finalmente, o ponto de mira da diotra ficasse alinhado com o disco
deslizante do bastão. Aquela era, provavelmente, a tarefa mais difícil
e tediosa. A dioptra, obviamente, não servia para medir grandes
distâncias. Isso obrigava a repetir as medições até uma centena de
vezes.
Levando em conta que a quase totalidade dos 90 mil quilômetros
de estradas pavimentadas que o império tinha era praticamente em
linha reta,(18) fácil imaginar a paciência, garra e habilidade desses
topógrafos.
*17. A dioptra, de 1,26 metro de altura, ancestral dos atuais teodolitos, dispunha, na
parte superior, de uma pequena plataforma circular com um ponto de mira. Abaixo
aparecia um parafuso nivelador do disco e outro que o fazia girar. O bastão, por sua
vez, de até 2 metros de altura, apresentava a correspondente escala e um disco móvel,
com um ponto ou sinal para marcar a escala. Por último, a groma, que consistia numa
lanceta, arma com um sarilho no extremo superior, no qual ficavam dependurados
quatro pesos de chumbo. O topógrafo cravava a groma no solo e, depois de verificar a
horizontalidade dos braços, traçava as linhas retas ou os ângulos. (N. do m.)
18. A maior parte desta esplêndida rede de vias romanas das quais 1.500
quilômetros estavam na província da Judéia foi planejada e construída por e para as
legiõeS: Com o tempo, contudo, seriam de grande utilidade para o comércio, os correios
e as relações internacionais em geral. Claro que antes dos romanos outros povos já se
haviam destacado por suas excelentes vias pavimentadas. Heródoto, cinco séculoS antes

de Cristo, mencionava uma obra verdadeiramente espetacular dos persas: Ao longo da
via pavimentada existem postos reais com excelentes pousadas. Todas as paragens que
atravessa estão habitadas, o que permite viajar por ela com toda a segurança.
Se é correta a medida dessa Estrada Pavimentada Real em parassangas (medida
que equivalia a uns cinco quilômetros), então a distância de Sardes (hoje Turquia) até o
palácio de Memnon (atual Irã) é de 450 parassangas (ao redor de 2.400 quilômetros) e
a viagem não dura mais de 90 dias.
Mas o mais intrigante das estradas pavimentadas romanas eram os traçados. Os
especialistas de hoje não explicam como podiam conseguir alinhamentos tão perfeitos.
Vejamos uma eloqüente amostra. Na primeira via construída na Grã-Bretanha de Dover
(Dubris) a Thorney Island, passando por Canterbury (Durovenum) é Rochester
(Durobrivae) não existia uma única curva. E a estrada pavimentada em questão
somava 90 quilômetros, vencendo uma infinidade de pontos elevados. Está claro, assim,
que, antes de iniciar a construção, os engenheiros romanos tiveram que traçar uma
linha reta entre os extremos da estrada. Como fizeram isso continua sendo um mistério.
(N. Do m.)
Imediatamente depois dos responsáveis pelo traçado, apareciam
os escavadores. Grupos de operários munidos de picaretas e pás
que, segundo linhas demarcadas por cordas, abriam o terreno,
fazendo duas retas paralelas de um metro de profundidade e
separadas entre si por uns 13 metros. Cada um dos sulcos era então
recheado com altos blocos retangulares de basalto, perpendiculares
à rota. Em seguida, um segundo grupo de operários escavava a terra
compreendida entre as fileiras de pedra, preparando assim um leito
fundo e espaçoso, a metro e meio abaixo do nível do terreno. Uma
nova turma de operários atacava a fase seguinte: a pavimentação ou
statumen propriamente dita, constituída de grandes pedras.
Por cima se colocava o rudo (cascalho de menor consistência e
tamanho) e por último, o núcleo, uma terceira camada, geralmente
de greda. Em seguida entravam em ação pesados cilindros de mais
de mil quilos, puxados por seis operários cada um, e depois outro
grupo de trabalhadores, munido de bate-estacas, com os quais se
concluía a base batida. O calçamento ou summa crustra vinha depois.
Dependendo da importância estratégica do summrm dorsum
(pavimentação) e do dinheiro e materiais disponíveis, a nova rota
era rematada com pedras perfeitas ou medianamente lavradas.
Nesse caso, o polido não era tão rebuscado como o da célebre Via

Ápia. As lajes de basalto negro, contudo, apresentavam fundos
esporões nas faces inferiores, facilitando o encaixe na base de
greda.
Pacientes e responsáveis pedreiros encaixavam as pedras de forma
que a reluzente plataforma, a um metro acima do chão original,
ficasse levemente empenada no centro. A água, assim, escorria para
as laterais, favorecendo a marcha e preservando o pavimento.
Lenta e minuciosamente, os artesãos recheavam os interstícios,
soldando as placas com argamassa (a utilíssima pozolana)(19) e
limalha de ferro.
*19. Para cimentar tijolos, os romanos dispunham de um invento que lhes deu
grande fama: a pozolana, cinza vulcânica que endurecia a tradicional argamassa, à base
de areia, cal e água. O nome vem da cidade romana de Puteoli (hoje Pozzuoli.) Em
geral, dependendo das necessidades, utilizavam duas ou três partes de pozolana para
uma de cal. A mistura era essencialmente útil em regiões muito chuvosas. Com ela, a
estrada pavimentada segundo os construtores - convertia-se em ferro. E a
passagem dos séculos deu-lhes razão. (N. Do m.)
Finalmente, ao pé dos canteiros que rodeavam a estrada
pavimentada, outros operários davam o toque final, escavando o
terreno e preparando dos dois lados corredores ou caminhos
paralelos, base de cascalho, pelos quais, em princípio, deveriam
transitar caminhantes e aqueles animais não acostumados à dureza
do summum dorsum.
Todo esse aparato era sustentado e abastecido por diferentes
oficinas móveis com cortadores de pedras, carpinteiros, ferreiros e
obrigatórios serviços sanitários, intendência e provedores de água.
Num telheiro, ao redor de uma mesa de campanha repleta de planos
e desenhos, creio ter visto os delegados ou representantes dos curat
viarum (cuidadores de caminhos), os funcionários responsáveis pela
construção e manutenção dessas notáveis obras. Os curatores, por
sua vez, estavam sob as ordens diretas dos governadores de cada
província. A eficaz empresa governamental havia nascido séculos
antes, pelas mãos de Caio Graco, um político que elaborou a
legislação sobre estradas pavimentadas e sobre os indispensáveis
miliários que orientavam os viajantes. Ao contrário do que acontece

hoje em dia, essas vias eram financiadas pelo tesouro público,
autoridades locais e proprietários das terras pelas quais passavam.
Satisfeita a curiosidade, Eliseu e este que aqui escreve retomamos
nossa marcha, desembocando de fato na não menos trepidante rota
do leste. Uma estrada pavimentada, ao contrário da via do Hule,
mais ampla e descongestionada, e tão meticulosamente
pavimentada como aquela que estavam construindo um quilômetro
mais abaixo.
Se as indicações eram corretas, o nathiv para Bet Jeen devia
começar ali mesmo, do outro lado da estrada. Mas nossa atenção foi
desviada de repente...
A uns vinte passos, do lado direito, no corredor de cascalho no
qual estávamos parados e que corria paralelo à congestionada
estrada, centenas de aves se atropelavam, brigavam e grasnavam
furiosamente.
Alguns burriqueiros, ao passar, espantavam as aves, golpeando-as
com varas e chicotes. Outros cobriam o rosto e viravam a cabeça na
direção contrária. Muitos dos jumentos e mulas, ao chegar à altura da
passarada enlouquecida, cabeceavam inquietos, ou se negavam a
avançar.
E os arrieiros, tão ensandecidos como os animais, fustigavam as
cavalgaduras e, de passagem, as aves furiosas. Ao chegarmos perto,
descobrimos, com espanto, o motivo de semelhante tumulto. Eliseu,
prudente, sugeriu que não continuássemos avançando. Tinha receio.
As aves, fora de si, podiam representar uma ameaça. Os corpulentos
abutres fulvos, cabeças e pescoços brancos e nus, nos conservavam
nervosos e desafiadores. Ao seu redor, voando sobre eles e tentando
se aproximar com curtas e bem calculadas incursões, disputava o
petisco todo um exército de flexíveis e manchadas gaivotas
risonhas, gralhas cinzentas e corvos fúnebres de até um metro de
envergadura. A batalha, contudo, era desigual. Apesar da evidente
superioridade dos dez ou quinze abutres fulvos, as centenas de
implacáveis concorrentes, atacando por todos os ângulos, terminavam
invadindo o território dos abutres, tirando pedaços das mutiladas
vítimas
De repente, empurrada pelo incessante voar dos corvos, um cheiro

pútrido nos assaltou. E retrocedemos. Já tínhamos visto e
entendido... . Na beira da estrada, como uma advertência, as
autoridades da Gaulanítide podiam ter sido os kittim haviam
abandonado os corpos de três possíveis delinqüentes ou bandidos.
Estavam sentados, costas contra costas, e firmemente presos a uma
corrente. Não fazia muito tempo que estavam mortos. As aves,
vorazes e impiedosas, ocultavam-nos um pouco com suas asas,
destroçando-os e esvaziando-lhes as entranhas.
Os rostos, irreconhecíveis, eram uma massa disforme,
sanguinolenta e com os globos oculares negros e vazios.
Pendurada em uma corrente, agitada pelas contínuas bicadas,
havia uma placa na qual, em grego e aramaico, lia-se a seguinte
inscrição:
Três bucoles a menos. Os parentes das vítimas se congratulam.
Não havia dúvida. A palavra bucoles se referia aos facínoras que
habitavam os pântanos e a selva do Hule. O termo, tudo indica, foi
tomado de outros bandidos, tão tristemente famosos como estes,
que assolaram em sua época a comarca de Damiete, no Nilo. Deles
falara Eratóstenes, quando percorreu o Egito convocado por Ptolomeu
III.
Esses grupos de sanguinários eram o pior problema da Palestina e
países limítrofes na época de Jesus de Nazaré. Apesar dos esforços
de Roma e dos tetrarcas, os bandos organizados semeavam a morte
e o horror na alta Galiléia, a leste do Jordão e nos desertos de
Judéia e do Neguev. Logo Eliseu e eu viveríamos uma amarga
experiência com um desses esquivos e violentos grupos.
Naturalmente, tanto os moradores da Gaulanítide, como os de
outras regiões nas quais imperavam esses desalmados, aplaudiam
esse tipo de exibição. E os esqueletos permaneciam nos caminhos,
ou na entrada das cidades, diante do regozijo dos nativos e dos
forasteiros.

Saímos meio fugindo daquele lugar. E ao passar para o outro lado
da rota, vimos logo o estreito e maltratado caminhozinho de cabras
que subia para o leste, literalmente encaixado entre as fraldas do
Hermon à esquerda, e as colinas sobre as quais se assentava o lago
Phiale, à nossa direita.
Tentamos enxergar a aldeia. Foi inútil. A meio quilômetro, o nathiv
desaparecia, engolido primeiro pelos bosques de oliveiras e, depois,
conforme subia, por outra escura, apertada e pontiaguda massa de
ciprestes.
Uma vez mais ficamos maravilhados diante das centenas, talvez
milhares, de oliveiras, sábia e pacientemente plantadas dos dois
ladoS do desfiladeiro, em intermináveis e eficazes terraços. Tinham
razão os rabinos quando, referindo-se ao rio de azeite que emana da
Gaulanítide; garantiam que era mais fácil criar uma plantação de
oliveiras na Galiléia do que uma criança na Judéia.
Inquieto, Eliseu indicou a perigosa posição do sol. Em questão de
uma hora e meia, se tanto, desapareceria por trás do Meroth. A
verdade é que tínhamos nos descuidado...
Demos uma última olhada na silenciosa paisagem e, preocupados,
começamos a descer. Se nossos cálculos e as indicações dos felah
estavam corretos, Bet Jenn tinha que aparecer no final da trilha
solitária, a coisa de quatro quilômetros e a uns 1.200 metros de
altitude. Em outras palavras, levando em conta que partíamos da
cota 330, se nossos corpos resistissem e o Destino fosse
benevolente, talvez superássemos os riscos em uma hora e meia.
Quer dizer, justo ao anoitecer.
Mas o homem propõe...
A meio caminho, como era de prever, nossas forças baquearam.
O cansaço acumulado fez-se presente e a marcha amainou. Até as
leves mochilas de viagem pesavam como chumbo.
Sugeri uma parada, mas Eliseu, impaciente e temeroso, nem quis
ouvir falar, não dando trégua alguma.
Reconheço que ele tinha razão. A solidão do nathiv não era normal.

Desde que havíamos deixado para trás a estrada de Damasco, não
tínhamos encontrado um único lugarejo.
Estranho, muito estranho...
A essa altura, as insistentes advertências dos camponeses me
pegaram de repente, trazendo mais inquietação à minha já cansada
mente.
Atenção!... Bet Jenn e seus arredores são um ninho de malfeitores.
Lutei comigo mesmo para espantar os maus presságios. A trilha,
tenteando entre as oliveiras, parecia tranquila e inofensiva. De vez
em quando, acompanhando-nos de perto, alguma ave de rapina
madrugadora fugia sigilosa e irritada, mudando de observatório
entre as copas verde-azuladas das árvores.
Tudo de fato respirava calma.
Porém, o instinto continuou em estado de alerta. E pouco faltou
para que eu ajustasse os crótalos, as lentes de visão infravermelha.
Mas não quis alarmar meu irmão.
A luz, inexorável, apagou-se, obrigando-nos a parar e a reformular
as coisas. Para piorar, as espaçadas oliveiras terminaram, dando
lugar a um bosque de berosh, os ciprestes sempre verdes, olhando
hostis do alto de seus 25 ou 30 metros de altura.
Eliseu procurou um lugar para descansar no pé de um desses
ciprestes piramidais. Eu fiz a mesma coisa e tentamos calcular a
distância que nos separava da hipotética aldeia. Não conseguimos
chegar a um acordo. Ele estimou que estávamos muito perto. Talvez a
um quilômetro. Eu, baseado na altitude na qual desaparecera a
oliveira ao redor de mil metros -, deduzi que ainda faltava o dobro:
uns dois quilômetros.
E nisso estávamos quando, de repente, soaram na escuridão uns
assobios.
Levantamos como que impulsionados por uma mola. No fundo, eu
não era o único preocupado com os bandidos.
Examinamos o labirinto de troncos. Impossível. As trevas da nova
eram quase impenetráveis.
Novos assobios. Longos. Com uma clara intenção...

Meu irmão perguntou mas eu não consegui esclarecer a origem dos
repetitivos e cada vez mais próximos sons.
- Ali!
Eliseu marcou um ponto no meio da confusa e retilínea ramagem.
- Vejo uns olhos... Ali!
Eu me aproximei uns passos e, de fato, na parte de baixo de um
dos berosh, meio escondidos, se viam dois pares de olhos redondos,
grandes, amarelos e perfeitamente alinhados.
Os assobios, agora monótonos, se repetiram. Mas não pareciam vir
da árvore da qual éramos observados.
Avancei mais alguns metros e, de repente, os olhos sumiram.
Ao reparar, poucos segundos depois, surgiram de novo, no mesmo
lugar.
Respirei aliviado. E achando que reconhecia a identidade dos
proprietários dos espetaculares e pertinazes olhos, voltei para
junto do meu companheiro.
Eliseu, impaciente, me encheu de perguntas. Mas eu, me
divertinddo fiquei quieto, mortificando-o.
Tirei as lentes de contato e, ajustando-as, convidei-o para que me
acompanhasse. Ele o fez meio temeroso.
Parei a uma distância prudente. E, alimentando a brincadeira,
contendo como podia o riso, indiquei com o dedo que ficasse em
silêncio.
Os quatro olhos, diante da proximidade dos intrusos, se
apagaram pela segunda vez.
Eliseu, desfeito, indicou o extremo superior da vara de Moisés.
Concordei. E deslizando os dedos até o botão dos ultra-sons, posteime
como se me preparasse para um ataque iminente.
Aí uma oportuna saraivada de assobios multiplicou a tensão...
Aqueles olhos, calculadores, de novo apareceram diante do
perplexo engenheiro.
A visão infravermelha de fato confirmou minhas suspeitas iniciais.

Dois corpos quentes, agora vermelhos, de uns trinta centímetros de
altura, surgiram nítidos entre os galhos.
Não tive dúvida. Apertei o botão e o finíssimo cilindro de luz foi
cair no centro da cara prateada de um dos exemplares. O leve
choque foi suficiente para descontrolá-lo.
E pulando da árvore, emitindo um guincho agudo, voou direto sobre
Eliseu. O segundo, pressentindo o perigo, foi atrás do companheiro.
E os dois passaram por cima de nós como um sopro, penteando
nossas cabeças.
As risadas de quem aqui escreve, incontroláveis, alertaram meu
irmão.
Durante um bom tempo tive que sofrer merecidamente, reconheço,
todo tipo de impropérios e maldições (desta vez, é claro, em inglês).
A pequena brincadeira, contudo, aliviou o clima. O bosque, como
estávamos vendo, era um fervilhar de aves de rapina noturnas,
morcegos e cegonhas brancas. Estas últimas, como reza o livro dos
Salmos, encarrapitadas no mais alto dos berosh. Os misteriosos e
hipnóticos olhos amarelo-limão, bem como os assobios quase
humanos, formavam parte também da agitada colônia de corujas,
mochos e outros inofensivos e vigilantes policiais daquela mata. O
singular aparecimento e desaparecimento dos dois pares de olhos
também estava explicado. Na verdade nada tinha de estranho. Como
se sabe, a coruja comum, a Tyto iba, ao contrário das outras aves,
tem os olhos na zona frontal da cabeça. Essa anormalidade lhe dá
uma visão binocular, relativamente semelhante à do homem, com a
possibilidade de um cálculo quase exato das distâncias. O campo de
visão, contudo, fica restrito a 110 graus. Para corrigir o defeito, a
óah (coruja), como outras espécies, foi dotada pela Natureza de um
sistema que lhe permite girar a cabeça 270 graus. Esta, nem mais
nem menos, era a explicação do referido e suposto
desaparecimento dos penetrantes olhos.
Um pouco mais relaxados, retomamos o caminho.
O instinto, previdente, me fez manter os crótalos. Não errou.
Logo, à distância, na nossa frente, ouvimos alguma coisa.
Prestamos atenção.

Bandidos?
Era estranho, coisa rara...
- Você está ouvindo a mesma coisa que eu?
Esperei alguns segundos e concordei com Eliseu, confirmando sua
impressão.
- Mas...
De fato, o som que chegava do meio daquela mata era
absolutamente Impossível naquele agora.
- Sim eu me adiantei -, são gargalhadas... e tirolesas.
Tirolesas? O típico e tradicional canto dos camponeses suíços
e austríacos? Aqui, na alta Galiléia e no ano 25? - Deus santo! -
exclamou meu companheiro, desanimado. - Estamos ficando loucos!
Eu não soube o que dizer. As gargalhadas e o famoso jodel tirolês
continuavam se aproximando.
O que estava acontecendo conosco?
Por um instante levei muito a sério as exclamações do assustado
engenheiro. Estávamos tendo alucinações? Éramos vítimas do mal
provocado pela inversão de massa? Não, aquilo não era uma
alucinação auditiva. Aquilo era real.
Instintivamente saímos do meio do caminho, escondendo-nos entre
os ciprestes.
Incrível!
Embora não muito afinados, os entrecortados cânticos passavam
dos sons graves aos agudos, e depois ao contrário. E entre um e
outro, aumentando a confusão, algumas discretas gargalhadas.
- Jasão, você consegue ver alguma coisa?
Um segundo depois, a resposta.
- Não pode ser...!
- O que foi? O que você viu?
E transmiti o que me mostrava a visão infravermelha. O espectro
infravermelho não tinha alucinações.

A meia centena de metros, no fundo da pista, surgiram na
escuridão seis figuras vermelhas e azuis esverdeadas.
- Vejo um sujeito e...
Fiz uma pausa, para ter certeza.
- Um sujeito e o que mais...
- Os crótalos mostram outras cinco imagens. Parecem cães... O
homem está armado. No cinto há uma adaga. Mas acrescentei
estupefato -, isso é impossível...
- Inpossível? O que é impossível? A adaga? Vacilei. E deixei que o
grupo chegasse um pouco mais perto.
Jasão! Finalmente, consciente da loucura que iria pronunciar,
esclareci:
- O sujeito não canta... Apenas segura os animais em compridas
correias.
Eliseu, olhando-me aterrorizado, sublinhou: - Loucos, estamos
ficando loucos!
Em seguida, reiterando, acabou comigo:
- Então, quem canta são os cães... Cães que entoam tirolesas? E
riem às gargalhadas?
Sim, riem dos loucos, mas era isso o que eu tinha diante de mim. E
aconteceu o inevitável.
O caminhante, de repente, parou, segurando com dificuldade
crescente os inquietos cães. Os animais nos detectaram. E a
música, confusa, acentuada pelas não menos incríveis risadas,
cresceu e cresceu, conseqüência, imagino, do fino olfato dos
companheiros do alto e suado conterrâneo. De fato, rosto e mãos,
agora numa cor prata fulgurante, denotavam o esforço da caminhada.
- Alto lá!
A voz, autoritária e ameaçadora, deixou as coisas claras...
O que fazer?
Em décimos de segundo, diante da possibilidade de que ele
soltasse os cachorros, preparei a vara. Com sorte, se nos

atacassem, um ou dois cairiam fulminados antes de vir para cima de
nós. Depois, cairíamos...
Felizmente meu irmão reagiu. Pulou para o meio do caminho e,
elevando a voz, respondeu com um claro e contundente Shalom, oheb!
(Paz, amigo).
Sem hesitar, eu endossei o gesto temerário, cumprimentando nos
mesmos trio, cumprimentando
nos mesmos ts crânios dos
excitados animais. O vermelho aceso e pulsante dos corpos, com as
goelas brancas e babosas, me perturbou. Apesar da proteção da
pele de serpente, aqueles animais podiam nos fazer passar maus
momentos.
O sujeito hesitou. No fundo, imagino, ele estava tão surpreendido
e desconcertado como nós.
Mas Eliseu, corajoso, tentou eliminar as suspeitas.
Adiantou-se alguns passos, identificando-se e me identificando.
.. Somos gregos. Homens de paz. Estamos perdidos.
Procuramos uma aldeia chamada Bet Jenn...
Os cães, diante do curto avanço do meu irmão, tensionaram as
correias, rindo e cantando ameaçadores. Eu sei que isso é
paradoxal, mas, naquele momento, gargalhadas e tirolesas não
soavam exatamente como uma recepção hospitaleira.
E, de forma rude, fincado na desconfiança, perguntou: - Bet Jenn?...
Por quê? Quem procurais?
Eu intervim conciliador:
- Tiglat...
O nome a segunda pista dada pelo ancião Zebedeu suavizou
em parte a lógica aspereza do interlocutor. Ele se recolheu a um lado
da trilha e, depois de acariciar e acalmar os cães, foi amarrá-los a um
dos troncos.
Eu dei parabéns a mim mesmo. O perigo, em princípio, se afastara.
Ele se aproximou devagar e, lacônico, respondeu:

- Eu sou Tiglat.
O inesperado esclarecimento nos confundiu. Segundo nosso
confidente, a figura que procurávamos e que, parece, ajudou Jesus de
Nazaré, era um rapaz. Quase um menino.
Sem entrar em maiores detalhes, explicamos ao homem que
provavelmente, era tudo um equívoco. Ouviu em silêncio
compreendendo que aquela dupla de estrangeiros irresponsáveis
nada tinha a ver com bandidos ou assaltantes de caminhos, abriu-se
de vez e, sem dissimular surpresa, comentou:
- O senhor Baal nos protege. Não há dúvida... Esse jovem que
procurais é o meu filho...
Eliseu e eu, atônitos, olhamos um para o outro.
Coincidência?
Agora sei que tudo aquilo foi conseqüência da sorte.
Alguém não me cansarei de repetir isso, parecia guiar nossos
passos.
- Tiglat está na aldeia rematou o cada vez mais amável e
providencial fenício. - Não estais no caminho errado. Bet Jenn está
perto, a uns cinco estádios... Se quiserdes, posso acompanhar-vos.
Se o senhor Baal vos colocou em meu caminho, sereis bem-vindos na
minha humilde casa.
Cinco estádios. Isso significava um mísero quilômetro.
A verdade é que, surpreendidos, gratamente surpreendidos, não
fomos capazes de responder. O Destino, magnífico e competente,
continuava nos protegendo.
Dito e feito.
O alto e robusto pai de Tiglat voltou para junto de seus cães e
puxando as correias, convidou-nos a segui-lo.
Aquela noite, agasalhados pelo fogo, ao contemplar ao nosso
redor os cães pacíficos, bem treinados e musicais, meu irmão não
pôde se conter e perguntou sobre a origem dos singulares animais.
Tiglat não soube dar muitas explicações. Sempre viveram naquela
aldeia. Eram bons caçadores, excelentes guias e os melhores

companheiros. Quase todos os moradores tinham dois ou três deles.
Seu filho, Tiglat, também desfrutava da companhia de um deles. No
dia seguinte, na agitada e inesquecível jornada de segunda-feira,
dia 20, enquanto subíssemos o Hermon, o rapaz nos contaria a
curiosa história de Ot, seu cão.
Não, não estávamos loucos. Aque Não, não estávamos loucos.
Aque eram os únicos do mundo que não ladravam. Em lugar disso,
emitiam os já mencionados e raríssimos sons, meio risada meio
tirolesas.
Naturalmente, ao voltar à base-mãe-três, faltou tempo ao
engenheiro para consultar meu namorado. Papai Noel, rico em
informação, oferecia imagens e uma documentação interessante.
Mais ou menos, eis aqui o que me lembro: A particular raça procedia
do antigo Egito. Hoje é conhecida como asenji. Sua imagem aparece
em estelas funerárias cuja antigüidade remonta a 2300 a.C. Em duas
delas é perfeitamente reconhecível: na tela de User, filho de Meshta,
e na estela de um tal Sebeh-aa, inspetor de transportes. Os
arqueólogos que os localizaram em pinturas e gravuras da IV Dinastia
batizaram-nos de cães de Quéops. A semelhança com os cães de
Bet Jenn era assombrosa.
Mais tarde, por volta de 1870, os exploradores brancos que
penetraram no Sudão e no Congo descobriram-nos entre as tribos.
A figura deles era agradável e bem proporcionada. Pesavam pouco.
Entre nove e dez quilos. Apresentavam um crânio plano, com o
focinho afilado dos olhos até a ponta. Ao levantar as orelhas,
enrugavam sistematicamente a fronte, avisando os donos de que
alguma coisa não estava bem.
Embora a maioria tivesse olhos cor de avelã, outros, como o fiel e
corajoso Ot, se distinguiam por atraentes e vivíssimos olhos azuis,
sempre amendoados e meio encobertos pelas pálpebras. Alguns,
inclusive, tinham espetaculares olhos amarelos.
Os pescoços eram grandes. Sólidos como troncos. Poderosos. O
peito baixo, curto e reto. Patas e pernas musculosas, como que
cinzeladas em pedra, com os joelhos aprumados. Os rabos,
enroscados em um ou dois anéis, jamais se mexiam, apoiados sobre

um dos lados da garupa. Quanto ao pêlo, realmente chamativo
(amarelo-avermelhado), quase todos os cães que vimos eram
alazões, com manchas brancas no focinho, pescoço, patas e pernas e
no final do rabo. Ot, ao contrário, era uma exceção.
O pêlo, curto e sedoso, era de um brilhante negro azeviche
delicadamente nevado no focinho, pescoço, pernas e no final do
rabo.
Pobre Ot! Foi leal e corajoso até a morte.
Por fim, guiados pelo solícito Tiglat, divisamos a aldeia.
Bet Jenn!
O fim da trabalhosa viagem parecia próximo.
Tudo, como sempre, dependia do imprevisível Destino.
Bet Jenn. Meia dúzia de casas, todas negras. Pouco posso contar
sobre elas, todas de basalto, todas roídas pelos anos e pelas
freqüentes chuvas de neve daquelas latitudes. Todas pobres, quase
miseráveis. Uma aldeia perdida, habitada pelos Tiglat, um clã
fenício, quase puro, amável, orgulhoso de sua origem, discreto e
sobretudo hospitaleiro. Maravilhosamente hospitaleiro. Nunca
esqueceríamos...
Ao entrar na casa do nosso guia e anfitrião logo demos com uma
enorme família, integrada pelos pais velhinhos, a esposa e quinze
filhos, além de um reconfortante fogo.
Sob a modesta luz das chamas e das lâmpadas de óleo pudemos,
por fim, ver melhor o aspecto de Tiglat. Igual a toda aquela numerosa
prole, ele apresentava o típico perfil dos habitantes de Tiro: nariz
adunco, olhos oblíquos, negros e profundos, pele queimada, cabelos
longos, escuros, cheios de cachos e de raízes baixas, barba espessa,
descuidada e ligeiramente esbranquiçada por seus quarenta ou
quarenta e cinco anos.
Ele falou à sua gente em fenício e, rápido, pedindo desculpas,
retificou, prosseguindo num rudimentar aramaico galalaico.
Depois nos apresentou ao seu filho, o segundo Tiglat, dando-lhe a
entender que estes er (forasteiros) vinham de muito longe para
conhecêlo. O rapaz, que não teria mais de quatorze ou quinze anos

de idade, assentiu em silêncio.
Adiantou-se e, sorridente, colocou-se à nossa disposição.
Mas, quando nos dispúnhamos a interrogá-lo, a mãe, repreendendo
o chefe da família, censurou sua falta de atenção para com aqueles
ilustres convidados. E antes de que pudéssemos responder, fomos
obrigados a nos sentar sobre uma enorme e gasta pele de urso
negro. Tiglat desculpou-se por sua desconsideração e nos ofereceu
pequenos copos de barro, convidando-nos a fazer um brinde.
- Lehaim!
- Pela vida! - repetimos agradecidos.
E, de acordo com o costume, tomamos de um só trago o
transparente e forte licor, uma espécie de aguardente, o arac,
fabricado com arroz.
Eliseu, pouco chegado a essas beberagens montanhesas, se
engasgou um pouco, provocando risadas de todos. Foi então que
enquanto mulheres e crianças se ocupavam com o preparo do jantar,
Tiglat, condescendente, sugeriu que falássemos com seu filho.
Logicamente achava estranho o nosso interesse por aquele.
Tomei a iniciativa e, medindo bem as palavras, expliquei que
andávamos atrás de um velho amigo. Fui fiel à verdade, pelo menos
em parte. No yam, outro antigo conhecido nos havia dado algumas
pistas importantes: Bet Jenn e o nome do rapaz.
Pai, avô e filho ouviram os esclarecimentos com interesse.
E sem mencionar a identidade do amigo que pretendíamos
encontrar, eu disse mais: que provavelmente, naqueles dias, ele
podia estar em algum lugar do Gebel-esh-Sheikh. Segundo essas
mesmas informações, Tiglat filho teria sido seu ajudante, auxiliandoo
no transporte do equipamento.
Os três, em uníssono, concordaram em silêncio.
Meu irmão e este que aqui escreve, trocando um olhar triunfante,
respiramos aliviados.
Por fim!
A informação do ancião Zebedeu era correta.

O anfitrião então pediu a palavra e ratificou o que eu acabara de
dizer, acrescentando alguns dados preciosos.
O estranho galileu havia chegado à aldeia em meados daquele
mês de agosto. Caminhava sozinho, em sua companhia só um
burrinho. Havia falado com o yoseb do clã (nesse caso, o chefe era
o próprio Tiglat) e solicitara os serviços de alguém que pudesse
abastecê-lo de comida duas vezes por semana. Pagou adiantado. No
total, doze denários de prata. E Tiglat, embora receoso, aceitara a
oferta, passando o trabalho a seu filho. Toda segunda e quinta-feira,
de acordo com o combinado, o jovem carregava o jumento e subia
até um ponto previamente combinado, muito perto de uma paragem
denominada as cascatas, quase a 2.000 metros de altitude.
- Segundas e quintas-feiras?
Tiglat sorriu, compreendendo o sentido da minha pergunta.
- Isso mesmo. Como eu vos disse, o senhor Baal, nosso deus, está
convosco... Amanhã, ao amanhecer, se quiserdes, podeis acompanhar
o rapaz.
Outra vez o acaso?
Nada disso...
Aceitamos, desde que nos permitissem pagar pelo serviço.
Cochichou em fenício ao ouvido do avô. O ancião nos observou
rapidamente e, por último, aceitou a proposta do yoseb.
- Isso falou então Tiglat fica a vosso critério.
Tampouco é tentar Baal...
Fechamos o trato e eu, sempre prevenido, perguntei-lhes sobre a
possibilidade de comprar uma tenda e víveres de reserva.
Nenhum problema. Antes da partida, tudo estaria pronto.
Atento e perspicaz, Eliseu tocou de novo nas recentes explicações
do anfitrião.
- Estranho galileu? Por que estranho?
Tiglat, rápido e ágil, não querendo estragar a sagrada
hospitalidade, corrigiu:

- Não tive intenção de ofender vosso amigo. Simplesmente me
pareceu estranho que quisesse viver solitário num lugar tão isolado
e... perigoso.
Dessa vez fui eu quem interveio:
- Perigoso?
- Estas montanhas, estimados er...
- Yervani corrigi, tentando eliminar a conotação pejorativa do
termo forasteiro -, somos yervani (gregos)...
Indulgente, Tiglat retomou, agora com um sorriso meio forçado.
- Estas montanhas, estimados yervani, são uma vergonha.
Aqui, em qualquer canto, em qualquer caverna, se refugia o que há
de pior do banditismo. Ultimamente, até os bucoles do Hule
tomaram gosto pelos nossos bosques. E raro é o dia em que não
temos notícia de algum assalto.
Os outros Tiglat concordaram com a cabeça.
- Entendestes agora?
- Se a coisa é assim disse o engenheiro com evidente
preocupação -, por que permites que teu filho atravesse essas
montanhas duas vezes por semana?
- Nisso, como em tudo, estamos nas mãos de Baal, nosso senhor...
Temos que ganhar a vida. Não podemos nos esconder como velhas
assustadas. E amanhã, eu vos garanto, todo o kapar da aldeia)
invocará o filho de Aserá e de El para que nada vos aconteça.
Agradecemos os bons desejos. Lamentavelmente, como espero
poder contar, o surdo Baal não deve ter escutado as preces de seus
fiéis e crédulos filhos...
- Pai finalmente falou o adolescente, dando um novo e sombrio
toque ao já delicado panorama dos salteadores - ... e não te
esqueças dos dob. Dizem que foram vistos lá nas cascatas.
Tiglat confirmou a informação do filho, arrepiando os cabelos de
Eliseu e também os meus. Nas paragens onde se encontrava o
Mestre, segundo os habitantes locais, haviam sido vistas algumas
duplas dos temíveis e pouco sociáveis dob, os ursos sírios, negros,

de mais de 200 quilos de peso e até dois metros de altura quando
se erguiam sobre os quartos traseiros.
Alguns judeus, e também gentios, costumavam dedicar-se à caça
desses ursos, adestrando-os para o trabalho em circos ou como
atrações ambulantes. Os roubos, obviamente, enfureciam os
montanheses. Como garante o profeta Samuel muito acertadamente
(2, 17-8), não há nada mais perigoso do que uma ursa da qual
tiraram a cria.
Bela perspectiva... Os sangrentos bucoles por todos os lados e,
para completar, os dob, rondando nas proximidades.
A família, contudo, não permitiu que nós nos perdêssemos em tão
sombrios presságios. E depois de reiteradas desculpas, pedindo
perdão pelo improvisado e parco jantar, colocaram diante destes
enfraquecidos exploradores dois pratos reconfortantes e apetitosos.
Jantar parco?
Ainda bem que a visita foi inesperada...
Para abrir o apetite embora o nosso estivesse mais que aberto -,
aquilo que chamavam ólodet: um caldo espesso e nutritiv o sobre o
qual flutuava uma gelatina preparada com patas de vaca. Uma
receita típica da alta Galiléia: depois de lavar e limpar as peças, as
mulheres as passavam na brasa e removiam a pele. Em seguida, as
patas eram cozinhadas em grandes tachos cheios de água,
acompanhadas por sucessivas porções de cebola, louro, sal, pimenta,
alho, cenoura e uma dose generosa de arac ou vinho branco. E o
caldo era servido bem quente. Em seguida, o segundo e não menos
nutritivo prato: carne e tutano, bem moídos e misturados com ovo
duro. E como toque final, um bolo leve de mostarda e umas
colheradas de mel que davam um fecho grandioso ao banquete.
Delicioso.
Eliseu, naturalmente, repetiu.

No transcurso do tranqüilo jantar soubemos um pouco mais sobre
aquele remoto e caridoso clã. Uma família que, à sua maneira,
modestamente, contribuiu também para o desenvolvimento do grande
plano do Filho do Homem. Um grupo humano que, contudo, não
consta nos escritos evangélicos.
Tiglat explicou que sua gente, como o resto das minguadas aldeias
que sobreviviam no Hermon, sempre se dedicara a três atividades
principais: corte de árvores, caça e sopro de vidro.
Sobre a primeira, como creio já ter mencionado, teríamos ampla
informação poucos meses depois, quando o Destino nos permitiu
acompanhar o Mestre. Ali, como já disse, entre os bosques da
Gaulanítide, descobriríamos um Jesus lenhador.
Coisa nova para estes exploradores.
Sobre a caça, o cabeça da família respondeu com prazer,
divertindo-se com todas as perguntas às vezes ingênuas e
aparentemente infantisdaqueles curiosos yervani.
Assim soubemos que eram especialistas na caça do javali, cervo
vermelho, gamo, lebre, raposa e, em certas ocasiões, do lobo e do
não menos perigoso dob.
Carne e peles eram um bom negócio, bem como os remédios
derivados das peças, habitualmente elaborados pelas mulheres.
O javali ou chair era quase uma praga. Todo ano, no fim do verão,
invadia os vinhedos da panela do Hule e do resto da Galiléia,
arrasando as colheitas. A carne, imunda para os judeus, era muito
apreciada entre os gentios, sendo utilizada até como arma
dissuasória contra os grupos de bucoles hebreus. As cabeças eram
penduradas em cancelas e portas, advertindo assim os possíveis
assaltantes. Assim como prescrevia a Lei de Moisés, o simples ato de
se aproximar do chair ou porco selvagem significava contaminação e
pecado.
O cervo e o gamo, por outro lado, gozavam de uma excelente
reputação na Palestina de Jesus. O primeiro, muito abundante
naquelas montanhas, era um prato obrigatório nas mesas dos
poderosos, desde que Salomão o colocou na moda (Reis 1, 4-23).
Para caçá-lo, os montanheses empregavam um curioso e eficaz

sistema: ao pôr-do-sol se escondiam perto de rios e fontes,
esperando com paciência a chegada do tsebi (termo hebreu mais
próximo de gazela do que de cervo). Quando o animal começava
a beber, entoavam uma doce melodia com a ajuda de flautas e
cítaras. O tsebi, então, longe de fugir, ficava hipnotizado, chegava
mais perto e caía nas mãos dos espertos caçadores.
Os chifres eram vendidos como amuletos de especial força,
capazes segundo os Tiglat de neutralizar qualquer veneno e,
sobretudo, muito úteis para evitar problemas e brigas com esposas e
sogras.
A ingenuidade daquela gente era comovente.
Com o sheral ou raposa acontecia uma coisa parecida ao
mencionado sobre o javali. Sua paixão pelas uvas, arruinando os
prósperos vinhedos, já a havia convertido em inimigo público da
região. Donos e capatazes pagavam entre um e três denários de
prata por cabeça entregue. Na verdade, de acordo com nossas
próprias observações, não se tratava da raposa vermelha européia,
mas sim do Vulpes vulpes niloticus, um irmão menor, de pêlo pardo
amarelado, com as costas e o ventre acinzentados e o dorso das
orelhas de um negro profundo.
No fundo, judeus e gentios admiravam esse animal por sua
sagacidade. E sobre isso corriam dezenas de lendas. Uma, em
especial, fazia a delícia de grandes e pequenos. Dizia mais ou menos
assim:
Depois do pecado de Adão, Yaveh entregou o mundo ao anjo da
morte. E todas as espécies animais, inclusive a serpente, foram
jogadas na água em duplas. Quando chegou a vez do shual, a astuta
raposa, apontando sua imagem refletida nas águas, começou a
gemer e a choramingar. O anjo, então, perguntou o porquê de tanto
lamento. E a raposa explicou que estava triste pela sorte de seu
companheiro. Ao reparar em erro tão sutil, Deus ordenou que fosse
indultada. Isso explicava por que os judeus se negavam a caçá-la,
ficando o assunto exclusivamente por conta dos pagãos...
Quando nos interessamos pela arnabet (lebre), Tiglat,
entusiasmado confessou que essa era a caça da qual obtinham
benefícios maiores e mais regulares. Não pela carne ou a pele,

apreciadas unicamente pelos gentios, mas por seus estômagos e
cérebros. Desde tempos antigos, a crença popular garantia que os
primeiros eram um certeiro e infalível remédio contra a esterilidade
(entendendo sempre a feminina, pois a masculina era impensável).
Tudo tinha origem, parece, numa informação contida na Bíblia.
Segundo o livro dos Juízes (13, 4), a mãe de Sansão era estéril.
Muito bem, segundo os judeus, quando o anjo de Yaveh apresentouse
a ela, anunciando o nascimento do mítico herói, ordenou-lhe que
comesse o mencionado estômago de lebre.
O anjo fala da esterilidade da esposa de Manoah e, simplesmente,
proibe-lhe de beber vinho e comer alimentos impuros. A questão é
que, com o passar do tempo, o texto ficaria distorcido, nascendo daí
um florescente negócio em cima das coitadas arnabet.
Os cérebros também eram bastante valorizados. Em particular,
pelas mães. Esta gente supersticiosa estava convencida de que o
simples roçar sobre as gengivas dos bebês eliminava as dores
provocadas pela primeira dentição.
A lebre palestina, definitivamente, não tinha sorte. No cúmulo da
ignorância e da distorção, rabinos e auxiliadores recomendavam
até que não se olhasse para ela de forma fixa e muito menos que
fosse desejada sexualmente. Se isso acontecesse, Yaveh fulminava o
pecador com o defeito conhecido como lábio leporino(20).
Nossa surpresa, porém, chegou ao limite quando Tiglat garantiu,
convicto, que todas as lebres eram do sexo feminino.
Aquela era outra crença, firmemente arraigada, nascida talvez do
próprio termo (arnabet uma palavra feminina). Depois de uma
intensa discussão, o fenício aceitou no máximo que um ano podiam
ser machos e no ano seguinte, irremediavelmente, fêmeas.
Era inútil insistir. Ficamos nisso.
Quando chegou a vez do lobo, o temido e respeitado eeb, também
aprendemos mais coisas.
Durante o inverno, sobretudo nos mais rigorosos, desciam em
manadas do Hermon, chegando até os pântanos do Hule. Alguns
lavradores tinham sido ferozmente atacados. Tiglat acrescentou outro
dado inquietante:

*20. A lago quilia ou lábio leporino (semelhante à lebre) é uma malformação
congênita no lábio superior, que aparece aberto ou fendido como conseqüência de uma
má soldadura dos arcos maxilares e do gomo médio intermaxilar. (N. Do m.)
a zona das cascatas, muito próxima do acampamento de Jesus de
Nazaré, era uma das paragens habitualmente freqüentada pelos eeb.
Ali, sem dúvida, iam para acabar com a maior parte dos animais do
bosque.
Para capturá-los, os montanheses usavam laços e armadilhas.
E tudo no animal era aproveitado.
Com a pele cobriam o calçado, aliviando a marcha do caminhante.
Também a vendiam em pequenas porções, previamente encharcadas
no vinho ou no vinagre. Ao comê-la garantiam -, os sonhos eram
benéficos..., e eróticos.
Os dentes, como os cérebros das lebres, eram usados para esfregar
a gengiva das crianças, eliminando (?) a dor da incipiente dentição.
Quanto ao coração seguindo outra velha crença -, a família o
secava, vendendo-o como um talismã mágico contra os próprios
lobos: A melhor arma para isso, contudo, era a manteiga que os
rins de leão destilavam. Se o viajante se lambuzasse com ela,
nenhum lobo se atreveria a chegar perto. Tiglat nos jurou que era
assim mesmo. O problema, é claro, era como conseguir o tal
ungüento.
Para uns e outros judeus e gentios -, esse predador era o símbolo
vivo da traição. Seu pescoço curto diziam era a prova irrefutável.
E garantiam ainda que a inteligência do eeb crescia ao ritmo da lua.
Por isso, durante a fase do crescente
- nem falar da lua cheia -, ninguém em são juízo, se aventurava à
noite por aquelas montanhas.
A conversa, acossada pelo sono e o cansaço, foi esfriando. E a
terceira atividade dos Tiglat o sopro de vidro ficou adiada para
uma próxima vez.
O anfitrião percebeu isso e, tomando a iniciativa, levantou-se
recomendando que fôssemos dormir. Nós agradecemos.

Estávamos nisso quando, de repente, irrompeu na sala um novo
personagem. O jovem Tiglat o chamou e, no ato, obediente e
carinhoso, ele saltou sobre o peito de seu dono, lambendo mãos e
rosto. Era Ot, o basen negro que nos acompanharia no dia seguinte.
Intrigado, meu irmão dirigiu-se então ao rapaz, perguntando pela
origem de nome tão original. (Ot, em hebreu, significava milagre,
sinal, ou prodígio.)
Tiglat, orgulhoso, explicou.
- Foi em pleno inverno. Meu pai, meus irmãos e eu voltávamos da
serra.
Vacilou. E perguntando ao condescendente chefe da família, tentou
confirmar a data. Tiglat pai lembrou que, de fato, fora no dia 14 de
adar (fevereiro), em pleno Purim, fazia já quatro anos.
- Isso mesmo continuou o rapaz. - Para mim foi o maior presente...
(Nessa festa, como espero contar mais adiante, era típico dar
presentes. Sobretudo para as crianças.) - Vínhamos caminhando pela
meseta onde agora está vosso amigo e, de repente, vimos alguma
coisa na neve. Era uma bola negra, muito pequena. Chegamos perto
e ali estava...
Ot, captando que seu jovem dono falava dele, intensificou suas
lambidas, emitindo aquelas incríveis risadas.
- Era Ot... Tinha só um mês. Nunca soubemos como chegara ali, nem
como sobrevivera. Foi um milagre, um prodígio. Um presente do
senhor Baal.
E assim Tiglat o batizou com o citado nome.
Curioso Destino. Como já observei, o valente animal iria perecer
muito perto de onde havia sido resgatado e salvo..., Mas não vamos
adiantar os acontecimentos.
Alguma coisa, contudo, não se encaixava bem em toda essa
história. Eliseu, que nunca enrolava, falou disso abertamente:
- Por que Ot? Afinal, tu és fenício...
O rapaz ficou vermelho. Olhou para seu pai e este, ensaiando um
sorriso maroto, respondeu com a mesma sinceridade:

- Uma vingança boba e infantil. Vós sois gregos e posso vos
explicar. Os judeus nos desprezam e, como sabeis certamente,
odeiam os cães. Muito bem, olho por olho. Que melhor brincadeira
para um cão fenício e um nome hebraico?(21) A família, ingênua e
feliz, achou graça no jogo de palavras.
Estava tudo claro. Aproveito agora para abrir um breve parêntese e
observar uma coisa que também teve a ver com o Filho do Homem.
A coisa que tam pouco figura nos Evangelhos e que, fácil imaginar
a paciência, garra e habilidade desses topógrafos. contudo, contribuiria
com mais um dado sobre a ternura do Galileu, provocando, por
sua vez, mais de um ou dois confrontos com os puristas da lei
mosaica.
*21. A vingança infantil foi bem meditada. Como se sabe, o hebraico era
habitualmente utilizado nos assuntos sagrados.
Em particular na leitura e estudo da Lei. Se tivessem empregado o termo em aramaico
(At), a brincadeira não teria sido tão mordaz. (N. do m.)
Eu me refiro, é claro, a zal, o magnífico cão de Jesus de Nazaré.
Mas para compreender melhor tudo o que eu digo e o que Tiglat
indicava, primeiro devemos contemplar a atitude do povo judeu em
relação a esses não menos infelizes e desprestigiados cães. A
origem da ancestral repugnância dos hebreus pelos cães, tão longe
do conceito atual, se achava, e não podia ser diferente, no próprio
Yaveh. Simplesmente o cão era condenado em todos os textos
sagrados (?) nos quais aparece. Suas funções, basicamente, se
reduziam a três: limpar carniça, cuidar de rebanhos e servir de
desculpa para o insulto.
Isaías, Reis e os Salmos deixam isso bem claro. No último (22,17-
20), o termo cão alcança seu autêntico significado: malvado. E a
este, pouco a pouco, seriam incorporados outros: sujo, covarde,
traidor, preguiçoso e desprezível. Se a esta lamentável situação
acrescentarmos as alusões de Yaveh, por exemplo no Exodo(22), é
fácil captar a intenção de Tiglat e,
muito particularmente, a dos extremistas judeus em relação ao

Mestre pelo fato de ele demonstrar carinho por um cão. Para o cúmulo
dos males, outras ridículas e fantásticas lendas acabaram por arruinar
o escasso prestígio do cão, rebaixando-o, repito, à categoria de
alimária e criatura imunda. Uma das mais extensas remontava ao
suposto dilúvio.
Segundo essa crença, o cão foi qualificado por Deus de imoral por
não ter sabido conter seus instintos sexuais durante sua permanência
na Arca de Noé.
Sim, coisa de louco, realmente...
À margem dessa realidade cotidiana, muitos judeus, com vigilância
e tudo, aproveitavam-se dos cães sarnentos, tornando sua caça e
captura um negócio interessante. Assim, línguas, olhos e dentes
eram extirpados e vendidos como amuletos. A língua, colocada sob o
dedo gordo do pé diziam evitava que outros cães ladrassem ao
proprietário de tão estimado talismã. A mesma coisa acontecia com
os olhos dos cães negros, sempre que se tivesse a precaução de
pendurá-los no pescoço antes de iniciar uma viagem. Mas a suprema
eficácia contra os ataques de outros cães estava nos dentes de um
cão raivoso. Isso sim: antes de prendê-los ao ombro, o tal cão tinha
que já ter mordido um homem. Se a vítima fosse mulher, melhor
ainda...
*22. No capítulo 22, versículo 30, Yaveh diz: Homens santos sereis para mim. Comeis
a carne despedaçada por uma fera no campo: jogai-a aos cães. (N. Do N.)
Tiglat nos levou até a sala contígua e, de novo se se desculpando,
nos deu a entender que não dispunha de nada melhor. O lugar,
amplo e espaçoso como a vivenda, era na verdade a oficina na
qual a ffamília fabricava toda sorte de utensílios de vidro.
Agradecemos a hospitalidade. Para aqueles esgotados
caminhantes, qualquer canto era bom. Estendemos os roupões ao pé
de um dos fornos apagados e, depois de nos desejar paz, Tiglat
depositou uma lanterna (de óleo numa das estantes, provocando
reflexos verdes e dourados nos bojudos vasos transparentes, jarrões
e garrafas. Observou-nos um instante e, contente, fechou a porta,

desaparecendo.
A Providência, de fato, continuava cuidando de nós e nos
protegendo. Aquela família foi uma benção e um jorro de oxigênio no
nosso caminho.
Logo, o bom Eliseu dormia profundamente. Eu, ao contrário, me
achava inquieto. Não houve jeito de pegar no sono. Atribuí tudo ao
cansaço. Ou foi a inquietação?
A verdade é que, outra vez, de forma obsessiva, a imagem do
Mestre apresentava-se na minha memória.
Estávamos muito perto, sim, quase a um passo...
Mas o que me preocupava afinal? Eu me vi assaltado por uma
matilha de furiosas e irritantes incógnitas.
Será que ele nos reconheceria? Será que nos admitiria em sua
companhia? O que podíamos lhe dizer? Como lhe explicar tudo? E a
segurança que me havia acompanhado até aquele momento fugiu
deste que aqui escreve. Eu me senti desolado. Talvez estivéssemos
equivocados. O que aconteceria se Jesus de Nazaré não nos
aceitasse a seu lado? Meu Deus! Nós não tínhamos pensado nisso.
A figura do Galileu, ora distante, ora séria e alheia, continuava me
espreitando na penumbra da oficina.
Eu resisti.
Esse não era o afável e íntimo amigo que eu conhecia. O
esgotamento, sem dúvida, estava brincando comigo.
Finalmente, incapaz de suportar aquele suplício, eu me levantei.
Peguei a fraca e amarelada lanterna e tentei me distrair. Revistei
fornos, foles, canas de sopro, matéria-prima(23) e a numerosa
bateria de objetos que se espremia, fria e indiferente, nas paredes e
no chão.
Impossível. O sono, rebelde, se manteve à distância.
Eu decidi sair para o lado de fora. Ali, com certeza, relaxaria.
Mas tudo, naquela noite, parecia desagradável e contrário à minha
vontade. Ao empurrar a gasta portinhola que comunicava com o resto
da aldeia, os guizos, irritados, protestaram. Eu voltei ao ponto ond

descansava meu irmão. Bendito engenheiro! Nem um terremoto o
teria acordado.
As choupanas, escuras e silenciosas, nem se alteraram.
Procurei refúgio ao pé de uma das paredes da oficina.
Inspirei profundamente e sorvi as estrelas.
Eu podia quase tocá-las com as mãos.
Deus! Que bela e branca escuridão!
De repente, lá ao longe, em nenhuma parte, soou limpo e
prolongado um uivo.
Senti um calafrio.
Lobos? Chacais?
E Vênus e Júpiter, em conjunção, me fizeram um sinal. Depois um e
outro...
Novos uivos. Novo estremecimento.
E como que fugida daquela luminosa cidade flutuante eu vi em
minha agitada mente uma inconfundível figura. Vestida de negro e
segurando uma foice reluzente e afiada...
*23. Os inteligentes Tiglat, além das terras da orla marítima
da vizinha Tiro, sabiam aproveitar a própria terra do Hermon, rica em quartzo. Dela
obtinham o ácido silícico, chave para a fabricação do vidro. Esse subproduto, misturado
com cinzas de plantas marinhas (carbonato) e calcário ou cascalho, era esquentado até
800 ou 900 graus conseguindo-se assim o bem cotado e ambicionado vidro fenício. (N.
Do m.)
Eu a rechacei.
O que acontecia?
Mas a imagem, decidida, ergueu o cutelo, avisando. E,
subitamente, desapareceu.
E dois, três, quatro novos uivos, mais próximos, me deixaram de
cabelo em pé.
O que era aquilo? Um pressentimento? Uma advertência? Uma
loucura? Por que a morte? E por que naquele instante e naquele

lugar?
Horas mais tarde, por desgraça, eu comprovaria que a visão (?)
não havia sido fruto da minha cansada e quase nula imaginação. O
Destino, suponho, à sua maneira, me avisava...
Pouco a pouco, consumada a estranha aparição, a inquietação foi
anestesiada e eu caí no poço dos sonhos. Sim, outra vez os sonhos...
Nessa ocasião eu me vi caminhando nos bosques. Era o Hermon.
Estava muito próximo, com o cume nevado., Na frente prosseguia o
jovem Tiglat, em cima de um jumento. Ao seu lado, Ot, o basen
negro. Atrás, alegre, carregando a sacola de viagem, Eliseu, e
fechando o grupo, este explorador.
Mas não, quem aqui escreve não era o último dos caminhantes.
Às minhas costas, a quatro ou cinco metros, num passo igualmente
apressado, avançava uma velha conhecida.
Era A morte!
Ela vinha coberta com a mesma e longa túnica funerária, carregando
ao ombro uma temível e longuíssima foice.
Eu quis avisar, mas a voz não saía da minha garganta.
Ninguém parecia vê-la, nem sequer Ot. Virei a cabeça e a morte,
com um sorriso gelado, fez um sinal de assentimento.
De repente, nas proximidades de uma imensa árvore, começou a
chover. Era uma chuva torrencial.
O cão falou e aconselhou que nos refugiássemos sob a grande
árvore. Assim fizemos.
E a caveira, impassível, sem deixar de sorrir, plantou-se na frente
do grupo. Levantou então os descarnados dedos e apontou para o
alto.
Meu Deus!
Nos galhos estavam penduradas nossas próprias cabeças...
Estavam vivas.
Mas a de Ot, sangrando e suspensa pelos olhos, já não tinha vida.
Tentei reagir. Apertei o laser de alta energia, graduando-o na

potência máxima.
Santo Deus!
Não funcionou...
E a morte respondeu com sonoras e cavernosas gargalhadas.
Então, por trás, entre as árvores, surgiram alguns homens.
TransPortavam machados, maças e espadas.
Eram americanos!
Vestiam uniformes de campanha. E avançaram ameaçadores.
Oh, Deus!
Todos tinham o mesmo rosto, o do general Curtiss! Sacudi Eliseu,
advertindo-o. Não me deu atenção. Continuei falando com Tiglat
sobre a inoportuna cortina de água. Ot garantiu que a chuva
passaria logo...
Um dos militares parou perto da morte. Abraçaram-se. Aquele
Curtiss era o único que não estava armado. Melhor dizendo, era o
mais bem armado... Na mão esquerda segurava outra vara de
Moisés Cochicharam.
De vez em quando me olhavam e continuavam falando em voz
baixa. Finalmente Curtiss, todo molhado, fez sinal para que eu
chegasse perto.
Obedeci.
E ao sair de debaixo da árvore, a intensa chuva me encharcou.
- Os relatórios !... Queremos os relatórios de DNA! Você está com
esses relatórios!
Neguei desesperado.
O sujeito então tirou o gorro com umas estrelas de general e o
jogou no chão, pisoteando-o com raiva.
De novo neguei.
- Entregue-me isso! É propriedade da USAF! E irritado, soltando o
cajado, veio para cima de mim.
Pegou-me

pelos braços e gritou:
- Jasão! Obedeça! Jasão!
Nesse instante, alguém me acordou.
- Jasão!
Eliseu, tão molhado quanto eu, me cutucava sem parar.
- O quê? Meu general, eu não sei de nada...
Meu irmão, ao ouvir as frases desconexas e em inglês! - ficou
assustado.
- O que está acontecendo com você? Acorde! As frias e densas
gotas de chuva acabaram me trazendo de volta à realidade. Fiquei
em pé e, meio zonzo, pedi desculpas.
Outro pesadelo?
Assenti em silêncio.
- Eu lhe disse. Ontem à noite abusamos do ólodet e do maldito
arac. Mas que diabo você está fazendo aqui fora? Respondi como
pude, improvisando. Não queria perturbá-lo com minhas estranhas
inquietações e os não menos loucos sonhos.
Loucos?
Hoje sei que alguns sonhos não são tão loucos nem absurdos como
parecem à primeira vista...
20 DE AGOSTO, SEGUNDA-FEIRA
Voltamos à oficina. A família se ocupava do desjejum e dos
preparativos para a partida.
O sonho recente, contudo, ainda me deixava perplexo. Eu
continuava vendo a cara daquele Curtiss e a caveira da morte.
Que estranho!
Aproximei-me da portinhola e examinei o céu. O firmamento
brilhante tinha sido apagado de uma só penada. Durante a noite, um

inesperado temporal saiu do Mediterrâneo, cobrindo parte da
Gaulanítide. E a chuva, benéfica, caiu sobre vales e colinas.
Que estranho! No sonho também chovia torrencialmente...
Tentei espantar a absurda coincidência. Estávamos onde
estávamos. A manhã chegava pontual, acendendo as montanhas. Eu
só devia me preocupar com a viagem iminente. Com um pouco de
sorte, hoje estaríamos com Ele.
Enfim!
O chefe da família acabou se juntando a este desconcertado
explorador. Ele me viu observar as negras e velozes massas de
nuvens e, percebendo uma suposta inquietação pela mudança de
clima, quis me tranqiülizar.
- Vai passar logo...
Ele tinha certa razão. Essas tempestades eram bastante comuns
nos verões da alta Galiléia. E da mesma forma repentina com que
apareciam, assim se afastavam. Nessa ocasião, contudo, o espetáculo
das bigornas, inensas como torres, castigando-se mutuamente
com fulgurantes relâmpagos, deixou-me inquieto. Passariam? Com
isso não havíamos contado. Se a chuva não parasse, a viagem
correria perigo.
Tomamos o desjejum e, por volta da hora tercia (às nove), como
Tiglat previra, o tempo abriu. Os cúmulos-nimbos, contudo,
continuavam aparecendo do lado oeste, escurecendo a paisagem e
obrigando o sol a se derramar em estreitas e clandestinas cascatas
brancas, azuis e douradas. Não gostei nada daquilo. A chuva
continuava ali, ameaçadora.
E o sonho, de novo, tocou meu ombro...
Tiglat revistou a carga. O jumento de propriedade do Mestre
agüentaria sem problemas. O animal, alto, jovem e forte, recebeu
dois grandes alforjes de junco, repletos de comida. E entre ambos,
muito bem dobrada e enrolada, a tenda de peles de cabra solicitada
na noite anterior.
Diante da nossa surpresa, o anfitrião pediu que inspecionássemos
a carga.

Eu me recusei.
O chefe do clã, então, com voz autoritária, ordenou ao filho que
voltasse para casa.
Compreendemos. Se não concordássemos, não tinha viagem.
Legumes, carne salgada, peixe defumado, ovos, azeite, dois log de
sal (cerca de um quilo), dois bat de vinho (cinco litros), especiarias,
farinha, frutas em abundância, dois gansos, seis grandes e redondas
fogaças de pão de trigo, mel, duas garrafas de arac e um brinde da
casa: um quarto deseah (uns quatro quilos) de um excelente lombo
de cervo curtido. Do resto, para falar a verdade, não me lembro.
Terminado o inventário mais que suficiente para uma ou duas
semanas -, Eliseu pegou a bolsa e perguntou o preço.
Tiglat, outra vez, nos surpreendeu.
- Isso proclamou com a mesma contundência fica para a
chegada...
- Mas...
Não houve jeito. E depois de agradecer a confiança e a
hospitalidade daquela gente simples e dedicada, seguimos viagem.
O jovem Tiglat, na frente, puxou o asno, pegando um caminhozinho,
que logo levou ao bosque de ciprestes.
Ao seu lado, correndo para cima e para baixo, Ot, o dócil basenji.
Atrás, aliviado pela cor mais clara dos cúmulos-nimbos, meu irmão ia
carregando no ombro a sacola de viagem. Por último, como sempre,
este explorador, agora relativamente feliz e confiante. O nevado
Hermon, um pouco chateado pela presença dos cúmulos-nimbos
estava à vista.
- Finalmente! - eu disse a mim mesmo.
Se os cálculos de Tiglat estavam certos, os cinco quilômetros que
separavam Beth Jenn do mahaneh, o acampamento no qual estava
Jesus de Nazaré, deveriam ser percorridos em duas ou três horas.
Tudo dependia da rota escolhida pelo pequeno guia e, naturalmente,
do volúvel Destino.
A princípio descemos. Depois, a pista, estreitíssima, endireitou,

escalando novas colinas.
Cota 1.500.
Ao olhar para trás, entre as árvores, vi a meia dúzia de choupanas
negras de Bet Jenn. Abaixo, na cota 1.198, o lago verde escuro
Phiale, um antigo vulcão inundado pelas correntes subterrâneas que
fugiam do Hermon. Os nativos garantiam que a minguada e circular
lagoa, de uns trezentos metros de diâmetro, se comunicava com a
cidade de Panéias e até mesmo com o pai Jordão.
De repente, ao cruzar um olival, Tiglat, de um pulo, montou no
burro.
Como não percebi isso antes?
Tremi da cabeça aos pés.
A reduzida expedição apresentava a mesma ordem de marcha que
no sonho...
E como um idiota cheguei a virar a cabeça. Ali, às minhas costas,
obviamente, só encontrei oliveiras.
O breve trajeto entre os robustos ayit foi um suplício. E o sonho foi
tomando conta. Sem querer eu estava esquecendo dos bucoles, os
sanguinários rufiões do Hule.
Então não sei como vi tudo muito claro...
Os homens do sonho podiam ser bandidos. Estávamos em seus
domínios. O chefe do clã ratificou as advertências dos felah.
Lá em cima era um ninho de malfeitores.
Não, os militares armados não eram um resíduo do subconsciente.
Ali latejava alguma coisa mais...
Mas e as cabeças dependuradas nos galhos? Por que a de Ot era a
única sem vida?
Um negro pressentimento tomou conta, de forma definittiva, deste
angustiado explorador.
Por sorte, o cheiro de terra molhada e a aparente diminuição dos
riscos foram me tranqüilizando. E o susto foi se diluindo.
Perto da cota 1.700 a paisagem mudou de aspecto. Ciprestes e

oliveiras se afastaram e, no seu lugar, as bases do Hermon
apresentaram um perfil mais ressequido e fechado. Na frente e à
direita, bicudos e vigilantes, apareceram os har Nida e Kahal, com as
ladeiras vestidas de zimbros gregos, pinheiros da Calábria, abetos e
os perfumados mirtos, adoçando com suas coroas de flores brancas
os solenes, emaranhados e azuis perfis do espesso ya ár, o bosque
anunciador, sempre súdito do rei do Hermon, o monumental e mítico
cedro.
A trilha, à sua maneira, dobrou à esquerda e atacou os novos
promontórios.
No alto, montada no vento, uma família de abutres negros e fulvos
patrulhava em círculos. De vez em quando, peitando a força dos
cúmulos-nimbos, mergulhavam indicando alguma coisa.
Não prestei muita atenção. Vai ver estavam de olho em alguma
carne podre.
Tiglat também olhou o céu e, sem aviso prévio, cutucou o jumento,
acelerando a marcha.
O que estava acontecendo?
Logo saberíamos...
Ao fim de alguns minutos, o bosque abriu-se momentaneamente.
E a trilha dividiu-se em duas.
O rapaz desceu e imobilizou o jumento. Ao se reunir a nós,
indicando à nossa direita, mostrou um minúsculo grupo de choças,
meio escondidas pelo pinheiral. Era Quinéia, um povoado de
lenhadores. Pediu que esperássemos. Queria entrar e consultar sobre
a situação na zona. A presença dos abutres não lhe agradava. Não
era bom sinal.
- Esses disse sempre chegam atrás dos bucoles. É Dito e feito.
Tiglat correu na direção das árvores, seguido de perto pelo
buliçoso bafenji.
Eliseu observou as evoluções dos abutres e me interrogou com os
olhos.
Eu não tinha nada a dizer. Minha experiência com os bandidos a

menos a da vivida na passada operação Salomão era quase nula.
Inquietos, nós nos distraíamos examinando a clareira.
De fato, o caminhozinho se bifurcava a pouca distância. O novo
ramal partia para a esquerda, engolido praticamente pela mata. Na
encruzilhada, um poste grosso cravado no meio dos restos vulcânicos
advertia: Panéias. Sete milhas.
Anotamos a referência. A trilha parece que descia em direção
sudoeste e acabava na rota de Damasco, muito perto da Cesaréia de
Filipe.
Voltamos ao centro da clareira. Tiglat estava demorando.
Tudo ao nosso redor parecia tranqüilo. Contudo, o silêncio me
pareceu estranho. Podíamos ouvi-lo. Eu o atribuí à natureza afastada
e remota do lugar.
De repente, Ot surgiu entre os pinheirais. E atrás dele seu dono
acompanhado por dois sujeitos.
- Más notícias gritou Tiglat enquanto se aproximava. - Esses
malditos rondam por aqui...
- Esses malditos?
A pergunta de Eliseu era desnecessária. Mas o guia esclareceu:
- Os bucoles.
E, referindo-se aos robustos e enegrecidos lenhadores,
acrescentou:
- Acabam de confirmar isso. Hoje de manhã, logo cedo, visitaram a
aldeia. Roubaram vinho e provisões.
O rapaz dirigiu-se então a um dos homens e, em fenício, voltou a
interrogá-lo.
O hoteb, um lenhador curtido e com cara de poucos amigos,
estendeu-se numa longa fala, indicando o norte com a mão direita...
- Diz traduziu o guia -, que foram vistos indo para as cascatas...
Eram seis. Quem manda é um velho conhecido: Kedab, também
chamado de Al.
O nome, em aramaico, significava mentiroso. Quanto ao apelido

Ál - fiquei meio confuso. E, inseguro, perguntei:
- Al?
Tiglat confirmou.
Não havia entendido mal. Al, com efeito, queria dizer não.
Balançando a cabeça de forma negativa, o jovenzinho, preocupado,
resumiu o resto das explicações do hoteb.
- Diz também que estão armados até os dentes... Com certeza, a
essa hora, estão todos embriagados.
- E o que aconselham teus amigos?
Tiglat transmitiu a pergunta feita pelo meu companheiro a um
deles, o de cara menos amigável.
A resposta foi imediata.
- Diz que o melhor é darmos meia volta e regressarmos a Bet Jenn.
Esses malditos matam por um log de arac.
(Um log equivalia a uns 600 gramas e nós, para piorar,
carregávamos mais de dois litros).
Silencioso, Tiglat acariciou o basenji. Compreendi suas dúvidas.
Mas coisa de instinto, fiquei calado. Finalmente, depois de uma
longa pausa, fez uma recomendação:
- Se desejais podeis permanecer em Quinéia. O minguante de
agosto já terá terminado e eles dirigiu-se então aos lenhadores
não retomarão o corte até a próxima lua cheia(1).
Aqui estareis bem e a salvo. São homens honrados.
- E tu?
Tiglat deu um sorriso forçado.
- Eu cumprirei o combinado com o estranho galileu.
- Mas...
Não ouviu os argumentos de Eliseu.
- Confio no meu senhor Baal. Ele me protegerá.
*1. Na hora de cortar os bosques, aquela gente, com uma invejável sabedoria, estava
acostumada a se ajustar às fases da lua. Sabiam que, no minguante, a seiva penetra
nas raízes.

Esse era o momento certo para a poda. Era melhor em janeiro. A madeira cortada
nessa época dura mais. Depois vinham os minguantes de agosto e o Inverno. Quanto à
lua crescente e a cheia, os lenhadores só aproveitavam para a madeira destinada ao
fogo. Com a seiva subindo, alguns povoados se limitavam a desvastar as árvores,
preparando-as para o corte de inverno. (N. do m.)
Estava tudo claro. Peguei meu irmão pelo braço e, saindo dali,
trocamos impressões. Estávamos de acordo.
Continuaríamos. Não havíamos chegado até ali para voltar atrás
por causa dos bucoles. E disso o informamos. O rapaz, contente,
aceitou. Duzentos ou trezentos metros mais adiante o bosque voltou
a se abrir. E nós nos encontrávamos diante de um adolescente e
ruidoso rio ermon. Ao cruzar a decrépita pontezinha de troncos que o
driblava, Tiglat, indicando as águas verdes, proclamou orgulhoso:
- Aleyin, aquele que cavalga as nuvens...
Esse era o nome do tributário do Jordão entre os montanheses.
Aleyin, dos filhos do deus Baal, favorecedor das plantas. Como regra
geral, os fenícios gostavam de batizar os rios com os nomes de suas
divindades. Minguado leito, como teríamos ocasião de verificar dias
depois, nascia no meio da neve do Hermon. Por isso dele se dizia
cavalgador das nuvens. A ponte sobre o nahal era outra excelente
referência.
Eu calculei o tempo gasto desde Bet Jenn. Se não estava errado, já
caminhávamos à cerca de duas horas. Distância percorrida: três
quilômetros. Faltavam, portanto, outros dois, com um tempo estimado
de uma hora, mais ou menos.
Fiquei contente. Se tudo andasse normal, até o meio-dia (hora
quinta) estaríamos na presença do Mestre... Normal Que
ingenuidade! O Destino, de algum lugar, deve ter sorrido com
benevolência.
Do outro lado do nahal Hermon, nas margens do bosque, no meio
de um atrevido e cheiroso maqui formado por arbustos de hortelã,
cristáceas, sálvia amarela e tomilho, erguia-se uma novidade: cinco
pedras basálticas, toscamente lavradas, de metro e meio de altura e
perfeitamente alinhadas de leste a oeste.
Tiglat desmontou. Aproximou-se reverente da fileira de basalto
negro.

Durante alguns minutos, ficou em silêncio, com a cabeça baixa.
Depois, virando-se, fez-nos sinal para um descanso.
Dali em diante, segundo ele, começava o trecho mais duro. O
caminhozinho, paralelo à margem direita do rio, subia árduo e
desequilibrado, pulando da cota 1.700 para a 2.000 em questão
de 1.500 metros. Pouco antes da tal cota 2.000, a uns três
estádios (pouco mais de meio quilômetro); terminava a viagem. Para
sermos mais exatos, a viagem de Tiglat. Ali, explicou -, de acordo
com o combinado com o estranho galileu, ele depositaria suas
provisões. Em seguida, voltaria.
O rapaz soltou o jumento e, sentando ao pé de uma das rochas
abriu a bolsa pendurada na cartucheira. Tirou de dentro um pão e
uma escura porção de carne de javali e se dispôs a devorar tudo. Ot,
atento, plantou-se na frente do dono, esperando seu quinhão.
Meu irmão, imitando o guia, procurou apoiar-se na pedra ao lado;
Eu, intrigado, dediquei alguns minutos à exploração do monumento
sagrado. Porque essa, sem dúvida, era a intenção das rochas
pontiagudas. Tiglat, mais tarde, confirmaria isso.
Estávamos, de fato, diante de um asherat, uma formação megalítica
muito freqüente na Fenícia e sobretudo nas montanhas. Embora
estivéssemos no território da Gaulanítide quer dizer, na Palestina
esses centros de culto pagão eram relativamente comuns. Às vezes,
em lugar da pedra, os montanheses utilizavam altos e robustos
troncos de cedro, ou em círculo ou em linha reta. Os judeus, em
particular amantes da paz, faziam vista grossa, ignorando essas
construções.
Yaveh, no Deuteronômio (16, 21), era especialmente rígido com
esses símbolos idólatras.
Finalmente juntei-me a Eliseu e, curioso, perguntei ao rapaz sobre a
natureza do conjunto.
De fato, os penhascos eretos recebiam o nome de asherat, em
homenagem à deusa mãe de Baal, embora, neste caso, tenham sido
dedicados a um dos filhos de Baal-Ros, senhor dos promontórios:
Resef e o mencionado Aleyin. O primeiro, segundo o cerimonioso
Tiglat, governava o raio e o trovão. O segundo, como já foi dito,

cuidava de fontes, rios e águas subterrâneas.
Todo fenício, sempre que passasse perto de um desses templos
tinha a obrigação de parar e rezar diante dos deuses representados
por pedras ou lenhos.
Concluídas as explicações, o engenheiro interveio, levantando um
assunto tão oportuno quanto interessante. Um assunto do qual,
forçados pelas circunstâncias, quase não falamos em Bet Jenn.
- Que aspecto tem teu amigo, o estranho galileu? O adolescente,
surpreendido pela súbita pergunta, respondeu com uma pergunta
hábil e lógica:
- Mas não disseste que o conheces?
Meu irmão, encurralado, escapou como pôde.
- Sim, bem... mas faz muito tempo que não o vemos...
- Não sei balbuciou Tiglat, voltando o rosto ao cume do Hermon -,
nós não trocamos nem dez palavras...
E acrescentou pensativo:
- Parece sério... e preocupado. Alguma coisa grave deve ter-lhe
acontecido para que se escondesse nesse lugar...
Eliseu, homem de idéias fixas, insistiu.
- Eu me refiro ao aspecto físico... E O guia, desconcertado, dando
de ombros, voltou a perguntar. - Aspecto físico? Não entendo...
Tentei facilitar as coisas.
- Tem boa saúde?
- Acho que sim!
E nos deu um dado interessante.
- É um homem muito forte. E um sallit...
(Assim denominavam os indivíduos vigorosos, donos de força física
especial.) -... Ele sozinho construiu um esconderijo de pedra...
Mas, pouco chegado às meias verdades, corrigiu: - Bem, eu também
ajudei. Logo chegaremos lá. Costumo deixar ali.
- Ali?

- Tiglat fez sinal afirmativo...
- Então completou Eliseu -, ele não permite que você chegue até
mahaneh, ao acampamento?
- Assim foi o combinado. Ele paga e eu obedeço... Meu irmão e eu
trocamos um olhar inquieto. Por que Jesus não permitia que o
jovenzinho passasse do esconderijo de pedra?
O que acontecia no lugar onde acampava? E o mais importante:
seríamos nós uma exceção? Será que nos autorizaria a
permanecermos junto dEle? Mas, é lógico, nenhuma dessas irritantes
perguntas fizemos ao rapaz. Isso teríamos que averiguar por nossa
própria conta.
- E o que imaginas que ele faz lá em cima? Os negros e atentos
olhos do adolescente, intuindo uma segunda intenção, cravaram-se
nos olhos de Eliseu. O engenheiro, contudo, frio como as pedras do
asherat, agüentou firme. Finalmente, depois de uma pausa tensa,
Tiglat atacou com audácia:
- Quem sois? Quem é na verdade esse estranho galileu? - Tu não
respondeste à minha pergunta.
- Vós muito menos...
- Nós já te dissemos ponderei conciliador. - Somos gregos.
Velhos amigos do teu amigo. Precisamos falar com Ele.
Não pareceu muito convencido, mas resignou-se.
- Em primeiro lugar, não é meu amigo... Um oheb (amigo) é outra
coisa. É alguém querido... De um oheb não se cobra. E vos digo mais
ainda. Nunca espiono...
Eliseu acusou o golpe.
- Os deuses não permitem isso e meu pai tampouco. Nunca fui além
do refúgio. Além disso, como sabeis, essa paragem, a das cascatas
não é muito recomendável...
- Ele sabe disso?
- Foi a primeira coisa que lhe dissemos quando se interessou pelos
nossos serviços. Ninguém, bom de cabeça, acampa nesse lugar. E
muito menos agora, com Al e sua gente rondando por aí.

- Ele comentou alguma coisa? Deu a ti alguma explicação? - Sim, ele
disse que não estava sozinho. Mas, francamente, não entendemos.
Que eu saiba, lá em cima não tem mais ninguém... só esses malditos.
Ficou em silêncio e, percebendo alguma coisa, acrescentou
convicto:
- Claro, agora eu entendo. Ele espera por vós... Por isso disse que
não estava sozinho.
Ele estava errado, mas nós deixamos o assunto morrer por ali. Ou
não estava errado? Será que o Mestre sabia...? Não, isso era
impossível.
E Eliseu, desviando a conversa, voltou ao tema inicial.
- E por que tu dizes que ele parece preocupado? - Não sei... Talvez
porque fale pouco. Além disso, a gente nota certa tristeza nos olhos
dele.
- Tu sabes como ele se chama?
Negou com a cabeça. E, de novo surpreso, admitiu: - É curioso...
Agora que tu falas nisso, ninguém nunca lhe perguntou, e ele também
nunca disse nada. Meu pai e eu nos referimos a ele como o estranho
galileu.
E, curioso, adiantou-se aos nossos pensamentos.
- Qual é o nome dele?
- Yesua...
- Jesus...
- Jesus de Nazaré precisei, sem disfarçar um certo orgulho. - Um
ah, um irmão...
- Mas sois estrangeiros. Como podeis chamar de irmão um yehuday
(judeu)?
- Esse yehuday não é como os outros...
- É rico?
O engenheiro, encantado com a sinceridade do jovem fenício, riu
com vontade. E respondeu com a verdade.
- Seu coração é imensamente rico...

- Compreendo... É um judeu que não teme o desapiedado Yaveh.
- É um ser humano.
- Humano e judeu? Impossível...
- Já percebi que não te agradam sentenciou Eliseu.
- Não gosto do Deus deles. Um deus que os enlouquece.
Discrimina. Eles se consideram donos da verdade. Desprezam a
gente.
- A verdade? - entrei na conversa. - O que é a verdade para ti?
Nem pestanejou. Indicou as pedras cônicas e, seguro de si, afirmou:
- Meu pai diz que a verdade, se existe, não está nos deuses nem
tampouco nas leis. A verdade ainda está por chegar.
- E se chegar algum dia, tu saberás reconhecê-la? 337
Ele fez sim com a cabeça.
- Acho que sim. Segundo meu pai, a verdade vai direto ao coração.
Eu saberei, porque ela me fará tremer. Mas não de medo, e sim de
emoção...
- Teu pai é um homem sábio.
- Meu pai disse corrigindo Eliseu é bom. Ele se deixa guiar pelo
instinto. Vou contar-vos uma coisa...
A confissão, porém, ficou no ar. Enormes gotas de chuva, aqui e ali,
nos colocaram em guarda.
Tiglat examinou o cume do Hermon. Nuvens negras começavam a
cobri-lo. O jovem levantou-se e, autoritário, mandou que nos
apressássemos.
- Vamos continuar. Isso não me cheira bem...
Ele tinha razão. Os cúmulos-nimbos, animados por fortes correntes
ascendentes, haviam se transformado em montanhas com alturas
superiores a dez quilômetros. A base dos Cb desceu e suas
correntes ascendentes, velozes, ocultaram a neve. Os relâmpagos,
pulando de galho em galho e precipitando-se sobre os cada vez mais
escuros bosques, deram o primeiro aviso. Uma tempestade
espetacular estava a ponto de cair sobre nós. E os trovões, secos,

ainda distantes, acabaram por acelerar nossa marcha.
Foi instantâneo. O contato com a chuva ressuscitou o velho e
aparentemente absurdo sonho.
Nas proximidades de uma árvore robusta, de repente, começou a
chover. Era uma chuva torrencial... Não pude evitar.
Estremeci. Será que o sonho se realizaria?
E num derradeiro gesto de reflexão tentei tirar da cabeça a negra
premonição.
Tudo imaginação...
Onde está a árvore robusta? Isso aqui é um pinhal...
Mas a visão não retrocedeu.
Ao abandonar o asherat, o caminhozinho, apertado entre a tolha
fechada à esquerda e a cada vez mais impetuosa torrente e o resto
emaranhado de pinheiros brancos à direita, fez o possíveL E foi
subindo, metro por metro, sacrificando-se e se reduzindo a uma marca
de apenas cinqüenta centímetros.
Obviamente, tivemos que caminhar um atrás do outro.
Tiglat puxou firme as rédeas do asno, sem trégua. E a carga, mais
de uma vez, foi batendo nos baixos e impertinentes ramos dos
pinheiros. Um passo em falso seria uma ameaça para as provisões.
Na beira da pista, à nossa direita, como eu dizia, o jovem nahal
Hermon pulava inconsciente entre penhascos, provocando inúmeras e
nada recomendáveis correntezas.
A chuva apertou. E as descargas elétricas estouraram na frente,
iluminando durante décimos de segundo um maciço negro e todo
disforme por causa das pancadas de chuva. Várias das detonações,
muito perto, assustaram o voluntarioso jumento.
Ele levantou a cabeça e resistiu às puxadas do guia.
O rapaz, esperto, chamou o cão e, em fenício, deu-lhe uma ordem.
Ot, metendo-se entre as patas do asno, mordeu-lhe os testículos. O
jumento respondeu com um coice violento. Mão de santo. Num
instante andava de novo.
A temperatura caiu. E conforme íamos ganhando a cota seguinte, a

escuridão ia engrossando.
Nova parada. Tiglat indicou o fundo da trilha. E entre a cortina de
água, iluminado por faíscas, vimos outro alvoroço já familiar. O
caminho estava impedido por quatro ou cinco grandes abutres.
Deduzi que estávamos diante dos mesmos carniceiros que tínhamos
visto nas cercanias de Quinéia.
Como no caso das aves que devoravam os bucoles na rota de
Damasco, estas, igualmente nervosas e agitadas, saltavam umas
sobre outras, na disputa pela presa. Í O guia voltou a gritar ao
basen. E o cão, saindo numa corrida desabalada, jogou-se em cima
dos cegos abutres negros e fulvos. Dois deles, surpreendidos, só
tiveram tempo para abrir as enormes asas cinzas, subindo com
dificuldade. Um terceiro não teve tanta sorte. Ot foi em cima do
pescoço longo, branco e nu, destroçando-o. E, compreensivelmente,
os dois últimos continuaram com as cabeças enterradas no ventre da
vítima.
O cão, implacável, pegou um deles pelo pé. E, imediatamente, uma
cabeça ensangüentada e outro pescoço disforme e azulado
enfrentaram o valente Ot. O bico afiado e adunco do abutre negro
fez o cão retroceder. Mas este continuou atacando.
Tiglat então, aproximando-se, afastou a pedradas os teimosos
carniceiros. Nós nos juntamos ao guia e, finalmente, encurralados, os
abutres alçaram vôo, caindo pesadamente sobre as copas dos
pinheiros brancos.
Atônitos, meu irmão e eu, descobrimos a vítima.
Eu me precipitei sobre o corpo. Estava praticamente nu, coberto só
com um sag, a tanga de pele de urso. O rosto não tinha olhos.
Quanto ao ventre, os abutres negros e fulvos o haviam rasgado
quase inteiro.
Apesar do aspecto lamentável, Tiglat achou que o reconhecia.
- É um deles... Era chamado de Anas (castigo)... Estava sempre
bêbado.
- Um bandido...
Concordou em silêncio. Inclinou-se e, com um só golpe, arrancou o

longo cravo pendurado no peito.
- Tu já não precisas disso, maldito yehuday...
(Os enormes cravos, quadrados e de vinte ou trinta centímetros de
comprimento, eram muito cobiçados pelos judeus e gentios.
Geralment eram utilizados nas crucificações e segundo diziam
constituíam um excelente amuleto.) Tiglat amarrou o cravo no
pescoço do jumento e ficou algum tempo com os olhos pregados no
quase apagado e ascendente caminhozinho.
Não era difícil penetrar em seus pensamentos...
Ali, em alguma parte do bosque, devia estar o resto da turma.
O que podíamos fazer?
Na verdade, muito pouco. Naquela altura da situação, o mais
provável é que já sabiam da nossa presença. Mas então porque não
nos atacavam? Eu imaginei que, talvez, esperassem que a
tempestade amainasse. Uma vez mais errei...
O decidido e valente jovenzinho não disse nada. Puxou o burro e
continuou subindo pela escorregadia e brilhante trilha de cinza
vulcânica.
Prudente, Eliseu fez um gesto, recomendando que eu ajustasse os
crótalos. Se os bucoles se apresentassem... iam dançar.
Estávamos nisso quando, como era previsível, os trovões caíram em
cima de nós, de fato. E as faíscas começaram a bater nos pinheirais.
O asno ficou agitado de novo, mas Tiglat, sem piedade, o arrastou.
Acabávamos de entrar num dos olhos da tempestade. E a chuva,
grossa como uma parede, nos brecou. Quase não víamos...
- Isso é um dilúvio! - gritei. - É melhor parar! O guia virou-se e,
indicando o fundo da trilha, berrou entre os estampidos dos trovões:
- Um pouco mais! Lá em cima temos uma clareira! Não tive tempo de
endireitar a cabeça. Um raio saído da agitada barriga dos Cb
deixou-nos cegos. E arrebentou-se na ponta de um Pinheiro todo
molhado, a dez escassos metros da frente do grupo. O resto foi um
desastre...
Num milésimo de segundo talvez menos o canal pelo qual

desceu a faísca esquentou a mais de 30 mil graus Celsius,
provocando dois fenômenos simultâneos. De um lado, o ar quente do
milimétrico túnel pelo qual o raio viajou expandiu-se, dando lugar a
um espantoso trovão que nos deixou temporariamente surdos. Por
outro, o bater na árvore úmida, a súbita e violenta vaporização criou
uma onda de choque. E a expedição, cão e jumento incluídos, rolou
ao chão.
Foram instantes de grande confusão. Ninguém gritou. Ninguém se
lamentou. Não havia tempo para isso... Tiglat estava no chão.
Permanecia imóvel. Parecia morto. Eu me assustei.
Ao seu lado, Ot emitia aqueles sons estranhos, lambendo sem
parar o rosto do seu dono. Quanto ao jumento, espavorido, galopava
colina acima. Galopava? Eu podia jurar que voava... E continuamos
encurralados pelos relâmpagos e os estampidos.
Precipitamo-nos para junto do menino. Verifiquei o pulso.
Estava vivo! A cabeça. Um fiozinho de sangue saía do nariz.
Ele estava inconsciente. Deduzi então que podia ter se machucado
ao cair.
Meio surdo, com aquele zumbido instalado no meu cérebro, com
gritos, sinais, aturdido pelos raios e com o coração enfraquecido
pelos massacres contínuos dos trovões, eu dei a entender a Eliseu
que tínhamos que sair daquele inferno.
Lembrando as últimas palavras de Tiglat, eu o peguei nos braços e
fui correndo entre as faíscas e a muralha de água em direção à outra
extremidade do caminho.
De fato, ao final do caminhozinho, vimos uma clareira. O bosque
havia se afastado, formando um meio círculo, cruzado unicamente
pela pista e pela feroz torrente. No centro geométrico, dono e senhor
da clareira, levantava-se uma árvore enorme. Uma sabina gigantesca,
de quase trinta metros, com uma copa piramidal, aberta e generosa,
que no momento nos daria grande alívio.
Cheguei exausto. Resfolegante...
Coloquei o rapaz ao pé do grosso tronco cinzento e tentei reanimálo.
O céu teve pena de nós. Não precisei me esforçar.

Pouco a pouco ele voltava a si. E, meio fraco, tentou levantar-se.
- O jumento! - exclamou -, Onde está?... As provisões! Eu o segurei.
Quis tranqüilizá-lo. Impossível.
Por fim levantou-se e fez menção de pegar de novo o caminho.
Mas Eliseu, atento, se interpôs, segurando-o. E devagar, pouco a
pouco, conseguimos acalmá-lo.
- Eu vou procurá-lo...
E assim foi.
Minutos depois, deixando a sacola junto à árvore, o engenheiro,
correndo, saía no encalço do jumento. E o vi desaparecer sob o
dilúvio.
Tiglat obedeceu. E sentou-se sob a árvore robusta. Agora só nos
restava esperar. Aguardar com paciência que o tempo melhorasse.
Árvore robusta?
Um novo estampido marcou a súbita lembrança. E o sonho voltou.
Ergui o rosto e fiquei petrificado.
O Destino, em forma de raio, iluminou a clareira, confirmando a
visão.
Não é possível!
Penduradas dos galhos, a curta distância deste perplexo
explorador, golpeadas pela tormenta, me fitavam seis ou sete
caveiras, agora prateadas pela visão IV.
Ao seu lado, balançavam várias tripas secas...
Por que negar o fato? Eu as examinei com medo.
Eram crânios e vísceras de cabras.
Compreendi.
Nós estávamos debaixo de uma árvore sagrada, outro símbolo dos
gentios da Gaulanítide. Ali penduravam suas oferendas aos deuses.
A peculiar natureza da madeira de sabina branca inatacável pelos
insetos e resistente à putrefação a tornava uma exceção, associada
pelos moradores da região ao poder dos céus.
Tiglat, percebendo minha surpresa, ratificou as suspeitas.

Levantou-se de novo e foi procurar entre os sulcos e as onduladas
estrias da casca. Ao encontrar o que queria, veio me mostrar: eram
pequenas pontas de flechas de basalto e sílex, chamadas de pedras
de raio, umas peças neolíticas que segundo os supersticiosos
nontanheses tinham a virtude de conjurar os efeitos das faíscas
elétricas. Tempos depois as descobriríamos também nos ocos dos
carvalhos. Na verdade, era uma crença errônea e perigosa. A sabina,
como o carvalho, o azinheiro, o salgueiro, o abeto e a tília, se
caracteriza justamente pelo contrário, ou seja, por sua capacidade
para atrair os raios.
De repente, a feroz tempestade amainou. A chuva diminuiu e as
descargas elétricas foram se espaçando. Respirei aliviado.
Os Cb se afastavam. Mas a tímida alegria durou pouco. Ot,
inquieto, com a musculatura tensa como uma tábua e as orelhas
caídas, havia detectado alguma coisa. Eu pensei no meu
companheiro. Seguramente acabava de encontrar o jumento e
voltava...
Sim e não.
Esclareceu-se a dúvida em segundos.
Logo vimos aparecer na clareira Eliseu... e mais cinco sujeitos.
O coração sobressaltado me avisou. E, instintivamente, peguei o
cajado. Os gritos de Tiglat, aterrorizado confirmaram a suspeita.
- São eles, os bucoles!.
Saí na chuva e ordenei ao rapaz que ficasse atrás de mim.
Mas este, trêmulo, argumentou com razão:
- Oh, senhor Baal!... Protege-nos. Eles estão armados!... E tu tens
uma vara!
Insisti.
- Não tenhas medo. Agora tu verás a força da razão! - A razão? -
perguntou ele em tom de gozação. - Esses aí não entendem nada de
razões!
Andavam devagar. Quando nos viram, pararam. Na frente do grupo
ia um sujeito baixo, ossudo e coberto unicamente como os outros,

com um escuro e encharcado saq de pele de urso, igual ao do
cadáver que havíamos deixado para trás. Na mão esquerda levava
uma pesada maça cheia de pregos. Faltava-lhe a metade da perna
direita. Uma perna de pau negra e toda pingando juntava-se ao toco
na altura do joelho.
Tiglat identificou o homem.
- Esse é o Al, o chefe...
Atrás, pálido e impotente, meu irmão. E às suas costas,
ameaçando-o com afiados ferros de três gladius, outros tantos hete
ou bandidos igualmente silenciosos e mal encarados. Por último,
fechando o cortejo, um quinto rufião, mais alto que os outros, com um
turbante vermelho na cabeça, puxando as rédeas do jumento.
As figuras se iluminaram com um dos relâmpagos, brilhando num
azul esverdeado.
Eu me preparei. Não sei por que, escolhi o botão do laser de gás.
Minha intenção, naturalmente, era assustá-los e fazê-los correr. Mas,
nessa oportunidade, eu só acertaria pela metade...
O coxo se virou. Cochichou com os que vigiavam Eliseu e, sozinho
avançou de novo em direção à sabina.
O adolescente, escondido atrás de mim, anunciou: - Não tem
saída... É melhor dar-lhe o que quiser...
Não respondi. E de novo acariciei o botão, ajustando a potência.
Meu irmão então fez um sinal. Levou a mão direita ao pescoço, e a
deslizou como um punhal.
Mensagem recebida.
Pelo jeito, esse era o resumo da breve conversa que tiveram os
ladrões.
Muito bem, vamos em frente.
Ot, duro como uma estátua, não se mexeu.
E eu, já imaginando o desenlace iminente, sugeri a Tiglat que
chamasse o cão. O rapaz, contudo, não obedeceu.
- Dehab! - gritou o chefe ao chegar a cinco metros da árvore.
E repetiu com insolência.

- Ouro! Queremos todo o ouro!
Tentei calcular. Primeiro o da perna de pau. Depois, aproveitando a
surpresa, as três espadas. Quanto ao sujeito do turbante vermelho
depois veríamos...
- Somos uns pobres caminhantes respondi num tom submisso.
- Não carregamos ouro...
- Não!
- Podes nos revistar.
- Não!
- Se queres, fica com as provisões...
- Não!
Tiglat, agarrado à minha cintura, sussurrou: - É a única palavra que
conhece. Por isso é chamado de Al... Pelo senhor Baal! Dá-lhe o
ouro!
- Mentira! - continuou o energúmeno, cada vez mais violento e
Enfurecido Kefap!... Prata!
O basenji, atento à voz do amo, abriu a bocarra, disposto a pular
sobre o coxo. Eu não pensei duas vezes. Aquela comédia precisava
terminar por fim.
Levantei levemente a vara de Moisés e Eliseu, entendendo,
jogou-se ao chão.
Imediatamente, uma descarga invisível de oito mil watts atingiu a
podre prótese do bandido, incendiando-a. O desconcerto, como era
de esperar, foi geral. Tiglat recuou agitado. E Al uivando, soltou a
maça.
Dois segundos depois, um dos gladius, consumido pelo laser, se
quebrava e ia ao chão. Os bucoles em uníssono, levantaram as
cabeças na direção da negra tempestade.
Eliseu, engatinhando, tratou de se afastar do grupo.
O guia reagiu e, em fenício, ordenou a Ot que atacasse. E o cão,
como uma flecha, caiu sobre o chefe, derrubando-o.
Um dos sujeitos, contudo, ao descobrir a fuga de Eliseu, lançou-se

sobre ele, desferindo uma forte cutilada na altura dos rins. E a
espada quebrou-se em duas...
Louco de raiva, lancei uma descarga contra o saq do atônito
agressor, Desta vez o laser, além de consumir a tanga do homem,
pegou o baixo ventre, torrando-o. E o fulano caiu desmaiado.
Procurei aquele que continuava armado. Medo e surpresa o
mantinham imóvel, pálido como cera. E na pressa acabei cometendo
um erro.
Em lugar de queimar o gladius, apontei na direção de uma das
pontas da pele de urso. De imediato, apesar da umidade,
apareceram umas chamas no sag, desencadeando o pânico em seu
dono. E o sujeito descomposto, soltou a espada, correndo para a
torrente. Pouco depois, arrastado pelas águas turbulentas, perdia-se
rio abaixo.
Eu digo que errei porque, contra todos os prognósticos, o sujeito
que segurava as rédeas do asno soube reagir com rapidez,
apoderando-se do único gladius que não havia sido inutilizado. E,
uivando, correu na direção do maltratado Al.
Mirei de novo e apertei o botão...
- Merda!
O laser não respondeu.
Tentei uma segunda, uma terceira vez...
Negativo.
Alguma coisa falhava no dispositivo de defesa.
Foram segundos decisivos.
Ot, cego, enlouquecido com o coxo pegando fogo, gritando,
continuava procurando o pescoço do bandido. Não percebeu a
chegada do sujeito de turbante vermelho. E antes que este perplexo
explorador apertasse o botão dos ultra-sons, o esbirro, levantando a
espada em ambas as mãos, desceu-a sobre o cão, decapitando-o.
O impacto gelou meu sangue.
Imediatamente, às minhas costas, escutei um grito desesperado:
Fora questão de segundos.

Tiglat, fora de si, correu como um foguete, jogando-se de cabeça
contra o estômago do bandido. E os dois rolaram por terra.
Não pude evitá-lo.
O rapaz se refez. Apoderou-se do gladius e o enterrou no coração
do sujeito derrubado e ferido.
Em seguida, arrancando o ferro ensangüentado, dirigiu-se ao que
estava em pé. Mas o hete, entendendo, fugiu da clareira, pulando
direto no nahal. Instantes depois, como havia acontecido com seu
comparsa, as correntezas o engoliram e ele desapareceu.
Tiglat acabou jogando a espada no meio das águas furiosas.
Depois, nos ignorando, voltou para perto do corpo destroçado do
basenji. Pegou sua cabeça negra e branca entre as mãos e, beijandoa,
começou a chorar.
Eliseu, machucado pelo golpe de espada, juntou-se a este
desolado e abatido explorador. Eu me sentia culpado. Se tivesse
usado os ultra-sons desde o primeiro momento, talvez Ot estivesse
vivo agora... Mas não adiantava nada me lamentar.
A vara, pela primeira vez, falhara.
Quanto ao chefe, quando percebemos, ele já escapava aos
tropeços em direção ao asherat. Inteligente, preferiu fugir.
E, na clareira, debaixo da chuva, ficou a esfumaçada perna de
pau... Curioso Destino.
Algum tempo depois voltaríamos a encontrar o bandido. Nessa
ocasião ele pediria ao Mestre algo muito mais importante que
prata e ouro...
Impotentes, não soubemos o que fazer nem o que dizer.
O jovenzinho foi se sentar debaixo da árvore sagrada e ali ficou um
longo tempo, com os ensangüentados despojos de Ot entre as
pernas, chorando desconsolado. Meu irmão, comovido, incapaz de
suportar a tristeza da cena, deu-lhe as costas. A tempestade, mais
sortuda, foi se afastando em direção ao leste procurando a longínqua
Síria.
A chuva parou e, muito contra minha vontade, o velho sonho

continuou ao meu lado, lembrando-me de que não havia sido um
simples e absurdo sonho.
Mas o enigmático e, às vezes, cruel Destino tinha alguma coisa
mais para me dizer...
Tiglat secou as lágrimas e, trancado naquele impenetrável mutismo,
subiu nos galhos mais baixos.
Intrigados, eu e Eliseu vimos que ele rasgava a túnica e manipulava
a cabeça do basenji. Depois, com muita delicadeza, amarrou o pano
à sabina e Ot ficou pendurado pelas cavidades oculares.
Meu Deus! Aquela cabeça, gotejando sangue e balançando,
também fazia parte do sonho...
Em seguida, ao descer dos galhos, abraçou-se ao tronco.
Fechou os olhos e, com um fio de voz, entre suspiros, entoou um
cântico.
Não soubemos o que ele dizia. O ritual porque disso se tratava
foi todo em fenício. Dias depois, quando as relações com o rapaz
normalizaram, ele explicou que, simplesmente, tentou se congraçar de
novo com os deuses, suplicando-lhes que lhe dessem forças para
viver, sem seu amigo.
E eu disse bem. Quando nossas relações se normalizaram...
O problema é que, concluída a cerimônia, Tiglat nos observou
brevemente. Notei alguma coisa estranha em seu olhar. Ódio talvez...
Finalmente, rompendo o silêncio, anunciou: - Meu amigo morreu por
tua causa. Se tivesses entregado o ouro agora ele estaria comigo...
Comecei a entender.
Eliseu, sabendo da falha da vara, respondeu indignado: - Tu não
estás sendo justo...
Tiglat, contudo, com o ódio crescendo, não ouviu.
- Eu te avisei. Te disse: dá-lhes o ouro...
- Sabes o que teria acontecido se eu tivesse entregue o que eles
pediam?
Os olhos incendiados do guia se desviaram na direção do meu

companheiro: Mas ele não quis ou não soube responder à pergunta.
E Eliseu resumiu a breve conversa entre Al e os bucoles um pouco
antes da luta.
- Eu vou te dizer... Lembra que eu estava ali e ouvi tudo.
O jovenzinho duvidou.
- Primeiro o ouro e a prata, ordenou aquele selvagem, depois o
pescoço e sem misericórdia...
Esperamos uma resposta. Não houve. No fundo, Tiglat sabia que
meu companheiro dizia a verdade. Aqueles miseráveis não
perdoavam. Contudo, ainda muito desolado, não cedeu. E fazendo um
esforço declarou:
- Vou cumprir o combinado. Vou fazer isso só pelo meu pai.
Vou levar-vos até o refúgio de pedra... Depois rogarei ao meu
senhor Baal para que vos amaldiçoe...
Foram suas últimas palavras. Pegou as rédeas do jumento e, sem
olhar para trás, caminhou apressado até o promontório seguinte.
Eliseu e este que aqui escreve, resignados, fomos atrás dele.
Minutos depois, próxima já a cota dos dois mil metros, apareceram,
pairando sobre a clareira da sabina as inconfundíveis silhuetas
escuras dos carniceiros. E no meu coração, apesar das sensatas
reflexões de Eliseu, foi se avolumando uma penosa dúvida:
Será que o fenício tinha razão? O que teria acontecido se
tivéssemos entregado as sacolas de borracha com os diamantes e
denários de prata? Quero acreditar que tinha sido a melhor
resposta...
Enquanto subíamos, do lado oeste, ancorado sobre os bosques,
apareceu de repente um brilhante e belo arco-íris.
E fez o milagre.
Conseguiu que eu esquecesse pelo menos uma parte dos recentes
e dramáticos acontecimentos. E devolveu-me à realidade, à feliz e
esperançosa realidade.
Estávamos quase conseguindo...
O Mestre estava ao alcance da mão.

Enfim!
O trecho entre a árvore sagrada referência difícil de esquecer e
o refúgio de pedra, no qual Tiglat devia depositar as provisões, foi
breve embora árduo. A montanha tornou-se mais íngreme e a trilha,
cada vez mais humilhada, precisou dar voltas, disputando cada metro
com muita garra.
Finalmente, vencidos pela altitude, na cota 1.900, os frondosos
azinheiros, abetos, mirtos e o resto da corte claudicaram, cedendo
ladeiras e canhadas ao senhor do Hermon, o cedro.
O basalto também ficou para trás e foi substituído pelas pedras
calcárias femininas e margas jurássicas, mais de acordo com a
delicada e silenciosa beleza daquelas cumeeiras.
Sim, essas seriam as palavras adequadas: silêncio e majestade.
Nunca, enquanto durou nossa aventura na Palestina de Jesus de
Nazaré, chegamos a viver um silêncio tão sonoro e contínuo como
aquele.
E quanto à nova paisagem, como descrevê-la? Hoje, o Hermon é
uma pobre caricatura daquilo que chegamos a contemplar. O
chamado Cedrus libani podia ser contado aos milhões. Nem uma
única fralda, e menos ainda o próprio cume do monte santo, estava
aberta ou mutilada. Tudo, na verdade, era uma massa verde escura,
em acirrada concorrência com as neves perpétuas e o azul cristalino,
quase milagroso, do céu. Pena que o professor Beals, da
Universidade de Beirute, não tivesse tido oportunidade de verificar
tal desperdício. Seguramente teria modificado suas conclusões(2).
Não ponho em dúvida os argumentos dos especialistas: o corte
indiscriminado da cobiçada riqueza do Hermon o cedro pode ter
ameaçado a sobrevivência dos venerados ere. Testemunhos como o
do primeiro livro dos Reis (5, 20) e o de Esdras(3, 7)3 assim dão fé.
Mas isso foi há muito tempo. A montanha obviamente se recuperou,
transformando o norte da Gaulanítide no maior e mais intrincado
bosque de toda a Palestina.
Lembro bem dos primeiros passos entre os altos erez a glória do
Líbano, segundo Isaías -, a maioria de 20 ou 30 metros de altura,
com os ramos em forma de candelabro, filtrando com conta-gotas os
audazes raios de sol.

*2. Num estudo interessante (1965), o citado cientista cujos relatórios figuravam
também no banco de dados do módulo
- garantia que, no passado, os cedros cobriam as ladeiras norte e oeste do Hermon,
entre 1.400 e 1.800 metros de altitude (N. Do m.)
3. Nos ditos textos sagrados há de fato alusões ao intenso corte de cedros, (Os
famosos erez) desde os tempos do rei Salomão. Hiram, rei de Tiro, assinou um acordo
com Salomão, fornecendo-lhe madeira do Líbano. Com esses carregamentos enviados
provavelmente via marítima até o porto de Hoppe, o filho de Davi edificou o primeiro
Templo a Yaveh. A madeira de cedro, leve, amarelada, aromática e de excelente
qualidade, era muito procurada e cotada. Os assírios, egípcios e persas, também a
utilizavam desde tempos remotos. Quando escasseou, o rei Sargon II (720 a.C.) foi
buscá-la nos montes de Amanus e Zagros. O Segundo Templo de Jerusalém também
seria edificado com os cedros do Hermon, símbolo de força, dignidade e grandeza
entre judeus e gentios. (N. Do m.)
Meu irmão, sorridente, virou-se, falando da fortíssima e doce
fragrância daquela massa espessa. Um aroma quase sufocante que
terminaria impregnando nossas roupas e utensílios.
E no mais alto, entre os ramos e os ondulados troncos cinza
chumbo, a inevitável e desembaraçada tropa alada, às vezes
descendo até um nahal Hermon igualmente despreocupado, rápido e
prematuramente grisalho por conta das rochas, desníveis e pequenas
cascatas.
Não sou capaz de explicar, mas, ao penetrar naquelas alturas, à
medida que subíamos, algo dentro de mim abriu as asas
transformando-me em outra pessoa, não direi melhor e sim mais feliz.
Ou foi talv ez a segurança do iminente encontro com o Rabi da
Galiléia.
E por volta da nona (três da tarde), Tiglat parou.
Na metade do bosque, a curta distância do escandaloso aprendiz
de rio, erguia-se o famoso refúgio de pedra. Uma desilusão... Mas
afinal o que tínhamos imaginado? Uma casa robusta e espaçosa?
Nada disso.
O modesto habitáculo, digamos assim, consistia num amontoado
de rochas pequenas e médias empilhadas em semicírculo, de um
metro de diâmetro por outro de altura, coberto por galhos de cedro à

guisa de telhado. Em resumo, uma espécie de dispensa ou
armazém, só adequado para as provisões.
O guia, rígido e em silêncio, começou a descarregar o jumento,
guardando os alimentos no refúgio. Não permitiu que o
ajudássemos. Meu coração bateu mais forte.
Onde estava o Mestre?
Por um instante, já que era segunda-feira, um dos dias combinados
para a entrega do alimento, imaginei que ele estaria ali esperando.
Outra desilusão.
O bosque estava deserto. E eu me consolei: Não deve demorar....
Durante alguns minutos eu me distraí examinando minuciosamente
a banda da montanha onde estávamos. A rampa apontava
diretamente ao Norte. O pequeno caminho mal traçado continuava
entre as árvores, chamando minha atenção. Segundo minhas
estimativas, a cota 2.000, na qual se encontrava o cahaneh ou
acampamento de Jesus de Nazaré, devia ser perto, muito perto,
talvez a quinze ou vinte minutos. Mas eu me contive. O instinto, forte
e claro, aconselhava calma.
Esperaríamos.
Terminado o descarregamento, o jovenzinho, dirigindo-se a Eliseu,
exigiu o pagamento.
- São cinco denários...
Meu irmão olhou para mim. Concordei com um sinal de cabeça.
Ele então, puxando a bolsa, contou as moedas. Mas, no lugar de
entregá-las, colocou-as de novo na sacola de borracha.
Desamarrou a sacola do cinto e voltou a me olhar, inquisidor.
Entendi. E repeti o leve movimento de cabeça, aprovando o gesto
generoso do engenheiro. Era o mínimo que podíamos fazer pelo
decepcionado Tiglat.
Meu companheiro ofereceu-lhe a sacola e, sorridente, numa vã
tentativa de suavizar a tensa situação, perguntou:
- Por que tu não ficas? Logo vai escurecer... Teu pai aprovaria...

Não respondeu. Contou as peças de prata e, surpreso, exigiu uma
explicação.
- O que é isto? Aqui tem dez denários...
Eliseu, com toda boa vontade, tratou de justificar a retribuição
extra mas o orgulhoso adolescente, retendo a metade das moedas,
devolveu-lhe a bolsa, assim nos ofendendo:
- Guardai o dinheiro... Não penso lavar vossa consciência com cinco
denários... Ot valia mais do que isso e mais do que vós...
Em seguida, puxou as rédeas do jumento, afastando-se com rapidez
entre os cedros.
E ali ficamos os três: Eliseu, quem aqui escreve... e uma profunda
tristeza.
Não houve comentários. O que podíamos dizer! Eliseu, voltando à
realidade, perguntou o que eu achava.
- E agora, o quê...
Eu lhe disse que era bom esperar. As provisões estavam no
refúgio. O Mestre sabia disso.
- Não acho que vá demorar...
Acrescentei, movido por um repentino sobressalto: - Lembra das
palavras de Tiglat?... O estranho galileu sério e preocupado...
- Não entendo você.
Fiquei em dúvida. Talvez eu estivesse exagerando. Talvez aquele
inesperado sentimento não tivesse coerência. Mas decidi
compartilhá-lo com Eliseu.
- Não sei... O rapaz disse também que alguma coisa grave deve ter
acontecido ao Mestre para que ele se escondesse neste lugar...
Com sua fina intuição, meu irmão adivinhou a estranha e inoportuna
inquietação.
- Você está insinuando que talvez ele queira ficar sozinho? Fiz sinal
que sim.
- Você acha que nós nos precipitamos?
Eu não soube responder. E o silêncio daqueles exploradores uniu-se

ao dos cumes.
O engenheiro deixou-se cair junto ao semicírculo de pedras e,
depois de longa pausa, argumentou com sensatez:
- Muito bem, querido major. Vamos supor que você tenha razão, e
não é o momento nem o lugar adequados. Que o Galileu, ao nos ver,
manifeste seu desejo de continuar sozinho... Tudo isso pode estar
certo, mas, utilizando sua própria linguagem, por que você não deixa
que o Destino decida?. - E, gozador, ponderou: - Destino, como você
diz e escreve, com maiúscula...
Agradeci a sugestão. Como sempre, ele falava de forma oportuna e
com bom senso. A verdade é que não dispúnhamos da menor
informação sobre o porquê da permanência do Mestre naquelas
paragens remotas.
Os textos evangélicos não mencionam isso e o ancião Zebedeu
também não sabia muita coisa. Ele se limitou a relatar o que o
próprio Jesus lhe havia confessado: permaneceu no Hermon umas
cinco semanas, aparecendo em meados do mês de elul (setembro).
Quando chegou ao Yam era outro homem.
Percebemos que havia mudado. Exuberante.
Por isso, sem dúvida, havia uma contradição. Tiglat garantiu que
parecia sério e preocupado, com certa tristeza nos olhos. O chefe
dos Zebedeu, uma vez, falou que aquele Jesus era outro, feliz e
seguro de si mesmo...
Que diabos aconteceu lá em cima? A que se devia tão prolongado
afastamento? E por que naquele momento? Estávamos no ano 25.
Faltava pouco para o início da vida pública...
Obviamente, nesses instantes críticos, nem Eliseu nem eu
podíamos sequer imaginar a extraordinária razão que impelira
Jesus de Nazaré a se refugiar a dois mil metros de altitude.
Uma razão que, é claro, justificava plenamente as certeiras
palavras de Zebedeu...
E o céu quis que estes esforçados exploradores fossem
testemunhas privilegiadas desse incrível milagre.
Mas, outra vez, devo conter meus impulsos. Devo ater-me aos fatos

conforme aconteceram.
O problema é que, enfiado nessas análises e suavemente envolto
pelo sussurro e a fragrância dos cedros, este que aqui escreve, como
Eliseu, acabou caindo num plácido sono. Imagino que o cansaço
acumulado e a amargura da recente experiência com os bucoles
tenham contribuído também para que nós dois, sem querer,
acabássemos mergulhando naquele profundo e relaxante descanso.
Hoje, contudo, com a vantagem do conhecimento e da distância,
tenho minhas dúvidas. Sérias dúvidas. Foi um sono lógico e natural?
Por que os dois ao mesmo tempo? Foi provocado?
Só Ele sabe...
Como descrever aquele momento? Como defini-lo? Absurdo e
Estranho? Bem ao estilo de Jesus de Nazaré e destes impertinentes
exploradores?
Vejamos se sou capaz de pintar esse quadro, ainda que em toscas
pinceladas.
Primeiro vi Eliseu. Ele estava ao meu lado, me sacudindo nervoso.
Estava pálido. Com a mão direita apontou à nossa frente.
- Jasão, acorde!... Olhe!
Precisei de alguns segundos para me situar.
O bosque, sim... Os cedros... Tiglat, irritado, se afastando... A
2.000 metros... O refügio com as provisões...
A espera... O Mestre não devia tardar...
O Mestre!
Tentei me levantar com tanta velocidade e com tal aturdimento
coitado de mim acabei pisando na bainha da túnica e caindo de
bruços sobre o terreno inclinado.
E logo veio uma risada. Uma risada cálida, familiar e contagiosa...
Meu irmão, solícito, se apressou a ajudar este desolado e confuso
piloto. Mas, evidentemente, aquele não era o nosso melhor dia... Ao
me levantar, bati sem querer a cabeça na fronte do engenheiro,
derrubando-o e ao mesmo tempo perdendo de novo o equilíbrio. E
ambos, como dois perfeitos inúteis, rolamos ao chão.

As risadas, incontroláveis, aumentaram...
Aí, aqueles dois estúpidos, de quatro, observaram-no atônitos e
boquiabertos...
Olhamos um para o outro e, percebendo a constrangedora situação,
caímos numa risada também incontrolável, assustando o bosque com
um sonoro concerto de gargalhadas.
Eliseu, com lágrimas nos olhos, apontou-me o dedo, gozando de
mim. E eu, contemplando sua não menos ridícula figura, o imitei,
dobrando-me de tanto rir. Mas o ataque de riso acabou me fazendo
engasgar.
Então, o Homem se levantou. E se aproximando, deu um tapinha
nas costas deste abatido e cada vez mais desconcertado explorador.
Instantes depois, dissipadas as risadas, estávamos em pé,
tomados pela surpresa e, antes de conseguir pronunciar uma única
palavra, Jesus de Nazaré abriu os braços e, me apertando, sussurrou:
- Oheb! - E repetiu:
- Yaggir oheb!... Querido amigo!
Não sou capaz de explicar isso. Não há maneira de articular e dar
ordem ao torvelinho de sentimentos e sensações que aquele abraço
provocou. Gratidão? Alegria? Emoção? Desconcerto? Só lembro que,
sem poder me conter, comecei a chorar. E me abracei a Ele, com mais
força, com tudo que podia...
Enfim!
- Querido amigo! Querido amigo!
Em seguida, ao abraçar Eliseu com seus braços musculosos,
continuou pronunciando a mesma frase.
- Yaggir oheb!... Bendito seja Deus!
Assim, de uma penada, da forma mais simples e natural, todos os
meus temores e receios se extinguiram.
Ele nos reconheceu! Reconheceu? Não, foi muito mais que isso.
Mas, como pôde? Como sabia? Como era possível? Pobre idiota! Acho
que nunca vou aprender...
Ele nos contemplou alguns segundos e, acolhendo-nos com um

radiante e interminável sorriso, exclamou:
- Obrigado! Obrigado por vossa decisão e sacrifícios...! Aquele
sorriso... Era o mesmo!
- Sei que estais aqui pela vontade do meu Pai...
Eliseu e eu mudos, perplexos, com um nó no estômago, flutuávamos
numa nuvem. Aquilo não era real. Será que eu estava sonhando de
novo? Obrigado pela nossa decisão? Mas como podia saber?
A resposta viria em seu devido momento. E viria de forma
delicada, sem atropelos. Como a coisa mais natural do mundo (!).
- Como viste, querido Jasão, o até logo se cumpriu...
E piscando o olho ele me eletrizou.
Claro que eu me lembrava daquelas palavras. Mas, santo Deus, ele
as havia pronunciado na manhã de quinta-feira, dia 18 de maio... do
ano 30! Foi sua despedida no monte das Oliveiras...
- Bem concluiu, como que nos chacoalhando -, vamos lá. Há muita
coisa para fazer...
Acho que o seguimos como autômatos. Nem o engenheiro nem este
que aqui escreve fomos capazes de pronunciar um sim ou um não.
Simplesmente, parecíamos hipnotizados.
Carregamos as provisões e a tenda e fomos atrás dEle.
De repente, meio de improviso, rememorei a cena recente, estivera
ali, diante destes adormecidos exploradores! Eu o vi placidamente
sentado nos observando...
Meu Deus! Quanto tempo esteve ali aguardando por nós? Depois
de alguns passos, meu irmão, emparelhando-se com este explorador,
enfim falou e repetiu meus próprios pensamentos:
- Como é possível? Ele nos reconheceu!...
Então, outra vez nos pegando de surpresa, o Mestre deu uma volta.
Virou-se sobre os calcanhares e, esboçando um sorriso maroto, fixou
seu olhar irresistível sobre este que aqui escreve, pronunciando
palavras que me atordoaram:
- Lembras? E nos corações ficou aquele lenço branco...

flutuando como um adeus definitivo...
Acho que fiquei pálido.
Incrível! Escrevi essas frases no meu diário, no relato de sua
ascensão, pouco depois do histórico e já mencionado dia 18 de
maio do ano 30..., ao voltar ao Ravid. Ninguém as conhecia...
Mas Ele, alegre, não deu trégua, e acrescentou: - Pois então, nisso
tu erraste... Aqueles que conhecem o Pai nunca se despedem. Nunca
dizem adeus... Só até logo.
Nova piscadela de cumplicidade. Seu sorriso se expandiu e, dandonos
as costas, ele continuou subindo pelo atalho com aquelas
quase esquecidas grandes passadas.
Eliseu, sem entender o alcance da pequena-grande revelação,
interrogou-me impaciente, pedindo um esclarecimento. Não consegui
responder. Minha mente, confusa, estava muito longe(4).
Será que eu estava sonhando? Não podia ser... Ele ainda não
podia ter conhecido essas frases escritas... no futuro! Contudo,
acabava de pronunciá-las. Ele as conhecia! O enigma, reconheço, me
deixou obcecado. Depois, conforme passavam os dias naquele
inesquecível acampamento, fui entendendo.
Ele era, sim, um ser humano. Mas também um Deus...
Não foi fácil assimilar essa idéia. Nada fácil. E menos ainda para
mentes racionais e científicas como as nossas. Mas os fatos, dia
após dia, se impuseram.
E diziam que era Ele. Com efeito, seu aspecto físico não era muito
diferente. Era cinco anos mais jovem, mas a aparência era quase a
mesma, assim O VimOS: Alto, muito alto para a média dos judeus, ao
redor de 1,81 metro.
*4. O major faz referência à última aparição do Filho do Homem, na chamada
ascensão. EdIção Cavalo de Tróia 5, p. 319. (N. do a.)
Atleta... Ombros largos. Poderosos. Tórax oLímpico.
Musculatura elástica. Invejável. Nem um grama de gordura.
Pernas firmes. Duras como pedras.

Mãos elegantes. Aveludadas. Pausadas. Dadas ao trabalho.
Unhas saudáveis. Sempre curtas e limpas.
O rosto, alto e bem proporcionado, foi talvez o que mais me
surpreendeu. Estava muito bronzeado e mais doce e risonho que
aquele do outro agora. Acho que não erro se disser que, nesse
tempo, Jesus estava mais extrovertido e confiante. Não era de
estranhar. Ele estava apenas começando...
A barba, repartida ao meio, mostrava-se agora mais comprida,
igualmente bem cuidada. O cabelo, fino, cor de caramelo, menos
grisalho, foi outra novidade: estava muito mais comprido, preso num
rabinho.
Queixo valente.
O nariz, proeminente, tipicamente judeu, era o único traço que
destoava um pouco.
Lábios finos. O superior despontando levemente sob o bigode.
Dentes impecáveis. Brancos e alinhados, reforçando aquele peculiar
e abrasador sorriso.
Fronte audaz. Alta e com as sobrancelhas retas e bem delineadas.
Pestanas longas, cheias, perfilando uns olhos rasgados.
Os olhos! Como descrevê-los Eram e não eram humanos.
De tonalidade mel claro. Líquida. Vivos. Intensamente vivos
Penetrantes como punhais. Às vezes insustentáveis. Doces.
Compassivos. Atentos. Ágeis. Espertos. Amigos. Sem necessidade
de palavras...
Os olhos de um Homem-Deus.
Um Homem irresistível. Magnético. Imprevisível. Próximo.
Sábio. Humilde. E sobretudo, naquele momento, feliz.
A roupa tampouco nos surpreendeu. Vestia sua querida túnica de lã
sem costuras, de um branco imaculado, flutuando até os tornozelos,
de mangas largas e levemente presa na cintura por um simples
cordão duplo, traçado com fibra de linho. As sandálias de couro de
vaca curtido, semelhantes às nossas, estavam notavelmente gastas.

Sim, assim o vimos...
Um Homem iluminado. Um Homem que, como veremos, acabava de
fazer sua grande descoberta. Um Homem e eu adianto isso sem a
menor sombra de dúvida que acabava de se estrear como Deus. E
esse achado, essa segurança, durante um tempo o levou até as
estrelas, até seu Pai Celestial... E tudo à sua volta ficou contagiado,
incluindo estes exploradores. Jamais vivemos uma experiência tão
gratificante como aquela, ao pé das neves perpétuas do Hermon.
Pena que os evangelistas não tenham feito menção de
acontecimentos tão memoráveis.
Mas devo manter minha calma. Estou me precipitando outra vez.
Tudo em seu devido momento. Tudo passo a passo.
Agora, vencida a nona (três da tarde), só o presente contava. Só
Ele contava.
E começaram a acontecer coisas estranhas...
Estranhas Não, com Ele, nada era estranho. Éramos nós que não o
conhecíamos bem. Éramos nós que havíamos forjado uma imagem
falsa, distante, erroneamente solene daquele carinhoso, espontâneo,
muito íntimo e quase infantil Jesus de Nazaré.
E, repito, de improviso, o Mestre mostrou-se tal como era.
De novo parou. Apontou para o alto e, com o rosto grave, anunciou:
- O último lava a louça!...
Soltou uma gargalhada e, dando meia volta, saiu correndo ladeira
acima.
Eliseu e eu, atônitos, precisamos de uns segundos para reagir.
O engenheiro, entendendo finalmente, saiu atrás dEle, passando a
perna neste tonto explorador.
Pouco depois, ferido no amor próprio, feliz, impulsionado por
aquela força que continuava dentro de mim, puxei pela esgotada
musculatura, numa vã tentativa de alcançá-los.
Este era o Mestre. O autêntico Filho do Homem.
Minutos mais tarde, resfolegando, quase me arrastando, fui parar a
uma grande clareira. Ali, comodamente sentados, morrendo de dar

gargalhadas aqueles loucos me esperavam.
Estavam novos em folha, sem o menor sinal de esgotamento.
Eu olhei desconcertado para eles e, vencido, me deixei cair,
tentando encher os pulmões e recompor a minha catastrófica figura.
- Sobrou para ti! - brincou meu irmão. - Serviço de cozinha! Quero
tudo impecável!
Eu me conformei.
Jesus, então, pegando minha sacola e as provisões que me coube
levar, carregou tudo, fazendo coro ao que dissera meu irmão:
- Tudo impecável!...
E dirigiu-se à muralha de cedros que se levantava à nossa frente, a
escassos cinqüenta metros.
Na verdade, tratava-se de um minguado arvoredo, formado por três
ou quatro fileiras de er. E do outro lado, uma nova surpresa: o
mahaneh, o acampamento...
Eliseu e eu nos detivemos fascinados e, durante alguns instantes,
percorremos com a vista o incrível e belíssimo lugar.
Aquilo me parecia familiar. Eu já conhecia aquelas paragens.
Mas, no ato, afastei a ridícula idéia. Jamais estivera ali.
Toda rodeada pelos cedros abria-se diante de nós uma meseta
ovalada, de uns cem metros de diâmetro maior e coberta por um
tímido tapete de ervas. À nossa esquerda, ao fundo, quase roçando
a parede do bosque, uma pequena tenda de duas águas, armada,
como a nossa, com peles de cabra negras e untadas. No centro da
planície, um cedro gigantesco de uns quarenta metros de altura, com
um tronco milenar, opaco e cinzento, de quatro metros de
circunferência. Com a copa verde escura, achatada, se sobressaía por
cima de seus irmãos, acolhendo uma barulhenta e, no momento,
invisível colônia de aves. E ao pé do gigante, o que faltava, o toque
exótico: um dólmen! Um antigo monumento megalítico composto por
cinco rochas brancas verticais; de quase três metros de altura,
solidamente enterradas, nas quais se apoiava à guisa de telhado
outra enorme pedra plana. Neste caso, a colossal estrutura não tinha
as habituais câmaras funerárias.

Passei muito tempo à sombra daquela impressionante construção E
sempre me perguntava a mesma coisa: como a erigiram? Ou muito me
enganava ou a pedra superior pesava mais de duas toneladas...
E ao norte, a pouco mais de 800 metros acima da meseta, refulgia
o pico nevado do Hermon, admirado de perto pelo verde-azul dos
bosques.
Ficamos extasiados. Mas não, ainda não tínhamos visto tudo...
Em seguida, auxiliados pelo Mestre, nós nos concentramos na
montagem da tenda e na organização do modesto equipamento. O
refúgio rústico, bem próximo ao do Galileu, ficou pronto em questão
de minutos.
E nisso estávamos quando, de repente, no silêncio de dois mil
metros, alguma coisa soou.
Meu irmão e eu, largando as sacolas, nos olhamos atônitos.
Pensamos a mesma coisa. Mas, discreta e prudentemente, não
fizemos comentário algum.
Logo depois, o incrível ruído repetiu-se, agora mais nítido.
Não havia dúvida...
Jesus, atarefado em ancorar um dos cabos, percebeu nossa
inquietação. Ele nos olhou e, alegre, esboçou meio sorriso, mas
continuou nos seus afazeres.
O terceiro som foi até mais espetacular. Procedia, parece, do flanco
oriental da meseta. Mas ali só se viam árvores.
De repente, por sobre os cedros, apareceu a silhueta de uma ave
de rapina. Não tenho certeza, mas juraria que se tratava de uma
perdizeira enorme, dotada da força da águia e da agilidade do
falcão.
Planou lenta e majestosa, traçando círculos do outro lado do
arvoredo. De repente, deixou-se cair num rápido e impecável
mergulho, desaparecendo por trás do bosque. E no mesmo instante,
o desconcertante e impossível som.
Eram tiros... Rajadas!
Achei que estava tendo alucinações.

Disparos? No ano 25?
Meio minuto depois a águia reapareceu, afastando-se até o
Hermon. As rajadas de metralhadora cessaram.,! Esperamos um
novo matracar. Nada. Silêncio. Não voltaríamos a uvi-lo. Na manhã
seguinte teríamos a explicação...
Concluídas as tarefas, o Mestre consultou o sol. Devia ser a
décima (quatro da tarde). Faltavam, pois, pouco mais de duas
horas para o anoitecer. E ele, atento e solícito, perguntou:
- Que tal um banho antes do jantar?
Um banho A dois mil metros de altitude! Meu irmão, entusiasmado,
concordou no mesmo instante.
E Ele, com um gesto da mão esquerda nos convidou a segui-lo.
Como eu dizia, ainda não tínhamos visto tudo...
O Galileu cruzou a esplanada, adentrando no breve arvoredo do
referido flanco leste. Do outro lado nos esperava uma surpresa não
menos reconfortante.
As cascatas!
Acho que foi normal. Eram muitas emoções para lembrar alguma
coisa tão insignificante como as repetidas alusões dos montanheses
àquele pouco recomendável lugar! Espero voltar a falar disso, mas,
francamente, a presença do Filho do Homem me mantinha nos
mantinha meio hipnotizados.
Bem à margem dos cedros aparecia o esquecido nahal Hermon.
Descia dos cumes nevados, e o fazia espumoso, irritado e
queixoso. Na altura da meseta, cerca de cinco ou seis metros debaixo
dos nossos pés, o terreno se escalonava, forçando a torrente a
saltar. Resultado: duas cascatas brancas e barulhentas de mais de
dois metros de altura cada uma. E entre ambas, uma espaçosa e
mansa piscina, de águas frias e transparentes. Um amarelado
anfiteatro rochoso de gesso cenozóico, magistralmente desenhado
pela Natureza, ocupava parte da piscina refreando o ímpeto do
nahal. O rochedo acompanhava a corrente, formando uma segunda
ilhota ao pé da última cascata.
Daquele momento em diante, para Eliseu e para este que escreve,

esse remanso seria batizado de a piscina de gesso.
Diante de nós, erguendo-se para a dita piscina, desafiando os
cedros, vigiava uma solitária patrulha de carvalhos. E entre o
miniarvoredo, alguns salgueiros e os inevitáveis círculos de adelfas.
Dito e feito.
O Mestre, alvoroçado, tirou a túnica e as sandálias e, de um salto
mergulhou de cabeça nas águas, provocando a precipitada fuga de
dezenas de inquilinos do carvalhal: nectarinas de cabeças e peitos
violetas, trigueiros de orelha negra e cauda branca e tímidos
carpinteiros sírios, entre outros.
Eliseu, nervoso, tirou a roupa como pôde e, sem vacilar, seguiu o
exemplo de Jesus de Nazaré.
Eu, sem acreditar no que estava vendo, fui me sentar na beira da
piscina, para contemplá-los.
O Mestre nadando!
Podia parecer coisa infantil. Não sei... Mas não importa.
Para mim, aquele Jesus era novo. Diferente. Tão próximo e natural...
Ele dava braçadas ágeis, com força. Parava. Inspirava e
desaparecia sob as águas. Procurara o engenheiro. Pegava-o pelas
pernas e, como se fosse uma pena, o levantava sobre a superfície e
o deixava cair. Risadas. Eliseu, desconcertado, se recuperava e, sem
delongas, perseguia o Mestre. Apoiava-se nos brilhantes e
musculosos ombros e tentava afundá-lo.
Impossível. O Filho do Homem era uma rocha. Ele se esquivava.
Chapinhava. E entre gargalhadas, terminava afundando de novo o
pobre Eliseu...
Não sei quanto tempo fiquei ali em cima, atônito... e feliz.
Sim, essa era a palavra exata: feliz.
De repente, porém, eu vi os dois cochichando. E, em silêncio,
deslocaram-se na direção deste que aqui escreve. Os dois exibiam
um suspeito sorriso de cumplicidade.
Fiquei de pé e, entendendo as más intenções, pedi calma.

Tirei a roupa na maior velocidade e, antes de ser pego por aqueles
maravilhosos loucos, pulei na piscina. Quando consegui voltar à
superfície, quatro poderosas mãos me agarraram e me afundaram.
E como três crianças, sem deixar de rir, perseguindo-nos uns aos
outros prolongamos assim aquele primeiro e inesquecível banho aos
pés do Hermon.
Nunca, nunca poderei esquecer aquilo.
Uma hora depois, esgotados, nos reunimos ao pé dos cedros.
O Mestre soltou seus cabelos e foi se sentar na frente destes
esbaforidos exploradores.
O sol, se despedindo, roçando o horizonte azul e ondulado dos
bosques, começou a vestir e a preparar para a noite os cumes
nevados.
E fez isso devagar, respeitoso, com dedos cor de laranja.
Jesus inspirou profundamente e jogou a cabeça para trás.
Depois, fechando os olhos, permaneceu num longo e majestoso
silêncio. Algumas gotas, irreverentes, escorregaram pelas têmporas,
caindo sobre o tórax bronzeado, largo e descontraído.
Outra vez fiquei surpreso. Enquanto nossos corações bombeavam
agitados, Ele, impassível, mal erguia a caixa toráxica. Sua
capacidade de recuperação era assombrosa.
De repente, sem aviso prévio, o sempre sincero e espontâneo
engenheiro formulou uma pergunta. Uma questão que nos rondava e
atormentava muito antes de chegar à sua presença.
Eliseu, como de costume, teve mais coragem do que eu...
- Senhor, o que fazes aqui?
Na hora, o Galileu não respondeu. Continuou com os olhos
fechados, alheio a tudo e a todos. Achei que não queria falar.
E fulminei meu companheiro com o olhar. Eliseu, desolado, baixou a
cabeça.
- Não, Jasão interveio o Mestre, me pegando de surpresa -, não
repreendas teu irmão porque, como tu, ele anseia saber a verdade...

Era impossível. Eu não conseguia me acostumar. Como ele fazia
isso? Como podia ver ou ler os corações? Se tinha os olhos
fechados, como pôde...
Endireitou o rosto e, me atravessando com aquele olhar, de novo
me pegou na curva:
- Por que agora, querido Jasão, finalmente, recuperei o que é
meu...
E virando-se para o espantado Eliseu, com seu melhor sorriso,
acrescentou:
- Amigo, fazes bem em perguntar. Para isso estais aqui. Para dar
conta e dar fé do que sou e do que deseja meu Pai... Vosso Pai.
Pedi desculpas ao meu companheiro e, esquecido o leve incidente,
Eliseu, vibrante, voltou sua atenção ao Rabi, reformulando a questão
inicial.
- Vieste ao Hermon para procurar alguma coisa que havias perdido?
O Mestre, encantado com a transparência daquele homem, o fitou
durante alguns segundos. Seus olhos brilharam e um sorriso quase
imperceptível derramou-se por seu rosto, chegando até nós.
E voltou a nos desconcertar.
- Excelente pergunta. Depois do jantar, não deixes de me lembrar
essa questão.
Deu uma piscada para Eliseu e, de um pulo, como um atleta, ficou
em pé. Recolheu suas coisas e, decidido, cantarolando, voltou ao
mahaneh.
E estes exploradores e um Hermon definitivamente cor de laranja
ficamos em suspense.
Assim era aquele Homem...
Suponho que isso era inevitável. Peço desculpas. Espero que o
paciente e hipotético leitor destas atropeladas memórias saiba
compreender e desculpar. Escrevo com o coração, com todas as
minhas já escassas forças, mas mesmo assim as vivências escapam.
São tantas as coisas que devo contar que, em certas ocasiões, não
sei por onde ir e, pior ainda, talvez esqueça detalhes e impressões.

Agora mesmo isso acaba de acontecer. Ia me esquecendo de outra
das desconhecidas facetas do Filho do Homem.
Quem teria imaginado, alguma vez, Jesus de Nazaré cozinheiro? A
verdade é que, no transcurso das experiências anteriores junto ao
Mestre, jamais havia reparado nisso.
Contudo, assim era. Assim o descobrimos no Hermon. E nos
rendemos à evidência.
Jesus cozinheiro Sim, e dos bons.
O sol caía. Em questão de uma hora estaria tudo escuro.
Jesus pôs mãos à obra. Eliseu, mais hábil para os afazeres
domésticos que este limitado explorador, serviu de ajudante de
cozinha. Reconheço que, no tempo que durou a permanência nos
cumes da Gaulanítide, o Mestre e meu irmão formaram uma excelente
e bem compenetrada dupla culinária.
Quem aqui escreve, como era de esperar, foi relegado a ajudante
do ajudante. Em outras palavras, a um mero lava-pratos. Mas não
me arrependo. Também aprendi a minha parte com o sabão, panelas,
copos e demais utensílios de cozinha.
O Mestre deu as ordens oportunas e estes ajudantes, submissos
e felizes, se dispuseram a armar um bom fogo.
Diante da tenda do Galileu já estava preparado um modesto
fogão: seis grandes pedras em círculo e, ao lado, uma boa reserva de
galhos de cedro.
Mas aí apareceu o primeiro problema.
Eliseu e eu nos interrogamos mutuamente. Ninguém havia
lembrado. Entre as provisões compradas dos Tiglat não constava o
imprescindível punhado de fósforos, aquelas compridas lascas
previamente embebidas em enxofre e que eram ativadas ao choque
com o pedernal.
Discutimos. Procurei entre as sacolas. Negativo. Nem sinal dos
malditos fósforos.
O Mestre ouviu e, percebendo a natureza do conflito, foi até sua
tenda. Ao voltar pouco depois, depositava nas minhas mãos um
punhado de fósforos, e brincando disse:

- Bela dupla de anjinhos!
Instantes depois, graças ao meu irmão, é claro, um fogo cheiroso
dançava vermelho, alto e com vontade, chamando a atenção de uma
madrugadora e curiosa Vênus.
A partir desse momento dada minha declarada inutilidade eu
me limitei a vigiar e manter as chamas, assistindo, entre incrédulo e
animado, o vaivém dos esforçados e muito sérios cozinheiros.
Quem diria! Jesus de Nazaré cozinhando!
Primeiro ele estendeu uma ampla esteira de folha de palmeira
sobre a grama. Depois organizou as vasilhas e distribuiu
ingredientes e comidas.
Eliseu, atentíssimo, cumpriu as instruções do chef. Pegou meia
dúzia de belas maçãs sírias brancas e começou a ralá-las.
Sorri para mim mesmo. Nunca o havia visto tão concentrado, nem
mesmo nas operações de vôo do berço.
De repente, ao chegar ao coração da primeira fruta, ele parou. E
indeciso, perguntou:
- Senhor, que faço com o lebab?
(Em aramaico, a palavra lebab tinha duplo sentido: coração e
mente.)
Jesus, absorto e batendo um molho, respondeu sem levantar os
olhos da tigela de madeira:
- O que acontece? Está inquieta?
Compreendi. O mestre, distraído, interpretou o termo como
mente.
- Inquieta? Não, Senhor... É que não sei o que fazer com isso...
- Esquece as preocupações. Aproveita o momento...
- Mas...
- Compreendo... - resignou-se Jesus, agitando com força a mistura. -
Tens saudade dela. É bonita?
O engenheiro, perplexo, olhou para o coração que segurava entre
os dedos.

- Bonita?... Não, Senhor...
- Não é bonita continuou sem deixar de bater o molho. - Que
estranho! E qual é o problema? Por que te agitas todo?
- Senhor tentou esclarecer o cada vez mais confuso ajudante de
cozinha -, é uma tappuah...
Nova confusão. Tappuah (maçã) era utilizado também como
galanteio. Equivalia a doce, gostosa, desejável (referindo-se,
naturalmente, a uma mulher bonita).
- E como ficamos? É ou não é tappuah?
- Sim, mas...
Não pude me segurar e comecei a rir, alertando o ensimesmado
cozinheiro chefe.
Jesus levantou os olhos e Eliseu, mostrando-lhe o coração da
tapuah insistiu, vermelho como um pimentão:
- Eu não tenho namorada, Senhor. Estava falando do coração.
Ralo ou não?
Naturalmente, ao perceber o equívoco, as gargalhadas voltaram ao
mahaneh, contagiando as primeiras estrelas. E eu as vi piscar,
desconcertadas. Assim era aquele maravilhoso Homem...
O jantar foi rápido. Salada made in Maria, a das pombas.
Uma receita aprendida com a mãe. Desfrutamos e repetimos: maçãs
raladas, palitos de um legume parecido com o aipo, nozes, passas de
Corinto (sem sementes) e um leve e digestivo molho composto de
azeite, sal, mel, vinagre e uma regada de vinho. Depois, toucinho
magro na brasa e queijo em abundância.
O mínimo que eu pude fazer foi dar parabéns aos dois. E meu
irmão, satisfeito e mordaz, estendeu a mão, obrigando-me a beijá-la.
Mas o Nazareno, que não ficava atrás em matéria de humor, fez a
mesma coisa. Esse beijo, contudo, foi diferente.
Eu tremi da cabeça aos pés.
A noite nos pegou de surpresa. A temperatura caiu ligeiramente e o
firmamento, atento, com uma luz suntuosa, espargiu-se sobre o
Hermon, sabedor de quem estava iluminando e protegendo. Até o

cometa Haley, oportuníssimo, mostrou uma breve cabeleira pelo lado
oeste do pulsante Procyon...
Não, as estrelas não se enganavam. Aquela, de fato, seria uma
noite histórica. Inesquecível. Pelo menos para nós...
Ali, terminado o jantar, com o calor do fogo, com o rítmico e
incansável coaxar das rãs junto ao nahal Hermon, teria lugar a
primeira de uma série de conversas com o Filho do Homem.
Conversas íntimas. Sinceras. Reveladoras.
Praticamente todos os dias, com exceção da última semana, na
mesma hora, como uma coisa muito bem programada, o Mestre
falou, abrindo mentes e corações. E assim, suavemente, foi nos
preparando...
Não foi fácil. Mesmo com todas as anotações e notas, feitas
sempre depois das animadas conversas e no silêncio da tenda,
algumas de suas idéias e palavras muito provavelmente se perderam.
Mas o fundamental ficou. As chaves...
Entendo que devo ser honesto. Nem tudo o que Ele disse pode ser
relatado aqui e agora. O mundo não entenderia. Isso ficou
guardado no fundo do meu coração. Talvez, antes de minha morte já
próxima, me decida pôr tudo no papel com a esperança de que seja
lido pelas gerações futuras. Ele sabe.
E agora outra advertência. Embora eu tenha procurado reunir por
capítulo os assuntos de maior peso, as intensas conversas nem
sempre se prestaram a anotações. Como é lógico e natural,
daspendendo de circunstâncias, pulávamos de um tema a outro.
Não obstante, para clareza, procurei uma certa ordem, um fio
condutor.
Dito isto, vamos prosseguir.
O primeiro a falar foi Ele. Sério, de forma pausada, se interessou:
pela nossa viagem. Nunca soubemos com certeza a qual viagem ele
se referia.
Estava claro que conhecia nossa verdadeira origem, mas sempre
e muito mais na presença de outros ele se manteve numa discreta
nebulosa. No fundo nós lhe agradecemos.

Finalmente, como anotação final, mais uma vez nos enchendo de
otimismo e surpresa, ele repetiu aquilo que falou nas cascatas:
- Meus queridos anjos... Não desistais... Ânimo!... Nem vós
mesmos estais conscientes da transcendência de vosso trabalho...
Ergueu os olhos até as estrelas e, suspirando, acrescentou: - Meu
Pai sabe... Chegará o dia, graças a vós e a outro mensageiro, em
que minhas palavras e minha obra refrescarão a memória do mundo.
Obrigado por antecipação...
- Outro mensageiro?
Eliseu e eu fizemos a pergunta ao mesmo tempo.
O Mestre, sorridente, assentiu com a cabeça. Mas nos deixou no ar.
Hoje, quase com certeza, sei ao que ele se referia.
Melhor dizendo, a quem. Ele, à sua maneira, também estava ali...
na suave noite do Hermon.
- Senhor insistiu o engenheiro, que jamais esquecia -, respondenos
agora. Prometeste. O que perdeste nestas montanhas? Por que
dizes que vieste para recuperar o que é teu?
O Filho do Homem, consciente do que se dispunha a revelar,
meditou sobre as palavras. Pegou um dos ramos e brincou com o
pacífico fogo. Depois, grave, num tom que não admitia dúvida
alguma, assim se expressou:
- Filho meu, o que vou te comunicar não é de fácil compreensão
para a limitada e incompetente natureza humana.
Vós sois os mais pequenos do meu reino e entendo que tua mente
resista. Mas, em breve, quando chegar minha hora, compreenderás...
E desviando o olhar na direção deste atento explorador, insistiu:
- Então, só então, estareis em condições de entender. Agora, neste
momento, escutai e confiai...
Eliseu, impulsivo, o interrompeu:
- Confiamos, Senhor! Tu sabes disso!
Jesus lhe agradeceu. Sorriu e prosseguiu:
- De acordo com a vontade do meu Pai, chegou o momento de

estabelecer em mim mesmo a autêntica identidade do Filho do
Homem.
Minha verdadeira memória, voluntariamente eclipsada durante esta
encarnação, voltou a mim... E com ela, meu outro espírito.
Ficamos perplexos e confusos. E, de repente, uma luz me iluminou.
Achei que entendia o que Ele dizia. No fundo estava confirmando o
que explicara em outro agora e que foi detalhado em páginas
anteriores(5).
De novo sorriu e, olhando fixamente para mim, assentiu devagar,
convertendo-se em cúmplice das súbitas lembranças.
- Assim é, meu querido amigo, assim é...
E durante um longo tempo desceu aos detalhes, explicando o
porquê de sua presença neste mundo.
Pelo jeito segundo disse -, era essa a vontade de seu querido
Ab-bã, seu Pai Celestial. Ele, como Filho de Deus, devia viver,
conhecer e experimentar de perto a existência terrena de suas
próprias criaturas. Isso era o estabelecido.
Esse requisito era vital e imprescindível para alcançar a absoluta e
definitiva soberania como Criador de seu universo... Esse, em resumo,
era o preço para conseguir a definitiva entronização como rei de sua
própria criação.
Percebendo nossa perplexidade arrematou:
- Não vos atormenteis. Estais no princípio de uma longa travessia
em direção ao Pai. Por ora deve bastar-vos minha palavra.
- Então, se bem entendi atacou o engenheiro -, tu és um Deus...
camuflado.
O Mestre, apanhado de surpresa, riu com vontade. Não havia
dúvidas. As perguntas ingênuas e aparentemente infantis de Eliseu o
fascinavam:
- Um Deus escondido ... Sim, por enquanto...
Deu uma piscadela e acrescentou:
- E vos direi mais. Embora tampouco seja fácil de assimilar, de
acordo com os desígnios de Ab-bã, outro dos objetivos desta

experiência humana consiste em viver a fé e a confiança que eu
mesmo, como Criador, solicito de meus filhos com respeito a esse
magnífico Pai.
E sublinhou com ênfase:
*5. O major faz alusões a estes temas em seu diário (Operação Cavalo de Tróia 3 e 4,
305 e ss. E 271 e ss., respectivamente). (N. Do a.)
- Viver a fé e a confiança...
- Mas, não entendo... Por acaso não tens fé? De novo Ele dobrou-se
às risadas e, quando conseguiu se recompor, esclareceu:
- Meu querido anjo... eu sou a fé. Mas, ainda assim, convém provar
isso...
- Uma experiência... - murmurou quase que para si próprio o cada
vez mais desconcertado Eliseu. - Tua encarnação neste planeta
obedece a isso, à necessidade de experimentar.
- É o plano divino. Só assim posso chegar a ser realmente e
intimamente misericordioso.
Meu irmão procurou minha opinião.
- E tu, ajudante de anjo, que dizes? Isto é novo para mim.
Isto nada tem a ver com aquilo que se tem dito...
Jesus, sorrindo com malícia, esperou minha resposta.
- A julgar pelo que vi e ouvi resumi -, muito pouco daquilo que foi
dito e escrito tem a ver com a verdade...
E me atrevi a ir fundo no que eu já sabia: - Se bem entendi, tu,
Senhor, não estás aqui para redimir ninguém...
Simplesmente, negou com a cabeça. E afirmou: - Em seu devido
momento escutaste isso do próprio Filho glorificado: O Pai não é um
juiz. O Pai não contabiliza essas coisas. Por que exigir
responsabilidades de criaturas que não têm culpa? Cada um
responde por seus próprios erros...
Eliseu mostrou estar de acordo.
- Isso sim faz sentido.

E Jesus, nos apontando com o dedo, arrematou: - Estai, pois,
atentos e cumpri vossa missão: deveis ser fiéis mensageiros de tudo
que digo. Que o mundo, vosso mundo, não se confunda.
Mensagem recebida.
- Conhecer de perto tuas criaturas. Viver e experimentar na carne.
Mas, Mestre, que podes aprender de nós? Meu companheiro,
perplexo, continuou perguntando e se perguntando.
- O que pode haver de bom em seres tão mesquinhos, brutais,
ignorantes, primitivos...?
O Galileu o interrompeu:
- Deus!
- Deus?
- Assim é explicou Jesus acariciando cada palavra. - Essa é outra
das razões, a maior razão pela qual desci até vós.
Revelar Ab-bã. Lembrar a estas e a todas as criaturas do meu reino
que o Pai reside, pes-so-almen-te, em cada espírito.
Naquele momento, Eliseu não percebeu a importância da
revolucionária afirmação do Galileu. E desviou-se:
- Outras criaturas?
Jesus, compreendendo, resignou-se. Sorriu benevolente e de novo
assentiu com a cabeça num significativo silêncio.
- Mas como outras criaturas? Onde?
- Querido e impulsivo menino... Acabo de te dizer: estás no começo
de uma venturosa caminhada em direção ao Pai. Algum dia o verás
com teus próprios olhos. A criação é vida. Não reduzas o Pai às curtas
fronteiras da tua percepção. E te direi mais: a generosidade de Abbã
é tão incomensurável que nunca, nunca, chegarás a conhecer seus
limites.
- Estás dizendo manifestou o engenheiro incrédulo que aí fora
tem vida inteligente?
- Olha para mim. Me consideras inteligente? Eliseu, aturdido,
balbuciou um sim.

- Pois eu, filho meu, procedo de aí fora, como tu dizes.
Eliseu, fora de prumo, caiu num profundo mutismo. Ele, como eu,
amava Jesus de Nazaré. Havíamos visto o suficiente para não pôr em
dúvida suas palavras. O tempo, é claro, continuaria ratificando essa
convicção.
Aproveitei o silêncio do meu companheiro e me concentrei em outra
das insinuações do Mestre.
- Teu reino... Onde está? No que consiste? Jesus estendeu os
braços. Abriu as palmas das mãos e me olhou feliz.
- Aqui mesmo.
Depois, levantando o rosto até a congestionada e provocante Via
Láctea, acrescentou:
- Lá mesmo.
- O universo é teu reino?
- Não, querido Jasão ponderou com aquela infinita paciência -, os
universos têm seus próprios criadores. O meu é um deles...
- Tem graça isso reagiu o engenheiro. - Tu, Senhor, não és o único
Deus...
- Te repito uma vez mais: a pequena chama de teu entendimento
acaba de ser acendida. Não pretendas iluminar com ela a totalidade
do criado. Dá-te tempo, querido anjo...
Contudo, Eliseu, de idéias fixas, comentou quase para si próprio:
- Muitos Deuses!... E tu, és grande ou pequeno? O Mestre e eu
trocamos um olhar. E, sem poder nos conter, acabamos na risada.
- Nos reinos do meu Pai, querido ajudante, não há grandes nem
pequenos... O amor não distingue. Não mede.
- Senhor, tem uma coisa que eu não sei...
- Enfim! - interrompeu-me maroto. - Enfim alguém reconhece que não
sabe!
- Essas criaturas, aquelas que dizes que também formam teu reino,
são como nós? Precisam também ser lembradas por ti de quem é o
Pai?

- Toda a criação vive para alcançar e conhecer Ab-bã. Essa é a
única, a sublime, a grande meta... Alguns, como vós, estão ainda no
princípio do princípio. Eles, não duvideis, estão atentos a este
pequeno e perdido mundo. O que aqui está a ponto de acontecer os
encherá de orgulho e esperança.
Estranhas e misteriosas palavras.
- E por que nós? - atacou de novo o incansável engenheiro. - Por
que escolheste este remoto planeta?
- Isso obedece aos desígnios do Pai... e aos meus, como Criador.
No devido momento eu te falarei das desditas deste agitado e
confuso mundo. Nada, na criação é fruto do acaso ou da
improvisação...
Lamentavelmente, meu irmão voltou a interrompê-lo, cortando o
que, sem dúvida, podia ter sido uma revelação. Mas este que aqui
escreve não se esqueceu disso.
- Então, Senhor, tu andas por teu reino, por teu universo, revelando
o Pai... Esse é o teu trabalho?
A capacidade de assombro daquele Homem não parecia ter limites.
Abriu os luminosos olhos e, comovido, respondeu:
- Sim e não... Entrar e fazer parte da vida de minhas criaturas, como
eu te disse, é uma exigência para todo Filho Criador. Antes desta
encarnação, por exemplo, fui anjo. E também me submeti
voluntariamente à natureza de outros seres a meu serviço. Outros
seres que tu, agora, sequer imaginarias...
- Tu foste um anjo? Mas, como?
- Filho meu, podes explicar aos homens deste tempo de onde vens
e como o fazes?
Eliseu negou com a cabeça.
- Muito bem, deixa que o conhecimento e a revelação cheguem no
seu devido tempo. Desfruta da maravilhosa aventura da ascensão ao
Pai. Nada ficará oculto... mas tem fé. Aguarda confiante.
E Jesus colocou o dedo na ferida.
- Dizei-me, acreditais no que digo?

Desta vez eu me juntei à contundente afirmação de Eliseu: -
Absolutamente, Senhor...
- Então, deixai-me fazer. Meu Pai sabe. Não esqueçais disso...
- Agora eu entendo sussurrou o ajudante -, agora eu entendo.
Apontou as neves do Hermon, a essa altura já sem contornos, e
proclamou triunfante:
- Chegou a tua hora. O Criador recuperou o que é seu. Agora sab
quem é. Aqui e agora se fez o milagre. Jesus de Nazaré, o homem,
está consciente, enfim, de sua verdadeira natureza divina...
- Filho meu, és afortunado. É meu Pai quem fala por ti.
As chamas oscilaram, tão eletrizadas como nossos corações.
Meu irmão não sei como resumiu tudo com perfeição. E nós,
pela generosidade do céu, fomos testemunhas. Testemunhas
privilegiadas da grande mudança.
Embora eu acredite já ter mencionado, será bom lembrar de novo,
Naquele mês, justamente agosto do ano 25, na montanha santa, o
Filho do Homem, arrastado pelo Destino, acordou.
Minhas suspeitas se viram assim confirmadas. Jesus de Nazaré
nasceu e viveu como um ser humano normal e comum. Durante anos
- como reconheceria naquelas conversas noturnas ele não soube
quem era na realidade. Ele mesmo, antes de sua encarnação, se
impôs esta condição. Só assim, com essa generosa renúncia, foi
possível viver, sofrer e experimentar, de forma definitiva, a natureza
humana. Foram anos turbulentos. Alguma coisa férrea e invisível o
impelia em direção ao Pai Azul. Mas, quem era Ele?
Por que obedecia a esse irrefreável puxão? Por que seu coração
se empenhava em falar às gentes sobre seu Pai Celestial E a luta
uma batalha ignorada igualmente pelos escritores sagrados () -
prolongou-se, feroz, até esse mês de elul quando o Mestre estava a
ponto de completar 31 anos de idade...
Santo Deus!
Este achado, revalidado depois pelos inumeráveis prodígios, me
manteve acordado durante muitas noites.

Estávamos na presença de um Deus! Contudo, por mais que eu o
observasse e estudasse, não era capaz de distinguir a fronteira entre
o puramente humano e o divino. Adianto isso e confesso
humildemente: foi um inistério. Cientificamente não disponho de
explicação alguma. Mas assim foi.
Um Deus homem!
Melhor dizendo, um Deus em busca do homem...
Um Deus menino!
Melhor dizendo, um Deus anulado. Imolado durante anos na
espessa e incompetente natureza humana. A mais baixa da criação...
Um Deus indefeso! Melhor dizendo, um Deus desamparado...
voluntariamente. Enigmas demais para este pobre e inútil
explorador.
Outro dado mais, que ouvi de seus próprios lábios: justamente
naqueles dias, durante a permanência no Hermon, uma vez assumida
a genuína natureza divina, o Mestre poderia ter abandonado o
mundo de sua encarnação.
Ao levantar a insólita e desconhecida possibilidade, Eliseu, pasmo,
perguntou.
- O que dizes? Falas sério?
Naturalmente. Apesar de suas constantes brincadeiras, o Mestre
sempre falava sério.
- Meu trabalho afirmou fora realizado. Cumpri a vontade do Pai.
Agora conheço o homem. Se tivesse voltado ao meu lugar, teria
recuperado a soberania que me pertence. Mas...
Fez uma pausa. Olhou-nos com ternura e acrescentou: - Mas eu me
submetera ao Pai...
Eliseu, impaciente, cortou.
- E o que disse o Chefe? O Galileu, desarmado, interrompeu o
que ia dizer. E, entre risadas, perguntou:
- O Chefe?
- Sim apertou o engenheiro apontando ao não menos atônito

firmamento -, o Barbudo...
- O Barbudo?
- O Pai. Tu me entendes, Senhor... Eu, imagino o Pai assim... com
barba.
- E por que com barba?
- Se é o que dizes, Senhor, tem que ser muito velho...
Jesus, maravilhosamente desconcertado, sorriu de leve. Foi um
sorriso fugaz, mas pleno de amor e satisfação.
- Vou te dizer uma coisa. Pouco importa se estás certo ou errado.
Meu Pai fica encantado com esses retratos.
- Muito bem, e o que Ele disse?
- Que amanhã será outro dia..., querido ajudante.
- Mas...
Nisso concluiu a conversa. Jesus, dando-lhe uma piscadela, ficou em
pé.
- O Barbudo diz que é hora de descansar. Para falar dele
precisamos de tempo. Muito tempo...
PRIMEIRA SEMANA NO HERMON
Desilusão?
Sim, em parte...
Na manhã seguinte, quando acordei, o Mestre não se encontrava
no mahaneh. Na frente da tenda, ele havia colocado uma das tigelas
de madeira. Dentro, uns garranchos feitos com tição, diziam:
Estou com o Barbudo. Voltarei ao entardecer. Logo nos
acostumaríamos. Melhor dizendo, nos resignaríamos. A verdade é
que, uma vez o tendo conhecido, era difícil viver sem sua companhia.
Mas, repito, não tivemos escolha. Devíamos respeitá-lo e respeitar
suas ausências. E assim aconteceu ao longo daquelas quatro

inesquecíveis semanas no Hermon. A maior parte das vezes ele
desaparecia do acampamento ao amanhecer.
Comia alguma coisa e, feliz, pegava o caminho que atravessava os
bosques de cedros, rumo à neve. Pouco antes do pôr-do-sol, nós o
víamos voltar e, sempre, sempre parecia alegre, renovado, quase
transfigurado. Explicação? Ab-bã.
Segundo Ele, esse tempo de íntima comunhão com o Pai era
essencial.
Em várias ocasiões, obedecendo a seus desejos, tivemos
oportunidade de acompanhá-lo. E, como irei contando, descobrimos
algumas facetas novas daquele Homem incrível.
O prolongado descanso por que negar isso? - foi providencial.
Não só nos encheu de força e otimismo vitais para os intensos
dias que nos esperavam como, acima de tudo, nos permitiu
aprofundar no pensamento e nos objetivos do Filho do Homem. E, por
tabela, nossos olhos se abriram, dissipando dúvidas e pontos
obscuros.
Hoje, à distância, agradecido e maravilhado, agradeço.
Aquela aventura modificou nossas vidas, dando-lhes sentido.
Quanto aprendemos!
Não posso pensar em outra coisa: tudo foi delicada e
magistralmente programado.
Quanto ao dia-a-dia destes entusiasmados exploradores, foi
simples e espartano.
Quem aqui escreve ocupava-se em repassar as anotações. Junto
com meu irmão cuidávamos dos afazeres domésticos, relaxávamos na
piscina ou caminhando pelos arredores, sempre surpreendidos pela
magnífica natureza. E cada dia, com o pôr-do-sol, o instante
culminante: a volta de Jesus de Nazaré.
Depois, terminada a janta, as ansiadas conversas...
Aquela terça-feira, contudo, 21 de agosto, seria diferente.
Vejamos por quê.
Lembro que, depois de nos lavarmos e esfregar as panelas na

piscina de gesso, ao entrar de novo na tenda e me dispor a
escrever, alguma coisa chamou minha atenção. Revisei anotações e
memória e, de fato, percebi...
Procurei Eliseu e, aturdido e alvoroçado, anunciei: - Sabe que dia é
hoje?
O engenheiro, brincalhão, respondeu:
- De que tempo? Do nosso ou do atual?
Eu lhe mostrei um dos pergaminhos e ele leu: - Vinte e um de
agosto... E daí?
- Você não lembra? Hoje é aniversário dEle.
- Hoje?
O rosto do meu amigo se iluminou.
- O aniversário dEle... E faz...
- Acho que trinta e um... Alguma idéia?
Ficou pensativo. Depois, continuando com a faxina do lar, disse um
lacônico pode ser....
Não consegui tirar dele nenhuma palavra mais. E, dando de ombros
voltei às minhas ocupações. Para falar a verdade, não fiquei
tranquilo. Conhecia Eliseu e sabia que sua quentíssima imaginação
não descansaria...
Logo depois, contudo, estas reflexões foram subitamente
interrompidas.
Ali estava outra vez.
Saí intrigado. Meu irmão, em pé, com as mãos sobre os olhos, à
guisa de viseira, explorava o lado oriental da meseta. Mas o sol,
frontal e rasante, não nos deixava ver com clareza.
- Está ouvindo? - perguntou o engenheiro baixinho. - Isto é coisa de
louco...
Concordei.
Eram disparos! Autênticas rajadas!
E o eco brincou nos cumes, assustando os inquilinos do cedro
gigante. Não havia dúvida. Aquilo era real.

Peguei a vara de Moisés e, decidido a esclarecer a irritante
incógnita, fui em direção às cascatas. Eliseu, atrás de mim,
continuou a cantilena.
- Jasão, estamos tendo alucinações...
Na última fila de cedros, paramos. E, escondidos, fomos descobrir a
origem do incrível matracar?
Matracar?
Sim e, além disso, tossidas, assobios, roncos e um agudo e não
menos desconcertante ruído. Alguma coisa assim como he-he-he...
Eliseu e eu nos olhamos. Pouco faltou para que eu lhe desse com a
vara na cabeça...
- Alucinações...? Você é que está louco!
- Mas o que é isso?
Eu não soube responder. A verdade é que nunca tinha visto aquilo.
Mais tarde, ao voltar ao Ravid e consultar Papai Noel, recebemos
informação precisa. Os responsáveis pelos disparos, assobios, etc.,
eram na realidade uma pacífica tribo de damãos das rochas(1),
assentada nos penhascos que emergiam na piscina e entre os
córregos d'água.
*1. O damão das rochas hoje conhecido como daman do Cabo pertence à família
dos procávidos e à ordem dos hiracóideos.
Três espécies são arborícolas e as duas restantes, estépicos.
Trata-se de mamíferos de dimensões parecidas às do gato, de cabeça grande, sem
pescoço perceptível, olhos e orelhas pequenos, boca fendida, patas curtas e sem rabo.
Podem pesar entre três e quatro quilos, alcançando meio metro de comprimento no caso
dos adultos. Dispõem de incisivos superiores enormes e os testículos, como no caso do
elefante, permanecem sempre ocultos. (N. Do m.)
Simpáticos e muito sociáveis animaizinhos, relativamente parecidos
com as lebres e coelhos, com um rosto quase humano, em contínuo
exercício sobre as pedras. Alguma coisa assim como bolas de pêlos,
marrons, negras e cor de laranja, agilíssimas, quase à margem da lei
da gravidade. Em outras ocasiões, ao cruzarmos as montanhas de
Neftali, ao oeste do Hule, voltamos a encontrá-los nas margens do

nahal Kedesh, entre as pedras de gesso cenozóico. Os judeus os
chamavam tafna, em aramaico, ou safàn, em hebraico, por seu
costume de viver quase ocultos (safirn: estar escondidos)(2). Para
dizer a verdade, passamos muitos bons momentos observando-os.
Jesus era o primeiro. E ali, diante de quarenta ou cinqüenta damãos,
fomos descobrir outro costume peculiar do Mestre. Levado por seu
inesgotável sentido de humor terminava sempre dando apelidos às
coisas, animais ou pessoas. Assim, por exemplo, dependendo dos
traços ou atitudes, alguns dos tafna foram batizados por Jesus
como malkn (rei), behilu (pressa), haso (escuridão) ou emir
(perfeito), entre outros.
Quanto à explicação dos intensos tiroteios, ao olhar para o alto,
entendemos tudo. Uma ave de rapina possivelmente a mesma
águia perdizeira do dia anterior planava de novo sobre a família.
Estava no alto, a uns quinhentos metros, e, contudo, foi rapidamente
detectada pelos damãos vigias. A visão de nossos vizinhos era
portentosa. E no mesmo instante soou o alarme, em forma de gritos
curtos, secos e estridentes, idênticos a disparos. Alguns dos machos
uniram-se apressados aos sentinelas e, levantando-se sobre as
patas traseiras -, procuraram a silhueta da águia, acompanhando as
rajadas com assobios, ronquinhos e aquele inconfundível e
desconcertante he-he he. As fêmeas, com a numerosa prole,
desapareceram de imediato nas fissuras entre as pedras. E ali
ficaram os inquietos e desconfiados tafna de olho nas evoluções da
perdizeira.
*2. Durante séculos, osjudeus associaram o nome safan ao coelho e à lebre,
confundindo os damãos com aqueles. O erro, parece, deveu-se aos navegantes fenícios,
que, ao desembarcar na atual Espanha, ficaram assombrados com a abundância de
coelhos. Chamaram o dito país I-ha-sefanim (terra de damãos). Daí nasceria
Hispania. Como se sabe, nos tempos de Jesus, o coelho não existia na Palestina. (N.
Do m.)
Minutos depois, quando o tiroteio se intensificou. E imediatamente,
a colônia inteira sumiu. A águia, frustrada, dirigiu-se então ao
bosquezinho de carvalhos, procurando um almoço menos esquivo. A
enorme e silenciosa sombra varreu a ramagem e uma desorganizada
esquadrilha de pássaros de todo tipo ferreirinhos de Orfeu, de

Upcher, pássaros-torcicolos com traje de camuflagem, calhandras de
peito negro, pombos vermelhos, gorriões-chorões de rabo branco,
roqueiros de pescoços azuis e carpinteiros sírios uniformizados de
branco e preto empreendeu uma escandalosa e desabalada fuga
em direção ao cedro gigante e bosques próximos. A perdizeira não
perdeu um segundo. E num requebro impecável apanhou, em pleno
ar, uma das calhandras laponas, atravessando-a com as afiadas
garras. A vítima só teve tempo de emitir um gritinho, parecido ao
tilintar de um sino. Segundos depois, quando a águia se afastou, o
lugar recuperou seu aspecto habitual. E os damãos timidamente,
ocuparam posições, desfrutando o sol e suas contínuas brincadeiras.
O dia, lenta e aprazivelmente, foi se extinguindo.
Olhos e corações continuaram fixos na muralha de cedros que nos
isolava e protegia. O Mestre não devia demorar...
Por volta da décima (quatro horas), pontual, Jesus de Nazaré
rompeu no acampamento. Nós o escutamos no meio da mata cerrada
quando atravessava as últimas fileiras de cedros.
Vinha cantando. E cantava alto.
Eu Te agradeço, Pai meu, de todo coração... Cantarei tuas
maravilhas...
A princípio não tive certeza. Parecia um salmo.
Ao reunir-se com estes boquiabertos exploradores, soltou a panela
que trazia e, sorrindo, levantou braços e rosto ao azul do céu, rematando
o canto com voz grave e equilibrada: Escuta minha lei, povo
meu, dá teu ouvido às palavras de minha música... Vou abri-la em
parábolas... Desta vez o identifiquei. Salmo 78. Eliseu, curioso,
acercou-se do recipiente de ferro.
- Neve!
De fato, o Mestre, aproveitara a visita ao cume para recolher o
imaculado e sempre gratificante carregamento. Esta noite, sobretudo,
isso seria particularmente útil.
- Presente do Chefe interveio o Galileu, referindo-se à neve. Hoje,
queridos anjos, é um dia assinalado...
Meu irmão e eu nos olhamos, e acreditamos ter captado o sentido

das enigmáticas palavras. Então, desolado, fiz um sinal ao
engenheiro. E este, compreendendo, respondeu com um rápido
sorriso e uma piscadela.
Eu devia ter imaginado que Eliseu maquinava alguma coisa.
Naturalmente, não havia esquecido o aniversário do Rabi.
- O que andais tramando?
Meu companheiro, pego em flagrante, escorregou como pôde.
- Nada, Senhor, coisas de anjos...
O Mestre, alegre, indicou a direção das cascatas, animando-nos a
segui-lo. Era a hora do banho.
Uma hora depois, o imprevisível Jesus voltou a nos surpreender.
Nessa ocasião, contudo, o fato nos encheu de vergonha.
Tinha sido uma falha, sim. Mas aprendemos a lição.
Quando nos vestíamos, dispondo-nos a voltar ao mahaneh, o
Galileu sempre discreto e delicado, pediu que eu fosse na frente.
Entendi. Por alguma razão, queria falar a sós com meu companheiro.
Minutos depois, enquanto eu mexia no fogo, avivando-o, eu os vi
aparecer na esplanada. Caminhavam devagar. Ao chegar à altura do
dólmen, pararam. Só o Mestre falava. Eliseu, de cabeça baixa, se
limitava a escutar, assentindo uma vez ou outra.
Intuí alguma coisa. A atitude do meu irmão não era normal. O que
acontecia ali?
Por último, Jesus o abraçou.
Avançaram e, ao reunir-se com este intrigado explorador, cada um
foi para suas respectivas tendas. Eliseu nem olhou para mim. Estava
pálido. Pouco faltou para que eu fosse atrás dele, mas me contive. O
assunto, evidentemente, não era da minha conta. Ou era?
- Que diabos acontecia?
Logo depois, Eliseu voltou. Trazia uma tigela nas mãos. Eu a
reconheci no ato. Era a tigela de madeira na qual o Rabi havia
escrito a breve mensagem:
Estou com o Barbudo. Volto ao amanhecer. Eu continuei em

péssimo estado.
A verdade é que, depois da leitura do aviso, não prestei maior
atenção à tal tigela. Simplesmente, a perdi de vista. E um súbito
pensamento me desconcertou ainda mais: Por que Eliseu a guardou
em nossa tenda?
O engenheiro continuou mudo, evitando meu olhar. Eu o notei
abatido. Desmoralizado. E fiquei assustado. Alguma coisa grave, sem
dúvida, tinha acabado de acontecer.
Jesus ficou na frente do fogão. Apresentava um rosto sereno e
relaxado, como se nada tivesse acontecido. Aquela atitude,
francamente, acabou me confundindo de vez. Eu não entendia mais
nada...
Em seguida, entregando-lhe a tigelinha de sopa, Eliseu, com a voz
quebrada, desculpou-se:
- Te peço perdão, Senhor. Isso não se repetirá...
O Mestre pegou a tigela e, aludindo à inscrição interna, amenizou
o assunto, tratando de animar o decaído engenheiro.
- Compreende, meu queridíssimo filho. Vós tendes umas normas.
Meu Pai e eu, outras...
Então, aproximando-se do rapaz, pousou as mãos sobre seus
ombros e, sacudindo-o carinhosamente, gritou:
- Acorda! Não é tão importante assim!
Eliseu, levantando-se com dificuldade, mexeu a cabeça
afirmativamente e respondeu com um arremedo de sorriso.
- Assim é melhor... E agora escuta. Escutai os dois...
Pegou os patos. Sentou-se diante da fogueira e, entregando um
deles ao meu companheiro, sugeriu-lhe que o depenasse. Ele se pôs
a fazer o mesmo com o seu pato. E, enquanto limpava a ave, acabou
nos revelando a coisa de especial interesse, que iluminou a mente
deste confuso e confundido explorador. Uma coisa que tampouco
figura nos Evangelhos que, não obstante, repito, esclarecia várias e
importantes incógnitas relacionadas com a encarnação do Filho do
Homem.

Incógnitas que, se tivessem sido resolvidas pelos escritores
sagrados (?), teriam evitado muita confusão e infinitos rios de
tinta...
Segundo suas palavras, de acordo com os planos divinos, o fato
físico de sua experiência humana se achava limitado por uma série
de condições, absolutamente invioláveis. Essas proibições -
autoimpostas pelo próprio Jesus de Nazaré durante sua permanência
no Hermon acabavam sendo de enorme bom senso.
Em primeiro lugar, o Homem-Deus não deveria deixar nada escrito.
Escritos bem entendido de seu próprio punho. De nenhum tipo.
Tinha razão. Se o Mestre tivesse posto no papel sua doutrina e
filosofia, os seguidores, muito provavelmente, teriam convertido
semelhante tesouro em artigo de veneração e, o que podia ser
ainda mais lamentável, em motivo de permanentes disputas e
interpretações de todo tipo.
Nesse instante, fez-se a luz. Olhei para meu irmão e,
envergonhado, baixei os olhos. Compreendi e, de certo modo, o
justifiquei. Fora uma travessura. Um impulso infantil. Eliseu passando
por cima das rígidas normas do Cavalo de Tróia, escondera a tigela
de madeira, desejoso de conservar a pequena-grande mensagem,
com a letra do Mestre. Afinal, ele era o inventor do qualificativo (o
Barbudo) que tanto agradara ao Mestre. Quanto à maneira como
Ele descobrira tudo, depois do que eu havia visto, nem quis
averiguar.
Anotei bem. Eliseu não era o único tentado a fazer uma coisa
assim.
Em segundo lugar movido por esse mesmo bom senso -, o Filho do
Homem tomaria outra decisão não menos importante: sua imagem,
sua figura não poderia ser desenhada por mãos humanas.
Curioso! Quando alguns, ao longo de sua vida pública, tentaram
retratá-lo Ele sempre foi contra, provocando o desconcerto de
íntimos e estranhos: Na minha opinião, isso também tinha sua lógica.
No fundo, essas pinturas só teriam causado problemas. Em particular,
de índole idólatra.
.. Não poderia ser desenhada por mãos humanas. Ao pronunciar

esta frase, Jesus de Nazaré interrompeu a limpeza do pato.
Traspassou-me com aqueles olhos rasgados, incisivos e limpos como
a atmosfera do Hermon e, dando uma piscadela de cumplicidade,
prosseguiu.
Meu coração disparou. Entendi perfeitamente. Sua imagem, sim,
ficaria neste mundo, mas confeccionada por outras mãos.
Como ele dizia com freqüência, quem tiver ouvidos... A terceira
autolimitação de maior peso, se assim podemos dizer nos deixou
perplexos. Alguma vez pensei nisso mas, francamente, não imaginei a
que obedecia seu firme e decidido celibato. Muito bem de acordo
ainda com suas palavras -, a decisão de não se casar e não deixar
descendência fazia parte também da rígida norma (?) divina. Isso
disse era o conselho de seu Pai. E como Criador ele não podia
infringir a lei. Uma lei, obviamente, que fugia à nossa compreensão.
Mas aceitávamos isso. Não havia, pois, razões obscuras, nem muito
menos religiosas, em tal atitude. Simplesmente isso era o disposto
antes até de sua encarnação. Essa era a ordem estabelecida pelo
Alto. E não lhe faltava razão. Se um escrito de seu punho e letra, ou
então um desenho daquele belo rosto teriam provocado autênticas
comoções no futuro, o que se supõe que teria acontecido com filhos,
netos, etc., do Filho do Deus?
Claro que não deixei passar essa excelente ocasião e perguntei:
- Senhor, isso significa que preferes o celibato ao casamento?
Jesus, lendo meu coração, apressou-se a me corrigir.
- Sabes que eu não disse isso. E sei igualmente por que perguntas
isso. Pois anota bem: o casamento é tão digno quanto a decisão de
permanecer solteiro. No reino do meu Pai não existem casamentos
assim como vós os entendeis. Mas isso agora não tem importância.
Aqui, na fraternidade humana, tanto um como outro têm seu papel e
justificação. Mas, cuidado, meu querido mensageiro, transmite bem
has palavras... Nenhum solteiro deverá se considerar superior nem
muito menos capacitado na hora de pregar ou praticar minha
mensagem.
E acrescentou direto e contundente:
.. Procurar o Barbudo e fazer sua vontade não depende da

categoria social, de riquezas e, muito menos, do estado civil.
E te direi mais: nem sequer está sujeito à inteligência... O grande
segredo da existência humana, descobrir o Chefe, só pode ser
desvelado com a vontade. Se desejas, só se o desejas, encontrarás o
Pai e terás triunfado na vida.
O Mestre então, furando o pato com um pedaço de pau, colocou-o
no fogo,flambando-o e purificando-o. E assim ficou alguns instantes,
com o olhar fixo nas chamas. Depois, como se acordasse, proclamou
solene:
- Queridos filhos... Vedes as línguas de fogo? Pois isso, de certo
modo, é o trabalho que espera o Filho do Homem...
Eliseu, refeito, o interrompeu, alegrando o coração do Mestre
para não dizer o deste explorador. Ambos, acredito, sentíamos falta
de suas brincadeiras.
- Bombeiro! Pensas exercer como a militia vigilum? Espantado, Jesus
começou a rir. E quase queimou o pato. Meu irmão, ao usar a
expressão latina, referia-se ao corpo de bombeiros de Roma,
fundado por Augusto no ano 22 antes de Cristo, comandado desde 6
d.C. Por um praefectum vigilum, e que ficaria famoso em todo o
império.
Quando me pus a rir também, junto com o Galileu, meu
companheiro nos observou perplexo. Finalmente, feliz, intuindo que
as risadas eram muito mais que uma conseqüência de suas palavras,
espontâneo como sempre, soltou a ave e foi se ajoelhar diante do
alegre Mestre. Sorriu e, sem aviso prévio, abraçou-se a Ele. E assim
ficou vários minutos.
Comovido, Jesus de Nazaré fez um esforço. Muito leve, é verdade, e
um par de lágrimas acabou por traí-lo. E elas desceram soltas pelo
rosto.
- O pato, Senhor!
Meu grito alertou o Mestre. De fato a pobre ave ardia por todos os
lados.
- Será possível?...
O Galileu, desconcertado, tentou apagar as chamas. E conseguiu,

claro. Mas o coitado do pato, negro e esfumaçado, estava nas
últimas.
- Será possível? - Repetiu Jesus contemplando o jantar carbonizado.
- Meus Deus, como posso ser tão atrapalhado? Eliseu,
desconsolado, pediu desculpas.
- Perdão, Senhor, perdão!
O Mestre caiu de novo na gargalhada e exigiu: - Não, por favor,
chega de perdão... Agora só nos resta um pato!
Assim era aquele maravilhoso Homem...
Quando os ânimos se acalmaram, o Rabi, absolutamente perdido,
perguntou:
- Onde eu estava?
Eu quis responder, mas o riso, incontrolável, me pegou de novo.
Eliseu então, muito sério, tratou de socorrer Jesus, esclarecendo:
- Falavas dos bombeiros...
Impossível. As gargalhadas, outra vez, tomaram conta do mahaneh,
chegando bem claras até um Hermon igualmente avermelhado.
- Queridos filhos respirou por fim o Mestre -, sabeis o que há de
mais belo e reconfortante no riso? Eliseu contemplou o pobre pato,
mas, prudente, ficou em silêncio.
.. O que há de mais atraente no senso de humor continuou o
Mestre é que só é praticado por gente segura e confiante.
E dirigindo-se ao engenheiro arrematou:
- Não mudes nunca, meu querido anjo... destroça-patos...
Era inútil. O Filho do Homem, quando se propunha, era pior que
Eliseu.
Não foi fácil segurar o novo ataque de risadas. E desde aquela
tarde, meu irmão receberia o apelido de destroça-patos.
Naturalmente, soube absorver a brincadeira do Galileu e aceitou o
apelido com espírito esportivo.
- Sabeis que o humor revelou Jesus -, é uma invenção do Pai?
- Quer dizer então proclamou Eliseu com os olhos bem abertos -,

que o Chefe ri...
- Sobretudo quando o homem pensa...
- Senhor entrei eu na conversa -, porque dizes que teu trabalho é
semelhante ao trabalho das línguas de fogo? O Mestre agradeceu a
menção do assunto. De novo ficou sério e disse:
- O Filho do Homem também veio para curar a memória humana.
Agora, não por vossa culpa, ela está doente. Dominada pela
escuridão. Sujeita ao erro e ao desespero. Eu sou o fogo que
clarifica. Eu vos trago a esperança. Eu vos anuncio que, apesar das
aparências, tudo está por estrear. Deus, o Pai, está por fazer
estréia. Fez uma pausa e, apontando o perfil escarlate dos
bosques, nos deixou novamente em suspense:
- E falando de estrear... o que tem para jantar Hoje, queridos anjos,
como eu vos disse, é um dia especial...
Ataquemos... O pato é nosso! Depois continuaremos com o
Barbudo.
Pato assado. O Mestre esmerou-se.
Com o apoio do ressuscitado ajudante deixou no ponto um
suculento molho à base de cebola ralada, alho esmagado, duas ou
três pitadas de gengibre, muita pimenta, sal e azeite. E sem parar de
cantarolar, pincelou o pato por dentro e por fora, dourando-o
devagar.
Foi uma glória aquele jantar.
Depois, fruta picada, ligeiramente regada com arac e vinho gelado,
cuidadosamente enterrado na neve do Hermon.
No final, um brinde. O Mestre levantou a humilde taça de madeira.
Olhou de novo as estrelas e, descendo feliz aos nossos corações,
pronunciou uma de suas palavras favoritas:
- Lehaim!
- Lehaim! - fizemos o coro em uníssono.
- Pela vida! - repetiu com voz imperativa.
Suponho que era o momento esperado por Eliseu. Ele levantou-se
e, em silêncio, perdeu-se no interior da tenda.

Jesus, impassível, continuou com os olhos ancorados no tumultuado
firmamento. Vênus, Marte e Regulus, quase alinhados, brilharam com
mais força. Pareciam cúmplices. O Halley, agora mais ao noroeste,
também foi testemunha da seguinte, emocionante... e absurda cena.
Eliseu reapareceu. Plantou-se diante do Rabi e olhou para ele
sorridente. Tinha as mãos nas costas. Depois, procurando-me com os
olhos, intensificou o sorriso. Achei que tinha entendido. Mas afinal o
que ele escondia? Jesus o observou curioso. Desviou os olhos para os
lados deste que aqui escreve e interrogou-me sem palavras. Eu
encolhi os ombros.
A verdade é que estava por fora de tudo aquilo.
Finalmente, cerimonioso, o engenheiro foi mostrar-lhe o que tinha
ido buscar. E, ao entregar-lhe, exclamou devagar e solene:
- Felicidades! Um presente de outro mundo para o gordo de todos
os mundos...
O Mestre, perplexo, não soube o que dizer.
Meu irmão, sem querer, errara uma das palavras. Em lugar de
utilizar o aramaico mare (Senhor) pronunciou meri, que em hebraico
significa encebado ou gordo. E acabou arruinando a bem
estudada frase.
- Mare, eu o corrigi aturdido.
Mas o voluntarioso engenheiro, que, parece, havia ensaiado um
pouco, não percebeu o lapso e continuou.
- Sim, isso, meri... Um presente de outro mundo para o gordo de
todos os mundos...
O Mestre, entendendo a troca de letras, sorriu benevolente,
pegando o broto de oliveira. Mas, não podendo resistir à tentação,
voltou a usar aquele interminável senso de humor, respondendo:
- Obrigado, obrigado, minha querida rainha!.
Não consegui me controlar e cai na gargalhada.
Acompanhando o involuntário jogo de Eliseu, o Rabi alterara o
termo mal'áh, (anjo), trocando-o por mal... kah (rainha).
Meu irmão, contudo, feliz com o presente, não percebeu o duplo

sentido.
Jesus acabou se levantando e, depois de observar o broto
guardado com tanto zelo, colocou a mão direita sobre o ombro do
meu amigo, exclamando:
- Um presente de outro mundo para o Senhor de todos os mundos.
Não podias ter definido melhor...
E acrescentou agradecido:
- Vamos plantá-lo como símbolo de paz... A paz interior, a mais
difícil...
Em seguida entrou na tenda, guardando o broto que nos entregara
o general Curtiss. Quando ficamos sozinhos, dei-lhe os parabéns. Foi
uma idéia excelente. No fundo, o melhor dos destinos para a humilde
oliveira. Algum tempo depois, aproveitando uma especialíssima
circunstância, o Rabi cumpriria sua palavra, plantando o broto em
outro lugar não menos íntimo. E ali cresceu. E ali se encontra,
embora muito poucos conheçam sua mágica e verdadeira história.
Mas disso falarei em outro momento.
Aquela noite, verdadeiramente, seria histórica e inesquecível.
Também o Filho do Homem reservava uma surpresa.
Insinuou alguma coisa ao chegar ao acampamento, mas,
sinceramente, depois do incidente da tigela, o estrago do pato e a
entrega do presente, nós tínhamos nos esquecido por completo.
O Mestre aproximou-se das chamas. Nunca esquecerei sua
expressão. Ele nos fitou em silêncio. Estava sério, mas, de novo, os
olhos falaram. Foi um discurso breve e eloqüente.
Poucas vezes, até aquele instante, eu tinha sentido em seu olhar
tanto amor e compreensão. Foi como uma maré. Intensa.
Arrasadora. E nos invadiu, deixando nossos cabelos em pé.
Não mexemos um músculo. Alguma coisa estava para acontecer.
Eu sabia. Podia até apalpar aquilo...
Jesus pestanejou. Relaxou os corações com um amplo e longo
sorriso e, docemente, foi nos erguendo até as estrelas.
- Hoje, ao completar meus 31 anos nesta forma humana, vou pedir

ao Pai que os converta em meus primeiros discípulos... E quero fazêlo
solenemente... Como convém aos autênticos embaixadores e
mensageiros...
Levantou os braços e foi depositar as mãos sobre nossas cabeças.
Foi instantâneo. Não sei como descrever...
Uma espécie de fogo frio, uma chama gelada, percorreu meu corpo
em décimos de segundo. Aquela mão era e não era humana...
Guardou silêncio. Depois, com uma voz forte, prosseguiu: - Pai! Eles
são os primeiros! Protege-os! Guia-os! Dá-lhes tua benção!...
Então, intensificando a pressão das mãos, acrescentou solene e
vibrante:
- Eles, ao procurar-me, já te encontraram! Bendito sejas, Ab-bã, meu
querido papai!
De novo o silêncio.
O Mestre, retirando as mãos, nos atravessou com os olhos de lado
a lado. Aqueles olhos eram e não eram humanos...
- Meus queridos anjos... Bem-vindos! Bem-vindos à vida! Beme
vindos ao reino! E lembrai sempre: esta viagem ao Pai não tem
volta.
Em seguida, abraçou-nos um por um. Foi um abraço sólido.
Inquestionável. Prolongado. Um abraço que ratificou a inesperada e
cálida consagração.
Seus primeiros embaixadores! E por que não? Éramos observadores,
sim, mas observadores presos por um Deus. Que podíamos fazer?
Eu, pessoalmente, fiquei grato e feliz. Meu trabalho continuaria o
mesmo, analisando e avaliando. Ficaria sempre na sombra, a certa
distância, mas, no íntimo, compartilhando e aprendendo.
As normas da operação?
Sim, foram respeitadas. Palavras e fatos figuram neste diário com
escrupulosa objetividade. Quanto aos sentimentosigualmente
proibidos pelo Cavalo de Tróia -, continuaram seu curso inevitável:
simplesmente o amamos. E jamais me senti culpado por isso. Como
assinalou o engenheiro, à merda Curtiss e sua gente!

Jesus de Nazaré encheu de novo as taças e, entusiasmado, gritou:
- Pelo Barbudo!
- Pelo Ab-bã!
Jogou lenha ao fogo e, esfregando as mãos, sentou-se diante das
surpreendidas chamas. Ele as viu dançar. Crepitar. Depois entrou no
assunto. Em seu assunto favorito: o Pai.
E aqueles perplexos exploradores continuaram aprendendo.
- Onde estávamos?
Eliseu, se adiantando, refrescou-lhe a memória.
- Dizias que teu trabalho fora realizado. Dizias que agora conheces
o homem, que poderias voltar, se assim quisesses, e assumir a
soberania de teu universo...
Jesus assentiu com a cabeça.
- Dizias também que, contudo, havias optado por te submeter à
vontade do Chefe... E eu te perguntei: e o que ele disse?
- Em palavras simples: que continuasse convosco, que cumprisse o
segundo grande objetivo desta experiência humana... Que vos
falasse dEle! Que acendesse a luz da verdade!
Este explorador, mais pragmático e prosaico que o engenheiro,
interveio imediatamente:
- Senhor, se vais nos falar do Pai, será bom que o definas, que nos
digas o que ou quem ele é...
E tentando me justificar, acrescentei:
- Não esqueças que, no fundo, somos homens céticos...
Jesus sorriu com malícia, e perguntou:
- Céticos?
Aí ele me pegou. Depois do que vimos na experiência anterior,
depois de termos sido testemunhas de sua ressurreição, a definição,
sem dúvida, não era correta.
Retifiquei.
- Ignorantes.

- Isso sim, querido Jasão... Mas não te alarmes. Ignorância e
ceticismo têm jeito. Lembra: para dar sentido à tua vida, para saber
quem és, que fazes aqui e o que te aguarda depois da morte, só
precisas de vontade. Se queres, podes saber. E agora vamos à tua
pergunta.
Meditou um pouco. Tinha imaginado que não era fácil. Eu errara. A
definição do Pai era quase impossível. Impossível para as
baixíssimas possibilidades de percepção humana.
- Lembrai sempre começou com um preâmbulo decisivo que, no
futuro, quando chegar a minha hora, falarei como um educador. Esse
será meu papel. Por isso, tomai minhas palavras como uma
aproximação à realidade.
Procurou nossa compreensão e continuou.
- Por que digo isso? Simplesmente porque o finito, vós, não podeis
entender, abarcar ou fazer seu o infinito. E isso é Ab-bã: uma luz, uma
presença espiritual, uma realidade infinita que, por ora, não está ao
alcance das criaturas materiais.
Sorriu e, otimista, completou:
- Mas vai estar.
- Uma luz! - comentou meu companheiro intrigado. - Uma energia
que, obviamente, pensa!
- Obviamente...
- Que pena! - lamentou o engenheiro... O assunto do Barbudo me
agradava...
O Mestre negou com a cabeça. E corrigiu Eliseu.
- Não, meu querido anjo. Isso está bem. Por que achas que utilizo a
palavra Pai?
Não esperou resposta.
- Porque ele é. O Chefe, como tu o chamas, e muito acertadamente,
claro que não tem um corpo físico e material.
Mas é uma pessoa. E um Ab-bã, no sentido literal da expressão.
Ele é o princípio, o gerador, a fonte que sustenta a Criação...
Podeis imaginá-lo como quiserdes. Podeis defini-lo como gostardes.

E eu vos digo que sempre ficareis aquém...
- Uma pessoa? - entrei eu no assunto. - Não entendo. Uma pessoa
sem corpo...
Parece que o Mestre esperava aquela dúvida.
- É lógico que te perguntes isso. Minhas pequenas e humildes
criaturas do tempo e do espaço, as mais limitadas, têm dificuldade
para imaginar uma personalidade que careça de um suporte físico
visível. Mas eu vos digo que a personalidade, incluindo vosso caso, é
independente da matéria onde habita.
Mais adiante, quando seguirdes ascendendo até o Pai, tua
personalidade, Jasão, continuará viva. Mais viva do que nunca,
apesar de ter perdido o corpo que agora tens. Serão tua mente e teu
espírito que irão forjar e dominar essa personalidade.
Na verdade, isso está ocorrendo neste instante.
Sorriu de leve e nos fez outra revelação.
- É cedo para que o entendais na plenitude, mas em verdade vos
digo que a personalidade humana não é outra coisa senão a sombra
do Pai projetada nos universos. O problema, insisto, está em vossa
finitude. Estudando essa sombra jamais chegareis a descobrir o
proprietário e causador da mesma.
Ficamos em silêncio, pensativos. Tinha razão. Se alguém
pretendesse estudar um ser humano através de sua sombra,
simplesmente perderia seu tempo...
- Mas não desanimeis. Tudo em seu momento. Chegará o dia em
que estareis na presença de Ab-bã. Então, só então, começareis a
compreender e a compreendê-lo. Se Ele não tivesse essa
personalidade, o grande objetivo de todos os seres vivos seria
estéril. E sua personalidade, apesar da infinitude, que faz o
milagre.
E arrematou, desejando que entendêssemos.
- Assim como um pai e um filho se amam e se compreendem, da
mesma forma acontece com o grande Pai e todos os seus filhos... Ele
é pessoa. Vós sois pessoas. Mas, como vos digo, deixai que se
cumpram os desígnios de Ab-bã.

- Seus desígnios? - clamou Eliseu contrariado. - E por que não fala
com mais clareza? O que ele quer?
- Em primeiro lugar replicou o Mestre imediatamente -, que saibas
que ele existe. Para isso estou aqui. Para revelar ao mundo que Abbã
não é um belo sonho de filosofia. Existe! Fez uma pausa e a
palavra existe ficou flutuando, contundente, sólida, inquestionável.
Levantou a voz e repetiu, fazendo retroceder qualquer vestígio de
ceticismo:
- Existe!
A essa altura dos fatos, uma coisa estava muito clara para estes
exploradores: Jesus de Nazaré jamais mentia ou inventava. E, embora
fosse difícil de entender, nós aceitamos o fato.
- Em segundo lugar, o Pai, teu Pai, deseja que o procures, que o
encontres...
- Como, Senhor? Tu mesmo acabas de reconhecer... Somos finitos,
limitados, os últimos dos últimos... Parece que o Chefe descuidou-se
ao pensar em nós...
O Mestre acolheu com doçura a brincadeira.
- Não, querido ajudante. No reino de Ab-bã não existem
descuidos. Tudo é minuciosamente planejado. E, embora não
acredites, vós, os destroça-patos, sois e continuareis sendo a
admiração dos universos...
- Nós?
- Imaginas por quê?
- Nem idéia...
- Vós, o mais denso e limitado, possuis alguma coisa da qual não
desfrutam outras criaturas, criadas na perfeição: tendes a
maravilhosa virtude de ascender e progredir..., sim, de saber, sem ter
visto. Tendes a invejável capacidade de acreditar, de confiar..., sem
provas.
- Exageras...
O Galileu negou com a cabeça.
- Não, não exagero. E esse é o como. Essa é a resposta à tua

pergunta. Por ora, só podes buscar o Pai com a ajuda da confiança.
Esse é o plano. Isso é o estabelecido. Progredir.
Progredir. Progredir...
- Aqui? Neste lixão?
- Aqui, neste atormentado mundo corrigiu -, e naqueles que te
reservo depois e sempre... Já me ouviste. Para chegar à presença de
Ab-bã, primeiro deves percorrer um longo caminho, muito longo. Esse
é o objetivo. E a única razão da tua existência: uma aventura
fascinante...
- um longo caminho... Muitos, em nosso mundo, pensam que o
barbudo os espera do outro lado da morte.
Jesus, alegre, ouviu os argumentos de meu amigo.
- Dizem e acreditam que os justos serão recebidos de imediato em
sua presença. Tu, por outro lado, falas de um longo caminho...
Naquele instante coincidência? -, uma enorme e bela mariposa
quadriculada em branco e preto, uma Enreia oerteni, atraída pela luz
da fogueira, foi pousar na ponta do galho com o qual brincava o
Mestre. E Jesus, aludindo ao belo espécime, respondeu assim:
- Dize-me, querido anjo, achas que essa criatura está em condições
de compreender que um Deus, seu Deus, a está sustentando no ar?
- Não, Senhor. A distância é grande demais...
Então, agitando o pedaço de pau, a obrigou a voar.
- Tu o disseste. A distância é grande demais. Pois bem, aquela que
agora te separa de Ab-bã é infinitamente maior. Se um mortal fosse
transportado, depois da morte, à presença do Pai, em verdade te
digo, reagiria como essa mariposa. Não saberia, não teria
consciência de onde está nem de quem a sustenta no ar...
E acrescentou feliz.
- Felizmente, vós sois muito mais que uma mariposa. E podeis estar
seguros do que digo: chegará o dia, quando tiverdes crescido
espiritualmente, quando tiverdes progredido, em que vereis o Chefe
e compreendereis.
Meu irmão, sempre espontâneo, exclamou:

- Mas é tão grande?
Jesus se soltou.
- Não existem palavras, querido ajudante. Ele sustenta e
contempla os universos na palma de sua mão. É todo presente, mas
está no futuro. É o único santo, porque é perfeito. E indivisível e, não
obstante, se multiplica sem parar. Ele te imagina e apareces...
Eliseu negou com a cabeça. E comentou quase para si mesmo: -
Bonito, muito bonito, mas a ciência...
O Mestre, percebendo em que direção ia Eliseu, saiu na frente com
contundência:
- Não te equivoques. Nem a ciência, nem a razão, nem mesmo a
filosofia poderão demonstrar, jamais, a existência do Pai.
O engenheiro o olhou perplexo.
E o Rabi, penetrando sem piedade em seus pensamentos,
sentenciou:
- Teu Chefe é mais esperto, imaginativo e amoroso do que supões.
Ele não está à mercê de hipóteses ou postulados. Ele só está à
mercê do coração...
Então, apontando as evoluções da Erpreia em seu vôo, afirmou:
- Aí levais vantagem. Vós, sim, podeis experimentar Deus...
Ele nos olhou com intensidade e insistiu:
- Eu disse experimentar, não demonstrar... Nessa busca, quando o
homem persegue e anseia por Deus, sua alma, ao encontrá-lo, nota,
percebe, experimenta sua presença. Isso é suficiente..., por ora.
- Experimentar o Pai? E como se faz isso, como se sabe isso? - Não
escutaste minhas palavras, querido destroça-patos.
Quando um ser humano toca o Pai, quando Ele te toca, a alma
fica em pé. É uma sensação única. Clamorosa. E uma magnífica
segurança te acompanha por toda a vida... Mas esse benéfico
sentimento é pessoal e intransferível. É difícil de explicar, mas tão
real como a visita da ternura, da compaixão ou da alegria.
E desviando o olhar na direção deste atento explorador, ele me
preveniu:

- Por isso, Jasão, porque se trata sempre de uma experiência, de
um sentimento pessoal, não escrevas para convencer. Faça-o para
insinuar. Para ajudar. Para iluminar...
Mensagem recebida.
.. Não vendas, querido anjo. Não grites o nome do Pai.
Não obrigues. Não discutas. Cada um, segundo o estabelecido,
receberá o toque em seu devido tempo. Não há pressa.
Ab-bã sabe. Ab-bã reparte.
- Um Deus sem pressa desafiou o destroça-patos. - Eu gosto
disso.
- Um Deus-amor que já está em ti...
E o Mestre, dirigindo o galho na direção de Eliseu, foi tocar seu
peito. O engenheiro, surpreso, baixou a cabeça, observando o ponto
assinalado pelo Galileu. Depois eu nunca soube se foi brincadeira
ou coisa séria -, exclamou:
- O Chefão está aqui?... E eu com estes pêlos! - Não acreditas em
mim?
Eliseu, incapaz de uma mentira ou dissimulação, negou com a
cabeça e disse:
- Tu disseste, Mestre. Somos matéria finita... O Pai, se quisesse
entrar em mim, se sentiria muito incômodo.
Jesus o acariciou com o olhar. Meu amigo era como uma criança.
- Ouvi atentamente. Escutai os dois. O que agora vos anuncio fará
parte da mensagem quando chegar a minha hora.
O rosto, iluminado pela fogueira, tomou um ar solene. E tive a
intuição de que se preparava para confessar alguma coisa
transcendental. Não errei.
- Dizei-me, alguma vez menti para vós?
O não foi instantâneo.
- Muito bem, eu vos digo que o Pai já está em vós...
- Sim concordei -, faz um momento que o invocaste. Foste muito
generoso ao nos converter em teus embaixadores.

- Não ele se apressou em corrigir -, isso só foi uma consagração
formal. Mas Ab-bã já estava em vossas mentes.
- Claro aproveitou Eliseu -, muitas vezes pensamos nEle.
O Mestre voltou a negar com a cabeça.
- Não compreendeis. Eu vos estou falando de um dos grandes
mistérios da Criação. O Pai, em sua infinita misericórdia, em seu
indescritível amor, há muito instalou-se em vós...
Ao notar nossa confusão, aprofundou.
- Cada criatura do tempo e do espaço recebe uma diminuta fração
da essência divina. O Pai, como eu vos disse, embora único e
indivisível, se fraciona e vos procura.
Instala-se em cada um de vós, os menores do reino.
- Trata-se de uma parábola?
- Não, Jasão, isto é real. E não me perguntes como ele faz isso
porque ninguém sabe. É uma de suas grandes prerrogativas.
Ele, assim, sabe. Ele, assim, está. Ele, assim, se comunica com
a criação e se faz uno com cada mortal inteligente.
- Mas como é isso? Como um Deus pode habitar no meu interior?
O Mestre não respondeu às lógicas questões formuladas pelo meu
irmão. Limitou-se a revolver as brasas, levantando um fugaz crepitar.
Depois, atraindo nossa atenção, continuou:
- Vedes as centelhas? Pois na verdade eu vos digo, alguma coisa
semelhante acontece com o Pai. Uma centelha divina, uma parte
dEle mesmo voa até cada criatura e a torna imortal.
Suponho que ele tenha conseguido perceber a perplexidade
daqueles exploradores. Sorriu amorosamente e exclamou:
- Foi justamente para isso que eu vim. Para revelar ao mundo que
sois filhos de um Deus... E o sois por direito próprio.
- Mas, Senhor, não percebo nada especial... Se o Chefão estivesse
em meu interior, eu teria notado.
- Tu o percebes, querido ajudante, o percebes... O problema é
que, até agora, não sabias. Podias intuí-lo, mas ninguém te havia

confirmado isso.
- Eu percebo? Tu acreditas nisso?
- Vou te dizer uma coisa. Que opinião tens dessa bela mariposa?
Por que ela se sente atraída pela luz?
- Isso é instintivo.
- Correto. Ela não tem consciência, no entanto algo a empurra.
Concordamos em silêncio.
- Muito bem, convosco, os seres humanos, acontece a mesma coisa.
Algo que não podeis, que não sabeis definir, vos impele a pensar
em Deus. Algo desconhecido vos proporciona a capacidade
intelectual suficiente para que penseis no problema da divindade.
Algo sutil vos arrasta até o mistério de Deus.
Ninguém está livre dessas inquietações. Cedo ou tarde, em maior
ou menor medida, todos se fazem as mesmas perguntas:
Quem sou?, Existe Deus?, O que quer de mim?, Por que estou
aqui?.
Voltou a enfiar o galho no meio do fogo e uma nova coluna de
centelhas agitou-se brevemente no incrível e solene silêncio da noite
e dos nossos corações. Finalmente, dirigindo-se ao engenheiro,
perguntou:
- Nunca percebeste essa inquietação?
Eliseu disse que sim. Muitas vezes...
- Agora sabes. Esse impulso, essa necessidade de conhecer, de
saber de Deus, é animada pela centelha que mora dentro de ti.
Essa presença do Chefe em teu íntimo é o que realmente te torna
diferente. É o que aperfeiçoa e corrige teus pensamentos. Aquilo
que, às vezes, escutas falando contigo em voz baixa. Que sempre
tem razão. Que, de forma definitiva, te puxa para Ele.
- E a mariposa, Senhor, também é habitada pelo Barbudo? Jesus,
soltando uma gargalhada, negou com a cabeça. Meu companheiro,
contudo, falava sério.
- Não, querido menino... Já te disse: vós sois muito mais que uma
mariposa. Os animais são movidos pelo instinto. Em certas ocasiões

podem demonstrar sentimentos, mas nenhum, jamais, pensa na
necessidade de procurar Deus. Nem sequer têm consciência de si
próprios. A centelha do Pai, como eu disse, é um presente exclusivo
aos seres humanos...
Eliseu, inquieto, o interrompeu:
- E os teus anjos? Também recebem a centelha do Chefe? - Não,
caro... Não me ouves quando falo. Essa magnífica e divina presença
do Criador alcança unicamente a vós, as criaturas do tempo e do
espaço. As mais humildes...
- Que luxo! E por que nós?
- Isso irás compreendendo pouco a pouco, conforme estiveres
subindo... O Pai é assim: um paizão...
Dirigindo-se então a mim, comentou:
- Estás muito calado...
- Tudo isso é muito para meu pobre e pequeno conhecimento,
Senhor... Mas já que falas nisso, dize: essa centelha tem alguma
coisa a ver com a famosa frase...?
Não me deixou terminar.
- Sim, Jasão... Façamos o homem à nossa imagem e semelhança.
- Agora eu entendo clamou Eliseu -, agora eu entendo tudo.
O Rabi sorriu satisfeito. E falou:
- Tu, meu querido ajudante, és igual a Deus porque o levas no teu
íntimo. E não são simples palavras... Tu és sua imagem.
Mais ainda, tu és Deus!
- Eu, Senhor esquivou-se como pôde o engenheiro -, sou só um
pobre destroça-patos.
- Tu és Deus!
- Eu te digo que não.
- E eu te digo que sim!
- Não!
- Sim! Entrei para conciliar:

- Paz!...
- Bem admitiu Eliseu se tu o dizes...
- Eu o digo e mantenho. E te direi mais: algum dia trabalharás ao
seu lado, criando e sustentando... como Ele.
- Eu, um Chefão?
- Por que crês que Ab-bã pensou em ti?
- Boa pergunta intervim -, por que, Senhor? - Porque o amor não é
possessivo. O amor do Pai, como a luz, se move numa direção: para a
frente. Ele, embora não podeis compreender isso, precisa de vós. Ele
será Ele quando toda sua criação for Ele.
- Vamos ver se entendi. Estás insinuando que o ser humano é
imortal?
Desta vez Jesus deu um sorriso maroto. Deixou correr uma pausa
bem estudada e, quando a tensão roçou as estrelas, exclamou
contundente. Sem reservas. Com uma segurança que nos transformou
em estátuas:
- Não insinuo... Afirmo! Sois imortais! Assim quis o Pai.
Eu, incapaz de reagir, fiquei mudo. O engenheiro, contudo,
estourou:
- Senhor, com todo o respeito, não brinques! O semblante dEle
mudou. Foi uma das poucas vezes que o vi sério. Muito sério. Quase
bravo...
- Crês que vim a este mundo para brincar?
Meu irmão, assustado, recuou.
- Não, Senhor, não...
- Estou aqui para revelar o Pai. Para dizer ao confuso e confundido
homem que a esperança existe... Que sois filhos de um Deus! Que
fostes escolhidos pelo infinito amor de Ab-bã! Que estais,
simplesmente, no princípio!
Modulou a voz e, mais sereno, acrescentou: ... Se ele não vos
tivesse feito imortais... tudo isto seria, sim, uma brincadeira. Uma
trágica brincadeira...

- Então intervim timidamente -, essa história de ganhar ou
merecer o céu...
O Mestre recuperou seu sorriso habitual, mas, por ora, não disse
nada. E me olhou sem pestanejar. E a força daquele olhar me
sufocou.
Em seguida, solene, pronunciou uma única palavra: - Mattenah.
Um presente! É isso que significa mattenah.
E eu, fingindo que não havia entendido, repeti: - Um presente! A
imortalidade é um presente?
- Sim, Jasão. E lembra bem o termo que utilizei. Lembra e escreve.
O homem deve saber que é imortal por desejo expresso do meu Pai.
Faça o que ele fizer, diga o que disser...
Acho que de novo adivinhou meus pensamentos.
- Não te preocupes com isso. Essa é outra história. Para aqueles
que fazem o mal ou, simplesmente, erram, existem outros
procedimentos... Em verdade vos digo que ninguém escapa do amor
de Ab-bã. Cedo ou tarde, até os mais iníquos são tocados...
- Mas, Senhor exagerou Eliseu -, isso é magnífico! - Não, rapaz, o
Pai é que é magnífico! É teu Pai o verdadeiramente grande e
generoso!
- Mas ele é mesmo tão grande?
Jesus abriu os braços e gritou para as estrelas: - Tão imenso que
fica em pé no menor espaço! Eliseu, exaltado, levantou-se e
exclamou:
- Então, viva a mãe que o pariu!
E feliz acrescentou:
- Sabes de uma coisa? Mesmo que fosse menor, eu também
gostaria dele.
E antes que o Mestre saísse de seu espanto, agarrou suas mangas
e, puxando, o pressionou:
- Vamos, Senhor! Vamos sair daqui! Todo mundo deve saber disso!
Vamos!

Foram precisos alguns minutos para acalmá-lo e fazê-lo se sentar.
Por fim, o Galileu, lançando mão de uma frase familiar, esclareceu:
- Deixa que o Pai indique a minha hora... Seja como for, obrigado.
Vejo que compreendeste...
E arrematou brincalhão:
- Percebes ou não percebes a centelha?
Eu não pude me conter e soltei uma coisa que pressionava para
sair:
- Senhor, esse novo Deus, esse magnífico Pai, teu povo não vai
gostar dele.
- Não vim impor nada. Só revelar. Lembrar qual é o verdadeiro rosto
de Deus e qual a autêntica condição humana.
Minha mensagem é clara e fácil de entender: Ab-bã é um Pai
íntimo, amoroso, que não precisa de leis escritas e muito menos de
proibições. Quem o descobre sabe o que fazer. Sabe que tudo
consiste em amar e servir, começando pelo próximo.
Sabeis por quê? Sabeis por que deveis auxiliar e querer aos vossos
semelhantes?
- Por uma questão de ética respondeu Eliseu.
- Não. - Por solidariedade? - arrisquei.
- Não.
- Então será por lógica? - comentou o engenheiro sem muita
certeza.
- Está quente, quente!
Acabamos desistindo. A bem da verdade, eu nunca havia pensado
sobre essa questão aparentemente tão boba.
- Bom senso declarou o Galileu com naturalidade.
- Bom senso?
- Lembrais da centelha divina? Pensai... Se Ab-bã é o Pai de
todos os seres humanos, se Ele reside em cada homem, se Ele vos
imagina e apareceis, o que sois na verdade?
- Irmãos na fé respondeu o engenheiro.

- Não.
- Não?
Jesus sublinhou o não com um lento e negativo movimento de
cabeça.
- Não sois irmãos na fé. Sois irmãos... fisicamente. Sois iguais!
Então esclareceu:
- Segunda parte da mensagem do Filho do Homem: se Ab-bã é o
vosso Pai, o mundo é uma família. Por isso deveis amar-vos e
ajudarvos uns aos outros. Por bom senso. Todos tendes o mesmo
destino:
chegar a Ele.
- Eu disse, Senhor intervim desanimado -, isso não vai agradar.
Ricos e pobres... iguais Escravos e senhores? Ignorantes e sábios?
Judeus e gentios?
Meu irmão concordou comigo e acrescentou:
- O que dizes, Senhor, desse novo rosto do Pai? Um Deus amoroso?
As castas sacerdotais não vão gostar nada...
- Acabei de afirmar. O Filho do Homem não vem impor. Só inspirar.
Meu trabalho não consiste em derrubar, mas em insinuar. Eu sou a
verdade e todo aquele que ouvir minha palavra será tocado e
movido. Deixai que a centelha interior faça o resto...
- Mas Yaveh não é Ab-bã. Yaveh castiga, persegue...
- Repito. Deixai que se cumpram os planos do Pai. Tens razão, meu
querido ajudante. Yaveh não é Ab-bã, mas cumpriu com o disposto:
o homem respeita a Lei. Agora é a vez da revelação. Acima da Lei
está sempre a verdade. E a verdade é uma só: sois filhos de um
Deus-amor.
Comecei a intuir e a compreender. Mudar o rosto de Yaveh.
Modificar seus pensamentos e normas. Suavizar o severo juiz.
Quase humanizálo. Injetar a esperança num povo resignado e
adormecido. Levantá-lo até as estrelas. Dizer-lhe que é imortal pela
generosidade de um Deus. Gritar-lhe que essa centelha não é uma

utopia. Fazer-lhe ver que o mundo é uma família...
E daquele momento em diante eu soube também o porquê do
trágico final daquele Homem extraordinário. Sua filosofia, sua
mensagem eram revolucionárias. Perigosamente revolucionárias.
Uma vez mais, Eliseu amainou a tensão. Ele aferrou-se a uma das
últimas frases de Jesus e pediu detalhes:
- Deixar que a centelha interior faça o resto? Eu não sabia que o
Chefão trabalhava...
O Mestte rendeu-se encantado.
- O que pensavas? Achavas que essa presença divina era um
enfeite?
- E o que é que Ele faz?
- Já disse: te puxa... Essa misteriosa criatura se ocupa, entre
outras coisas, de preparar tua alma para a vida futura, para a
verdadeira vida. De certa forma, vai te treinando...
- Pois eu não percebo nada.
- É lógico. O Chefão é muito silencioso. Não gosta de gritos. Ele
limita-se a polir e retificar teus pensamentos.
Mas o faz na sombra de tua mente. Escondido. Quase um
prisioneiro.
- E como posso ajudá-lo?
Jesus sorriu contente.
- Estás fazendo isso agora. Basta tua boa vontade. Basta o desejo
de amar, de prosperar em conhecimentos, de aceitar que Ab-bã é teu
Pai. Ele, pouco a pouco, estreitará essa comunicação. E chegará o dia
em que não vai precisar mais de símbolos para te dizer: Coragem!
Estou aqui. Escuta minha voz. Sobe. Vem até mim....
- Mas, Senhor, não entendo. O Chefão deveria ser mais claro.
Por que não fala um pouco mais alto?
Meu Deus! Como o Galileu gostava daquelas perguntas do meu
irmão!
- Não quer e não deve. Além do mais, tu mandas...

- Eu? Um destroça-patos?
- É assim. Isso é o estabelecido. Te darei um exemplo: tua mente é
um navio, Ab-bã é a centelha interior, o piloto, e tua vontade é o
capitão. Tu mandas...
- Um navegante?
- O melhor! Pena que não vos deixeis guiar por Ele! Com freqüência
seu rumo é alterado por vossa incompetente natureza humana e,
sobretudo, pelos medos, idéias preconcebidas e sabe-se lá o que
mais...
- Os medos! - exclamou Eliseu convencido. Como tens razão! Por que
o homem sente tanto medo?
- Muito simples. Porque não sabe, não está consciente disso que
vos estou revelando. No dia em que acordar, e não tenhais dúvida de
que o fará, e compreender que é filho de um Deus, que é imortal e
que está condenado a ser feliz, nesse dia, meus queridos anjos, o
mundo será diferente. O ser humano só terá um temor: de não se
parecer com Ele...
E, de imediato, ponderou:
- Mas esse medo também acabará desaparecendo. A centelha
irá sufocá-lo.
- Vejamos intervim sem muita certeza -, se bem entendi, a boa
administração dessa centelha interior não depende daquilo em que
a pessoa acredita ou deixa de acreditar, e sim da vontade, do
desejo de encontrar o Pai. Estou errado?
- Não estás, Jasão. Falaste acertadamente. O êxito do meu Pai
está intimamente ligado ao teu poder de decisão. Se tu confias, Ele
ganha.
Pouco importa no que acreditas. Se o procuras, se o persegues, a
centelha controla o rumo. E tu, pouco a pouco, vais te tornando uno
com ela.
Ficou em silêncio. Acho que entendeu que suas palavras eram
belas, esperançosas, mas, às vezes, de difícil compreensão.
- Eu vos direi um segredo...

Agitou de novo as chamas e, em tom mais sereno, com uma
eloqüência abaladora, afirmou:
- Observai a madeira. Faz-se una com o fogo e ambos,
inevitavelmente, sobem. Enfim são verdadeiramente livres...
Olhai!
E apontou a trêmula espiral de fumaça, fugindo na noite.
- Olhai bem! Agora, fogo e madeira são um só...
Compreendestes?
- Claro que sim...
- Muito bem, este é o segredo. O homem, a madeira, que consegue
identificar-se, fazer-se uno com o Ab-bã, o fogo...
não morrerá! Seu invólucro mortal será consumido pela centelha,
pelo Amor, e não precisará ser ressuscitado...
Eu quis intervir, mas Eliseu me atropelou com uma pergunta que de
fato, já estava superada.
- Por que, ao mencionar a centelha, tu a denominaste misteriosa
criatura?
- Porque é...
O Mestre suspirou. Estava evidente que, como a nós, as palavras
também o limitavam. E tentou simplificar.
- Lembrai da mariposa... por mais que vos empenheis, não vos
entenderá. Se lhe disseres quem és, nem sequer te escutará.
Tua pergunta, querido Elisa (Eliseu), me coloca na mesma
situação. Ainda que eu te revelasse a verdadeira natureza dessa
centelha, não compreenderias. Aceita, pois, minha palavra.
O engenheiro, concordando com a cabeça, o animou.
- A presença divina que habita em ti é uma luz, um cintilar do Pai...
com sua própria personalidade. E, portanto, uma criatura, embora
ainda desgarrada do Criador. E não perguntes mais. Eu já disse:
também Ab-bã tem seus segredos...
- E quando Ele se instala no ser humano?
Jesus de Nazaré, contente com a insaciável curiosidade do meu

companheiro, sorriu condescendente.
- Isso depende dEle... Mas, geralmente, quando a criança se torna
capaz de tomar sua primeira decisão moral.
- E o acompanha até a morte?
- Além da morte. Lembra: sois imortais. O Pai, quando dá, não faz
as coisas pela metade.
Eliseu ficou pensativo. Jesus o observou e, nos surpreendendo,
exclamou:
- Fala... Essa é uma boa pergunta...
Meu irmão, todo sem jeito, balbuciou:
- Mas, como o fazes? Como sabes o que estou pensando? O Mestre
apontou o rosto branco e adormecido do Hermon e lembrou uma coisa
que esquecíamos com freqüência:
- Chegou minha hora. Tu sabes disso. Aqui e agora recuperei o que
é meu... Pergunta. O que acontece com a centelha quando alguém
mata seu próprio irmão ou se suicida? O engenheiro, nervoso,
esboçou um sorriso.
- Isso... O que acontece com a criatura quando ela tira a vida de
alguém?
- O mais triste e lamentável, meu querido anjo, não é só que atent
contra a vida, patrimônio exclusivo da divindade, mas que de repente
e inadvertidamente, suspendas o trabalho da centelha.
Literalmente, a deixas órfã.
- Em outras palavras: um chute no traseiro do Chefe...
- Correto riu Jesus - ... admitindo-se que o Barbudo tenha
traseiro...
E ponderou:
- Um gesto assim atrasa, mas não suspende a escalada em direção
ao Pai. Permiti que eu insista: sois imortais. Ninguém pode privar-vos
dessa herança. Ab-bã a entregou para vós adiantado.
- Imortais!
- Sim, Jasão... assim é. Essa é a minha mensagem. É por isso que

vim. É importante para ti?
Eu abri meu coração:
- Para gente como eu, perdida e sem horizonte, é o mais
importante.
Ainda assim, precisando de coisas concretas, de objetivos físicos e
palpáveis, perguntei:
- Está bem, Senhor. Nós te entendemos. Tudo consiste em descobrir
e em procurar o Chefe. Mas, como é que eu faço isso? O Mestre eu
sei esperava ansioso essa pergunta. E pronunciou a frase chave:
- Abandona-te em suas mãos.
Eu o olhei atônito.
- Só isso?
- Só isso. Mais nada.
- Mas...
O Mestre tinha essa virtude. Tornava fácil o difícil. E apressou-se
em tirar as dúvidas.
- Ele submeteu-se à tua vontade. Ele está em teu interior, humilde,
silencioso e atento aos teus desejos de prosperar mental e
espiritualmente. Faze tu a mesma coisa. Entrega-te a ele. Não sejas
bobo e aproveita: abandona-te em suas mãos.
Deixa que se faça sua vontade.
Não fui capaz de reagir. Como era possível? Era só isso? Jesus
entrou de novo em minhas confusas idéias e tentou acalmá-las.
- Eu vos farei outra revelação...
Alimentou o suspense com umas gotas de silêncio e, finalmente,
quando nos tinha na palma da mão, anunciou:
- Eu conheço o Pai. Vós, ainda não. Falo-vos, pois, com a verdade.
Sabeis qual é o melhor presente que podeis dar a Ele? Eliseu e eu
trocamos um olhar. Nem idéia...
- O mais refinado, o mais singular e acertado presente que a
criatura humana pode dar ao Chefe é fazer sua vontade. Nada o
comove mais. Nada é mais compensador...

Meu irmão, tão perplexo quanto eu, confundiu o sentido dessas
palavras.
- Queres dizer que devemos negar a nós próprios? Jesus de Nazaré,
compreendendo, correu a emendar o erro de Eliseu.
- Não, eu não disse isso. Fazer a vontade do Pai não significa
escravidão nem renúncia. Tuas idéias são tuas. Assim como tuas
iniciativas e decisões. Fazer a vontade de Ab-bã é confiar. É um
estilo de vida. É saber e aceitar que estás em suas mãos. Que Ele
dispõe. Que Ele dirige. Que Ele cuida.
- Entendo. Estás dizendo: é minha vontade que se faça sua
vontade.
- Exato, Jasão. Tu o disseste. Quando um filho toma essa suprema
e sublime decisão, o salto para a fusão com a centelha interior é
gigantesco. Essa é a chave. A partir daí, nada é igual. A vida muda.
Tudo muda. E o Chefe responde...
Nova pausa. Inspirou profundamente. Com ansiedade. E disse uma
coisa que jamais esqueceríamos. Uma coisa que, pouco a pouco,
iríamos verificando.
- O Pai responde e uma força benéfica, avassaladora, coloca-se a
serviço dessa criatura. Quando o homem diz estou em tuas mãos
está dando tudo. E Ab-bã transforma esse filho num gigante. Nem ele
mesmo chega a se reconhecer. Isso é muito mais do que aparenta
ser.
- Uma força avassaladora?
Lembrei imediatamente. O que aconteceu no alto do Ravid? Um
dia, sem prévio aviso, sem razão aparente, sentimo-nos plenos,
inundados de uma força estranha e única. Era a isso que o Galileu
se referia?
O Mestre olhou-me e voltou a negar com a cabeça.
- Não, meu perplexo anjo, essa força tem outra origem e outro
nome...
Ele conseguira outra vez. Acabava de entrar na minha mente.
Sorriu brincalhão e continuou:

- Essa força que tanto vos intriga desceu sobre os homens por
expresso desejo do Criador deste universo. Chama-se Espírito da
Verdade. Mas disso, se estais de acordo, falaremos outra hora.
Eliseu não aceitou.
- Tu enviaste esse Espírito?
- Foi o que prometi. E creio que sabeis disso de sobra: sempre
cumpro.
Não deixei que meu amigo desviasse o Mestre do tema inicial.
E repeti a pergunta:
- Uma força avassaladora?
- Sim, Jasão... O homem que decide fazer a vontade do Pai torna-se
pleno. Até seus menores desejos se realizam.
Simplesmente, como eu vos disse, desperta para a glória e o Amor
de Ab-bã. É o grande acontecimento. Sua vida, a partir de então, é
uma constante e gratificante surpresa. É o princípio da mais
fascinante das aventuras...
E rematou com aquela inquietante segurança: - Colocar-se nas suas
mãos, fazer a vontade de Ab-bã significa, além do mais, saber...
- Saber?
- Sim, saber. Obter respostas... Por exemplo, quem sou eu? Nesse
instante é fácil. És um filho do Amor. Um presente do Chefe. Um ser
imortal. Uma criatura nascida no mais baixo...
destinada ao mais alto. Um homem que começa a correr. A correr
até Ele. Por exemplo, o que faço aqui? Ao descobrir o Pai, isso
também é fácil. Estás neste mundo para VIVER.
O engenheiro não conseguiu se conter.
- Claro, Senhor, óbvio...
- Não...
Jesus dirigiu-se a mim e continuou:
- Escreve com maiúsculas... VIVER... Não disse viver tal como
entendeis. Se o Pai vos colocou aqui é por alguma coisa realmente
interessante... Interessante para vós. Escutai-me: sois imortais! Agora

estais presos nesse invólucro carnal, mas em breve, quando entrardes
nos mundos que tenho reservados para vós, este corpo será apenas
uma lembrança. Uma lembrança cada vez mais difusa... VIVEI, pois, a
atual experiência! VIVEI com intensidade! VIVEI com amor! Com bom
senso! Com alegria! E lembrai que tendes apenas esta oportunidade.
Depois, após a morte, VIVEREIS de outra forma...
Meu irmão e eu, impelidos por mil perguntas, acabamos
atropelando as palavras. Jesus, contudo, fazendo ouvidos moucos,
continuou falando.
- Por exemplo, qual é meu futuro? Suponho que já adivinhastes. Eu
sei comentou, rindo de si próprio -, eu me repito muito... Insisto:
vosso destino é Ele. Não existe outro caminho. Vosso futuro é chegar
a Ele. Ser como Ele. Ser perfeitos. Conhecê-lo. Trabalhar ombro a
ombro...
- Seremos sócios Querido destroça-patos, quando decides
colocar-te em suas mãos, quando optas por fazer sua vontade... já és
seu sócio! Ele fará maravilhas em ti. Ele te cobrirá com um amor que
te levantará do chão. E teus medos, ouve bem, desaparecerão...
A noite, como nós, ficou quieta. Absorta. Entusiasmada. Mais
ainda: eu diria, esperançosa.
Ele simplesmente nos mantinha cativados. Ele sabia disso e fechou
o círculo.
- Quando teu coração se abre e se faz aliado da vida, quando te
abandonas à sua vontade, nada, dentro ou fora de ti, te fará tremer.
Como um milagre, tua alma caminhará segura. Nada, querido anjo,
nada te fará retroceder! E essa sensação, esse sentimento de
segurança te acompanhará até o fim de teus dias.
Mas não vos equivoqueis. Ao mesmo tempo que esse homem
afortunado cresce, assim desaparece...
- Não entendo.
- É fácil, querido ajudante. O Amor que se derrama do Pai é
turbulento. Não conhece descanso. E deverás irradiá-lo.
Compartilhálo. Catapultá-lo. Não é propriedade tua. Pois bem, um
dia, sem prévio aviso, perceberás uma coisa igualmente maravilhosa:

não existes! Desapareceste para ti mesmo! Não contas! Não exiges!
Não precisas! Não reclamas!
E assinou a revelação com o melhor de seus sorrisos.
- Terás triunfado! Nesse momento, enfim, terás compreendido,
querido sócio...
- E o que acontece se eu guardo esse amor para mim mesmo? -
Escorreria, irremediavelmente, pela calha do barco. Seria uma pena.
Terias que começar tudo de novo... Aquele que tenta prender a
verdade..., a perde. Sois irmãos. E te direi mais: isso que propões
não acontece jamais com um autêntico sócio.
Eu te disse: trata-se de uma viagem sem volta. Quando Ele te
toca... nada continua igual.
- Sócios de um Deus!
- De fato, Jasão. E tudo depende da tua vontade... Quando dizes
sim, quando te abandonas em suas mãos, quando te deixas
governar por esse piloto interior, rompes as barreiras que te
limitavam. E tua capacidade de assombro outra vez irá transbordar.
Tudo, ao teu redor, estará a teu serviço.
Teu sim é o sim de Ab-bã. Em palavras mais simples: terás
encontrado uma mina de ouro...
Eufórico, o engenheiro o interrompeu.
- Mesmo que seja de carvão, Mestre!
Jesus riu com vontade. Depois, terminando a frase não concluída,
nos deixou boquiabertos.
- Tereis encontrado uma mina de ouro... que funciona sozinha!
E perguntou:
- Estais animados E grátis!
Então, apontando a quase extinta fogueira, ele se apressou a
comentar:
- Pensai nisso. E depois me dizei... Ou melhor dizendo, dizei a Ele.
E agora, ide descansar.
E acrescentou maroto:

- Se conseguirdes...
SEGUNDA SEMANA NO HERMON
Na verdade, toda nossa permanência nos cumes do Hermon foi um
contínuo falar sobre Ab-bã. Ele era o tema e a palavra favoritos do
Filho do Homem. Para nós foi uma descoberta. Um achado que nos
marcaria para sempre. No meu diário defini isso como espírito do
Hermon.
Claro que pensamos sobre isso. Meditamos muito sobre o insólito
convite do Mestre. Eliseu, mais ousado e inteligente do que este
que aqui escreve, decidiu-se rápido.
Certa manhã, antes da partida habitual de Jesus em direção aos
montes nevados, ele o alcançou. Plantou-se diante dEle e, solene,
comunicou-lhe:
- Senhor, para mim está tudo claro. Não compreendo bem algumas
das coisas que dizes, mas aceito. A partir de agora coloco-me nas
mãos dEle. É minha vontade que se faça a vontade do Chefe...
O Rabi reagiu com um de seus gestos familiares. Colocou as mãos
sobre os ombros do engenheiro e, feliz, sentenciou:
- Que assim seja... Bem-vindo ao reino!
Eu, mais incompetente, deixei passar o tempo. Agora eu sei.
Cometi um erro. Quis analisar e filtrar. Tentei submeter as
revelações de Jesus de Nazaré à lógica e ao raciocínio. Em outras
palavras, esqueci as advertências do Galileu. Não levei em
consideração que a ciência jamais poderá demonstrar a existência
de Deus. Não percebi o sábio aviso: O encontro com o Pai é uma
experiência pessoal. E foi preciso que eu assistisse ao primeiro e

involuntário milagre do Mestre na aldeia de Caná para que, por fim,
me rendesse às evidências.
Como Ele afirmou cada um é tocado em seu devido momento.
Mas vamos por partes.
Aquela segunda semana no mahaneh foi igualmente tranqüila e
benéfica. O Mestre, seguindo seu costume, desaparecia ao
amanhecer, voltando pouco antes do pôr-do-sol. E todas as noites,
nas animadas conversas, falava desses intensos contatos com Abbã.
E fazia isso com uma naturalidade que dava medo. Pelo que
consegui entender, esses diálogos (?) com o Chefe eram diretos.
Alguma coisa assim como pegar um telefone e discar o número de
Deus... Nem preciso dizer que jamais duvidamos de suas explicações,
embora, em certas ocasiões, elas fossem inconcebíveis. E vou
adiantar uma coisa que considero especialmente grave. Foi
justamente essa atitude, essa espécie de linha direta com o Pai
dos céus, o que, pouco depois, na sua vida pública, o colocaria em
confronto com amigos e estranhos. Falar diretamente com Deus?
Conversar com Ele de igual para igual? A ortodoxia judaica,
logicamente, considerou isso uma blasfêmia. Quanto à sua família e
o resto dos cidadãos comuns, essa revolucionária forma de tratar o
Todo-Poderoso, o Yaveh, provocou uma rejeição total. E o Mestre,
naturalmente, foi chamado de louco.
Depois, conforme iam passando os dias, fui percebendo.
Aquele retiro voluntário no maciço do Hermon foi uma etapa chave
na vida do Filho do Homem. Em primeiro lugar, como já mencionei,
recuperou o que era legitimamente seu. Foi, sem dúvida, um
momento histórico. Jesus de Nazaré, o homem, acordou a
divindade. Por último, naquelas semanas, ele juntou as pontas
soltas. Preparou-se. Digamos que colocou em ordem as idéias. Sua
mente e natureza humanas (as palavras não me ajudam)
aprenderam a conviver com a outra natureza.
Desconfio que se tornaram uma só, embora ambas, fisicamente,
fossem independentes. Não consegui me aprofundar no assunto.
Meu cérebro não dá para tanto. Mas assim foi.
Pena que ninguém mencionasse esse decisivo isolamento ao norte

da Gaulanítide!
Isolamento? Não de todo...
Ao longo daquela semana, recebemos uma visita. Uma inesperada
visita...
Lembro que foi na quinta-feira, 30 de agosto. Mais ou menos ao
redor da hora décima (quatro da tarde), vimos surgir na meseta
dois personagens quase esquecidos.
O Mestre estava ausente.
Num primeiro momento, Eliseu e eu não soubemos o que fazer.
E, receosos, deixamos que avançassem.
Mas tudo foi mais fácil do que imaginávamos...
Os Tiglat, pai e filho, puxando o jumento, nos cumprimentaram com
cordialidade. Na verdade aquilo me pareceu estranho. Nossa
despedida junto ao refúgio de pedra não fora muito cálida...
Entendi também por que decidiram não cumprir o pacto com o
estranho galileu. O jovem fenício devia depositar as provisões no
lugar já mencionado, sem pisar no acampamento.
Isso era o acertado com o Mestre.
A explicação veio logo. Tiglat pai, sem delongas, olhou-me
diretamente nos olhos e, com uma sombra de tristeza, pediu
desculpas pelo desastrado comportamento de seu jovem e
irrefletido filho:
- Peço-te que aceites minhas desculpas. Essa reação não é própria
da minha gente...
Sinceramente, eu já havia esquecido o episódio com Ot. Não dei
importância ao fato e, no mesmo tom, afável e sincero, pedi-lhes que
esquecessem tudo aquilo. O cabeça da família, contudo, fez um sinal
ao jovenzinho e este, se adiantando de olhos baixos, repetiu o
pedido de perdão.
Afaguei os cabelos negros do rapaz e, sorrindo, lembrei-lhe uma de
suas frases:
- Tinhas razão. Teu pai não é um bom homem. É o melhor...

Em seguida, começaram a descarregar em silêncio os mantimentos.
E ao terminar, depois de um seco que Baal vos abençoe, fizeram
menção de se retirar. Eliseu e este que aqui escreve, quase mudos,
não soubemos reagir.
Devíamos deixá-los ir embora? O que deveríamos fazer? Devíamos
convidá-los a ficar?
Essa decisão imaginamos não era da nossa competência.
Tanto meu irmão como eu, sei bem, queríamos que ficassem no
mahaneh. Mas, por respeito ao Mestre, contivemos o impulso. Só Ele
poderia...
Curioso, muito curioso. Naquela mesma noite, Eliseu me confessou.
Ao vê-los afastar-se fiel aos conselhos do Rabi pediu ao Pai que
fizesse alguma coisa, que os detivesse...
E aconteceu.
De repente, quando caminhavam perto do dólmen, alguém gritou
de dentro dos cedros, chamando-os.
O Galileu!
O engenheiro, entusiasmado, reconheceria que aquilo que Jesus de
Nazaré revelara funcionava. A mágica e avassaladora força da
qual falou o Mestre tornou realidade nossos desejos. Os Tiglat
pararam, deram meia volta e pernoitaram conosco. Eu, embora
desconcertado, aferrei-me à única coisa que explicava a súbita e
providencial aparição de Jesus: o acaso...
Pobre ignorante!
Jesus não permitiu que os Tiglat colaborassem no jantar. Eram seus
convidados. Pegou as trutas descarregadas pouco antes presente
dos fenícios e as cozinhou no estilo do yam. Uma receita que
provocou animados elogios entre os comensais.
Depois de limpar meia dúzia de arco-íris, afastou as espinhas
com os dedos médio e polegar, soltando a carne. O ajudante -
seguindo as instruções do cozinheiro chefe - encarregou-se do
molho escabeche: azeite, sal, mel de tâmaras, pimenta negra bem
moída e vinagre. Terminada a fritura, Jesus deu o toque pessoal:
amêndoas quentes e uma colherada de manteiga sobre cada peixe.

E, acompanhando o apetitoso prato, uma salada de sobremesa, por
Ele mesmo preparada, à base do doce mikshak, o melão do Hule,
salpicado com outra de suas fraquezas: as passas de Corinto.
Enquanto devorávamos as deliciosas trutas, o jovem Tiglat trouxe
de novo à luz o incidente com Al e seus asseclas, explicando ao
Mestre como seu bom deus Baal nos havia protegido, descarregando
seus raios sobre os bandidos.
Eliseu e eu trocamos um olhar. A versão do pequeno guia nos
tranqüilizou. Jesus ouviu atentamente, mas não fez comentário algum.
Ao finalizar a detalhada exposição, o Galileu procurou-me com o
olhar. Sorriu e me deu uma piscadela de cumplicidade.
Então, dirigindo-se ao estranho galileu, Tiglat pai, curioso
perguntou:
- Meu filho disse que és um homem rico. Isso é verdade? O Mestre,
surpreso, não pôde conter o riso e engasgou.
Instantes depois, recuperado, respondeu:
- E para que precisa de riqueza aquele que possui a verdade? Meu
irmão, querendo corrigir a equivocada interpretação do fenício,
esclareceu:
- Não foi isso o que eu disse ao teu filho. Quando lhe falei de
nosso amigo, eu me referi ao seu coração... Um coração
imensamente rico. Essas foram minhas palavras.
O chefe de Bet Jenn compreendeu. Mas, desconcertado com a
resposta de Jesus, agarrou-se à idéia expressada pelo Mestre.
- A verdade! Tu conheces a verdade?
A partir desse momento nós assistiríamos a uma parca mas
reveladora conversa com o Filho do Homem. Uma conversa da qual
todos iríamos sair confusos...
O Mestre, silencioso, nos observou um a um. Tive a sensação de
que estava em dúvida. Melhor dizendo, de que não queria falar sobre
esse assunto tão espinhoso. Agora, à distância, eu o entendo...
O adolescente tentou forçar o Galileu. E quase o conseguiu.
- Meu pai diz que a verdade, se existe, está por chegar.

Tiglat, contente, assentiu.
- E diz também que, quando chegar, me fará tremer de emoção,
porque é uma coisa que toca diretamente o coração...
O Mestre, vencido, sorriu-lhe com ternura. Voltou a olhar-me e
dando uma piscadela, exclamou:
- Teu pai é um homem sábio...
Eu devia estar acostumado, mas não... Essa frase, justamente, foi
pronunciada por este explorador ao pé do asherat, como resposta
aos comentários feitos pelo guia. Os mesmos comentários agora
expostos pelo jovem Tiglat! Como ele conseguia fazer isso? Como
podia saber e manejar os pensamentos alheios com semelhante
desenvoltura? A explicação
- também sei era óbvia. Mas, teimoso como uma mula, eu resistia
a aceitar isso...
- Vós continuou Jesus dirigindo-se aos Tiglat não me conheceis.
Estes, ao contrário, meus queridos gregos, sabem quem sou.
Conhecem minha palavra e podem dar fé de que nunca minto.
Hesitou. Estava claro que o que se dispunha a revelar não era
simples. Deu um suspiro e, imagino, resignou-se.
- Sim, meu amigo... Eu conheço a verdade. Teu filho está certo. A
verdade existe mas, no momento, não está ao alcance dos seres
humanos.
Apontou a lua, quase cheia, e ponderou:
- Vós tendes uma idéia da realidade. Mas é um conceito limitado,
Próprio de uma mente finita que mal acaba de acordar. Para estes
dois continuou referindo-se a Eliseu e a este que aqui escreve -,
educados em outro lugar, a realidade do universo é diferente da
vossa...
A sutileza, logicamente, não foi captada pelos Tiglat em sua
autêntica dimensão. Mas a comparação era válida. E soubemos ler
nas entrelinhas.
- Eles entendem a lua e as estrelas de uma maneira. Vós, de outra.
Sem dúvida, tendes diferentes conceitos de uma mesma realidade. E
eu vos digo: os quatro ainda sabeis pouco. A realidade total, final e

completa, é muito mais que tudo isso.
Ninguém respirava.
- Mais além do que vedes, existem outras realidades tão físicas e
concretas como esta lua, que pertencem ao mundo do não-material.
Esse mundo invisível e inconcebível para vós, constitui na verdade a
autêntica realidade.
E terminou chegando ao que anunciara inicialmente.
- Mas... como eu dizia, para alcançar essa realidade última, a
grande verdade, necessitais de tempo. Muito tempo. A verdade,
portanto, existe, mas é totalmente impossível de ser abrangida pela
mente e pela inteligência de uma criatura mortal.
O rapaz, ágil e esperto, o abordou sem dó nem piedade: - Tu não
falas como um judeu. Quem és realmente? Jesus não se abalou.
- Eu, filho meu, vim tocar teu coração. Estou aqui para fazer-te
tremer de emoção. Para que questiones, para te ensinar um caminho
que ninguém antes te mostrou...
- Um caminho? Para onde?
- Em direção a essa verdade da qual fala teu pai. Mas não te
impacientes. Quando chegar minha hora voltarás a me ver e teus
olhos se abrirão. Então te mostrarei Ab-bã e compreenderás que a
verdade da qual te falo é como um perfume. Simplesmente a
identificarás por sua fragrância.
O jovem Tiglat, todo sem jeito, continuou perguntando.
- Ab-bã? Quem é esse pai?
- Para ti anunciou o Filho do Homem categórico -, um Deus novo.
Para teu pai... um velho sonho.
- E tu, como sabes isso? - interveio perplexo o pai do jovem. - Como
sabes que duvido de todos os deuses, inclusive do teu?
Não houve resposta. Meu irmão e eu entendemos. Não era o
momento. Como Ele acabava de afirmar, não havia chegado sua hora.
Jesus de Nazaré escolheu o silêncio.
- Um Deus novo! - exclamou o jovenzinho, não menos espantado. - E
tu és judeu? O que acontece com Yaveh?

- Eu te disse: deixa que chegue minha hora... Então te falarei desse
novo Pai.
- Não gritou o impetuoso adolescente. - Fala-me agora! O chefe
dos Tiglat repreendeu o menino. Mas Jesus, pedindo calma,
concordou.
- Está bem, meu querido e impulsivo amigo... Eu o farei porque é
teu coração que reclama isso.
Yaveh está bem onde está. E ali ficará para aqueles que não
compreenderem a nova revelação. Porque disso se trata: de dar ao
homem um conceito mais exato de Deus... Sim, filho meu, um Deus
novo e velho ao mesmo tempo. Um Deus Pai. Um Deus que não
precisa de nome. Um Deus sem leis escritas. Um Deus que não
castiga, que não controla tuas ações. Um Deus que não precisa
perdoar... porque não há nada para perdoar. Um Deus a quem podes
e deves tratar de igual para igual. Um Deus que te criou imortal. Que
te levará pela mão quando morreres. Que te convida a conhecê-lo, a
possuí-lo e, sobretudo, a amá-lo. Um Deus, como tu fazes com teu
pai, em quem podes confiar. Um Deus que cuida de ti sem que tu
saibas. Que te dá antes mesmo de abrires os lábios. Um Deus tão
imenso que é capaz de se instalar no menor: tu!
A mágica voz daquele Homem, sonora, segura, armada de
esperança, cativou a todos.
Tiglat pai sustentou o olhar penetrante e cálido do estranho
galileu. Não havia dúvida. Suas palavras o enfeitiçaram. E ele
balbuciou:
- Onde está esse Deus? Onde podemos encontrá-lo? Jesus tocou
seu próprio peito com o dedo indicador esquerdo e esclareceu:
- Eu te disse: aqui mesmo... dentro de ti.
- Mas como é isso? - adiantou-se o filho. - Todos os deuses estão
fora.
- Exato, menino. Só a verdade está dentro. Por isso, como diz teu
pai, quando a encontrares, quando descobrires Ab-bã, isso te fará
tremer de emoção.
E acrescentou, elevando de novo os corações: ... Esse Deus se

esconde na experiência. E a experiência é pessoal. Cada um vive Abbã
à sua maneira. Não existem normas nem leis. Eu já vos disse isso.
Esse Deus trabalha dentro e o faz na medida de cada inteligência e
de cada vontade. Não perdeis tempo procurando no exterior. Não
escuteis sequer os que dizem possuir a verdade. Eu vos digo que
ninguém pode domesticá-la e fazê-la sua. A verdade, a pequena
parte que agora podeis distinguir, é livre, dinâmica e bela. Quando
alguém a prende, quando alguém a comercializa, ela, a verdade, se
afasta.
- Mas tu dizes conhecer a verdade. Tu também a estás vendendo e
pregando...
O Mestre voltou a vacilar. Ele olhou para nós e eu creio ter visto em
seus olhos uma sombra de impotência. Nessa ocasião, contudo, não
respondeu ao duro argumento do jovem Tiglat.
Levantou-se e, lacônico, exclamou como numa despedida: - Não
chegou minha hora...
E desapareceu dentro da tenda.
No dia seguinte, sexta-feira, quando os Tiglat voltaram a Bet Jenn,
Eliseu e eu nos envolvemos numa forte polêmica. Meu irmão defendia
a postura do Mestre. Estava de acordo com sua estranha e, de certo
modo, coerente atitude. Não era o momento. Nós estávamos no final
de agosto do ano 25.
Jesus de Nazaré devia esperar. Eu, por outro lado, julguei que os
fenícios tinham direito de saber. E assim nos encontrou o Galileu
quando voltou do cume do Hermon: entrincheirados em posições
radicalmente contrárias.
Foi inevitável. Depois do jantar, eu mesmo levantei o problema. E
Jesus, mais relaxado, deu razão ao meu companheiro.
- Jasão, como teu irmão, eu também me coloquei nas mãos do Pai.
Eu me limito a fazer sua vontade.
E carinhoso, derrubando meus postulados pedantes, afirmou: -
Como podes pensar assim? Crês que meu coração não arde de
desejos de pregar a boa nova?
- Mas, então, Senhor, por que estás conosco? Por que nos falas de

Ab-bã?
- Eu vos disse no devido momento. Estais aqui por expressa
vontade do Chefe. Sois uma exceção. Não contais para este tempo.
Sois os mensageiros de outros homens e meus próprios
embaixadores. Sois uma das muitas realidades do meu reino. Ele vos
abençoou e eu faço a mesma coisa.
Eliseu não deixou passar a oportunidade.
- Agora estamos sós. Talvez desejes falar com maior clareza.
O que é isso de outras realidades?
Jesus pareceu surpreso pela abordagem.
- Achei que havias entendido...
O engenheiro, transparente, também falou por mim.
- Sim e não... Por exemplo, nos deixaste perplexos ao garantir que
a verdade não está ao alcance da mente humana.
O Mestre levantou o rosto em direção às estrelas e perguntou:
- Estais vendo essa luz?
- Sim, Mestre. É a luz do universo.
- Dizei-me, crês que é a única luz?
Aqueles exploradores, sentindo uma secreta intenção na pergunta,
se entreolharam sem saber o que responder.
- Bem expressei meio receoso assim parece...
- Dizes bem, Jasão. Assim parece, mas não é... Essa é vossa
realidade. O problema é: trata-se da única realidade?
- Estás insinuando que existe outro tipo de luz? - Não, querido
ajudante, não insinuo. Afirmo. No reino de Ab-bã existem três tipos
de luz: a luz material, que estás vendo agora. A luz intelectual e a luz
espiritual, a genuína.
- Mas essas são físicas?
- Muito mais que a das estrelas...
Eliseu, insatisfeito, insistiu:
- Quando digo físicas, quero dizer físicas...

Jesus sorriu. E fez suas as palavras do meu amigo.
- Quando digo físicas, eu também quero dizer físicas.
- Não pode ser. Eu não vejo a luz intelectual do meu irmão.
Ele olhou para mim e acrescentou malicioso: - Procurei um mal
exemplo... Este aí carece de inteligência.
- Pois eu também não vejo a tua, destroça-patos...
- Calma! - suplicou o Mestre. E foi direito ao assunto. - Os dois
estais com a razão. Essas outras realidades, as luzes do intelecto e
do espírito, não estão visíveis agora, enquanto permanecerdes nessa
forma humana. Será que não entendeis? Estais no princípio. Sois
como um bebê. Nem sequer aprendestes a ficar em pé...
Então, apontando em direção às cascatas, nos fez lembrar de
nossos vizinhos, os damãos das rochas. E continuou:
- Estamos diante do mesmo caso da mariposa. Se conseguísseis
apanhar uma dessas criaturas, como a convenceríeis de que o mundo
se estende muito além do nahal?
- Impossível, Senhor.
- Pois em verdade vos digo que esse, nem mais nem menos, é o
vosso caso. Acabais de nascer para a vida e ignorais tudo sobre as
realidades que o PAI sustenta. E dizei mais: embora por razões
diferentes às vossas, as criaturas espirituais também consideram a
matéria como algo irreal.
Imagino que percebeu nosso desconcerto. E apressou-se a explicar:
- Queridos anjos, conforme vos afastais dessa estrutura material,
conforme ganhais em perfeição e luz espiritual, tanto mais difusa
estará a lembrança desta etapa. Na verdade, essas criaturas de luz
atravessam a matéria física como se não existisse.
- Entendo, Senhor. Por isso dizias que a verdade final não está ao
nosso alcance...
- Por ora, Jasão. Só por ora... Pouco a pouco, mais adiante, irás
captando e compreendendo.
- E serei sábio?
- Mais que agora, sim... Mas não te confundas, meu querido

destroça-patos. Nem sequer quando chegares à presença do
Chefão, estarás de posse da verdade absoluta.
- Não importa, Senhor. Eu me contento em atravessar paredes...
Não pude nem quis silenciar meus pensamentos.
- Como estamos equivocados! Em nosso mundo existem muitos que
se consideram donos dessa verdade... a começar pela ciência.
O Mestre assentiu com a cabeça. E começou a repetir o que havia
exposto na noite anterior.
- Estão enganados. Ai daqueles que tentarem monopolizar a
verdade! Seu fanatismo os tornará cegos. Quanto à ciência, querido
Jasão, não te desesperes. Algum dia descobrirá que é só uma valiosa
companheira de viagem...
- De viagem De quem?
- Da fé.
- Isso é engraçado desafiou o engenheiro. - Sempre achei que a
fé era cega.
- Não, são os homens que a tornam cega. A confiança no Pai,
nessas outras realidades que vos aguardam, deve ser razoável e
científica... até onde for possível. A ciência, pouco a pouco,
controlará e compreenderá o universo no qual agora vos moveis.
E confirmará o tesouro de vossa experiência pessoal, adquirido com
vosso próprio esforço e de forma solitária. E chegará o dia em que a
revelação, essa revelação, dará a mão a ambas: à fé e à ciência.
- Um momento, Senhor, então a fé e a revelação não são a mesma
coisa?
- Não, Jasão, não são a mesma coisa. A fé... eu gosto mais da
palavra confiança, é um ato que depende da vontade. A revelação é
um presente do Pai. E chega sempre no momento oportuno.
- Não entendo isso. Sempre ouvi e li que a fé, perdão, a confiança,
é um dom de Deus...
O Mestre sorriu com benevolência.
- Eu sei, Jasão, eu sei... No futuro, muitas das minhas palavras e
atos serão mal interpretados e, pior ainda, manipulados. Se fosse

como dizes, se a confiança em Ab-bã fosse o resultado de uma graça
divina, alguma coisa falharia nos céus. Por que para uns sim, para
outros não? Isso não é justo. Esse não é o estilo do Barbudo. Eu
repito: descobrir o Pai, confiar nEle, colocar-se em suas mãos e
aceitar sua vontade depende unicamente, unicamente!, do homem.
- Mas antes, Senhor, é preciso perceber...
- Exato, querido ajudante. Por isso estou aqui.
O engenheiro murmurou quase para si próprio: - No fundo é fácil.
Tudo consiste em dizer: sim, quero.
- Não... É melhor dizer sim, aceito. Aí então, ao despertar para a
nova, a verdadeira vida, essa confiança te fará razoável. Depois,
após a morte, tua própria experiência te fará sábio. Por último,
quando entrares em outras realidades, quando fores um homemluz,
quando te apresentares diante do teu querido Barbudo,
então, querido amigo, sentirás como a verdade te roça e te beija...
- Então...
- Sim murmurou o Filho do Homem, acariciando as palavras -, só
então...
TERCEIRA SEMANA NO HERMON
Desde o domingo, 2 de setembro, até sábado, dia 8, a
permanência nas cumeeiras do Hermon passou por uma mudança
interessante. Interessante para estes exploradores, é claro...
Jesus continuou com seus retiros habituais, mas, em três daqueles
dias, tivemos a sorte de acompanhá-lo. Aconteceu na segunda-feira,
3 de setembro, e nos dois últimos dias da referida semana sextafeira
e sábado.
O Filho do Homem simplesmente nos pediu que fôssemos com ele.
Naquele instante, confesso, não reparei na sutileza de semelhante
pedido. Agora acho que entendo...
Mas vamos por partes.

Um dia antes da primeira excursão, domingo, 2 de setembro, na
hora do banho relaxante de todos os dias nas cascatas, aconteceu
uma coisa aparentemente sem maior transcendência. O pequeno
incidente, contudo, me deixou pensativo. Dias depois, um
acontecimento ainda mais grave e, de certo modo similar, me
animaria a romper o silêncio e a colocar ao Mestre um assunto não
menos intrigante: o que aconteceria com a segurança física daquele
Homem-Deus? Estaria indefeso, como o resto dos mortais? Podia ser
ferido? Como sua natureza divina influía ante a chegada normal de
doenças, acidentes etc.? Nessa tarde de domingo, enquanto Jesus de
Nazaré nadava e se divertia, apareceu uma coisa imprevista.
De repente, ouvimos que ele gemia. Agarrou-se a uma das pedras e
tentou alcançar as próprias costas com a mão esquerda. Eliseu e eu
acudimos rápido.
O Rabi, com o rosto tenso, acusava uma dor intensa. Seus dedos
procuravam, sôfregos, o centro da coluna vertebral. E entendi
imediatamente...
Sobre as águas se afastava zumbindo uma mosca enorme, de uns
20 milímetros, de cor amarelo-areia, um pouco parecida com as
vespas. Era uma mosca predadora, das maiores da Palestina, que,
por causa de seu tamanho e ferocidade, era conhecida como
Satanás (as atuais Satana-giga). Acredito que por uma coincidência
(?) deu de encontro com o corpo do Galileu, enfiando então na pele
dele suas unhas curvas poderosas como ganchos. E com a pequena e
grossa trompa injetoulhe o veneno.
Examinei o edema incipiente e constatei que, embora dolorosa, a
picada não podia ser grave. Em questão de horas, provavelmente o
inchaço desapareceria. E assim foi.
O Mestre agüentou a dor e, antes de mergulhar de novo na
piscina exclamou com seu incorrigível senso de humor:
- Meu Deus, como sou atrapalhado!
O percalço, contudo, não foi esquecido por este que aqui escreve.
Mas nenhum de nós três voltou a comentar o assunto...
por enquanto.
Na manhã seguinte, segunda-feira, com a primeira luz, o Galileu,

feliz e sorridente, praticamente nos arrastou para fora da tenda. E
apontando as neves do Hermon, anunciou eufórico:
- Vinde comigo!... Os detalhes também são importantes.
Pegamos algumas provisões e, ainda meio adormecidos, nos
dispusemos a segui-lo.
Aí então, quando peguei a vara de Moisés, o Rabi, autoritário,
ordenou:
- Não, Jasão, não temas. Ab-bã vela.
Perplexos, o engenheiro e eu nos entreolhamos sem saber o que
fazer. Sabíamos que sabia, mas, às vezes, ele nos desconcertava...
Obedeci, naturalmente. E o cajado muito contra minha vontade
permaneceu no fundo da tenda.
Detalhes? A que se referia ele com essa insólita afirmação? Logo
saberíamos do que se tratava...
A bem da verdade, nas várias ocasiões durante aquele terceiro
salto no tempo, foi Ele quem conduziu nossa missão.
426
Foi Ele quem nos alertou, abrindo nossos olhos tolos e enevoados
para a infinidade de pequenos-grandes detalhes.
Detalhes que também faziam parte e de que maneira! - da vida
do Filho do Homem.
Jesus conhecia bem a trilha. Atravessamos os espessos bosques de
cedros e, depois de passar várias vezes por cima do bravo nahal
Aleyin (o que cavalga as nuvens), chegamos por fim aos primeiros
lençóis de neve.
Cota 2.800. Quase no cume.
Uma brisa fresca, limpa e moderada nos recebeu contente.
Entre pedras azuis, a neve, escalando a montanha santa, suavizava
paredes e penhascos. E o sol, ainda rasante, começou seus jogos de
luzes, com preferência pelos tons branco e cor de laranja.
O Mestre, cantarolando um dos salmos, pegou os cabelos e os
amarrou em sua habitual forma de rabicho. Depois, sorrindo, cheio de

uma paz e uma felicidade difíceis de explicar, comentou:
- Ficai tranqüilos... É a vez do meu Pai!
Ele nos deu uma piscada e afastou-se devagar até a língua
gotejante de neve mais próxima.
Aquela figura, de novo, me deixou maravilhado.
Jesus de Nazaré caminhando sobre a neve branca que rangia sob
seus passos!
De repente ele parou. Ergueu os braços e levantou o rosto ao azul
puríssimo dos céus. E assim ficou durante longo tempo.
Então creio ter entendido o porquê de suas enigmáticas palavras...
Acompanhai-me... Os detalhes também são importantes... Claro
que eram. Para falar a verdade, nunca, até aquele momento, o
tínhamos visto em comunicação com Ab-bã. Nunca, que eu me lembre,
havíamos assistido à majestosa e, ao mesmo tempo, simples cena de
um Jesus rezando. Minto. Este explorador, sim, foi testemunha
privilegiada de um desses momentos. Mas as circunstâncias, pouco
antes da prisão no jardim de Getsêmani, foram muito diferentes. Este
não era um Jesus de Nazaré atormentado e humilhado. Este era um
Homem- Deus exuberante. Cheio de vida. Entusiasmado. Feliz e
disposto.
Durante horas bebi aquela imagem.
Até nisso Ele era diferente e original!
O Mestre não rezava como o resto dos judeus. Pelo menos em
particular...
Em nenhum instante ele se ajustava às rigorosas normas da Lei
mosaica. Não juntava os pés. Não arrumava suas vestes. Não se
curvava até que cada uma das vértebras das costas ficasse
separada. Não seguia o conselho da tradição: que a pele, sobre o
coração, se dobre até formar pregas (assim reza Ber.
28 b). Também não o vimos imitar jamais as pomposas práticas dos
fariseus. Nunca, ao entrar ou sair de um povoado, recitava as
obrigatórias bênçãos. E muito menos ao passar na frente de uma
fortificação ou encontrar alguma coisa nova, bela ou estranha, como
pretendiam os rigoristas da Torá. Mais de uma vez como espero

narrar adiante teve a coragem de enfrentar esses puristas de
Yaveh, jogando-lhes na cara suas recitações hipócritas e vazias.
(Para as castas sacerdotais e os doutores da Lei, o número de rezas
multiplicava o mérito diante de Deus. Assim, por exemplo, uma
centena de bençãos era considerada uma alta mostra de piedade.)
Jesus rezava como quem conversa com um amigo muito querido. E o
fazia em qualquer situação: em pé, sentado, deitado, enquanto
cozinhava, em pleno banho ou no meio do trabalho.
Lembro-me de que nesse dia, quando interrompeu (?) a conversa
com o Chefe para verificar as provisões, este que aqui escreve, sem
poder segurar a curiosidade, perguntou-lhe sobre aquela estranha
forma de rezar.
- Estranha? - perguntou o Filho do Homem. - E por que estranha?
- Digamos que não é muito normal...
O Galileu adiantou parte da resposta com um movimento negativo
de cabeça. E voltou a nos interrogar.
- Dizei-me, que entendeis por rezar?
Aqui nos pegou. E ambos, humildemente, confessamos que jamais
rezávamos. O Mestre então, sorrindo, afirmou contundente:
- Pois já é hora! É muito fácil... A oração na verdade não é outra
coisa senão uma conversa com a centelha que habita em vós. Vós
falais. Conversais com Ele. Podeis expor vossos problemas e,
sobretudo, vossas dúvidas. E Ele, simplesmente, responde.
- E tu, Senhor, que problemas tens? Temos te observado e não tens
parado de falar com Ele a manhã toda...
- Bem respondeu contente -, disso se tratava: de que captásseis
também os detalhes. Quanto à tua pergunta, meu querido e
indiscreto ajudante, eu não tenho problemas.
Durante esses retiros, simplesmente troco impressões com Ele.
Repassamos a situação e, digamos assim, eu me preparo para o
que está por vir.
- Genial! - exclamou o engenheiro. Uma reunião no cume! - Alguma
coisa assim.

- Então intervim desconcertado -, se bem entendi, quando tu
rezas, quando falas com o Chefe, não pedes nada.
- Pedir? Não, Jasão, com Ele isso é uma solene perda de tempo. Já
ouvistes isso e eu repetirei muitas vezes. Ab-bã é AMOR. Lembra:
com maiúsculas. Ele te sustenta e te dá... antes que tu abras os
lábios. Tudo quanto te rodeia, o quanto tens e podes ter, é
conseqüência de seu AMOR... Lembra?... - Sim, com maiúsculas.
- Muito bem riu satisfeito. - Vejo que aprendes rápido.
E acrescentou contente:
- Não sejais bobos! Quando falardes com Ele... deveis espremê-lo...
Tirar dele o suco! Pedir unicamente informação e respostas! Nisso Ele
não falha.
Outra piscadela e, levantando-se, desculpou-se: - E agora,
perdoai...Vou continuar espremendo-o.
A segunda excursão, no dia 7 de setembro, foi como eu poderia
dizer?... - especial. Sim, especial e intensa como poucas...
A princípio foi tudo bem. Normal.
Ao redor da hora tercia (nove da manhã), o Mestre e estes
exploradores nos reuníamos com o lençol de neve habitual, na cota
2.800. O dia se apresentava esplêndido, embora um pouco mais
frio que os anteriores. A brisa madrugadora, inexplicavelmente
irritada, assobiava entre as pedras agitando as túnicas.
Depositamos o saco com as provisões muito perto de um dos
lençóis de neve e, de repente, meu irmão reparou em alguma coisa.
Nós nos aproximamos e, curiosos, demos uma olhada na fileira de
pegadas.
Jesus inclinou-se sobre o imaculado manto de neve e, depois de
uma breve examinada, comentou:
- Um dob...
As pegadas, nítidas e fundas, pertenciam de fato a um urso.
Eram grandes. De quase 30 centímetros de comprimento por 20 de
largura. As unhas apareciam igualmente claras e temíveis.
Eliseu, com mais conhecimento nesse tipo de pegadas, chamou

nossa atenção sobre as almofadinhas digitais. Estavam muito juntas
umas das outras. Aquilo, e o desenho do pé posterior, com o primeiro
dedo mais curto, reafirmou a desconfiança do Rabi. Mas havia mais
alguma coisa. Quase paralelas a essas pegadas, e a curta distância,
vimos outras marcas gêmeas menores.
- Um dob e seu filhote...
O engenheiro e eu nos olhamos preocupados. O Mestre, ao
contrário, nem se alterou. Ele nos deixou ali, perto das pegadas, e
seguindo o costume, afastou-se um pouco, entregando-se à
comunicação com Ab-bã. Naqueles momentos, verdade seja dita, eu
lamentei não ter comigo a vara de Moisés.
Eliseu continuou a investigação e, logo depois, voltou a me chamar.
O novo achado confirmaria definitivamente nossa idéia.
Sobre a neve, formando um grande montão, estavam fezes ainda
quentes e tipicamente cilíndricas, de uns seis centímetros de
diâmetro. Continham pedaços de ossos, pêlos, vegetais e alguns
insetos. Fiquei alarmado. O animal, quase com certeza uma ursa,
acabava de passar por ali, indo na direção oeste.
Verifiquei o vento e, de certa maneira, fiquei mais tranqüilo. A
brisa vinha do poente, estava a nosso favor.
Talvez o animal não tivesse percebido nossa presença.
O resto da manhã correu sem problemas. Jesus de Nazaré andou
decidido e silencioso pelo lençol de neve, parando aqui e ali, sempre
absorvido e com o rosto levantado para o céu..
Por volta da hora sexta (meio-dia) compartilhamos o almoço
frugal:
mel, queijo e fruta.
O Mestre, de excelente humor, continuou falando do Pai e de sua
intensa comunicação com Ele.
Repetiu uma generosa porção de mel e retirou-se de novo a uma
distância de cinqüenta ou sessenta metros. Nós continuamos
observando-o. Mas, logo, o vento apertou. Eliseu levantou-se e,
apontando a beira do bosque que estava próxima, animou-me a
mudar de lugar, procurando assim melhor proteção contra o cada vez

mais desagradável maarabit.
Agora, ao relembrar o oportuno e providencial gesto do meu
companheiro, eu estremeço. O que teria acontecido se chegássemos
a permanecer perto do lençol de neve? O Destino de fato é
inexplicável.
Umas duas horas mais tarde, já perto da nona, ouvimos um
grunhido. A princípio tênue, distante...
Eliseu e eu, movidos pelo mesmo pensamento, ficamos de pé,
observando inquietos a fileira de árvores que fechava a nevada pelo
flanco oeste. Instintivamente procurei o Rabi. Ele havia se deslocado
alguns passos. Agora estava à nossa direita, de pé, sobre uma laje
de pedra de uns 40 centímetros de altura e a uma centena de metros
do saco de provisões. Tinha as palmas das mãos abertas em direção
ao céu, e o rosto, como sempre, discretamente voltado para o alto. O
vento, pertinaz, fazia ondear a túnica como uma bandeira.
As provisões!
De repente lembrei. A mochila, num descuido nosso, ficara aberta. E
dentro, os restos da refeição: algumas maçãs, parte do queijo e o
frasco de vidro com uma boa porção de mel líquido. E me perguntei.
Teria sido fechado por Eliseu ao terminar o almoço?
Não houve tempo para mais elucubrações...
Aterrorizados, Eliseu e eu vimos aparecer entre os cedros um
formidável exemplar de urso sírio, uma subespécie do ursus arctus, o
célebre e temido urso pardo. Podia ter uns dois metros de
comprimento, com um peso não inferior a duzentos quilos.
Num primeiro momento o animal parou. Levantou a enorme cabeça
e cheirou. O maarabit, o vento do oeste, por sorte, não lhe deu
nenhuma pista sobre os humanos que estavam na frente dele.
Contudo, temeroso, ficou atento a qualquer barulho.
Olhei o Mestre. Continuava imóvel. Alheio. Absorto. Meu
companheiro, pálido, me fez um sinal.
Avisávamos o Rabi?
Tentei pensar rápido. O que faríamos? Podíamos ir ao encontro do
animal e obrigá-lo a fugir, com gritos e pedras. O método, contudo,

não me convenceu. Esses animais são imprevisíveis. Se atacássemos,
corríamos o risco de cair debaixo de suas garras. Umas garras negras
e afiadas, de quase quinze centímetros de comprimento. Mas não foi
esse hipotético perigo o que me fez decidir a continuar mudo e
imóvel como uma estátua. Nós, afinal, estávamos protegidos pela
pele de serpente. Foi a possibilidade de que o ursus pegasse Jesus
e isso, definitivamente, me deixou pregado no chão.
Pedi calma e, com sinais, fiz ver ao meu amigo que era melhor não
fazer nada. Ele me olhou atônito. E voltou a dirigir seu dedo ao
Mestre.
Neguei com a cabeça e, prevendo uma súbita e mais que provável
reação de Eliseu, eu o segurei pelo cinto, retendo-o.
Naquele momento crítico, atrás do vigilante plantígrado, entrou em
cena um segundo personagem: um ursinho de uns seis meses, de
pelugem igualmente espessa e avermelhada, brincalhão, inquieto, e
sobretudo, curioso.
Ao vê-lo, verdade seja dita, eu me alegrei de não ter ido ao
encontro da ursa. Naquelas circunstâncias, com uma cria sob sua
proteção, a reação da mãe poderia ter sido muito mais violenta e
temível.
Finalmente, convencida de que o lugar estava vazio, ela avançou
lenta e vacilante, com o típico furta-passo. O ursinho, confiante,
passou por ela e, correndo, tomou a direção onde estava o Mestre.
Mas um súbito e oportuno grunhido da ursa estancou o bichinho.
Olhou para a mãe e, pulando e volteando na neve, esperou por ela.
Meu coração, quase parado, avisou. Se o urso sírio não mudasse
de rumo, iria passar bem perto da laje onde continuava Jesus.
Mas como era possível?
O Galileu continuava alheio a tudo. Como não ouvia os grunhidos?
De repente, gelando o pouco sangue que ainda circulava dentro de
nós, a ursa parou de novo. Levantou o focinho e cheirou. E o vento
agitou a longa pelugem do pescoço e do ventre.
O que teria detectado?
A paragem não respirava. Só o maarabit assobiava entre os

farelhões, tão aterrorizado quanto estes exploradores.
O cheiro corporal de Jesus não chegava até a ursa. O vento,
providencialmente, o impedia. Então...
Eliseu, desarmado, tomou impulso, querendo entrar em cena.
Agüentei como pude e, autoritário, pedi-lhe em voz baixa: - Quieto!
Não devemos intervir. É uma ordem! Eu o vi apertar os punhos e
morder os lábios com raiva. Mas obedeceu.
O ursus, então, mudou de rumo e aproximou-se da sacola de
viagem.
As provisões! Acabava de descobri-las com o olfato! De fato, depois
de examinar o conteúdo, introduziu a bocarra na mochila, dando boa
utilidade à comida.
A cria, entediada, continuou dando voltas. E numa daquelas curtas
corridinhas quase topou com a pedra sobre a qual rezava o Filho do
Homem.
Eu estremeci.
O ursinho, apesar da absoluta imobilidade de Jesus, captou
alguma coisa e, curioso, foi rodeando a laje. Ao ficar contra o vento,
a presença humana chegou-lhe em cheio. Ficou quieto.
Intrigado. Olhou a mãe, mas esta, encantada com a ração de mel,
não lhe deu a menor atenção. Então, decidido, levantou as patas,
apoiando-as sobre a beira da pedra.
Eliseu e este que aqui escreve ficamos trêmulos.
As sandálias do Mestre estavam a escassos trinta ou quarenta
centímetros das garras do filhote. Se as tocasse, o mais provável é
que o Galileu reagisse. Nesse caso, o que aconteceria? O ursinho
aproximou o focinho, cheirando a estranha e alta criatura. E nisso
estava quando, de repente, a barra da túnica, agitada pelo
maarabit, bateu na cara do animal, assustando-o. Não teve dúvida.
Saltou para trás e, aterrorizado, correu na direção da ursa.
Instantes depois, concluído o festim, o Ursus afastou-se por onde
havia chegado, seguido de perto pela incansável cria. E nós os vimos
desaparecer no intrincado bosque de cedros.

Respiramos.
Uma hora mais tarde por volta da décima (as quatro) -, Jesus
abandonou seu isolamento, reunindo-se a estes assustados
exploradores. Notou alguma coisa em nossas expressões e, de
imediato, intrigado, perguntou o que estava acontecendo. Ao
explicar-lhe, sorrindo maroto, exclamou:
- Uma ursa? Aqui! E eu com estes cabelos!...
Assim era aquele Homem. Aquele magnífico Homem.
Definitivamente, o Galileu não havia percebido a presença do
ursus.
Seu poder de concentração, sua linha direta com Ab-bã não sei
como chamá-lo era assombrosa. E diante do ocorrido na piscina de
gesso e no monte nevado, eu voltei a me fazer a inquietante
questão:
era vulnerável? Estava sujeito, como o resto dos mortais, aos riscos
da existência? Eu conhecia seu fim e, evidentemente, era um Homem
sujeito à dor e à morte. Mas isso foi o final de sua vida na carne. E o
que teria acontecido com as etapas anteriores? A verdade é que,
refletindo sobre isso, não encontrei um único dado, com exceção da
infância, que permitisse imaginar ou supor um Jesus doente ou em
sério risco de vida. A curiosa circunstância por que negar isso? - me
deixou perplexo. Não era normal. Alguma coisa invisível parecia
protegê-lo.
Naquela mesma noite, depois do jantar, não pude resistir à
tentação e toquei no assunto abertamente.
- Não tenhas medo, Jasão respondeu o Galileu, ratificando
minhas suspeitas -, nada acontece, nem acontecerá, sem o
consentimento do Pai.
E acrescentou com aquela segurança de ferro: - Estou nas melhores
mãos!
Então, lembrando um velho acidente sua queda pelas escadas
externas da casa em Nazaré(1), quando só tinha sete anos
perguntei:
- E o que me dizes da tempestade de areia que provocou aquele

perigoso tropeço? Tu podias ter morrido...
A alusão à sua remota infância deve ter lhe trazido gratas
lembranças.
Isolou-se alguns segundos e, finalmente, sorrindo, exclamou: -
Fizeste um bom trabalho, meu querido embaixador, mas lembra
minhas palavras: a vida é para ser VIVIDA. Com maiúsculas... E vim
também para experimentar a existência humana. Tudo foi minuciosa e
escrupulosamente medido.
Estava claro.
*1. Informação sobre esse fato em Operação Cavalo de Tróia 3, pp. 413 e ss. (N. Do
a.)
Eliseu interveio, interpretando as palavras do Mestre à sua
maneira, como sempre.
- Queres dizer que um anjo te protegeu?
- É mais complexo, mas serve...
Meu irmão não deixou passar a excelente oportunidade e atacou.
Aquela, se eu me lembro bem, era uma das quase cem perguntas que
tinha preparadas.
- Então reconheces que os anjos existem...
Jesus o contemplou assombrado.
- Rapaz... estás surdo?
- Ainda não, Senhor...
- Quantas vezes terei que repetir isso? O reino de Ab-bã é um
fervilhar de vida.
- Ou seja, existem!
- E em tal quantidade respondeu o Mestre resignado diante da
impetuosidade do engenheiro -, que não há medida na terra para
somá-los.
- E como são?
- Por que não esperas para comprovar por tua própria conta? - Ah!,
então eu os verei quando passar para o outro lado...

- Ao outro lado?
- Já me entendeu, Senhor... Quando morrer.
- Claro, meu querido ajudante. Isso é o estabelecido.
- Têm asas?
Eliseu, quando queria, virava um terremoto.
- Asas! Como os pássaros?
- Como os pássaros...
Jesus olhou-me e, suspirando, comentou derrotado: - De onde
tiraste ele? É sempre assim?
Concordei com um sorriso.
- Se queres imaginá-lo com asas... muito bem. Quando passares ao
outro lado, como tu dizes, vais ter uma surpresa.
Hesitou e, sem perder o sorriso, retificou: - Ou melhor dizendo, um
susto...
- São feios?
- Menos que tu, querido destroça-patos...
- Então são bonitos...
O Mestre voltou a me olhar e murmurou:
- Incorrigível! Maravilhosamente incorrigível! E, tão resignado como
Ele, concordei de novo.
- Bonitos? - insistiu meu amigo, percebendo que alguma coisa
desencadearia as risadas do Rabi. - E não tem bonitas?
- Os anjos são criaturas de luz. Pertencem a essas outras
realidades das quais te falei. Não dispõem de corpos físicos.
Foram criados na perfeição e não sabem de sexos. São uma
realidade muito parecida com a que vos aguarda no outro lado...
Interrompeu a explicação e, assentindo com a cabeça, falou consigo
mesmo:
- O outro lado... Eu gosto da definição.
- E se não têm sexo, como se divertem?
- Não sejas vulgar! - eu o repreendi.

- Não faz mal disse Jesus. - Eu gosto de sua naturalidade... Filho
meu, agora não estás capacitado para entender, mas existem outros
prazeres imensamente mais intensos e gratificantes que o sexo. Eu te
garanto que, no outro lado, não vais ficar entediado...
Tentei reconduzir a conversa e perguntei:
- E esses seres de luz, cuidam dos humanos? - Alguns sim. Não
todos.
- O famoso anjo da guarda!
- Os famosos anjos, Jasão, no plural...
O comentário, logicamente, nos deixou confusos. E Eliseu o
abordou:
- No plural? Quantos temos?
- Essas deliciosas criaturas são criadas sempre em duplas.
São dois em um. Cada mortal que o merece, portanto, recebe um
guardião duplo.
- E por que dois?
- Coisas de Ab-bã. Tu sabes, Ele tem muita imaginação...
Uma das afirmações não passou em branco para estes
exploradores. E Eliseu e eu insistimos de novo na pergunta:
- Cada mortal que o merece? Que queres dizer com isso? - Observai
atentamente: sempre voltamos ao princípio. Sempre se volta à
mensagem chave: colocar-se em suas mãos, fazer sua vontade,
desencadeia uma força avassaladora e magnífica.
Muito bem, o homem toma essa suprema decisão, uma dupla de
serafins é destinada imediatamente à guarda do pequeno Deus. E o
acompanhará até a presença do Chefe... e mais adiante.
- Um momento gritou o engenheiro desconcertado. - E o que
acontece com os que nunca quiseram... ou, até, não puderam fazer
sua essa grande decisão?
- Meu Pai, eu também te disse isso, tem outros métodos e
caminhos. O Amor não distingue. Vós quisestes saber uma coisa
concreta e eu já respondi.

- Vamos ver intervim, tentando ser o mais preciso e certeiro
possível. - Isso quer dizer que uma mente subnormal, por exemplo, se
acha indefesa?
O Mestre, lendo meu coração, se apressou a negar com a cabeça.
Adotou um tom mais grave e esclareceu:
- Não, filho meu. Dessas criaturas cuidam especialmente os anjos a
serviço de Ab-bã.
E sublinhou com ênfase:
- Especialmente!
- Em outras palavras arrisquei -, ninguém fica sem proteção.
- Querido Jasão, o dia em que descobrires até onde chega o Amor
do Pai, essa reflexão te deixará constrangido.
- Mas, Senhor, não entendo. Se toda criatura humana é guardada e
vigiada, que significado tem essa dupla de anjos que aparece
quando se toma a decisão de fazer a vontade de Ab-bã?
- Muito simples. Eu te disse que o Amor é dinâmico. Se tu
prosperas, o amor prospera...
- Entendo resumiu Eliseu. - Essa dupla extra é um luxo.
- Deus é um luxo. Um contínuo e inesgotável luxo.
- E tu, Senhor, como ser humano, quantos anjos tens a teu lado?
O Galileu, alegre, olhou ao seu redor...
- Só vejo dois...
Ingênuo, Eliseu não captou a brincadeira.
- Dois? E como são?
Primeiro, apontando para ele, exclamou entre risadas: 437
- Um deles... é um destroça-patos.
Depois, dirigindo-se a este que aqui escreve, rematou: - O outro,
um lava-pratos.
Não insistimos. Pouco a pouco fomos aprendendo. Esse tipo de
respostas marcava quase sempre um ponto final no assunto que
discutíamos. Por razões para nós desconhecidas, alguns dos temas
que vinham à luz não eram resolvidos pelo Mestre como teríamos

desejado. Lembro-me de que uma vez, em plena vida de pregação,
eu me atrevi a interrogá-lo sobre esse particular. E Ele, afetuoso,
colocando as mãos sobre meus ombros, sentenciou:
- Meu querido anjo, a revelação é como a chuva. Em excesso só traz
problemas. Deixai-me fazer...
Minha intuição diz que o que me disponho a relatar em seguida,
muito provavelmente, é um dos capítulos mais sugestivos e
transcendentais de tudo quanto venho narrando neste pobre e
apressado diário.
Como eu gostaria de dominar a pena! Daria o pouco que me resta
de vida para saber reproduzir aquelas belas e esperançosas palavras
tal e qual Ele as pronunciou. Mas sou humano (ainda). Não sei se
acertarei.
Foi mágico. Nem eu nem meu irmão procuramos isso. Brotou em seu
devido momento. Ele, certamente, sabia...
Lembro-me de que eu estava dentro da tenda. Foi ao entardecer do
dia seguinte, 8 de setembro. Acabávamos de voltar da terceira e
última excursão ao cume da montanha santa. O Mestre e meu
companheiro se ocupavam da preparação do jantar. Eu aproveitei
aqueles minutos e repassei as anotações do dia anterior. De repente
não sei por que parei numa das frases de Jesus. Curioso. Este
explorador a tinha sublinhado.
O Mestre, referindo-se aos anjos, assim se expressou: São uma
realidade muito parecida à que os aguarda no céu. Fiquei
pensativo.
Naquela altura, o tema da morte era uma coisa que não me
agradava. Contudo, obedecendo talvez a um impulso do
subconsciente, eu ressaltara essa frase.
Estava nisso, contemplando a dita frase com perplexidade, sem
nenhum aviso, vi aparecer o Galileu no interior do refúgio.
Parecia distraído. Ele me olhou. Sorriu e desculpou-se: - Olha só!
Entrei na tenda errada. Desculpa. Procuro o sal...
Deu meia volta e foi saindo. Mas, de repente, parou. Girou a
cabeça e, apontando meus escritos, exclamou:

- Eu não disse, remáyin...
Quando reagi, ele havia desaparecido.
Remáyin! Fui direto ao diário e, atônito, descobri que, de fato, a
referida frase dos anjos estava errada. Jesus de Nazaré nunca falou
de céu (.remáyin), mas sim de outro lado (ohoran atar).
Claro que acabei rindo sozinho, como um bobo.
Ele errara de tenda? Nunca acreditei nisso.
Perguntar como fazia essas coisas Nem pensar. Simplesmente,
fazia...
Minutos depois, reunidos ao redor do fogo, o Rabi, dando-me uma
piscadela, perguntou:
- Tinha ou não tinha razão?
E eu, como um idiota, respondi:
- Sim, mas no fundo dá na mesma...
- Não, Jasão. O céu, tal e como vós o interpretais, tem pouco a ver
com o outro lado.
E assim, magicamente, começou a falar de alguma coisa que eu
nunca quisera enfrentar. Uma realidade, contudo, da qual ninguém
escapa.
Meu irmão, percebendo parte do acontecido, deu de bandeja o
tema para Jesus:
- Já que falas da morte, Senhor, dize-me: não te assusta? A
resposta foi categórica. Fulminante.
- Responde primeiro a outra pergunta: te assusta dormir? - Não,
mas não vejo a relação...
- É a mesma coisa.
- Morrer é dormir?
- Assim é, meu querido ajudante. Só isso.
- E depois?
- Depois... a vida!
A palavra utilizada pelo Galileu hay não deixava dúvida

alguma. Hay = vida.
- Um momento despachou Eliseu, muito consciente da gravidade
do que se discutia ali -, falas sério ou em parábola?
Jesus segurou o riso.
- Muito sério...
- Certeza?
- Toda certeza!
- Repete outra vez. Isso é certo?
O Mestre esperou alguns instantes. Apagou todos os sinais de
sorriso e com a fisionomia grave, muito grave, exclamou:
- Yassib!
Para esse termo aramaico, que eu saiba, só existem duas
traduções: certo e verdadeiro.
- Certo! - Repetiu o Rabi -, eliminando qualquer desconfiança.
Silêncio sepulcral... Não havia melhor definição.
Eliseu e eu nos olhamos. Diante de semelhante e categórica
afirmação, só cabia acreditar ou não acreditar. O problema era que
aquele Homem jamais mentia. Se Ele garantia que depois da morte
existe vida... não tínhamos alternativa. Existe vida! O engenheiro,
sincero, suspirou:
- Como eu gostaria de acreditar em ti!
Jesus então foi ao seu ao nosso encontro sem titubear: - Vós,
precisamente, sabeis melhor que ninguém..... Por que agora essas
dúvidas?
- É que é muito forte, Senhor.
- Sim, eu sei. Essa é outra das razões da minha presença entre os
seres humanos. Quando chegar o momento... já sabeis a que me
refiro, verão com seus próprios olhos. O Filho do Homem será visto
ressuscitado dentre os mortos. E o verão de uma forma idêntica à que
todos vós desfrutareis depois do sono da morte.
- Mas, Senhor, tu és Deus. Tu, sim, podes fazê-lo. Nós, ao
contrário...

- Não, filho meu. Minha ressurreição colocará às claras a glória do
Pai, mas também terá uma segunda e não menos importante
justificativa: a esperança.
Eu te disse: sois imortais. Sereis ressuscitados.
- Seremos? Por quem?
- Justamente pelos meus anjos.
- Pelos pássaros?
- Pássaros? Que pássaros?
Entrei na conversa, advertindo o meu companheiro. Não era o
momento para brincadeiras. Jesus, contudo, me repreendeu.
- Querido amigo, deixa que teu irmão se expresse. Quanto mais
acima estiveres no caminho em direção ao Chefe, mais gostarás do
bom humor. Quanto mais importante e sério um assunto, mais precisa
de humor... O senso de humor, não esqueças, não foi inventado pelo
homem. É coisa dos céus.
Eliseu, sentindo-se importante, desceu aos detalhes. E eu,
sinceramente, agradeci.
- Mas, onde, como?
O Mestre, feliz, pediu calma. E foi soltando algumas informações.
- Lembras Na casa do meu Pai existem muitas moradas...
Concordamos impacientes.
- Pois bem. No meu reino há algumas estâncias... digamos que
especiais, nas quais voltais à vida. A verdadeira vida.
Ele nos observou contente.
.. Depois da morte, depois desse sono fugaz, aparecereis em um
mundo diferente...
- Com casas, árvores, rios?
- Sim, meu impulsivo amigo, igual a este... mas diferente.
- Já disseste isso muitas vezes, Senhor...
Captei o erro involuntário e retifiquei.
- Perdão, dirás isso muitas outras vezes... Quando chegar a hora
despertareis num mundo que nem sequer podeis intuir. Agora dizes

que é igual a este, mas diferente. Não entendo...
- É lógico, Jasão. Dizei-me uma coisa: consegues imaginar corpos,
matéria, que são e não são matéria? Estais capacitados para
compreender uma besar (carne) que além do mais é or (luz)?
Carne e luz ao mesmo tempo?
Não, não éramos capazes de assimilar esse conceito.
- A isso eu me refiro continuou o Rabi fazendo um esforço para
aproximar as palavras à nossa curta inteligência quando vos digo
que esse esplêndido mundo é igual, mas diferente.
- Matéria e luz!
De repente, Eliseu, lembrou uma coisa que discutimos longamente
no cume do Ravid. E, sem delongas, expôs sua teoria original e
ratificante sobre Mat-1.
O Mestre ouviu atento e visivelmente comovido. Quando Eliseu
concluiu, simplesmente sorriu, aprovando sua hipótese com vários e
afirmativos movimentos de cabeça. Foi suficiente.
Meu amigo, entusiasmado, deu um pulo e, apertando os punhos,
gritou:
- Eu sabia!... Metade matéria, metade luz! O Rabi, contudo,
interveio, esfriando um pouco seu entusiasmo:
- Mais ou menos, querido ajudante. Mais ou menos...
Em seguida, ligando o tema com uma coisa que repetiria até a
exaustão, advertiu:
- Compreendeis agora por que vos peço com tanta insistência que
VIVAIS a vida? Entendeis por que eu disse que estou aqui para
experimentar a existência humana?
- Deixai-me adivinhar. Parece simples...
Olhei para minhas mãos e me arrisquei.
- Esta forma de vida é única. Lá, nesses mundos especiais, teremos
outros corpos... diferentes. Não poderemos viver como agora. A
isso te referes? Estás falando, Senhor, em apreciar e aproveitar esta
oportunidade? Estás dizendo que VIVaMOS a vida porque não
desfrutaremos de outra semelhante? Não respondeu. Ele nos deixou

em suspense por alguns segundos e, ao perceber nossa ansiedade,
sorriu feliz, exclamando:
- Perfeito, Jasão! VIVEI intensa e generosamente. Saboreai a vida.
Desfrutai cada instante. Sabei que esta oportunidade, como dizes, é
única. Nunca voltareis a este estado(2). Amai a vida. Respeitai-a.
*2. As afirmações referentes a encarnação ou reencarnação são de responsabilidade
exclusiva do autor. (N. Da Editora Mercuryo.)
Compartilhai-a. Usai-a com inteligência e moderação. Eu vos dou um
presente do Pai.
Meu irmão então explodiu como um vulcão, interrogando-o sem
trégua:
- E aí, Senhor, o que devemos fazer?
- Estou te dizendo, mas não ouves: acordar.
- Mas para quê?
- Para a verdadeira, a definitiva vida. Aí começas. Aí disparas em
direção ao Pai.
- Lá se trabalha?
- Claro que sim, embora a princípio todos vós necessitais de uma
limpeza.
Notou nosso espanto e esclareceu:
- Quando estiverdes acordados nesse mundo, tudo, praticamente,
será idêntico ao que acabais de deixar aqui. Eu vos repito: é um
simples despertar. Mas os defeitos e vícios da natureza humana
continuarão pesando... em parte. E os meus se ocuparão então de
limpá-los. Não vos preocupeis: a cura é rápida e indolor.
Compreendei: nessa outra realidade não cabe a densa e
incompetente herança que arrastais. Sereis preparados para um
longo, muito longo caminho em direção ao Chefe. Um caminho cada
vez mais esplêndido. Um caminho no qual, pouco a pouco, a luz irá
dominando a matéria. E chegará o dia em que só sereis isso: luz.
- Então veremos o Chefe...
- Tranqüilo, rapaz! Verás o Barbudo... no seu devido tempo.
- Metade luz, metade matéria... E como se sustenta essa matéria?

Come-se do outro lado?
Jesus parecia estar esperando a pergunta de Eliseu.
- Se come e se bebe... mas não como tu acreditas.
Meu irmão e eu nos olhamos mais uma vez. E tivemos o mesmo
pensamento. Essa afirmação do Rabi coincidia com aquilo detectado
por nós durante a aparição.número 14 do Ressuscitado, na manhã do
sábado, 22 de abril do ano 30, na colina da Ordenação (hoje
chamada das Bem-Aventuranças).
Naquela ocasião, o instrumental do berço detectou no corpo
glorioso uma clara ausência de sistemas circulatório e digestivo, tal
como os conhecemos na Terra.
Ele não o disse, mas este que aqui escreve fez suas próprias
deduções: quem sabe nesse mundo novo, nesse novo estado em
MAT-1, como dizia meu companheiro -, os alimentos, integrados
por essa enigmática substância (metade matéria, metade energia
[?)), fossem absorvidos total e absolutamente.
Em outras palavras, uma alimentação sem dejetos.
Francamente, fiquei maravilhado.
Quanto à falta de aparelho circulatório, se eu aceitava as palavras
do Mestre, e eu as aceitei, claro, a explicação (?) podia ser muito
parecida. Embora a ciência ainda não esteja capacitada para
entender isso, quem sabe esses corpos não tenham necessidade
de respirar. Ou, se o fazem, talvez se nutram de oxigênio (?), ou do
que for, por contato direto da pele (?) com o meio ambiente (?).
Eu sei, puras especulações.
Contudo, foi nessa direção que apontaram as respostas do Filho do
Homem.
Como dizia o Mestre, quem tiver ouvidos....
- Então insistiu o engenheiro -, se come e se bebe...
Jesus concordou em silêncio, mas não deu mais esclarecimentos.
Simplesmente, limitou-se a repetir o que já fora dito.
- Sereis como anjos...
- Com esposa ou sem esposa?

- Querido destroça-patos, por favor, ouça quando falo...
- Eu ouço, Senhor...
- Então, estás surdo.
- Não entrei sarcástico -, é bobo mesmo...
- Silêncio, lava-pratos!
- Haja paz!. Eu te dizia que nessa nova realidade não se precisa de
sexo, tal como o entendeis na Terra(3). Ali não existem essas
inclinações. Entre outras razões, porque a carne, o corpo material não
passa ao outro lado. Aqui fica e aqui desaparece.
*3. Ampla informação sobre o corpo glorioso em Operação Cavalo de Tróia 3, pp
337 e ss. (N. Do a.)
- Maravilhoso! - exclamou Eliseu. - Então, se não tem esposa,
tampouco tem sogra...
O Mestre levantou os braços, exclamando:
- Eu me rendo!
- Não, por favor... Prenderei a língua, mas continua falando...
Aproveitei a brecada do engenheiro e me interessei por um ponto
que ainda não terminara de assimilar. Um entre muitos, é claro.
- Dizes que somos imortais. Assim nascemos. Então por que não
ressuscitamos por nós próprios? Por que precisamos dos teus anjos?
Jesus tropeçou de novo no grande problema: a limitação da mente
humana. Eu ansiava saber, mas reconheço que talvez estivesse me
aventurando em questões que iam muito além do meu parco
conhecimento. Ainda assim, o Rabi tentou.
- Filho meu, não é muito o que te posso dizer... Por enquanto. Há
criaturas do tempo e do espaço que nem sequer têm inteligência. Por
múltiplas razões se vêem privadas de um mínimo de espiritualidade.
Muito bem, segundo o estabelecido por Ab-bã, esses humanos não
são despertados depois da morte. Devem esperar, num sono
coletivo, que chegue sua hora.
E não perguntes mais. Aceita minha palavra.

Um sono coletivo?
Acho que entendi então uma das misteriosas frases do
Ressuscitado, pronunciada em 5 de maio do ano 30, na aparição na
casa de Nicodemos, na Cidade Santa:
.. Mais que por isto (referia-se à ressurreição), vossos corações
deveriam estremecer é pela realidade desses mortos de uma época
que empreenderam a ascensão eterna pouco depois que eu
abandonei o túmulo de José de Arimatéia...
- Só um problema, Senhor. Muitos outros seres dispõem desse
mínimo de inteligência e espiritualidade. Por que não ressuscitam por
si próprios?
- Já falámos nisso, meu querido e esquecediço anjo. Sois imortais,
sim, e por direito próprio. Assim o quis Ab-bã. Mas não confundas
imortalidade com vida.
- Não compreendo... Não é a mesma coisa?
- Sim e não. A vida sempre precede a imortalidade. Esta, de forma
definitiva, depende daquela. E não esqueças que a vida é uma
prerrogativa do Pai. Eu disponho desse poder por sua imensa
generosidade. Vós, ao contrário, não estais capacitados para colocála
em pé...
Meu irmão o interrompeu.
- Queres dizer que o homem nunca criará a vida? - Assim é.
Enquanto pertencer ao reino do material... nunca conseguirá fazer
isso. Nunca!
Aquele nunca! soou contundente. Eu dizia até premonitório.
Um aviso... para nosso mundo. E acrescentou com idêntica
contundência:
- Não esqueçais: a vida é sagrada. E patrimônio do Pai.
Abortá-la, suprimi-la ou feri-la é um desprezo a quem a entrega...
gratuitamente.
Mensagem recebida.
E Eliseu, desejoso de retomar o tema capital, voltou a atacar:
- Senhor, se o corpo fica aqui, na terra, o que acontece com a

memória? Quando passar ao outro lado, quando teus anjos me
ressuscitarem, lembrarei deste lava-pratos? O Mestre, suavizando o
tom, respondeu:
- No outro lado, lembrarás e serás lembrado. Reconhecerás e
serás reconhecido. Nenhuma das tuas qualidades se perderá.
Vacilou um instante e, sarcástico, ponderou: - Esta de ajudante
de cozinha... não sei.
- Lembrarei de tudo?
- Tudo o que valer a pena. Tudo o que te emocionou e serviu para
progredir. O resto, as tendências puramente animais, os vícios e
defeitos desaparecerão com o cérebro físico.
- Santo Deus! - exclamou Eliseu desconsolado. - Então, minha sogra
vai me reconhecer.
Jesus entrou na brincadeira.
- Vai te reconhecer e te perseguir...
- A propósito, senhor, veremos lá os nossos pais? - Claro que sim,
Jasão. Teus pais e todos teus entes queridos. Eles te ajudarão, mas,
insisto, aquele lugar não é como este. Lá não existem laços
familiares, tal como vós os interpretais aqui na Terra. Nesses mundos
não há lugar para conceitos como pai, família, esposa ou
filhos. Sois como anjos!
Ele nos olhou e ao perceber certa decepção em nossos rostos,
esclareceu:
- Nessa nova realidade em MAT-1 como tu dizes, o Amor é tão
pleno, intenso e limpo que os pequenos Deuses não sentem falta dos
antigos e limitadíssimos afetos humanos. Vossa alma livre, ficará tão
deslumbrada que nada do que agora considerais vos fará sombra. Eu
vos repito: tereis entrado numa aventura fascinante.
O Mestre, ao se referir à alma, empregou um termo nismah que
me confundiu. O vocábulo, em aramaico, significa espírito ou
alento. E, não sei por que, eu o associei à centelha divina, Ab-bã.
E perguntei:
- Centelha e alma imortal são a mesma coisa? O Rabi, impotente
diante da anemia das palavras, deu um ruidoso suspiro. E tentou

descer ao nosso nível.
- Não, Jasão, não são a mesma coisa. Mas não te atormentes.
Tudo será revelado... em seu devido momento. Essa presença
divina, a centelha, quando morreres, se ocupará de guardar tua
memória. Teu dikron. Ela a manterá a salvo até o momento de tua
ressurreição.
De novo Jesus leu o meu íntimo e corrigiu: - Eu disse dikron
(memória), não bal (mente). Esta, como parte integrante do teu
cérebro físico, se dissolverá com o corpo.
Então, retomando a minha pergunta, completou: - A alma imortal é
outra criatura, independente da memória e da mente física. E essa, a
nismah, é acolhida depois da morte pelo teu anjo da guarda. Ele
cuida dela e a conserva, também até o sublime instante da
ressurreição.
Palavras difíceis, eu sei, mas eram suas palavras. E acreditamos no
que dizia.
Sorriu compassivo e reiterou:
- Tende calma. Meu Pai é sábio. Ele sabe...
- Alma imortal... centelha divina... mente humana...
memória... Senhor, que confusão!
- Querido ajudante, confia em mim.
- Senhor eu o interroguei perplexo -, o que acontece no instante
exato da ressurreição?
- Simples: alma e memória se reúnem. E caminham juntas...
para sempre.
- E a centelha?
- Eu também já te disse isso: não te abandona jamais. É o terceiro
viajante a caminho da Perfeição.
- E essa viagem, Senhor, quanto tempo dura? - Se eu expressá-la
em termos humanos, querido ajudante, não compreenderias.
- Vou achar tudo muito chato?
- Duvido...

- E quanto tempo permanecerei como MAT-1 ? - O tempo justo e
necessário. Não muito...
- Senhor, o que está acontecendo contigo? Estás muito lacônico.
- Compreendei. Não é bom que eu fale demais.
Eliseu, como sempre, não ouviu.
- E depois? O que acontecerá quando, enfim, eu for um homemluz?
- Surpresa!
- Já entendi... Verei o Chefe.
O Mestre, maldoso, negou com a cabeça.
- Não? Então está muito longe!
- A propósito, Senhor eu entrei de novo na conversa, levantando
um assunto que, pelo menos para mim, ainda não estava claro -,
nesses mundos, ao passar de um MAT a outro, morre-se de novo?
O Galileu sorriu e, olhando para mim como se eu fosse uma criança,
sentenciou contundente:
- Não.
- Então, só se morre uma vez...
- Exato. Eu já vos disse: Ab-bã é poderoso, mas prefere a
imaginação.
Compreendeu nossa confusão e, apontando as estrelas, exclamou:
- Dizei-me: sabeis de alguma coisa na natureza que se repita?
Silêncio.
Eliseu e eu tentamos achar essa alguma coisa.
- Não eu desisti -, que eu saiba, nada é igual.
- Muito bem, Jasão. E por que o fenômeno da morte seria uma
exceção? Teu Pai sabe...
- Senhor, mas tem uma coisa que me intriga...
O Mestre e eu começamos a tremer.
- Por que ninguém volta depois da morte?

- Estás enganado. Eu o farei.
- Não é isso... Eu me refiro ao destroça-patos.
- São as regras. Vós também tendes as vossas...
- Que céu mais estranho...
- Não, meu querido ajudante, isso não é o céu. Eu vos disse:
tendes uma idéia equivocada. O céu, o Paraíso, está muito além.
Agora é impossível para vós entender sua autêntica natureza. Nos
mundos que vos aguardam depois da morte só podereis intuir essa
imensa, imensa maravilha.
- Bendito Deus! - explodiu meu amigo. - Como vamos transmitir tudo
isso ao nosso mundo? A ciência não vai aceitar.
- Meus queridos filhos: deixai a ciência em paz! Não estais aqui
para convencer ninguém. Só para transmitir. Deixai que a verdade
toque os corações. Basta isso.
Eliseu, teimoso, não aceitou. Então, relembrando o vôo da bela
mariposa que pousou sobre seu ramo, Jesus de Nazaré deu um
exemplo eloqüente:
- Meus queridos, a filosofia que rege os universos não pode ser
entendida pela inteligência material. Não vos preocupeis...
Respondei-me: se os cientistas não tivessem a possibilidade de
comprovar a metamorfose de uma mariposa, aceitariam que essa
criatura tinha sido primeiro uma lagarta? Deixai que eles passem ao
outro lado. Então verificarão que as leis que governam essas outras
realidades são tão físicas e rígidas como as leis do tempo e do
espaço. A surpresa, então, os deixará perturbados. Eles, as lagartas
na Terra, terão se transformado em mariposas ágeis e deslumbrantes.
Vós sois testemunhas. O Filho do Homem, uma lagarta, fará o milagre
e se transformará em mariposa.
Insisto: limitai-vos a ser mensageiros da minha palavra.
- A propósito, Senhor, já que o mencionas, temos uma ligeira idéia,
mas gostaríamos de confirmar... O que aconteceu, perdão, o que
acontecerá com teus restos mortais? Como desaparecerão do túmulo?
- Coisas de anjos...

Esboçou um sorriso maroto e acrescentou:
- Terás que perguntar isso a eles. Eu não tive nada a ver.
Hesitou alguns instantes e completou:
- Melhor ainda, interrogai-vos a vós mesmos. De certo modo
também sois anjos e conheceis essas técnicas.
Entendi. Quase sem palavras, o Mestre vinha ratificar nossas
suspeitas. Sua ressurreição, seu retorno à vida, nada teve a ver com
o fato físico da dissolução (?) do cadáver. O misterioso
desaparecimento do corpo obedeceu, muito provavelmente, a uma
manipulação (?) do tempo. Alguém, seus anjos, condensou ou
concentrou em décimos ou centésimos de segundo os anos que
teriam sido necessários para finalizar um processo normal de
putrefação. E a matéria orgânica, magicamente, se extinguiu.
O Mestre, confirmando minhas apreciações, concluiu assim: - Minha
ressurreição não depende de ninguém. Eu sou a Vida.
Não deveis cair no erro de associar esse gesto de piedade e
respeito, por parte dos meus, com a realidade da minha volta à vida.
Mensagem recebida.
E exclamou, encerrando aquela inesquecível conversa: - Enchei-vos
de esperança! A morte é só um sonho! Sois imortais por expresso
desejo de Ab-bã!... Sois filhos de um Deus! Transmiti isso!
Transmitir a esperança? Serei capaz?
Que Ele me ajude...
QUARTA E ULTIMA SEMANA NO HERMON
Foi a mais dura. A mais tensa e angustiante. Foi, praticamente,
uma semana sem Ele.
É curioso. Teoricamente segundo as normas -, éramos simples
observadores de outro agora. O Cavalo de Tróia proibia
terminantemente: nada de afetos, nada de laços com gente daquele
tempo histórico. Muito bem, não conseguimos isso. Jesus de Nazaré

nos cativou. Aquele Homem-Deus penetrou em nossos corações e,
simplesmente, nós o amamos. Pouco importava a operação. Nunca
nos arrependemos.
Por isso mesmo, aqueles dias derradeiros no cume da montanha
santa representaram um suplício extra. E não porque o Mestre, ou
nós, sofrêssemos algum percalço, mas justamente, repito, por sua
repentina saída do mahaneh.
Segundo consta no meu diário, aconteceu no amanhecer do
domingo, 9 de setembro. O Galileu nos reuniu e, com uma expressão
séria, anunciou:
- Escutai atentamente. Agora devo deixar-vos por alguns dias. É
preciso continuar ocupando-me dos assuntos do meu Pai...
Ficamos alarmados. Nem o tom nem o semblante eram habituais.
Parecia preocupado. Muito preocupado...
- Esperai tranqüilos.
E concluiu com algumas palavras que não entendemos: ... É a hora
do rebelde e do príncipe deste mundo... Ponto final.
Nós o vimos carregar algumas provisões, pegar seu manto cor de
vinho e, sem se despedir, desaparecer entre os cedros, rumo à
nevada.
O que acontecia? A que se devia aquela brusca mudança? Horas
antes, enquanto compartilhávamos o aconchego do fogo, o Mestre
havia estado alegre e comunicativo.
Eliseu e eu discutimos o assunto. Passamos horas tentando
esclarecer o enigma. Éramos os responsáveis pela súbita partida? O
que tínhamos feito? O que podíamos ter dito para que, na manhã
seguinte, se mostrasse tão sério e distante? Este que aqui escreve
negou-se a aceitar que tivéssemos sido os causadores de tão
estranha atitude. Suas palavras, além disso, apontavam em outra
direção.
Não, aquele não era o estilo do Rabi. A bem da verdade, pelo que
já tínhamos visto e ainda veríamos ao longo de sua intensa e
apaixonante vida de pregação, Jesus de Nazaré dificilmente ficava
aborrecido. Que eu me lembre, só uma vez ele ficou alterado e com

razão. Foi no átrio dos Gentios, no Templo da Cidade Santa, quando
soltou o gado destinado ao sacrifício, provocando uma catástrofe
entre os comerciantes e cambistas.
Meu irmão ficou em dúvida. E chegou até a se culpar, atribuindo o
acontecido às suas perguntas bobas e infantis.
Eu fiz o que pude. Lembrei-lhe mais uma vez as frases do Galileu:
Esperai tranqüilos... Agora devo deixar-vos por alguns dias.
Foi tudo inútil.
Eliseu passou aquela semana numa constante tensão. Mal dormia.
Subia em cima do dólmen e tentava enxergar seu ídolo.
Em duas ocasiões eu o surpreendi preparando a mochila, disposto
a sair atrás do Mestre. Discutimos de novo. E precisei de todo meu
poder de persuasão para retê-lo. Ainda assim, às escondidas, ele se
aventurava pelos bosques próximos, sempre à procura de Jesus.
Quanto a mim, pouco tenho a contar. Aliviei a ansiedade
escrevendo freneticamente e, naturalmente, vigiando o aturdido
engenheiro.
E a vida no acampamento continuou sem incidentes dignos de nota,
exceto o já mencionado e um par de inesperadas visitas.
A primeira foi na noite da quarta-feira, dia 12. Para falar a
verdade, ficamos assustados.
De repente fomos acordados por uns grunhidos. Saímos e, no meio
da escuridão, distinguimos sombras. Davam voltas ao redor da tenda
do Mestre.
Peguei o cajado e, ao nos aproximarmos, dois dos vultos sairam
correndo em direção às cascatas. O branco fugaz de algumas
presas longas e curvadas nos deu um indício.
Indecisos, paramos.
Javalis!
Uma família inteira havia penetrado no mahaneh.
Adverti Eliseu. Alguma coisa se mexia no refúgio de Jesus de
Nazaré.

E os fatos se precipitaram...
Meu irmão, ofuscado pelo desejo de reencontrar-se com o Rabi,
interpretou aquela agitação pouco usual no interior da tenda como
uma inesperada volta do Mestre. E, desarmado, gritou:
- Voltou! Jasão, os javalis o estão atacando! Não consegui segurálo.
Ele correu na direção da entrada, gritando:
- Mestre!
Foi inevitável. Quase na entrada, foi literalmente arrastado pelo
único e autêntico visitante: um chair de cabeça enorme que,
alertado pelos gritos do engenheiro, saiu em disparada chocando-se
com o corpo que lhe obstruía o caminho. E o não menos surpreso
Eliseu caiu de costas e foi pisoteado por aquela flecha. Felizmente, a
pele de serpente cumpriu sua função e meu amigo escapou ileso do
encontrão.
O pior viria depois...
Na manhã seguinte, ao examinar o lugar, nós ficamos ainda mais
espantados. Os vorazes javalis tinham dado cabo de boa parte das
provisões. Mas o Destino, compassivo, veio ao auxílio destes
desolados exploradores. Nessa mesma quinta-feira, dia 13, o jovem
Tiglat reabastecia a pobre despensa, aliviando a penosa situação.
A partir desse incidente com o chair, decidimos montar guarda
durante a noite, iluminando a área com fogueira.
Por um lado eu fiquei contente. A incursão dos javalis nos obrigaria
a fazer turnos de vigilância que, de certa maneira, acabaram
tornando a espera mais curta e divertida.
Mas o infortúnio continuou rondando o mahaneh...
Pouco depois, no transcurso da penúltima noite no Hermon,
receberíamos uma segunda visita. Uma visita sigilosa e
destruidora.
Aparentemente, tudo correu normalmente. Nem Eliseu nem eu
percebemos nada de estranho. Contudo, com as primeiras luzes do
domingo, dia 16, descobrimos o novo desastre.
Apaguei o fogo e, como de costume, antes de entrar para
descansar, fui ao refúgio de peles do Mestre para inspecioná-lo.

Santo Deus!
Eu não sabia se ria ou chorava. Era muito azar...
Chamei meu companheiro aos gritos e, apontando o canto onde
armazenávamos as provisões, pedi que examinasse. E ele assim o
fez. Ao ver aquilo, retrocedeu perturbado e, pálido, perguntou:
- O que é isso?
O engenheiro sabia muito bem o que literalmente cobria as
provisões. O que o deixou surpreso foi a quantidade e a ferocidade
dos visitantes. Sinceramente, eu também não sabia explicar aquilo.
Como tinham chegado ali Era incrível. Eram milhares!
Dias mais tarde, Papai Noel daria a resposta precisa.
Os mantimentos, pura e simplesmente, tinham sido infestados por
uma multidão de Camponotus sanctus, uma insaciável formiga
arbórea, dona e senhora dos bosques de cedros. Esses insetos,
especialmente ativos durante a noite, deram um jeito de entrar na
tenda, arrasando com as carnes, peixes e tudo quanto acharam
desprotegido.
Como é fácil imaginar, o resto da manhã foi consumido na vã
batalha contra as avermelhadas e teimosas camponotus. E a
despensa, outra vez, ficou quase a zero. Só se salvaram os ovos e os
recipientes de sal, azeite, vinagre e mel.
E nisso estávamos quando, de repente, ouvimos um longínquo e
familiar cantarolar.
Seria mais ou menos a hora nona (três da tarde).
O Mestre!
Verdade seja dita. A recepção foi quase cômica.
Jesus veio ao nosso encontro e nos contemplou em silêncio.
Ficamos como duas estátuas. Eliseu, perplexo, boca aberta,
segurava nas mãos algumas hortaliças cobertas de formigas. Eu, do
meu lado, tentava Limpar um punhado de tilápias curtidas,
igualmente conquistadas pelas frenéticas camponotus.
Era um Jesus diferente. Radiante. A habitual e penetrante luz de
seus olhos agora aparecia multiplicada. Aquela figura nada tinha a

ver com a do Galileu que nos deixara uma semana antes. Mais ainda,
a luminosidade era infinitamente mais acurada que a irradiada
durante toda a permanência no Hermon.
O que teria acontecido na nevada?
O Rabi sorriu por fim e, apontando as formigas que começavam a
correr por braços e túnicas, exclamou maroto:
- Belo par de anjos! Não posso deixar-vos sozinhos. Um dia mais e
acabais com meu reino...
Em seguida, abraçando-nos, sussurrou:
- Fez-se a vontade de Ab-bã. Agora sou eu o príncipe deste mundo.
Naquela mesma noite a última no Hermon -, cálido e eufórico,
explicou o porquê de seu repentino e longo isolamento no cume da
montanha santa.
Num primeiro momento mal entendemos. Era tanto o que
ignoráramos...!
Depois, conforme o seguíamos e ouvíamos, fomos compreendendo.
O jantar, embora frugal, foi divertido, como sempre. O
cozinheirochefe estava feliz e esmerou-se, apresentando outra
receita familiar: torta com mel, à moda da Senhora, a das pombas.
E no final, o brinde favorito do Mestre:
- Lehaim!
- Pela vida!
E o Galileu, ansioso para compartilhar sua aventura na solidão das
neves, iniciou assim seus esclarecimentos:
- Vou lhes contar um conto...
Faz tempo, muito tempo, o grande Deus encomendou a um de seus
Filhos a criação de um novo universo. E esse Filho construiu um
magnífico reino, repleto de estrelas e mundos.
Era um universo imenso.
E aquele Filho governou com amor e sabedoria durante milhares e
milhares de anos.
Mas aconteceu uma coisa...

Certo dia, numa região afastada, vários dos príncipes a seu
serviço, chefes de outros tantos mundos, decidiram rebelar-se contra
a autoridade do Filho e soberano. Não acreditavam mais em sua
forma de governo e incitaram outros príncipes próximos a se
manifestarem contra o estabelecido. E tentaram formar seu próprio
reino, rejeitando o monarca e, de forma definitiva, ao grande Deus.
O Filho, lançando mão do amor e da misericórdia, tentou
restabelecer a ordem. Foi inútil. Os rebeldes, mergulhados no erro,
desprezaram todas as tentativas de reconciliação.
Finalmente, esse Filho divino tomou uma decisão: viajaria
incógnito até os longínquos mundos dos infratores, fazendo-se passar
por um modesto carpinteiro. Escolheu um dos planetas e ali nasceu
como um homem comum. E assim viveu, sujeito à carne, e ensinando a
verdade aos povos. Mostrou-lhes quem era na verdade o grande
Deus. Falou do esplêndido futuro que os aguardava e, acima de tudo,
lembrou-lhes de que eram filhos desse maravilhoso Pai.
Mas a fama daquele Homem-Deus acabou chegando aos ouvidos
dos príncipes rebeldes. E aconteceu que, em certa ocasião, quando o
carpinteiro rezava no alto de uma montanha nevada, dois dos
traidores se apresentaram diante dele, fazendo todo tipo de
perguntas.
Quem és...? Como te atreves a falar desse Deus? Quem te enviou?
Por último, convencidos de que estavam diante do Filho e soberano
do universo, fizeram-lhe uma proposta: Une-te a nós!
E o Filho respondeu:
Que seja feita a vontade do Pai.
Os rebeldes, derrotados, foram embora. E todo o universo,
sabendo daquela conversa, elogiou a misericórdia do Filho e
soberano.
Desde então, o Deus disfarçado de homem e carpinteiro
ostentaria também o título de Príncipe da Terra. Terminada a
história, o Mestre desceu aos detalhes, revelando uma coisa que,
com a passagem dos séculos, também acabaria distorcida.
Isso foi o que conseguimos perceber:

Tempos atrás, há muito tempo, numa minúscula região de seu
universo (a nossa), teve lugar uma insurreição, mais ou menos
parecida àquela exposta no conto. Melhor dizendo, no aparente
conto.
Um velho conhecido dos seres humanos Luzbel -, chefe dessa
quase insignificante parcela da galáxia, levantou-se contra a ordem
estabelecida, protestando contra o longo caminho exigido para se
chegar ao Paraíso. Ele teria qualificado essa caminhada de fraude
total duvidando até da existência de Ab-bã. A rebelião, contudo,
não teve lá grande sucesso. Só 30 ou 40 mundos aderiram. A Terra
foi um deles.
Muito bem, não querendo recorrer a métodos mais severos aos
quais tinha legítimo direito -, o magnânimo Filho Criador deste
universo optou por encarnar-se e camuflar-se entre as mais
modestas de suas criaturas. Justamente aquelas que habitavam num
desses mundos rebeldes. E fez-se homem. E viveu como tal,
anunciando aos infelizes súditos dos príncipes rebeldes onde estava
a verdade e quem era Ab-bã.
Mas a natureza divina do humilde carpinteiro não passou
despercebida dos chefes planetários que encabeçavam a rebelião. E
dois deles um alto representante de Luzbel e o próprio príncipe do
mundo escolhido pelo Filho divino acudiram à sua presença. E o
fizeram naqueles dias de setembro e naquele lugar. Esta,
provavelmente, foi a razão da súbita preocupação do Filho do Homem
quando se afastou do mananeh.
Ele sabia o que o esperava na solidão dos montes nevados.
Sabia que estava a ponto de oferecer uma nova oportunidade para
seus filhos desencaminhados.
E assim, dócil, submeteu-se aos interrogatórios e às propostas.
Mas, como dizia o conto, ele só se dobrou à vontade de seu Pai.
Por último, estes seres não materiais criados pelo próprio Filho
divino na luz e na perfeição se retiraram derrotados.
E o universo de Jesus de Nazaré segundo suas palavras assistiu
perplexo e comovido à batalha dialética.

Naquele momento e continuo transmitindo suas explicações o
Filho do Homem, por expressa vontade de Ab-bã foi investido como
Príncipe deste mundo. Um título especialmente importante, segundo
Ele.
A partir desse fato afirmou -, a rebelião ficou pronta para a
sentença. Ao rejeitar, uma vez mais, sua misericórdia, a sorte de
todos eles depende agora de outras instâncias. E continua assim.
Isso, nem mais nem menos, foi o que aconteceu no Hermon
naqueles dias. Dias transcendentais nos quais, não obstante, não
chegamos a perceber nada estranho, salvo a já referida e grave
atitude do Mestre. A explicação era simples: essa batalha não se
desenvolveu em nível físico. Em outras palavras, mesmo que o
tivéssemos acompanhado à nevada, nada teríamos visto nem
ouvido...
Como eu disse, não foi fácil assimilar tão intrincadas e misteriosas
explicações. Lentamente, contudo, iríamos vendo uma luz que se
concentraria no espinhoso problema e, sobretudo, que esclareceria
outras não menos interessantes incógnitas.
Por exemplo, segundo o Mestre, uma das razões da violência e
primitivismo da Terra devemos procurar, justamente, nas
conseqüências dessa infeliz rebelião. Ao trair as leis divinas, nosso
mundo, como o resto dos planetas que se insurgiu contra Ab-bã, ficou
automaticamente incomunicável e afundado na escuridão e barbárie.
E, tecnicamente, continua assim(1). Só quando for levantada a
quarentena, a humanidade
- esta infeliz humanidade recuperará a normalidade.
Claro que lhe perguntamos: quando chegará esse venturoso dia? A
resposta foi contundente:
- Quando os rebeldes forem julgados. Mas isso não está em minhas
mãos.
O que estava, sim, ao alcance do Filho do Homem era consolar e
iluminar as criaturas que sofrem e sofrerão esse isolamento. E
escolheu um desses mundos rebeldes, plantando a semente da
esperança: Ab-bã existe. Ab-bã espera. Ab-bã vos ama...
*1. A complexa história de Luzbel é analisada e recriada por J. J. Benítez em sua obra

A Rebelião de Lúcifer, Mercuryo, 1988. (N. Da Editora Mercuryo.)
Lamentavelmente, estes acontecimentos, registrados, repito, em
setembro do ano 25, não foram bem entendidos pelos últimos
seguidores do Rabi da Galiléia. Tal como verificaríamos mais
adiante, Jesus contou tudo em detalhes e com toda a clareza de que
era capaz. Contudo, foram distorcidos. Salvo João, que não os
menciona, os evangelistas e Paulo de Tarso (Hebreus, 2-14),
terminariam confundindo o assunto e cenários, situando o encontro
do Mestre com os rebeldes (o diabo) no outro lado do rio Jordão,
depois do batismo feito por João, o anunciador.
Sobre o Hermon, nenhuma palavra. Sobre a transcendental e
definitiva tomada de consciência de sua natureza divina por parte do
Filho do Homem, nenhuma palavra. Sobre suas intensas comunicações
com Ab-bã, no cume da montanha sagrada, nenhuma palavra. Em
resumo: outro desastre literário dos supostos escritores sagrados...
Como espero ter ocasião de relatar, o acontecido no célebre
deserto depois do batismo no Jordão, foi muito mais importante
que o narrado pelos evangelistas. E digo mais: no tal retiro não
houve tentação alguma...
Creio já ter mencionado isso. O Filho do Homem foi tentado, sim,
mas não pelo Diabo. O que aconteceu no Hermon não foi uma
tentação propriamente dita. Foi um ato de amor. Mais um daquele
magnífico Homem...
E chegou ao fim nossa permanência nos cumes da Gaulanítide.
Essa noite, na véspera da segunda-feira, 17 de setembro, antes de
descansarmos, Jesus de Nazaré deu uma última ordem:
- Preparai-vos. Amanhã partiremos. A hora do Filho do Homem está
próxima...
E assim foi. Sua hora a da vida pública se aproximava. E estes
exploradores foram testemunhas privilegiadas.
Sim, a aventura acabava de começar...
(Ab-bã) Cabo del Plata,

(11 horas e 55)
27 de Abril de 1999

Nenhum comentário: