LER é VIAJAR, APRENDER, ADQUIRIR CULTURA, É TORNAR-SE GENTE.

Sejam bem vindos!

Para ter o texto Offline em formato txt, solicite-o via e-mail.

Caso se interesse pelos anúncios click nos mesmos para conhecê-los melhor e assim ajude o blogg Cego Lendo Livro.

Postagens super interessantes

Deixe seu email:

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

A Indústria do Holocausto - Revisionista - A visão diferenciada de um judeu sobre a segunda guerra mundial

A Indústria do Holocausto

Norman G. Finkelstein


Tradução de VERA GERTEL

A indústria do holocausto; reflexões sobre a exploração
do sofrimento dos judeus / Norman G. Finkelstein

Holocausto judeu (1939-1945)

SUMÁRIO


Agradecimentos

Introdução

Capítulo 1 Capitalizando O Holocausto

Capítulo 2 Impostores, Trapaceiros e História

Capítulo 3 A Dupla Extorsão

Conclusão


"A mim parece que o Holocausto está sendo
vendido -- não ensinado."

Rabino Arnold Jacob Wolf, Diretor de Hillel,
Universidade de Yale1
1
Michael Berenbaum, After Tragedy and Triumph (Cambridge: 1990), 45.


AGRADECIMENTOS


Colin Robinson, da editora Verso, concebeu a idéia deste livro. Roane Carey moldou
minhas reflexões numa narrativa coerente. Noam Chomsky e Shifra Stern deram
assistência em todos os estágios de produção do livro. Jennifer Loewenstein e Eva
Schweitzer discutiram vários rascunhos. Rudolph Baldeo deu apoio pessoal e
estímulo. Sou grato a todos. Tentei, nestas páginas, retratar o legado de meus
pais. Por conseqüência, este livro é dedicado aos meus dois irmãos, Richard e Henry,
e ao meu sobrinho, David.


INTRODUÇÃO


Este livro faz uma anatomia e uma acusação da indústria do Holocausto.
Nas páginas que se seguem, afirmo que "O Holocausto" é uma representação
ideológica do holocausto nazista.1 Como a maioria das ideologias, ele tem conexão,
embora tênue, com a realidade. O Holocausto não é uma arbitrariedade, mas
uma construção internamente coerente. Seus dogmas centrais sustentam
interesses políticos e de classes. Na verdade, O Holocausto provou ser uma
indispensável bomba ideológica. Em seus desdobramentos, um dos maiores poderes
militares do mundo, com uma horrenda reputação em direitos humanos, projetou-
se como um Estado "vítima", da mesma forma que o mais bem-sucedido
agrupamento étnico dos Estados Unidos adquiriu o status de vítima. Dividendos
consideráveis resultaram dessa falsa vitimização -- em particular, imunidade à
crítica, embora justificada. Os que usufruem dessa imunidade, eu poderia acres-
centar, não escaparam à típica corrupção moral que faz parte dela. Desta
perspectiva, o desempenho de Elie Wiesel como intérprete oficial do Holocausto
não é circunstancial. É certo que ele não alcançou esta posição em função de
seus compromissos humanitários ou talentos literários.2 Antes, Wiesel representa
este papel de liderança porque está inarredavelmente articulado com os
dogmas do Holocausto e, por conseqüência, apoiando os interesses ocultos.


1
Neste texto, holocausto nazista significa o fato histórico real, O Holocausto, sua
representação ideológica.
2
Sobre a vergonhosa relação de apologéticas em benefício de Israel, ver Norman G.
Finkelstein e Ruth Bettina Birn, em A Nation on Trial: The Goldhagen Thesis and
Historical Trut h (Nova York: 1998). Sua relação em outras publicações não é menor.
Em um novo livro de memórias, And the Sea Is Never Full (Nova York: 1999). Wiesel
nos dá esta inacreditável explicação sobre seu silêncio a respeito do sofrimento
palestino: "A despeito da pressão considerável, eu me recusei a uma posição pública
em relação ao conflito árabe-israelense" (125). Em sua última pesquisa detalhada da
literatura sobre o Holocausto, o crítico literário Irving Howe desfez a vasta obra de
Wiesel em um único parágrafo com um fingido elogio: "O primeiro livro de Elie
Wiesel, Night, [foi] escrito com simplicidade e sem indulgência retórica." "Nada mais
valeu a pena ler depois de Night" , concordou o crítico literário Alfred Kazin. "Elie agora
e" só ator Ele se definiu a mim como `um conferencista angustiado'." (Irving Howe, "
Writing and the Holocaust", em New Republic [27 de outubro de 1986]; Alfred Kazin,
A Lifetime Burning in Every Moment (Nova York: 1996], 179)
O estímulo inicial para este livro partiu do estudo fértil de Peter Novick,
The Holocaust in Am erican Life, do qual fiz a resenha para um jornal literário
inglês. 3 Neste livro, o diálogo crítico que tive com Novick foi ampliado; daí, o
extenso número de referências ao seu estudo. Mais uma compilação de
observações provocantes do que uma crítica consistente, The Holocaust in
Am er ican Life pertence à honrada tradição americana de denúncia. E como a
maioria dos denunciantes, Novick enfoca apenas os abusos mais escandalosos.
Sarcástico e com freqüência agradável, The Holocaust in Am erican Life não é uma
crítica radical. As raízes do tema permanecem intocadas. Nunca banal ou
herética, a obra ateve-se aos extremos de uma controvérsia muito mais
ampla. Como era de se prever, foi contemplado com inúmeros artigos na
mídia americana, embora confusos.
A categoria analítica central de Novick é a "memória". Moda atual na torre
de marfim, a "memória" é sem dúvida a concepção mais pobre, capaz de
derrubar, ao longo do tempo, o ápice acadêmico. Concordando
obrigatoriamente com Maurice Halbwachs, Novick procura demonstrar como as
"preocupações atuais" modelaram a "memória do Holocausto". Houve época em
que intelectuais discordantes usavam categorias políticas robustas como "poder" e
"interesses", de um lado, e "ideologia", de outro. Hoje, tudo que restou foi a
linguagem branda e despolitizada de "preocupações" e "memória". Apesar dos
evidentes exemplos de Novick, a memória do Holocausto é uma construção
ideológica de interesses investidos. Embora escolhida, a memória do Holocausto,
segundo Novick, é "com maior freqüência" arbitrária. Ele argumenta que a escolha
foi feita não sobre "o cálculo de vantagens e desvantagens" mas, sim, "sem pesar
muito (...) as conseqüências".4 Os exemplos sugerem a conclusão oposta.


3
NovaYork: 1999. Norman Finkelstein, "Uses of t he Holocaust " , em London Review
of Books (6 de janeiro de 2000).
4
Novick, The Holocaust, 3-6.


Meu interesse original no holocausto nazista foi pessoal. Meu pai e minha mãe
foram sobreviventes do Gueto de Varsóvia e dos campos de concentração nazistas.
Exceto meus pais, todos os membros de ambas as famílias foram exterminados
pelos nazistas. Posso dizer que minha mais remota lembrança do holocausto nazista
é a de ver minha mãe, grudada na tela de televisão, assistindo ao julgamento de
Adolf Eichmann (1961), ao voltar da escola. Embora eles tivessem sido libertados
dos campos apenas dezesseis anos antes do julgamento, um abismo
intransponível sempre separou, na minha cabeça, os pais que eu conhecia daquilo.
Fotografias da família de minha mãe ficavam penduradas na parede do living.
(Nenhuma foto da família de meu pai sobreviveu à guerra.) Nunca estabeleci uma
conexão com aqueles parentes, deixaram-me descobrir sozinho o que aconteceu.
Eles eram as irmãs, o irmão e os pais de minha mãe, não minhas tias, meus tios ou
avós. Lembro-me de ter lido na infância O muro, de John Hersey, e Mila 18, de Leon
Uris, ambos relatos romanceados do Gueto de Varsóvia. (Não esqueço minha mãe se
queixando de que, mergulhada na leitura de O muro, esqueceu de descer na estação
do metrô a caminho do trabalho.) Apesar de muito tentar, sequer por um momento
consegui transpor na imaginação a ponte que ligava meus pais, em todo seu
cotidiano, àquele passado. Francamente, ainda não consigo.
A questão mais importante, no entanto, é esta. Fora este fantasma, não
me lembro de o holocausto nazista alguma vez ter feito parte de minha infância.
A razão principal era que ninguém além da família parecia se interessar pelo que
aconteceu. Meu círculo de amigos de infância lia muito e debatia com paixão os
acontecimentos do dia. Mas, honestamente, não me recordo de algum amigo (ou
pai de amigo) ter feito uma única pergunta sobre o que meus pais sofreram. Não
era um silêncio respeitoso. Era apenas indiferença. Deste ponto de vista, só se
pode duvidar da explosão de angústias nas últimas décadas, depois que a
indústria do Holocausto foi pesadamente estabelecida.

Às vezes penso que a "descoberta" do holocausto nazista pela colônia
judaica americana foi pior que seu esquecimento. Claro, meus pais penaram
privadamente; o sofrimento pelo qual passaram não foi validado em público.
Mas não era melhor do que a atual e grosseira exploração do martírio judeu?
Antes que o holocausto nazista se tornasse O Holocausto, apenas alguns estudos
universitários, como o de Raul Hilberg, The Dest ruct ion of t he European Jews, e
memórias como as de Viktor Frankl, Man's Sear ch for Mean ing, e Ella Lingens-
Reiner, Prisoners of Fear, foram publicados sobre o assunto.5 Mas esta pequena
coleção de jóias é melhor do que a infinidade de prateleiras de sensacionalismo
que hoje ocupam bibliotecas e livrarias.
Meu pai e minha mãe, embora rememorando diariamente aquele
passado até o dia da morte, no final de suas vidas perderam o interesse pelo
Holocausto como espetáculo público. Um dos mais antigos amigos de meu pai,
companheiro de Auschwitz, era um suposto idealista de esquerda incorruptível que,
por princípios, recusou uma compensação alemã após a guerra. Por acaso, veio a
se tornar diretor do Museu do Holocausto de Israel, Yad Vashem. Com muita
relutância e evidente desapontamento, meu pai teve de admitir que mesmo este
homem havia sido corrompido pela indústria do Holocausto, desvirtuando suas
crenças em favor do poder e do lucro. Como a interpretação do Holocausto
assumiu formas cada vez mais absurdas, minha mãe gostava de citar Henry Ford
(com uma ironia intencional): "História é bobagem." As narrativas de "sobreviventes
do Holocausto" -- todos internos de campos de concentração, todos heróis da
resistência -- serviram de fonte para um humor negro especial em minha casa.
Há muito tempo, John Stuart Mill reconheceu que as verdades, quando não
submetidas a permanentes questionamentos, podem às vezes "perder o efeito da
verdade pelo exagero da falsidade".


5
Raul Hilberg, The Dest ruct ion of t he European Jews ( Nova York: 1961), Viktor
Frankl, Man's Search for Meaning (Nova York: 1959), Ella Lingens-Reiner, Prisoners of
Fear (Londres: 1948)
Meus pais muitas vezes se perguntaram por que eu teria crescido tão indignado
com a falsificação e exploração do genocídio nazista. A resposta mais óbvia é que
ele tem sido usado para justificar políticas criminosas do Estado de Israel e o apoio
americano a tais políticas. Há também um motivo pessoal. Eu me importo com a
memória da perseguição de minha família. A campanha atual da indústria do
Holocausto para extorquir dinheiro da Europa, em nome das "necessitadas vítimas
do Holocausto", rebaixou a estatura moral de seu martírio para o de um cassino de
Monte Cario. Além dessas preocupações, no entanto, estou convencido de que é
importante preservar -- lutar -- pela integridade do registro histórico. Nas últimas
páginas deste livro sugiro que, ao estudar o holocausto nazista, podemos aprender
muito não só sobre "os alemães" ou os "gentios", mas também sobre todos nós.
Acredito que ao fazer isso, ao aprender realmente sobre o holocausto nazista, sua
dimensão física será reduzida e sua dimensão moral expandida. Uma infinidade de
recursos públicos e privados tem sido investida para manter a memória do
genocídio nazista. A maioria do que foi produzido não presta, não passa de um
tributo ao engrandecimento judeu e não ao seu sofrimento. Muito tempo já se
passou para que possamos abrir nossos corações a outros sofrimentos da
humanidade. Esta foi a grande lição partilhada por minha mãe. Nunca a ouvi dizer:
Não compare. Minha mãe sempre comparou. Não há dúvida de que distinções
históricas precisam ser feitas. Mas aceitar distinções morais entre o "nosso"
sofrimento e o "deles" é uma caricatura de moral. "Você não pode comparar dois
povos miseráveis", observou humanamente Platão, "e dizer que um é mais feliz que
o outro." Diante dos sofrimentos de afro-americanos, vietnamitas e palestinos, o
credo de minha mãe sempre foi: Somos todos vítimas do holocausto.


Norman G. Finkelstein
Abril de 2000
Nova York
CAPÍTULO 1

CAPITALIZANDO O HOLOCAUSTO

Numa memorável troca de idéias alguns anos atrás, Gore Vidal acusou Norman
Podhoretz, então editor da publicação Commentary, do comitê Judaico Americano, de
ser antiamericano.1 A prova era que Podhoretz atribuía menos importância à Guerra
Civil -- "o único grande acontecimento trágico que continua a ter ressonância em
nossa república" -- do que ao tema judaico. Entretanto, Podhoretz talvez fosse mais
americano do que seu acusador. Na época, era a "Guerra Contra os Judeus", não a
"Guerra Entre os Estados", que figurava como mais importante para a vida cultural
americana, A maioria dos professores universitários pode testemunhar que, em
relação à Guerra Civil, um maior número de estudantes é capaz de localizar o
holocausto nazista no século correto e em geral citar o número de mortos. Na
verdade, o holocausto nazista é justamente a única referência histórica que tem
ressonância hoje numa sala de aula universitária. Pesquisas mostram que um número
maior de americanos é mais capaz de identificar O Holocausto do que Pearl Harbor
ou a bomba atômica sobre o Japão.
Até muito recentemente, no entanto, o holocausto nazista mal figurava
na vida americana. Entre o fim da Segunda Guerra Mundial e os últimos anos da
década de 60, apenas uns poucos livros e filmes mencionavam o assunto. Apenas
um curso universitário nos Estados Unidos estudava o assunto.2 Quando Hannah
Arendt publicou Eichm ann in Jerusalem , em 1963, ela só pôde contar com dois
estudos acadêmicos em língua inglesa -- o de Gerald Reitlinger, The Final
Solution, e o de Raul Hilberg, The Destruction of the European Jews. 3 A própria obra-
prima de Hilberg era uma tentativa de ver a luz do dia.

1
Gore Vidal "The Empire Lovers Strike Back" , em Nation (22 de março de 1986).
2
Rochelle G. Saidel, Never Too Late to Remember (Nova York: 1996), 32.
3
Hannah Arendt, Eichm ann in Jerusalem : A Report on t he Banalit y of Evil, edição
revisada e ampliada (Nova York: 1965), 282. A situação não era muito diferente na
Alemanha. Por exemplo, a biografia de Hitler, feita por Joachim Fest, publicada na
Alemanha em 1973 e merecidamente elogiada, dedica apenas quatro das 750 páginas
ao extermínio dos judeus e um mero parágrafo a Auschwitz e outros campos da morte
(Joachim C. Fest, Hitler [Chicago: 1975]. 679-82).
O orientador de sua tese na Universidade de Colúmbia, o teórico social e judeu
alemão Franz Neumann, desencorajou-o firmemente de escrever sobre o ponto
principal ("It's your funeral", É seu funeral), pois nenhuma universidade ou editora
importante publicaria o manuscrito completo. Quando finalmente foi publicado,
The Dest r uct ion of t h e European Jews recebeu somente umas poucas resenhas, na
maioria críticas.4
Não só os americanos em geral, mas também os judeus americanos,
incluindo os intelectuais judeus, deram pouca importância ao holocausto nazista.
Numa avaliação oficial de 1957, o sociólogo Nathan Glazer informou que a Solução
Final nazista (assim como Israel) "foi menosprezada no interior da colônia
judaica americana". Em um simpósio de Com m en t ar y sobre "Judaísmo e os
jovens intelectuais", de 1961, apenas dois dos trinta e um participantes
destacaram seu impacto. Da mesma forma, uma mesa-redonda organizada pelo
jornal Judaism, em 1961, com a participação de vinte e um judeus americanos so-
bre "Minha confirmação judaica", praticamente ignorou o tema.5 Nenhum
monumento ou homenagem marcou o holocausto nazista nos Estados Unidos.
Pelo contrário, a maior parte das organizações judaicas se opôs a tais
comemorações. A pergunta é: Por quê?
A explicação comum é que os judeus ficaram traumatizados com o
holocausto nazista e, portanto, reprimiram sua memória. Na verdade, nada
comprova tal conclusão. Alguns sobreviventes, sem dúvida, preferiram, por essa
razão, deixar de falar sobre o que aconteceu não só na época como nos últimos
anos.


4
Raul Hilberg, The Polit ics of Mem ory (Chicago: 1996), 66, 105-37. Como
conhecimento, a qualidade de alguns filmes sobre o holocausto nazista foi muito mais
impressionante. Stanley Kram er, curiosam ent e, em Julgam ent o em Nurem berg
{1961}, faz uma referência explicita à decisão do juiz da Suprema Corte Oliver
Wendell Holmes, em 1927, sancionando a esterilização dos "mentalmente
incapazes", como precursora dos programas nazistas de eugenia; os elogios de
Winston Churchill a Hitler em 1938; as armas vendidas a Hitler pelos gananciosos
industriais americanos; e a oportunista absolvição pós-guerra de industriais alemães
pelo tribunal militar americano.
5
Nathan Glazer, Am erican Judaism (Chicago: 1957), 114. Stephen J. Whitfield,
"The Holocaust and the American Jewish Intelectual", em Judaism (outono de
1979).
Muitos outros, no entanto, preferiam falar exaustivamente e, quando tinham chance,
não paravam.6 O problema é que os americanos não queriam ouvir.
A razão verdadeira para o silêncio público sobre o extermínio nazista era a
política conformista da liderança judaica americana e o clima político do pós-guerra
na América. Tanto nos assuntos internos quanto nos externos, as elites judaicas
americanas fecharam com a política oficial dos EUA.7 Com isso, facilitaram os
objetivos tradicionais de assimilação e o acesso ao poder. No início da Guerra Fria, as
organizações judaicas proeminentes aderiram à luta. Elas "esqueceram" o
holocausto nazista porque a Alemanha -- Alemanha Ocidental, em 1949 --
tornou-se um aliado crucial do pós-guerra americano no confronto dos EUA com a
União Soviética. Vasculhar o passado não seria útil; na verdade, era um complicador.
Com algumas reservas (logo descartadas), as grandes organizações judaicas
americanas logo se alinharam com os EUA, apoiando o rearmamento de uma
Alemanha mal desnazificada. O American Jewish Committee (AJC) (Comitê
Judaico Americano), temeroso de que "alguma oposição organizada de judeus
americanos, contra a nova política externa e a aproximação estratégica, pudesse
isolá-los aos olhos da maioria não-judaica e pôr em risco suas conquistas do pós-
guerra no cenário nacional", foi o primeiro a pregar as virtudes do
realinhamento. O World Jewish Congress (WJC) (Congresso Judaico Mundial),
pró-sionista, e seus afiliados americanos derrubaram a oposição, depois de
assinar acordos de compensação com a Alemanha no início dos anos 50, ao
mesmo tempo que a Anti-Defamation League (ADL) (Liga Antidifamação) foi a
primeira grande organização judaica a enviar uma delegação oficial à Alemanha,
em 1954.


6
Para um comentário sensível sobre esses dois tipos contrastantes de sobreviventes,
ver Primo Levi, The Reawakening, com um novo acréscimo (Nova York: 1986), 207.
7
Neste texto, as palavras elites j udaicas designam os indivíduos que se destacam na
organização e vida cultural das comunidades judaicas proeminentes.
Juntas, essas organizações colaboraram com o governo de Bonn para conter a
"onda antigermânica" do sentimento popular judeu.8
A Solução Final foi um tema tabu das elites judaicas americanas também por
outra razão. Os judeus de esquerda, que se opunham ao alinhamento da Guerra
Fria com a Alemanha contra a União Soviética, não iriam interromper as alusões a
ela. Lembrar o holocausto nazista foi etiquetado como causa comunista. Presas ao
estereótipo que confundia judeus com a esquerda -- de fato, os judeus
constituíam um terço da votação do candidato presidencial progressista Henry
Wallace, em 1948 --, as elites judaicas americanas não hesitaram em sacrificar
seus irmãos judeus ao altar do anticomunismo. Oferecendo suas listas de supostos
judeus subversivos às agências governamentais, o AJC e a ADL endossaram a pena
de morte para os Rosenberg, enquanto sua publicação mensal, Commentary,
lançava editorial afirmando que eles não eram judeus verdadeiros.
Temendo ser associadas à esquerda fora e dentro do país, as grandes
organizações judaicas se opuseram a cooperar com os alemães social-democratas
antinazistas, assim como ao boicote dos produtos alemães e as manifestações
públicas contra ex-nazistas fazendo turismo pelos Estados Unidos. Em
compensação, a visita de dissidentes alemães conhecidos, como o pastor
protestante Martin Niemöller, que esteve preso oito anos em campos de con-
centração nazistas e era contra a cruzada anticomunista, sofreu censura dos
líderes judeus americanos.
8
Shlomo Shafir, Am biguous Relations: The Am erican Jewish Com m unity and Germ any
Since 1945 (Detroit: 1999), 88, 98, 100-1, 111, 113, 114, 177, 192, 215, 231, 251.


Ansiosos por propalar suas credenciais anticomunistas, as elites judaicas chegaram
a defender, e apoiar financeiramente, organizações de extrema-direita como a
All-American Conference to Combat Communism (Conferência Americana de
Combate ao Comunismo) e fizeram vista grossa à entrada de veteranos da SS
nazista no país.9
Sempre ansiosa por se incorporar às regras das elites americanas e se
dissociar dos judeus de esquerda, a organizada colônia judaica americana
invocou o holocausto nazista em um único contexto: para denunciar a URSS. "A
política soviética [anti-judaica] abriu oportunidades que não podem ser
negligenciadas", dizia alegremente um memorando do AJC citado por Novick,
"para reforçar certos aspectos do programa de política interna do AJC."
Tipicamente, isso significava colocar no mesmo plano a Solução Final nazista e o
anti-semitismo russo. "Stalin terá sucesso onde Hitler falhou", previa terrivelmente o
Commentary. "Ele irá finalmente eliminar os judeus da Europa Central e do Leste.
(...) O paralelo com a política nazista de extermínio está quase completo." As
grandes organizações judaicas americanas chegaram a denunciar a invasão da
Hungria em 1956, pelos soviéticos, como "apenas um primeiro estágio no caminho
do Auschwitz russo".10


9
Ibid., 98, 106, 123-37, 205, 215-16, 249. Robert Warshaw, "The `Idealism' of
Julius and Ethel Rosenberg", em Commentary (novembro de 1953). Seria mera
coincidência que, ao mesmo tempo, as principais organizações judaicas tenham
crucificado Hannah Arendt por denunciar a colaboração das crescentes elites judaicas
durante a era nazista? Ao rememorar o pérfido papel da força policial do Conselho
Judaico, Yitzhak Zuckerman, um líder do Levante do Gueto de Varsóvia, observou:
"Não havia um único policial `decente* porque homens decentes arrancavam o
uniforme e se tornavam apenas judeus" (A Surplus of Memory [Oxford; 1993], 244).
Novick, The Holocaust, 98-100. Além da Guerra Fria, outros fatores tiveram um
10

papel auxiliar no menosprezo do holocausto nazista pela colônia judaica americana --
por exemplo, o medo do anti-semitismo, e o otimismo pelo caráter assimilador da
América na década de 1950. Novick explora estas questões nos capítulos 4-7 de The
Holocaust.


Tudo mudou com a guerra árabe-israelense de junho de 1967. Realmente,
na opinião geral, foi só depois desse conflito que O Holocausto tornou-se uma
fixação na vida dos judeus americanos.11 A explicação padrão dessa transformação é
que o extremo isolamento e a vulnerabilidade de Israel, durante a guerra de junho,
reavivaram as memórias do extermínio nazista. Na verdade, essa análise deturpa
tanto a realidade das relações de poder na época, no Oriente Médio, quanto a
natureza da evolução do relacionamento entre as elites judaicas americanas e
Israel.
À medida que as principais organizações judaicas americanas
menosprezavam o holocausto nazista, nos anos que se seguiram à Segunda
Guerra Mundial, para se alinhar às prioridades da Guerra Fria do governo
americano, sua atitude em relação a Israel marcava passo na política americana.
Desde o início, as elites judaicas americanas fomentaram profundos receios sobre
um país judaico. Acima de tudo, havia o medo de que ele levasse à crença da carga
de "dupla lealdade". Enquanto a Guerra Fria se intensificava, essas preocupações iam
se multiplicando. Já antes da fundação de Israel, os líderes judeus americanos
alardeavam inquietos que, com a ampliação do Leste Europeu, a liderança de
esquerda se juntaria ao bloco soviético. Embora acabassem adotando a campanha
sionista por um Estado, as organizações judaicas americanas monitoravam de
perto e se adaptavam aos sinais de Washington. De fato, o apoio do AJC à
fundação de Israel incluía, principalmente, o medo de que resultasse uma reação
interna contra os judeus se os judeus desalojados da Europa não fossem
rapidamente estabelecidos.12


11
O único que, aparentemente, nega esta conexão é Elie Wiesel, que reivindica ter
sido o primeiro a falar sobre a emergência do Holocausto na vida americana (Saidel,
Never Too Late, 33-4).
Menahem Kaufman, An Ambiguous Partnership (Jerusalém: 1991), 216, 276-7.
12

Mesmo com Israel alinhado ao Ocidente logo após sua fundação, muitos israelen-
ses dentro e fora do governo mantiveram grandes simpatias pela União Soviética;
como previsto, os líderes judeus americanos mantiveram Israel à mão.
De sua fundação em 1948 até a guerra de junho de 1967, Israel não figurou
como foco no planejamento estratégico americano. Quando a liderança judaica
palestina preparou-se para declarar o Estado, o presidente Truman foi evasivo,
levando em conta vantagens internas (o voto judeu) contra o conselho do
Departamento de Estado (na suposição de que um Estado judeu alienaria o mundo
árabe). Para assegurar seus interesses no Oriente Médio, o governo Eisenhower
apoiou tanto Israel quanto as nações árabes, contudo favorecendo os árabes.
As constantes discordâncias israelenses com os objetivos políticos dos Estados
Unidos culminaram na crise de Suez de 1956, quando Israel conspirou com a Grã-
Bretanha e a França para atacar o líder nacionalista do Egito, Gamal Abdel Nasser.
Apesar da vitória relâmpago de Israel e da ocupação da Península do Sinai
chamarem a atenção geral para seu potencial estratégico, os Estados Unidos ainda o
consideraram como apenas um entre os vários patrimônios regionais. Por
conseqüência, o presidente Eisenhower forçou realmente Israel a uma retirada
incondicional do Sinai. Durante a crise, os líderes judeus americanos fizeram alguns
breves esforços junto a Israel para alcançar as exigências americanas porque, em
última análise, como lembra Arthur Hertzberg, eles "preferiam aconselhar Israel a
atender [Eisenhower], em vez de se opor aos desejos do líder dos Estados Unidos".13


13
Arthur Hertzberg, Jewish Polem ics (Nova York: 1992), 33; apesar da
apologética confusa, cf. Isaac Alteras, "Eisenhower, American Jewry, and Israel", em
Am erican Jewish Archives (novembro de 1985), e Michael Reiner, "The Reaction of
US Jewish Organizations to the Sinai Campaign and Its Aftermath", em Forum
{Inverno de 1980-1).
Exceto em algumas ocasiões em que foi objeto de doações, Israel
praticamente saiu da cena judaica americana logo após sua fundação como Estado.
De fato, Israel não era importante para os judeus americanos. Em seu estudo de
1957, Nathan Glazer escreveu que Israel "teve pouco efeito na vida interna da
colônia judaica americana".14 Os membros da Zionist Organization of America
(Organização Sionista da América) caíram de centenas de milhares em 1948 para
dezenas de milhares nos anos 60. Apenas 1 em cada 20 judeus americanos visitou
Israel, antes de junho de 1967. Na reeleição de 1956, que ocorreu imediatamente
após ele ter forçado a retirada humilhante de Israel do Sinai, o já considerável
apoio a Eisenhower cresceu. No início dos anos 60, Israel se viu diante de uma
dura crítica, devido ao seqüestro de Eichmann, por parte da opinião judaica de
elite como Joseph Proskauer, ex-presidente do AJC, Oscar Handlin, historiador de
Harvard, e o Washington Post, pertencente a um judeu. "O seqüestro de Eichmann",
disse Erich Fromm, "é um ato ilegal exatamente do tipo pelo qual os nazistas (...)
foram condenados."15
Do ponto de vista político, os intelectuais judeus americanos mostraram-se
especialmente indiferentes ao destino de Israel. Em estudos detalhados sobre a ala
da esquerda liberal, intelectuais judeus americanos de Nova York nos anos 60
sequer mencionam Israel.16 Só pouco antes da guerra de junho, o AJC patrocinou
um simpósio sobre "A identidade judaica aqui e agora". Apenas três dos trinta e um
"melhores crânios da comunidade judaica" aludiram a Israel; dois deles, para
descartar sua relevância.17
14
Nathan Glazer, Am erican Judaism (Chicago: 1957). 114. Glazer continua: "Israel
quase nada representou para o judaísmo americano. (...) [A] idéia de que Israel (...)
pudesse afetar seriamente o judaísmo na América (...) é reconhecida como ilusória"
(115).
15
Shafir, Ambiguous Relations, 222.
16
Ver, por exemplo, Alexander Bloom, Prodigal Sons (Nova York: 1986).
17
Lucy Dawidowicz e Milton Himmelfarb (orgs.), Conferente on Jewish identity Here
and Now (American Jewish Committee: 1967).


Ironia total: exatamente os dois intelectuais judeus mais conhecidos que forçaram
um elo com Israel, antes de junho de 1967: Hannah Arendt e Noam Chomsky.18
Veio então a guerra de junho. Impressionados com o aparato das forças de
dominação de Israel, os Estados Unidos resolveram incorporá-lo como um novo
recurso estratégico. (Já antes da guerra de junho, os Estados Unidos tenderam
cautelosamente para Israel, quando os regimes do Egito e da Síria planejaram um
considerável aumento de sua independência em meados dos anos 60.) A
assistência militar e econômica começou a crescer assim que Israel transformou-
se em um representante do poder dos EUA no Oriente Médio.
Para as elites judaicas americanas, a subordinação de Israel ao poder dos EUA
foi uma bênção. O sionismo nasceu da premissa de que a assimilação era um castelo
no ar, porque os judeus sempre seriam vistos como estrangeiros potencialmente
desleais. Para resolver este dilema, os sionistas visavam a estabelecer uma pátria para
os judeus. Na verdade, a fundação de Israel exacerbava o problema de uma diáspora
para o povo judeu: trazia a carga da postura institucional de uma dupla lealdade.
Paradoxalmente, depois de junho de 1967, Israel facilitou a assimilação nos Estados
Unidos: os judeus agora estavam na linha de frente, defendendo a América -- na
realidade "a civilização ocidental" --, contra as etrógradas hordas árabes.
Considerando que, antes de 1967, Israel levava a fama de dupla lealdade, agora
adquiria a conotação de superlealdade. Afinal de contas, não eram os americanos, mas
os israelenses que lutavam e morriam para proteger os interesses dos EUA.


18
Arendt, após emigrar da Alemanha em 1933, tornou-se ativista do movimento
francês sionista; durante a Segunda Guerra Mundial, ela escreveu exaustivamente
sobre o sionismo a propósito da fundação de Israel. Chomsky, filho de um notório
hebreu americano, foi criado em lar sionista e, logo depois da independência de
Israel, passou uma temporada em um kibutz. As campanhas públicas que
vilipendiaram Arendt, no início dos anos 60, e Chomsky, na década de 1970, foram
encabeçadas pela ADL. (Elisabeth Young-Bruchl, Hannah Arendt [New Haven: 1982],
105-8, 138-9, 143-4, 182-4, 223-33, 348; Robert F. Barsky, Noam Chomsky
[Cambridge: 1997], 9-93; David Barsamian (org.), Chronicles of Dissent [Monroe,
ME: 1992], 38).


E ao contrário dos recrutas americanos no Vietnã, os soldados israelenses não
estavam sendo humilhados por pretensões de Terceiro Mundo.19
Por conseqüência, as elites americanas subitamente descobriram Israel.
Depois da guerra de 1967, o ímpeto militar de Israel podia ser celebrado porque
suas armas apontavam na direção certa -- contra inimigos da América. Suas proezas
marciais facilitaram inclusive a entrada nos santuários internos do poder
americano. Antes, as elites judaicas só podiam oferecer pequenas listas de
judeus subversivos; agora, podiam posar de interlocutores para os novos objetivos
estratégicos da América.
Num livro de memórias publicado pouco antes da guerra de junho, Norman
Podhoretz lembrou constrangido ter comparecido a um jantar oficial da Casa Branca,
que "não incluía uma só pessoa, exceto ele, que não estivesse visível e
absolutamente encantada por estar ali".20 Embora já editor da principal publicação
judaica americana, Commentary, a autobiografia faz apenas uma ligeira alusão a
Israel. O que Israel podia oferecer aos ambiciosos judeus americanos? Em um livro
de memórias posterior, Podhoretz sublinha que, após junho de 1967, Israel virou
"a religião dos judeus americanos".21 Atualmente grande defensor de Israel,
Podhoretz poderia não só comparecer com orgulho a um jantar na Casa Branca,
como também ter um tête- à- tête com o presidente para deliberar sobre interesses
nacionais.
Após a guerra de junho, as mais influentes organizações judaicas
americanas trabalharam em tempo integral para firmar a aliança americana-
israelense.


19
Para uma confirmação inicial de meus argumentos, ver Hannah Arendt, "Zionism
Reconsidered" (1994), em The Jew as Pariah. de Ron Feldman (Nova York: 1978),
159.
20
Making It (Nova York: 1967), 336.
21
Breaking Ranks (Nova York: 1979), 335.


No caso da ADL, isso incluía uma vasta operação interna de vigilância ligada
aos serviços de inteligência de Israel e da África do Sul.22 A cobertura sobre Israel no
jornal The New York Times aumentou consideravelmente após junho de 1967. Uma
matéria sobre Israel de 1955 a 1965 preenchia na tabela do New York Tim es 152
cm de coluna. Em 1975, as matérias passaram a preencher 660 cm de coluna.
"Quando queria me sentir melhor", refletiu Wiesel em 1973, "eu me voltava para a
cobertura sobre Israel no New York Tim es."23 Tal como Podhoretz, muitos
intelectuais judeus americanos influentes também descobriram de repente a
"religião", após a guerra de junho. Novick conta que Lucy Dawidowicz, a decana da
literatura sobre o Holocausto, fora uma "crítica radical de Israel". Em 1953, ela
opinava que Israel não podia exigir compensações da Alemanha, enquanto fugia às
responsabilidades para com os palestinos desalojados: "A moralidade não é flexível."
E, no entanto, quase imediatamente após a guerra de junho, Dawidowicz virou
uma "eloqüente defensora de Israel", aclamando-o como "o paradigma coletivo para
a imagem ideal dos judeus no mundo moderno".24
A postura favorita pós-1967, recriada pelos sionistas, foi tacitamente para
justapor seu próprio apoio apregoado por um Estado de Israel suposta mente
sitiado à covardia da colônia judaica americana durante O Holocausto. Na verdade,
eles faziam exatamente o que as elites judaicas americanas sempre fizeram: acertar o
passo com o poder americano. As classes letradas, sobretudo, exibiam poses heróicas.
Vejamos o famoso crítico social, Irving Howe, da esquerda liberal. Em 1956, o jornal
editado por Howe, Dissent, condenou o "ataque unido contra o Egito" como "imoral".


22
Robert I. Friedman, "The Anti-Defamarion League Is Spying on You", em Village
Voice (11 de maio de 1993). Abdeen Jabara, "The Anti-Defamarion League: Civil
Rights and Wrongs", em CovertAction (Verão de 1993). Man Isaacs, "Spy vs Spite", no
SF Weekly (fevereiro de 2000, 2-8).
23
Elie Wiesel, Against Silence, selecionado e editado por Irving Abrahamson (Nova
York; 184), v. i, 283.
24
Novick, The Holocaust, 147. Lucy S, Dawidowicz, The Jewish Presence (Nova York:
1977).
Embora na realidade se auto-sustentasse, Israel foi então acusado de "chauvinismo
cultural", um "quase messiânico sentido de destino manifesto", e "uma oculta
pretensão de expansionismo".25 Depois da guerra de outubro de 1973, quando os
americanos apoiaram o apogeu de Israel, Howe publicou um manifesto pessoal "sob
extrema ansiedade" em defesa de um Israel isolado. O mundo gentio, lamentava-se
numa espécie de paródia ao estilo de Woody Allen, estava impregnado de anti-
semitismo. Até no Upper Manhattan, reclamava, Israel "deixou de ser chique": todos,
exceto ele, eram manifestamente servos de Mao, Fanon e Guevara.26
Como objetivo estratégico da América, Israel não ficou isento a críticas. Além
da crescente censura internacional por sua recusa em negociar um acordo com os
árabes, segundo resoluções das Nações Unidas, e seu truculento apoio às ambições
globais americanas,27 Israel ainda teve de lidar com as dissensões internas nos
EUA. Nos círculos governamentais americanos, os chamados arabistas sustentavam
que colocar todos os ovos na cesta de Israel, ignorando as elites árabes, era minar
os interesses nacionais dos EUA.
Alguns argumentavam que a subordinação ao poder dos EUA e a ocupação
dos Estados árabes vizinhos era em princípio não só um erro, mas também
prejudicial a seus próprios interesses. Israel se tornaria cada vez mais
militarizado e fora do mundo árabe. Para seus novos "defensores" judeus
americanos, no entanto, essa conversa beirava a heresia: um Israel independente
em paz com seus vizinhos não teria valor; um Israel alinhado a correntes do
mundo árabe, em busca de uma independência dos Estados Unidos, seria um
desastre. Só seria possível um Israel espartano grato ao poder americano, pois só
assim os líderes judeus americanos poderiam agir como porta-vozes das ambições
imperiais americanas.


25
"Eruption in the Middle East", em Dissent (Inverno de 1957).
26
"Israel: Thinking the Unthinkable", na revista New York (24 de dezembro de
1973).
27
Norman G. Finkelstein, Image and Reality of Israel-Palestine Conflict (Nova York:
1995), 5-6.
Noam Chomsky sugeriu que estes "defensores de Israel" deveriam ser chamados
com mais propriedade de "defensores de uma moral degenerada e de uma
definitiva destruição de Israel".28
Para proteger seu objetivo estratégico, as elites judaicas americanas
"relembraram" O Holocausto. 29
A defesa convencional era que assim agiam porque,
na época da guerra de junho, acreditavam que Israel estava em perigo mortal e
foram dominados pelo medo de um "segundo Holocausto". Esta alegação não se
sustentou.
Consideremos a primeira guerra árabe-israelense. No despertar da
independência, em 1948, a ameaça contra os judeus palestinos parecia muito mais
iminente. David Ben-Gurion declarou que "700.000 judeus" estavam "cercados
por 27 milhões de árabes -- um contra quarenta". Os Estados Unidos apoiaram
um embargo de armas das Nações Unidas na região, estabelecendo um evidente
limite ao rearmamento usufruído pelos exércitos árabes. A colônia judaica
americana temia uma outra Solução Final nazista. Lamentando que os países árabes
estivessem então "armando o aliado de Hitler, o Mufti, enquanto os Estados
Unidos forçavam seu embargo de armas", o AJC anteviu "um massacre e um
completo holocausto na Palestina". Até o secretário de Estado, George Marshall, e
a CIA prognosticaram abertamente uma eventual derrota dos judeus no caso de
uma guerra.30 Embora, "na verdade, ganhasse o lado forte" (historiador Benny
Morris), não foi uma vitória fácil para Israel. Durante os primeiros meses da
guerra, no início de 1948, e principalmente com a independência declarada em
maio, as chances de sobrevivência de Israel eram consideradas "meio a meio" por
Yigael Yadin, chefe das operações do Haganah.
28
Noam Chomsky, The Fateful Triangle (Boston: 1983), 4.
29
A carreira de Elie Wiesel disparou após ter feito a ligação entre O Holocausto e a
guerra de junho. Embora já tivesse publicado suas memórias de Auschwitz, Wiesel só
obteve reconhecimento público após escrever dois volumes celebrando a vitória de Israel
(Wiesel, And the Sea, 16).
30
Kaufman, Am biguous Part nership, 287, 306-7- Steven L. Spiegel, The Ot her Arab-
Israeli Conflict (Chicago: 1985). 17,32.

Sem um acordo de armamento secreto com os tchecos, Israel provavelmente não
teria sobrevivido.31 Depois de lutar por um ano, Israel sofreu 6.000 baixas, um por
cento da população. Por que, então, O Holocausto não se tornou o centro de
atenção da vida judaica americana na guerra de 1948?
Israel logo se revelou estar longe de ser vulnerável em 1967, ao contrário da
época de sua luta de independência. Os líderes israelenses e americanos sabiam
de antemão que Israel iria facilmente prevalecer numa guerra contra os países
árabes. Esta realidade tornou-se explícita quando Israel fincou raízes nos
territórios árabes vizinhos em poucos dias. Como relatado por Novick, "Houve
surpreendentemente poucas referências explícitas ao Holocausto na mobilização
judaica americana antes da guerra em benefício de Israel".32 A indústria do
Holocausto só se difundiu depois da dominação militar esmagadora e do
florescente e exagerado triunfalismo entre os israelenses.33 A rede de interpretação
padrão não consegue explicar estas anomalias.
Com os chocantes reveses iniciais de Israel, as mortes durante e o crescente
isolamento internacional depois, a guerra árabe-israelense de outubro de 1973 --
mantendo-se os cálculos convencionais -- exacerbou o medo dos judeus
americanos quanto à vulnerabilidade do Estado. Como conseqüência, a memória
do Holocausto passou então a ocupar o centro do palco. Novick, como seria
típico, escreve: "Entre os judeus americanos (...) a situação de vulnerabilidade e
isolamento de Israel passou a ser vista como terrivelmente semelhante à dos judeus
europeus trinta anos antes (...). O assunto Holocausto não apenas `emergiu' na
América como se tornou cada vez mais [sic] institucionalizado".34

Benny Morris, 1948 and After (Oxford: 1990), 14-15. Uri Bialer. Between East and
31

West (Cambridge: 1990). 180-1.
32
Novick. The Holocaust, 148.
33
Ver, por exemplo, Amnon Kapeliouk: La fin des mythes (Paris: 1975).
34
Novick, The Holocaust, 152.
Apesar de Israel ter beirado o precipício e, tanto em termos relativos como
absolutos, sofrido mais baixas na guerra de 1948 do que na de 1973.
Exceto por sua aliança com os EUA, realmente, Israel ficou fora do
favorecimento internacional, após a guerra de outubro de 1973. Comparemos, no
entanto, com a guerra do Suez em 1956. Israel e a organizada colônia judaica
americana alegaram que, às vésperas da invasão do Sinai, o Egito ameaçava
realmente a existência de Israel, e que a retirada total dos israelenses do Sinai fa-
talmente minaria "o interesse vital de Israel: sua sobrevivência como Estado".3 5 A
comunidade internacional, apesar disso, se manteve firme. Ao escrever sobre sua
brilhante performance na Assembléia Geral das Nações Unidas, Abba Eban
lembrou, certamente com tristeza, que "apesar de seu discurso ter sido longa e
efusivamente aplaudido» ela continuou votando contra nós por larga maioria".36 Os
Estados Unidos entraram fortemente neste consenso. Eisenhower não apenas forçou
a retirada das forças israelenses, como também todo o apoio público dos EUA a
Israel caiu em "declínio assustador" (historiador Peter Grose).37 Em contraste,
imediatamente após a guerra de 1973, os Estados Unidos deram uma maciça
assistência militar a Israel, muito maior do que a combinada nos quatro anos
precedentes, enquanto a opinião pública americana voltava firmemente as costas a
Israel.38 Esta foi a ocasião em que "o assunto Holocausto (...) `emergiu' na América",
numa época em que Israel estava menos isolado do que tinha estado em 1956.
De fato, a indústria do Holocausto não ocupou o centro do palco porque os
inesperados recuos durante a guerra de outubro de 1973, e o status de pária que se
seguiu, levaram à lembrança da Solução Final.

35
Commentary, "Letter from Israel" (fevereiro de 1957). Durante a crise de Suez,
Commentary
não cansou de prevenir que a "real sobrevivência" de Israel estava em risco.
36
Abba Eban, Personal Witness (Nova York: 1992), 272.
37
Peter Grose, Israel in the Mind of America (Nova York: 1983), 304.
38
A.F.K. Organski, The $36 Billion Bargain (Nova York: 1990). 163. 48.
Mas, sim, porque a expressiva exibição militar de Sadat, na guerra de outubro,
convenceu as elites políticas dos EUA e de Israel que um acordo diplomático
com o Egito, incluindo a devolução das terras egípcias ocupadas em junho de
1967, não podia mais ser evitado. Para elevar o nível de negociação de Israel, a
indústria do Holocausto aumentou sua produção. A questão principal é que, após a
guerra de 1973, Israel não foi isolado pelos Estados Unidos: estes acertos
ocorreram dentro da aliança EUA-Israel, que permaneceu absolutamente intacta.39
O registro histórico sugere fortemente que, se Israel estivesse realmente sozinho
após a guerra de outubro, as elites judaicas americanas não se lembrariam do
holocausto nazista mais do que o fizeram em 1948 ou na guerra de 1956.
Novick deu explicações auxiliares ainda menos convincentes. Para estudantes
judeus religiosos, por exemplo, ele sugeriu que "a Guerra dos Seis Dias ofereceu uma
teologia popular de `Holocausto e Redenção'". A "luz" da vitória de junho de 1967
redimiu a "escuridão" do genocídio nazista: "ela deu uma segunda chance a Deus". O
Holocausto só podia emergir na vida americana após a vitória de junho de 1967,
porque "o extermínio dos judeus europeus alcançou [um] -- se não feliz, pelo
menos viável -- fim". Embora, na visão judaica comum, tenha sido a fundação de
Israel e não a guerra de junho que marcou a redenção. Por que O Holocausto teria
de esperar uma segunda redenção? Novick assegura que a "imagem dos judeus como
heróis militares" na guerra de junho "serviu para apagar o estereótipo de vítimas
fracas e passivas que (...) inibira previamente a discussão judaica do Holocausto".40
Apesar da notável coragem de Israel na guerra de 1948 ter sido muito maior. E a
"bravura" e o "brilho" de Moshe Dayan, na batalha das 100 horas sobre o Sinai em
1956, prenunciar a rápida vitória de junho de 1967. Por que, então, a colônia
judaica americana insiste na guerra de junho para "apagar o estereótipo"?


39
Finkelstein, Image and Reality, cap, 6.
40
Novick, The Holocaust, 149-50. Novick cita aqui o conhecido acadêmico judeu Jacob
Neusner.


A explicação de Novick sobre como as elites judaicas americanas
usaram o holocausto nazista não convence. Consideremos estas passagens
significativas:


Como os líderes judeus americanos queriam entender as razões de
isolamento e vulnerabilidade de Israel -- razões que poderiam levar a
uma solução --, a explicação que dispunha de maior apoio foi que o
esquecimento das memórias dos crimes nazistas contra os judeus, e a
chegada em cena de uma geração ignorante do Holocausto, resultou
na perda de apoio que Israel possuía.


[En]quanto as organizações judaicas americanas nada podiam fazer
para alterar o passado recente no Oriente Médio, e muito pouco para
determinar seu futuro, elas podiam trabalhar para reavivar a
memória do Holocausto. Assim, a explicação do "esquecimento das
lembranças" ofereceu um programa de ação. [A ênfase é do original].41


Por que a explicação de que o "esquecimento das lembranças" para as
dificuldades pós-1967 de Israel, "[exige] o maior apoio"? Por certo, esta foi uma
explicação improvável. Como o próprio Novick documentou fartamente, a ajuda inicial
conquistada por Israel teve pouco a ver com a "memória dos crimes nazistas",42 e, de
qualquer modo, estas lembranças caíram no esquecimento muito antes que Israel
perdesse o apoio internacional. Por que as elites judaicas poderiam fazer "muito
pouco para determinar" o futuro de Israel? Ora, elas controlavam uma formidável rede
organizacional. Por que "reavivar as lembranças do Holocausto" seria o único programa
de ação?


41
Ibid., 153, 155.
42
Ibid, 69-77.


Por que não apoiar o consenso internacional que pedia a retirada de Israel das terras
ocupadas na guerra de junho, assim como "uma paz justa e duradoura" entre Israel e
seus vizinhos árabes (Resolução 242 da ONU)?
A explicação coerente, embora menos tolerável, é que as elites judaicas
americanas rememoraram o holocausto nazista antes de junho de 1967 apenas como
expediente político. Israel, seu novo patrão, capitalizou o holocausto nazista durante o
julgamento de Eichmann.43 Para se mostrar útil, a organizada colônia judaica
americana explorou o holocausto nazista depois da guerra de junho. Como ideologia,
O Holocausto (capitalizado como já apontei) provou ser a arma perfeita para esvaziar as
críticas a Israel. Exatamente como vou ilustrar aqui. Merece ênfase, no entanto, que,
para as elites judaicas americanas, O Holocausto representou o mesmo papel que
Israel: outra peça sem valor no arriscado jogo de poder. A preocupação confessada
pela memória do Holocausto era tão constrangedora quanto a confessada pelo destino
de Israel.44 Foi assim que a organizada colônia judaica rapidamente perdoou e esqueceu a
afirmação de Ronald Reagan, em 1985, de que os soldados alemães enterrados no
cemitério de Bitburg (inclusive os membros da SS Waffen) eram "tão vítimas do nazismo
quanto as vítimas dos campos de concentração". Em 1988, Reagan foi homenageado
com o prêmio "Humanista do Ano" por uma das mais famosas instituições do
Holocausto, o Simon Wiesenthal Center, e, em 1994, com a "Tocha da Li-
berdade" pela pró-Israel ADL.45

43
Tom Segev, The Seventh Millien (Nova York: 1993), parte VI.
44
A preocupação com os sobreviventes do holocausto nazista foi igualmente
constrangedora: antes de junho de 1967, foi silenciada; depois de junho de 1967,
foi santificada.
45
Response (dezembro de 1998). Notórios negociadores do Holocausto e aliados de
Israel como Abraham Foxman, diretor nacional da ADL. o ex-presidente do AJC Morris
Abram e o secretário da Conference of Presidents of Major American Jewish
Organization, Kenneth Bialkin para não mencionar Henry Kissinger, todos se
levantaram em defesa de Reagan durante a visita de Bitburg. enquanto na mesma
semana o AJC recebia como hóspede de honra para seu encontro anual o fiel
ministro do Exterior do chanceler Helmur Kohl da Alemanha Ocidental, Dentro deste
espírito, Michael Berenbaum, do Museu Memorial do Holocausto de Washington,
referiu-se mais tarde à viagem e à declaração de Reagan em Bitburg como "o
ingênuo sentimento de otimismo americano". (Shafir, Am biguous Relations, 302-4;
Berenbaum, After Tragedy, 14.)
O desabafo, no início de 1979, do reverendo Jesse Jackson, de que estava
"enjoado e cansado de ouvir sobre o Holocausto", não foi, no entanto, tão
prontamente perdoado e esquecido. Na verdade, os ataques das elites judaicas
americanas a Jackson jamais cessaram, embora não por suas "observações anti-
semitas" mas, sim, pela "adesão à causa palestina" (Seymour Martin Lipset e Earl
Raab).46 No caso de Jackson, havia um fator adicional; ele representava o eleitorado
disputado pela organizada colônia judaica americana, a partir dos últimos anos da
década de 1960. Também nestas disputas, O Holocausto provou ser uma poderosa
arma ideológica.
Não foi a alegada fraqueza e isolamento de Israel, nem o medo de um
"segundo Holocausto", mas antes sua comprovada força e aliança estratégica com
os Estados Unidos, que conduziram as elites judaicas a produzir a indústria do
Holocausto, depois de junho de 1967. Embora involuntariamente, Novick
proporcionou a melhor prova para apoiar esta conclusão. A fim de mostrar que
foram considerações de poder, e não a Solução Final nazista, que determinaram
a política americana em relação a Israel, ele escreve: "Foi quando o Holocausto
estava mais fresco na mente dos líderes americanos -- os primeiros vinte e cinco
anos depois do fim da guerra --, que os Estados Unidos menos apoiaram Israel.
(...) Não foi quando Israel estava fraco e vulnerável, mas depois que mostrou sua
força, na Guerra dos Seis Dias, que a ajuda americana a Israel mudou de um
pingo para um dilúvio" (o grifo é do original).47 Este argumento se aplica com a
mesma força às elites judaicas americanas.


46
Seymour Martin Lipset e Earl Raab, Jew s and t he New Am er ican Scene
(Cambrigde; 1995), 159.
Novick. The Holocaust, 166.
47

Há também fontes nacionais da indústria do Holocausto. As principais
interpretações apontam para a recente emergência da "política de identidade", de
um lado, e da "cultura de vitimização", do outro. Em essência, cada identidade
formou-se numa história particular de opressão; os judeus, em concordância,
inserem sua própria identidade étnica no Holocausto.
Apesar disso, entre os grupos que denunciam sua vitimização, incluindo
negros, latinos, índios americanos, mulheres, gays e lésbicas, só os judeus não
estão em desvantagem na sociedade americana. De fato, a política de identidade
e O Holocausto tiveram lugar entre os judeus americanos não por seu status de ví-
tima, mas por eles não serem vítimas.
Assim que caíram as barreiras anti-semitas, logo após a Segunda Guerra
Mundial, os judeus se destacaram nos Estados Unidos. Segundo Lipset e Raab, a renda
per capita dos judeus é quase o dobro dos não-judeus; dezesseis dos quarenta
americanos mais ricos são judeus; 40 por cento dos ganhadores americanos do
prêmio Nobel de ciência e economia são judeus, assim como o são 20 por cento dos
professores das maiores universidades; e 40 por cento dos sócios das grandes firmas de
advocacia de Nova York e Washington. A lista continua.48 Longe de constituir um
obstáculo, a identidade judaica tornou-se o coroamento desse sucesso. Assim como
muitos judeus mantiveram Israel a distância quando ele representou um risco e
voltaram a ser sionistas quando isso constituiu um benefício, também mantiveram
sua identidade étnica disfarçada quando ela representou um risco e voltaram a ser
judeus quando isso constituiu um benefício.
Sem dúvida, o sucesso histórico da comunidade judaica americana avalizou
um coro doutrinário -- talvez o solo -- de sua recém-adquirida identidade como
judeus. Quem ainda poderia discutir se os judeus foram um povo "escolhido"?

48
Lipset and Raab, Jews, 26-27.


Em A Cert ain People: Am erican Jews and Their Lives Today, Charles Silberman -- ele
próprio um judeu renascido -- lança, num arroubo: "Os judeus seriam inferiores
entre os humanos se tivessem aberto mão de qualquer noção conjunta de
superioridade", e "é extremamente difícil para os judeus americanos se desfazerem
do sentimento co-letivo de superioridade, embora muitos deles tentem subestimá-
lo". O que uma criança judia americana herda, segundo o romancista Philip
Roth, não é "um corpo de leis, um corpo de ensinamentos, uma língua e,
finalmente, um Deus (...) mas uma espécie de psicologia: psicologia que pode ser
traduzida em quatro palavras: "Os judeus são melhores".49 Como veremos, O
Holocausto foi a versão negativa de seu sucesso mundialmente vangloriado: serviu
para validar a seleção judaica.
Por volta dos anos 70, o anti-semitismo não era um aspecto marcante na
vida americana. Apesar disso, os líderes judeus começaram a alardear que a
comunidade judaica americana estava ameaçada por um virulento "novo anti-
semitismo".50 As principais provas de um famoso estudo da ADL ("para aqueles
que morreram por serem judeus") incluíam o espetáculo da Broadway Jesus
Christ Superst ar e um tablóide da contracultura que "retratava Kissinger como
bajulador subserviente, covarde, fanfarrão, adulador, tirano, arrivista,
manipulador diabólico, esnobe inseguro, amante inescrupuloso do poder" -- em
conclusão, uma narração incompleta.51
Para a organizada colônia judaica americana, essa histeria de um fabricado novo
anti-semitismo serviu a muitos propósitos. Promoveu Israel a último refúgio, se e
quando os judeus americanos precisassem de um. Além disso, o apelo das organizações
judaicas por um levantamento de fundos com intenção de combater um suposto anti-
semitismo ficou mais receptivo. "O anti-semita está na infeliz posição", observou Sartre
certa vez, "de ter necessidade vital do verdadeiro inimigo que ele quer destruir."52


49
Charles Silberman, A Certain People (Nova York: 1985), 78, 80, 81.
50
Novick, The Holocaust, 170-2.
Arnold Forster e Benjamin R. Epstein, The New Ant i- Semitism (Nova York: 1974),
51

107.
52
Jean-Paul Sartre, AntiSemite and Jew (Nova York: 1974), 107.


Para essas organizações judaicas, o contrário era igualmente verdade. Com o anti-
semitismo em baixa, irrompeu nos últimos anos uma rivalidade implacável entre as
maiores organizações judaicas de "defesa"-- em particular, entre a ADL e o Simon
Wiesenthal Center.53 Na questão de levantamento de fundos, por acaso, as alegadas
ameaças contra Israel servem ao mesmo propósito. Ao retornar de uma viagem aos
Estados Unidos, o respeitado jornalista israelense Danny Rubinstein escreveu:
"Segundo a maioria das pessoas do meio judaico, a coisa mais importante é insistir cada
vez mais nos perigos externos que ameaçam Israel. (...) O agrupamento judaico da
América precisa de Israel apenas como vítima do cruel ataque árabe. Para Israel como
tal, consegue-se apoio, doações, dinheiro. (...) Todo mundo conhece o rótulo oficial das
contribuições recolhidas pelo United Jewish Appeal in America (Apelo Judaico Unido da
América), onde o nome de Israel é usado e metade da soma vai não para Israel, mas
para as instituições judaicas americanas. Não é um cinismo maior?" Como veremos, a
exploração feita pela indústria do Holocausto "das necessitadas vítimas do Holocausto" é a
última e, indiscutivelmente, a pior manifestação deste cinismo.54
A razão principal posterior para alardear o anti-semitismo, no entanto, é
outra. À medida que os judeus americanos usufruíam maior sucesso secular, eles
se voltaram firmemente para a direita política. Embora ainda de centro-esquerda
em questões culturais como a moralidade sexual e o aborto, os judeus foram
ficando mais conservadores na política e na economia.55

Saidel, Never Too Lat e, 222. Seth Mnookin, "Will NYPD Look to Los Angeles For
53
Latest `Sensitivity' Training?", cm Forward (7 de janeiro de 2000). O artigo diz que
a ADL e o Simon Wiesenthal Center brigam por isenções em programas que
ensinam "tolerância".
Noam Chomsky, Pirata and Emperors (Nova York: 1986), 29-30 (Rubinstein).
54

55
Para uma consulta sobre estes dados, ver Murray Friedman, "Are American Jews
Moving to the Right?" em Commentary (abril de 2000). Na disputa pela prefeitura de
Nova York, em 1997, entre Ruth Messinger, uma ativista democrata, contra Rudolph
Giuliani, um republicano fanático, por exemplo, 75 por cento dos votos judaicos
foram para Giuliani. Significativamente, pata votar em Giuliani, os judeus tiveram
que abrir mão de sua tradição assim como de sua linhagem étnica (Messinger é
judia).
Para complementar esta virada à direita houve outra interna, como judeus, não
mais atentos aos aliados menos favorecidos do passado, mas cada vez mais
identificados com seus recursos apenas para assuntos judaicos. Esta reorientação
da colônia judaica americana56 ficou claramente evidente no crescimento das
tensões entre judeus e negros. Tradicionalmente aliados do povo negro contra a
discriminação de raça nos Estados Unidos, muitos judeus romperam a aliança com
os Direitos Civis, no final da década de 1970, quando, como relata Jonathan
Kaufman, "os objetivos do movimento pelos direitos civis foram substituídos --
passando da exigência de igualdade política e legal para a exigência de igualdade
econômica". "Quando o movimento pelos direitos civis se mudou para o norte, para
as vizinhanças destes judeus liberais", lembra igualmente Cheryl Greenberg, "a
questão da integração ganhou um matiz diferente. Preocupados agora com o
conceito de classe em vez dos termos raciais, os judeus marcharam em fila para os
subúrbios, quase tão depressa quanto os brancos cristãos, a fim de evitar o que
consideraram deterioração de suas escolas e bairros." O clímax memorável foi a
prolongada greve dos professores da cidade de Nova York, em 1968, que opôs um
grande sindicato profissional judaico contra os ativistas da comunidade negra pelo
controle da ausência nas escolas. Relatos da greve se referem com freqüência ao
anti-semitismo radical. O surgimento do racismo judaico -- apenas na superfície
antes da greve -- não foi menos esquecido. Mais recentemente, publicitários e
organizações judaicas figuraram com destaque nos esforços para desmantelar pro-
gramas de ação afirmativa.*

56
A mudança também se deveu em parte à substituição da liderança judaica
cosmopolita da Europa Central pelos judeus arrivistas e chauvinistas originários do
Leste Europeu, como o prefeito da cidade de Nova York, Edward Koch, e o diretor-
executivo do New York Tim es, A.M. Rosenthal, A este respeito, deve-se notar que os
historiadores judeus dissidentes do dogmatismo do Holocausto vieram todos da
Europa Central -- por exemplo, Hannah Arendt, Henry Friedlander, Raul Hilberg e
Arno Mayer.
* Atos que visam a aumentar as oportunidades de emprego e educação das minorias
e das mulheres. (N. da T.)
Em julgamentos importantes da Corte Suprema -- DeFunis (1974) e Bakke (1978) --,
o AJC, a ADL e o AJ Congress, aparentemente refletindo o prevalecente sentimento
judaico, prestaram depoimentos jurídicos contra a ação afirmativa.57
Ao agir agressivamente para defender seus interesses de classe e
corporativistas, as elites judaicas estigmatizaram como anti-semita toda oposição
à sua nova política conservadora. Assim, o dirigente Nathan Perlmutter sustentou
que o "verdadeiro anti-semitismo" na América consistia em iniciativas políticas
"corrosivas aos interesses judaicos", como ações afirmativas, cortes no orçamento
da defesa e neo-isolacionismo, assim como oposição à energia nuclear e mesmo a
reformas do Colégio Eleitoral.58
O Holocausto passou a representar um papel perigoso nessa ofensiva
ideológica. O mais evidente é que, ao evocar a perseguição histórica, ele confunde a
crítica dos dias atuais. Os judeus podiam até acenar para uma "quota no sistema",
pelo que sofreram no passado, como pretexto para se opor aos programas de ação
afirmativa. Além disso, a rede do Holocausto conceituou o anti-semitismo como uma
estrita aversão irracional dos não-judeus pelos judeus. Impediu a possibilidade de
que a má vontade em relação aos judeus pudesse se basear num verdadeiro conflito
de interesses (voltarei ao assunto mais adiante). Invocar O Holocausto foi, portanto,
um estratagema vantajoso para desmoralizar toda crítica aos judeus: esta crítica só
poderia nascer de um ódio patológico.
Assim como a organizada colônia judaica lembrou O Holocausto quando
o poder israelense estava no auge, também apelou para O Holocausto quando o
poder judaico americano chegou ao pico. A desculpa, no entanto, foi que, tanto lá
quanto aqui, os judeus podiam se confrontar com um "segundo Holocausto".


57
Ver Jack Salzman e Cornel West (orgs.), Struggles in the Prom ised Land (Nova
York: 1997), caps. 6, 8, 9, 14, 15. (Kaufman na 111; Greenberg na 166.) Contudo,
uma minoria expressiva de judeus discordou desta inclinação para a direita.
Nathan Perlmutter e Ruth Ann Perlmutter, The Real Anti-Sem itism in Am erica (Nova
58

York: 1982).
Desse modo, as elites judaicas americanas podiam assumir uma luta heróica
indultadas por uma covarde intimidação. Norman Podhoretz, por exemplo,
salientou que a nova resolução judaica, depois da guerra de junho de 1967, era
"resistir a quem quer que, de alguma forma, em qualquer nível e por qualquer
razão tentasse nos prejudicar (...). De agora em diante, iremos ocupar nosso
espaço".59 Tal como os israelenses que, armados até os dentes pelos Estados
Unidos, puseram valentemente os indisciplinados palestinos em seu lugar, também
os judeus americanos, corajosamente, puseram os indisciplinados negros em seu
lugar.
Reinar sobre os menos capazes de se defender: este é o verdadeiro conteúdo
da recuperada coragem da organizada colônia judaica americana.
59
Novick. The Holocaust, 173 (Podhoretz).

CAPÍTULO 2

I M POSTORES, TRAPACEI ROS
E HISTÓRIA

O despertar do Holocausto", observa o respeitado escritor israelense Boas Evron,
"é atualmente uma doutrina oficial de propaganda, um martelar de slogans e uma falsa
visão do mundo, cujo objetivo real não é entender o passado, mas manipular o
presente." Em si, o holocausto nazista não serve a qualquer agenda política particular.
Ele pode até motivar com facilidade discordâncias como o apoio à política de Israel. Vista
de um prisma ideológico, no entanto, "a memória do extermínio nazista" surgiu para servir
-- nas palavras de Evron -- "como uma poderosa ferramenta nas mãos da liderança
israelense e dos judeus estrangeiros".1 O holocausto nazista tornou-se O Holocausto.
Dois dogmas principais sustentam a estrutura do Holocausto: (1) O
Holocausto marca categoricamente um acontecimento histórico único. (2) O Holocausto
marca o clímax do ódio irracional e eterno dos não-judeus pelos judeus. Nenhum destes
dogmas figurou em qualquer discurso público antes da guerra de junho de 1967; e,
apesar de incluídos como temas centrais na literatura do Holocausto, nenhum deles
faz parte dos verdadeiros estudos sobre o holocausto nazista.2 Por outro lado,
ambos os dogmas forçam laços importantes com o judaísmo e o sionismo.
Nos desastres da Segunda Guerra Mundial, o holocausto nazista não foi
classificado como um fato unicamente judeu, como um acontecimento
historicamente único. A organizada colônia judaica americana em particular
penou para incluí-lo num contexto universalista. Após a guerra de junho, no
entanto, a Solução Final nazista foi radicalmente restabelecida. "A primeira e mais
importante reivindicação que emergiu da guerra de 1967 e se tornou
emblemática no judaísmo americano", lembra Jacob Neusner, foi que "o
Holocausto (...) era único, sem paralelo na história humana."3


1
Boas Evron, "Holocaust: The Uses of Disaster", em Radical America (julho-agosto
de 1983), 15.
2
Para uma distinção entre literatura do Holocausto e ensino do holocausto nazista,
ver Finkelstein e Birn, Nation, parte um, seção 3.
3
Jacob Neusner (org.),Judaism in Cold War America, 1945-1990, viii: In the Aftermath
of the Holocaust (Nova York: 1993), viii.
Em um ensaio brilhante, o historiador David Stannard ridiculariza os
"programadores da pequena indústria do Holocausto por disputarem a
singularidade da experiência judaica com a mesma energia e engenhosidade de
teólogos fanáticos".4 O dogma de caráter único, além do mais, não tem sentido.
Todo acontecimento histórico, no nível mais básico, é único, quando visto
apenas pelo critério de tempo e lugar, e todo acontecimento histórico contém
características distintas como também comuns a outros eventos históricos. A
anomalia do Holocausto é ter sua singularidade defendida como absolutamente
decisiva. Alguém poderia perguntar, que outro acontecimento histórico é tão
difundido por seu caráter singular? Tipicamente, a visão diferenciada do Holocausto
foi isolada com o fim de posicionar o fato numa categoria à parte. Jamais fica claro,
no entanto, por que tantas características comuns devem ser avaliadas como triviais
por comparação.
Todos os escritores que estudaram o assunto concordam que O Holocausto é
único, mas poucos, se houver algum, explicam o porquê. A cada vez que a
excepcional idade do Holocausto é empiricamente refutada, um novo argumento é
acrescentado à sua sustentação. Os resultados, segundo Jean-Michel Chaumont, são
vários, com argumentos conflitantes que acabam se anulando: "O conhecimento não
é cumulativo. Antes, aperfeiçoa o argumento inicial de que cada situação nova
começa do zero."5 Em outras palavras: a singularidade é uma suposição da
estrutura do Holocausto; resta provar, e não provar equivale à negação do
Holocausto. O problema talvez esteja na premissa e não na prova. Mesmo que O
Holocausto fosse único, que diferença faria?


4
David Stannard, "Uniqueness as Dental", em Alan Rosenbaum (org.), I s t he
Holocaust Unique? (Boulder: 1996), 193.
5
Jean-Michel Chaumont, La concurrence des victimes (Paris: 1997), 148-9. A
dissecação de Chaumont no debate sobre a "singularidade do Holocausto" é um tour
de force. E sua tese central não colou, pelo menos na cena americana. Segundo
Chaumont, o fenômeno do Holocausto teve origem na busca tardia peio
reconhecimento do padecer no passado por parte dos sobreviventes judeus. Mas os
sobreviventes mal figuram na agitação inicial para colocar O Holocausto no centro do
palco.
O que mudaria em nossa compreensão se o holocausto nazista não fosse o
primeiro, mas o quarto ou quinto numa linha de catástrofes comparativas?
A mais recente entrada na corrida pela singularidade do Holocausto foi a
de Steven Katz, The Holocaust in Hist orical Cont ex t , Citando cerca de 5.000 títulos
no primeiro de um projetado estudo em três volumes, Katz avalia toda a extensão da
história da humanidade com a finalidade de provar que "o Holocausto é
fenomenologicamente único pela virtude de que nunca antes um país determinou,
como tópico de uma política intencional e atualizada, aniquilar fisicamente todo
homem, mulher e criança pertencente a um povo específico". Para demonstrar esta tese,
Katz explica: " é unicamente C. pode dividir A, B, D,... X com mas não C. E outra vez
pode dividir A, B, D, ... X com todos mas não C. Cada vez, como aconteceu, sobre ser
unicamente C... n faltando C não é (...) Por definição, não são permitidas exceções a
estas regras. compartilhando A, B, D, (...) X com pode ser como neste e em outros
aspectos (...), mas em relação à nossa definição de singularidade qualquer um ou todos
faltando C não são (...). Claro, em sua totalidade . é mais do que C, mas nunca é sem
C." Tradução: um acontecimento histórico contendo um aspecto distinto é um
acontecimento histórico distinto. Para evitar qualquer confusão, Katz mais adiante elucida
que ele usa o termo fenomenologicamente "não no sentido de Husserl, Shutz, Scheler,
Heidegger e Merleau-Ponty". Tradução: a iniciativa de Katz é um absurdo total.6 Mesmo se a
prova sustentasse a tese central de Katz -- o que não acontece -- ele só provaria que O
Holocausto contém um caráter distinto. O contrário seria uma surpresa. Chaumont conclui
que o estudo de Katz é na realidade "ideologia" mascarada de "ciência".7
Uma curta distância separa a exigência pela singularidade do Holocausto da
exigência de que O Holocausto não pode ser compreendido racionalmente.

6
Steven T. Katz, The Holocaust in Historial Context (Oxford: 1994), 28, 58, 60.
7
Chaumont, La concurrence, 137.
Se O Holocausto não teve precedente na história, ele deve estar acima e, portanto, não
pode ser alcançado pela história. Sem dúvida, O Holocausto é único porque inexplicável,
e inexplicável porque único.
A chamada "sagração do Holocausto" por Novick é a mistificação mais praticada
por Elie Wiesel. Para Wiesel, como observa Novick com exatidão, O Holocausto é
efetivamente uma religião "misteriosa". Assim, Wiesel enuncia que o Holocausto "conduz
às trevas", "nega todas as respostas", "fica fora, talvez além, da história", "desafia tanto
o conhecimento quanto a descrição", "não pode ser explicado nem visualizado", "não é
para ser compreendido ou transmitido", marca a "destruição da história" e a "mutação
para uma escala cósmica". Só um pregador sobrevivente (leia-se: só Wiesel) está
qualificado para divinizar seu mistério. Apesar do mistério do Holocausto, como Wiesel
confessa, ser "incomunicável"; "não podemos sequer falar sobre ele". É assim que, por 25
mil dólares (mais limusine com chofer), Wiesel dá palestras dizendo que "o segredo da
verdade de Auschwitz repousa no silêncio".8
Desse ponto de vista, entender O Holocausto como um todo é negá-lo. Em
prol da racional negação e mistério do Holocausto. E comparar O Holocausto com os
sofrimentos dos outros constitui, para Wiesel, uma "traição total da história judaica".9
Alguns anos atrás, um tablóide de Nova York fez uma paródia na manchete: "Michael
Jackson, e outros 60 milhões morreram num Holocausto Nuclear." O texto provocou
um irado protesto de Wiesel: "Como se atrevem a se referir ao que aconteceu ontem
como um Holocausto? Só houve um Holocausto..." Em seu novo livro de memórias,
ao provar que a vida só pode imitar embustes, Wiesel critica Shimon Peres por falar
"sem hesitação de `dois holocaustos' no século XX:


8
Novick, The Holocaust , 200-1, 211-12. Wiesel, Against Silence, v. i. 158, 211, 239,
v. ii, 62, 81, 111, 278, 293, 347, 371, v. iii, 153, 243. Elie Wiesel, All Rivers Run t o
t he Sea (Nova York: 1995), 89. As informações sobre o cachê das conferências de
Wiesel foram dadas por Ruth Wheat do Bnai Brith Lecture Bureau. "Palavras",
segundo Wiesel, "são uma espécie de abordagem horizontal, enquanto o silêncio
oferece uma abordagem vertical. Você mergulha nele." Será que Wiesel cai de pára-
quedas em suas conferências?
9
Wiesel, Against Silence, v. iii, 146.


Auschwitz e Hiroshima. Ele não devia fazer isso".10 Um refrão favorito de Wiesel
declara que "a universalidade do Holocausto repousa em sua singularidade".11 Mas
se ele é incomparável e incompreensivelmente único, como O Holocausto pode
ter uma dimensão universal?
O debate sobre o caráter único do Holocausto é estéril. Na realidade, as
pregações sobre a singularidade do Holocausto constituem uma forma de
"terrorismo intelectual" (Chaumont). Os que praticam o método comparativo
normal de pesquisa precisam primeiro enfrentar mil e uma ameaças para afastar a
acusação de estarem "banalizando O Holocausto".12
Um subtexto da singularidade do Holocausto é que O Holocausto foi um
mal único. Embora terrível, o sofrimento de outros simplesmente não se compara.

10
Wiesel, And the Sea, 95. Compare estes novos itens:
Ken Livingstone, um ex-membro do Partido Trabalhista, que concorre à prefeitura de
Londres como candidato independente, irritou os judeus na Grã-Bretanha ao dizer
que o capitalismo global fez tantas vítimas quanto a Segunda Guerra Mundial. "A cada
ano, o sistema financeiro internacional mata mais gente do que a Segunda Guerra,
mas Hitler pelo menos era louco, você sabia?" (...) "É um insulto a todos os
assassinados e perseguidos por Adolph Hitler", disse John Butterfill, um membro
conservador do Parlamento. Mr. Butterfill também disse que a acusação de Mr.
Livingstone ao sistema financeiro global tinha claras nuances anti-semitas.
("Livingstone Words Anger Jews", International Herald Tribune, 13 de abril de 2000.)
O presidente cubano Fidel Castro (...) acusou o sistema capitalista de causar
regularmente mortes na mesma escala da Segunda Guerra Mundial ao
ignorar as necessidades dos pobres. "As imagens que vemos de mães e
crianças em todas as regiões da África sob o castigo da seca e outras
catástrofes nos lembra os campos de concentração da Alemanha nazista." Ao
se referir aos julgamentos dos crimes de guerra após a Segunda Guerra, o
líder cubano disse: "Está faltando um Nuremberg para julgar a ordem eco-
nômica que nos foi imposta, na qual a cada três anos morrem mais homens,
mulheres e crianças de fome e doenças que podem ser prevenidas do que os
que morreram na Segunda Guerra Mundial". (...) Na cidade de Nova York,
Abraham Foxman, diretor nacional da Anti-Defamation League, disse (...) "A
pobreza é grave, é penosa e pode ser mortal, mas não é o Holocausto nem os
campos de concentração". (John Rice, "Castro Viciously Attacks Capitalism",
Associated Press, 13 de abril de 2000.)
11
Wiesel, Against Silence, iii, 156, 160, 163, 177.
12
Chaumont, La concurrenc, 156. Chaumont também assinala que a reivindicação do
incompreensível mal do Holocausto não é compatível com a conseqüente exigência
de que seus criminosos eram perfeitamente normais.

Defensores da singularidade do Holocausto, como esperado, descartam esta
implicação, mas tais objeções são falsas.13
As pretensões de singularidade do Holocausto são intelectualmente pobres e
moralmente desacreditadas, embora persistentes. A questão é: por quê, em primeiro
lugar, um sofrimento único confere um direito único? O caráter de mal único do
Holocausto, segundo Jacob Neusner, não só separa os judeus dos outros, como
também dá aos judeus um "direito sobre todos esses outros". Para Edward Alexander, a
singularidade do Holocausto é um "capital moral"; os judeus precisam "exigir
soberania" sobre esta "valiosa propriedade".14
De fato, o caráter único do Holocausto -- esta "reivindicação" sobre outras,
este "capital moral" -- serve como álibi privilegiado para Israel. "A singularidade do
sofrimento judaico", sugere o historiador Peter Baldwin, "soma-se às demais
reivindicações que Israel pode fazer (...) sobre outras nações."15 Portanto, de acordo
com Nathan Glazer, O Holocausto, que se volta para a "peculiar distinção dos
judeus", dá a eles "o direito de se considerarem especialmente ameaçados e
especialmente merecedores de todos os esforços necessários à sua sobrevivência".16
(A ênfase é do original.) Para citar um exemplo típico, toda e qualquer justificativa
da decisão de Israel de desenvolver armas nucleares evoca o espectro do
Holocausto.17 Como se Israel, de qualquer modo, não partisse para o poder
nuclear.

13
Katz, The Holocaust , 19, 22. "A reivindicação de que a afirmação de singularidade
do Holocausto não é uma forma hostil de comparação produz mal-entendidos
sistemáticos", observa Novick. "Alguém duvida (...) que a pretensão de
singularidade não passa de uma pretensão à primazia?" (a ênfase é do original).
Lamentavelmente, o próprio Novick tolera essas comparações. Pois sustenta que,
embora moralmente dúbia no contexto americano, " é verdade a repetida afirmação
de que, seja o que for que os Estados Unidos tenham feito a negros, índios,
vietnamitas ou outros seres empalidece quando comparado ao Holocausto" (The
Holocaust, 197, 15).
Jacob Neusner, "A `Holocaust' Primer", 178. Edward Alexander, "Stealing the
14

Holocaust", 15-16, em Neusner, Aftermath.
Peter Baldwin, Reworking the Past (Boston: 1990), 21.
15
16
Nathan Glazer, American Judaism, segunda edição (Chicago: 1972), 171.
17
Seymour M. Hersh, The Samson Option (Nova York: 1991), 22. Avner Cohen, Israel
and
the Bomb (Nova York: 1998), 10, 122, 342.
Há um outro fator em andamento. O reconhecimento da singularidade do
Holocausto é o reconhecimento da supremacia judaica. Não é o sofrimento dos judeus,
mas o que os judeus sofreram, que torna O Holocausto único. Ou: O Holocausto é
especial porque os judeus são especiais. Assim Ismar Schorsch, chanceler do Jewish
Theological Seminary, ridiculariza a pretensão de singularidade do Holocausto como
"uma versão secular detestável da escolha".18 Sendo tão veemente quanto ao caráter
único do Holocausto, Elie Wiesel não é menos incisivo sobre o caráter único dos
judeus. "Tudo que nos diz respeito é diferente." Os judeus são "ontologicamente" ex-
cepcionais.19 Marcando o clímax do ódio milenar dos não-judeus pelos judeus, O
Holocausto autentica não apenas o sofrimento único dos judeus como também a
singularidade judaica.
Novick escreve que, durante e após a Segunda Guerra Mundial, "dificilmente
alguém de dentro do governo (EUA) -- e dificilmente de fora, judeus e não-
judeus -- entenderia a frase `abandono dos judeus'". O contrário se deu depois
de junho de 1967. "O silêncio do mundo", "a indiferença do mundo", "o abandono
dos judeus": estas expressões viraram refrões do "discurso do Holocausto".20
Ao se apropriar de uma doutrina sionista, a rede do Holocausto lançou
a Solução Final de Hitler como o clímax de um ódio milenar dos não-judeus, pelos
judeus. Os judeus morreram porque todos os não-judeus, fossem eles
colaboradores criminosos ou passivos, queriam que eles morressem. "O mundo
livre e `civilizado'", segundo Wiesel, cedeu os judeus "ao seu algoz. Houve os
matadores -- os assassinos -- e os que permaneceram em silêncio."21 Não há
qualquer prova histórica sobre o impulso assassino dos não-judeus.


Ismar Schorsch, "The Holocaust and Jewish Survival", em Midstream (janeiro de
18

1981), 39. Chaumont demonstra convincentemente que a pretensão pela qualidade
única do Holocausto teve origem, e só é coerente neste contexto, no dogma religioso
dos judeus de povo eleito. La concurrence, 102-7, 121.
19
Wiesel, Against Silence. v. i, 153. Wiesel, And the Sea, 133.
20
Novick. The Holocaust, 59, 158-9.
21
Wiesel, And the Sea, 68.

O esforço de Daniel Goldhagen para comprovar uma variante deste argumento
em Hitler's Willing Execut ioners quase beira o cômico.22 Sua utilidade política, no
entanto, é considerável. Alguém pode notar, acidentalmente, que a teoria do
"eterno anti-semitismo", na verdade, alivia os anti-semitas. Como diz Arendt em
The Origins of Tot alit ar ianism , "esta doutrina, que foi adotada pelos anti-semitas
profissionais, está fora de questão; ela dá o melhor álibi possível para todos os
horrores. Se for verdade que a humanidade insistiu na matança dos judeus por
mais de dois milhares de anos, então o assassinato de judeus é normal, e até
humano, a ocupação e o ódio aos judeus estão justificados além da necessidade de
argumentação. O aspecto mais surpreendente desta explicação é que ela tem
sido adotada por uma grande maioria de historiadores imparciais e mesmo por um
grande número de judeus".23
O dogma do Holocausto sobre o ódio eterno dos não-judeus serviu tanto
para justificar a necessidade de um Estado judeu quanto para se beneficiar com
a hostilidade dirigida a Israel. O Estado judeu é a única salvaguarda contra a
próxima (inevitável) explosão do anti-semitismo homicida; por conseqüência, o
anti-semitismo homicida está por trás de todos os ataques ou mesmo manobras
defensivas contra o Estado judaico. Para responder às críticas contra Israel, a
escritora de ficção Cynthia Ozick tem uma réplica pronta: "O mundo quer elimi-
nar os judeus (...) o mundo sempre quis liquidar os judeus."24 Se todo o mundo
quer os judeus mortos, a verdade é que ainda estão vivos -- e, ao contrário de
uma grande parte da humanidade, não morrem de fome.
Esse dogma também conferiu total autoridade a Israel: como os não-judeus
estão sempre querendo matar os judeus, eles têm todo o direito de se proteger ao
menor ataque.


22
Daniel Jonah Goldhagen, Hitler's Willing Executioners (Nova York: 1996). Para uma
crítica, ver Finkelstein e Birn, Nation.
23
Hannah Arendt, The Origins of Totalitarianism (Nova York: 1951), 7.
24
Cynthia Ozick, "All the World Wants the Jews Dead", em Esquire (novembro de
1974).
Qualquer expediente usado por Israel, mesmo agressão e tortura, constitui le-
gítima defesa. Deplorando a "lição do Holocausto" como uma eterna ameaça dos
não-judeus, Boas Evron observa que ela "na verdade equivale a um ataque de
paranóia (...) Esta mentalidade (...) perdoa por antecipação qualquer tratamento
desumano aos não-judeus, prevalecendo o mito de que `todo mundo colaborou
com os nazistas na destruição do povo judaico', portanto tudo é permitido aos
judeus em suas relações com os outros povo".25
Na estrutura do Holocausto, o anti-semitismo pagão é irracional e não-
erradicável. Indo além do sionismo clássico, Goldhagen interpreta o anti-
semitismo como "divorciado dos verdadeiros judeus", "fundamentalmente não
uma resposta a qualquer avaliação objetiva da ação judaica", e "independente da
natureza e das ações dos judeus". O "hospedeiro" de uma patologia mental
pagã é a "mente". (A ênfase é do original.) Levado por "argumentos irracionais",
o anti-semita, segundo Wiesel, "simplesmente se ressente pelo fato de que o judeu
existe".26 "Não só o que os judeus fazem ou deixam de fazer, nada tem a ver com
o anti-semitismo", critica o sociólogo John Murray Cuddihy, "mas qualquer tentativa
de explicar o anti-semitismo recorrendo à contribuição judaica para o anti-
semitismo é ela própria um exemplo de anti-semitismo!" (ênfase do original).27 O
principal, claro, não é que o anti-semitismo seja justificável, nem que os judeus
sejam culpados pelos crimes cometidos contra eles, mas que o anti-semitismo se
desenvolve em um contexto histórico específico com sua conseqüente
reciprocidade de interesses. "


25
Boas Evron, Jewish State or Israeli Nation (Bloomington: 1995), 226-7.
Goldhagen, Hitler's Willing Executioners, 34-5, 39, 42. Wiesel, And the Sea, 48.
26

27
John Murray Cuddihy, "The Elephant and the Angels: The Incivil Irritatingness of
Jewish Theodicy", em Robert N. Bellah e Frederick E. Grenspahn (orgs.), Uncivil
Religion (Nova York: 1987), 24. Em acréscimo a este artigo, ver seu "The Holocaust:
The Latent Issue in the Uniqueness Debate", em P. E Gallagher, Christ ian, Jews, and
Other Worlds (Highland Lakes, NJ: 1987).
Uma minoria dotada, bem organizada e de grande sucesso, pode provocar
conflitos que derivam de tensões intergrupais objetivas", assinala Ismar
Schorsch, apesar desses conflitos estarem "com freqüência disfarçados em
estereótipos anti-semitas".28

A essência irracional do anti-semitismo é um pressuposto da essência
irracional do Holocausto. Quer dizer, a Solução Final de Hitler careceu unicamente
de racionalidade -- ela foi um "mal", um genocídio "sem sentido"; a Solução
Final de Hitler foi a culminância do anti-semitismo dos não-judeus; portanto o
antisemitismo não-judeu é em sua essência irracional. Separadas ou juntas, tais
afirmações não agüentam sequer um exame superficial.29 Politicamente, no entanto,
o argumento é extremamente útil.
Tornando os judeus irrepreensíveis, o dogma do Holocausto deixa Israel e a
colônia judaica americana imune a censuras legítimas. A hostilidade árabe, a
hostilidade afro-americana: elas "não têm fundamento como resposta a qualquer
avaliação objetiva da ação dos judeus" (Goldhagen).30 Diz Wiesel sobre a per-
seguição aos judeus: "Há dois milhares de anos (...) estamos sempre
ameaçados... Por quê? Por razão nenhuma."


28
Schorsch, The Holocaust, 39. A concepção de que os judeus constituem uma minoria
"dotada" também é, do meu ponto de vista, "uma versão secular detestável da
escolha".
29
Embora uma exposição completa desse tópico esteja fora do objetivo deste
ensaio, vamos ater-nos à primeira proposição. A guerra de Hitler contra os
judeus, ainda que irracional (e esta conclusão é certamente complexa), por certo
não constitui uma ocorrência histórica sem similar. Lembremos, por exemplo, a
tese central de Joseph Schumpeter em seu tratado sobre o imperialismo que
"inclinações não-racionais e irracionais, puramente instintivas para a guerra e a
conquista desempenham um amplo papel na história da humanidade (...)
numerosas guerras -- talvez a maioria delas -- têm sido travadas sem (...)
razões que as justifiquem". Joseph Schumpeter, "The Sociology of Imperialism",
em Paul Sweezy (org.), Imperialism and Social Classes [Nova York: 19511,83).
30
Sem se referir à rede do Holocausto, o recente estudo de Albert S. Lindemann
sobre o anti-semitismo começa com a premissa de que "qualquer que seja o poder
do mito, nem toda hostilidade aos judeus, individual ou coletiva, se baseia em suas
visões fantásticas ou quiméricas, ou em projeções sem relação com qualquer
realidade palpável. Como seres humanos, os judeus são tão capazes quanto
quaisquer outros grupos de provocar hostilidade no cotidiano do mundo leigo"
(Esau's Tears [Cambridge: 1997], xviii.).

Sobre a hostilidade árabe contra Israel: "Pelo que somos e pelo que nossa pátria
Israel representa -- o coração de nossas vidas, o sonho de nossos sonhos --
quando nossos inimigos tentam nos destruir, agem com o intento de destruir
Israel." Sobre a hostilidade do povo negro contra o povo judeu: "O povo que se
inspirou em nós não nos agradece, mas nos ataca. Estamos numa situação de
verdadeiro perigo. Somos outra vez o bode expiatório de todos (...). Ajudamos os
negros; sempre os ajudamos (...). Sinto pena dos negros. Se há algo que nos
devem, é gratidão. Nenhum povo do mundo conhece a gratidão como nós;
seremos sempre gratos."31 Sempre perseguidos, sempre inocentes: este é o fardo
de ser judeu.32
O dogma do Holocausto sobre o eterno ódio dos não-judeus também avaliza
o dogma complementar do Holocausto de singularidade. Se O Holocausto marcou o
clímax de um ódio pagão milenar pelos judeus, a perseguição dos não-judeus no
Holocausto foi meramente acidental e a perseguição dos não-judeus na história
meramente episódica. De todos os pontos de vista, então, o sofrimento judaico
durante O Holocausto foi único.
Em última instância, o sofrimento judaico foi único porque os judeus são
únicos. O Holocausto foi único porque não racional. Finalmente, seu ímpeto foi a
mais irracional de todas as paixões humanas. O mundo pagão odiou os judeus por
inveja: ressentimento. O anti-semitismo, segundo Nathan e Ruth Ann Perlmutter,
nasceu da "inveja e ressentimento dos não-judeus pelo fato de os judeus serem os
melhores cristãos da praça (...) um grande número de não-judeus menos realizados
se ressente de um menor número de judeus mais realizados".33


Against Silence, v. I, 155, 384.
31
32
Chaumont assinala que este dogma do Holocausto efetivamente torna outros crimes
mais aceitáveis. A insistência na inocência radical dos judeus -- isto é, a ausência de
qualquer motivo racional para a perseguição os abandona para serem mortos --
"pressupõe um status `normal' para perseguições e assassinatos em outras
circunstâncias, criando de fato uma divisão entre crimes incondicionalmente
intoleráveis e crimes com os quais se precisa -- e por conseqüência se pode --
conviver". (La concurrence, 176.)
Perlmutters, Anti- Semitism, 36, 40.
33

O Holocausto confirma assim a escolha dos judeus. Por serem melhores, ou mais
bem-sucedidos, eles sofreram a ira dos não-judeus, que então os matavam.
Em uma breve nota, Novick pondera: "qual teria sido o discurso do Holocausto
na América" se Elie Wiesel não fosse seu "principal intérprete?".34 A resposta não é
difícil de achar: antes de junho de 1967, a mensagem universalista do sobrevivente
de um campo de concentração, Bruno Bettelheim, teve ressonância entre os judeus
americanos. Depois da guerra de junho, Bettelheim foi posto de lado em favor de
Wiesel. A relevância de Wiesel é fruto de sua utilidade política. Singularidade do
sofrimento judaico/singularidade dos judeus e não-judeus sempre-culpados/judeus
sempre-inocentes, defesa incondicional de Israel/ defesa incondicional dos
interesses judaicos: Elie Wiesel é O Holocausto.


Ao enunciar os principais dogmas do Holocausto, a maior parte dos textos
sobre a Solução Final de Hitler perdeu valor como estudo. De fato, o campo de
estudos sobre o Holocausto está repleto de falta de sentido, quando não cheio de
fraudes. Especialmente revelador é o meio cultural que alimenta esta literatura.
O primeiro maior embuste sobre o Holocausto foi The Paint ed Bird, do polonês
emigrado Jerzy Kosinski.35 O livro foi "escrito em inglês", Kosinski explicou, para que
"eu pudesse escrever sem paixão, livre da conotação emocional que a língua nativa
sempre contém". Na verdade, qualquer que tenha sido a parte escrita por ele -- uma
questão não resolvida --, foi escrita em polonês. O livro se propôs a ser um relato
autobiográfico de Kosinski, das errâncias de uma criança solitária por uma Polônia
rural durante a Segunda Guerra Mundial.


34
Novick, The Holocaust, 351nl9.
35
Nova York: 1965. Eu me baseei nas fontes de James Park Sloan, Jerzy Kosinski (Nova
York: 1996).
Só que Kosinski viveu com seus pais durante toda a guerra. O tema do livro é a
tortura sexualmente sádica perpetrada pelos camponeses poloneses. Os que leram o
texto, antes de ser publicado, tacharam-no de uma "pornografia da violência" e
"produto de uma mente obcecada com a violência sadomasoquista". Kosinski
inventou quase todos os episódios patológicos narrados. O livro retrata os
camponeses poloneses com os quais viveu como virulentos anti-semitas. "Bata nos
judeus", eles escarneciam. "Bata nos bastardos." Na realidade, os camponeses
poloneses acolheram a família de Kosinski, apesar de saberem que eram judeus e das
terríveis conseqüências que eles próprios sofreriam se fossem pegos.
Elie Wiesel saudou The Paint ed Bird no New York Tim es Book Review como
"uma das melhores" acusações contra a era nazista, "escrito com profunda
sinceridade e sensibilidade". Cynthia Ozick mais tarde despejou que ela
"imediatamente" reconheceu a autenticidade de Kosinski como "sobrevivente judeu
e testemunha do Holocausto". Ainda muito depois que Kosinski foi desmascarado
como um impostor literário, Wiesel continuou a acumular elogios ao seu "notável
volume de trabalho".36
The Paint ed Bird tornou-se um texto básico do Holocausto. Foi um bestseller
e vencedor de prêmios, traduzido para inúmeras línguas e imposto como leitura nas
escolas. Fazendo o circuito do Holocausto, Kosinski apelidou-se como um "Elie
Wiesel reduzido". (Os incapazes de ganhar o montante de Wiesel por suas
conferências -- "o silêncio" não foi barato -- ligaram-se a ele.)


36
Elie Wiesel, "Everybody's Victim", no New York Times Book Review (31 de outubro de
1965). Wiesel, All Riven, 335. A citação de Ozick é de Sloan, 304-5. A admiração de
Wiesel por Kosinski não surpreende. Kosinski queria analisar a "nova linguagem", Wiesel
"forjar uma nova linguagem" do Holocausto. Para Kosinski, "o que existe é tanto um
comentário sobre os episódios quanto algo comentado pelos episódios*. Para Wiesel, "o
espaço entre quaisquer duas palavras é mais amplo que a distância entre o céu e a
terra". Há um provérbio polonês para uma tal profundidade: "Do vazio para o vácuo".
Ambos também se valem abundantemente de citações de Albert Camus, sinal
indicativo de charlatanismo. Ao lembrar que Camus lhe disse uma vez: "Eu invejo você
por Auschwitz", Wiesel continua: "Camus não podia se perdoar por não ter conhecido
aquele acontecimento majestoso, aquele mistério dos mistérios* (Wisel, All Rivers,
321; Wiesel, Against Silence, v. ii, 133).


Finalmente desmascarado por um semanário investigativo, Kosinski ainda foi
firmemente defendido por The New York Times, que alegou ter sido ele vítima de
um complô comunista.37
Uma fraude mais recente, Fr agm ent s, 38 de Binjamin Wilkomirski,
apropria-se promiscuamente do Holocausto medíocre de The Painted Bird. Como
Kosinski, Wilkomirski descreve a si próprio como uma criança sobrevivente e solitária
que ficou muda, encerrada num orfanato e só muito mais tarde descobriu ser judeu.
Como em The Painted Bird, a narrativa principal de Fragm ents é a voz simples,
limitada, de uma criança inocente, permitindo também vagas alusões a tempo e
nomes de lugares. Como The Painted Bird, cada capítulo de Fragments tem seu
clímax numa orgia de violência. Kosinski apresentou The Paint ed Bird como "um
lento descongelamento da mente"; Wilkomirski apresentou Fragments como uma
"memória recuperada".39


37
Geoffrey Stokes e Eliot Fremont-Smith, "Jerzy Kosinski's Tainted Words", no Village Voice
(22 de junho de 1982). John Corry, "A Case History: 17 Years of Ideological Attack on a
Cultural Target", no New York Tim es (7 de novembro de 1982). A seu favor, Kosinski
passou por uma espécie de conversão em seus derradeiros anos de vida. Nos poucos
anos entre sua desmoralização e seu suicídio, Kosinski deplorou a exclusão de vítimas
não-judaicas pela indústria do Holocausto. "Muitos judeus norte-americanos tendem a vê-
lo como um Shoah, um desastre exclusivamente judaico... Mas pelo menos metade dos
românicos do mundo (injustamente chamados de ciganos), uns 2,5 milhões de
poloneses católicos, milhões de cidadãos soviéticos e várias nacionalidades foram
também vítimas deste genocídio..." Ele também pagou tributo à "bravura dos poloneses"
que o "acolheram durante o Holocausto", apesar de sua "aparência" semita, como
chamada por ele. (Jerzy Kosinski, Passing By [Nova York: 1992], 165-6, 178-9.)
Questionado numa conferência sobre o que os poloneses fizeram para salvar judeus,
Kosinski devolveu com rispidez: "O que os judeus fazem para salvar os poloneses?"
38
Nova York: 1996. Como fonte para a farsa de Wilkomirski, ver principalmente Elena
Lappin, "The Man With Two Heads", em Granta, n° 66, e Philip Gourevitch, "Stealing the
Holocaust", no New Yorker (14 de junho de 1999).
39
Uma outra importante influência "literária" sobre Wilkomirski é Weisel. Compare estas
passagens:
Wilkomirski: "Eu vi seus olhos bem abertos, e de repente eu soube: aqueles olhos
sabiam tudo, eles viram algo em mim, eles sabiam infinitamente mais do qualquer
outra pessoa neste país. Eu conheci olhos como aqueles, eu os vi milhares de
vezes, no campo e depois. Eram os olhos de Mila. Nós, crianças, costumávamos
nos contar coisas com aqueles olhos. Ela também sabia; ela olhou direto através
dos meus olhos dentro do meu coração.''
Wiesel: "Os olhos -- eu preciso lhes contar sobre seus olhos. Preciso começar
com isso, porque seus olhos precedem tudo o mais, e tudo está dentro deles.
O resto pode esperar. Isto só confirma o que vocês já sabem. Mas seus olhos --
a chama daqueles olhos com uma espécie de verdade irredutível, que queima e
não é consumida. Condenado ao silêncio diante deles, você só pode abaixar a
cabeça e aceitar o julgamento. Seu único desejo agora é ver o mundo como
eles. Um homem maduro, um homem com sabedoria e experiência, fica
subitamente impotente e terrivelmente empobrecido. Aqueles olhos lembram
você de sua infância, sua orfandade, faz você perder toda fé no poder da
linguagem. Aqueles olhos negam o valor das palavras; eles dispensam
necessidade do discurso". (The Jews of Silence [Nova York: 1966], 3.)
Wiesel se entusiasma em outra página e meia com "os olhos". Sua habilidosa lite-
ratura briga com sua mestria da dialética. Em um lugar, Wiesel confessa: "Eu
acredito na culpa coletiva, ao contrário de muitos liberais." Em outro lugar: "Eu
enfatizo que não acredito na culpa coletiva" (Wiesel, Against Silence, v. ii, 134;
Wiesel, And the Sea, 152, 235).

Uma impostura composta de retalhos, Fragments é apesar disso o arquétipo
da memória do Holocausto. Ele se fixa primeiro nos campos de concentração,
onde todos os guardas são loucos, monstros sádicos que se divertem em
arrebentar as cabeças dos recém-nascidos. Mas as memórias clássicas dos campos
de concentração nazistas concordam com a sobrevivente de Auschwitz dra. Ella
Lingens-Reiner: "Havia poucos sádicos. Não mais do que cinco ou dez por
cento."40 O onipresente sadismo alemão, no entanto, é o destaque da literatura
do Holocausto. Prestando um duplo serviço, ela "documenta" a única
irracionalidade do Holocausto assim como o fanático anti-semitismo de seus
executores.
A singularidade de Fragments está na sua representação da vida não durante,
mas depois do Holocausto. Adotado por uma família suíça, o pequeno Binjamin
ainda sofre novos tormentos. Ele caiu num mundo de negadores do Holocausto.
"Esqueça -- foi um pesadelo", sua mãe gritava. "Foi apenas um pesadelo... Você
não deve pensar mais nisso." "Aqui neste país", ele se irrita, "todos me dizem para
esquecer, que isso nunca aconteceu, eu apenas sonhei. Mas todos sabem tudo
sobre os campos!"
Mesmo na escola, "os garotos me apontavam, mostravam os punhos e
gritavam: `Ele está delirando, não existiu tal coisa. Mentiroso! Ele é doido, maluco, é
um idiota". (Um aparte: eles estavam certos.)


40
Bernd Naumann, Auschwitz (Nova York: 1996), 91. Ver Finkelstein e Birn, Nation, 67-
68, para uma extensa documentação.
Esmurrando-o, entoando expressões anti-semitas, todas as crianças não-judias se
juntavam contra o pobre Binjamin, enquanto os adultos continuavam a provocar:
"Você está inventando coisas!"
Levado por um desespero abjeto, Binjamin alcançou a epifania do Holocausto.
"Os campos ainda existem -- apenas estão escondidos e bem disfarçados. Eles
tiraram seus uniformes e se vestiram com roupas bonitas para não serem
reconhecidos... Basta fazer uma vaga alusão de que talvez, possivelmente, você seja
judeu -- e irá sentir: estas são as mesmas pessoas, tenho certeza. Eles ainda
podem matar, mesmo sem uniforme." Mais do que uma homenagem ao dogma do
Holocausto, Fragments é uma bomba de efeito moral: mesmo na Suíça -- na Suíça
neutra -- todos os não-judeus querem matar os judeus.
Fragments foi amplamente saudado como um clássico da literatura do
Holocausto. Foi traduzido para uma dezena de línguas e ganhou o Jewish National
Book Award, o prêmio do Jew ish Quarterly, e o Prix de Mémoire de la Shoah. Estrela
de documentários, orador em conferências e seminários, levantador de fundos para
o Museu Memorial do Holocausto das Nações Unidas, Wilkomirski rapidamente se
tornou o garoto-propaganda do Holocausto.
Ao aclamar Fragments como uma "pequena obra-prima", Daniel
Goldhagen foi o principal defensor acadêmico de Wilkomirski. Historiadores
conhecidos, como Raul Hilberg, no entanto, desde o início classificaram Fragments
como uma fraude. Hilberg também fez as perguntas certas após a denúncia de
fraude: "Como este livro passou por memórias em várias editoras? Como puderam
convidar o senhor Wilkomirski para o Museu Memorial do Holocausto das Nações
Unidas assim como para universidades de prestígio? Por que não temos um controle
decente de qualidade quando se trata de avaliar um material do Holocausto para
publicação?"41


41
Lappin, 49. Hilberg sempre fez as perguntas certas. Donde seu status de pária
na comunidade do Holocausto; ver Hilberg, The Polit ics of Mem ory , passim .
Meio excêntrico, meio charlatão, Wilkomirski passou toda a guerra na Suíça.
Ele sequer era judeu. Ouçam, no entanto, os obituários da indústria do
Holocausto:


Arthur Samuelson (editor): Fragments " é um livro excelente. (...) Só é uma fraude
se considerado não-ficção. Eu irei portanto republicá-lo na categoria de ficção.
Talvez não seja verdade -- mas, nesse caso, é um escritor melhor ainda!" Carol
Brown Janeway (editor e tradutor): "Se as acusações (...) forem corretas, então o
que está no tema não são fatos empíricos que podem ser checados, mas fatos
mentais que precisam ser ponderados. O que exigiria uma checagem da alma, e
isto é impossível."


Há mais ainda. Diretor do Yad Vashem e professor do Holocausto na
Universidade Hebraica, Israel Gutman é também um ex-interno de Auschwitz. De
acordo com Gutman, "não é tão importante" se Fragm ent s é uma fraude.
"Wilkomirski escreveu uma história que ele sentiu em profundidade; quanto a isso
não há dúvida... Ele não é falso. É alguém que viveu esta história muito
profundamente na alma. A dor é autêntica." Portanto, não importa se ele passou a
guerra em um campo de concentração ou em um chalé suíço; Wilkomirski não é uma
fraude se sua "dor é autêntica": assim diz um sobrevivente de Auschwitz que se tornou
especialista em Holocausto. Os outros merecem desprezo; Gutman, só pena.
The New Yorker deu o título de "Roubando o Holocausto" a seu artigo sobre a
fraude de Wilkomirski. Ontem Wilkomirski era festejado por seus contos sobre os maus
não-judeus; hoje é punido como outro mau não-judeu. A culpa é sempre dos não-
judeus. Sem dúvida, Wilkomirski inventou seu passado de Holocausto, mas a verdade
maior é que a indústria do Holocausto, construída sobre uma fraudulenta desapropriação da
história com motivações ideológicas, preparou-se para celebrar a invenção de Wilkomirski.
Ele foi um "sobrevivente" do Holocausto esperando ser desmascarado.
Em outubro de 1999, o editor alemão de Wilkomirski retirou Fragmento das
livrarias e reconheceu finalmente em público que ele não era um órfão judeu, mas um
homem nascido na Suíça e chamado Bruno Doessekker. Informado de que a encenação
terminara, Wilkomirski ameaçou desafiando: "Eu sou Binjamin Wilkomirski!" Só um mês
depois, o editor americano Schocken tirou Fragments de seu catálogo.42
Imagine agora a literatura secundária. Um sinal indicador desta literatura é o
espaço reservado à "conexão árabe". Apesar do Mufti* de Jerusalém não ter
representado "qualquer parte significativa no Holocausto", Novick conta que o quarto
volume da Encyclopedia of t he Holocaust (editada por Israel Gutman) deu a ele um
"papel principal". O Mufti paga também seu preço no Yad Vashem: "O visitante é levado a
concluir", escreve Tom Segev, "que há muito em comum entre os planos nazistas para
destruir os judeus e a animosidade dos árabes contra Israel." Numa comemoração em
Auschwitz celebrada pelo clero representando todas as denominações religiosas, Wiesel fez
objeção apenas à presença de um muçulmano libanês: "Não estaremos esquecendo (...)
que o Mufti Hajj Amin el-Husseini de Jerusalém foi amigo de Heinrich Himmler?" Se, por
acaso, o Mufti foi figura central na Solução Final de Hitler, por que Israel não o levou a
julgamento como Eichmann? Ele vivia livremente no vizinho Líbano após a guerra.43
Especialmente no rastro da desastrosa invasão do Líbano por Israel, em 1982, e
como as exigências da propaganda oficial israelense ficaram sob o ataque
desmoralizador dos "novos historiadores" de Israel, os apologistas tentaram
desesperadamente ligar os árabes ao nazismo. O famoso historiador Bernard Lewis
manipulou para dedicar um capítulo inteiro de sua curta história do anti-semitismo,
além das três páginas da "breve história dos últimos 2.000 anos" do Oriente Médio, ao
nazismo árabe.


"Publisher Drops Holocaust Book", no New York Times (3 de novembro de 1999).
42


* Jurisconsulto muçulmano. (N. da. T.)
Novick, The Holocaust, 158. Segev, Seventh Million, 425. Wiesel, And the Sea, 198.
43

No extremo liberal do contexto do Holocausto, Michael Berenbaum do Museu Memorial
do Holocausto de Washington reconheceu nobremente que "as pedras lançadas pelos
jovens palestinos furiosos com a presença de Israel (...) não têm sinonímia com o
assalto nazista contra os judeus civis desarmados".44

O mais recente exagero sobre o Holocausto é Hittler's Willing Exect ut ioners,
de Daniel Jonah Goldhagen. Todos os jornais importantes publicaram uma ou mais
resenhas durante semanas. The New Yor k Tim es fez várias reportagens aclamando
o livro de Goldhagen como "um dos raros novos trabalhos que merecem ser
chamados de marco" (Richard Bernstein). Vendendo meio milhão de exemplares e
traduzido para 13 línguas, Hitler's Willing Executioners foi elevado pela revista Time
ao "livro mais comentado" e o segundo melhor livro de não-ficção do ano.45
Elogiando a "pesquisa notável", e o "volume de provas (...) com um
esmagador apoio em documentos e fatos", Elie Wiesel anunciou Hitler's Willing
Executioners como uma "tremenda contribuição ao entendimento e ensino do
Holocausto". Israel Gutman o aplaudiu por "esclarecer sob novos ângulos
questões primordiais" ignoradas pelo "principal corpo acadêmico do Holocausto".
Nomeado para a cátedra do Holocausto na Universidade de Harvard, emparelhado
com Wiesel na mídia nacional, Goldhagen rapidamente tornou-se presença
obrigatória no circuito do Holocausto.
A tese central do livro de Goldhagen é o dogma padrão do Holocausto:
guiado pelo ódio patológico, o povo alemão apegou-se à oportunidade validada
por Hitler para matar os judeus. Até o principal escritor do Holocausto, Yehuda
Bauer, professor da Universidade Hebraica e diretor do Yad Vashem, embarcou
neste dogma.


Bernard Lewis, Sem ites and Anti-Semites (Nova York: 1986), cap. 6; Bernard Lewis,
44

The Middle East (Nova York: 1995), 348-50. Berembaum. After Tragedy, 84.
45
New York Times, 27 de março, 2 de abril, 3 de abril de 1996. Time, 23 de dezembro de
1996.

Referindo-se alguns anos atrás aos perpetradores desta fixação, Bauer escreveu:
"Os judeus foram mortos pelo povo que, em sua grande maioria, na verdade não
os odiava... Os alemães não odiavam os judeus a ponto de matá-los." Mas, numa
recente resenha do livro de Goldhagen, Bauer sustentou exatamente o oposto: "A
forma mais radical de atitudes assassinas dominou do final da década de 1930
em diante... Com a explosão da Segunda Guerra Mundial, a vasta maioria dos
alemães se identificou de tal forma com o regime e sua política anti-semita que foi
fácil recrutar assassinos." Perguntado sobre esta discrepância, Bauer respondeu:
"Não vejo qualquer contradição nestas declarações."46
Embora com aparato de estudo acadêmico, Hit ler 's Willing não passa de
um compêndio de violência sádica. Por pouco Goldhagen não ultrapassa
Wilkomirski: Hitler's Willing tem mais rodapés. Repleto de grosseiras falsificações de
material de pesquisa e contradições, é uma obra destituída de valor acadêmico. Em
A Nat ion on Trial, Ruth Bettina Birn e este escritor documentaram a má
qualidade do material de Goldhagen. A controvérsia que se seguiu ilustrou de
modo instrutivo os trabalhos internos da indústria do Holocausto.
Birn, a maior autoridade do mundo nos arquivos consultados por
Goldhagen, primeiro publicou suas descobertas críticas no Hist orical Journal de
Cambridge. Goldhagen recusou o convite do jornal para uma refutação e, em vez
disso, contratou uma poderosa firma de advocacia de Londres para processar Birn
e a Cambridge University Press pelas "muitas calúnias graves".
46
Yehuda Bauer, "Reflections Concerning Holocaust History", em Louis Greenspan e
Graeme
Nicholson (orgs.), Fackenheim (Toronto: 1993), 164, 169. Yehuda Bauer, "On
Perpetrators of the Holocaust and the Public Discourse", no Jewish Quarterly Review, n°
87 (1997), 348-50. Norman G. Finkelstein e Yehuda Bauer, "Goldhagen's Hitler's Willing
Executioners: An Exchange of Views" ,Jewish Quarterly Review, n. 1 e 2 (1998), 126.


Exigindo um elogio, uma retratação e uma promessa de Birn de que ela não
repetiria suas críticas, os advogados de Goldhagen ameaçaram então que "o
surgimento de qualquer publicidade de sua parte como resultado desta carta
aumentará a indenização por futuros agravos nos prejuízos".47
Logo depois que as mesmas descobertas críticas deste escritor foram
publicadas pela New Left Review, a Metropolitan, uma editora de Henry Holt,
concordou em publicar ambos os textos em um livro. O For w ar d denunciou, na
primeira página, que a Metropolitan estava "preparando um livro de Norman
Finkelstein, um notório opositor ideológico do Estado de Israel". O Forward atua
como a força principal de "correção do Holocausto" nos Estados Unidos.
Alegando que "a evidente tendência política e as audaciosas afirmações (...)
são indiscutivelmente marcadas pelo seu anti-sionismo", a ADL pediu a Abraham
Foxman que convencesse Holt a desistir da publicação do livro: "A questão (...) não é
se a tese de Goldhagen está certa ou errada, mas o que é `crítica legítima' e o que
vai além de seus limites." Ao que a editora assistente da Metropolitan
respondeu: "A questão é justamente se a tese de Goldhagen está certa ou
errada."
Leon Wieseltier, editor literário do pró-Israel New Republic, interveio
pessoalmente com Holt junto ao presidente Michael Naumann. "Você não sabe
quem é Finkelstein. Ele é um veneno, um judeu repugnante que se odeia, algo que
você encontra sob uma pedra." Chamando a decisão de Holt de "uma desgraça",
Elan Steinberg, diretor-executivo do World Jewish Congress, opinou: "Se eles
querem ser lixeiros deveriam usar uniformes sanitários."
"Eu nunca vi", lembrou Naumann mais tarde, "uma tal tentativa de partes
interessadas em perseguir publicamente uma futura publicação."

47
Para maiores informações e parágrafos seguintes, ver Charles Glass "Hitler's (un)willing
executioners", em New Statesm an (23 de janeiro de 1998), Laura Shapiro, "A Battle
Over the Holocaust", em Newsweek (23 de março de 1998) e Tibor Krausz, "The
Goldhagen Wars", no Jerusalem Report (3 de agosto de 1998). Para estes e outros
itens relativos, acessar www.NormanFinkelstein.com (com um link para o web site de
Goldhagen).
O famoso historiador e jornalista israelense Tom Segev observou em Haaretz que a
campanha convergiu para um "terrorismo cultural".
Como historiadora-chefe da seção canadense do Departamento de Justiça dos
Crimes de Guerra e Crimes Contra a Humanidade, Birn em seguida esteve sob
ataque das organizações judaicas canadenses. Reclamando que eu fui um "anátema
para a vasta maioria dos judeus deste continente", o Canadian Jewish Congress
(CJC) (Congresso Judaico Canadense) denunciou a colaboração de Birn no livro.
Exercendo pressão sobre seu empregador, o CJC enviou um protesto junto ao
Departamento de Justiça. Esta queixa, anexada a um relatório anterior do CJC
chamando Birn de "membro da estirpe de assassinos" (ela nasceu na Alemanha),
sugeria uma investigação oficial sobre ela.
Mesmo após a publicação do livro, não cessaram os ataques ignominiosos.
Goldhagen alegou que Birn, cuja vida profissional foi dedicada à perseguição dos
criminosos de guerra nazistas, era uma alimentadora do anti-semitismo, e que eu era
de opinião que as vítimas do nazismo, incluindo meus pais, mereciam morrer.48 Os
colegas de Goldhagen no Centro de Estudos Europeus na Universidade de
Harvard, Stanley Hoffmann e Charles Maier, seguiram pelo mesmo caminho.49


Daniel Jonah Goldhagen, "Daniel Jonah Goldhagen Comments on Birn", em
48

German Politics and Societ y (verão de 1998), 88,91n2. Daniel Jonah Goldhagen,"The
New Discourse of Avoidance", n° 25 (www.Goldhagen.com/nda2html)
49
Hoffman foi supervisor de Goldhagen na tese que se transformou em Hitler's
Willing Executioners. E, quebrando um sagrado protocolo acadêmico, ele não só
escreveu uma entusiasmada resenha sobre o livro de Goldhagen para o Foreign Affairs,
como denunciou A Nation on Trial como "chocante" numa segunda resenha para o
mesmo jornal. (Foreign Affairs, maio/ junho de 1996 e julho/agosto de 1998.) Maier
incluiu uma longa intervenção no web sit e H-German (www2.h-net.msu.edu). Por
último, os únicos "aspectos dos desdobramentos desta situação" que Maier achou
"realmente detestáveis e repreensíveis" foram as críticas a Goldhagen. Assim,
emprestou "apoio a um subseqüente veredicto de maldade" no processo de
Goldhagen contra Birn e deplorou minha argumentação como "uma especulação
fantasiosa e inflamada" (23 de novembro de 1997).


Ao dizer que as acusações de censura não passavam de "boatos", The New
Republic alegou haver "diferença entre censura e um texto fora dos padrões". A
Nat ion on Trial foi endossado pelos melhores historiadores do holocausto nazista,
incluindo Raul Hilberg, Christopher Browning e Ian Kershaw. Estes mesmos
acadêmicos desmistificaram o livro de Goldhagen; Hilberg chamou-o de "inútil".
Padrões, na verdade.
Considerem, finalmente, o padrão: Wiesel e Gutman apoiaram Goldhagen;
Wiesel apoiou Kosinski; Gutman e Goldhagen apoiaram Wilkomirski. Conectem os
participantes: esta é a literatura do Holocausto.
Apesar de toda essa retórica, não há prova de que os negadores do Holocausto
exerçam mais influência nos Estados Unidos do que no restante da sociedade
terrena. Dada a falta de sentido da agitação diária promovida pela indústria do
Holocausto, é de espantar que haja tão poucos "céticos". Não é difícil detectar as ra-
zões por trás dos protestos de uma difundida negação do Holocausto. Numa
sociedade saturada com O Holocausto, como justificar que mais museus, livros,
cursos, filmes e programas sejam necessários para expulsar o fantasma da
negação do Holocausto? Mas lançaram o aclamado livro de Deborah Lipstadt,
Denying t he Holocaust o 50
assim como os resultados de um inepto questionário
feito pelo American Jewish Committee, sob alegação de uma difundida negação do
Holocausto, logo que o Museu Memorial do Holocausto de Washington foi aberto.51

50
Nova York: 1994. Lipstadt ocupa a cadeira do Holocausto na Universidade de Emory e
foi recentemente indicada para o Conselho Memorial do Holocausto dos Estados
Unidos.
51
Ao empregar uma dupla negativa, o questionário do AJC praticamente induziu a uma
confusão: "Parece possível ou parece impossível a você que o extermínio dos judeus pelos
nazistas nunca aconteceu?" Vinte e dois por cento das pessoas responderam "Parece
possível." Em pesquisas posteriores que refizeram a pergunta com honestidade, a
negação do Holocausto chegou a zero. Uma recente pesquisa do AJC em 11 países
descobriu que, apesar dos extremistas de direita terem difundido o contrário, "poucas
pessoas negaram o Holocausto". (Jennifer Golub e Renae Cohen, What Do Am ericans
Know About the Holocaust? [American Jewish Committee: 1993]; "Holocaust Deniers
Unconvincing -- Surveys", no Jerusalem Post [4 de fevereiro de 2000]. E nos
testemunhos do Congresso a respeito do "anti-semitismo na Europa", Oavid Harris do AJC
destacou a negação do Holocausto na direita européia sem mencionar uma única vez as
próprias descobertas do AJC de que esta negação não encontrou ressonância entre o
público em geral. (Audiências diante do Comitê de Relações Exteriores, Senado das
Nações Unidas, 5 de abril de 2000.)


Denying t he Holocaust é uma versão atualizada dos tratados do "novo anti-
semitismo". Para documentar a difundida negação do Holocausto, Lipstadt cita
uma porção de publicações excêntricas. Sua pièce de resist ance é Arthur Butz, um
desconhecido que ensina engenharia elétrica na Northwestern University e um livro
publicado, The Hoax of t he Twent iet h Cent ury, por uma editora desconhecida.
Lipstadt intitula o capítulo sobre ele de "Entering the Mainstream" (O domínio da
prevalência). Se não fosse pelas graças de Lipstadt, ninguém teria ouvido falar
de Arthur Butz.
Na verdade, o único que realmente nega o Holocausto é Bernard Lewis.
Uma corte francesa até condenou Lewis por negar o genocídio. Mas Lewis negou o
genocídio turco dos armênios durante a Primeira Guerra Mundial, não o genocídio
nazista dos judeus, e Lewis é pró-Israel.52 Por conseqüência, este exemplo de
negação do Holocausto não suscitou fúria nos Estados Unidos. A Turquia é aliada dos
israelenses. Mencionar o genocídio armênio é, portanto, um tabu. Elie Wiesel e o
rabino Arthur Hertzberg, assim como o AJC e o Yad Vashem, se retiraram de uma
conferência internacional em Tel Aviv sobre genocídio porque os patrocinadores
acadêmicos, contra as advertências do governo israelense, incluíram sessões
sobre o caso armênio. Wiesel também quis, unilateralmente, abortar a
conferência e, segundo Yehuda Bauer, fez um lobby pessoal para que outros não
comparecessem.53


Ver "France Fines Historian Over Armenian Denial", no Boston Globe (22 de junho de
52

1995), e "Bernard Lewis and the Armenians", no Counterpunch (16-31 de dezembro de
1997).
53
Israel Charny, "The Conference Crisis. The Turks, Armenians and the Jews", em The
Book of t he I nt ernational Conference on t he Holocaust and Genocide. Book One: The
Conference Program and Crisis (Tel Aviv: 1982). Israel Amrani, "A Litle Help for
Friends", no Haaretz (20 de abril de 1990) (Bauer). No bizarro relato de Wiesel, ele
recusou a cadeira de conferencista "para não ofender nossos hóspedes armênios".
Presumivelmente, ele também tentou abortar a conferência e instou outros a não
comparecerem por cortesia aos armênios (Wiesel, And the Sea, 92).

Agindo sob ordens de Israel, o US Holocaust Council (Conselho do Holocausto dos
EUA) praticamente eliminou a menção aos armênios do Museu Memorial do
Holocausto de Washington, e os lobistas judeus no Congresso impediram um dia
de lembrança ao genocídio armênio.54
Questionar o testemunho de um sobrevivente, denunciar o papel dos
colaboradores judeus, sugerir que os alemães sofreram durante o bombardeio de
Dresden ou que todos os países além da Alemanha cometeram crimes na
Segunda Guerra Mundial -- é tudo evidência, segundo Lipstadt, da negação do
Holocausto.55 E sugerir que Wiesel se aproveitou da indústria do Holocausto, ou
mesmo questioná-lo, também é negar o Holocausto.56
Lipstadt diz que as formas mais "insidiosas" de negação do Holocausto são
as "equivalências imorais": ou seja, a negação da singularidade do Holocausto.57
Este argumento tem implicações intrigantes. Daniel Goldhagen argumenta que as
ações dos sérvios em Kosovo "diferem, em sua essência, daquelas da Alemanha
nazista apenas em escala".58 Isto faria de Goldhagen "em essência" um dos que
negam o Holocausto. O fato é que, do ponto de vista político, os comentaristas
israelenses compararam as ações da Sérvia em Kosovo com as dos israelenses em
1948 contra os palestinos.59 Pela avaliação de Goldhagen, então, Israel cometeu um
Holocausto. Nem um só palestino jamais reivindicou isso.


54
Edward T. Linenthal, Preserving Memory (Nova York: 1995), 228ss., 263, 312-13.
55
Lipstadt, Denying, 6, 12, 22, 89-90.
56
Wiesel, All Rivers, 333, 336.
57
Lipstadt, Denying, capítulo 11.
58
"A New Serbia", New Republic (17 de maio de 1999).
59
Ver, por exemplo, Meron Benvenisti, "Seeking Tragedy", no Haaretz (16 de abril de
1999), Zeev Chafets, "What Undergraduate Clinton Has Forgotten", Jerusalem Report
(10 de maio de 1999), e Gideon Levi, "Kosovo: It is Here", Haaretz (4 de abril de
1999). (Benvenisti se limita a comparar a ação dos sérvios com a dos israelenses
após maio de 1948).


Nem toda literatura revisionista -- apesar da política grosseira ou da motivação
de seus ativistas -- é totalmente sem efeito. Lipstadt estigmatiza David Irving "como
um dos mais perigosos difusores da negação do Holocausto" (ele recentemente
perdeu um processo por calúnia na Inglaterra contra ela por estas e outras
declarações). Mas Irving, notório admirador de Hitler e simpatizante do nacional-
socialismo alemão, apesar disso, como observa Gordon Graig, tem dado uma
"indispensável" contribuição ao nosso conhecimento sobre a Segunda Guerra Mundial.
Tanto Arno Mayer, em seu importante estudo sobre o Holocausto nazista, quanto
Raul Hilberg citam publicações que negam o Holocausto. "Se esta gente quer falar,
deixem", diz Hilberg. "Eles apenas conduzem os que, como nós, fazem pesquisas, a
reexaminar o que poderíamos considerar como óbvio. E isso nos é muito útil."60


Dia Anual de Lembrança do Holocausto é um evento nacional. Todos os 50
estados patrocinam comemorações, com freqüência nas câmaras legislativas estaduais. A
Association of Holocaust Organization (Associação das Organizações do Holocausto) relaciona
mais de 100 instituições ligadas ao Holocausto nos Estados Unidos. Sete grandes museus
do Holocausto se espalham pela paisagem americana. A peça central deste exercício de
memória é o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos em Washington.

60
Arno Mayer, Why Did t he Heavens Not Darken? (Nova York: 1998). Christopher
Hitchens, "Hitler's Ghost", em Vanit y Fair (junho de 1996) (Hilberg). Para uma
opinião equilibrada sobre Irving, ver Gordon Craig, "The Devil in the Details", no
New York Review of Books (19 de setembro de 1996). Apesar de desmistificar as
considerações sobre o holocausto nazista como "obtusas e facilmente
desacreditadas", Craig comenta: "Ele sabe mais sobre o nacional-socialismo do que
muitos acadêmicos profissionais em seu campo, e os estudiosos dos anos 1933-1945
devem mais do que desejam admitir à sua energia como pesquisador e à extensão e
vigor de suas publicações (...) Seu livro Hitler's War (...) permanece o melhor estudo
que temos do lado alemão na Segunda Guerra Mundial e, como tal, indispensável
para muitos estudiosos deste conflito (...) Pessoas como David Irving, então, têm um
papel importante no trabalho histórico, e não podemos desprezar seus pontos de
vista."
A primeira pergunta é por que existe até um Museu do Holocausto fundado pelo
governo federal na capital do país? Sua presença no Washington Mall é incongruente com a
ausência de um museu aos crimes no curso da história americana. Imagine os protestos de
acusação de hipocrisia aqui se a Alemanha construísse um museu nacional em Berlim para
relembrar, não o genocídio nazista, mas a escravidão americana ou o extermínio dos índios
americanos.61
O planejador do Museu do Holocausto escreveu: "Ele tenta meticulosamente
evitar qualquer tentativa de doutrinação, a partir da manipulação de impressões ou
emoções." De sua concepção a sua conclusão, no entanto, o museu se atolou na po-
lítica.62 No início da campanha de reeleição, Jimmy Carter iniciou o projeto para
agradar os contribuintes e eleitores judeus, irritados com o reconhecimento, pelo
presidente, dos "direitos legítimos" dos palestinos. O diretor da Conference of
Presidents of Major American Jewish Organizations, rabino Alexander Schindler,
deplorou o reconhecimento de Carter dos direitos humanos palestinos como uma
iniciativa "chocante". Carter anunciou os planos para o museu durante a visita do
primeiro-ministro Menachem Begin a Washington e em meio a uma quente batalha no
Congresso sobre a proposta do governo de venda de armas para a Arábia Saudita.
Outras implicações políticas também nasceram com o museu. Ele calou as bases cristãs
do anti-semitismo europeu de modo a não ofender um poderoso eleitorado. Ele
minimizou as cotas discriminatórias americanas de imigração antes da guerra, exa-
gerou o papel dos americanos na libertação dos campos de concentração e silenciou
sobre o maciço recrutamento de criminosos nazistas pelos EUA no final da guerra.

61
Sobre as tentativas de impedir, entre 1984 e 1994, a construção de um museu
nacional afro-americano no Washington Mall, ver Fath Davis Ruffins, "Culture Wars
Won and Lost, Part II: The National African-American Museum Project", no Radical
Hist ory Review (inverno de 1998). A iniciativa do Congresso foi finalmente vetada
pelo senador Jesse Helms, da Carolina do Norte. O orçamento anual do museu do
Holocausto de Washington é de 50 milhões de dólares, dos quais 30 milhões são
subsidiados pela federação.
62
Para fontes, ver Linenthal, Preserving Memory, Saidel, Never Too Late, especialmente
caps. 7, 15, e Tim Cole, Selling the Holocaust (Nova York: 1999), cap. 6.


A mensagem que cobre com um arco o Museu é que "nós" sequer podemos entender,
abandonados ao confinamento, tais maldades. O Holocausto "macula as sementes do
ethos americano", observa Michael Berembaum no livro que acompanha o museu.
"Vemos em (sua) execução uma violação de todos os valores americanos essenciais." O
Museu do Holocausto sinaliza a lição sionista de que Israel foi "a resposta apropriada ao
nazismo" com as cenas finais de sobreviventes judeus lutando para entrar na
Palestina.63
A politização começa mesmo antes que alguém cruze a entrada do museu. Ele está
situado na Raoul Wallenberg Place. Wallenberg, um diplomata sueco, é homenageado
porque resgatou milhares de judeus e acabou numa prisão soviética. Seu colega sueco,
conde Folke Bernadotte, não é honrado porque, embora ele também tenha resgatado
milhares de judeus, o ex-primeiro-ministro israelense Yitzak Shamir ordenou seu
assassinato por ser igualmente "pro-árabe".64
A charada política do Museu do Holocausto, no entanto, é que devia ser
lembrada. Teriam sido os judeus as únicas vítimas do Holocausto, ou outros que
também morreram na perseguição nazista deveriam entrar como vítimas?65

Michael Berembaum, The World Must Know (Nova York: 1993), 2, 214. Omer
63

Bartov, Murder In Our Midst (Oxford: 1996), 180.
64
Para detalhes, ver Kati Marton, A Death in Jerusalem (Nova York: 1994), cap. 9. Em
suas memórias, Wiesel lembra "o passado de `terrorista' legendário" do assassino
propriamente dito de Bernadotte, Yehoshua Cohen. Note as aspas em terrorista (Wiesel,
And the Sea, 58). O Museu do Holocausto da cidade de Nova York, embora não menos
mergulhado na política (tanto o prefeito Ed Koch quanto o governador Mario Cuomo
cortejaram o dinheiro e os votos dos judeus), também foi desde o início um brinquedo
dos empresários e financistas judeus locais. Em um dado momento, os empresários
quiseram tirar a palavra "Holocausto" do nome do museu por temerem uma
desvalorização das luxuosas propriedades do complexo adjacente. Surgiram piadas de que
o complexo devia ser chamado de "Torres de Treblinka" e as ruas ao redor de "Avenida
Auschwitz" e "Bulevar Birkenau". O museu solicitou fundos a J. Peter Grace, apesar das
revelações de sua sociedade com um criminoso de guerra nazista condenado, e foi
organizada uma noite de gala no The Hot Rod -- "A Comissão do Memorial do Holocausto
de Nova York convida você para uma noite de Rock and Roll" (Saidel, Never Too Lat e, 8,
121, 132, 145, 158, 161, 191, 240).
65
"Novick põe em dúvida a controvérsia dos "6 milhões" versus "11 milhões". Os 5 milhões
de mortos que figuram para os civis não-judeus aparentemente surgiram com o famoso
"caçador de nazistas" Simon Wiesenthal. Notando não haver "sentido histórico", Novick
escreve: "Cinco milhões é um número muito baixo (para todos os civis não-judeus mortos
pelo Terceiro Reich) ou muito alto (para os grupos não-judeus marcados para morrer da
mesma forma que os judeus)." Ele se apressa em acrescentar, contudo, que "o que vale,
claro, não são esses números, mas o que queremos dizer, ao que estamos nos referindo,
quando falamos do `Holocausto'". Estranhamente, depois de fazer esta advertência, Novick
apóia a homenagem apenas aos judeus porque a cifra de 6 milhões "descreve algo
específico e determinado", enquanto a cifra de 11 milhões "é um exagero inaceitável"
(Novick, The Holocaust, 214-26).
Durante os estágios de planejamento do museu, Elie Wiesel (com Yehuda Bauer do
Yad Vashem) comandou a ofensiva para homenagear apenas os judeus. Aclamado
como "especialista incontestável do período do Holocausto", Wiesel argumentou
com tenacidade a favor da proeminência dos judeus como vítimas. "Como sempre,
eles começam pelos judeus", sublinhou. "Como sempre, eles não param nos
judeus."66 Mesmo não tendo sido os judeus mas os comunistas as primeiras vítimas
políticas, não os judeus, mas os deficientes físicos e mentais as primeiras vítimas do
genocídio nazista.67
Justificar a não inserção do genocídio cigano foi o principal desafio do Museu
do Holocausto. Os nazistas mataram quase meio milhão de ciganos com perdas
proporcionais iguais ao do genocídio judeu.68 Escritores do Holocausto como
Yehuda Bauer sustentaram que os ciganos não foram vítimas do mesmo
genocídio furioso dos judeus. Historiadores respeitados do Holocausto como
Henry Friedlander e Raul Hilberg, no entanto, afirmam o contrário.69
Múltiplas razões estiveram por trás da marginalização por parte do museu
genocídio cigano.

66
Wiesel, Against Silence, v. III; 162, 166.
67
Para os deficientes como primeiras vítimas do genocídio nazista, ver principalmente
Henry Friedlander, The Origins of Nazi Genocide (Chapei Hill: 1995). Segundo Leon
Wieseltier, os não-judeus que desapareceram em Auschwitz "morreram uma morte
inventada para os judeus (...) vítimas da solução' designada para outros" (Leon Wieseltier,
"At Auschwitz Decency Dies Again", no New York Tim es [3 de setembro de 1989]). E,
como mostram numerosos estudos acadêmicos, foi uma morte inventada para os
alemães deficientes físicos e mentais que depois foi infligida aos judeus; como acréscimo
ao estudo de Friedlander, ver, por exemplo, Michael Burleigh, Death and Detiverance
(Cambridge: 1994).
68
Ver Guenter Lewy, The Nazi Persecution of the Gypsies (Oxford: 2000), 221-2, para
várias estimativas de ciganos mortos.
69
Friedlander, Origins: "Junto com os judeus, os nazistas mataram os ciganos
europeus. Definido como um grupo racial `de pele escura', homens, mulheres e crianças
ciganas não puderam escapar a seu destino como vítimas do genocídio nazista. (...) O
regime nazista matou sistematicamente apenas três grupos de seres humanos: os
deficientes, os judeus e os ciganos" (xii-xiii). (Além de ser um historiador de primeiro
escalão, Friedlander também é um ex-prisioneiro de campo de concentração.) Raul
Hilberg, The Destruction of the European Jews (Nova York: 1985) (em três volumes), v.
III, 999-1000. Com sua usual veracidade, Wiesel mostrou desapontamento em suas
memórias pelo fato de o conselho do Memorial do Holocausto, presidido por ele, não
incluir um representante cigano -- como se ele fosse destituído de poderes para
nomear um (Wiesel, And the Sea).

Primeiro: não se pode comparar a perda de ciganos com a vida judaica.
Ridicularizando o apelo por uma representação dos ciganos no US Holocaust
Memorial Council (Conselho Americano do Memorial do Holocausto) como
"lunático", o diretor-executivo, rabino Seymour Siegel, duvidou até da "existência"
deles como povo: "Deve haver algum reconhecimento ou conhecimento do povo
cigano (...) se é que isso existe." Ele admitiu, no entanto, ter "havido algum
sofrimento sob os nazistas". Edward Linenthal lembra as "profundas suspeitas" dos
representantes ciganos do conselho, "abastecidas pela clara evidência de que alguns
membros do conselho sentiram a participação deles no museu da mesma forma
como uma família lida com os indesejáveis, embaraçando os parentes".70
Segundo: reconhecer o genocídio cigano significava a perda de uma marca
exclusiva dos judeus no Holocausto, com uma considerável perda do "capital
moral" judaico. Terceiro: se os nazistas perseguiram tanto ciganos quanto judeus,
ficava insustentável o dogma de que O Holocausto marcou o clímax do ódio
milenar dos não-judeus pelos judeus. Da mesma forma, se a inveja dos não-judeus
estimulou o genocídio judaico, não teria ela igualmente incitado o genocídio cigano?
Na exposição permanente do museu, as vítimas não-judaicas do nazismo recebem
apenas um tostão de reconhecimento.71
Finalmente, a agenda política do Museu do Holocausto foi também
marcada pelo conflito árabe-israelense.


Linenthal, Preserving Memory, 241-6, 315.
70

71
Apesar da "particular tendência judaica" (Saidel) do Museu do Holocausto da cidade de
Nova York ter sido amplamente anunciada -- as vítimas não-judaicas do nazismo desde
o inicio foram informadas de que ele era "só para judeus" --, Yehuda Bauer fez um
violento protesto sobre os limites da comissão, alegando que o Holocausto englobou
mais do que as perdas unicamente judaicas. "A menos que isso mude imediata e
radicalmente", Bauer ameaçou numa carta enviada aos membros da comissão, "eu usarei
todas as oportunidades que tiver para (...) atacar esta ultrajante decisão junto a todas
as plataformas públicas ao meu alcance". (Saidel, Never Too Late, 125-6, 129, 212,
221, 224-5).

Antes de servir como diretor do museu, Walter Reich escreveu um hino de louvor
ao fraudulento Fr om Tim e I m m em orial, de Joan Peters, no qual afirmava que a
Palestina estava literalmente vazia antes da colonização sionista.72 Sob pressão do
Departamento de Estado, Reich foi forçado a se demitir depois de se recusar a
convidar Yasser Arafat, agora aliado americano, para visitar o museu. Ao receber a
oferta do cargo de vice-diretor, o teólogo do Holocausto John Roth foi convidado a
renunciar em função de seu passado contrário a Israel. Repudiando um livro,
originalmente endossado pelo museu, por incluir um capítulo sobre Benny Morris,
o destacado historiador crítico de Israel, Miles Lerman, presidente do museu,
confessou: "Pôr este museu em oposição a Israel -- é inconcebível."73
No rastro dos pavorosos ataques de Israel contra o Líbano em 1996, que
culminou no massacre de mais de uma centena de civis em Qana, o colunista do
Haaretz, Ari Sahvit, observou que Israel podia agir com impunidade porque "nós
temos a Anti-Defamation League (...) o Yad Vashem e o Museu do Holocausto".74

72
Para fontes, ver Finkelstein, Image and Reality, cap. 2.
73
"ZOA Criticizes Holocaust Museum's Hiring of Professor Who Compared Israel to Nazis",
em I srael Wire (5 de junho de 1998). Neal M. Sher, "Sweep the Holocaust Museum
Clean", na Jewish World Review (22 de junho de 1998). "Scoundrel Time", no PS--
The I ntelligent Guide t o Jewish Affair (21 de agosto de 1998). Daniel Kurtman,
"Holocaust Museum Taps One of Its Own Top Spot", na Jewish Telegraphic Agency (5 de
março de 1999). Ira Stoll, "Holocaust Museum Acknowledges a Mistake", em Forward (13
de agosto de 1999).
74
Noam Chomsky, World Orders Old and New (Nova York: 1996), 293-4 (Shavit).
CAPÍTULO 3


A D U PLA EX TORSÃO

O termo "sobrevivente do Holocausto" originalmente designava somente
aqueles que sofreram o trauma dos guetos judaicos, campos de concentração e
escravidão nos campos de trabalho, em geral nesta sequência. O número desses
sobreviventes no final da guerra estava em cerca de 1.000.1 O número de
sobreviventes vivos hoje não pode ser maior do que um quarto deste total. Pelo fato
de o sofrimento nos campos ter se tornado o coroamento do martírio, muitos
judeus que passaram a guerra em outros lugares se apresentaram como
sobreviventes dos campos. Outro forte motivo por trás desta farsa, no entanto,
era material. O governo alemão do pós-guerra compensou os judeus que
estiveram em campos ou guetos. Muitos judeus fabricaram seus passados para ter
direito a estas exigências.2 "Se todos os que hoje se declaram sobreviventes o
foram de verdade", minha mãe costumava dizer, "então quem Hitler matou?"
Na verdade, muitos estudiosos duvidaram da veracidade do testemunho de
sobreviventes. "Uma grande percentagem de enganos que descobri por minha
conta", lembra Hilberg, "pode ser atribuída a esses testemunhos." Apesar de
participar da indústria do Holocausto, Deborah Lipstadt, por exemplo, estranhou
que sobreviventes do Holocausto com freqüência sustentassem ter sido
pessoalmente examinados por Josef Mengele em Auschwitz.3
Além de memórias fracas, alguns testemunhos de sobreviventes do
Holocausto podem ser suspeitos por razões outras. Pelo fato de os sobreviventes
agora serem reverenciados como santos, ninguém ousa questioná-los.
Declarações absurdas ocorrem sem comentários.

1
Henry Friedlander, "Darkness and Dawn in 1945: The Nazis, the allies, and the
Survivors",
em US Holocaust Mem orial Museum , 1945 -- the Year of Liberat ion (Washington:
1995),
11-35.
2
Ver, por exemplo, Segev, Seventh Million, 248.
3
Lappin, Man With Two Heads, 48. D.D. Guttenplan. "The Holocaust on Trial" no Atlantic
Monthly (fevereiro de 2000), 62 (mas conferir o texto acima, no qual lipstadt iguala pôr
em dúvida o testemunho de um sobrevivente e negar o Holocausto).
Elie Wiesel lembra em suas celebradas memórias que, recém-libertado de
Buchenwald e apenas com 18 anos, "Eu li A cr ít ica da r azão pur a -- não ria! -- em
iídiche".Deixando de lado o conhecimento de Wiesel naquela época--"eu era
completamente ignorante em gramática iídiche" --, A crit ica da razão p u r a nunca
foi traduzido para o iídiche. Wiesel também recorda o caso confuso de "um
misterioso estudioso do Talmude" que "aprendeu húngaro em duas semanas, só
para me surpreender". Wiesel disse ainda a um semanário judeu que ele "com
freqüência ficava rouco ou perdia a voz" por ler seus livros em silêncio "em voz alta, no
íntimo". E a um repórter do New York Tim es, ele contou que uma vez foi atropelado
por um táxi no Times Square. "Eu voei uma quadra inteira. Fui atropelado na rua
45 com a Broadway, e a ambulância me pegou na rua 44" . "Não estou enfeitando
a verdade", Wiesel reforça, "eu não faria isso."4
Nos últimos anos, a expressão "sobrevivente do Holocausto" tem sido
redefinida para designar não apenas aqueles que sofreram, mas também os que
conseguiram fugir dos nazistas. Inclui, por exemplo, mais de 100.000 judeus
poloneses que encontraram refúgio na União Soviética, depois da invasão da Polônia
pelos nazistas. No entanto, "aqueles que viveram na Rússia não foram tratados de
forma diferente dos outros cidadãos do país", observa o historiador Leonard
Dinnerstein, enquanto "os sobreviventes dos campos de concentração pareciam
mortos-vivos".5 Um colaborador de um site do Holocausto garantiu que, apesar de
ter passado a guerra em Tel Aviv, ele foi um sobrevivente porque sua avó morreu em
Auschwitz. Pelo julgamento de Israel Gutman, Wilkomirski é um sobrevivente do
Holocausto por sua "dor ser autêntica". O gabinete do primeiro-ministro de Israel
recentemente calculou o número de "sobreviventes vivos do Holocausto" em cerca
de um milhão.


4
Wiesell, All Rivers, 121-30, 139, 163-4, 201-2, 336. Jewish Week, 17 de setembro
de 1999. New York Times, 5 de março de 1997.
5
Leonard Dinnerstein, Am érica and the Survivors of the Holocaust (Nova York: 1982),
24.


O principal motivo por trás desta revisão inflacionada mais uma vez não é difícil de
descobrir. É difícil pressionar por novas indenizações expressivas se apenas um
punhado de sobreviventes ainda estiver vivo. Os principais cúmplices de Wilkomirski
foram incluídos, de uma forma ou de outra, na rede de reparações do Holocausto. Sua
amiga de infância em Auschwitz, "a pequena Laura", recebeu dinheiro de um fundo
suíço do Holocausto, embora na realidade ela fosse americana e freqüentadora
de cultos satânicos. Seus principais procuradores israelenses eram membros ou
eram subsidiados por organizações envolvidas nas compensações do Holocausto.6
O surgimento das reparações deu um caráter único à indústria do
Holocausto. Como já vimos, aliada aos Estados Unidos na Guerra Fria, a
Alemanha se recuperou rapidamente e o holocausto nazista foi esquecido. Apesar
disso, no início dos anos 50, a Alemanha entrou em negociações com as instituições
judaicas e assinou um acordo de indenização. Com pequena ou nenhuma
pressão externa, ela pagou na época cerca de 60 bilhões.
Compare primeiro com os números americanos. De 4 a 5 milhões de
homens, mulheres e crianças morreram como resultado da guerra dos EUA na
Indochina. Como lembra um historiador, após a retirada dos americanos, o
Vietnã precisava desesperadamente de ajuda. "No sul, 9.000 das 15.000
aldeias, dez milhões de hectares de fazendas, cinco milhões de hectares de florestas
foram destruídos, e 1,5 milhão de cabeças de gado foi morto; havia perto de
200.000 prostitutas, 879.000 órfãos, 181.000 pessoas desalojadas e 1 milhão
de viúvas; todas as cinco cidades industriais do Norte foram enormemente
danificadas, assim como centros provinciais e distritais, além de 4.000 das
5.800 cooperativas de agricultura." Negando-se, no entanto, a pagar quaisquer
reparações, o presidente Carter argumentou que "a destruição foi mútua".


6
Daniel Ganzfried, "Binjamin Wilkomirski und die verwandelte Polin", no Weltwoche (4 de
novembro de 1999).
Declarando que não via necessidade de "quaisquer desculpas, certamente, pela
guerra em si", o secretário de Defesa do presidente Clinton, William Cohen, opinou
da mesma forma: "Ambas as nações foram marcadas por isto. Elas têm suas
cicatrizes de guerra. Nós evidentemente temos as nossas."7
O governo alemão compensou as vítimas judaicas em três acordos
diferentes, assinados em 1952. Reivindicações individuais receberam pagamento
segundo os termos da Lei de Indenização (Bundesentschädigungsgesetz). Um acordo
em separado com Israel subvencionou a absorção e reabilitação de várias centenas
de milhares de refugiados judeus. O governo alemão também negociou ao mesmo
tempo um acordo financeiro com a Conference of Jewish Material Claims Against
Germany, que abrigava todas as principais organizações judaicas incluindo o
American Jewish Committee, o American Jewish Congress, o Bnai Brith, o Joint
Distribution Committee, e assim por diante. A Claims Conference (Conferência de
Compensações) devia usar o dinheiro, 10 milhões de dólares pagos anualmente
durante 12 anos, ou cerca de um bilhão de dólares em valores atuais, para vítimas
judaicas da perseguição nazista que fracassaram nos processos de compensação.8
Minha mãe foi um desses casos. Como sobrevivente do Gueto de Varsóvia, do campo
de concentração Majdanek e escrava nos campos de Czestochowa e Skarszysko-
Kamiena, ela recebeu apenas 3.500 dólares de compensação do governo alemão.
Outras vítimas judaicas (e muitas que na verdade não foram vítimas), receberam, no
entanto, pensões vitalícias da Alemanha, totalizando centenas de milhares de
dólares. O dinheiro entregue à Claims Conference foi destinado àquelas vítimas
que receberam apenas uma compensação mínima.


7
Marilyn B. Young, The Viet nam Wars (Nova York: 1991), 301-2. "Cohen: US Not
Sorry for Vietnam War", na Associated Press (11 de março de 2000).
8
Para consultas, ver sobretudo Nana Sagi, Germ an Reparations (Nova York: 1986), e
Ronald W. Zweig, Germ an Reparat ions and t he Jewish World (Boulder: 1987). Ambos
os volumes são relatórios oficiais comissionados pela Claims Conference.

O governo alemão, de fato, deixou explícito no acordo com a Claims
Conference que o dinheiro iria apenas para os sobreviventes judeus, estritamente
definidos, que foram injusta ou inadequadamente compensados pelas cortes alemãs.
A Conference se sentiu ofendida por ter sido posta sob suspeita. Depois de ter
obtido o acordo, a Conference publicou um comunicado à imprensa assinalando que
o dinheiro seria usado para "os judeus perseguidos pelo regime nazista aos quais a
legislação proposta e existente não inclui uma reparação". O acordo final exigia da
Conference que usasse o dinheiro "para assistência, reabilitação e recolonização das
vítimas judaicas".
Claims Conference logo anulou o acordo. Numa flagrante quebra de palavra
e espírito, a Conference não empregou o dinheiro para a reabilitação de vítimas
judaicas, mas, sim, na reabilitação de comunidades judaicas. Na realidade, um
princípio norteador da Claims Conference proibia o uso do dinheiro para
"distribuição direta a indivíduos". Numa atitude clássica de procurar seus próprios
interesses, a Conference, no entanto, fez exceção a duas categorias de vítimas: rabinos
e "líderes judeus proeminentes" receberam pagamentos individuais. As organizações que
constituíam a Claims Conference usaram o grosso do dinheiro para financiar vários
projetos prediletos. Quaisquer benefícios (se é que houve algum) que as verdadeiras
vítimas receberam foram indiretos ou incidentais.9 Grandes somas circularam pelas
comunidades judaicas no mundo árabe e facilitaram a emigração de judeus do Leste
europeu.10

9
Em resposta a uma pergunta feita recentemente pelo parlamentar alemão Martin
Hohmann (CDU), o governo alemão fez saber (embora numa linguagem
extremamente complexa) que apenas cerca de 15 por cento do dinheiro entregue à
Claims Conference beneficiaram realmente vítimas judaicas da perseguição nazista
(nota pessoal, 23 de fevereiro de 2000).
Em sua história oficial, Ronald Zweig reconheceu explicitamente que a Claims
10

Conference violou os termos do acordo: "O afluxo dos fundos da Conference
permitiu ao continuar programas na Europa que de outra forma não teriam sido
concluídos, e empreender programas que nem teriam sido considerados por falta de
fundos. Mas a mudança mais significativa no orçamento do JDC, resultante do
pagamento de reparações, foi o envio de dinheiro para os países muçulmanos, onde
as atividades da Joint Distribution Committee aumentaram numa média de 68 por
cento, durante os três primeiros anos de parcelamentos da Conference. Apesar das
restrições formais sobre o uso dos fundos de reparação no acordo com a Alemanha,
o dinheiro foi usado onde as necessidades eram maiores. Moses Leavitt [com cargo
oficial na Conference] observou: `Nosso orçamento foi baseado nas necessidades
prioritárias dentro e fora de Israel, incluindo os países muçulmanos. (...) Não
consideramos o fundo da Conference como um todo, mas apenas como parte de um
fundo geral colocado à nossa disposição para buscar a área de necessidades judaicas
pelas quais éramos responsáveis, a área de maior prioridade"` ( Germ an Reparat ions,
74).

Elas também patrocinaram iniciativas culturais como museus do Holocausto e
cátedras universitárias sobre estudos do Holocausto, assim como um showboat do Yad
Vashem para receber "não-judeus corretos".
Mais recentemente, a Claims Conference quis se apoderar das propriedades
desnacionalizadas de judeus na antiga Alemanha Oriental, no valor de centenas
de milhares de dólares, que por direito pertenciam aos herdeiros judeus vivos. Como
a Conference esteve sob ataques por espoliar judeus neste e em outros abusos, o
rabino Arthur Hertzberg aborreceu ambos os lados, ironizando que "não se trata
de justiça, mas de uma luta por dinheiro".11 Quando alemães ou suíços recusam
pagar compensações, os céus se enchem com as virtuosas indignações das
organizações judaicas. Mas quando as elites judaicas roubam os sobreviventes ju-
deus, nenhuma ética é levada em consideração: só se trata de dinheiro.
Embora minha falecida mãe tenha recebido apenas 3.500 dólares de
compensação, outros envolvidos nos processos de reparação se deram bem. O salário
anual de Saul Kagan, por longo tempo secretário-executivo da Claims Conference, é de
105.000 dólares. Durante sua atividade na Conference, Kagan foi acusado de manter
33 contas de fundos deliberadamente não aplicados e créditos como diretor de um
banco de Nova York. (A sentença só foi derrubada depois de muitas apelações.)


11
Ver, por exemplo, Lorraine Adams, "The Reckoning", no Washingt on Post Magazine
(20 de abril de 1997), Netty C. Gross, "The Old Boys Club", e "After Years of
Stonewalling, the Claim Conference Changes Policy", no Jerusalem Report (15 de maio
de 1997, 16 de agosto de 1997), Rebecca Spence, "Holocaust Insurance Team
Racking Up Millions in Expenses as Suvivors Wait", em Forward (30 de julho de
1999), e Verena Dobnik, "Oscar Hammerstein's Cousin Sues German Bank Over
Holocaust Asseis", no AP Online (20 de novembro de 1998) (Hertzberg).
Alfonse D'Amato, o ex-senador de Nova York, foi mediador nos processos do
Holocausto contra os bancos da Alemanha e da Áustria por 350 dólares a hora mais
despesas pagas. Pelos primeiros seis meses de trabalho, ele recebeu 103.000 dólares.
Wiesel elogiou D'Amato publicamente por sua "sensibilidade ao sofrimento judaico".
Lawrence Eagleburger, secretário de Estado do presidente Bush, ganha um salário
anual de 300.000 dólares como presidente da International Commission on
Holocaust-Era Insurance Claims (Comissão Internacional de Seguros das
Compensações da Era do Holocausto). "Seja o que for que ele esteja ganhando",
opinou Elan Steinberg, do WJC, "é uma absoluta pechincha". Kagan arrebanhou em
12 dias, Eagleburger em 4 dias, e D'Amato em 10 horas o que minha mãe recebeu
por sofrer seis anos de perseguição nazista.12
O prêmio de mercenário mais ousado do Holocausto, no entanto, cabe
seguramente a Kenneth Bialkin. Um líder judeu americano de destaque durante
décadas, ele dirigiu a ADL e presidiu a Conference of Presidents of Major
American Jewish Organizations. Atualmente, Bialkin representa a companhia de
seguros Generali contra a Comissão Eagleburger por uma declarada "alta soma de
dinheiro".13


Nos últimos anos, a indústria do Holocausto tornou-se uma completa farra de
extorsão. Pretendendo representar os judeus de todo o mundo, vivos e mortos, ela
está exigindo da Europa indenizações pela era do Holocausto.


l2
Greg B. Smith, "Federal Judge OKs Holocaust Accord", no Daily New s (7 de
janeiro de 2000). Janny Scott, "Jews Tell of Holocaust Deposits", no New Yor k
Tim es (17 de outubro de 1996). Saul Kagan leu um resumo destes pagamentos
na Claims Conference. A versão final incorpora todas as suas correções efetivas.
13
Elli Wohlgelernter, "Lawyers and the Holocaust", no Jerusalem Post (6 de julho
de 1999).
Chamada por conveniência de "o último capítulo do Holocausto", esta dupla
extorsão dos países europeus, assim como legítimas reivindicações judaicas,
recaíram primeiro sobre a Suíça. Vou rever antes as alegações contra os suíços.
Vou me concentrar nas provas, demonstrando que muitos dos débitos financeiros
foram não apenas baseados em fraudes, como aplicados até com maior rigor aos
que estão pagando do que aos seus alvos.

Na comemoração do 50° aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial,
o presidente da Suíça se desculpou formalmente, em maio de 1995, por negar
refúgio aos judeus durante o holocausto nazista.14 Na mesma época foi reaberta a
discussão sobre a longa e arrastada questão do espólio judaico, depositado em
contas suíças antes e durante a guerra. Numa história amplamente reportada, um
jornalista israelense citou um documento -- mal interpretado, como veio a se revelar
--, provando que os bancos suíços ainda mantinham contas da época do Holocausto
valendo bilhões de dólares.15
O World Jewish Congress, uma organização moribunda até sua campanha
denunciando Kurt Waldheim como um criminoso de guerra, aproveitou esta nova
oportunidade para exercitar seus músculos. Desde o início se percebeu que a
Suíça era uma presa fácil. Poucos iriam simpatizar com os ricos banqueiros suíços
contra "os necessitados sobreviventes do Holocausto". Muito mais importante,
porém, é que os bancos suíços estavam altamente vulneráveis pelas pressões
econômicas dos Estados Unidos.16


14
Para maiores informações, ver Tom Bower, Nazi Gold (Nova York: 1999), Itamar
Levin, The Last Deposit (Westport, Conn.: 1999), Gregg J. Rickman, Swiss Banks
and Jewish Souls (New Brunswick, NJ: 1999), Isabel Vincent, Hitler's Silent
Partners (Nova York: 1997), Jean Ziegler, The Sw iss, t he Gold and t he Dead
(Nova York: 1997). Embora com pronunciada conotação anti-Suíça, estes livros
contêm muitas informações úteis.
15
Levin, Last Deposit , caps. 6-7. Para a reportagem equivocada (embora não
mencionada, sua autoria é de Levin), ver Hans J. Halbheer, "To Our American
Friends", nos American Swiss Foundation Occasional Papers.
16
Treze agências de seis bancos suíços operavam nos Estados Unidos. Os
bancos suíços emprestaram a negócios americanos 38 bilhões de dólares em
1994, e administraram centenas de bilhões de dólares de investimentos em ações
americanas e bancos americanos para seus clientes.


No final de 1995, Edgar Bronfman, presidente do WJC e filho de um
membro da Jewish Claims Conference, e o rabino Israel Singer, secretário-geral do
WJC e um verdadeiro magnata, foram se reunir com os banqueiros suíços.17
Bronfman, herdeiro da fortuna das bebidas Seagram (seu patrimônio pessoal é
estimado em 3 bilhões de dólares), iria modestamente informar depois ao Comitê
Bancário do Senado que ele falou "em benefício do povo judeu" assim como "dos 6
milhões, aqueles que não podiam falar por si mesmos"18 Os banqueiros suíços
declararam que só puderam localizar 775 contas inativas e não reclamadas, valendo
um total de 32 milhões de dólares. Eles ofereceram esta soma como base para
negociações com o WJC, que a recusou por inadequada. Em dezembro de 1995,
Bronfman juntou-se ao senador D'Amato. Com índices baixos nas pesquisas e
prestes a ficar de fora em uma corrida ao Senado, D'Amato viu a chance de levantar
sua posição na comunidade judaica, com seus votos cruciais e suas polpudas doações
políticas. Antes que os suíços finalmente ficassem de joelhos, o WJC, trabalhando
com a gama das instituições judaicas (incluindo o Museu Memorial Americano do
Holocausto e o Simon Wiesenthal Center), mobilizou todo o sistema político
americano. Desde o presidente Clinton, que fez as pazes com D'Amato (as
audiências de Whitewater ainda estavam acontecendo) para emprestar apoio,
através de onze agências do governo federal assim como a Câmara e o Senado,
passando por governos estaduais e locais do país, até pressões bipartidárias sobre
cada político, tudo foi feito para denunciar os pérfidos suíços.
17
Em 1992, o WJC criou uma nova instituição, a World Jewish Restitution
Organization (WJRO) (Organização Judaica Mundial de Restituição), que exigiu uma
jurisdição legal sobre os bens dos sobreviventes do Holocausto, vivos ou mortos.
Encabeçada por Bronfman, a WJRO é formalmente uma cobertura das organizações
judaicas moldada na Claims Conference.
18
Audiências diante do Comitê Bancário, Moradias e Assuntos Urbanos do Senado dos
Estados Unidos, 23 de abril de 1996. A defesa de Bronfman dos "interesses judaicos"
é altamente seletiva. Ele é o maior sócio nos negócios da mídia de direita alemã do
escandinavo Leo Kirch, que ficou notório nos últimos anos por demitir o editor de
um jornal alemão que apoiava a decisão da Corte Suprema de impedir cruzes
cristãs nas escolas públicas (www.Seagram.com/company-info/history/main.html,
Oliver Gehrs, "Einfluss aus der Dose", em Tagesspiegel [12 de setembro de 1995]).
Usando os comitês de operações bancárias da Câmara e do Senado como
trampolim, a indústria do Holocausto orquestrou uma vergonhosa campanha de
difamação. Esta campanha suja teve as portas abertas com uma infinita
complacência e credulidade da imprensa escrita para dar manchetes a quaisquer
histórias narradas sobre o Holocausto, mesmo que grotescas. Gregg Rickman, chefe
da assessoria legislativa de D'Amato, gabou-se de que os banqueiros suíços foram
levados "a uma corte de opinião pública cuja agenda é controlada por nós. Eles
estavam em nossa área e, convenientemente, nós éramos os juizes, o júri e os
executores". Tom Bower, o principal pesquisador na campanha contra a Suíça,
apelidou a solicitação de audiências feita por D'Amato de "eufemismo para um
julgamento público ou uma corte canguru".19*
O "porta-voz" da campanha contra a Suíça foi o diretor-executivo do WJC,
Elan Steinberg. Sua principal função era difundir desinformação. "Terror pelo
embaraço", de acordo com Bower, "era a arma de Steinberg, ao tecer uma teia de
acusações destinadas a causar desconforto e choque." Notícias, com freqüência
baseadas em rumores e fontes não corroboradas e desprezadas há anos por
historiadores como boatos, de repente assumiram uma credibilidade incriticável,
espalhadas pela propaganda. "A última coisa que os bancos precisam é de uma
publicidade negativa", explicou o rabino Singer. "Vamos fazer isso até que os
bancos digam `Chega. Queremos um acordo'." Ansioso por dividir as luzes desta
notoriedade, o rabino Marvin Hier, decano do Simon Wiesenthal Center, alegou
espetacularmente que os suíços encarceraram os judeus refugiados em "campos de
trabalho escravo". (Com mulher e filho na lista de honorários, Hier transformou o
Simon Wiesenthal Center num negócio de família; juntos, os Hier recebiam um
salário de 520.000 dólares em 1995.


19
Rickman, Swiss Banks, 50-51, Bower, Nazi Gold, 299-300.
*
Corte canguru é uma corte marcada pela desonestidade ou incompetência que viola os
procedimentos legais estabelecidos. (N. da T.)
O Centro é conhecido pelo seu museu "Dachau-encontra-Disneyland" e "pelas bem-
sucedidas táticas sensacionalistas para levantar fundos".) "À luz do fogo de artilharia
da mídia misturando verdade com suposições, fatos com ficções", conclui Itamar
Levin, "ficou fácil entender por que tantos suíços acreditam que seu país foi vítima
de uma espécie de conspiração internacional."20
A campanha rapidamente degenerou num libelo contra o povo suíço. Bower,
em estudo subsidiado pelo escritório de D'Amato e o Simon Wiesenthal Center, relata
tipicamente que "um país cujos cidadãos (...) se gabam junto aos vizinhos de sua
riqueza invejável, lucrou astutamente com o sangue humano"; que "os cidadãos
aparentemente respeitáveis da nação mais pacífica do mundo (...) cometeram um
roubo sem precedentes"; que "desonestidade era um código cultural dominante do
cidadão suíço para proteger a imagem e a prosperidade da nação"; que os suíços
eram "instintivamente atraídos pelos grandes lucros" (só os suíços?); que o "in-
teresse próprio era o guia supremo de todos os bancos da Suíça" (só dos bancos da
Suíça?); que "a pequena classe de banqueiros suíços tornou-se a mais gananciosa
e imoral de todas"; que "segredo e logro eram as artes praticadas entre os
diplomatas suíços" (só entre os diplomatas suíços?); que "desculpas e resignação não
faziam parte da tradição política da Suíça" (diferente da nossa?); que "a ganância
suíça era única"; que "o caráter suíço" combinava "simplicidade e duplicidade" e "por
trás da aparência de civilidade havia uma camada de obstinação, acompanhada
por uma incompreensão sólida e egoísta sobre a opinião de qualquer outro"; que
os suíços eram "não apenas um povo particularmente destituído de charme, que
não produziu artistas, nem heróis desde Guilherme Tell, nem estadistas, mas
colaboradores desonestos dos nazistas que lucraram com o genocídio", e assim por
diante.

20
Bower, Nazi Gold, 295 ("porta-voz"), 306-7; Alan Morris Schom, "The Unwanted
Guests, Swiss Forced Labor Camps, 1940-1944", um relatório preparado para o
Centro Simon Wiesenthal, janeiro de 1998 (Schom garante que eram "na realidade
campos de trabalho escravo"). Levin, Last Deposit , 158, 188. Para uma consulta
sensata sobre os campos de refugiados suíços, ver Ken Newman (org.), Swiss Wartim e
Work Cam ps: A Collection of Eyewitness Test im onies, 1940-1945 (Zurich: 1999), e
International Commission of Experts, Switzerland -- Second World War, Switzerland
and Refugees in t he Nazi Era (Bern: 1999), cap. 4.4.4. Saidel, Never Too Late, 222-3
("Dachau", "sensacionalistic"). Yossi Klein Halevi, "Who Owns the Memory?" no
Jerusalem Report (25 de fevereiro de 1993). Wiesenthal arrendou seu nome para o
Centro por 90.000 dólares anuais.

Rickman aponta para esta "verdade maior" sobre os suíços: "Bem profunda, talvez
mais profunda do que eles pensam, existiu uma latente arrogância sobre si próprios
e contra os outros sob sua grande máscara. Por mais que tentem, não conseguem
esconder sua formação21". Muitos destes insultos são notavelmente parecidos com
os enunciados contra os judeus pelos anti-semitas.
A principal acusação foi ter havido, nas palavras do subtítulo de Bower, "uma
conspiração nazi-suíça de 50 anos para roubar bilhões dos judeus da Europa e
sobreviventes do Holocausto". No que se tornou um mantra do clamor de restituição
do Holocausto, isto constituiu "o maior roubo da história da humanidade". Para a
indústria do Holocausto, todos os assuntos judaicos pertencem a uma categoria
separada, superlativa -- o pior, o maior...
A indústria do Holocausto primeiro alegou que os bancos suíços negaram
sistematicamente o acesso legítimo dos herdeiros de vítimas do Holocausto às
contas inativas valendo entre 7 bilhões e 20 bilhões de dólares. "Nos últimos 50
anos", publicou a Time numa matéria de capa, uma "ordem expressa" dos bancos
suíços "era protelar e colocar barreiras quando os sobreviventes do Holocausto
perguntavam sobre as contas de seus parentes mortos." Lembrando o segredo da
legislação aprovada pelos bancos suíços em 1934, em parte para prevenir a
extorsão dos depositantes judeus, D'Amato disse numa conferência do Comitê
Bancário da Câmara: "Não é irônico que o verdadeiro sistema que encorajou as
pessoas a vir e abrir contas, que o sigilo tenha sido usado para negar às próprias
pessoas, e seus herdeiros, sua herança, seus direitos? Ele foi pervertido, distorcido,
desfigurado."


Bower, Nazi Cold, xi, xv, 8, 9, 42, 44, 56, 84, 100, 150, 219, 304. Rickman,
2l

Swiss Banks, 219.
Bower narrou com ansiedade a descoberta de uma peça-chave que prova a
perfídia dos suíços contra as vítimas do Holocausto: "Sorte e diligência levaram à pepita
que confirmou a validade da queixa de Bronfman. Um relatório do serviço de
inteligência da Suíça, de julho de 1945, declarava que Jacques Salmanovitz, o
proprietário da Société Générale de Surveillance, um cartório e uma companhia de
Genebra com ligações nos países bálticos, possuía uma lista de 182 clientes judeus que
confiaram ao cartório 8,4 milhões de francos suíços e cerca de 90.000 dólares até sua
chegada dos Bálcãs. O relatório acrescentava que os judeus ainda não haviam
reclamado sua posse. Rickman e D'Amato entraram em êxtase." Rickman brandiu
esta "prova da criminalidade dos suíços". Nenhum dos dois, no entanto, menciona
neste contexto específico que Salmanovitz era judeu. (A verdadeira validade destas
reivindicações será discutida adiante22).
No final de 1996, um cortejo de mulheres idosas e um homem desfilou
para testemunhar diante dos comitês bancários do Congresso sobre a conduta
ilegal dos banqueiros suíços. Contudo praticamente nenhuma destas
testemunhas, segundo Itamar Levin, editor do principal jornal de economia de
Israel, "tinha uma prova real da existência de depósitos em bancos suíços". Para au-
mentar o efeito teatral dessa ação, D'Amato chamou Elie Wiesel para dar apoio.
Em um testemunho mais tarde amplamente difundido, Wiesel se mostrou chocado
-- chocado! -- com a revelação de que os executores do Holocausto procuravam
saquear os judeus antes de matá-los: "No começo nós pensamos que a solução
final fosse motivada apenas por uma ideologia envenenada. Agora sabemos que
eles não se limitavam a matar os judeus; por mais terrível que isso possa soar, eles
queriam o dinheiro judaico. A cada dia sabemos mais sobre esta tragédia.


22
Thomas Sacton, "A Painful History", em Time, 24 de fevereiro de 1997. Audiências
diante do Comité de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos Deputados, 25 de
junho de 1997. Bower, Nazi Gold, 301-2. Rickman, Swiss Banks, 48. Levin também
silenciou sobre Salmanovitz ser judeu (cf. 5, 129, 135).


Não há limite para a dor? Nenhum limite para o ultraje?" É evidente que a pilhagem
nazista dos judeus não é novidade; uma grande parte do estudo acadêmico de
Raul Hilberg, The Dest ruct ion of t he European Jews, publicado em 1961, é dedicado
à expropriação dos judeus pelos nazistas.23
Também foi declarado que os banqueiros suíços surrupiaram os depósitos
das vítimas do Holocausto e destruíram metodicamente registros vitais para
encobrir seus rastros, e que só os judeus sofreram tais abominações. Investindo
violentamente contra os suíços em uma audiência, a senadora Barbara Boxer
declarou: "Este Comitê não vai permitir um comportamento duplo por parte dos
bancos suíços. Não digam ao mundo que vocês estão procurando quando estão
retalhando."24
Pena que "o valor da propaganda" (Bower) dos idosos reclamantes judeus
testemunhando sobre a perfídia suíça tenha logo se esgotado por si mesma.
Porque a indústria do Holocausto teve de procurar uma nova revelação
comprometedora. O frenesi da mídia fixou-se na obtenção do ouro que os nazistas
pilharam dos tesouros centrais da Europa durante a guerra. Embora denunciada
como uma revelação assustadora, na verdade era notícia velha. O autor de um
estudo clássico sobre o assunto, Arthur Smith, contou na audiência da Câmara:
"Eu ouvi durante toda a manhã e esta tarde coisas que, numa grande extensão, já
são conhecidas há anos; e fiquei surpreso com o fato de muitas delas serem apre-
sentadas como novas e sensacionais." O objetivo das audiências, no entanto, não
era informar, mas, nas palavras da jornalista Isabel Vincent, "criar histórias
sensacionais".

Levin, Last Deposit, 60. Audiências diante do Comitê de Serviços Bancários e
23
Financeiros, Câmara dos Deputados, 11 de dezembro de 1996 (citação do testemunho
de Wiesel no Comitê Bancário do Senado, em 16 de outubro de 1996). Raul Hilberg,
The Destruction of the European Jews (Nova York: 1961), cap. 5.
24
Audiências diante do Comité Bancário, Moradias e Negócios Urbanos, Senado dos
Estados Unidos, 6 de maio de 1997.
Se denegrida o bastante, e isso foi elaborado racionalmente, a Suíça se entregaria.25
A única alegação realmente nova foi que os suíços negociaram
conscientemente com o "ouro das vítimas". Ou seja, eles compraram vastas
quantidades de ouro que os nazistas refundiram em barras, depois de arrancado
das vítimas dos campos de concentração e de morte. O WJC, conta Bower,
"precisava de um tema emotivo para ligar o Holocausto à Suíça. Esta nova revela-
ção da perfídia suíça foi vista como uma mensagem divina. "Poucas imagens",
continua Bower, "ficaram tão marcadas quanto a metódica extração das obturações
de ouro da boca dos corpos de judeus saídos das câmaras de gás." "Os fatos são
muito, muito penosos", entoou D'Amato num tom pesaroso na audiência da
Câmara, "porque eles falam de roubo e pilhagem de bens das casas, dos bancos
nacionais, dos campos da morte, do ouro dos relógios, braceletes, armações de
óculos e obturações dentárias das pessoas.26

Além de bloquear o acesso às contas do Holocausto e ao comércio do ouro
espoliado, os suíços também foram acusados de conspirar com os poloneses e
húngaros para fraudar os judeus. A acusação foi que o dinheiro nas contas suíças
inativas, pertencentes aos nascidos na Polônia e na Hungria (muitos, mas nem todos
judeus), foi usado pela Suíça como compensação pelas propriedades suíças
nacionalizadas por estes governos. Rickman se refere a isso como "uma revelação
alarmante, incendiária, capaz de derrotar os suíços". Mas os fatos já eram
fartamente conhecidos e publicados nas publicações jurídicas americanas, no início
da década de 1950.

25
Audiências diante do Comité de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos
Deputados, 11 de dezembro de 1996. Smith queixou-se à imprensa de que os
documentos que ele havia desenterrado e revelado há muito tempo estavam sendo
anunciados por D'Amato como novas descobertas. Numa defesa bizarra, Rickman, que
mobilizou um grande contingente de pesquisadores do Museu Americano do Holocausto
para as audiências do Congresso, replicou: "Embora tendo conhecimento do livro de
Smith, optei por não o ler para não ser acusado de estar usando `seus' documentos"
(113). Vincent, Silent Partners, 240.
26
Bawer, Nazi Gold, 301. Audiências diante do Comité de Serviços Bancários e
Financeiros, Câmara dos Deputados, 25 de junho de 1997.
E, apesar de todo o bafafá da mídia, a soma total envolvia em última instância
nada menos que um milhão de dólares em valores atuais.27
Já antes da primeira audiência sobre as contas inativas, em abril de 1996,
os bancos suíços tinham concordado em estabelecer um comitê de investigação e
se submeter a suas descobertas. Composto de seis membros, três da World Jewish
Restitution, três da Associação de Banqueiros Suíços, e presidido por Paul Volcker,
ex-presidente do Federal Reserve, o Banco Central dos EUA, o "comitê
independente de pessoas eminentes" foi formalmente encarregado de um
"Memorando de Acordo", em maio de 1996. Além disso, o governo suíço nomeou,
em dezembro de 1996, uma "Comissão Independente de Especialistas", presidida
pelo professor Jean-François Bergier e incluindo o conhecido estudioso do
Holocausto Saul Friedländer, para investigar o comércio de ouro suíço com a
Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.
Antes que esses grupos sequer pudessem começar a trabalhar, no
entanto, a indústria do Holocausto pressionou por um acordo financeiro com a
Suíça. Os suíços protestaram que qualquer acordo deveria esperar pelas descobertas
das comissões; caso contrário, constituiria "extorsão e chantagem". Jogando com
sua eterna carta vencedora, o WJC mostrou-se aflito com a situação angustiante
dos "necessitados sobreviventes do Holocausto". "Meu problema é de tempo",
disse Bronfman em dezembro de 1996, "e tenho que me preocupar com todos
estes sobreviventes do Holocausto". Seria o caso de se perguntar por que o an-
gustiado bilionário não poderia aliviar temporariamente esta situação com seu
próprio bolso. Descartando uma oferta de acordo de 250 milhões de dólares,
Bronfman torceu o nariz: "Não façam favores. Eu mesmo darei o dinheiro." Mas
não deu.

27
Rickman, Swiss Banks, 77. Para uma visão definitiva sobre este tópico, ver Peter Hug e
Marc Perrenoud, Assets in Switzerland of Victim s of Nazism and the Com pensation
Agreements with East Bloc Countries (Bern: 1997). Sobre as discussões anteriores nos
Estados Unidos, ver Seymour J. Rubin e Abba P. Schwartz, "Refugees and
Reparations", em Law and Contem porary Problem s (Duke University School of Law
1951), 283.
A Suíça, no entanto, concordou, em fevereiro de 1997, em estabelecer 200
milhões de dólares para um "Fundo Especial para Vítimas Necessitadas do
Holocausto" a fim de cobrir "pessoas que precisavam de ajuda ou apoio em casos
especiais", até que as comissões completassem seu trabalho. (O fundo ainda
estava solvente quando as comissões Bergier e Volcker publicaram seus relatórios.)
As pressões da indústria do Holocausto por um acordo final, entretanto, não
diminuíram; pelo contrário, continuaram a aumentar. Renovados apelos dos suíços
para que um acordo esperasse pelas descobertas das comissões -- afinal, foi o WJC
que de início clamou por este reconhecimento moral -- caíram em ouvidos surdos.
O fato é que a indústria do Holocausto temia sair perdendo com estas
descobertas: se apenas algumas reclamações se provassem legítimas, o caso contra
os bancos suíços perderia credibilidade; e se as reclamações legítimas fossem
identificadas, mesmo que numerosas, os suíços seriam obrigados a pagar apenas
a estas, mas não às organizações judaicas. Outro mantra da indústria do
Holocausto é que a compensação "é sobre verdade e justiça, não sobre dinheiro".
"Não é sobre dinheiro", zombavam agora os suíços. "É sobre mais dinheiro."28
Além de excitar a histeria pública, a indústria do Holocausto coordenava
duas estratégias para "aterrorizar" (Bower) os suíços até a submissão: ações
judiciais coletivas de classe e um boicote econômico.


28
Levin, Last Deposit , 93, 186. Audiências diante do Comitê de Serviços Bancários e
Financeiros, Câmara dos Deputados, 11 de dezembro de 1996. Rickman, Swiss Banks,
218. Bower, Nazi Gold, 318, 323. Uma semana depois de estabelecido o fundo
especial, o presidente da Suíça, "horrorizado com a constante hostilidade na
América" (Bower), anunciou a criação de uma Fundação de Solidariedade de 5
bilhões "para reduzir a pobreza, o desespero e a violência" global. A aprovação da
fundação, no entanto, exigia um referendo nacional, e logo surgiu uma oposição
interna. Seu destino permanece incerto.


A primeira ação coletiva de classe* foi proposta em juízo, no início de outubro de
1996, por Edward Fagan e Robert Swift a favor de Gizella Weisshaus (seu pai falara
de um dinheiro depositado na Suíça antes de morrer em Auschwitz, mas os bancos
rejeitaram suas investigações após a guerra) e de "outras situações semelhantes"
pedindo 20 bilhões de dólares. Algumas semanas depois, o Centro Simon
Wiesenthal, recrutando os advogados Michael Hausfeld e Melvyn Weiss, entrou
com uma segunda ação coletiva de classe e, em janeiro de 1997, o World Council
of Orthodox Jewish Communities (Conselho Mundial das Comunidades Judaicas
Ortodoxas) já iniciava uma terceira. Todos os três processos foram propostos ao juiz
Edward Korman, da corte distrital do Brooklyn, que os consolidou. Pelo menos uma
das partes do caso, o advogado Sergio Karas, com escritório em Toronto, deplorou
esta tática: "Os processos de ação coletiva de classe só servem para provocar
histeria de massa e bater nos suíços. Apenas perpetuam o mito de que advogados
judeus só querem dinheiro." Paul Volcker se opôs a estas ações pelo fato de que elas
"irão prejudicar nosso trabalho, potencialmente, até o ponto da ineficácia" -- um
conceito irrelevante para a indústria do Holocausto, quando não mais um
incentivo.29
A principal arma usada para quebrar a resistência suíça, no entanto, foi o
boicote econômico. "Agora a batalha vai ficar mais suja", preveniu em janeiro de
1997 Avraham Burg, presidente da Jewish Agency e o homem decisivo de Israel no
caso dos bancos suíços. "Até agora nós detivemos a pressão judaica internacional."
Desde janeiro de 1996 o WJC pedia o boicote. Bronfman e Singer contataram o
tesoureiro da cidade de Nova York, Alan Hevesi (cujo pai fora um importante
funcionário do AJC), e o tesoureiro do Estado de Nova York, Carl McCall. Em
conjunto, os dois tesoureiros investem bilhões de dólares em fundos de pensão.
* A ação coletiva de classe é um tipo de ação judicial inexistente na jurisdição
brasileira. [ N. da T.]
29
Bower, Nazi Gold, 315. Vincent, Silent Partners, 211. Rickman, Swiss Banks, 184
(Volcker).
Hevesi também presidiu a Associação de Tesoureiros dos EUA, que investiu 30
trilhões de dólares em fundos de pensão. No final de janeiro, Singer armava
estratégias com o governador George Pataki, de Nova York, assim como com
D'Amato e Bronfman no casamento da filha deste. "Veja que espécie de homem eu
sou", ruminou o rabino, "fazendo negócios no casamento de minha filha."30
Em fevereiro de 1996, Hevesi e McCall escreveram aos bancos suíços
ameaçando com sanções. Em outubro, o governador Pataki emprestou apoio
público. Durante os meses seguintes, governos locais e estaduais de Nova York,
Nova Jersey, Rhode Island e Illinois, todos apresentaram resoluções ameaçando
com um boicote econômico se os bancos suíços não cedessem. Em maio de 1997, a
cidade de Los Angeles, ao retirar centenas de milhões de dólares dos fundos de
pensão de um banco suíço, impôs a primeira sanção. Hevesi rapidamente fez o
mesmo com sanções em Nova York. Califórnia, Massachusetts e Illinois se juntaram
em questão de dias.
"Eu quero 3 bilhões de dólares ou o preço irá subir", Bronfman
proclamou em dezembro de 1997, "a fim de terminar com tudo, os processos de
ação coletiva de classe, o processo Volcker e o resto." Enquanto isso, D'Amato e
os bancos oficiais do Estado de Nova York visavam a impedir o recém-formado
United Bank of Switzerland (uma fusão dos maiores bancos suíços) de operar nos
Estados Unidos. "Se os suíços vão continuar a plantar seus calcanhares aqui,
então terei que pedir a todos os acionistas dos EUA para suspender seus negócios
com eles", Bronfman ameaçou em março de 1998. "Está chegando a um ponto em
que a coisa se resolve por si ou terá de ser guerra total." Em abril, os suíços
começaram a se dobrar sob pressão, mas ainda resistindo ao cerco abjeto. (Os
suíços informaram ter gastado 500 milhões de dólares, durante o ano de 1997,
para se defender dos ataques da indústria do Holocausto.)

30
Levin, Last Deposit, 187-8, 125.
"Há um câncer virulento na sociedade suíça", lamentou Melvyn Weiss, um dos
advogados das ações coletivas de classe. "Nós lhes demos uma oportunidade para
se livrar dele com uma dose maciça de irradiação a um custo muito barato e eles
rejeitaram." Em junho, os bancos suíços fizeram uma "oferta final" de 600 milhões
de dólares. A ADL liderada por Abraham Foxman, chocada com a arrogância suíça,
não conteve sua ira: "Este ultimato é um insulto à memória das vítimas, aos
sobreviventes e àqueles da comunidade judaica que de boa fé se aproximaram dos
suíços para trabalhar juntos a fim de resolver este que é o mais difícil dos
problemas."31
Em julho de 1998, Hevesi e McCall ameaçaram lançar novas sanções.
Nova Jersey, Pensilvânia, Connecticut, Flórida, Michigan e Califórnia se
juntaram em questão de dias. Em meados de agosto, os suíços finalmente
desabaram. Eles concordaram em pagar 1,25 bilhão de dólares num acordo de
ação coletiva de classe mediada pelo juiz Korman. "O objetivo do pagamento
adicional", dizia um press release dos bancos suíços, "é evitar a ameaça de sanções
como também longas e custosas medidas judiciais".32
"Você tem sido um verdadeiro pioneiro desta saga", congratulou-se o
primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu com D'Amato. "O resultado não é
só uma aquisição em termos materiais, mas uma vitória moral e um triunfo da
vontade."53 Pena que ele não tenha dito "do desejo".


Levin, Last Deposit , 218. Rickman, Swiss Banks, 214, 223, 221. "Rickman, Swiss
31

Banks, 231.
33
Ibid, Rickman intitulou adequadamente este capítulo de "Boycotts and Diktats"
(Boicotes e Decretos).

O acordo de 1,25 bilhão de dólares com a Suíça cobria basicamente três
classes -- reclamantes de contas suíças inativas, refugiados aos quais os suíços
negaram asilo e vítimas de trabalho escravo que beneficiou os suíços.34 Para toda
aquela rigorosa indignação com a "perfídia suíça", o comparável registro americano,
no entanto, somando tudo, é apenas ruim, se não pior. Retornarei em breve ao
tema das contas americanas inativas. Tal como a Suíça, os EUA negaram entrada a
refugiados judeus do nazismo antes e durante a Segunda Guerra Mundial. E o
governo americano não considerou justo compensar, por exemplo, os refugiados
judeus a bordo do infortunado navio St Louis. Imaginem a reação se milhares de
refugiados da América Central e do Haiti, aos quais foi negado asilo após escaparem
dos esquadrões da morte financiados pelos EUA, pedissem compensação aqui, E,
embora menor no tamanho e nos recursos em comparação com os Estados Unidos, a
Suíça admitiu tantos refugiados judeus quanto os EUA (aproximadamente 20.000),
durante o Holocausto nazista.35
Os políticos americanos repreenderam a Suíça, alegando que a única
maneira de reparar o passado era a compensação material. Stuart Eizenstat,
subsecretário de Comércio e enviado especial de Clinton para a Restituição de
Bens, considerou a compensação aos judeus "um teste decisivo da vontade desta
geração de encarar e corrigir os erros do passado".


Para o texto completo de "Class Action Settlement Agreement", ver Independent
34
Committee of Eminent Persons, Report on Dorm ant Accounts of Victim s of Nazi
Persecution in Swiss Banks (Berna: 1999), Apêndice O. Em acréscimo aos 200
milhões de dólares do Fundo Especial e 1,25 bilhão de dólares do acordo de ações de
classe, a indústria do Holocausto obteve indiretamente outros 70 milhões de dólares
dos Estados Unidos e seus aliados durante uma conferência em Londres sobre o ouro
suíço, em 1997.
35
Sobre a política dos EUA em relação aos refugiados judeus naqueles anos, ver
David S. Wym an, Paper Walls (Nova York: 1985), e The Abandonm ent of t he Jews
(Nova York: 1984). Sobre a política suíça, ver Independem Commission of Experts,
Swirzerland -- Second World War, Swit zerland and Refugees in t he Nazi Era (Berna:
1999). Uma mistura similar de fatores -- depressão econômica, xenofobia, anti-
semitismo, e, mais tarde, segurança -- pesou na restrição das quotas de entrada
americana e suíça. Lembrando a "hipocrisia dos discursos de outras nações,
especialmente dos Estados Unidos, que estavam completamente desinteressados em
liberalizar suas leis de imigração", a Comissão Independente, apesar de criticar
duramente a Suíça, diz que sua política para os refugiados era "a mesma da maioria
dos governos de outros países" (42, 263). Não encontrei qualquer menção a isso na
grande cobertura da mídia americana sobre estas descobertas críticas da comissão.


Embora eles não pudessem ser "responsabilizados pelo que aconteceu há anos",
disse D'Amato durante a mesma audiência no Senado, os suíços ainda tinham "um
dever de responsabilidade e de tentativa de fazer o que é certo a tempo". Endossando
publicamente as exigências de compensação do WJC o presidente Clinton também
ponderou que "precisamos enfrentar e corrigir, da melhor maneira possível, a terrível
injustiça do passado". "A história não tem um estatuto de limites, disse o
presidente James Leach durante uma das audiências do Comitê Bancário da Câmara, e
"o passado nunca deve ser esquecido". "Precisa ficar claro", escreveram os líderes dos
dois partidos do Congresso numa carta ao secretário de Estado, que a "resposta sobre
o problema da restituição será vista como um teste de respeito aos direitos humanos
básicos e às normas legais," E num discurso no parlamento suíço, a secretária de
Estado Madeleine Albright explicou que os lucros econômicos acumulados pelos suíços
com as contas judaicas retidas "passariam para as gerações subseqüentes e esta é a
razão pela qual o mundo agora está voltado para o povo da Suíça, não para que
assuma responsabilidades por ações cometidas por seus predecessores, mas para serem
generosos fazendo o que deve ser feito nesta altura para corrigir erros passados".36
Todos nobres sentimentos, mas não para serem atendidos por qualquer lugar -- a
menos que sejam ridicularizados --, quando se trata da compensação afro-americana
pela escravidão.37


36
Audiências diante do Comitê de Assuntos Urbanos, Moradias e Bancários, Senado
dos Estados Unidos, 15 de maio de 1997 (Eizenstat e D'Amato). Audiências diante
do Comitê de Assuntos Urbanos, Moradias c Bancários, Senado dos Estados Unidos,
23 de abril de 1996 (Bronfman, citação de Clinton c da carta dos líderes do
Congresso). Audiências diante do Comitê de Serviços Bancários c Financeiros,
Câmara dos Deputados, 11 de dezembro de 1996 (Leach). Audiências diante do
Comité de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos Deputados, 25 de junho de
1997 (Leach). Rickman, Swiss Banks, 204 (Albright).
37
A única nota discordante durante as múltiplas audiências do Congresso sobre a
compensação pelo Holocausto foi ouvida pela congressista Maxine Waters da
Califórnia. Ao mesmo tempo que deu um apoio de "1.000 por cento para que se
fizesse justiça a todas as vítimas do Holocausto", Waters também questionou "como
adotar este plano e usá-lo para negociar o trabalho escravo de meus ancestrais aqui
nos Estados Unidos. É muito estranho sentar aqui (...) sem me perguntar o que eu
podia estar fazendo (...) pelo reconhecimento do trabalho escravo nos Estados
Unidos. (...) As reparações para a comunidade afro-americana têm sido basicamente
condenadas como uma idéia radical, e muitos daqueles (...) que tentaram
arduamente trazer este tema ao Congresso foram literalmente ridicularizados". Ela
propôs especificamente que as agências do governo direcionadas para obter
compensações pelo Holocausto fossem também direcionadas para a compensação
pelo "trabalho escravo doméstico". "A gentil senhora levanta um assunto
extraordinariamente profundo", replicou James Leach, do Comité Bancário da
Câmara, "e a presidência vai levá-lo em consideração. (...} A dimensão do tema que
a senhora levanta tanto na área da história americana quanto na dos direitos
humanos é profunda." O tema ficará indubitavelmente depositado nas profundezas
da sagrada memória do comitê. (Audiências diante do Comité de Serviços Bancário)
e Financeiros, Câmara dos Deputados, 9 de fevereiro de 2000.) Randall Robinson,
que no momento lidera uma campanha para compensar os afro-americanos pela
escravidão, justapôs o "silêncio" do governo dos EUA sobre este roubo "ao trabalho
do subsecretário de Estado Stuart Eizenstat, para obrigar 16 companhias alemãs a
compensar judeus usados como trabalhadores escravos durante a era nazista".
(Randall Robinson, "Compensate the Forgotten Victims of Americas Slavery
Holocaust", no Los Angeles Tim es [11 de fevereiro de 2000]; cf. Randall Robinson,
The Debt [Nova York: 2000], 245).

Não ficou claro como os "necessitados sobreviventes do Holocausto" iriam
comer e beber no final do acordo. Gizella Weisshaus, a primeira reclamante de uma
conta suíça inativa a instituir um processo, dispensou seu advogado, Edward Fagan, a
quem acusou amargamente de tê-la usado. Ainda assim, a fatura de Fagan apresentada
ao tribunal totalizou 4 milhões de dólares em honorários. O total de honorários dos
advogados atingiu 15 milhões de dólares, com "muitos" cobrando uma taxa de 600
dólares por hora. Um advogado está pedindo 2.400 dólares por ter lido o livro de Tom
Bower, Nazi Gold. "Os grupos judaicos e os sobreviventes", publicou o Jewish Week de Nova
York, "estão tirando as luvas para disputar uma fatia do acordo de 1,25 bilhão de
dólares da era do Holocausto pago pelos bancos suíços." Querelantes e
sobreviventes defendem que todo o dinheiro deveria ir diretamente para eles.
As organizações judaicas, no entanto, estão exigindo uma parte da ação.
Denunciando o engrandecimento das organizações judaicas, Greta Beer, uma
testemunha-chave no Congresso contra os bancos suíços, suplicou na corte do
juiz Korman: "Eu não quero ser esmagada como um inseto por uma sola de
sapato." Apesar de toda solicitude para com as "necessitadas vítimas do
Holocausto", o WJC quer cerca de metade do dinheiro suíço destinado às
organizações judaicas e à "educação do Holocausto". O Simon Wiesenthal Center
sustenta que, se as "honradas" organizações judaicas recebem dinheiro, "uma
parte deveria ir para os centros educacionais judaicos". Como "anseiam" pela
maior fatia do butim, tanto organizações reformistas como ortodoxas reivindicam
que os 6 milhões de mortos iriam preferir que o seu ramo de judaísmo fosse o
beneficiário financeiro. Nesse meio tempo, a indústria do Holocausto forçava a
Suíça a um acordo alegando o tempo como essencial: os "necessitados
sobreviventes do Holocausto estão morrendo a cada dia". Mas assim que os suí-
ços liberaram o dinheiro, a urgência desapareceu como que por milagre. Mais de
um ano depois de alcançado o acordo, ainda não havia um plano de
distribuição. Pelo tempo que vai levar para que o dinheiro seja finalmente
partilhado, todos os "necessitados sobreviventes do Holocausto"
provavelmente já terão morrido. Para se ter uma idéia, dos 200 milhões de
dólares do "Fundo Especial para as Necessitadas Vítimas do Holocausto",
estabelecido em fevereiro de 1997, nem metade tinha sido distribuído para
vítimas reais, em dezembro de 1999. Depois de pagos os honorários dos
advogados, o dinheiro suíço irá voar para os cofres das "honradas" organizações
judaicas.38
"Nenhum acordo tem a possibilidade de ser defendido", escreveu no New
York Tim es Burt Neuborne, um professor de direito e membro do grupo das ações
coletivas de classe, "se ele permite que o Holocausto permaneça como um negócio
lucrativo para os bancos suíços." Edgar Bronfman testemunhou comovido, diante do
Comitê Bancário da Câmara, que os suíços não podiam "tirar lucros das cinzas do
Holocausto".

38
Philip Lentz, "Reparation Woes", em Crain's (15-21 de novembro de 1999).
Michael Shapiro, "Lawyers in Swiss Bank Settlement Submit Bill, Outraging Jewish
Groups", na Jewish Telegraphic Agency (23 de novembro de 1999). Rebecca Spence,
"Hearings on Legal Fees in Swiss Bank Case", em Forward (26 de novembro de 1999).
James Bone, "Holocaust Survivors Protest Over Legal Fee", no Times (Londres) (1 de
dezembro de 1999). Devlin Barrei, "Holocaust Asseis", no New York Post (2 de
dezembro de 1999). Stewart Ain, "Religious Strife Erupts In Swiss Money Fight", ao
Jewish Week (14 de janeiro de 2000). Adam Dickter, "Discord in the Court", no
Jewish Week (21 de janeiro de 2000). Swiss Fund for Needy Victims of the
Holocaut/Shoa, "Overview on Finances, Payments and Pending Applications" (30 de
novembro de 1999). Os sobreviventes do Holocausto em Israel nunca receberam
nada do dinheiro do Fundo Especial destinado a eles; ver Yair Sheleg, "Surviving
Israeli Bureaucracy", no Haaretz (6 de fevereiro de 2000).
Por outro lado, Bronfman recentemente deu conhecimento de que a tesouraria do
WJC arrecadou nada menos que "aproximadamente 7 bilhões de dólares" em
compensações.39
Os relatórios oficiais dos bancos suíços foram publicados nesse meio tempo.
Qualquer um agora pode julgar se de fato houve, como Bower proclama, uma
"conspiração nazi-suíça de cinqüenta anos para roubar bilhões dos judeus da Europa
e dos sobreviventes do Holocausto".
Em julho de 1998, a Independent Commission of Experts (Comissão
Independente de Especialistas) (Bergier) publicou seu relatório, Swit zerland and Gold
Transactions in Second World War 40 A comissão confirmou que os bancos suíços
compraram ouro da Alemanha nazista, no total de 4 bilhões de dólares em valores
atuais, sabendo que ele havia sido saqueado dos bancos centrais da Europa ocupada.
Nas audiências do Capitólio, membros do Congresso se mostraram surpresos de que
os bancos suíços tivessem feito negócio com bens pilhados e, pior ainda,
continuassem indulgentes com estas práticas infames. Deplorando o fato de que
políticos corruptos depositam seus ganhos imorais nos bancos suíços, um congres-
sista apelou para que a Suíça finalmente decretasse uma legislação contra "esta
movimentação secreta de dinheiro por (...) políticos de destaque ou lideranças, ou
pessoas com fortunas ilícitas". Lamentando o "número internacional de
funcionários governamentais de alto escalão e negociantes que encontraram um
santuário para suas grandes riquezas nos bancos suíços", outro congressista
perguntou em altos brados se "o sistema bancário suíço está abrigando esta geração
de criminosos, e os países que eles representam, nos (...) mesmos santuários
fornecidos ao regime nazista há 55 anos".41

39
Burt Neuborne, "Totaling the Sum of Swiss Guilt" no Net o York Tim es (24 de junho
de 1998). Audiências diante do Comité de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara
dos Deputados, 11 de dezembro de 1996. "Holocaust-Konferenz in Stockholm", no
Frankfurter Allgemeine Zeitung (26 de janeiro de 2000) (Bronfman).
Independent Commission of Experts, Switzerland -- Second World War, Switzerland
40

and Gold Transactions in the Second World War, ínterim Report (Berna: 1998).
41
Audiências diante do Comitê de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos
Deputados, 11 de dezembro de 1996. Considerado uma testemunha especializada, o
historiador da Carolina do Norte, Gerhard L. Weinberg depôs, com fingida santidade,
que a "posição do governo suíço na época da guerra e nos anos imediatos sempre foi
a de que o saque é legal", e que "a prioridade número um" dos bancos suíços era
"fazer tanto dinheiro quanto possível (...) e fazer isso sem levar em consideração
legalidade, moralidade, decência ou qualquer outra coisa" (Audiências diante do
Comitê de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos Deputados, 25 de junho de
1997).

Sem dúvida, o problema dos depósitos preocupa. Anualmente uma estimativa de
100-200 bilhões de dólares, oriundos da corrupção política, é enviada através das
fronteiras mundiais e depositada em bancos particulares. As reprimendas do comitê
bancário do Congresso, no entanto, teriam mais peso se a metade deste "capital
voador ilegal" não estivesse depositada nos bancos americanos com a total sanção das
leis americanas.42 Beneficiários recentes deste "santuário" legal nos EUA incluem Raul
Salinas de Gortari, irmão do ex-presidente do México, e a família do ex-ditador
nigeriano general Sani Abadia. "O ouro saqueado por Adolf Hitler e seus partidários",
observa Jean Ziegler, o parlamentar suíço, crítico feroz dos bancos suíços, "não difere
em essência do dinheiro sangrento" depositado atualmente em contas suíças privadas
de ditadores do Terceiro Mundo. "Milhões de homens, mulheres e crianças foram
levados à morte pelos ladrões autorizados de Hitler", e "centenas de milhares de
crianças morrem anualmente de doença e desnutrição" no Terceiro Mundo porque
"tiranos espoliam seus países com a ajuda das gananciosas finanças suíças."43 E
também com a ajuda das gananciosas finanças americanas. Eu deixo de lado o fato, até
mais importante, de que muitos destes tiranos foram instalados e mantidos pelo poder
americano e autorizados pelos Estados Unidos a espoliar seus países.
Na questão específica do holocausto nazista, a Independent Commission
concluiu que os bancos suíços fizeram aquisição de "barras contendo ouro pilhado
por criminosos nazistas das vítimas dos campos de trabalho e dos campos de
extermínio".


42
Raymond W. Baker, "The Biggest Loophole in the Free-Market System", no
Washington Quarterly (outono de 1999). Embora não sancionado pelas leis
americanas, muito dos 500 bilhões-1 trilhão de dólares "lavados" anualmente pelo
comércio da droga também estão "depositados a salvo em bancos americanos"
(ibid.).
43
Ziegler, The Swiss, xii; cf, 19, 265.
Eles, no entanto, não sabiam disso: "não há qualquer indicação de que os homens
de decisão do banco central suíço soubessem que as barras, contendo esse tipo de
ouro, estivessem sendo enviadas à Suíça pelo Reichsbank".* A comissão pôs o
valor do "ouro vítima", comprado pela Suíça com desconhecimento da origem, em
134.428 dólares ou cerca de 1 milhão em valores atuais. Esta cifra inclui o "ouro
vítima" arrancado tanto dos judeus como dos não-judeus nos campos de
concentração.44
Em dezembro de 1999, o Independent Commitee of Eminent Persons
(Volcker) publicou seu Relat ór io sobr e Cont as I nat iv as de Vít im as da Perseguição
Nazist a nos Bancos Suíços. 45 O Relat ório documenta as descobertas de uma
exaustiva auditoria que durou três anos e custou nada menos do que 500
milhões de dólares. 4 6 Sua descoberta principal sobre o "tratamento das
contas inativas das vítimas da perseguição nazista" merece uma extensa
citação:


Para as vítimas da perseguição nazista, não houve qualquer prova
de sistemática discriminação, obstrução de acesso, apropriação
indébita ou retenção de requerimentos por parte das leis suíças. O
relatório, no entanto, critica as ações de alguns bancos pelo seu
modo de lidar com as contas de vítimas da perseguição nazista. A
palavra "alguns" na frase precedente precisa ser enfatizada, já que as
ações criticadas se referem principalmente àqueles bancos
específicos em sua manipulação de contas individuais de vítimas da
perseguição nazista, dentro do contexto de uma investigação de 254
bancos que abrangeu um período de cerca de 60 anos.


* Banco Central alemão da era nazista. (N. da T.)
44
Switzertand and Gold Transactions in the Second World War, TV, 48.
45
Indepentent Committee of Eminent Persons, Report on Dorm ant Account s of
Vict im s of Nazi Persecut ion in Swiss Banks (Berna: 1999). (Daqui por diante, apenas
Report, em inglês, ou Relatório.)
46
O "custo estrangeiro" da auditoria foi de 200 milhões de dólares. {Relatório, p. 4,
parágrafo 17) O custo para os bancos suíços foi de outros 300 milhões de dólares.
(Swiss Federal Banking Commission, press relesse, 6 de dezembro de 1999.)

Sobre os atos criticados, o relatório também reconhece que houve
circunstâncias atenuantes para a conduta dos bancos envolvidos
nestas atividades. O relatório também admite ter amplas provas de
que em muitos casos os bancos procuraram assiduamente pelos
proprietários das contas inativas ou seus herdeiros, incluindo vítimas do
Holocausto, e pagaram os saldos das contas inativas a seus devidos
proprietários.


O parágrafo conclui com moderação que "o Comitê acredita que os atos
criticados têm importância bastante para que se deseje documentar nesta seção o
que foi mal encaminhado, de forma a ser possível aprender melhor com o passado
em vez de repetir seus erros". 4 7
O Relat ór io também descobriu que, embora o Comitê não pudesse rastrear
todos os registros bancários do "Período Relevante" (1933-45), a destruição de
registros não detectados "seria difícil, senão impossível", e que "na verdade, não
foi encontrada qualquer prova de destruição sistemática de registros de contas
com o propósito de ocultar um comportamento do passado". Ele conclui que a
percentagem de registros recuperados (60 por cento) foi "verdadeiramente
extraordinária" e "verdadeiramente notável", sobretudo porque as leis suíças não
exigem a retenção de registros além de 10 anos.48
Agora, compare a versão do New York Tim es sobre as descobertas do
Comitê Volcker.

Report, Anexo 5, p. 81, parágrafo 1 (cf. Parte I, pp. 13-15, parágrafos 41-9).
47


Report. Parte I, p. 6, parágrafo 22 ("qualquer prova"); Parte I, p. 6, parágrafo 23
48
(percentagem c leis suíças); Anexo 4, p. 58, parágrafo 5 ("verdadeiramente
extraordinário") e Anexo 5. p. 81, parágrafo 3 ("verdadeiramente notável") (cf. Parte
I, p. 15, parágrafo 47, Parte I, p. 17, parágrafo 58, Anexo 7, p. 107, parágrafos 3,
9).


Num editorial intitulado "As Decepções dos Bancos Suíços",49 o Times relata que o
Comitê não descobriu "qualquer prova conclusiva" de que os bancos suíços
administraram mal as contas judaicas inativas. Mas o Relatório afirma
categoricamente "qualquer prova". O Times prossegue afirmando que o Comitê
"descobriu que os bancos suíços de alguma forma agiram para apagar traços de um
número chocante destas contas". E o Relatório descobriu que os suíços preservaram
registros de um número "verdadeiramente extraordinário", "verdadeiramente
notável". Finalmente, o Times diz que, segundo o Comitê, "muitos bancos, de forma
cruel e decepcionante, viraram as costas aos parentes que tentavam recuperar
bens perdidos". Na verdade, o Relatório enfatiza que apenas "alguns" bancos se
portaram mal e que houve "circunstâncias atenuantes" nestes casos, assinalando
ainda que em "muitos casos" os bancos procuraram assiduamente por legítimos
reclamantes.
O Relatório critica os bancos suíços por não terem sido "francos e objetivos"
nas auditorias prévias das contas inativas da era do Holocausto. Apesar disso, ele
parece creditar as falhas nestas auditorias mais a fatores técnicos do que
desonestos.50 O Relatório identifica 54.000 contas com uma "provável ou possível
relação com vítimas da perseguição nazista". Mas julga que apenas metade deste
número -- 25.000 -- tinha uma probabilidade suficiente para garantir a publicação
dos nomes das contas. O valor corrente estimado de 10.000 destas contas, para as
quais estavam disponíveis algumas informações, vai até 170-260 milhões de
dólares.


"The Deceptions of Swiss Banks", no New York Times (7 de dezembro de 1999).
49


50
Report, Anexo 5, p. 81, parágrafo 2. Report, Anexo 5. pp. 87-88, parágrafo 27:
"Há uma variedade de explicações para a substancial subavaliação nas pesquisas
iniciais, mas algumas das principais causas podem ser atribuídas ao uso pelos bancos
suíços da definição rescrita de contas `inativas1; sua exclusão de certos tipos de
contas de suas pesquisas ou buscas inadequadas; sua ineficácia para investigar
contas abaixo de determinados saldos mínimos; ou sua falha em considerar
proprietários de contas como vítimas da violência ou perseguição nazista a menos
que parentes tenham feito tais reclamações ao banco."
Provou-se impossível avaliar o valor corrente estimado das contas
remanescentes.51 O valor total das verdadeiras contas inativas da era do Holocausto
subiria muito além dos 32 milhões de dólares originalmente estimados pelos bancos
suíços, mas cairia de modo estonteante para bem menos do que os 7 a 20 bilhões de
dólares reclamados pelo WJC Nos testemunhos subseqüentes do congresso, Volcker
observou que o número das contas suíças, "provável ou possivelmente"
relacionadas com vítimas do Holocausto, era "muitas vezes tão extenso quanto o
que surgiu nas primeiras investigações suíças". No entanto, ele continua: "Eu enfatizo
as palavras `provável ou possivelmente porque, exceto com relação a poucos casos,
depois de mais de meio século, nós não fomos capazes de identificar com certeza
uma relação irrefutável entre vítimas e proprietários de contas."52
A descoberta mais explosiva do Comitê Volcker não foi narrada pela mídia
americana. O comitê observa que, tal como a Suíça, os EUA também foram um
abrigo seguro inicial para a transferência de dinheiro dos judeus europeus:


A antecipação da guerra e a recessão econômica, assim como a perseguição
aos judeus e outras minorias pelos nazistas antes e durante a Segunda
Guerra Mundial, fizeram com que muitas pessoas, incluindo as vítimas
desta perseguição, transferissem seus bens para países considerados
abrigos seguros (incluindo como mais importantes os Estados Unidos e o
Reino Unido).


51
Report, p. 10, parágrafo 30 ("provável ou possivelmente"); p. 20, parágrafos 73-5
(probabilidade suficiente para 25.000 contas). Report, Anexo 4, pp. 65-7, parágrafos
20-6, e p. 72, parágrafos 40-3 (valores correntes). De acordo com a recomendação
do Relatório, a Comissão do Banco Central Suíço concordou em março de 2000 em
publicar os nomes das 25.000 contas ("Swiss Federal Banking Commission Follows
Volcker Recommendatins", press release, 30 de março de 2000).
52
Audiências diante do Comitê de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos
Deputados, 9 de fevereiro de 2000 (citação do testemunho preparado por Volcker).
Comparar com a apresentação da advertência feita pela Comissão do Banco Central
Suíço de que "todas as indicações sobre possíveis valores correntes de contas
identificadas estão essencialmente baseadas em pressupostos e projeções", e que
"apenas no caso de cerca de 1.200 contas (...) foram encontradas provas
verdadeiras (sic), apoiadas em fontes bancárias contemporâneas, de que os
proprietários das contas foram realmente vítimas do Holocausto". [ Press release, 6 de
dezembro de 1999.)

(...) Em vista das fronteiras da Suíça neutra com o Eixo e os países
ocupados pelo Eixo, os bancos suíços e outros intermediários financeiros
suíços foram também receptores de uma porção de bens à procura de
segurança.


Um importante apêndice lista as "destinações favorecidas" do dinheiro
judaico transferido da Europa. As principais destinações mencionadas foram Estados
Unidos e Suíça. (A Grã-Bretanha caía para um "terceiro nível" como destinação
estável53).
A pergunta óbvia é: O que aconteceu com as contas inativas da era do
Holocausto nos bancos americanos? O Comitê Bancário da Câmara chamou uma
testemunha especializada para discorrer sobre este assunto. Seymour Rubin,
atualmente um professor da American University, serviu como chefe da delegação
dos EUA nas negociações suíças depois da Segunda Guerra Mundial. Sob os
auspícios das organizações judaicas americanas, Rubin também trabalhou durante os
anos 50 com um "grupo de especialistas sobre a vida da comunidade judaica na
Europa" para identificar contas inativas da era do Holocausto nos bancos
americanos. Em seu testemunho na Câmara, Rubin declarou que, após a mais
superficial e rudimentar auditoria feita apenas nos bancos de Nova York, o valor
destas contas chegou a 6 milhões de dólares. As organizações judaicas requereram
esta soma ao Congresso para "sobreviventes necessitados" (contas inativas
abandonadas nos EUA são transferidas para o Estado sob a doutrina de arresto.* )
Rubin então lembrou:


A estimativa inicial de 6 milhões de dólares foi rejeitada por congressistas
responsáveis em potencial pela legislação necessária e foi usado um limite
de 3 milhões de dólares no primeiro esboço de legislação.

Report, p. 2, parágrafo 8 (cf. p. 23, parágrafo 92). Report, Apêndice S, p. A-134, para
53

uma análise mais precisa, cf. pp. A-135ss.
* Reversão de bens ao Estado por feita de herdeiros. (N. da T.)


(...) A seguir, a cifra de 3 milhões de dólares foi baixada em audiências
do Comité para 1 milhão de dólares. Ações legislativas mais tarde
reduziram a soma para 500.000 dólares. Mesmo esta soma foi rejeitada
pela Divisão de Orçamento, que propôs o limite de 250.000 dólares. A
legislação, entretanto, passou cora os 500.000 dólares.


"Os Estados Unidos", concluiu Rubin, "tomavam apenas medidas muito
limitadas para identificar bens sem herdeiros no país, e tornavam disponível (...)
meros 500.000 dólares, em contraste com os 32.000.000 de dólares reconhecidos
pelos bancos suíços mesmo antes da sindicância de Volcker."54 Em outras palavras,
o registro am ericano é m uito pior que o registro suíço. Merece ênfase o fato de que,
fora uma passageira observação feita por Eizenstat, não houve qualquer outra
menção sobre contas americanas inativas durante as audiências do comitê
bancário da Câmara e do Senado dedicadas aos bancos suíços. Além disso, apesar
do papel central de Rubin em muitas contas secundárias no caso dos bancos suíços
-- Bower dedica um grande número de páginas a esta "cruzada no Departamento
de Estado" --, ninguém mencionou seu testemunho na Câmara. Durante a
audiência na Câmara, Rubin também expressou "um certo ceticismo com
respeito às grandes quantidades [nas contas suíças inativas] que estavam sendo
mencionadas". Desnecessário dizer que os critérios meticulosos de Rubin sobre o
tema foram cuidadosamente ignorados.
Qual foi o açodamento e alarido dos congressistas sobre os "pérfidos"
banqueiros americanos? Um membro após outro dos comitês bancários da
Câmara e do Senado exigiram dos suíços que "finalmente saldassem as contas".
Nenhum, no entanto, pediu aos EUA para fazer o mesmo.

54
Audiências diante do Comité de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos
Deputados, 25 de junho de 1997 (citação do testemunho de Rubin). (Para maiores
informações, ver Seymour J. Rubin e Abba P. Schwartz, "Refugees and
Reparations", em Law and Cont em porary Problem s [Duke University School of Law:
1951], 286-9).


Pelo contrário, um membro do Comitê Bancário da Câmara vergonhosamente
asseverou - com a concordância de Bronfman -- que "apenas" a Suíça "falhou em
mostrar coragem para se confrontar com sua própria história".55 Não surpreendeu
que a indústria do Holocausto não tivesse lançado uma campanha para investigar
os bancos americanos. Uma auditoria em nossos bancos na escala da auditoria
suíça teria custado aos contribuintes não milhões, mas bilhões de dólares.56
Quando fosse completada, os judeus americanos estariam buscando asilo em
Munique. A coragem tem seus limites.
Já nos final dos anos 40, quando os EUA pressionavam a Suíça para
identificar contas judaicas inativas, os suíços protestaram que os americanos
deviam primeiro olhar seu próprio quintal.57 Em meados de 1997, o governador
Pataki de Nova York anunciou a criação de uma Comissão Estadual para Recu-
peração de Bens de Vítimas do Holocausto para abrir processos contra os bancos
suíços. Sem se deixarem impressionar, os suíços sugeriram que a comissão seria
mais útil se abrisse ação judicial contra os bancos americanos e israelenses.58 De
fato, Bower lembra que os banqueiros israelenses se "recusaram a ceder listas de
contas judaicas inativas" depois da guerra de 1948, e recentemente tem sido
publicado que "ao contrário de outros países da Europa, os bancos de Israel e as
organizações sionistas estão resistindo às pressões para instalar comissões capazes
de levantar quantas propriedades e quantas contas inativas de sobreviventes do
Holocausto foram retidas, e como os proprietários podiam ser localizados"
{ Financial Tim es) .


Audiências diante do Comitê de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos
55

Deputados, 25 de junho de 1997.
56
A população da Suíça era de 4 milhões no "Período Relevante", de 1933-45,
comparada com a população dos EUA em mais de 130 milhões. Cada conta bancária
suíça aberta, fechada ou inativa durante aqueles anos sofreu auditoria do comitê
Volcker.
57
Levin, Last Deposit, 23. Bower. Nazi Gold, 256. Bower considera esta exigência suíça
"uma retórica irrespondível". Irrespondível sem duvida, mas por que retórica?
58
Rickman, Swiss Banks, 194-5.


(Os judeus europeus compraram lotes de terras e abriram contas na Palestina
durante o Mandato Britânico para apoiar o movimento sionista ou preparar uma
futura imigração.) Em outubro de 1998, o WJC e a WJRO "adotaram uma decisão
em princípio de não lidar com o assunto dos bens de vítimas do holocausto em
Israel, alegando que esta responsabilidade cabia ao governo israelense"
(Haaretz). O que valia para o Estado de Israel não valia para a Suíça. A acusação
mais sensacional levantada contra os bancos suíços foi que eles exigiram
certidões de óbito dos herdeiros das vítimas do holocausto nazista. Os bancos
israelenses também exigiram a mesma documentação. Inútil, no entanto,
procurar por denúncias dos "pérfidos israelenses". Para demonstrar que "nenhuma
equivalência moral pode ser comparada entre os bancos de Israel e da Suíça", o
New York Times citou um ex-legislador israelense: "Aqui, no máximo foi
negligência; na Suíça, foi crime."59 Qualquer comentário é supérfluo.
Em maio de 1998, uma Comissão Presidencial Consultiva sobre Bens do
Holocausto nos Estados Unidos foi encarregada pelo Congresso de "conduzir uma
primeira pesquisa sobre o destino de bens de vítimas do Holocausto dos quais o
governo federal americano tomou posse" e "aconselhar o presidente sobre políticas
que deveriam ser adotadas para fazer a restituição aos verdadeiros donos das
propriedades roubadas ou seus herdeiros". "O trabalho da comissão demonstra
inegavelmente", declarou Bronfman, seu presidente, "que nós nos Estados Unidos
desejamos nos manter no mesmo patamar de verdade sobre os bens do Holocausto
que exigimos de outras nações."


59
Bower, Nazi Gold, 350-1. Altiva Eldar, "UK: Israel Didn't Hand Over Compensation
to Survivors", no Haurem (21 de fevereiro de 2000). Judy Dempsey, "Jews Find It
Hard to Reclaim Wartime Property In Israel", no Financial Times (1° de abril de 2000).
Jack Katzenell, "Israel Has WWII Asseis", na Associat ed Press (13 de abril de 2000).
Joel Greenberg, "Hunt for Holocaust Victims' Property Turns in New Direction:
Toward Israel", no New York Times (15 de abril de 2000). Altiva Eldar, "People and
Politics", no Haaretz (27 de abril de 2000).

Apesar de uma comissão consultiva presidencial, com um orçamento de 6 milhões
de dólares, ser muito diferente de uma abrangente auditoria externa, de 500
milhões de dólares, agindo sobre o total sistema bancário de uma nação com livre
acesso a todos os registros bancários.60 Para dissipar quaisquer dúvidas posteriores de
que os Estados Unidos não se mantiveram na vanguarda dos esforços para recuperar
bens judaicos roubados da era do Holocausto, James Leach, presidente do Comitê
Bancário da Câmara, anunciou com orgulho, em fevereiro de 2000, que um museu
da Carolina do Norte devolveu uma pintura a uma família austríaca. "Isto reforça o
caráter de responsabilidade dos Estados Unidos (...) e considero algo que o comitê
deve ressaltar."61
Para a indústria do Holocausto, a questão dos bancos suíços -- como os
tormentos pós-guerra sofridos pelo "sobrevivente" suíço do Holocausto Binjamin
Wilkomirski - eram mais do que provas da malícia inegável e irracional dos gentios.
A questão apontava a grande insensibilidade até de um "país europeu, liberal
democrata", conclui Itamar Levin, "para com aqueles que traziam cicatrizes físicas
e morais do pior crime da história". Em abril de 1997, um estudo da Universidade
de Tel Aviv mostrou "um evidente aumento" do anti-semitismo na Suíça. Contudo,
este desenvolvimento ameaçador pode não estar conectado à extorsão da indústria
do Holocausto sobre a Suíça. "Judeus não causam anti-semitismo", desdenhou
Bronfman. "Anti-semitas é que fazem anti-semitismo."62
Itamar Levin sustenta que a compensação material pelo Holocausto "é o
maior teste moral frente à Europa no final do século vinte". "Este será o verdadeiro teste
do tratamento dado pelo continente ao povo judeu."63


60
Para informações sobre a Comissão, ver www.pcha.gov (a citação de Bronfman é
de um press relesse da Comissão de 21 de novembro de 1999).
Audiências diante do Comitê de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos
61

Deputados, 9 de fevereiro de 2000.
62
Levin, Last Deposit , 223, 204. "Swiss Defensive About WWII Role", na Associated
Press, (15 de março de 2000). Time. 24 de fevereiro de 1997) (Bronfman).
Levin, Last Deposit, 224.
63

Na verdade, estimulada pelo sucesso de extorsão dos suíços, a indústria do Holocausto
rapidamente se mexeu para "testar" o resto da Europa. A próxima parada foi a
Alemanha.
Depois que a indústria do Holocausto acertou com a Suíça em agosto de 1998,
ela empregou em setembro a mesma estratégia vencedora contra a Alemanha. Os
mesmos três grupos legalizados (Hausfeld-Weiss, Fagan-Swift e o World Council of
Orthodox Jewish Communities) iniciaram um processo de ação coletiva de classe
contra as indústrias privadas alemãs, exigindo nada menos do que 20 bilhões de
dólares como compensação. Alardeando a ameaça de um boicote econômico, o
tesoureiro Hevesi da cidade de Nova York começou a "monitorar" as negociações em
abril de 1999. O comitê Bancário da Câmara abriu audiências em setembro. A
congressista Carolyn Maloney declarou que "a passagem do tempo não podia ser uma
desculpa para enriquecimentos injustos" (pelo menos, para o trabalho escravo
judaico - o trabalho escravo afro-americano é uma outra história) enquanto Leach, o
presidente do comitê, lendo o mesmo velho roteiro, recitou que "a história não tem
estatuto de limites". As empresas alemãs com negócios nos Estados Unidos, disse ao
comitê Stuart Eizenstat, "estimam ver suas mercadorias aqui, e desejam manter a
espécie de boa cidadania de que sempre dispuseram nos Estados Unidos e na
Alemanha". Prosseguindo nas sutilezas diplomáticas, o congressista Rick Lazio re-
comendou asperamente ao comitê "para se concentrar no setor das empresas
privadas alemãs, em particular, aquelas com negócios nos Estados Unidos".64 Para
levantar a histeria pública contra a Alemanha, a indústria do Holocausto colocou em
outubro vários anúncios de página inteira nos jornais. A terrível verdade não
bastava; foram acionados todos os botões do Holocausto.


Audiências diante do comitê de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos
64

Deputados, 14 de setembro de 1999.


Um anúncio denunciava a corporação farmacêutica alemã Bayer travestida em
Joseph Mengele, apesar das provas de que as experiências criminosas "dirigidas"
pela Bayer foram zero. Reconhecendo que o j uggernaut* do Holocausto era
irresistível, os alemães capitularam um acordo monetário substancial no final do ano.
O jornal inglês The Tim es creditou esta capitulação à campanha do "holocash" nos
Estados Unidos. "Nós não teríamos alcançado o acordo", disse mais tarde Eizenstat ao
comitê Bancário da Câmara, "sem o envolvimento pessoal e a liderança do
presidente Clinton (...) assim como de outros altos funcionários" do governo
americano.65
A indústria do Holocausto denunciou que a Alemanha tinha uma
"obrigação moral e legal" de compensar os ex-trabalhadores escravos judeus.
"Estes trabalhadores escravos merecem uma pequena medida de justiça", pleiteou
Eizenstat, "nos poucos anos que restaram de suas vidas." Embora, como já
revelado aqui, é simplesmente mentira que eles não tivessem recebido qualquer
compensação. Os trabalhadores escravos judeus foram cobertos pelos acordos
originais com a Alemanha compensando os internos dos campos de
concentração. O governo alemão indenizou os ex-trabalhadores escravos por
"privação de liberdade" e por "danos à vida e amputações". Apenas salários recu-
sados não foram formalmente indenizados.
* Uma força de avanço esmagadora capaz de destruir tudo em seu caminho. Palavra
de origem hindu, significando o (dolo de Krishna levado anualmente em procissão
num grande carro, sob cujas rodas os fanáticos se lançavam. (N. da T.)
65
Yair Sheleg, "Not Even Minimum Wage", no Haaretz (6 de outubro de 1999).
William Drozdiak, "Germans Up Offer to Nazi's Slave Laborers", no Washingt on Post
(18 de novembro de 1999). Burt Herman, "Nazi Labor Talks End Without Pact", em
Forward (20 de novembro de 1999). "Bayer's Biggest Headache", no New York Tim es
(5 de outubro de 1999). Jan Cienski, "Wartime Slave-Labour Survivors' Ads Hit Back",
no National Post (7 de outubro de 1999). Edmund L. Andrews, "Germans To Set Up
$5.1 Billion Fund For Nazis' Slaves", no New York Times (15 de dezembro de 1999).
Edmund L. Andrews, "Germany Accepts $5.1 billion Accord to End Claims of Nazi
Slave Workers", no New York Tim es (18 de dezembro de 1999). Allan Hall, "Slave
Labour List Names 255 German Companies", no The Times (Londres) (9 de dezembro
de 1999). Audiências diante do comitê de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara
dos Deputados, 9 de fevereiro de 2000 (citação tirada do testemunho de Eizenstat).


Os que sofreram ferimentos graves receberam individualmente pensões vitalícias.66
A Alemanha também doou à Jewish Claims Conference cerca de um bilhão de
dólares em valores atuais para judeus ex-internos de campos que receberam uma
compensação mínima. Como já foi dito antes, a Claims Conference, violando o
acordo com a Alemanha, usou o dinheiro em vez de empregá-lo nos projetos
requeridos. Ela justificou este (não-)uso da compensação alemã alegando que,
"mesmo antes dos fundos da Alemanha estarem disponíveis (...), as exigências
das `necessitadas' vítimas do nazismo já tinham sido amplamente satisfeitas".67
Ainda assim, cinqüenta anos depois, a indústria do Holocausto estava exigindo
dinheiro para as "necessitadas vítimas do Holocausto" que viviam na pobreza
porque os alemães, como foi alegado, nunca as tinham compensado.
O que constitui uma "justa" compensação para os antigos trabalhadores
escravos judeus é uma pergunta inteiramente irrespondível. Pode-se, no
entanto, dizer isto: segundo os termos do novo acordo, os ex-trabalhadores
escravos devem receber cada um cerca de 7.500 dólares. Se a Claims Conference
distribuiu apropriadamente as primeiras somas alemãs (do pós-guerra), muito
mais ex-trabalhadores escravos judeus teriam recebido muito mais muito antes.
Se as "necessitadas vítimas do Holocausto" jamais irão ver algum do novo
dinheiro alemão é uma questão em aberto. A Claims Conference quer uma grande
fatia para o seu próprio "Fundo Especial". Segundo o Jerusalem Report, a Conference
tem "muito a ganhar assegurando que os sobreviventes nada recebam".

66
Sagi, Germ an Reparat ions, 161. Provavelmente um quarto dos trabalhadores
escravos judeus recebeu essa pensão, meu falecido pai (um interno de Auschwitz)
entre eles. Na verdade, os números da Claims Conference, nas atuais negociações
para trabalhadores escravos judeus ainda vivos, foram baseados naqueles que já
recebiam pensões e compensações da Alemanha! (Parlamento Alemão, 92a seção,
15 de março de 2000).
Zweig, German Reparations and the Jewish World, 98; cf. 25.
67

O membro israelense do Knesset, Michael Kleiner (Herut), atacou firmemente a
Conference como um "Judenrat* continuando o trabalho dos nazistas de diferentes
maneiras". Ele acusou a Conference de ser um "grupo desonesto, que se conduz em
segredo profissional, manchado pela suja corrupção pública e moral, um grupo das
trevas que está maltratando os sobreviventes do Holocausto e seus herdeiros,
enquanto descansa sobre uma enorme pilha de dinheiro pertencente a indivíduos,
e faz de tudo para herdar (o dinheiro) enquanto eles ainda estão vivos".68 Nesse
meio tempo, Stuart Eizenstat, testemunhando diante do comitê Bancário da
Câmara, continuava a elogiar o "processo transparente que a Jewish Material Claims
Conference tem tido nos últimos 40 e tantos anos". Em matéria de cinismo absoluto,
no entanto, o rabino Israel Singer supera todos. Além de seu posto de secretário-geral
do WJC, Singer serviu como vice-presidente da Claims Conference e foi o
negociador-chefe nas reuniões alemãs sobre o trabalho escravo. Ele reiterou
solenemente ao comitê Bancário da Câmara que "seria uma vergonha" se o dinheiro
da compensação pelo Holocausto fosse "pago a herdeiros em lugar de
sobreviventes". "Não queremos que esse dinheiro seja pago a herdeiros. Queremos
esse dinheiro pago a vítimas." Ao mesmo tempo, o Haaretz publica que Singer tem
sido o principal proponente para o uso dinheiro da compensação pelo Holocausto "ir
de encontro às necessidades de todo o povo judaico, e não apenas daqueles judeus
que tiveram sorte bastante para sobreviver ao Holocausto e alcançar a velhice".69

*Conselhos formados por judeus selecionados ou eleitos para executar as ordens
nazistas nas comunidades judaicas da Europa ocupada.
68
Conferência sobre Compensações Materiais Judaicas Contra a Alemanha, "Position
Paper -- Slave Labor, Proposed Remembrance and Responsibility Fund" (15 de junho
de 1999). Netty C. Gross, "$5.1-Billion Slave Labor Deal Could Yield Little Cash
For Jewish Claimants", no Jerusalem Post (31 de janeiro de 2000), Zvi Lavi, "Kleiner
(Herut): Germany Claims Conference Has Become Judenrat, Carrying on Nazi Ways",
no Glotes ( 24 de fevereiro de 2000). Yair Sheleg, "MK Kleiner: The Claims
Conference Does Not Transfer Indemnifications to Shoah Survivors", no Haaretz (24
de fevereiro de 2000).
Audiências diante do comitê de Serviços Bancários e Financeiros, Câmara dos
69

Deputados, 9 de fevereiro de 2000. Yar Sheleg, "Staking a Claim to Jewish Claims", no
Haaretz (31 de março de 2000).
Numa publicação do Museu Memorial Americano do Holocausto, Henry
Friedlander, o respeitado historiador do Holocausto nazista e dos ex-internos de
Auschwitz, projetou este quadro numérico para o final da guerra:


Se havia cerca de 715.000 prisioneiros nos campos no início de 1945, e pelo
menos um terço -- ou seja, cerca de 238.000 -- morreu durante a
primavera de 1945, podemos admitir que no máximo 475.000 prisioneiros
sobreviveram. Como os judeus eram sistematicamente assassinados, e apenas
os escolhidos para trabalhar -- em Auschwitz cerca de 15 por cento -- tiveram
a chance de sobreviver, precisamos assumir que os judeus não passavam de
20 por cento da população dos campos de concentração.


"Podemos assim estimar", ele concluiu, "que o número de sobreviventes
judeus não era mais do que 100.000." O cômputo de Friedlander para os
trabalhadores escravos judeus sobreviventes no final da guerra, casualmente, é
altamente considerado entre os acadêmicos. Num estudo oficial, Leonard
Dinnerstein escreveu: "Sessenta mil judeus (...) saíram dos campos de
concentração. Em uma semana, mais de 20.000 deles estavam mortos." 70


Num informe de maio de 1999 ao Departamento de Estado, Stuart
Eizenstat, citando o "número dos grupos que os representavam", pôs o total de
trabalhadores escravos, judeus e não-judeus ainda vivos, em "talvez 70.000-
90.000".71


70
Henry Friedlander, "Darkness and Dawn in 1945: The Nazis, the Allies, and the
Survivors", era US Holocaust Mem orial Museum , 1945 -- The Year of Liberat ion
(Washington: 1995), 11-35. Dinnerstein, Am erica and t he Survivors of t he Holocaust ,
28. O historiador israelense Shlomo Shafir conta que "a estimativa de sobreviventes
judeus no fim da guerra na Europa varia de 50.000 a 70.000° (Am biguous Relat ions,
384). O total de Friedlander para os trabalhadores escravos, judeus e não-judeus, é
padrão; ver Benjamin Ferencz, Leu Than Slaves (Cambridge: 1979) --
"aproximadamente meio milhão de pessoas foram encontradas mais ou menos vivas
nos campos libertados pelos exércitos aliados" (xvii; cf. 240n5).
Stuart Eizenstat, subsecretário de Estado para Serviços de Economia, Comércio e
7l

Agricultura, emissário-chefe dos EUA nas Negociações sobre Trabalho Escravo na
Alemanha, Informação do Departamento de Estado, 12 de maio de 1999.


Eizenstat era o emissário-chefe dos EUA nas negociações do trabalho escravo na
Alemanha e trabalhou estreitamente com a Claims Conference.72 Isto poria o número
total de trabalhadores escravos judeus ainda vivos em 14.000-18.000 (20 por
cento de 70.000-90.000). Mas, assim que entrou em negociações com a
Alemanha, a indústria do Holocausto exigiu compensação para 135.000 ex-
trabalhadores escravos judeus ainda vivos. O número total dos ex-trabalhadores
escravos ainda vivos, judeus e não-judeus, foi calculado em 250.000.73 Em outras
palavras, o número de ex-trabalhadores escravos judeus ainda vivos aumentou
cerca de dez vezes desde maio de 1999, e a proporção entre trabalhadores escravos
judeus e não-judeus vivos mudou drasticamente. A acreditar na indústria do
Holocausto, hoje há mais trabalhadores escravos judeus do que há meio século
atrás. "Que trama emaranhada nós tecemos", escreveu Sir Walter Scott, "quando
nossa atividade principal é inventar."
Como a indústria do Holocausto joga com números para aumentar seus
pedidos de compensação, os anti-semitas zombam dos "judeus mentirosos" que
"mascateiam" até suas cabeças. Ao trapacear com esses números, a indústria do
Holocausto, embora não intencionalmente, suaviza o nazismo. Raul Hilberg, a
principal autoridade em holocausto nazista, totaliza os judeus assassinados em 5,1
milhões.74 E, se 135.000 ex-trabalhadores escravos judeus ainda hoje estão vivos,
uns 600.000 devem ter sobrevivido à guerra. Isto perfaz meio milhão a mais do
que o padrão estimativo. Dever-se-ia então deduzir este meio milhão do número
de 5,1 milhões dos assassinados. O total de "6 milhões" não só fica mais
insustentável, como os números da indústria do Holocausto se aproximam dos
daqueles que negam o Holocausto.


72
Ver "anotações" de Eizenstat sobre o Encontro Anual da Conferência de
Compensações Materiais Judaicas contra a Alemanha e a Áustria (Nova York; 14 de
julho de 1999).
73
Toby Axelrod, "$5.2 Billion Slave-Labor Deal Only the Start", no Jewish Bullet in
(12 de dezembro de 1999; citação da Jewish Telegraphic Agency).
74
Hilberg, The Destruction (1985), v.iii, apêndice B.
Levemos em consideração que o líder nazista Heinrich Himmler avaliou a população
total dos campos, em janeiro de 1945, em menos de 700.000 e que, segundo
Friedlander, cerca de um terço deste número foi eliminado por volta do mês de
mato. Mas se os judeus constituíam apenas 20 por cento da população
sobrevivente dos campos e, como fixado pela indústria do Holocausto, 600.000 ju-
deus internos sobreviveram à guerra, então um total de 3 milhões de internos deve
ter sobrevivido. Pela avaliação da indústria do Holocausto, as condições dos campos
de concentração não deviam ser absolutamente duras; na verdade, podemos supor
uma alta taxa de fertilidade e um índice incrivelmente baixo de mortalidade.75
O argumento padrão é que a Solução Final foi um extermínio industrial,
uma linha de montagem, com uma eficiência sem paralelo.76 Mas se, como sugere
a indústria do Holocausto, centenas de milhares de judeus sobreviveram, a
Solução Final não poderia ser tão eficiente. Ela deve ter sido um mero acaso -- exa-
tamente o que argumentam os negadores do Holocausto. Les extrem es se
touchent.
Numa entrevista recente, Raul Hilberg assinalou que não importam os
números para compreender o holocausto nazista. De fato, a revisão numérica da
Claims Conference levou radicalmente à questão de sua própria compreensão.
Segundo a "proposição" da Claims Conference sobre o trabalho escravo em suas
negociações com a Alemanha:
75
Numa entrevista ao Die Berliner Zeitung, eu levantei dúvidas sobre o número
135.000 da Claims Conference, citando Friedlander. A Claims Conference declarou
em sua réplica que o número de 135.000 foi "baseado nas melhores c mais
confiantes fontes e, portanto, está correio". Nenhuma das fontes alegadas, no
entanto, foi identificada. ("Die Ausbeutung jüdischen Leidens", Berliner Zeit ung, 1°
de fevereiro de 2000.) Respondendo às minhas criticas numa entrevista ao Der
Tagesspiegel, a Claims Conference manteve que uns 700.000 judeus trabalhadores
escravos sobreviveram à guerra, 350.000-400.000 no território do Reich e 300.000
cm campos de concentração de outros lugares. Pressionada a citar fontes de estu-
diosos, a Conferência recusou-se, indignada. Basta dizer que estes números não se
assemelham a qualquer estudo conhecido sobre o assunto (Eva Schweitzer,
"Entschaedigung für Zwangsarbeiter", Tagesspiegel, 6 de março de 2000).
76
"Nunca antes na história", observou Hilberg, "pessoas foram mortas em bases de
linha de montagem" (Destruction, v. iii, 863). O tratamento clássico deste tema é
Modernity and the Holocaust, de Zygmunt Bauman.
"O trabalho escravo foi um dos três métodos principais usados pelos nazistas para
matar os judeus -- sendo os outros fuzilamento e gás. Um dos propósitos do
trabalho escravo era conduzir os indivíduos à morte (...). O termo escravo é uma
palavra imprecisa neste contexto. Em geral, os donos de escravos têm interesse
em preservar a vida e a condição de seus escravos. No entanto, o plano nazista
para os 'escravos' era utilizar seu potencial de trabalho e depois exterminá-los."
Fora os que negam o Holocausto, ninguém ainda argumentou que o nazismo
reservava este terrível destino aos trabalhadores escravos. Como, no entanto,
conciliar estes fatos estabelecidos com a compensação para as muitas centenas
de milhares de trabalhadores escravos judeus que sobreviveram aos campos? Não
teria a Claims Conference rompido a parede que separa a verdade assombrosa
sobre o holocausto nazista da negação do Holocausto?77
Em anúncio de página inteira no New York Tim es, astros da indústria do
Holocausto como Elie Wiesel, o rabino Marvin Hier e Steven T. Katz condenaram "a
negação do Holocausto feita pela Síria". O texto investia contra o editorial de um jornal do
governo sírio que acusava Israel de "inventar histórias sobre o Holocausto" no intuito
de "receber mais dinheiro da Alemanha e de outros sistemas ocidentais".
Lamentavelmente, a acusação da Síria é verdadeira. A ironia, perdida tanto pelo
governo sírio quanto pelos signatários do anúncio, é que a própria história das muitas
centenas de milhares de sobreviventes constitui uma forma de negação do
Holocausto.78


Guttenpian, "Holocaust on Trial". (Hilberg) Conference on Jewish Material Claims
77

Against Germany, "Position Paper -- Slave Labor", 15 de junho de 1999.
78
"We Condemn Syria's Denial of the Holocaust", no New York Times (9 de fevereiro de
2000). Para documentar o "aumento do anti-semitismo" na Europa, David Harris do
AJC mostrou a grande proporção na pesquisa dos que apoiaram a afirmação de que
"judeus estão explorando a memória do extermínio nazista dos judeus para tirar
proveito". Ele se referiu ainda "ao tratamento extremamente negativo dado por alguns
jornais alemães à Claims Conference Judaicas (...) durante as recentes negociações
sobre a compensação pelo trabalho escravo e forçado. Muitas matérias descreviam a
própria Claims Conference e a maioria dos advogados judeus como gananciosos e
interesseiros, resultando numa discussão bizarra nos principais jornais sobre se havia
tantos sobreviventes judeus como os citados pela Claims Conference". (Audiências
diante do Comitê de Relações Internacionais, Senado dos Estados Unidos, 5 de abril de
2000.) Na verdade, achei que seria quase impossível levantar esta questão na
Alemanha. Apesar do tabu ter sido finalmente quebrado pelo diário liberal alemão Die
Berliner Zeit ung, a coragem demonstrada por seu editor, Martin Sueskind, e pelo
correspondente americano, Stefan Elfenbein, só encontrou um tímido eco na mídia
alemã, devido em grande parte às ameaças jurídicas e chantagens morais da Claims
Conference, assim como à relutância geral alemã cm criticar abertamente os judeus.


A extorsão sobre a Suíça e a Alemanha tem sido apenas um prelúdio para o
grand finale: a extorsão da Europa Oriental. Com o colapso do bloco soviético,
abriram-se oportunidades tentadoras na antiga região central da comunidade
judaica européia. Vestindo o manto sagrado das "necessitadas vítimas do
Holocausto", a indústria do Holocausto tem procurado extorquir bilhões de
dólares destes países já empobrecidos. Ao perseguir este objetivo com um
desembaraço indiferente e cruel, ela se tornou o principal fomentador do anti-
semitismo na Europa.
A indústria do Holocausto posicionou-se como a única reclamante legítima
para todos os bens privados e comuns daqueles que morreram durante o
holocausto nazista. "Tem sido acertado com o governo de Israel", disse Edgar
Bronfman ao Comitê Bancário da Câmara, "que os bens sem herdeiros deveriam
caber à World Jewish Restitution Organization." Usando este "mandato", a
indústria do Holocausto tem exigido dos ex-países do bloco soviético que
devolvam todas as propriedades judaicas de antes da guerra ou as igualem na
forma de compensação monetária.79 Ao contrário do caso da Suíça e da Alema-
nha, no entanto, ela fez estas exigências longe dos olhos da publicidade. A
opinião pública ficou longe de ser avessa às chantagens contra os banqueiros
suíços e industriais alemães, mas pode ver com menos boa vontade as
chantagens contra camponeses poloneses morrendo de fome. Os judeus que
perderam membros de sua família, durante o holocausto nazista, poderiam
também ver com hostilidade as maquinações da WJRO. A pregação de ser o
legítimo herdeiro daqueles que morreram, a fim de se apropriar de seus bens,
pode facilmente ser interpretado como um grave roubo. Por outro lado, a
indústria do Holocausto não precisa de uma opinião pública mobilizada. Com o
apoio de autoridades-chave americanas, ela pode facilmente quebrar a fraca
resistência de nações já prostradas.


Audiências diante do Comitê de Serviços Bancários c Financeiros, Câmara de
79

Deputados, 11 de dezembro de 1996. J.D. Bindenagel, Proceedings, Washingt on
Conference on Holocaust - Era Asseis: 30 Novem ber- 3 Decem ber 1998 (US
Government Printing Office: Washington, DC), 687, 700-1, 706.
"É importante reconhecer que nossos esforços para a restituição da
propriedade comum", disse Stuart Eizenstat a um comitê da Câmara, "estão
integrados ao renascimento e à renovação da vida judaica" no Leste europeu.
Alegando "promover o renascimento" da vida judaica na Polônia, a WJRO está
exigindo os títulos de mais de 6.000 propriedades da comunidade judaica
anteriores à guerra, incluindo aquelas que estão sendo usadas atualmente como
hospitais e escolas. A população judaica de antes da guerra na Polônia chegava a
3,5 milhões; a população atual é de alguns milhares. Será que o renascimento da
vida judaica realmente precisa da construção de uma sinagoga ou escola para cada
judeu polonês? A organização também está pedindo centenas de milhares de glebas
de terra polonesa no valor de muitas dezenas de bilhões de dólares. "As
autoridades polonesas temem", escreveu o Jewish Week, que a exigência "poderia
levar a nação à falência." Quando o Parlamento polonês propôs limites sobre a
compensação para evitar a insolvência, Elan Steinberg do WJC denunciou a
legislação como "um ato fundamentalmente antiamericano".80
Para apertar o cerco sobre a Polônia, os advogados da indústria do
Holocausto entraram com uma ação coletiva de classe na corte do juiz Korman a
fim de compensar "os sobreviventes do Holocausto idosos e os agonizantes". A
queixa denunciava que os governos poloneses do pós-guerra "continuaram durante
os últimos cinqüenta e quatro anos" uma política genocida de "expulsão para
extinção" contra os judeus.


80
Audiências diante do Comitê de Relações Internacionais, Câmara dos Deputados, 6
de agosto de 1998. Bindenagel, Washingt on Conference on Holocaust - Era Asset s,
433. Joan Gralia, "Poland Tries to Get Holocaust Lawsuit Dismissed", na Reuters (23
de dezembro de 1999). Eric J. Greenberg, "Polish Restitution Plan Slammed", no
Jewish Week (14 de janeiro de 2000). "Poland Limits WWII Compensation Plan", no
Newsday (6 de janeiro de 2000).


Os membros do Conselho da cidade de Nova York entraram em atividade com uma
resolução unânime apelando à Polônia "para aprovar uma legislação abrangente
que incluísse a completa restituição dos bens do Holocausto", enquanto 57
membros do Congresso (conduzidos pelo congressista Anthony Weiner, de Nova
York) enviaram uma carta ao Parlamento polonês exigindo uma "legislação
abrangente que devolveria 100 por cento de todas as propriedades e bens con-
fiscados durante o Holocausto". "Como as pessoas envolvidas envelhecem a cada
dia", dizia a carta, "está diminuindo o tempo para compensar os injustiçados".81
Ao testemunhar diante do Comitê Bancário do Senado, Stuart Eizenstat
deplorou o ritmo lento de despejos na Europa oriental. "Vários problemas surgiram
na devolução das propriedades. Por exemplo, em alguns países, quando pessoas ou
comunidades tentaram recuperar propriedades, foi-lhes pedido, algumas vezes exi-
gido, (...) que permitissem aos atuais ocupantes ficar por um longo período pagando
taxas controladas de aluguel."82 A negligência da Bielo-Rússia, particularmente,
deixou Eizenstat irritado. A Bielo-Rússia está "muito, por demais atrasada" na
devolução das propriedades judaicas anteriores à guerra, disse ele ao Comitê de
Relações Internacionais da Câmara.83 A renda mensal média de um bielo-russo é de
100 dólares.

81
Theo Garb et al. v. Republic of Poland (United States District Court, Eastern
District of New York, June 13, 1999). (A ação judicial de classe foi feita por Edward E.
Klein e Mel Urbach, este um veterano dos acordos suíço e alemão. Uma emenda,
submetida em 2 de março de 2000, foi reunida à queixa judicial por outros tantos
advogados, embora omitindo algumas das acusações mais pitorescas contra os
governos poloneses do pós-guerra.) "Dear Leads NYC Council in Call to Polish
Government to Make Restitution to Victims of Holocaust Era Property Seizure", no
News From Council Mem ber Noach Dear (29 de novembro de 1999). (A citação é da
resolução atual, n° 1072, adotada em 23 de novembro de 1999.) "[Anthony D.]
Weiner Urges Polish Government to Repatriate Holocaust Claims", US House of
Representatives (prest release, 14 de outubro de 1999). (As citações textuais são do
press release e da carta, datados de 13 de outubro de 1999.)
82
Audiências diante do Comitê de Assuntos Bancários, Moradia e Urbano*, Senado
do» Estados Unidos, 23 de abril de 1996.
Audiências diante do Comitê de Relações Internacionais, Câmara de Deputados, 6 de
83

agosto de 1998.


Para forçar a submissão de governos recalcitrantes, a indústria do
Holocausto empunhou a ameaça de sanções americanas. Eizenstat instou o
Congresso a "promover" a compensação do Holocausto, colocando-a no "topo da
lista" de condições para os países do Leste europeu que estão tentando entrar
para a OCDE, a OMC, a União Européia, a OTAN e o Conselho da Europa: "Eles
irão ouvir se vocês falarem. (...) Eles irão entender a sugestão." Israel Singer, do
WJC, apelou ao Congresso para "continuar inspecionando a lista de compras" a
fim de "checar" se cada país está pagando em dia. "É extremamente importante
que os países envolvidos na questão entendam", disse o congressista Benjamin
Gilman, do Comitê de Relações Internacionais da Câmara, "que a resposta deles
(...) é um dos vários padrões pelos quais os Estados Unidos avaliam seu rela-
cionamento bilateral." Avraham Hirschson, presidente do Comitê de
Restituição do Knesset (Parlamento) de Israel e representante de Israel na
WJRO, pagou tributo à cumplicidade do Congresso na extorsão. Lembrando suas
"brigas" com o primeiro-ministro romeno, Hirschson declarou: "Mas fiz uma ob-
servação, no meio da briga, que mudou aquela atmosfera. Eu disse a ele: sabe,
em dois dias estarei numa audiência aqui no Congresso. O que você quer que
eu lhes diga na audiência? Toda atmosfera mudou." O WJC "criou uma
verdadeira indústria do Holocausto", preveniu um advogado de sobreviventes, e
é "culpado por promover (...) um ressurgimento muito feio do anti-semitismo
na Europa".84

"Se não fosse pelos Estados Unidos da América", Eizenstat observou com
senso de oportunidade em sua louvação ao Congresso, "muito poucas, talvez
nenhuma, destas providências estariam hoje em andamento." Para justificar as
pressões exercidas sobre o Leste europeu, ele explicou que a marca da moralidade
"ocidental" é "devolver ou pagar pelas propriedades privadas e comuns tomadas sem
razão".

84
Audiências diante do Comitê de Relações Internacionais, Câmara de Deputados, 6 de
agosto de 1998. Isabel Vincent, "Who Will Reap the Nazi-Era Reparations?", National
Post (20 de fevereiro de 1999).
Para as "novas democracias" do Leste europeu, assegurar este padrão "seria
corresponder à sua passagem do totalitarismo para estados democráticos".
Eizenstat é um alto funcionário do governo americano e um destacado defensor de
Israel. A julgar, porém, pelos respectivos direitos exigidos pelos índios americanos
e pelos palestinos, nem os EUA nem Israel fizeram ainda esta transição.85
Em seu testemunho na Câmara, Hirschson invocou o melancólico
espetáculo das idosas e "necessitadas vítimas do Holocausto", na Polônia,
"vindo ao meu escritório no Knesset todos os dias (...) implorando para ter de
volta o que lhes pertencia (...), ter de volta as casas que deixaram, ter de volta as
lojas que deixaram". Enquanto isso, a indústria do Holocausto trava batalha
numa segunda frente. Repudiando o ilusório mandato da Organização Mundial de
Restituição Judaica, as comunidades judaicas locais do Leste europeu
demarcaram seus próprios direitos sobre os bens judaicos sem herdeiros. Para
se beneficiar de tais compensações, no entanto, um judeu precisa formalmente
aderir à comunidade judaica local. O tão esperançoso reflorescimento da vida
judaica está, portanto, prestes a ser transferido, já que os judeus do Leste europeu
debatem suas raízes recentemente descobertas num pedaço do butim do
Holocausto.86
A indústria do Holocausto gaba-se de destinar o dinheiro das compensações a
obras de caridade judaicas. "Embora a caridade seja uma causa nobre", observa um
advogado representante de vítimas verdadeiras, "é errado fazer isso com o dinheiro
dos outros." Uma obra favorita é a "educação do Holocausto" -- o "maior legado de
nossos esforços", segundo Eizenstat.

Audiências diante do Comitê de Relações Internacionais, Câmara de Deputados, 6 de
85
agosto de 1998. Atualmente vice-presidente honorário do AJC, Eizenstat foi o
primeiro presidente do Institute on American Jewish-Israeli Relations (Instituto de
Relações Judaicas America-no-Israelenses do AJC).
86
Audiências diante do Comitê de Relações Internacionais, Câmara de Deputados, 6 de
agosto de 1998. Marilyn Henry, "Whose Claim Is It Anyway?" ao Jerusalem Post (4
de julho de 1997). Bindenagel, Washingt on Conference on Holocaust-Era Assets, 705.
Editorial, "Jewish Property Belongs to Jews", no Haaretz (26 de outubro de 1999).
Hirschson também é fundador de uma organização chamada "March of the Living"
(Marcha dos Vivos), uma peça central na educação do Holocausto e a maior
beneficiária do dinheiro das compensações. Neste espetáculo de inspiração sionista
com um elenco de milhares, a juventude judaica de todo o mundo é levada aos
campos de extermínio na Polônia, para uma primeira aula sobre a perversidade dos
gentios, antes de voarem a Israel em busca de salvação. O Jerusalem Report capta este
momento de Holocausto kitsch na Marcha: "'Eu estou tão assustada, não posso
continuar, já queria estar em Israel', repete várias vezes uma jovem de Connecticut.
Seu corpo está tremendo. (...) De repente, sua amiga arranca uma grande bandeira
israelense. Cobre as duas com ela e ambas prosseguem andando." Uma bandeira
israelense: não saia de casa sem ela.87
Ao falar na Conferência de Washington sobre os Bens da Era do Holocausto,
David Harris do AJC tornou-se eloqüente sobre o "profundo impacto" que as
peregrinações aos campos de morte nazistas causam sobre a juventude judaica. O
Forward descreveu com ternura um episódio particularmente assustador. Sob o título
"Jovens Israelenses Fazem Travessuras Após Visitar Auschwitz", o jornal explicou que,
segundo especialistas, os estudantes de kibutz "contrataram strip-teasers para relaxar
das emoções perturbadoras provocadas pela excursão". Estes mesmos tormentos
aparentemente tomaram conta de estudantes judaicos numa excursão ao Museu
Memorial Americano do Holocausto, os quais, segundo o Forward, "ficaram correndo em
torno e se divertindo, sentindo-se capazes de enfrentar qualquer coisa".88


87
Sergio Karas, "Unsettled Accounts", no Globe and Mail (1° de setembro de 1998).
Stuart Eizenstat, "Remarks", Conference on Jewish Material Claims Against Germany
and Áustria Annual Meeting (Nova York; 14 de julho de 1999). Tom Sawicki, "6.000
Witnesses", no Jerusalem Report (5 de maio de 1994).
88
Bindenagel, Washington Conference on Holocaust-Era Assets, 146. Michael Arnold,
"Israeli Teens Frolic With Strippers After Auschwitz Visit", no Forward (26 de
novembro de 1999). A congressista Carolyn Maloney, de Manhattan, informou com
orgulho ao Comitê Bancário da Câmara sobre uma conta que ela abriu, a Ação de
Educação do Holocausto, que "será abastecida com subvenções do Departamento
de Educação para as organizações do Holocausto treinarem professores e
providenciarem literatura para escolas e comunidades que reforcem a educação do
Holocausto".


Alguém duvida do bom senso da decisão da indústria do Holocausto em empregar o
dinheiro das compensações na educação do Holocausto, em vez de "gastar os fundos à
toa" (Nahum Goldmann) com sobreviventes dos campos de morte nazistas?89
Em janeiro de 2000, políticos de quase cinqüenta países, incluindo o
primeiro-ministro de Israel, Ehud Barak, compareceram a uma grande conferência
sobre educação do Holocausto em Estocolmo, A declaração final da conferência
enfatizava a "grave responsabilidade" da comunidade internacional em combater os
erros do genocídio, da faxina étnica, do racismo e da xenofobia. Uma repórter
sueca depois perguntou a Barak sobre os refugiados palestinos. Por princípio,
Barak respondeu, ele era contra a volta de qualquer refugiado a Israel: "Não
podemos aceitar a responsabilidade moral, legal ou qualquer outra pelos
refugiados." Obviamente, a conferência foi um tremendo sucesso.90
O Guia de Compensação e Restituição para Sobreviventes do Holocausto da
Conferência Judaica de Compensações lista um grande número de organizações
afiliadas. Surgiu, de repente, uma vasta e rica burocracia. Companhias de seguro,
bancos, museus de arte, indústrias privadas, arrendatários e fazendeiros de quase
todos os países europeus estão sob a ameaça da indústria do Holocausto. Mas as
"necessitadas vítimas do Holocausto", em cujo nome age a indústria do Holocausto,
se queixam de que ela está "apenas perpetuando a expropriação". Muitas entraram
com processo contra a Claims Conference.

Zweig, Germ an Reparations and t he Jewish World, 118. Goldmann foi fundador do
89

WJC e o primeiro presidente da Claims Conference.
90
Marilyn Henry, "Internacional Holocaust Education Conference Begins", no Jerusalem
Post (26 de janeiro de 2000). Marilyn Henry, "PM: We Have No Moral Obligations to
Refugees", no Jerusalem Post (27 de janeiro de 2000). Marilyn Henry, "Holocaust
'Must Be Seared in Collective Memory'", ao Jerusalem Post (30 de janeiro de 2000).
O Holocausto pode vir a se tornar o "maior roubo da história da humanidade".91
O historiador Ilan Pappe conta que, quando Israel entrou pela primeira vez
em negociações com a Alemanha por reparações após a guerra, o primeiro-ministro
Moshe Sharett propôs transferir uma parte aos refugiados palestinos, "a fim de
corrigir o que tem sido chamado de pequena injustiça (a tragédia palestina),
causada pela mais terrível de todas (o Holocausto)".92 Nunca nada surgiu da
proposta. Um famoso acadêmico israelense sugeriu usar uma parte dos fundos dos
bancos suíços e das indústrias alemãs para "compensar os refugiados árabes
palestinos".93 Uma vez que quase todos os sobreviventes do holocausto nazista já
morreram, esta seria uma proposta sensível.
No melhor estilo do WJC, Israel Singer fez o "anúncio assustador", em 13 de
março de 2000, de que um recente documento americano não oficial revelou que a
Áustria ainda retinha bens de judeus sem herdeiros da era do Holocausto no valor de
outros 10 bilhões de dólares. Singer também denunciou que "cinqüenta por cento de
toda a arte da América foram pilhados da arte judaica".94 A indústria do Holocausto
prossegue evidentemente enlouquecida.


91
Claims Conference, Guide to Com pensation and Restitution for Holocaust Survivors
(Nova York: s/d.). Vincent, Hitler's Silent Partners, 302. ("expropriação"); cf. 308-9.
Ralf Eibl, "Die Jewish Claims Conference ringt um ihren Leumund. Nachkommen
jüdischer Sklaven (...).", no Die Welt (8 de março de 2000) (processos). O web site H-
Holocaust (www2.h- nes.msu.edu), por exemplo, barrou textos críticos enviados
apesar das provas totalmente documentadas (correspondência pessoa] com o membro
do grupo Richard S. Levy, 19-21 de novembro de 1999).
92
Ilan Pape, The Making of the Arab-Israeli Conflict. 1947- 51 (Londres: 1992), 268.
93
Clinton Bailey, "Holocaust Funds to Palestinians May Meet Some Cost of
Compensation", no International Herald Tribune; republicado ao Jordan Times (20 de
junho de 1999).
94
Elli Wohlgelernter, "WJC: Áustria Holding $10b. In Holocaust Victims' Assets", no
Jerusalem Post (14 de março de 2000). Em seu testemunho subseqüente ao
Congresso, Singer destacou a suspeita contra a Áustria, mas -- como era de se
esperar -- manteve um discreto silêncio sobre as acusações contra os EUA.
(Audiências diante do Comitê de Relações Exteriores, Senado dos Estados Unidos, 6
de abril de 2000.)


CONCLUSÃO


Restou considerar o impacto do Holocausto nos Estados Unidos. Ao fazer isso,
quero também citar as próprias observações críticas de Peter Novick sobre o
assunto.
Além dos memoriais do Holocausto, dezessete estados incluem ou
recomendam programas do Holocausto em suas escolas, e muitos colégios e
universidades foram dotados com cadeiras de estudos sobre o Holocausto. Toda
semana há uma grande matéria sobre um relato do Holocausto no New York Times.
O número de estudos acadêmicos devotados à Solução Final nazista pode ser
estimado em mais de 10.000. É só comparar com as bolsas de estudo sobre a
hecatombe no Congo. Entre 1891 e 1911, 10 milhões de africanos morreram
durante a exploração dos recursos congoleses de marfim e borracha. Porém, o
primeiro e único estudo de peso em inglês voltado a este tema foi publicado há
apenas dois anos.1
Dado o grande número de instituições e profissionais dedicados a preservar
sua memória, O Holocausto agora está firmemente entrosado na vida americana.
Novick, no entanto, expressa dúvidas sobre se isto é bom. Em primeiro lugar, ele
considera numerosos exemplos dessa vulgarização. De fato, é difícil mencionar uma
única causa política, seja ela pró-vida ou pró-escolha em relação ao aborto, direitos
animais ou direitos de cidadania, que não envolva O Holocausto. Ao depreciar
propósitos espalhafatosos nos quais O Holocausto caiu, Elie Wiesel declarou: "Eu
juro evitar (...) espetáculos vulgares."2 Embora Novick relate que "a foto mais
imaginativa e sutil do Holocausto surgiu em 1996, quando Hillary Clinton, então sob
fogo pesado por vários supostos delitos, apareceu no corredor da Câmara
durante um comunicado à nação de seu marido (muito televisionado), ladeada por
sua filha, Chelsea, e Elie Wiesel".3


1
Adam Hochschild, King Leopold's Ghost (Boston: 1998), O fantasm a do rei Leopoldo
(Brasil: 1999).
2
Wiesel, Against Silence, v. iii, 190; cf. v. i, 186, v. ii, 82, v. iii, 242, e Wiesel, And the
Sea,
18.
3
Novick, The Holocaust, 230-1.
Para Hillary Clinton, os refugiados de Kosovo, postos em fuga pela Sérvia durante
os bombardeios da OTAN, lembravam cenas do Holocausto em A list a de Schindler.
"Gente que aprende história com filmes de Spielberg", comentou sarcasticamente
um dissidente sérvio, "não deveria nos dizer como viver nossas vidas."4
A "pretensão de que o Holocausto é uma memória americana", argumenta
Novick mais adiante, é uma evasão moral. Ela "conduz à negligência daquelas
responsabilidades que realmente pertencem aos americanos no confronto com seu
passado, seu presente e seu futuro" (a ênfase é do original).5 Ele tocou num ponto
importante. É muito mais fácil deplorar crimes dos outros do que olhar para os
próprios. Também é verdade, entretanto, que, se houvesse vontade, poderíamos
aprender muito sobre nós mesmos com a experiência nazista. O Destino Manifesto
antecipou quase todos os elementos ideológicos e programáticos da política do
Lebensraum* de Hitler. Sem dúvida, Hitler copiou sua conquista do Leste da
conquista americana do Oeste.6 Durante a primeira metade deste século, a maioria
dos estados americanos aprovou leis de esterilização e dezenas de milhares de
americanos foram involuntariamente esterilizados. Os nazistas invocaram
explicitamente este precedente quando aprovaram suas próprias leis de esterilização.7
As famosas Leis de Nuremberg, de 1935, tiraram o privilégio dos judeus e proibiram
a miscigenação entre judeus e não-judeus.


4
New York Times (25 de maio de 1999)
5
Novick, The Holocaust, 15.
*Lebensraum: território que se acredita ser necessário para a existência nacional ou auto-
suficiência econômica. (N. da T.).
6
John Toland, Adolf Hitler (Nova York: 1976), 702. Joachim Fest, Hitler (Nova York:
1975), 214, 650. Ver também Finkelstein, Image and Reality, cap. 4.
7
Ver, por exemplo, Stefan Kühl, The Nazi Connection (Oxford: 1994).

Os negros do Sul americano sofreram as mesmas privações legais e foram objeto de
uma violência popular sancionada e muito mais espontânea do que os judeus na
Alemanha às vésperas da guerra.8
Para destacar crimes cometidos no exterior, os EUA com freqüência evocam
lembranças do Holocausto. O aspecto mais revelador, no entanto, é quando os
EUA invocam O Holocausto. Crimes de inimigos políticos como o banho de sangue
do Khmer Vermelho no Camboja, a invasão soviética do Afeganistão, a invasão do
Kuwait pelo Iraque e a limpeza étnica dos sérvios em Kosovo lembram O
Holocausto; mas não crimes dos quais os EUA são cúmplices.
Enquanto as atrocidades do Khmer Vermelho aconteciam no Camboja, o
governo da Indonésia, chancelado pela retaguarda americana, causava o massacre de
um terço da população no Timor Leste. Mas, ao contrário do Camboja, o genocídio do
Timor Leste não foi considerado comparável ao Holocausto; ele sequer foi considerado
notícia para cobertura.9 Enquanto a União Soviética cometia o que o Simon
Wiesenthal Center chamou "outro genocídio" no Afeganistão, o apoio dos EUA ao
regime da Guatemala estava perpetrando o que a Comissão sobre a Verdade
Guatemalteca recentemente chamou de "genocídio" contra a população indígena dos
maias. O presidente Reagan descartou as acusações contra o governo da Guatemala
como "uma injustiça".


8
Ver, por exemplo, Leon F. Litwack, Trouble in Mind (Nova York: 1998), caps. 5-6. A
louvada tradição ocidental também está profundamente implicada com o nazismo. Para
justificar o extermínio dos incapacitados -- precursor da Solução Final --, os médicos
nazistas aplicaram o conceito "vida indigna da vida" (lebensunwertes Leben). Em
Górgias, Platão escreveu: "Não acho que a vida valha a pena se o corpo de uma pessoa
está em um estado terrível." Em A república, Platão sancionou o assassinato de crianças
defeituosas. A oposição de Hitler em Mein Kam pf ao controle da natalidade, por se
apropriar da seleção natural, foi pressagiado por Rousseau em seu Discurso sobre as
origens da desigualdade. Logo depois da Segunda Guerra Mundial, Hannah Arendt
refletiu que "o curso subterrâneo da história ocidental finalmente veio i tona e usurpou a
dignidade de nossa tradição" {Origins of Totalitarianism, ix).
9
Ver, por exemplo, Edward Herman e Noam Chomsky, The Polit ical Econom y of
Human Rights, v. i: The Washington Connection and Third World Fascism (Boston;
1979), 129-204.
Para homenagear as conquistas de Jeane Kirkpatrick como chefe do governo Reagan
apologista dos crimes desenvolvidos na América Central, o Simon Wiesenthal Center
deu-lhe o Prêmio Humanitário do Ano.10 Simon Wiesenthal foi assediado em
particular para reconsiderar o prêmio. Ele recusou. Pediram privadamente a Elie Wiesel
para interceder junto ao governo de Israel, um dos principais fornecedores de armas
aos açougueiros guatemaltecos. Ele também recusou. O governo Carter invocava a
memória do Holocausto, enquanto procurava um porto para o "boat people" vietnamita
rugindo do regime comunista. O governo Clinton esqueceu O Holocausto, enquanto
forçava a volta do "boat people" haitiano, escapando dos esquadrões da morte
apoiados pelos EUA.11
A memória do Holocausto assomou em demasia quando a OTAN, dirigida pelos
americanos, começou o bombardeio da Sérvia na primavera de 1999. Como vimos,
Daniel Goldhagen comparou os crimes sérvios contra Kosovo com a Solução Final e, a
pedido do presidente Clinton, Elie Wiesel visitou os campos de refugiados kosovares na
Macedônia e na Albânia. Já antes, porém, que Wiesel fosse derramar lágrimas pelos
kosovares, o regime indonésio, apoiado pelos EUA, repetiu o que deixou de fora no final da
década de 1970, ao cometer novos massacres no Timor Leste. O Holocausto desapareceu
da memória, no entanto, quando o governo Clinton condescendeu com a sangria. "A
Indonésia e o Timor Leste", explicou um diplomata ocidental, "não importam."12
Novick assinala a passiva cumplicidade dos EUA em catástrofes humanas diferentes
sob outros aspectos, embora comparáveis em escala ao extermínio nazista. Ao lembrar, por
exemplo, o milhão de crianças mortas na Solução Final, ele observa que os presidentes
americanos fazem muito pouco além de lamentar tantas vezes, pelo mundo afora, que
numerosas crianças "morrem de subnutrição e doenças preveníveis" todos os anos.13

Response (março de 1983 e janeiro de 1986).
10

11
Noam Chomsky, Turning t he Tule (Boston: 1985), 36 (Wiesel citado de uma
entrevista na imprensa hebraica). Berembaum, World Must Know,3.
12
Financial Times (8 de setembro de 1999).
13
Novick, The Holocaust, 225.
Pode-se também considerar um caso pertinente de ativa cumplicidade americana. Depois
que a coalizão chefiada pelos Estados Unidos devastou o Iraque em 1991 para punir
"Saddam-Hitler", os EUA e a Grã-Bretanha forçaram sanções criminosas da ONU contra
aquele infeliz país numa tentativa de depô-lo. Tal como no holocausto nazista, também
morreram um milhão de crianças.14 Questionada em rede nacional sobre a terrível taxa de
mortos no Iraque, a secretária de Estado Madeleine Albright respondeu que "o preço
valeu a pena".
"O grande exagero do Holocausto", argumenta Novick, "limita seriamente
sua capacidade de nos dar lições aplicáveis ao nosso cotidiano mundial." Como
"marca de opressão e atrocidade", ele tende a "banalizar crimes de menor
magnitude".15 Todavia o holocausto nazista também pode nos tornar sensíveis a
essas injustiças. Visto através das lentes de Auschwitz, o que antes era tomado
como certo -- por exemplo, o fanatismo -- não o é mais. 16 Na verdade, foi o
holocausto nazista que desacreditou o racismo científico tão difundido como um
aspecto da vida intelectual americana antes da Segunda Guerra Mundial.17
Para os que assumiram um compromisso com o aperfeiçoamento da
humanidade, uma bandeira do mal não impede, antes convida a comparações. A
escravidão ocupou aproximadamente o mesmo lugar na moral universal do final do
século XIX que o holocausto nazista ocupa hoje. Por conseqüência, foi invocada com
freqüência para elucidar males não completamente avaliados. John Stuart Mill
comparou a condição das mulheres na família, a mais reverenciada instituição
vitoriana, com a escravidão. Ele ousou afirmar que, em muitos aspectos, era pior.


14
Ver, por exemplo, Geoff Simons, The Scourging of Iraq (Nova York: 1998).
15
Novick, The Holocaust, 244, 14.
16
Sobre este ponto, ver especialmente Chaumont, La concurrence, 316-18.
l7
Ver, por exemplo, Carl N. Degler, I n Search of Hum an Nat ure (Oxford: 1991),
202ss.


"Estou longe de alegar que as esposas não são mais bem tratadas que os escravos;
mas nenhum escravo é escravo na mesma magnitude e num sentido tão amplo da
palavra como uma esposa."18 Só os que costumam ver o mal dentro de uma
moral restrita e não de uma ideologia é que rechaçam tais analogias. "Não
compare" é o mantra da moral dos chantagistas.19
O organizado judaísmo americano explorou o holocausto nazista para
desviar as críticas de Israel e suas políticas moralmente indefensáveis. A persistência
destas políticas pôs Israel e o judaísmo americano numa posição coincidente: o
destino de ambos agora depende de um frágil fio que passa pelas elites
governamentais americanas. Se estas elites decidirem que Israel é suscetível e o
judaísmo americano descartável, o fio pode ser cortado. Sem dúvida, trata-se de
uma especulação -- talvez excessivamente alarmista, mas nem tanto.
Predizer a postura das elites judaicas americanas diante dessas
eventualidades, no entanto, seria brincadeira de criança. Se Israel entrar em choque
com os Estados Unidos, muitos desses líderes que agora escancaram sua defesa de
Israel iriam corajosamente divulgar sua desafeição pelo Estado judaico e acusar os
judeus americanos de transformarem Israel numa religião. E se os círculos
governamentais americanos decidirem fazer os judeus de bode expiatório, não
ficaríamos surpresos se os líderes judeus americanos agissem exatamente como
seus predecessores durante o holocausto nazista. "Não imaginamos que os
alemães fossem impor no elemento judaico", lembrou Yitzhak Zuckerman, um
organizador do Levante do Gueto de Varsóvia, "que judeus conduziriam judeus à
morte".20


18
John Stuart Mill, On the Subjection of Women (Cambridge: 1991). 148.
Mas é repugnante comparar o holocausto nazista, como propõe Michael
19

Berenbaum, apenas para "demonstrar o direito à singularidade" (After Tragedy, 29).
Zuckerman, A Surplus of Memory, 210.
20


Durante uma série de debates públicos na década de 1980, muitos estudiosos
famosos, alemães e não-alemães, argumentaram contra a "normalização" das
infâmias do nazismo. O medo era que a normalização induzisse à complacência
moral.21 No entanto, por mais que o argumento fosse então válido, ele não mais
carrega uma condenação. As assustadoras dimensões da Solução Final de Hitler são
agora bem conhecidas. Mas a história "normal" da humanidade não continua
repleta de horripilantes capítulos de desumanidade? Um crime não precisa ser
aberrante para justificar o espanto. O desafio hoje é restaurar o holocausto nazista
como um tema racional de investigação. Só então poderemos aprender com ele. A
anormalidade do holocausto nazista surge não do acontecimento em si, mas da
exploração industrial nascida em torno dele. A indústria do Holocausto sempre foi
desprovida de virtudes. Resta dizer isso abertamente. Já é tempo de encerrar
suas atividades. O gesto mais nobre para com os que morreram é preservar sua
memória, aprender com seu sofrimento e deixar, finalmente, que descansem em
paz.


21
Eu me refiro aqui canto ao Historikerstreit (debate de historiadores) quanto à
correspondência a ser publicada entre Saul Friedländer e Martin Broszar. Em ambos
os exemplos, o debate girou cm grande escala em torno da natureza absoluta contra
a relativa dos crimes nazistas; por exemplo, a validade de comparações com o Gulag.
Ver Peter Baldwin (org.)> Reworking t he Post (org.), Richard J. Evans (org.)- In
Hit ler's Shadow (Nova York: 1989), James Knowkon e Truett Cates, Forever in t he
Shadow of Hit ler! (Atlantic Híghlands, NJ: 1993) e Aharon Weiss (org.), Yad Vashem
Studies XIX (Jerusalém: 1988).

Nenhum comentário: