LER é VIAJAR, APRENDER, ADQUIRIR CULTURA, É TORNAR-SE GENTE.

Sejam bem vindos!

Para ter o texto Offline em formato txt, solicite-o via e-mail.

Caso se interesse pelos anúncios click nos mesmos para conhecê-los melhor e assim ajude o blogg Cego Lendo Livro.

Postagens super interessantes

Deixe seu email:

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Introdução a Psicologia da Criança

INTRODUÇÃO à PSICOLOGIA DA CRIANÇA
P. DAMASCO PENNA

Conheça todas as fases da infância de seus filhos, realmente um livro
de leitura obrigatória para pais e futuros pais.

CAPITULO PRIMEIRO

A criança e a infância: alguns dados gerais

A noção de hereditariedade .......................... 1 A importância dos estímulos dó meio .................. 7 Plasticidade da
criança e necessidade do meio humano ..... 15 Significação da infância ............................ 17 Será possível uma descrição do crescimento
psíquico? ... . . 18
0 desenvolvimento psíquico: suas características ......... 25

Os estágios ....................................... 27

CAPITULO SEGUNDO

A "idade bebé"

(de 0 a cerca de 15 meses)

Delimitação do estágio ............................. __29 * fase pré-natal e o nascimento ..................... 29

* equipamento do recém-nascido .................... 32 Os começos da organização .......... . .............. 33 Os começos da sociabilidade
....................... 39 As primeiras reações emocionais ..................... 42 Quadro sumário do desenvolvimento motor ............
45 Os começos da inteligência ......................... 49

VII

CAPITULO TERCEIRO

0 período da expansão subjetiva (de 1 a cerca de 3 anos)

Caracterização do estágio ....................... os progressos da motricidade .................... A representação ...............................
A linguagem ..................................
0 egocentrismo e a transdução .................. A evolução afetiva e social .....................

CAPITULO QUARTO

0 descobrimento da realidade exterior

(de 3 a cerca de 6 anos)

Caracterização do estágio ....................... Os problemas afetivos: o édipo ................. A consciência moral primitiva ...................
Os problemas afetivos: o ci*úme ..................

A socialização pelos iguais ..................... As características intelectuais: a intuição ........... A motilidade: a idade da graça ..................

CAPITULO QUINTO

A desagregação da subjetividade primitiva (de 6 a cerca de 9 anos)

Caracterização do estágio: a escolarização ........ A vida em grupo e o desenvolvimento social .......

As transformações do pensamento: a lógica ........ Os progressos motores ......................... A evolução afetiva ............................

VIII

CAPITULO SEXTO

A maturidade infantil (de 9 a cerca de 12 anos)

Caracterização do estágio ............................ 138
0 acabamento da inteligência infantil ................. 141 A vida social: a "turma" ........................... 144 A moral da criança crescida
....................... 153 A vida social: o adulto e a família ................... 154 A autodeterminação e a vontade .....................
157

0 "eu interior" e a expectativa ...................... 161
0 fim da infância ................................. 163

Da telescopagem (nota dos tradutores) ................ 165 Indicações bibliográficas ............................. 169 Indice analítico ........................


........... 175 Indice onomástico ................................. 179

IX

NOTA DOS TRADUTORES

(para a 12.* edição)

Quando, há tempo, foi dada à estampa a segunda edição deste livro, os tradutores lhe apusemos a seguinte nota preliminar.

"Esta segunda edição é algo mais que simples reimpres-

são. Pois, o texto português, além de cotejado com o da última edição francesa (1963), foi revisto de ponta a ponta, no empenho de tradução mais fiel e mais elegante.
E, ademais, algumas notas foram acrescentadas, com vistas àquela informação suplementar cuja conveniência o uso do pequeno excelente livro, em cursos de nível médio,
vinha demonstrando."

Desta edição, cabe dizer, por igual, que não é simples reimpressão. 0 texto vernáculo foi comparado com o da derradeira edição francesa (1976), a fim de ajustar-se,
como cumpria, a todas as alterações introduzidas pelo Autor, e não eram poucas. Além disso, com o mesmo propósito de elegância e fidelidade da tradução, foi, ainda
uma vez, revisto de ponta a ponta. E também se acrescentaram algumas notas, e se modificaram passagens de notas já constantes das edições anteriores desta primorosa
Introdu- ção à psicologia da criança.

L.D.P.

J.B.D.P.

XI

PREFÁCIO

(da edição francesa renovada)

Este livro nasceu da impressão muito viva, sentida não há muito, ao verificar, todo santo dia, a distância entre os conhecimentos relativamente seguros e coerentes,
embora parciais e provisórios, elaborados pelos especialistas do desenvolvimento da criança, e a imagem que o público possuía desse desenvolvimento, e de suas condições.
Parecia-me chocante, em domínio, a um tempo, tão importante e tão delicado, foyse possível ignorar completamente as contribuições das investigações rigorosas, e
fosse possível "viver ao lado das crianças sem nada compreender do, que nelas se passa". Parecia-me igualmente lamentável que essas contribuiçõ es científicas preciosas
figurassem, na maior parte, em obras muito especializadas, de acesso geralmente difí cil. Ao pôr à disposição do público uma descrição simples e sucinta do desenvolvimento
psíquico da criança, esperava contribuir, em certa medida, para reduzir essa distância, cujos efeitos deplorava.

0 acolhimento do qual se beneficiou, a despeito de suas imperfeições, esta pequena Introdução, mostra que correspondia, com efeito, a certas necessidades precisas.
Há certa razão para pensar que essas necessidades continuam a existir, e que meu objetivo inicial continuou válido, ainda quando, depois da redação desta obra, as
idéias e as práticas em matéria educacional tenham razoavelmente mudado, ainda quando a atitude geral dos adultos a respeito das crianças tenha evolvido sensivelmente.
Cumpre, aliás, não nos iludamos demais: entre os fatores dessa mudança muitos há que não têm nenhuma relação com melhor conhecimento da realidade infantil. A apresentação
de certa maneira de encarar, no conjunto, o desenrolar da infância, fundada na investigação rigorosa, pode, pois, ser útil sempre.

Hoje, contudo, sabemos melhor que não se trata, precisamente, senão de certa maneira de encarar o desenvolvimento, e

XIII

descrevé-lo. Sabemos que várias modalidades desse desenvolvimento dependem, também elas, das condições educacionais, ou mesológicas, que a criança defronte. Certo,
a psicologia da criança, como disciplina, igualmente evolveu. Talvez fosse necessário, então, reescrever completamente este livro; haveria de tornar-se, inevitavelmente,
livro de todo diverso, mais completo e mais matizado, sem dúvida, mais pessoal, talvez; já não haveria de corresponder, contudo, a meu propósito primitivo.

Revendo a obra, não pude deixar de remanejar assaz profundamente certos parágrafos, que absolutamente não me satisfaziam mais, seja porque o conteúdo não me parecesse
mais corresponder aos conhecimentos atuais e às situações de hoje, seja porque a formulação inicial me parecesse pouco feliz. Suprimi certas passagens, tornadas,
em verdade, muito discutíveis; introduzi, aqui ou ali, alguns dados novos que me parecia não poderem ser deixados na sombra, no quadro geral do trabalho. Mas, ao
cabo de contas, é sempre, realmente, o mesmo livro que o leitor tem diante dos olhos, algo melhorado, espero, e sempre correspondente a seu objetivo inicial.

PAUL OSTERRIETH

XIV

PREFÂCIO DO AUTOR PARA A PRIMEIRA EDIÇÃO BRASILEIRA

Com a idéia de que o adulto podia ser ajudado a compreender melhor, e a melhor apreciar, as particularidades de seuLparceiros infantis é que foi redigido este pequeno
volume. @Certa compreensão da infância, e do comportamento da criança, pode dar-nos, sem dúvida, o senso das praporções em matéria de educação, pode dgspertar-nos
o interesse pelo prodigioso desenvolvimento ao qual assistimos, pode suscitar-nos, outrossim, o respeito por tudo quanto se abre e desabrocha na criança, e está
pejado de promessas de porvir. Tudo isso nos compensa largamente a atenção; e merece mais que um pouco de enternecimento passageiro. Estamos que, seja qual for o
encanto que possa ter, a infân;.,j cia deve ser levada a sério pelo adulto.

Não é possível, naturalmente, que cada qual siga, de perto, a evolução e o acréscimo contínuo de nosso conhecimento psicológico da criança. A observação, a prática
psicológica, ou pedagógica, a investigação científica vivem a trazer, para esse conhecimento, novos elementos; e até ao especialista não é fácil manterse, assim-assim,
a par. Não é possível, contudo, ignorar todo esse domínio, que a todos nos diz respeito, na medida em que, todos, sem exceção, temos de tratar com crianças. E é
tão menos possível quanto, em nossa época, bem mais, sem dúvida, do que em passado recente, os adultos vivemos em contato direto com as crianças e com o mundo infantil.
Eois, nãojestamos a assistir, em muitos e muitos meios, a uma aproximação entre o adulto e a criança, numa comunidade familial, escolar e social, onde a criança
não faz figura de intruso mais ou menos tolerado, ou de quantidade desprezível e, sim, de parceiro e participante ativo? Certo, é lícito pensar que isso é excelente;
apenas, cumpre levar em conta as características próprias da infância, a fim de que essa aproximação valha, e traga pleno benefício.

XV

o acolhimento dispensado, a este livrinho, Pelo público de língua francesa, mostrou que não me enganara ao pensar que pudesse prestar algum sei-viço uma obra simples,
e diretamente acessível, a qual permitisse, ao leitor não especializado, fazer idéia de conjunto dos principais aspectos do desenvolvimento psíquico. A mesma necessidade,
por certo, terá ocorrido alhures, pois, graças à diligência avisada e atenta do Professor J. B. Damasco Penna, estou podendo entrar em contato com o público de língua
portuguesa e, mais particularmente, com todos quantos, no Brasil, colocam a criança no centro de suas preocupações. É, para mim, a um tempo, honra e alegria, pois
esse cuidado da criança, e de melhor compreensão dos momentos capitais que ela está a viver, me parece estabelecer um laço de solidariedade entre todos quantos a
isso são sensíveis, e por isso se interessam, malgrado todas as diferenças de clima, de mentalidade, ou de usos e costumes.

Praz-me pensar que esta tradução possa contribuir ' com sua parte modesta, para esse objetivo e, por isso, agradeço calorosa- @,,iente à Companhia Editora Nacional.

XVI

PREFÁCIO

(da primeira edição francesa)

0 estudo psicológico da criança conheceu, nestes últimos cinqüenta anos, expansão muito considerável. Os fatos que os pesquisadores reuniram, as teorias que elaboraram,
constituem, atualmente, vasto e variado conjunto, cada vez mais difícil de abarcar na totalidade. Ã vista dessa evolução, admira quão pouco os conhecimentos assim
acumulados chegaram, ao cabo de contas, ao* público, cuja imensa maioria, entretanto, está, deste ou daquele modo, em contato mais ou menos regular com a criança.

Bem raros, com efeito, são os adultos que dispensam à infância o interesse que a infância merece, bem raros os pais que têm idéia global da evolução do filho, ou
alcançam a significação desta ou daquela fase de seu desenvolvimento. Preocupados, so-

bretudo, com a própria tranqüilidade, ou com os bons modos da progenitura, muitos pais pouco se incomodam, no fim das contas, com aquilo que os filhos estão a viver;
contentam-se, na matéria, com chapas muito antigas, cuja origem é bem anterior às investigações científicas. Numa palavra: dialogamos, ordinariamente, sem ter em
conta o interlocutor; e aí está, sem dúvida, uma das causas principais dos "erros de educação" e das dificuldades entre adultos e crianças.

Certa experiência, adquirida, a um tempo, no ensino das ciências pedagógicas na Universidade, e no serviço de pais, educadores e crianças às voltas com dificuldades,
levou-me a pensar que uma obra de introdução ao estudo do desenvolvimento psíquico poderia ter alguma utilidade. Esta' Introdução não visa, de modo algum, a 'substituir-se
às grandes obras básicas; nada de novo

traz aos especialistas em psicologia da criança, aos quais, aliás, não se destina. Desejaria, simplesmente, permitir, a qualquer pessoa, fazer uma primeira idéia
geral do desenvolvimento psíquico decorrente entre o nascimento e os arredores da puberdade, dan-

XVII

.1 dessa evolução, imagem simples e concisa, nem de todo insueta,
01 de todo estranha aos resultados da pesquisa científica. 0 :,,Odro que tentei esboçar destina-se a quantos, pelas atividades ou

s responsabilidades, são colocados diante dos problemas da fância. Pensei mais particularmente nos pais, nos educadores, nos pediatras, nos assistentes sociais,
sem esquecer meus caros estudalites que estão a iniciar-se nesse domínio particular da Psicologla, Se este livro pudesse ajudar os adultos a não viver ao lado das
crianças sem nada compreender do que nelas se passa, teria dtingi,do largamente o objetivo.

Fui constantemente conduzido, neste trabalho, pelo ensinamento dos grandes mestres da disciplina, e colhi largamente em suas obras, inconscientemente, e também conscientemente;
e, assim, contraí pesada dívida para com eles, e bem assim para com numerosos colegas. Espero não lhes haver traído a pensamento; e desejo que, pelas próprias imperfeições,
e pelos problemas que deixa em suspenso, este livro incite o leitor a voltar-se para as obras de primeira plana. Uma bibliografia sumária indica os trabalhos aos
quais recorri mais particularmente; está bem longe de cobrir a totalidade das publicações essenciais concernentes ao obieto deste livro.

Durante todo o trabalho de redação, jamais meu pensamento se desviou de orientação concreta e prática. Todavia, não se encontrarão aqui nem "receitas" pedagógicas,
nem "casos" espetaculoDela

sos: quis ficar no domínio da Psicologia, e no do desenvolvimento normal. Não obstante, nem por isso me impedi de algumas'incursões no terreno da educação, quando
parecem particularmente indicadas.

Tenha-se bem em vista, enfim, o seguinte: o que aqui está é simples introdução e, nunca, de modo algum, tratado exaustivo!

P.0.

XVIII

INTRODUÇÃO Ã PSICOLOGIA DA CRIANÇA

CAPITULO I

A criança e a infância: alguns dados gerais

Ante o pequenino que acaba de nascer, a roda entemecida reage, em geral, segundo duas tendências divergentes. Uns se es-

forçam por achar, no recém-nascido, algum traço que lembre os antepassados, enquanto outros nele buscam alguma característica original; aqueles são sensíveis à continuidade
da vida, à continuação do que já foi, estes se impressionam, antes, com o que cada existência humana realiza de novo, e de perfeitamente único.

Se tais reflexões são ingénuas e triviais, nem por isso sublinham menos uma profunda verdade: por meio desse recém-nascido, algo que vem do passado mais remoto vai
uma vez mais desenvolver-se e continuar; e, contudo, essa continuação tomará, inevitavelmente, aspecto particular, essencialmente imprevisível e novo. Sabemos, com
efeito, que a criança se assemelhará aos que a precederam; mas sabemos, também, que será "ela mesma", isto é, diferente.

A noção de hereditariedade

0 aspecto parecença, reprodução do semelhante, é, sem dúvida, o que mais nos impressiona. Essa parecença, com efeito, sobretudo física, é, muita vez, evidente no
seio da mesma família; não nos pode deixar indiferentes, pois constitui como que o sinal material de nossa própria continuidade, ou da continuidade de seres que
desempenharam papel importante em nossa vida. Mas a frase tradicional: "É o pai escrito", bem raramente constitui, de fato, simples constatação; implica, em geral,
todo um conteúdo afetivo, de valor laudatório ou pejorativo, que vai determinar, desde o

princípio, toda a nossa atitude profunda em face da criança.

Da parecença física se infere, porém, naturalmente, a parecença psíquica, e isso pode apresentar certo perigo. Quando se disse, da menininha: "Saiu à mãe", acredita-se
haver dito tudo

da característica implicada e, notadamente, que o pai nada tem com a história. Mas, implicitamente, exprimimos, sobretudo, a crença de que nada poderemos mudar nessa
característica. 0 recurso, algo fatalista, à noção de hereditariedade encoraja a abstenção de qualquer esforço educativo, de qualquer esforço para modificar o quadro
no qual a criança cresce; constitui temível travesseiro para a preguiça pedagógica.

0 público acredita facilmente na transmissão hereditária de toda espécie de traços de comportamento. Que uma criança seja bem dotada, como um dos pais, que apresente,
como ele, gosto pronunciado pelas pequenas habilidades domésticas, ou pelas coleções de selos, ou, ainda, tendência para a dissimulação, ou para * gracejo, diz-se
logo que são características hereditárias. Essa é * explicação mais corrente de todas as nossas particularidades individuais, como se a gente nunca passasse, em
última análise, de uma espécie de puzz1e composto dos traços daqueles que nos precederam.

0 psicólogo, porém, não tem tanta certeza! Será sempre, sem dúvida, citada a família Bach, com seus quinze talentosos compositores, repartidos por cinco gerações;
mas, se é verdade que alguns trabalhos permitem admitir, com efeito, a idéia da hereditariedade do talento musical, não é menos verdade que aquela era uma família
na qual havia muita música e na qual as crianças eram, sem dúvida, encorajadas e exercitadas na música desde a mais tenra idade!(*) A iniciação, o estímulo, a imitação,
terão tido, talvez, sua parte nessa abundância de talentos. Em todo caso, malgrado tudo quanto a ciência moderna nos ensina sobre a hereditariedade de numerosos
caracteres físicos, especialmente no animal, cumpre reconhecer que, em matéria de hereditariedade psíquica no homem, nossos conhecimentos ainda são bem limitados.
Se podemos dispor facilmente de várias gerações de moscas e, até, de ratos, e nelas realizar todas as seleções e todos os cruzamentos imagináveis, claro está que
já se não dá o mesmo no plano do homem. Conhecem-se, sem dúvida, as leis da transmissão hereditária de caracteres como a cor dos olhos, ou o daltonismo, por exemplo;
mas estamos bem menos adiantados no concernente às aptidões psíquicas, ou aos traços caracteriais que aqui nos interessam.

(*) V., a propósito da família Bach: Peter Sandiford, Foundations of educational psychology: nature's gilts to man, Lorigmans, Nova York, 1939, pp. 128-129. (Nota
dos trads.)

Inumeráveis pesquisas têm sido feitas sobre as parecenças existentes entre pais e filhos no plano do que se convencionou chamar de inteligência geral. Parecem indicar,
na expressão de um especialista dessas questõ es, que "a capacidade mental geral é dos traços humanos mais suscetíveis de herança". Recorrendo a provas de inteligência
que permitem comparar os resultados dos pais com os

dos filhos, e operando com amostras numerosas, percebe-se que há grande semelhança no teor de rendimento entre pais e filhos, como há entre irmãos e irmãs da mesma
família; essa semelhança é ainda muito mais acentuada quando se compara o resultado de gêmeos univitelinos, cuja bagagem hereditária é, como se sabe, idêntica. Aí
está, seguramente, argumento de peso em favor do caráter hereditário das potencialidades intelectuais. Alguns autores estabeleceram, ademais, que a semelhança intelectual
dos filhos

com os pais permanecia até depois de um período prolongado de adoção em meio familial diferente; mas outras pesquisas assinalam o aparecimento gradual de uma semelhança
adquirida pela adoção, com a aproximaçã o do nível intelectual das crianças adotadas ao dos pais adotivos, e com a diminuição progressiva da correlaçã o dos resultados
existentes entre irmãs e irmãos, quando criados em meio diferente(*).

Desde há muito foi evidenciada relação entre a inteligência das crianças e o nível sócio-econômico dos pais. À medida que subimos, com efeito, na escala profissional
e social, melhora o resultado médio dos testes intelectuais das crianças. Encontram-se mais crianças muito bem dotadas nos meios sócios-econômicos favorecidos que
nos desfavorecidos e, inversamente, mais retardados intelectuais neste que naqueles. Cabe, sem dúvida, falar em viés cultural e dizer que os testes utilizados refletem
certa cultura e não estão adaptados às crianças de meios desfavorecidos; são, pois, inadequados a medir a inteligência dessas crianças. Mas também tem sido dito,
em favor da hereditariedade, que, se os pais atingem a situações elevadas, é em razão de sua boa inteligência, a

qual transmitem, pois, aos filhos.

Há, todavia, terceira interpretação, que muito merece dos psicólogos, e à qual voltaremos. Se, como grupo, as crianças pro-

(*) V. também, a esse propósito: A. Almeida júnior, Biologia educacional, vol. 35 destas "Atualidades Pedagógicas", São Paulo, 22.' ed., 1969, cap. 56, pp. 441-451;
e Robert S. Woodworth e Donald G. Marquis, Psicolo. gia, trad. port. de Lavínia Costa Raymond, vol. 67 destas "Atualidades Pedagógicas", São Paulo, 11.a ed., 1977,
cap. VI, pp. 176-224. (Nota dos trads.)

3

vindas de meios sócio-econômicos favorecidos se revelam mais inteligentes que as outras, é que seus pais delas tiveram maiores facilidades que os dos meios desfavorecidos
para fornecer-lhes quadro educacional geralmente rico de estímulos e de contribuições desenvolvedoras. Já não seria mais, então, o fator hereditariedade a prevalecer,
e sim, realmente, as características do meio no qual a criança cresceu.

De qualquer modo, tais verificações- mostram que, gro@@o. modo, a criança tende, naturalmente, a atingir o nível intelectual característico do meio no qual se desenvolve.

Encontram-se, aliás, também, correlações elevadas entre pais e filhos em domínios onde ninguém pensa em invocar a hereditariedade. Assim é que Fleming [211 (1) cita
trabalhos nos quais se procurou comparar a opinião de pais e filhos acerca de questões gerais concernentes, por exemplo, à família, à escola, à vida social, à política,
à religião. Nesses pontos, as correlações obtidas são ainda mais elevadas que nos testes intelectuais! 0 mesmo sucede quanto às questões de juízo moral, nas quais
a correlação é bem mais elevada entre filhos e pais que entre as crianças e os amigos íntimos, os chefes de clube, ou os professores. Está-se a ver, pois, que a
questão é complexa. Mas a parte da hereditariedade na inteligência geral dificilmente pode ser posta em dúvida, como o indica a mais alta correlação entre gêmeos
idênticos. Se Stoddard [731 afirma, por um lado, que, nos casos individuais, as medidas mentais tomadas dos pais não podem fornecer indicações válidas sobre as aptidões
dos filhos, outros especialistas do assunto chegaram a estimar, por cálculos estatísticos sobre grandes grupos, que os fatores hereditários intervêm na proporçao
de 80% no nível intelectual geral, e não intervêm as influências. do meio senão nos 20% restantes.

Segundo numerosas pesquisas que não podemos pensar em trazer para aqui, o papel da hereditariedade parece, igualmente, muito acentuado na habilidade motora e na
destreza manual, na aptidão verbal e na numé rica, na fatigabilidade e na sensibilidade ao exercício(*), na aptidão musical e na aptidão para o

(1) Os números entre colchetes remetem às "Indicações bibliográficas", ao cabo do texto. (*) No original: "sensibilité à Pentrainernent". 0 Autor pretende indicar,
por essa forma, a presença de aptidão para colher o benefício do exercício, da aprendizagem ou, seja, a "training ability" dos autores de língua inglesa. (Nota dos
trads.)

4

desenho. Comparando gêmeos univitelinos no plano do rendimento escolar, verificou-se forte semelhança nas ciências e no desenho, entre os rapazes, na ginástica entre
as meninas; enquanto no respeitante, por exemplo, ao cálculo, ao latim, à história, as disposições hereditárias desempenhariam papel muito mais restrito.

E quanto -aos "traços de caráter"? Pôde-se estabelecer a existência de um fator hereditário a propósito da atividade, da inatividade, ou da emotividade no rato,
a propósito da selvageria, ou da domesticabilidade, no mesmo animal e no basset. No homem, constatação genérica impõe-se em qualquer caso: as correlações que se
podem estabelecer entre pais e filhos, entre irmãos, e até entre gêmeos, são, sempre, sensivelmente menos assinaladas que as verificadas no plano físico ou no intelectual.
0 fato é tanto mais impressionante quanto é precisamente no plano caracterial que praz sempre encontrar semelhanças particularmente nítidas.

Não nos entenderemos sobre a hereditariedade de certos traços patológicos, e de certos tipos de desordens mentais, que estaria perfeitamente demonstrada. Resultados
de investigações caracteriais revelaram claras semelhanças entre gêmeos univitelinos no concemente, por exemplo, às tendências neuróticas, à tendência à introversão,
à tendência dominadora, ou à suficiência, à emotividade geral, à orientação dos interesses, e, até, às associações de idéias; mas notaram-se também, entre gêmeos,
diferenças muito manifestas quanto a outros traços caracteriais, máxime sob o efeito dos episódios da história individual desses indivíduos, de sua estada em meios
diferentes, de suas condições de saúde. Influências não hereditárias desempenham, certamente, papel não desprezível. Em suma, no domínio da personalidade, do caráter,
nossas informações são ainda muito menos completas que no da inteligência, em razão da própria complexidade do problema. A confusão é, de certo, entretida pela tendência
a satisfazer-se a gente com etiquetas puramente descritivas, tomadas ao vocabulário moral usual; perde-se de vista, assim, que traços exteriormente muito seme-

lhantes podem, na realidade, depender de mecanismos psíquicos diferentes: a honestidade fundada no temo@ ao policial não tem senão as aparências em comum com a honestidade
resultante do respeito de outrem.

Não se herdam a inteligência, a memória, o humor, a honestidade, ou o senso dos negócios, como a gente herda dos pais uma jóia, ou um aparelho de jantar. A transmissão
hereditária não

diz respeito, provavelmente, a características psíquicas "já acabadas" e bem circunscritas, como se pensa, muita vez, um tanto ingenuamente, mas, antes, a elementos
de sensibilidade e de reatividade, que se combinam e interagem para dar lugar a caracterís'_ ticas comportamentais determinadas. Cumpre, ainda, que as circunstâncias
da vida ofereçam, a essas configurações disposicionais, as formas comportamentais nas quais se possam inserir, que lhes permitam manifestar-se. Organismo e meio
estão em interação contínua: segundo as características do meio, certas disposições hereditárias são não somente autorizadas, mas solicitadas e favorecidas; poderão,
pois, exprimir-se, enquanto outras disposições, menos bem acolhidas, só se manifestarão de maneira embrionária, ou mascarada, e outras ainda, jamais solicitadas,
ficarão, de certo modo, latentes. Reciprocamente, pode-se dizer, também a modo de esquema, que a ação do meio não é independente das disposiçõ es hereditárias: segundo
a presença, ou a ausência, de certas delas, tal fator do meio terá influência decisiva e determinante na organização psíquica do indivíduo ou, ao contrário, não
encontrando sensibilidade alguma, não despertando eco algum, não terá nenhuma influência. Pode-se, assim, compreender que a mesma disposição hereditária tenha diversas
oportunidades de manifestar-se muito diferentemente, ao nível comportamental, segundo as épocas, segundo os meios e segundo a história dos indivíduos.

Longe de negar o papel da hereditariedade no plano psíquico, como alguns haviam sido tentados a fazer nã o há muito, os psicólogos atuais parecem, antes, inclinados
a reconhecer-lhe toda a importância, ainda que suas modalidades precisas de ação raramente sejam evidentes. Notemos, em todo caso, esta conclusão importante de Nash
[50], por exemplo, a sublinhar que, por sua hereditariedade, os indivíduos não são nem "neutros" nem idênticos em relação aos múltiplos componentes do meio. Nossa
herança contribui para determinar o que é o meio para cada um de nós.

Mas, para tornar à semelhança entre indivíduos da mesma ascendência, cumpre lembrar que a hereditariedade, à qual se imputa, facilmente, essa semelhança, não é idêntica
senão para os gêmeos univitelinos. Afora estes, as crianças vindas dos mesmos pais não têm exatamente a mesma hereditariedade, já que o número das combinações possíveis
entre os cromossomos paternos é, como se sabe, prodigiosamente elevado. É, pois, também em razão de sua herança que os indivíduos provindos do mesmo tronco diferem
entre si, de começo.

0 fator hereditariedade não é, aliás, o único responsável pelas semelhanças observáveis entre os membros da mesma família. Podem elas igualmente resultar da vida
em comum. Pode-se inverter o provérbio "quem se assemelha se junta", e lembrar que toda experiência comum, de alguma duração, suscita semelhanças. Pais e filhos,
irmãos e irmãs, vivem geralmente juntos durante longos anos, no correr dos quais instauram-se usos, rituais, aspirações e reações comuns e ao comprido dos quais
se desenvolvem muitos dos fenômenos de imitação e de identificação, subtendidos por toda espécie de laços afetivos. Mas a comunidade de vida é também, por outro
lado, fator de dessemelhança. Vêem-se, na família, os indivíduos a reagir uns em relação aos outros, tomar posição, opor-se, procurar diferenciar-se. Ainda nos gêmeos
verdadeiros, é freqüente ver um deles adotar comportamento mais dominador e, o outro, comportamento mais submisso, ou mais, passivo. Quanto à criancinha, se é naturalmente
levada a imitar o comportamento dos pais, verno-la também adotar logo, noutros pontos, comportamentos opostos, pelos quais se diferencia dos pais.

A importância dos estímulos do meio

Pôde-se mostrar, no animal, que a ausência de exercício, ou de estímulo, em momento determinado do desenvolvimento, podia provocar a ausência, ou a inferioridade
permanente, de certas atividades motoras. No caso da criança, há boas razões para pensar que pode ocorrer o mesmo; assim, parece realmente que, passada a idade de
seis anos, a linguagem quase não tem mais probabilidades de estabelecer"se: crianças selvagens, ou abandonadas, recolhidas antes dessa idade, puderam aprender a
falar, ao passo que indivíduos mais velhos não chegavam senão a linguagem extremamente rudimentar, a despeito de todos os esforços dos educadores. Sabese que a criança
surda emite, durante os primeiros meses da vida, exatamente os mesmos sons que os audientes; mas, à míngua dos estímulos auditivos provenientes da própria fonação,
e da fonação dos circunstantes, vê-se a emissão fônica do pequeno surdo regredir, até fazer, dele, surdo-mudo. Na mesma ordem de idéias, podese assinalar fato interessante
estabelecido por Thompson [74], que comparou a mímica emotiva de crianças cegas com a de videntes de sete semanas a treze anos. Esse autor pôde mostrar, por meio
de estudo fotográfico sistemático, que as mímicas aparecem tanto nos cegos como nos videntes no começo da vida; trata-se,

pois, de fenômeno em cuja origem a imitação não teria papel importante. 0 papel dos fatores externos aparece, todavia, mais tarde, visto corno, por volta dos dois
anos, já a mímica das crianças cegas está em franca regressão, por força da ausência dos estímulos visuais que a reforçam e a codificam, de algum modo, nas crianças
videntes. E porque os contatos sociais não ocorrem, evidentemente, no plano visual dos pequenos cegos, uma gama inteira de possibilidades de expressão oferecidas
pela organização neuropsíquica humana se vê sem estímulo e sem objeto e, por conseqüência, se estiola.

Fora erro pensar que a importância dessa contribuição exterior para o desenvolvimento se cingisse ao domínio sen@orial e motor. As correlações verificadas entre
a inteligência da criança e o nível sócio-cultural dos pais, às quais aludimos, mostram análoga interação no plano intelectual: é nos meios mais ricos em estímulos
intelectuais que se encontram, grosso modo, as crianças mais inteligentes. A importância da qualidade do meio educativo e dos estímulos que a criança nele encontra
aparece muito bem no trabalho de KeeIs [351, sobre dois grupos de crianças provindas de meios miseráveis e muito medíocres intelectualmente, internadas na idade
de dezenove meses. 0 primeiro grupo é constituído de crianças muito inferiores, internadas num orfanato-modelo; o segundo, de pacientes situados menos abaixo, mas
internados em orfanato que era mais asilo que meio propriamente educativo. Depois de dois anos desse regime, verifica-se que as crianças do primeiro grupo realizaram
progresso enorme do ponto de vista do desenvolvimento

e se aproximaram grandemente da média normal, enquanto as do segundo grupo regrediram consideravelmente. Certos trabalhos so-

bre crianças adotadas mostram que, após período de adoção em meio favorável, essas crianças se classificam muito melhor, intelectualmente, que seus pais verdadeiros.
Nessa mesma ordem de idéias Freeman [221 mostrou que o rendimento escolar dessas crianças era tanto melhor quanto mais cedo fossem adotadas e mais favorável fosse
o meio pedagógico.

Temos todas as razões para pensar que o mesmo sucede no plano do caráter, da personalidade. Bom número de atitudes, hábitos, 'Iraços de caráter" existem no indivíduo,
porque foram autorizados, encorajados ou, até, solicitados pelo meio, enquanto outros foram constantemente inibidos (e as condições materiais agiram, sem dúvida,
tanto como os princípios, ou as atitudes, dos educadores). Podemos lembrar, a esse propósito, uma experiência que

tivemos a oportunidade de fazer muitas vezes na prática psicopedagógica. Pais levam ao psicólogo seu jovem adolescente, do qual deploram a passividade completa,
a falta de energia, de iniciativa, de vontade. No exame, verifica-se, geralmente, que esses educadores tiveram, a respeito da criança, desde a primeira infância,
atitude de domínio absoluto, proibiram-lhe praticamente todo ato autônomo, nunca lhe permitiram a mínima decisão pessoal, inte rferiram em todos os seus comportamentos
espontâneos, impuseram-lhe controle integral e permanente, tanto nos brinquedos como nos trabalhos escolares. Semelhante atitude educativa tem conseqüências diferentes
segundo o temperamento do indivíduo; pode levar à revolta e à dissimulação; no mais das vezes, porém, segundo nossa experiencia, provoca, na criança, submissão,
expressa pelo abandono de qualquer autodeterminação e de qualquer iniciativa: o indivíduo fica definitivamente dependente da autoridade exterior. Por falta de estímulos,
por falta de ocasiões, certos setores do comportamento, certos mecanismos não se podem elaborar.

0 estudo atento do desenvolvimento sugere a existência de "períodos críticos", em cujo correr a organização psíquica parece particularmente sensível a certas classes
de estímulos, a certas experiências. Se essas. estimulações se apresentam, se ocorrem essas experiências, daí resultarão transformações da organização psíquica,
novas aquisições; se não for esse o caso, essas reestruturações não se produzirão. As mesmas estimulaçõ es, ou as mesmas experiências, não têm o mesmo efeito se
sobreviverem mais cedo, ou mais tarde, no curso do desenvolvimento. Há, pois, momentos particularmente propícios ao estabelecimento de certos tipos de conduta; mas
condições exteriores específicas são requeridas, nesses momentos precisos, para que essas condutas se possam constituir. A necessidade dessa colaboração entre o
organismo e o meio parece bem estabelecida no caso de numerosas espécies animais e tudo permite pensar que existe também na criança (EndIer [18]). É muito verossímil,
por exemplo, que a possibilidade de apegar-se afetivamente, de estabelecer laços pessoais, seja tributária das experiências que a criança vive em relação com sua
mãe, ou seu substituto, entre os 3 e os 12 meses (Bowlby [8], Duyckaerts [17]). É, sem dúvida, unia das principais tarefas da psicologia desenvolvimental e educacional,
vir a precisar a sucessão temporal, o programa, de tais períodos críticos, e a circunscrever a natureza das experiências que, coincidentes com esses períodos, se
mostram particularmente estruturantes para a orga-

nização do psiquismo. Estamos ainda bem longe de conclusão, a esse respeito; e a experimentação, nesse domínio, é particularmente difícil.

Em suma, sejam quais_fç@@ein__a_jwp n

qr@à@_da.e@ o__p!@@o dos fatores hereditários, o hqp@=,não.de end@_@iÇaMente

16É pçii,de,,igualmenté, da ,cou

s @diçõe.@ @ jy@, emAu- ese

--y rola_§gu _4çgenvolvimento. A estrutura hereditária de um indivíduo não é modificada por sua condição de fortuna, ou pela morte prematura dos pais; sabemos,
entretanto, e sabemos cada vez melhor, como circunstâncias dessa ordem podem desempenhar papel no condicionamento de sua personalidade e de seu comportamento. Pode-se
dizer, sem dúvida, que as circunstâncias da vida, as experiências do indivíduo determinam, em larga medida, a maneira pela qual se lhe exprimirá a estrutura hereditária.

Em sua bela obra consagrada àquilo que se poderia chamar de "papéis" masculino e feminino, Margaret Mead [44] dá numerosos exemplos do condicionamento de nosso comportamento
e de nossas atitudes pelo meio social;, exemplos assim são encontrados, aliás, em todos os trabalhos de psicologia etnográfica e social. Mostrou Mead quanto essas
atitudes, esses papéis, que nos parecem típicos da masculinidade ou da feminilidade, e cremos, de boa sombra, imutáveis na expressão por nós conhecida, estão, em
verdade, sujeitos a variaçõ es infinitas, segundo as sociedades consideradas no estudo. Atividades ou atribuições especificamente masculinas numa sociedade podem,
perfeitamente, ser consideradas como especificamente femininas noutras. Pode-se assegurar: aquilo que consideramos como o "papel masculino", por exemplo, com as
atitudes, as atividades, as atribuições que esse termo supõe, não é, em nada, fixado imutavelmente na constituição masculina do rapazinho; esse "papel" tomará, em
realidade, aspectos muito diferentes segundo as características da sociedade na qual o menino tiver crescido. Essa sociedade terá proposto modelos, terá imposto,
ou favorecido, certos comportamentos, terá inibido, ou contrariado, outros, terá esperado, do menino, o que ela considera como comportamentos masculinos, e a criança
terá reagido em conseqüência, adotando um "papel masculino" con-

forme com os dos mais velhos, papel que pode ser muito diferente, em seu grupo, daquilo que é alhures. Assim, a agressivídade masculina, ou a aptidão para os trabalhos
de força, talvez não sejam, necessariamente, mais características viris do que a passividade, a busca da graça física ou a aptidão para os trabalhos domésticos são,
necessariamente, características femininas.

]o

Se diferenças comportamentais entre os sexos são, assaz geralmente, reconhecidas, e se algumas delas, quiçá muito fundamentais, são, sem dúvida, precoces, é hoje,
ainda, muito difícil dizer a parte do biológico e a do cultural nessas diferenças; mas é evidente que os dois fatores intervêm (Nash [501), e agem, por vezes, em
sentido oposto e, no mais das vezes, sem dúvida, no mesmo sentido.

Não será talvez ocioso lembrar, aqui, dois exemplos, tão impressionantes quão conhecidos, os quais nos fazem ver claramente a importância dos fatores meio e educação,
ao lado dos fatores de hereditariedade. Em 1940, Davis [131 relatou a observação de uma menina achada completamente isolada num celeiro. Filha ilegítima que os avós
recusaram admitir em seu meio, era assim mantida escondida pela mãe. Seus contatos humanos se limitavam praticamente a alguns cuidados elementares: recebia leite
duas vezes por dia; não se pode, em verdade, dizer que tenha sido educada, e essa infeliz criança vivia, muito realmente, à margem da sociedade. Os primeiros seis
meses da vida dessa menina tinham decorrido numa creche, onde seu desenvolvimento se havia mostrado inteiramente normal. Quando a descobriram, aos seis anos, tinha
nível mental de mais ou menos um ano e não falava; adotada por uma família, freqüentou, depois, escola para retardados e fez, evidentemente, algum progresso. Aos
oito anos, todavia, continuava sem um vocábulo e, embora mostrasse certa 1 r

comp ensão verbal, nunca chegou a falar. Como tivessem faltado os estímulos sociais e afetivos, todo um aspecto capital da personalidade da criança, de sua "humanidade",
poderíamos dizer, jam ~* se constituiu. v,

Exemplo inverso foi referido por Piéron. [631. É a história, muito mais agradável, de uma menina guaiaqui. Sabe-se que os guaiaquis constituem uma das populações
mais primitivas da América do Sul; vivem de mel selvagem, no mato, sem construir habitações nem 'aldeias. Sua linguagem é considerada extremamente rudimentar e pobre.
Um etnógrafo europeu em missão no Peru recolheu um dia uma menina guaiaqui de aproximadamente dois anos de idade, abandonada por sua tribo quando da aproximação
dos brancos. Teve a excelente idéia de confiar a criança à sua mãe dele, que a criou à européia. Desde esse momento a história ganha a feição de experiência pouco
comum, e muito demonstrativa:. longe de estiolar-se, ou de desenvolver-se segundo as linhas de seu meio original, a criança se adaptou: aos vinte e dois anos a moça
falava três línguas, terminava os estudos universitários

11

e só diferia das companheiras pelo tipo físico. Aí está, pois, o caso de uma criança subtraída muito cedo aos estímulos de um meio agreste e rudimentar, colocada
em nieio infinitamente mais evolvido e mais complexo, e que a ele se adapta completamente e realiza, assim, num vintênio, evolução correspondente a muitos séculos;
sua hereditariedade não a impediu, seguramente, de responder aos estímulos variados da cultura ocidental, e ela esteve perfeitamente em condições de beneficiar-se
dessa cultura e reagirlhe positivamente. Convém acrescentar que semelhante evolução não teria sido possível, verossimilmente, senão porque a criança foi recolhida
muito jovem: um adulto não teria sido capaz disso.

0 equipamento hereditário não é tudo, portanto; aquilo em que o indivíduo se torna depende, igualmente, das experiências vividas em seu meio, de sua adaptação a
esse meio. Há, sem dúvida, diferenças ligadas à hereditariedade, à constituição, ao temperamento: dois recém-nascidos igualmente saudáveis não reagem por igual aos
cuidados daqueles que os cercam e já apresentam traços individuais. Mas essa roda de pessoas também age nesses temperamentos diferentes, aceitando, estimulando,
valorizando certos modos de comportamento, ignorando, inibindo ou procurando suprimir outros; e a criança se adapta, por sua vez, a essas respostas do meio.

Indagou-se, muita vez, do em que daria unia criança totalmente subtraída às influências da sociedade humana; e o caso citado por Davis, há pouco lembrado, nos dá
idéia disso. Mas o apartamento do meio humano pode ser mais radical ainda; e então vemos a criança apresentar caracteres inteiramente aberrantes e, até, distanciar-se
consideravelmente da condição humana: é, particularmente, o caso das célebres "crianças-lobos", das quais ouvimos falar de tempos a tempos. Sabe-se quê na índia,
por motivos religiosos, os lobos não são caçados, e é fato conhecido que eles "roubam", cada ano, certo número de crianças. A célebre história do Mowgli, de Kipling,
não é pura ficção: é a transposição poética e romanesca de uma realidade(*). Algumas dessas

(*) "Transposição poética" na verdade, como se verá pela amostra que damos a seguir, e é o trecho, pleno de poesia como todo 0 livro da iângal ao qual é tomado,
em que Rudyard Kipling descreve a chegada, ao covil dos lobos, do filhote de homem:

"- Algo se aproxima, pressentiu de súbito Mãe Loba torcendo uma orelha. Atenção!

Também ouvindo rumor na folhagem, Pai Lobo ficou de pulo armado para o que desse e viesse. Aconteceu então uma coisa

12

crianças roubadas pelos lobos parece que não são devoradas, mas, ao contrário, nutridas pelos animais, e se desenvolvem, assim, muito 'paradoxalmente, em meio animal.
Zingg [69], bons vinte anos antes de Malson [421, estudou os relatos e as narrações referentes a essas crianças, assim como outros dados concementes a crianças mais
ou menos totalmente isoladas da sociedade humana, e verificou, em todos esses casos, surpreendentes convergências, as quais autorizam a pensar que estamos diante
de fatos reais e, não, de narrações lendárias.

Temos, particularmente, um relato que parece digno de fé, e chamou a atenção de numerosos especialistas do desenvolvimento das crianças, o do Reverendo Singh [691,
de Midnapore, que conta como capturou duas crianças-lobos e como experimentou, depois, educar uma delas, Karaala, a qual viveu dez anos em meio humano, no orfanato
por ele dirigido. Temos, assim, a narração da tentativa de "humanização" de uma criança completa-

linda: um'pulo que se deteve a meio caminho. Porque o lobo iniciara o pulo antes de saber de que se tratava e, já no ar, vendo o que era, recolheu o resto do pulo,
voltando à posição anterior.

- Homem! exclamou ele. Um filhote de homem! Bem defronte, de pé, apoiado a um galhinho baixo, havia surgido um menino nu, de pele morena, que mal começava a andar
- uma isca de gente como jamais aparecera outra em nenhuma caverna de fera. 0 menino olhava para Pai Lobo, a sorrir.

- Filhote de homem? repetiu de longe Mãe Loba. jamais vi um. Traze-o cá.

Acostumados a lidar com as suas próprias crias, os lobos sabem conduzir um ovo na boca sem o quebrar; por isso pôde Pai Lobo trazer o pequeno suspenso pelo cangote
e depô-lo no meio da sua ninhada sem lhe causar o menor arranhão.

- Que pequenino! Como está nu e que valente é! exclamou Mãe Loba com ternura, enquanto a criança se ajeitava entre os lobinhos para melhor aquecer-se. Ai! continuou
a loba. Está comendo a comida dos nossos filhos - e é um filhote de homem... Será que já houve família de lobos que pudesse gabar-se de ver um filhote de homem misturado
à sua ninhada?

- já ouvi falar de coisa assim, disse Pai Lobo, mas não em nosso bando, nem em tempo de minha vida. Está ainda completamente sem cabelos e morreria com um tapinha
meu. Mas, veja! Olha-nos sem medo nenhum... " (0 livro da iângal: "Os irmãos de Mowgli", na bela tradução para o português do livro de Kipling feita por Monteiro
Lobato, Companhia Editora Nacional, "Biblioteca do Espírito Moderno", série 4.', Literatura, vol. 1, São Paulo, 6.' ed., 1964, pp. 4-S.) (Nota dos trads.)

13

mente "lupificada"(*), escrita pela própria mão de quem a capturou na família de lobos que a havia adotado. Desses dados se colhe, notadamente, que essas crianças-lobos
são, na ocasião da captura, rigorosamente quadrúpedes, o que não impede locomoção muito rápida, mas acarreta, evidentemente, sérias deformações físicas; ignoram
qualquer linguagem humana e só emitem uivos; alimentam-se exatamente como os animais com os quais viveram e não usam os membros anteriores senão como "patas"; são
noturnas, fogem da luz do dia, e sua visão está, aparentemente, adaptada à perfeição a esse modo de vida; fogem do homem e procuram, antes, a companhia animal.

No ambiente humano do orfanato, os progressos de Karnala foram relativamente lentos; mas cumpre considerar que, pela época da captura, a criança já havia alcançado
a idade de sete anos. Outras crianças selvagens, ou "animalizadas", apanhadas mais cedo, parecem haver recuperado mais rápida, e mais completamente, a condição humana.
Por ocasião da morte, que interrompeu tão mal-aventuradamente essa extraordinária experiência de recuperação, Karnala mal possuía umas quarenta palavras; tinha adquirido,
a custo e com muita massagem, a estação vertical e a marcha bípede, e continuava, aliás, a recorrer à quadrupedância quando um deslocamento rápido era necessário;
havia adquirido laboriosamente a limpeza e o domínio dos esfíncteres, e muitos anos foram precisos para que não mais devorasse aves mortas, nem carne crua. Parece
que havia chegado, finalmente, a um comportamento humano e afetivo correspondente, mais ou menos, a um nível normal de quatro a cinco anos. Tudo permite afirmar
que Karnala, como muitos outros de seus iguais, não era caso de atraso mental grave: criança idiota jamais teria podido adaptar-se às condições animais, nem recuperar,
a tal ponto, as condutas humanas (* *).

(*) No original: " ... enfant complètement "lupisé". Em português poderia ser também lupinizada, de lupino, tal como humanizada deriva de humano. (Nota dos trads.)
(**) A história de Karnala, além de haver sido registrada no livro de Singh e Zingg referido na bibliografia [n.' 691, foi também reconstituída pelo Professor Arnold
Gesell (eminente especialista muito citado neste livro), no interessantíssimo opúsculo intitulado Wolf child and human child; the life history of Kamala, the wolf
girl, Methuen, Londres, 1941. V., outrossim, o comentário a esse e a casos análogos em Anne Anastasi e John P. Foley Jr., Differential Psychology, Macrnillan, Nova
York, edição revista, 1949, pp.
182 e ss'.; e o livro de Lucien Malson, Les enfants sauvages; mythe et réalité, vol. 157 da coI. "Le monde en 10/18", Union Générale d'Éditions, Paris,

14

0 problema do efeito das estimulações, ou das influências do meio, n 'o desenvolvimento do indivíduo, apenas aflorado aqui, constitui um dos temas principais da
psicologia da criança. Tem sido objeto de vários estudos de conjunto, que serão consultados com proveito, como os de ReuchIin [651 e de Lézine 1391.

Plasticidade da criança e necessidade do meio humano

Cães e gatos, por mais que vivam em meio humano, não vemos que "se humanizem" tanto quanto a criança é capaz de "lupinizar-se". A perinanencia na companhia do homem
lhes modifica, sem dúvida, o comportamento e as reações; e raças domésticas têm sido selecionadas. Não os vemos, porém, adotar comportamento humano! Continuam cães
e gatos, enquanto a criança se transforma em algo de inteiramente aberrante. Parece, pois, não haver desenvolvimento humano imutável e necessário; e parece que a
criança não terá de chegar, inevitavelmente, ao estado adulto; em meio animal, ela se toma, até, um como animal. Parece, realmente, que a estação vertical e a marcha
bípede (para as quais o homem é, entretanto, anatomicamente constituído) não se adquirem senão com estar a criança em contato com seres que pratiquem essa posição
e esse modo de locomoção. E o mesmo, a fortiori, ocorre no caso dessa conduta tão especificamente humana que é a linguagem: a criança não pode descobrir a palavra
senão num meio que fale. Como bem formulou Piéron, a criança nã o é senão um "candidato à humanidade"; nela, o tipo adulto não está "fixado" de maneira tão absoluta
como no animal. Poderse-ia dizer que o homem nasce "selvagem" ou, mais exatamente, polivalente e largamente indeterininado, a despeito dos caracteres hereditários;
e -tem como principal característica humana o ser extraordinariamente plástico e 'adaptável. Não há, em suma, de-

1964, especialmente cap. III, pp. 77-100. Acrescentemos a esta nota, já presente em edições anteriores, a notícia de que o livro de Anne Anastasi (mas sem a co-autoria
de John- P. Foley Ir.) veio a ser traduzido para o português: Psicologia diferencial, trad. de Irene Hirschberg, col. "Ciê ncias do comportamento", Editora Herder
e Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1965. Quanto ao ensaio de Lucien Malson, que veio também a ser citado pelo Autor (na edição francesa renovada
na qual assenta esta edição brasileira) e arrolado na bibliografia [421, foi, igualmente, posto em português: As crianças selvagens; mito e realidade, trad. de Carlos
Cidrais Rodrigues, Livraria Civilização Brasileira, Porto, 1967. (Nota dos trads.)

senvolvimento especificamente humano sem contato com a humahídade. É a conclusão que Davis formula nestes termos: "Homo sapiens é uma espécie cujas características
e comportamento são estandardizados pela posse de uma cultura. Sem cultura, a conduta desse niamífero seria imprevisível, dependente das particularidades do ambiente
em cada caso" [14]. Essa polivalência e essa plasticidade, é de crer que ele as deva às características hereditárias de seu cérebro, as quais não deixam de ter o
que ver com a duração de sua infância.

Já foi muita vez sublinhado que em relação aos animais, ainda os mais evolvidos, o homem se distingue pela duração do período de crescimento. Cobre o crescimento,
no homem, com efeito, mais ou menos o terço da duração média da vida, enquanto nos mamíferos mais desenvolvidos não cobriria mais que cerca da quinta parte. Já antigos
autores mostraram que a infância se alonga à medida que subimos na escala animal, e há paralelismo muito manifesto entre o grau de complexidade do cérebro adulto
e a duração da infância. Os animais que dispõem, no estado adulto, de gama relativamente reduzida de comportamentos rígidos e estereotipados, têm juventude muito
curta, suficiente à maturação desses mecanismos ditos instintivos; ao contrário, os vertebrados mais desenvolvidos, com possibilidades de comportamento mais flexíveis
e mais variáveis, capazes de adaptar-se a condições muito mais diversas, têm juventude mais longa, que permite a elaboração, a construção, por experiência e ensaio,
desses mecanismos variáveis e mutáveis. Essa longa juventude permitiria o acrescentamento da gama das condutas'possíveis e a elaboração de um repertório de comportamentos
muito mais variados e mais plásticos; a experiência viria, assim, substituir-se ao instinto, para empregar fórmula, sem dúvida, por demais simplista.

0 homem se caracterizaria por demora do crescimento. "0 prolongamento das fases pré-pubertárias não é, sem dúvida, estranho ao desenvolvimento dos caracteres especificamente
humanos", escreve Abeloos [11, para quem o retardamento da puberdade seria causa do alongamento dos membros posteriores, elemento da estação bípede; da redução da
laringe, condição da linguagem articulada; da lentidão da ossíficação do crânio, condição de maior desenvolvimento do cérebro; e essa prolongação da infância teria
por efeito maior plasticidade do sistema nervoso, donde a educabilidade incomparável da criança.

Outros cientistas, Portmann [641 por exemplo, formularam a hipótese não apenas de puberdade retardada, mas, ainda, de

16

nascimento normalmente prematuro: o homem nasceria cedo demais, segundo o lugar que ocupa da escala dos seres e segundo seu grau de organização. Comparado ao potro
que galopa algumas horas depois do nascimento, ou ao macaquinho que já tem as proporções adultas, agarra-se ativamente à mãe e logo mostra grande autonomia motora,
o recém-nascido humano é espantosamente impotente, desprovido, dependente e, de algum modo, "inacabado", isto é, bem mais semelhante aos filhotes dos mamíferos inferiores
que aos dos mamíferos superiores, dos quais, entretanto, está mais próximo pelo grau de organização e de complexidade.
0 homem constituiria, assim, entre os animais superiores, singular derrogação, teria condição inteiramente particular. Portmann enumera uma série de argumentos,
a mostrar que só ali pela idade de um ano aproximadamente é que o filho do homem seria comparável aos recém-nascidos dos animais superiores.

Se tal hipótese puder ser acolhida, evidenciará um fato capital, a saber: durante um período no qual o animal vive no útero materno uma série de processos biológicos
inteiramente genéricos e semelhantes para todos, a criança já vive em meio extra-uterino, já se encontra colocada no social e no histórico, a experimentar contato
prematuro com o mundo ambiente. Em conseqüência, escreve Portmann, o animal nasce, de algum modo, "pronto" para a vida, biologicamente "acabado", ou quase, mas fechado,
poder-se-ia dizer, nas possibilidades relativamente restritas e fixadas que esse "acabamento" lhe assegura. A criança, "inacabada", ao contrário, vai prosseguir
em sua orgin_@~à<-y!t9te@w-econstruir seus mecanismos de adaptação no contato com o universo social- e- material onde, se encon@m__pr4matura~e- colocada, em resposta
a condições necessariamente flutuantes e variáveis. E como não dispomos de mecanismos já montados, somos r-ealiqenje obrigados a construí-los, donde nossa longa
infância, donde nossa riqueza e nossas possibilidades, quase ilimitadas, de adaptação. -A longuidão de nossa infância é a resposta ao nosso inacabamento inicial,
à impotência quase total do bebé, que tanto impressionara Jean-Jacques Rousseau.

Significação da infância

Tais considerações podem ajudar-nos a precisar a significação do fenômeno infância. "A criança não é criança porque é nova", escrevia Claparède no começo do século,
"é criança para tornar-

17

se adulta." A infância é o período da "humanização" do indivíduo, da aprendizagem da natureza humana. Essa aprendizagem é longa, tanto mais longa quanto mais complexo
e mais evolvido o nível adulto por atingir. Essa humanização só se pode fazer no quadro de um meio humano adulto que esteja sempre a revelar e a propor, à criança,
os comportamentos característicos de sua espécie e do grupo do qual faz parte. A criança, em sua polivalência e em sua indeterminação, é, por excelência, um animal
educandum, --d"L_W@_que reclama educação, como bem assinalou Langeveld [37].1@em essa educação não pode tornar-se adulto de sua espé-

cie. Isto é: não há superestimar a infância e, pois, a educação. Isto é: bem longe de ser esse "mal necessário", como nos contentamos, tantas vezes, em concebê-la,
a infância é, na realidade, a porta aberta para as mais inesperadas e maravilhosas realizações de um psiquismo humano, do qual não suspeitamos, talvez, nem a riqueza
nem as possibilidades@jMas, se o ser se torna humano "segundo" a cultura na qual cresce, e "segundo" o grupo familial ao qual pertence, isso significa que seu meio
o define, em larga medida. Sob a influência desse meio, como o lembrou Watson [84], a criança é levada a elaborar um repertório comportamental inevitavelmente
mais restrito que aquele do qual é, em princípio, capaz: a criança também poderia aprender, ainda, coisa diversa do admitido, encorajado e valorizado por seu grupo.
A educação, pois, abre caminhos, mas lhes restringe, inevitavelmente, o número; "humaniza", mas em direção determinada. É ao adolescente, e ao adulto, que cabe alargar
e completar o leque; não o poderão fazer, contudo, senão partindo daquilo em que a infância os tornou. Já sublinhamos, al res, a importância da família para o

futuro do indivíduo [52],li

Será possível uma descrição do crescimento psíquico?

as, se cada criança é, assim, "aberta" e indeterminada, dedepZdente de sua situação educacional e histórica, então cada infância constitui, necessariamente, seqüência
única e original; e caberia, assim sendo, descrever " a infância", em geral?

Essa reserva deve, efetivamente, ser feita. Comparações entre c jestudos feitos em épocas e lugares diferentes lhe revelam, aliás, a

pertinência: traços notados no começo do século já não são encontrados hoje; características da juventude norte-americana parecem inexistentes na Europa ocidental;
o estudo das crianças das sociedades chamadas primitivas mostra particularidades que se não

18

encontram em nossas formas de civilização. Mais ainda: em meios muito próximos e muito semelhantes, e na mesma época, podem-se notar divergências importantes, decorrentes,
por exemplo, de formas educacionais diversas, ou de atitudes parentais diversas.

Isso não tira seja possível uma descrição do crescimento psíquico e dos grandes traços da infância, levadas em conta essas reservas; e numerosos são os autores que
se consagraram a essa tarefa. Pois, se há, como vimos, importantes fatores de dessemelhança entre os indivíduos, há, também, fatores de homogeneidade, de uniformização;
as variações individuais nas quais de propósito insistimos tecem seus motivos vários na trama de uma "seqüência de desenvolvimento" relativamente constante, determinada,
a um tempo, pelo caráter biológico do homem e por seu caráter cultural e social. Essa seqüência pode ser, senão descrita exaustivamente, ao menos conhecida de forma
aproximada, atualmente, para cada cultura; nada, porém, seria mais falso, nem mais perigoso, à vista de quanto sabemos (e, sobretudo, de quanto não sabemos), do
que considerar sistematicamente como patológica, ou anormal, toda divergência, individual ou coletiva, do esquema de conjunto. Tratar de elevar-se acima das diferenças
individuais, de discernir as grandes linhas, não deve fazer perder de vista a realidade dessas diferenças, nem, quando ocorram, sua normalidade e, até, seu eminente
valor.

Se podemos tentar esboçar a marcha do desenvolvimento psíquico em geral, é antes de tudo porque ele é tributário, em larga medida, do desenvolvimento físico e, em
particular, do desenvolvimento nervoso. Ora, este se faz segundo programa absolutamente geral na espécie: cada qual lhe percorre as fases em ritmo próprio, mas segundo
sucessão sempre igual, decorrente de inexorável necessidade. Assim, o desenvolvimento da preensão, ou da marcha, particularmente bem estudado pelos especialistas,
parece verificar-se sempre da mesma forma e segundo a mesma sucessão, condicionada pela maturação da organização nervosa. A preensão, a marcha, a palavra, a possibilidade
de manejar um lápis, ou um velocípede, ocorrem em momentos relativamente precisos. Em igualdade de circunstâncias, o nível de desenvolvimento neurológico e muscular
impõe as mesmas limitações às crianças da mesma idade, ou lhes abre, na mesma hora, perspectivas de atividades novas e determina, assim, reorganizações e aquisições
análogas na gama das condutas das quais cada uma dispõe; observam-se, de tal arte, entre crianças da mesma idade, os elementos de semelhança, a qual autoriza certas
generalizações.

19

A realidade desse fator de crescimento intrínseco é bem demonstrada, por exemplo, pela esterilidade de qualquer adestramento prematuro. É baldado manter em pé uma
criança de quatro meses, pois nem por isso andará; exercitar na escrita uma criança de um ano será, igualmente, infrutuoso. Poderíamos lembrar aqui o curioso experimento
de Morgan e Morgan [471, tendente a estabelecer um reflexo condicionado em quarenta e dois bebés. Mandando-se por meio de uma pêra de borracha, um sopro no olho
da criança: determina-se o reflexo do piscado; pouco a pouco, entretanto, verifica-se que o reflexo do piscado tende a realizar-fe à simples vista da pêra, antes
da emissão de ar. Considerando condicionado esse reflexo desde o momento em que, em oito vezes sobre dez, pelo menos, a criança reagia à simples vista da pêra, nossos
autores verificaram que não apareceu esse resultado em bebé algum com menos de cinqüenta e quatro dias, enquanto não deixou de aparecer senão num único bebé de mais
de sessenta e seis dias. É necessário, pois, haver atingido o nível de desenvolvimento correspondente a um mínimo de cinqüenta e quatro dias para que o organismo
esteja em condições de realizar esse tipo particular de aquisição; nenhum adestramento pode produzir reação mais precoce.

Podemos lembrar também o experimento de MacGraw [401, o qual autoriza algumas conclusões pedagógicas. Sabe-se o quanto custa aos bebés adquirir o domínio dos aparelhos
excretores; a maior parte das mamãs bem intencionadas se apressa, desde os primeiros meses, no dar, ao rebento, adestramento intensivo no uso do urinol. Temos hoje
boas razões para pensar que esse adestramento prematuro não é, provavelmente, desejável do ponto de vista da higiene mental (nunca é bom impor a criança exigencias
que ela é incapaz de satisfazer!); e, ademais, parece ser rigorosamente inútil. Experimentando com pares de gêmeos (portadores, pois, é de crer, das mesmas particularidades
constitucionais), MacGraw verifica que os pacientes submetidos a adestramento precoce no uso do urinol atingem definitivamente o domínio do esfincter ao mesmo tempo
que os gêmeos que só tiveram adestramento muito mais tardio. Esse autor pôde estabelecer, desse modo, que esse adestramento, causa de tantas decepções às jovens
mamãs, pode, sem, inconveniente, ser adiado até o último quarto do segundo ano; e é perfeitamente inútil submeter a ele infortunados bebés de seis e, até, de doze
meses: o controle buscado não pode, aparentemente, estabelecer-se assim tão cedo de maneira definitiva, pois as condições neurológicas que supõe ainda não estão
presentes.

20

Inumeráveis experimentos baseados na privação de exercício ou, ao contrário, na administração, à criança, de exercício suplementar, puseram em evidência o peso do
fator maturação. Encontra-se, em todas as obras de Psicologia, o exemplo célebre de certas tribos, entre outras a dos índios hopis, que amarram solidamente as crianças
numa espécie de prancha-berço durante os primeiros meses da vida, de tal modo que qualquer movimento dos membros lhes é, praticamente, interdito. Tal prática (à
qual, sem dúvida, não faltam vantagens do ponto de vista das mães ocupadas) pareceria, à primeira vista, dever prejudicar seriamente o desenvolvimento motor das
crianças: pois, nada disso. Quando as crianças são libertadas das ligaduras, entre seis e catorze meses, atingem em algumas horas o mesmo nível de realizações motoras
de crianças da mesma idade não sujeitas a esse regime. Não se pôde verificar qualquer diferença quanto à data do aparecimento da marcha, em particular, entre crianças
de comunidades nas quais a prancha-berço ainda estava em uso, e seus parceiros cujos pais haviam abandonado essa prática.

Se numerosos experimentos (a cujo respeito não nos podemos estender aqui) indicam, realmente, que a maior parte das aquisições motoras do começo da vida ocorre na
hora certa, independentemente dos fatores exercício ou exemplo, e de maneira muito homogênea na espécie, alguns dentre eles mostram também que, depois, as coisas
são diferentes.

Assim, experimentando com pares de gêmeos a partir da idade de quarenta e seis semanas, Gesell [28] mostrou a esterilidade de certos adestramentos especiais. Treino
de dez minutos por dia durante seis semanas, em atividades como subir escadas, ou construir uma torre com cubos, não trazia superioridade alguma do gêmeo adestrado
sobre seu par não-adestrado. Hilgard [33], ao contrário, verificou efeito do adestramento entre crianças de idade pré-escolar, exercitadas durante doze semanas em
abotoar, manejar tesouras, subir escadas. Depois dessa longa fase de adestramento, verificou-se que essas crianças eram nitidamente superiores, nessas atividades,
às do grupo-testemunho, as quais não haviam sido adestradas. Bastou, entretanto, uma semana de exercício para que estas alcançassem integralmente a performance do
grupo previamente adestrado. A conclusão capital decorrente desses fatos é que uma semana de exercício tardio equivale a doze semanas de exercício precoce. Num=síssimos
experimentos chegam às mesn@as conclusões: para qualquer atividade há uma idade em que o exercício é vão e estéril, uma idade em que é custoso e trabalho-

21

C o e i@ma_@ÍdQde,_enfim, em que é rápido, ê!@ _C_Muodo geral, o' adestramento seria tanto

econômico,..Q- produtivo. menos útil quanto mais tenra fosse a criança: todo o desenvolvimento do primeiro ano, em particular, parece dominado pelo fenômeno de maturação.

Se esse fosse nosso objeto, poderíamos deter-nos, aqui, em algumas importantes considerações de ordem pedagógica, e assinalar, com Valentine [77], o interesse que
haveria em estabelecer, para cada aquisição, o momento ótimo em que se devesse situar. Se aprendizagem prematura é, geralmente, antieconômica e, não raro, vã, pode,
além disso, fixar, na criança, atitudes ou métodos primitivos ou custosos, que travarão a aquisição ulterior e só produzirão proveito todo aparente e enganador.
Se o fato está bem estabelecido no plano motor, ainda não se pode dizer outro tanto no plano intelectual, ou social, onde é verossímil que a sociedade imponha, também,
à criança, certas aprendizagens prematuras. Os programas escolares mereceriam, a esse respeito, muitas investigações, a despeito de todas as reformas das quais são
periodicamente objeto. É interessante lembrar, a esse propósito, que as crianças às quais pais muito ambiciosos impõem começo prematuro da escolaridade conservam
bem raramente o avanço, e quase não tiram proveito da precocidade de suas aprendizagens escolares iniciais. Valentine menciona inquérito feito em três escolas inglesas,
indicativo de que pela idade dos onze/doze anos as crianças entradas um ano mais cedo na escola não tinham qualquer superioridade sobre as outras, do ponto de vista
da memorização e eram nitidamente inferiores em aritmética; eram, em compensação, superiores aos camaradas em matéria de trabalho manual. Verificações desse gênero
nos remetem à noção de período crítico já evocada; é provável que o ensino de aritmética dado a essas crianças tenha sido prematuro e que elas não tenham tirado,
pois, proveito dele, ao passo que a exercitação nos trabalhos manuais deu frutos porque compatível com o nível de desenvolvimento por elas atingido. Se é verdade
que, em educação, perder tempo eqüivale, por vezes, a ganhá-lo, como dizia Jean-Jacques Rousseau(*), sublinhando as-

(*) 0 Autor se refere, neste passo, a um dos traços mais característicos, quiçá o mais característico, da pedagogia de Rousseau, assim expresso no Émile: " ... a
maior, mais importante, mais útil das regras de toda a educação não é ganhar tempo, é per,dê-lo" (livro 11). Esse traço võlta'-ã aparecer em outras passagens: ".
. deixai amadurecer a infância nas crianças", também no livro II; "A instrução das crianças é um ofício no qual cumpre saber perder tempo a fim de ganhar tempo",
ainda no livro Il; "Um dos melhores preceitos da boa cultura é tudo retardar tanto quanto possível", no livro IV, etc. (Nota dos trads.)

22

sim a importância da maturação, deveríamos ainda conhecer o@--I domínios, ou os tipos de condutas a cujo respeito é vantajoso nada

e3 precipitar e aqueles onde, ao contrário, todo retardamento da xperiência pode vir a ocasionar "vazios" difíceis de preencher a depois.
, _?@j

Se a maturação é responsável pelo fato de que é mais ou menos na mesma idade que todas as crianças se põem a andar, tornam-se capazes de aprender a escrever,
ou experimentam as transformações físicas da puberdade, cumpre assinalar que o meio social vem, de algum modo, ao encontro dessas novas possibilidades, oferecendo,
em dado momento, à criança, certos tipos de novos estímulos, ou impondo-lhe novas exigências. Experiência implícita do crescimento determinou usos e tradições educacionais
que, racionais ou não, contribuem para uniformizar a marcha do desenvolvimento. Em função da idade, esperamos da criança certos comportamentos e agimos em conseqüência
a seu respeito: há um momento em que a criança deve poder comer direito sem nosso auxílio, e para isso lhe damos oportunidade; achamos normal que a partir de certa
idade possa dar recados na vizinhança, e a mamãe se_ ,dispensa de acompanhá-la. A sucessão desses momentos é suficien-@ temente constante na mesma cultura para que
tenha sido possível, ao psicólogo norte-americano DolI, estabelecer um instrumento de avaliação do "nível de maturidade social", baseado em aquisições de origem
essencialmente social e cultural (domínio das necessidades naturais, capacidade de ir só à escola, uso do telefone, etc.). É claro que existem divergências; mas,
quando são muito marcadas, se nos apresentam, precisamente, como anomalias do regime educacional, da atitude dos pais, ou do desenvolvimento da criança.

A tradição cultural e a prática educacional distinguem, pois, de algum modo, fases no desenrolar do crescimento; as próprias leis e a organização social no sentido
amplo vêm sublinhá-lo; pois, não há uma idade da instrução obrigatória, na qual todas as crianças fazem a primeira experiência da vida comunitária e da instrução
sistemática, uma idade antes da qual qualquer trabalho profissional é proibido, uma idade da maioridade legal? Incontáveis aquisições, iniciações, aprendizagens,
situam-se, assim, grosso modo, no mesmo momento do desenvolvimento em crianças da mesma sociedade, mediante a ação do meio organizado no qual vivem, e nelas suscitam
idéias, interesses, preocupações e comportamentos análogos. Conformidade determinada pelo mundo ambiente, material e, sobretudo, humano, vem, pois, entroncar na
conformidade decorrente de nossa organização física.

23

Se um grande problema da prática educativa é proposto pelas limitações naturalmente impostas pelo grau de maturação do indi- víduo, e se existe o problema da prematuridade
de certos estímulos, parece certo que o inverso também existe, o do retardamento das influências do meio. Pode acontecer que seja, com efeito, tarde demais para
realizar certas aquisições; e o repertório de condutas de que o indivíduo dispõe se encontrará diminuído nessa proporçao. Já demos alguns exemplos disso.

Resumindo o que ficou dito, diremos, pois, que o desenvolvimento psíquico é determinado, a um tempo, pela seqüência constituída pelo crescimento físico e, mais particularmente,
nervoso, e

pela sucessão das exigências que a sociedade impõe ao indivíduo e das oportunidades que lhe oferece. A essas duas séries, a organização psíquica individual responde
segundo certas leis gerais mais ou menos bem conhecidas, e segundo as características próprias do indivíduo. Adquirir a marcha, descobrir e dominar a linguagem,
tornar-se asseado, aprender a calcular, inventar certas condutas sexuais, são, assim, segundo a expressão de Havighurst, outras tantas "tarefas de desenvolvimento"
propostas ao indivíduo por sua maturaçã o biológica e pelo fato de pertencer a um grupo social determinado. Pela dupla origem, essas tarefas criam, entre crianças
da mesma sociedade e da mesma idade, uma rede de semelhanças, uma homogeneidade, que autoriza descrição geral do desenvolvimento(*).

(*) 0 Autor está a referir-se aos trabalhos do Professor Robert J. Havighurst, da Universidade de Chicago, sobre a noção de "developmental task", exaustivamente
estudada por esse psícopedagogista em seu livro Developtnental tasks and education (1950, revisto e ampliado sob o nome de Human develo~nt and education, Longmans,
Nova York, 1953, e algumas reimpressões desde então). A noção é assim definida por Havighurst: "Uma tarefa de desenvolvimento é uma tarefa manifesta em certo período
da vida de um indivíduo; sua realização bem sucedida leva à felicidade e ao êxito em outras tarefas, ao passo que o malogro leva à infelicidade para o indivíduo,
à desaprovação social e a dificuldades em tarefas que vêm depois" (Human development and education, p. 2).

Esse conceito tem sido utilizado nos estudos de psicologia do desenvolvimento e de pedagogia, como o provam, por exemplo, a própria referência feita nesta Introdução
e o emprego que dele faz Elizabeth Hurlock, em seu livro Developtnental Psychology (MeGraw-Hill Series ín Psychology, McGraw-Hill, Nova York, 3.a ed., 1968): "uma
das mais compreensivas e úteis listas de tarefas de desenvolvimento, para norte-americanos, do berço ao túmulo", assim o julga Hurlock (op. cit., p. 14). (Nota dos
trads.)

24

o desenvolvimento psíquico- suas características

Se a característica essencial da criança é, realmente, estar em devir, em crescimento, cumpre, todavia, reconhecer que as comparações familiares com a estatura que
cresce, ou com a árvore cujo tronco e cujos galhos ganham em comprimento e em grossura, conduzem, facilmente, a uma visão muito elementar e muito simplista desse
crescimento. Pensa-se demais, em geral, em acréscimo quantitativo mais ou menos contínuo; e não se pensa suficientemente em transformação gradual. Muitos pais e
educadores são ainda levados a encarar o crescimento como o encher de vasilha dantes vazia, segundo o esquema da acumulação pura e simples de experiências e de conhecimentos.
Essa perspectiva elementar não é de todo falsa, pois é bem evidente que uma criança de doze anos sabe e pode mais que uma criança de oito; mas é insuficiente: a
criança de doze sabe e pode, sobretudo, de maneira diferente.

Com efeito, basta um instante de reflexão para perceber que, em verdade, qualquer nova aquisição, qualquer experiência, qualquer novo conhecimento assimilado pela
criança, não vem, apenas, ajuntar-se aos precedentes, mas os modifica e é por eles modificado: e daí resulta não apenas acumulação, mas, sobretudo, reor-

W, recomposição de relaçoes e perspectivas. Toda aquisição implica a reorganização do precedente para nele integrar o novo; todo elemento novo, introduzido numa
totalidade, modifica, de algum modo, essa totalidade. A aquisição da locomoção não constitui apenas o acréscimo de uma possibilidade suplementar às já existentes;
acarreta modificação profunda das relações espaciais e das relações sociais. A criança enganada pelo adulto não colhe, simplesmente, experiência suplementar do adulto:
todo o seu sentimento de segurança é rediscutido. Descobrir, mediante a fala da roda, que "Bruxelas" não designa, como a gente pensava, a casa onde a gente mora,
e sim a cidade da qual essa casa faz parte, não é adquirir uma informação a mais, mas é estruturar toda uma série de noções e de relações. E o adolescente que começa
a amar não está apenas a ajuntar experiência nova às que já possuía: recompõe a visão que possui dele próprio, e dos outros.

Não há pois, de cada vez, simples acrescentamento, simples aumento quantitativo; há, ao mesmo tempo e, talvez, sobretudo, recomposição, modificação mais ou menos
profunda do estado anterior. Tal como as proporçõ es entre os segmentos do corpo se modificam durante o crescimento, ou o equilíbrio e a economia do

25

funcionamento dos diversos órgãos experimentam mudanças, assim também o psiquismo é teatro de recomposições e de deslocações diversas no decurso do desenvolvimento.
Basta, por exemplo, pensar na maneira pela qual se comportam duas crianças de idade diferente ante objeto apetecível, mas situado fora do alcance; esse comportamento
não será, absolutamente, aos dez, o que seria aos quatro anos, e essa diferença não vem, apenas, do acréscimo dos meios de ação, ou dos conhecimentos; exprime, sobretudo,
uma organização de conjunto que difere profundamente de uma para outra. 0 adolescente, ou a criança grande, ama, age, sente, apreende o mundo exterior diferentemente
do pequenino, ou do bebé, diferentemente do adulto. Se uma das grandes diferenças entre a criança e o adulto é imputável à falta de experiência do primeiro, que
quase ainda não teve tempo de adquiri-Ia, importa, entretanto, compreender que essa aquisição de experiência implica, na realidade, transformações, e tem, antes,
o caráter de reorganização que o de acumulação. Pode-se, pois, conceber o desenvolvimento mental como incessante reorganização, como contínua reestruturação da configuração
mental e do comportamento, como "passagem perpétua de um estado de menor equilíbrio para um estado de equilíbrio superior" (Piaget).

Mas, para quem vive com a criança, esse desenvolvimento não se apresenta, absolutamente, contínuo e regular. Muito ao contrário, há como que períodos de estagnação,
nos quais se indaga se a criança virá um dia a crescer; e, por vezes, da noite para o dia, são modificações súbitas, discretas ou espetaculares, algo assim como
a floração repentina de certas plantas num belo dia de primavera. Distinguem-se, no crescimento psíquico, fases de equilíbrio, momentos de estabilidade temporária,
alternantes com períodos de
11 crise", caracterizados por profundas recomposições e transformações bem visíveis; podem-se distinguir, sob diversos aspectos, escalões, fases, níveis. Além disso,
segundo o ponto de vista em que nos colocamos, a cadência do desenvolvimento não é a mesma: fases de estabilidade ou de transformação nem sempre coincidem: a "frente
do desenvolvimento", poder-se-ia'dizer, não é, de modo algum, regular. Nessa organização de conjunto que é o psiquismo, foi possível descrever separadamente o desenvolvimento
de cada setor e deter-se o estudioso na evolução sensorimotora, psicosse-

afetiva, social, intelectual ... E podem as subdivisões alongarMuito, como é fácil imaginar. ','-,¥etodo)ogicamente, tem-se, talvez, razão em limitar os pro-

por estudar, e em encarar separadamente os diversos as-

26

pectos. Mas, serão, com efeito, desenvolvimentos independentes, séries sem relação umas com as outras? Estamos em presença de -

,,organismo", não de mosaico: o ser vivo é totalidade estruturada. "E já.que as partes de uma pessoa não podem ser separadas fisicamente umas das outras, já que
funcionam juntas, o ideal é que sejam consideradas simultaneamente"; mas, como nota Murray [49, p. 401 em continuação a essa frase, ainda há, por ora, uma impossibilidade.
Conhece-se muito bem a marcha do desenvolvimento quanto a certos aspectos do psiquismo: a esse respeito, a

obra de um Piaget, no que concerne à inteligência, é propriamente exemplar; mas até agora temos estado sensivelmente menos preocupados com as interações necessariamente
existentes no desenvolvimento dos diversos setores artificialmente isolados, os quais, na

realidade, não podem ser independentes. Não é evidente, por exem-

plo, que o desenvolvimento afetivo orienta o desenvolvimento intelectual e este influi, simultaneamente, na evolução afetiva?

@I@ Os estádi4@,

Se, por observação e experimentação metódicas, é relativamente fácil dividir em estágios, ou em períodos de equilíbrio, a evolução de aspectos parciais do psiquismo,
ou de certos tipos bem circunscritos de comportamento, é, em compensação, muito mais difícil, e, sem dúvida, artificial, fazer outro tanto no tocante ao conjunto
da personalidade. Escalões e crises, já o dissemos, não se situam nos mesmos momentos, nos diferentes setores; vem daí, de uma função a outra, toda sorte de encavalamentos
de fases, e dá tudo isso em tal enredo, que é bem aleatório pretendér introduzir subdivisões rigorosas. Por isso. certos autores rejeitam a idéia de fases, ou períodos
geraUs _ber -difere-n-c-ia---d-os-, -e- e_*n_@_a@am-@_de_s-èn-V-ÓTvimento como rigorosamente contínuo. Outros distinguiram fas6 gerais; nem sempre, contudo, puderam_
-@'g-iqsL&er-á@ d@v@U6@efflte_ã -ühidãd-e-UÓ organismo psíquico em cada momento---de _@ê-u&s-edvolviii@-eiíto, nerri o intricado das variáveis desse _psiquismo em
suas relações recíprocas. Alguns, até, reduziram tudo à evõl-u@ãõ-d-e--tim aspecto único e, sem dúvida, importante da organização psíquica; e deixaram, assim, na
sombra, outros aspectos não menos essenciais.

De modo algum pretendemos resolver, aqui, esse problema; ainda não é tempo disso, sem dúvida. Mas, se acreditamos poder distinguir as fases que dão o conteúdo dos
capítulos seguintes, é

27

porque nos pareceu que tanto a observação das crianças reais como os resultados das investigações científicas autorizavam certa divisão do desenvolvimento. Se os
estágios podem ser definidos como "momentos do desenvolvimento caracterizados por um conjunto de traços coerentes e estruturados que formam uma mentalidade global
típica e consistente, mas passageira" [53], então os períodos que vão do nascimento aos quinze/dezoito meses, dessa idade aos três anos, dos três ao cinco/seis anos,
dos seis aos nove anos, dos nove ao doze/treze anos, têm probabilidade de constituir estágios. Reconhecemos, desde logo, que essas idades sejam aproximadas e, nossa
divisão, sujeita a discussões. É certo que uma apresentação do desenvolvimento por setor, por aspecto, por função, teria sido mais rigorosa e mais científica. Mas
teria acarretado muitas repetições, ter-se~ia arriscado a fazer perder de vista a unidade da personalidade infantil, assim como certas convergências que nos parecem,
precisamente, capitais para a compreensão de cada idade; e, sobretudo, a imagem que do desenvolvimento se houvesse teria sido muito afastada dessa realidade infantil
que nos rodeia cada dia e estava, exatamente, em nosso propósito pôr em evidência.

Evocados, assim, alguns problemas gerais, acentuada a importância da infância e exposta uma série de reservas importantes, podemos voltar-nos, agora, para o estudo
do desenvolvimento propriamente dito.

28

CAPITULO II

A "idade bebê"'

(de 0 a cerca de 15 meses)

Delimitação do estágio

0 primeiro período que vamos considerar é aquele que vê o indivíduo adquirir as características especificamente humanas, cuja ausência, no nascimento, faz dele um
ser tão mais desprovido e mais inacabado, em relação ao adulto, do que o são os filhotes dos mamíferos superiores. 0 aparecimento da pLeensão, da estação vertical,
da marcha bípede, da inteligência prática elementar, dos primeiros rudimentos da linguagem e das primeiras ligações afetivãs, faz, do recém-nascido, aparentemente
indeterminado e total- mente incapaz, um incontestável filhote de homem. Poderíamos chamar de "estágio de bebé" essa fase dos primeiros quinze a dezoito meses, durante
a qual se estabelecem esses fundamentos de toda a arquitetura da personalidade.

A fase pré-natal e o nascimento

Cumpre-nos, todavia, lembrar, de começo, que a vida não principia no nascimento, mas uns duzentos e setenta a duzentos e oitenta e quatro dias antes: desenvolvi
-mento verdadeiramente prodigioso ocorre durante esse período pré-natal. Se seu estudo apresenta, por certo, interesse considerável, cabe mais, entretanto, à embriofisiologia
nervosa; e nos afastaria do quadro que nos traçamos. Contentar-nos-emos, pois, com indicaçõ es muito sumárias, tomadas aos trabalhos dos especialistas.

Sabemos, por exemplo, que o coração do embrião começa a bater pela quarta semana após a concepção, e que, pelas vinte semanas, o cérebro está constituído, com seus
mais ou menos doze

29

bilhões de células nervosas. A partir do terceiro mês, o feto responde por movimentos globais aos estímulos internos ligados ao seu desenvolvimento e à sua organização;
e nele se notam essas alternâncias de atividade motora e de repouso bem conhecidas das futuras mamães. No sexto mês registram-se movimentos de respostas a estímulos
externos; e pôde-se até, já nessa idade, obter reflexos condicionados ao barulho. Uni prematuro de seis meses não é apenas capaz de sugar e de engolir, mas ainda
de reagir diferentemente a gostos salgados ou açucarados, ou a estímulos olfativos. Aos sete meses, assinala-se a diferenciação entre a claridade e a obscuridade.
Por outro lado, os sentidos cutâneos de pressão, de dor, de temperatura, estão prontos para funcionar bem antes do momento normal do nascimento.

É, pois, incontestável que certa forma de sensibilidade e de ativídade existe antes do nascimento; a criança vive antes de nascer, faz certo número de experiências,
_@,en ", de maneira, sem dúvida, muito vaga e difusa; e é bem possível que ocorram obscuras variações de tonalidade afetiva, a oscilar entre bem-estar
e mal-estar. Pode-se, pois, falar de um psiquismo prénatal (apropositadamente qualificado de nebular pelos autores), do qual não sabemos grande coisa, a não ser
que constitui essa "base indelével na qual se inserem todas as impressões ulteriores", da qual falou Minkowski [46].

Ouve-se, freqüentemente ainda, evocar a velha crença segundo a qual, durante a gravidez, os sentimentos, as esperanças, as apreensões maternas seriam suscetíveis
de "impregnar" o feto.

A circulação sangüínea da criança tem, seguramente, relação estreita com a da mãe. Mas os sentimentos e as idéias não se transmitem pelo sangue! Sabe-se, todavia,
que as situações estressantes e as emoções vivas produzem modificações do quimismo sangüíneo; não está, pois, absolutamente excluído que uma ação sobre o feto possa
ocorrer por essa via. Também sabemos, por outro lado, que a maneira pela qual a mãe vive a gravidez não deixa de influenciarlhe a atitude para com o bebé, nem de
determinar os sentimentos

com os quais o acolherá. Seu comportamento a respeito da criança disso se ressentirá, infalivelmente. Nessa dupla perspectiva, em todo caso, parece que os acontecimentos
que cercam, ou acompanham a gestação, não são despidos de importância para o futuro da criança.

Pretendeu-se que da vida pré-natal nos ficaria certa nostalgia da adaptação perfeita, e sem esforço, e da segurança absoluta: é

30

o que exprimiriam esses mitos da idade de ouro, ou do paraíso, sempre situados, pela humanidade, em passado muito longinquo. Certos fatos confirmam, talvez, essa
hipótese. Mas, seja como for, tornar-se homem implica ser expulso desse éden e romper essa forma parasitária de existência.

Já dissemos o bastante para que se compreenda como o nascimento constitui, necessariamente, um choque para a criança, ainda quando ela não tenha consciência alguma
do que lhe acontece. Trata-se, com efeito, de nada menos que reviravolta completa de seu equilíbrio, com modificações tão profundas que se pôde falar de verdadeira
metamorfose. Não apenas a criança é submetida a toda sorte de pressões e de contrações consideráveis, como ainda experimenta súbito aumento de peso, pelo fato de
passar de meio líqüido para meio gasoso; e, também, resfriamento súbito. A necessidade de oxigénio desencadeia a respiração, primeira absorçã o de ar, talvez dolorosa,
acompanhada do primeiro grito; instala-se a circulação sangüínea autônoma. Logo mais a criança deverá nutrir-se ativamente e experimentar estados de necessidade
fisiológica. Que essas transformações súbitas e fundamentais se acompanhem de mal-estar total, de "angústia fisiológica", como pensou Freud, não nos parece extravagante,
mas, antes, verossímil, dadas as possibilidades sensoriais às quais aludimos anteriormente. Para esse autor, com efeito, "o recém-nascido se encontra violentamente
exposto a estímulos exteriores que não pode afrontar de maneira adequada. Não pode utilizar mecanismo algum de defesa para proteger-se e, pois, a excitação o submerge"
(Blum [7]). Sabe-se que, na perspectiva psicanalítica, esse estado é considerado como o protótipo de toda angústia ulterior. Corresponde bem, em todo caso, à idéia
que podemos fazer da situação angustiante por excelência: estar completamente entregue, sem consciência alguma do que se passa, nem meio algum de reagir.

E se sua defesa consiste, talvez, em adormecer e em reencontrar, no sono, um estado quase fetal e geralmente plácido, nem por isso cabe perder de vista que a criança
mudou completamente de condição: ei-la agora mergulhada em meio social, cultural, histórico, no qual ela própria vai agir por meio do choro e pelas exigências das
necessidades vitais. Antes, até, de percebê-las claramente, a criança há de haver-se com pessoas de certo meio, de certa época, com suas maneiras de sentir, pensar,
agir; antes, até, de saber disso, toma lugar numa família humana com tudo quanto ela comporta de experiência acumulada, de pressuposições, de exi-

31

gências, de esperanças e de resignação. A criança penetra num quadro pré-fabricado ao qual se vai adaptar, segundo o qual vai aprender a reagir, na linha das potencialidades
inerentes a seu organismo.

0 equipamento do recém-nascido

Como já dissemos, os recém-nascidos não são idênticos. Não só diferem pelas particularidades hereditárias, como, ainda, não têm a mesma idade no nascimento, e sua
história pré-natal pode apresentar notáveis divergências. Há fatores da diferenciação que talvez subestimemos demasiado facilmente. Sejam quais forem, porém, essas
diferenças, verifica-se que um recém-nascido fixa a luz; reage diferentemente às diversas cores, corno aos gostos diferentes; ouve, reage a certos odores. 0 calor
parece agradar-lhe, ao passo que o frio produz choro. Dá mostras de sensibilidade táctil, sobretudo na cabeça e, particularmente, em torno da boca. É capaz de mamar,
de engolir, de bocejar, de espirrar, de soluçar, de virar a cabeça para libertar a respiração. A estimulação da palma das mãos determina reflexo de agarramento,
que anuncia e prefigura a preensão. É m suma, provido de equipamento sensorimotor em ordem de marcha. Não possui, contudo, nenhum quadro -de 'refe- @â`ncÍano @quapo@ssa
situar as impressões que experimenta. E, ademais, @_todo__4çpendente,. para sobreviver, da boa vontade de sua roda humana.

Pode-se tentar, com alguma imaginação, fazer imagem, inteiramente teórica, daquilo que pode ser a "vida psíquica" de um recém-nascido. Essa tentativa nos ajudará,
talvez, a medir todo o caminho que a criança vai percorrer, e a compreender melhor o progresso que cada fase do percurso comporta.

Essa "vida psíquica" é, verossimilmente, feita de sensações e

impressões diversas, a suceder-se, ou superpor-se, em uma espécie de continu^ Umas provêm do corpo, outras do mundo exterior; mas os sons do rádio, ou da voz materna,
não são situados "fora"' da criança, tanto quanto as impressões provocadas por seus próprios movimentos, ou suas contrações de estômago, não são situadas "dentro"
dela. Com efeito, ainda não há diferença entre o que é ela, e interior a ela, e o que não é ela, e exterior a ela. Assim como a criança não pode situá-las num mundo
exterior, ou relacioná-las com um "eu" ainda inexistente, tampouco pode dar, a

32

essas sensações cinestésicas, auditivas, visuais, tácteis, viscerais ou outras, qualquer significação: por falta de experiência, elas ainda não se referem a nada,
e ainda não constituem sinais. Tais impressões, não significativas e não situadas, são passivamente sentidas, até que logo algumas dentre elas sejam procuradas,
ou evitadas. Enquanto ocorrem, "ocupam o campo inteiro , se assim se pode dizer; e não há, nesse psiquismo, nenhum outro conteúdo. Os próprios movimentos
que observamos, descoordenados e espasmódicos, não são nem dirigidos nem desejados, mas, antes, sentidos e sofridos como impressões.

Não há objetos, nem pessoas, mas, sem dúvida, "quadros" visuais, auditivos, tácteis, sem relação entre si e, provavelmente, muito imprecisos e difusos; a criança
seguramente vê, sem perceber, porém; não sabe o que vê, e ignora que haja coisas para ver. Esses quadros aparecem, depois esvanecem e não existem mais. Não há tempo,
nem espaço, nem causa, nem relação de qualquer espécie; não há senão uma espécie de "agora" indiferençado e integralmente vivido, a cujo respeito a criança não tem
qualquer espé cie de recuo. Certas impressões são, sem dúvida, dolorosas,

cor respondem ao que chamaríamos, em nós, estado de tensão, ou de necessidade; outras, ao contrário, correspondem, sem dúvida, ao que chamaríamos vago sentimento
de bem-estar. Não há, porém, nem emoções, nem sentimentos verdadeiramente catalogáveis. No mais do tempo, aliás, cerca de vinte e uma horas em vinte e quatro, o
bebé dorme, e suas impressões são, então, se possível, ainda mais vagas e mais difusas; não há, contudo, razão de cuidar que haja, para o recém-nascido, qualquer
diferença entre a vigília e o sono.

Os começos da organização

Todavia, nesse continuum inconsistente e flutuante (que com o maior custo nos representamos), um começo de organização não tarda a estabelecer-se, e verossimilmente
aparece mercê da repetição freqüente de pequeno número de situações, sempre semelhantes. Essa repetição responde à periodicidade das necessidades organicas primárias
da criança (necessidade alimentar), como também à das necessidades secundárias que nela criamos com o impor-lhe rotina diária culturalmente determinada (horário,
toilette).

Assim, por exemplo, as sensações internas ligadas à fome, posto, evidentemente, não identificadas, e não situadas como tais

33

pelo bebé, são _regularmente seguidas de outras, de ordem muito diversa, ligadas à mamada, e acompanhadas da cessação das primeiras. Esse conjunto plurissensorial,
com o repetir-se sempre igual a si mesmo, por ocasião dos cinco ou seis aleitamentos diários, vai, necessariamente, emergir do fluxo contínuo das impressões múltiplas
e mutáveis, sempre diferentes, e adquirir certa consistência. Regularmente, os primeiros elementos desse conjunto, uma vez desencadeados, chamam, de certo modo,
os seguintes, que nunca falham: uma totalidade se constitui, na qual a criança reencontra periodicamente as mesmas impressões; os mesmos estímulos desencadeíam nela
os mesmos comportamentos. Pode-se dizer que aí está um primeiro ponto de referência constituído, uma primeira situação que a criança reencontra, e na qual se reencontra.
Pode-se dizer que logo reconhece a situação de nutrição e se acalma desde que a mãe a toma para alimentá-la; tudo se passa como se, tendo fome, a criança "soubesse"
o que "deve" seguir-se, e sua desorientação angustiada aparece quando a sucessão normal não ocorre, ou quando é interrompida.

Essa primeira forma de experiencia e de "reconhecimento" de uma situação se organiza na base do incontestável avanço de desenvolvimento do aparelho bucal em relação
ao resto do organismo; movimentos de sucçã o e de deglutição podem ocorrer antes do nascimento (como devemos de estar lembrados) e, de qualquer modo, a criança normal
sabe mamar e coordenar sucção, deglutição e respiração desde o segundo, ou terceiro, dia. Essa atividade reflexa se apura e se aperfeiçoa rapidamente: logo a criança
sabe tomar o bico do seio e, até, procurá-lo e encontrá-lo, se lhe escapa.

A,Jm@ortância vital da alimentação dá, sem dúvida, a esse

conjunto de experiências, sua proeminência e seu caráter de zona favQrecida,, e particularmente sensível, apta a permitir uma primeira organização. Seria esquecer,
contudo, as particularidades do psiquismo do bebé limitar essas experiências ao domínio estritamente alimentar: há, com efeito, na mamada e nos cuidados que a acompanham,
bem mais do que a simples ingestão de alimentos: a "situação de alimentação", o desenvolvimento regular da seqüência da qual acabamos de falar, comporta inumeráveis
impressões, a

desbordar largamente da zona estritamente bucal ou digestiva; e

essas impressões são sentidas de maneira global e não discriminada, ao menos no começo. Sem querer fazer enumeração completa, poderíamos, em todo caso, distinguir
impressões tácteis (cuidados, carícias, manipulação da criança pela mãe, contatos da

34

criança com o corpo materno), térmicas (calor do banho, do contato materno), auditivas (ruídos eventualmente ligados aos preparativos, palavras e sons diversos emitidos
pela mãe e dirigidos à criança, sons emitidos por ela própria), olfativas (odor da mãe, dos produtos de toilette, dos alimentos), cinestésicas (relacionadas com
a própria atividade muscular da criança nessa situação) e, seguramente, também impressões visuais.

A propósito dessas impressões visuais, devemos notar, de passagem, que o olho, tal como a boca, apresenta certa precocidade de desenvolvimento; no curso dos três
primeiros meses se estabelece a coordenação da mobilidade ocular. Em geral, a convergência ocular está bem instalada ali pela terceira semana e o olhar se toma capaz
de fixar-se, o que assegura, sem dúvida, certa consistência às impressões visuais. Aos dois meses, e muita vez, mais cedo, o olhar pode acompanhar uma coisa a deslocar-se
lentamente no campo visual: esse móvel é, pois, distinguido do "fundo", e dele recebe certa unidade, certa individualidade. Isso não implica, é claro, saiba a criança
o que está a ver, como quando vemos passar um automóvel; algo, porém, se destaca do conjunto perceptivo indiferençado e, por assim dizer, "ganha corpo". Como disse
muito bem Gesell, o bebé pega com os olhos, bem antes de que a preensão esteja instalada e lhe permita pegar com as mãos. Pode-se supor, também no plano visual,
que a repetição freqüente de alguns "quadros" introduza certa consistência no universo visual, de começo indiferençado, e que alguns deles ganhem valor particular:
é, notadamente, o caso do rosto das pessoas que cuidam da criança, quadro, a um tempo, colorido, móvel, sonoro, fortemente associado ao conjunto de sensações do
qual falamos acima, freqüentemente repetido e partícipe de numerosas situações: tratase de quadro privilegiado ao qual pareceria fosse a criança seletivamente sensível
desde as primeiras semanas, como fazem pensar certas observações de Faritz [201 e de outros autores.

Voltemos, por um pouco ainda, ao "quadro plurissensorial", ao feixe de sensações, constituído pela situação de alimentação da qual enumerávamos, há pouco, alguns
componentes essenciais. Essas sensações formam, para a criança, uma totalidade. A ingestão do leite é, sem dúvida, fisiologicamente, o aspecto essencial dessa totalidade,
e isso o demonstram os eventuais protestos do bebé, quando não lhe dão o leite bastante. Mas, por força da natureza do psiquismo nesse nível, pode-se afirmar que
cada componente que discernimos por análise é psicologicamente essencial e faz parte

35

do conjunto: toda mudança no desenrolar do conjunto, toda ausência de um, ou outro, componente faz que a situação já não seja * mesma e perca, pois, sua familiaridade,
seu valor de referência; * bebé sente uma situação de falta, ou inacabamento, não 11 se orienta" na situação que não pode reconhecer, está novamente entregue
à incoerência, está "desorganizado". É o que mostram sua agitação e seus gritos quando a refeição tarda, ou quando é dada num quadro diferente do ordinário, ou quando
a mamãe, apressada ou nervosa, nã o respeita o desenrolar habitual dos episódios. Muitos dos problemas alimentares do bebé não têm outra causa; e vê-se também como
o desmame pode provocá-los com modificar a situação. .É, provavelmente, nesse contexto que se podem situar os começos - muito gradativos! - da distinção que se vai
estabelecer entre segurança e insegurança, como entre o eu e o não-eu, assim como os da fundamental ligação afetiva entre a criança e a mãe.

Toda impressão de tensão, de mal-estar, ligada à necessidade fisiológica, desencadeia, para o bebé, o desenvolvimento da situação de conjunto conducente à satisfação
física e à quietação, situação correspondente ao que a criança "espera" implicitamente, desde que dela aparecem os primeiros elementos. 0 bebé é, pois5 por assim
dizer, confirmado em suas expectativas, sempre que as coisas se passam como de costume; é o domínio da segurança, ligado à satisfação das necessidades, ao apaziguamento
das tensões, à estabilidade dos sinais e das experiências. Nesse sentido, a criança sente o caráter absoluto e universal de suas impressões e, pois, em nada se dissocia
do mundo ambiente. 0 sentimento de segurança, ligado ao caráter repetitório e satisfatório das experiências e, sem dúvida, também a esse matiz de absoluto(*) e de
não-dissociaçao , constitui, segundo Erikson [191, uma das aquisições essen ciais e fundamentais dessa idade. Mas, além disso, todas as impressões diversas e complementares
das quais falamos participam estreitamente do valor benéfico e tranqüilizador da situação global: ser tomado nos braços da mãe, e por ela acariciado, estar em contato
com seu corpo, com seu calor, com seu odor, com sua consistência particular, ser interpelado por ela, com os sons afetuosos de que ela tem o segredo, eis outras
tantas impressões, associadas ao apazi-

M Entenda-se: a criança não experimenta senão suas impressões, que

toda e não têm, para ela, nada de relativo; tal como a necessidade toda a "cena psíquica", a satisfação subseqüente a ocupa inteiramen-

e a satisfação têm caráter "total" e nada mais existe. A ,Zàpa resultante da necessidade satisfeita é também "total" . V. tb. p. 42. Ir @ ~ trads.)

36

guamento das necessidades e das tensões, e tornadas, de si mesmas, calmantes e satisfatórias, desde que as necessidades alimentares não sejam demasiado imperiosas.
Eis outras tantas situações secundárias, ou situações parciais, que se vão gradualmente destacar do conjunto, ganhar a consistência própria de conjuntos familiares
e "conhecidos" sensorialmente, de momentos particulares do continuum indiferençado de impressões. Criam-se, assim, novas entidades participantes da zona do conhecido
e do reconhecido, do satisfatório, do agradável, à qual a mãe está sempre estreitamente ligada; assim se criam novas expectativas e novas necessidades, propriamente
psíquicas, as quais se emancipam gradualmente da necessidade alimentar.

Se, ao contrário, os elementos iniciais do desenrolar habitual não forem acompanhados da seqüência costumeira, se as contrações do estômago, ou as impressões penosas,
não trouxerem seus complementos ordinários de tonalidade calmante, já o bebé não mais poderá "reconhecer" a situação. Ao invés da confirmação usual de sua expectativa
implícita, haverá frustração e queda na incoerência e, de quebra, acentuação, com o tempo, das sensações penosas, ou da necessidade. É algo como se transpuséssemos
uma porta familiar para encontrar um ente querido e não apenas não o encontrássemos, mas, em lugar do quarto tão nosso conhecido, déssemos com o caos, ou com o nada
.. Tal impressão de pesadelo deve ser um pouco a do bebé: subitamente já não há mais meio de orientar-se, de reencontrar-se no conjunto habitual, faltam os sinais,
ou pontos de referê ncia, costumeiros, aquilo que começava a ter sentido já o não tem, é, pois, a insegurança, quiçá a angústia. Ao domínio da satisfação e da segurança,
opõe-se o da frustração, do inidentificável, do inesperado; onde algo deveria ser encontrado, nada se encontra; e, sobretudo, não se encontra a satisfação. Pode-se
supor que uma diferenciação ocorra assim, pouco a pouco, para o bebé, entre as sensações desencadeadoras que experimenta, a suscitar a expectativa de um desenrolar,
e as que podem não aparecer, podem continuar ausentes a despeito da presença das primeiras, e serão, talvez, menos necessárias, menos inevitáveis que -estas. A separação
se esboçará, assim, entre o que é eu, o que vem de mim, e aquilo que não é diretamente eu, aquilo que é independente de mim, para o que o "mundo exterior" deve contribuir
a fim de que eu nele me possa orientar. Os começos da consciência situar-se-iam entre as altemâncias da espera vã, da ausência, da insatisfação, e a recognição das
situações familiares, a satisfação.

37

A mãe é, por excelência, partícipe dessas duas ordens. Por um lado, está, com efeito, intimamente associada a todas as situações-sinaís correspondentes à satisfação
das necessidades originais, ou das necessidades secundárias; é, de certo modo, o próprio centro de todas as satisfações e de todas as quietações. Assim, foi possível
dizer, com razão, que o bebé se confunde com ela, que o bebé não a dissocia de seu bem-estar. Ao mamar, absorve sua mãe, ao mesmo tempo que nela se perde; no amar
as impressões benéficas que ela lhe proporciona, a um só tempo é a ela e a si mesmo que ama. Pôde-se dizer que ela é o seu "eu" enquanto este não está constituído,
que ela é como a espinha dorsal da primeira organização de suas impressões e de suas experiências. É o confirmado pelos célebres trabalhos de Spitz [70], ou de BowIby
[81, por exemplo, os quais mostram largamente quão nefasta é, para o bebé, toda separação, algo duradoura, de sua mãe. Essa separação pode acarretar, com efeito,
verdadeiras paradas do desenvolvimento e profundas perturbações na elaboração da personalidade da criança, justamente, sem dúvida, porque a mãe e sua ternura constituem,
por excelência, o ponto fixo, o ponto de referência imutável que o bebé encontra sempre, em seu universo movediço e flutuante.

Mas, por outro lado, a mãe não é, e nem poderia ser, a sempre-satisfaciente, a sempre-presente. Tem, geralmente, outras ocupações, além da de cuidar do bebé; pode
acontecer que não lhe satisfaça a fome, ou o desmame, esteja momentaneamente ausente, administre algum tratamento desagradável ou doloroso; pode acontecer que o
deixe gritar, em lugar de acudir sempre ao menor sinal. Nesse sentido, participa dos desenvolvimentos incompletos, das expectativas vãs, das desorientações discutidas
há pouco. Não tem apenas a qualidade de fator de satisfação e de segurança; às vezes está envolvida em situações desagradáveis, frustradoras, ansiógenas; e, nessa
perspectiva, tenderia a tomar-se, para a criança, objeto exterior, objeto não-eu. Tal como se pode dizer que ela é o primeiro eu da criança, pode-se dizer também
que é o primeiro "outrem", a primeira personagem que a criança vai gradualmente encarar como distinta dela mesma. É nas experiências que o bebé f ai fazer com esse
outro (que é também ele mesmo) que se situa o protótipo de todas as relações afetivas ulteriores; daí, a importância essencial dessas experiencias e da qualidade
das relações mãe-criança.

38

Os começos da sociabilidade

É fácil compreender que, durante as primeiras semanas, o bebé não faça diferença alguma entre as pessoas, pois elas ainda não têm, para ele, nem consistência, nem
unidade. Já, porém, ali pelos dois meses, muda o quadro: o bebé dispensa muito mais atenção ao mundo circunstante; e parece particularmente fascinado pelo rosto
humano. Este, visto de frente, constituiria, desde os três meses, segundo as experiências de Spitz [711, o provocador específico do sorriso na criança. Desde então
pode-se esboçar um laço, uma relação: se o bebé sorri à vista de um rosto, como não sorrir ao bebé que sorri? A criança responderá por sorriso ao sorriso materno,
tal como responderá por emissões vocais aos sons que a mãe emite diante dela. Mas a criança sorri a todo rosto humano, e seria, sem dúvida, assaz ingénuo conferir
muito conteúdo psíquico a seus vocalises. Nem por isso essas manifestações deixam de preparar o terreno para o subseqüente intercâmbio afetivo e social.

Entre quatro e seis meses, o sorriso da criança se torna mais seletivo: não é desencadeado senão pelos rostos familiares e, particularmente, pelo da mãe; os rostos
estranhos inibem o sorriso e antes provocam reação ansiosa, quiçá, até, verdadeiro desespero. Isso indica claramente que os familiares têm, doravante, sua "consistê
ncia" própria e começam a ser diferenciados dos outros: é, evidentemente, a condição fundamental da constituição de um laço afetivo, de um apego específico às pessoas
familiares. Não é surpreendente que seja, precisamente, na altura dessa idade que se haja descrito o despertar de indiscutível sensibilidade social: o bebé gosta
de companhia, experimenta chamar a atenção da rodã,-chora quando os pais deixam o quarto.

É a partir dos seis meses que se assinalam o interesse e a alegria do bebé por todos esses brinquedos alternativos bem conhecidos, nos quais a criança e o adulto
executam, cada um por sua vez, as mesmas ações (por exemplo, o brinquedo de "cuca"); tudo indica que, nessas alternativas de imitação e de complementaridade, a criança
dissocia sua atividade da do parceiro e procura, assim, situar-se em relaçãoa__@ Cumpre assinalar, na mesma idade, a alegri-a que demonstra ante o espelho, no qual
se reconhece, e cuja imagem vem, de algum modo, confirmar-lhe a própria consistência e ajudá-la a dissociar-se de outrem. ]É, aliás, o momento no qual se esboçam
as primeiras imitações do adulto.

39

_q_ "ro resso da sensibilidade social se assinala, ainda, entre Cinço e sete meses, pela capacidade de a crianç a diferençar as mímicas adultas: expressão encolerizada,
ou sorridente, lhe motivará, desde então, reações diferentes. Quanto à discriminação das pessoas, precisa-se naquilo que Spitz chamou "a angústia dos oito meses",
- e que situariamos, talvez, um pouco mais cedo: ante estranhos a criança se encolhe, esconde-se ou põe-se a chorar, manifestando, assim, a respeito deles, "timidez"
que não mostra em presença das pessoas de sua roda: os desconhecidos são, desde então, claramente havidos como tais, e parecem mesmo, até ali pela idade de um ano,
ter um ar inquietante para a criança. Há, doravante, para ela, "aqueles que a gente conhece" e "aqueles que a gente não conhece", dos quais, por conseqüência, começa
por desconfiar o seu tanto. A dimensão do desconhecido ganha corpo e se precisa, e isso tem particularmente, por efeito, a valorização dos elementos tranqüilizadores
do familiar e do habitual, encontrados pela criança, sobretudo, nos "rituais" da rotina cotidiana.

Essa segurança e essa confiança, conhece-as a criança no círculo familial desde então bem circunscrito, no qual tomou inteiramente pé pela idade de um ano e no qual
situa perfeitamente os rostos e os objetos familiares. Tem, nesse círculo, seu papel e seu lugar; e dele participa como parceiro ativo. Logo compreenderá algumas
ordens simples e mostrará grande alegria no atendê-las. É a idade em que descobre a conduta do beijo; e se mostra de bom grado muito generosa nessa matéria!

Se a palavra "papá" aparece, freqüentemente, antes de "mamá" (talvez porque é mais fácil de pronunciar, mas talvez, também, em razão do mais acentuado caráter de
ausência do pai em,nossa sociedade) e se as brincadeiras mais ou menos acrobáticas com o pai são altamente apreciadas, nem por isso a primazia da mãe deixa, entretanto,
de continuar a afirmar-se, e até a crescer. É certamente a ela que a criança mais pede e mais dá; e durante todo o segundo ano poder-se-á falar de verdadeiro agarramento
da criança à mãe, como se, à medida que o bebé a encara mais como pessoa exterior e diferente dele, tivesse, sempre, cada vez mais, o desejo de assegurar-se de sua
afeição e de sua presença. Assim, ver-se-á, por vezes, a criança recusar os cuidados e a aproximação dos outros, até do pai, e mostrar exclusivismo desconcertante.
Pois, não é principalmente com a mãe que a criança vive, e por meio dela, mediante os cuidados e as atividades da rotina cotidiana, que aprende as coisas e o manejo
das coisas, e se inicia

40

no mundo circunstante? Toda essa iniciação se faz, pois, na tonalidade de segurança familiar irradiante da pessoa materna, nessa atmosfera de ternura e de afeição,
que hoje sabemos quão indispensável é para a crianç a, pois lhe determina o próprio sentimento de segurança, condição de todo progresso ulterior; a criança não se
pode desprender senão na medida em que estiver segura de estar presa(*).

Ao lado desses progressos bastante notáveis no plano das relações da criança com os adultos, não há como nã o ficar ínipressionado com a relativa pobreza de suas
relações com os iguais. É verdade que estes não participam de situações vitais para ela, e que nossos usos educacionais quase não proporcionam ocasiões de contatos
entre crianças de tenra idade. Se irmão, ou irmã, mais velhos, podem exercer verdadeira fascinação sobre a criancinha, parece que os contemporâneos, ao contrário,
não despertam muito interesse. Mas existem, sem dúvida, a esse respeito, diferenças individuais apreciáveis: BilhIer descreveu bebés absolutamente insensíveis aos
outros, bebés centrados nos outros e bebés capazes, segundo os momentos, tanto de interessar-se pelos outros quanto de ignorá-los, conforme o aspecto que tome sua
própria atívidade deles. Seja como for, diversas investigações parecem indicar que, pela idade de seis meses, os contatos sociais são essencialmente negativos: o
bebé trata os companheiros como objetos, empurra-os, manipula-os, arranca-lhes das mãos os brinquedos que o interessam; fora alguns sorrisos e alguns toques, quase
não lhes dá atenção. Ali pelos nove meses, o companheiro é mais tomado em consideração, mas, sobretudo, em função do material que possui: as lutas e os conflitos
culminam pela posse dos objetos; cumpre esperar ainda vários meses para que se estabeleçam contatãg-diversos dos agressivos. Tem-se, todavia, observado, entre seis
e vinte e quatro meses, quando as crianças são duas e não distam uma da outra mais de dois meses e meio, o aparecimento de comportamentos alternados muito curiosos,
de provocação e de resposta; como em certos brinquedos com o adulto, ocorre alternância de confusão com o parceiro, e diferenciação em relação a ele, como se cada
um estudasse os limites do próprio eu.

(*) A inserção da criança no grupo familial e a função da família no trato com a criança foram estudadas por miúdo noutra obra do Autor, Venfant et Ia famille (Éditions
du Scarabée, Paris, 1957), livro há já algum tempo posto em português: A criança e a família, trad. de Silvestre Campos, vol. 57 da "Coleção Saber", Publicações
Europa-América, Lisboa, 1964. (Nota dos trads.)

41

As primeiras reações emocionais

Em estreita relação com esse desenvolvimento social e com as expenencias atrás referidas, como, também, com o progresso da motricidade e da inteligência (do qual
nos resta dizer uma palavra), certo número de reaçõ es emocionais não deixam de aparecer no decurso do primeiro ano. São, entretanto, menos nitidamente circunscritas
que no adulto; e isso levava Bourjade a dizer que, no bebé e na criancinha, "a emotividade supera a emoção". As reações emotivas dessa idade nem sempre têm, com
efeito, causa claramente patenteável; por outro lado, são, muita vez, desproporcionadas à causa, ultrapassam facilmente a situação à qual se referem, e se estendem,
pouco a pouco, como lençol de água. Podem, assim, propagar-se, ou, ao contrário, estancar-se de súbito, sem razão aparente. Não têm, enfim, absolutamente, o caráter
padronizado e convencional que lhes conhecemos no adulto, pois emanam de um psiquismo muito menos controlado, não socializado, ao qual ainda faltam o raciocínio
e a representação, psiquismo, ademais, inteiramente dominado pelo momento presente. Caberia dizer que as emoções infantis ocupam "toda a cena psíquica" enquanto
se desenrolam e não deixam lugar algum a qualquer outro elemento; donde seu caráter total e absoluto. A linguagem emocional do bebè é, sem dúvida, muito mais pobre
que a nossa e é, por vezes, menos inteligivel; não é, por certo, menos eloqüente!

Pelo caráter de urgência das situações às quais se referem, as emo£q@s Oitg@_p-çgaüyas predominam claramente no começo e nos---dão_i-éerteza de que a vida do bebé
não é assim tão agradável como se imagina. A criança é assaltada, de começo, por toda sorte de. sensações de @@âter penoso ou doloroso, demonstradas pelas reações
de "aflição' que se podem identificar, com Bridges [9], desde a idade de três semanas. Essas reações se caracterizam por tensão muscular, modificações respiratórias
e choro, aos quais virão juntar-se as lágrimas, entre um e dois meses. Por volta dos dois,ou três meses, a mímica da aflição está bem estabelecida, as= como as emissões
vocais características que a acompanham.

a aflição primitiva, que dará lugar ao desgosto, à tristeza pr9priampnte psíquica por volta dos cinco meses, diferençam-se

do duas grandes tonalidades emocionais: medo e ansiedaum lado, cólera e agressividade, de outro. Quanto ao ciú- ^id

uvídoso que apareça pelo fim do primeiro ano, quando ..'@@,&afetivas se definem; mas o ciúme é antes maté ria do

te.

42

Afora a ansiedade, da qual já dissemos uma palavra a propõsito da alteração de situações familiares que o bebé não pode reconhecer, ou da presença de pessoas estranhas,
parece que os terrores do bebê sejam, sobretudo, ligados a uma súbita @,,perda de)

oio, 1

ou à subitaneidade de certos estímulos auditivos '(barulho violento) ou visuais (movimentos repentinos e inopinados), ao cabo relativamente raros, afinal, na situação
normal de criação. Assim, por exemplo, a rã, tão inofensiva, com seus saltos imprevistos, seria causa de terror para a criança! Mas, contrariamente ao que se pôde
pensar antanho, não há, na criança, terrores específicos e hereditários, inatos. Seus medos serão aprendidos, por condicionamento (medo do cachorro associado a uma
aparição súbita), por imitação (medo do trovão na criança cuja mãe tem medo do trovão), por indução ("você vai machucar-se"). Isto é: se o bebé tem pânicos ansiosos,
quase não terá terrores, mas estes inevitavelmente se multiplicarão segundo suas experiências, à medida que lhe for crescendo a liberdade de ação. Cumpre lembrar
que o desconhecido e o não-familiar têm forte potencialidade ansiógena, mas que a atitude dos pais é determinante, como foi mostrado pela experiência trágica da
guerra, quando as reações das crianças aos bombardeios estavam em função das reações dos pais, ou, ainda, pela sugestiva pesquisa de Hagman [31], reveladora de alta
correlação entre os medos da criança e os medos da mãe. Talvez aqui caiba lembrar que, para muito e muito adulto, a educação consiste essencialmente em "pôr medo"
nas crianças, em criar, nelas, sólida rede de medos, tida como adequada a mantê-las no caminho da obediência... Mas isso ainda não concerne senão muito indiretamente
ao bebé!

As manifestações de cólera e agressividade são, provavelmente, mais freqüentes; e podem ser postas nesta categoria as reações ocorrentes aos dois ou três meses,
quando as seqüências habituais não são respeitadas, ou as recompensas costumeiras não aparecem a tempo e a hora. Não demos ao bebê a refeição bem rapidamente ou,
depois de fazer menção de pegá-lo, deíxemo--lo no berço, e já veremos seu rosto enfarruscar, e ele pôr-se a gritar, a gesticular, a bater com os pés. É o que acontecerá
também quando, por acaso, as manipulações dos cuidados forem abreviadas, ou não respeitarem o ritual estabelecido. A saída do adulto com quem a gente estava a brincar
ou, pouco mais tarde, a incapacidade de atingir tal objeto desejado, terão efeitos análogos. De modo geral, as cóleras decorrem sempre do fato de ser contrariada,
embaraçada, frustrada: essas situações inevitáveis se multiplicam

43

à medida que a criança cresce e seu universo se estende, confirmando-a na impotência. Ponto culminante é atingido ali pelos dois anos, ou dois anos e meio, a idade
da desproporção máxima entre as intenções da'criança e os meios de que dispõe para realizá-lais, e idade em que, por outro lado, as possibilidades de compensaçã
o ainda são muito reduzidas. Se as cóleras são tão inevitáveis como as frustrações, isso não é, todavia, razão para viver a "apoquentar" a criança, sob incontáveis
pretextos, nem para ensinar-lhe que a cólera "rende" e acaba dando, sempre, em satisfação. E desde o berço a criança deve adquirir, aos pouquinhos, certa tolerância
às frustrações, se quisermos poupar-lhe muito desengano futuro.

Quanto às emoções positivas, têm ocupado bem menos a atenção dos pesquisadores, muito preocupados com descobrir as inadaptações. Segundo Bridges [91 é só ali pelos
dois meses que o prazer aparece como reação emotiva bem diferençada, manifesto pelos movimentos dos membros, pelo sorriso, pela cara alegre, pelos gritinhos breves
e claros, quando o bebé é banhado, vestido, acariciado e quando a gente brinca com ele. Pode-se dizer, muito literalmente, que então ele "se baba de gozo". 0 riso
é mais tardio, aparece por volta dos seis meses, por ocasião das cócegas e daqueles brinquedos alternativos de que falamos; conservaria, de resto, caráter eminentemente
social, e, tal como o medo, seria objeto de toda uma aprendizagem; não apenas é mais tardio que o sorriso, como é mais raro, e sua freqüência quase não aumenta entre
vinte e cinqüenta e duas semanas, a crermos em Wasliburn [83], enquanto a do sorriso cresce consideravelmente. A época das "grandes risadas" infantis virá posteriormente,
quando a socialização estiver mais adiantada.

Pode-se situar na vizinhança dos oito meses o aparecimento dessa forma particular de contentamento que é a arrogância, sa-

tisfação consigo mesmo ou, mais exatamente, com os próprios desempenhos. Reação de triunfo, como Janet muito bem havia visto, está ligada à atividade da criança,
ao êxito de suas ações; supõe, pois, certa intencionalidade na ação, organização dos atos em vista de um fim, o que é situado, por Piaget, precisamente nessa idade.
Esse orgulho se inscreve na linha desse "prazer de ser causa", no qual se viu uma das motivações principais da atividade da criancinha, e, sobretudo, um dos móveis
essenciais do jogo.

É por volta da mesma idade que poderão ser distinguidas manifestações de ternura e de afeição, das quais os adultos familiares

44

(particularmente a mãe) serão objeto, à medida que o bebé toma consciência da existência deles, exterior a ele próprio, mas eminentemente benéfica e gratificante
para ele, e à medida que discrimina melhor as próprias reações afetuosas a respeito dessas pessoas. Aqui também a imitação desempenha papel não somenos: com ser
amada é que a criança aprende a amar.

Cabe, aliás, acrescentar que é com ser amada que a criança aprende a ver-se como amável, isto é, como possuidora de valor aos olhos de sua roda; e isso vai consideravelmente
determinar-lhe, mais tarde, a atitude a seu próprio respeito, essa tendência a considerar-se como válida, ou não-válida, um dos componentes essenciais do sentimento
de segurança e de confiança.

Quadro sumário do desenvolvimento motor

Ficaria muito incompleto nosso painel do primeiro ano, se não reservássemos algum lugar àquilo que constitui, ao cabo, o quadro muito espetacular e o aspecto mais
objetivo da evolução nessa idade, isto é, o desenvolvimento motor.

Os movimentos do bebé são, de princípio, maciços e globais, e podem ser ativados, ou inibidos, por estímulos externos quaisquer, como um ruído, ou o aparecimento
de alguém no campo visual. São movimentos espasmódicos e descoordenados. 0 desenvolvimento, que se vai fazer, a um tempo, no sentido da coordenação e da combinação
de movimentos diversos, e no do apuro e isolamento de certos movimentos que se vão destacar das gesticulações maciças, pode dividir-se, grosso modo, em quatro fases
de três meses, no correr do primeiro ano. Concerne, sobretudo, à boca e aos olhos, durante os três primeiros meses; depois, dos três aos seis meses, à região da
cabeça, do pescoço e das espáduas; dos seis aos nove, à do tronco, dos braços, das mãos; e, enfim, dos nove aos doze, será a vez das extremidades, língua, dedos,
pernas e pés.

Sem entrar nos pormenores dessa evolução motora, podemos dar-lhe alguns pontos de referência, tomados sobretudo a Gesell [25], os quais bem ilustram a sucessão há
pouco assinalada. Por volta de um mês só se encontra, como dissemos, motilidade algo diferençada na região bucal: o menor toque nessa zona logo provoca movimentos
de sucção e de procura dos lábios. Outro tanto pode-se dizer do olho, capaz de imobilizar-se e de fixar longamente

45

as superfícies, ou os objetos, presentes no campo visual, e logo capaz de seguir um estímulo que se desloca, e dotado de capacidades de discriminação bem melhores
do que se pensava outrora, como mostrou Faritz [20]. Nessa idade, as mãos quase não funcionam; estão geralmente fechadas e não procuram pegar, mas se mexem
quando tocadas.

Pelos quatro meses, a cabeça, até então oscilante, mantém-se direita quando a criança é mantida sentada; torna-se móvel e pode voltar-se para a fonte de um som
familiar. Essa mobilidade favorece, naturalmente, a atividade visual e prolonga, de algum modo, a motilidade ocular. A aproximação de um objeto visto pela criança
logo provoca movimentos maciços da cabeça e dos braços; a mão vai para o objeto olhado; logo, aos cinco meses, a criança o colherá, primeiro entre os dedos e a palma,
depois, um pouco mais tarde, pelos seis meses, opondo o polegar. Aos seis/sete meses a criança fica sentada com auxílio: isso lhe traz novo alargamento, muito considerável,
do campo visual e lhe permite participar bem mais de tudo quanto se passa em torno. Nessa idade, pega e manipula o que vê; todavia, nota Gesell que o olho ainda
está adiante da mão, pois já distingue pequeninos objetos que a mão ainda não é capaz de pegar. A criança põe na boca tudo quanto pega, é sua maneira de "conhecer"
os objetos. Mas vai, também, palpálos, passá-los de uma das mãos para a outra. É nesse contexto que se vai esboçar, a pouco e pouco, o uso preferencial da mão direita.
Assinala Gesell que há quase tanta preensão com a direita como

com a esquerda, por volta dos cinco meses, ao passo que, na, idade de um ano, a mão direita predomina claramente em 70% das crianças observadas. Essa predominância
é, talvez, bem mais precoce, pois, como assinala Valentine [761 e como nós mesmos pudemos observar, há crianças que já nas primeiras semanas, já, até, nos primeiros
dias, chupam de preferência os dedos da mão que virá a mostrar-se, ao depois, dominante(*). Assim como assim, a dominância da mão direita está, pois, estabelecida,
na maioria das crianças, no começo do segundo ano, e ainda se confirmará, mais tarde. Não é razão para considerar o sinistrismo - ou uso preferencial da mão esquerda
- como anomalia, ou tara moral

M Vejam-se indicações de trabalho experimental a respeito do uso predominante de uma das mãos no livro de Henry E. Garrett, Grandes experimentos da Psicologia, trad.
port. e notas de Maria da Penha Pompeu d Toledo, voI. 70 destas "Atualidades Pedagógicas", São Paulo, 4.' ed., C79
19 , pp. 180-2. (Nota dos trads.)

46

que cumpra combater com todos os recursos, tal como parecem crer certos educadores. É lícito pensar até que, em certos casos, "forçar" no sentido da direita uma
criança canhota seja capaz de provocar toda sorte de dificuldades e criar desvantagem deveras embaraçosa.

A partir da estação sedente e da "idade da cadeira", entre,sete e oito meses, a criança começa a aprendizagem da estação vertical e do andar. Aos nove meses, fica
perfeitamente em equilíbrio sentada, e pode virar-se e debruçar-se sem perigo; sabe pôr-se em pé e suas pernas a suportam; não tem equilíbrio, contudo, nessa posição,
e logo cai sentada. Deitada de barriga, rasteja e recua; logo será quadrúpede e andará de gatas. A motilidade fina continua a desenvolver-se; não apenas a criança
manipula ativamente, como ainda é capaz de comer sozinha um biscoito, de segurar a mamadeira, de pegar migalhas entre o polegar e o indicador. Esse indicador é cada
vez mais ativo e faz o papel de instrumento de exploração táctil: serve para palpar, para sentir a textura dos objetos, para introduzir-se em todas as anfractuosidades.
A língua faz, aliás, o mesmo ofício e adquire destreza cada vez maior, sobretudo em matéria de alimentação. Se, ainda, nessa idade, e até por volta dos onze meses,
a criança continua a pôr tudo na boca, a exploração visual e digital começa, entretanto, a sobrelevar a exploração bucal.

Aos doze meses, enfim, a criança pode geralmente manter-se de pé sem ajuda, posto seu equilíbrio, nessa posição, continue precário. Anda, muita vez, sem apoio, mas
ainda prefere recorrer à quadrupedância, em que alcança, de resto, perfeito desembaraço; e durante algumas semanas, escreve GeselI, "cabe indagar se ela será quadrúpede,
ou bípede". É ali pelos quinze meses que o pequeno dá resposta a esta interrogação. A preensão está, agora, perfeitamente estabelecida e destra; apenas o largar
os objetos traz ainda alguns problemas. A criança manipula, pode enfiar um bastão num furo, tirar uma pastilha de um frasquinho; alinhar cubos e, até, rabiscar com
um lápis, se lhe mostramos como fazê-lo. Já dissemos que atende facilmente a certas ordens verbais.

Cada uma dessas aquisições motoras tem repercussões gerais. A posição sedente e a de pé liberam a mão, como foi assinalado tantíssimas vezes; a preensão permite
real domínio sobre o mundo imediatamente circunstante e vai precisar o descobrimento do objeto, o qual ocasiona manipulações e experiências infinitas, onde

47

se manifestará, cada vez mais, a intenção do movimento. Se a preensão assegura certa liberação com referência ao adulto e ocasiona, assim, experiências valorizadoras
para a criança (comer só, por exemplo) e lhe confirma o sentimento de ser causa, de produzir efeito, de ser, pois, centro de ação, vai ocasionar, também, experiências
penosas ou dolorosas (como queimar-se, ferir-se), que reforçarão também a consciência do eu, mas produzirão o aparecimento de medo ou de ansiedade e provocarão o
recurso ao adulto consolador.

A estação vertical, por sua vez, alarga novamente o campo visual; permitirá olhar pela janela, ver o que está em cima da mesa. Quanto ao engatinhar e à marcha, escusa
sublinhar como acrescentam as possibilidades de ação, como contribuem para a constituição de um espaço e de uma topografia, ambos práticos, como permitem experiências
de toda ordem e, principalmente, o encontro, de novo, com certos obstáculos e certos perigos. A criança, quadrúpede ou blpede, tornada móvel, aprende a procurar
os objetos e, sobretudo, as pessoas, aprende a vir quando é chamada... mas também a fugir dos braços que para ela se estendem e a marcar, assim, sua autonomia incipiente,
sua "separação" dos seres circunstantes.

É claro que esse intenso desenvolvimento motor não se dissocia de um desenvolvimento sensorial e intelectual simultâneo, cujos momentos particularmente importantes
são aqueles nos quais se produzem "associações intersensoriais", coordenações entre séries e ordens diversas de impressões. Descobrir que a gente pode ver a fonte
de um ruído, tocar o que vê ou prova, perceber que certos movimentos da boca correspondem a sons ouvidos, ou certos movimentos do braço correspondem a deslocamentos
observados, verificar, nesse domínio, inumeráveis concomitâncias regulares - eis algumas das experiências que, entre os dois e os oito meses, mais ou menos, vão
contribuir para dar certa coerência tanto às condutas da criança como à sua percepção do mundo circunstante. Dessarte, pelos quatro meses, tudo que a mão pega é
posto na boca e chupado, e pelos cinco meses o que é visto é pegado e o que é pegado é olhado; o objeto se encontra, assim, de certo modo, na interseção de diversas
maneiras de apreendê-lo, é ocasião de tipos diferentes de comportamento e disso lhe vem certa consistência. Até por volta dos sete meses, como foi magistralmente
mostrado por Piaget [54], o objeto ainda não existe senão em função da atividade da criança, e basta escondê-lo para

48

que essa atividade cesse; mas, a partir dos oito meses, aparece a busca do objeto desaparecido, o que indica realmente haver esse objeto adquirido. certa existência
propria, a qual, aliás, não ficará perfeitamente estabelecida senão depois de doze meses, e com o concurso da linguagem. Muitos autores têm insistido nesse "dostaque"
do objeto no fim do primeiro ano; até então ele estava englobado na atividade sensorimotora do bebé: era um "chupável", um "esfregável", um "sacudível", como se
disse pitorescamente; agora é um objeto, toma-se "alguma coisa com a qual se pode fazer alguma coisa", torna-se exterior ao eu.

Os começos da inteligência

Foi no quadro da atividade motora que Piaget [551 pôs em evidência o aparecimento da inteligência, por volta do oitavo mês. Poder-se-ia esquematizar rapidamente
essa gênese da seguinte maneira. Bem de começo o recém-nascido não dispõe senão de reflexos hereditários, que funcionam por si mesmos, e cujo protótipo seria a sucção.
Logo, a esses reflexos vão acrescentar-se adaptações adquiridas, hábitos de origem fortuita que se vão repetir e fixar: o bebé chupará o polegar, por exemplo. A
partir de cerca de quatro meses e meio, os movimentos produtores de efeitos fortuitos são logo repetidos, com busca da reprodução desses efeitos: são os "processos
destinados a fazer durar os espetáculos interessantes", como naquele exemplo ciássico de Piaget, onde o bebé, procurando pegar um chocalho pendente, sacode-o e assim
produz o som característico; a criança tira a mão, depois sacode de novo fortemente o chocalho, e recomeça em seguida muitas vezes. 0 ato terá, pois, certa direção;
não será mais executado por si mesmo, mas em vista de um resultado exterior. Enfim, a partir de oito meses, não haverá mais simplesmente repetição de tal ou qual
dos atos do repertório da criança e reprodução de seu resultado habitual, mas coordenação desses atos entre si, para fim previamente fixado. Os elementos do repertório
motor, as entidades motoras das quais a criança dispõe tornam-se "mó veis" e suscetíveis de ser utilizadas e coordenadas entre si, independentemente de sua situação
habitual; a organização dos elementos motores sucede à sua simples repetição: tornam-se "meios" que permitem atingir um fim, e desde então pode-se falar de conduta
inteligente. A criança adapta o comportamento à situação, escolhe, em seu repertório motor, os atos convenientes: levantará, por exemplo, a

49

âmOfada para apoderar-se da caixa escondida, e a ação de levantar, já não executada por si mesma, tomou-se "instrumento" em função de um objetivo.

Pelo fim do primeiro ano, surge novo aperfeiçoamento: quando um resultado novo é obtido por acaso, não é mais simplesmente reproduzido de maneira estereotipada,
como dantes. A criança, ao contrário, procura reproduzi-lo com variantes, modificá-lo; tateia e estuda as flutuações do resultado. Noutras palavras: há experimentação
ativa: a atividade, até então sobretudo conservadora e reprodutora, vem a tornar-se exploradora. É o que mostra bem o exemplo clássico da criança de dez, ou onze,
meses que faz incansavelmente cair o mesmo objeto, modificando, porém, de cada vez, as condições da queda e interessando-se pelos resultados. A mamãe pode enervar-se
por ter de apanhar cem vezes o objeto: é que não percebe que está a participar de autêntica experiência! A criança, por sua atividade tateante, descobre condutas
novas, numerosas relações concretas, e apura modos de ação que permitem desempenhos relativamente diferençados, os quais vão proliferar e afirmar-se nos anos seguintes.

0 primeiro ano termina, pois, pela chegada da inteligência prática, ou manipuladora, da qual algumas realizaçõ es são, por exemplo, a ação de trazer para si um objeto
distanciado puxando a toalha sobre a qual está esse objeto, ou a de aproximá-lo por meio de pau ou de rastelo, puxar barbante para pegar objeto preso na outra extremidade,
abrir caixa para pegar o brinquedo que nela viu ser posto. Mas todas essas condutas continuam ligadas à experimentação, à manipulação efetiva, ao contato espacial
e atual. A liberação do pensamento com respeito à ação ou, seja, a superação do mundo concreto por um mundo representado, começará na fase seguinte e constituirá
um dos aspectos de todo essenciais dessa fase.

A riqueza do desenvolvimento inicial justifica a extensão deste capítulo, bem sumário, todavia. Pois, não é a " idade bebé" a mais estranha em relação à nossa mentalidade
e à nossa vivência de adultos? Não é, também, a mais estranha a nossas preocupa-

50

ções psicológicas, ou educacionais? Esse pequeno ser singular, ou nos desinteressamos dele, considerando-o naturalmente como coisa, ou como animalzinho, mal e mal
digno dessa louca ternura maternal que se afigura, por vezes, pouco sensata aos observadores frios, e perdemos de vista que, com o viver já toda uma massa de experiências
decisivas para seu futuro, faz, com espantosa rapidez, a evolução mais espetacular de toda a existência... ; ou, então, lhe atríbuimos mentalidade calcada na nossa,
interpretamoslhe o comportamento em termos adultos, e isso nos impede de compreender seja o que for das manifestações de sua personali-dade em elaboração.

51

CAPITULO III

0 período da expansão subjetiva (de 1 a cerca de 3 anos)

Caracterização do estágio

A criança que depende de outrem para deslocar-se, que o adulto deve transportar e pode depor aqui ou ali, como objeto, é, ainda, bebé. A que vai de cá para lá ao
sabor dos impulsos, circula, tem 1)ossíbiTi "aé- dê@-àp__r"c'x1m_ ar --se- quandô é chamada, ou ãe---af_astar se, essa ja não é-bebê.'Ê um toddíer c

omo dizem os anglo-saxÕes.

A a rcha assegura, à criança, uma mobilidade

q ~ião @dama@ que, no plano motor, a liberti-@fõ- pãrasitismo inicial e lhe confere um começo de independência; e aí está, desde o início do se- gundo ano, uma
das características principais e, sem dúvida, a mais aparente, da fase que desejamos considerar agora. Resulta, dessa "mobilização" da criança, extensão de seu campo
de experiências, de seu repertório de sensações e de ações, que não poderia ser superestimada; o mundo concreto se dilata, poder-se-ia dizer, ao mesmo tempo que
se toma penetrável. Ao universo exíguo e aproximado da manipulação, vem sobrepor-se o da e2@ploração e da atividade corporal maciça. A criança entra n@q-uil6 que'
Ge-s-efl cha-inou- cliÍstosamente de "idade desarrumadora" e "idade acrobata", bem sublinhados, com essas expressões, o primado e a superabundância da atividade
motora, da exploração motora do mundo material e, simultaneamente, das propriedades do corpo agentes nesse mundo. A esse respeito, a presente fase se apresenta como
dominada pelo desabrochar da giqtiIU4&,

(*) Toddler, de to toddle, verbo com que, na língua inglesa, se exprime a ação de caminhar a passos curtos e vacilantes, e a de dar, a criança, os primeiros passos.
Em francês, seria trottiner; e a tradução de toddler seria trottineur, forma presente no original deste livro. (Nota dos trads.)

52

No começo do segundo ano, porém, aparece outro fenômeno capital, fundado,. principalmente, nessa atividade sensorimotora circunscrita e particular, a fonação. Se
o bebé crescido é capaz de dizer "papá" e "mamã", e parece compreender algumas ordens elementares, nem por isso se pode dizer que fala.

Começa novo estágio quando na fonação se insere a linguagem, meio de expressão, de comunicação, de comércio mental com outrem. É no correr do segundo e do terceiro
anos que a criança faz o descobrimento desse sistema pré-fabricado de sinais sonoros oferecidos por seu meio social; e emprega, em assimilá-lo, prodigiosa atividade.
Ao toddler de há pouco logo se acrescenta um "tagarela". Mas essa aquisição e taín--b-emprefilie -de conseqüências; gr'açasa ela, com efeito, ao plano da ação efetuada
vai gradualmente sobrepor-se o da ação falada, narrada, da ação transposta, que poderá, um dia, dispensar os suportes concretos; e, a um mundo individual, sentido
como amontoado de impressões momentâneas, mais ou menos difusas e mais ou menos significativas, sobrepor-se-á, pouco a pouco, um mundo construído, ordenado e diferençado,
graças a uma rede de noções comunicáveis.

É, todavia, de modo muito modesto que se abrem à criança as perspectivas do pensamento; e se a atividade verbal vem realmente, com efeito, acompanhar a pura e simples
atividade, é, entretanto, sobretudo esta última que vai ter o papel principal no

nível que nos ocupa(*). Se, em verdadeiro "borbulhar verbal" (Gese11), a criança se apossa do sistema lingüí stico de seu grupo social, o que lhe vai permitir explorar
o mundo em novo plano e estruturar seu pensamento, importa assinalar quanto esse pensamento está ainda carregado das aderências afetivas e ativas características
da experiência infantil.

Co2m efeito a cri

ainda, nessa idade, como alguém já disse "toda senti q--e -0 T@k -

a a ao isso sig cara as situaç~ tecimentos, g

oes, os acon cqlsas _senao (@m--Tu-i-íçã< das possibilidades de sensação, de abalo emocional, de- ãfl-vi-dãd-e-qút@--r@ãtã -eTã-ffi-p-11-quem;
não ve o universo circunstante senão eín relação ã-sê ti"esfãctõ pesg=- do ínmffi-efito, a seus dese .os, a seus temores Effc-õíítran(io se, assim, de algum modo
"diluída" no mundo, misturada nele, sem recuo a seu próprio respeito, a custo se distingue do mundo e não está plenamente cons-

(*) Isto é: a atividade é que acarreta e desencadeia, de certo modo, a atividade verbal, sobre a qual tem primazia. (Nota dos trads.)

53

ciente da própria individualidade. Houve quem falasse, a esse pro- @-ó-sitõ-,-Je@--sUT5je houve quem falasse de "adualis- ,no"(*); este termo tem o mérito
de bem sublinhar que "a separação entre o eu e o nã o-eu íncide nos contornos do corpo antes de incidir nos do psiquismo" (Hubert [34]). Esse primado dos momentos
afetivo-ativos se assinala, sem dúvida, do melhor modo, na espantosa faculdade infantil de utilizar qualquer objeto para qualquer fim, no brinquedo: uma caixa, por
exemplo, serve indiferentemente de veículo, de animal ou de casa; uma cadeira agora é cavalo, logo mais automóvel, segundo as necessidades e os impulsos do momento,
e segundo as seqüências motoras nas quais esses objetos estão integrados.

Mas nem por isso deixa de ser no curso desse período que a consciência de si vai, precisamente, aparecer; e aí está, ao lado da emancipação motora, das possibilidades
de representação e da atitude adualista, uma quarta grande característica que convém assinalar no começo deste capítulo. Werner Wolff [851 sublinhou que toda a primeira
infância poderia ser interpretada como uma "procura de seu eu" efetuada pela criança, desse eu de início disperso nas impressões fugazes do bebé, entre as quais
emergem, no correr do primeiro ano, como vimos, certas "zonas de consistência" em relação com certas experiências importantes e repetidas. A multiplicação e a extensão
dos contatos com o mundo material, nos quais a criança registra triunfos e malogros, a intensificação de suas interações com outrem, nas quais experimenta satisfações
e frustrações, levam-na a descobrir, mediante os efeitos de sua conduta, seu poder sobre as coisas e sobre as pessoas; e ao mesmo tempo se revelam resistência de
umas e poder coercitivo das outras. Algo, pois, se distingue dela, cada vez mais, opõe-se a ela, à medida que se estende e se diversifica sua atividade, a que ela
própria se vai opor e impor de retomo, muita vez com cólera e agressividade, principalmente durante o famoso "período de oposiçã o", pelos dois anos e meio, que
é, sobretudo, fase de afirmação vigorosa e de tomada de posição de um eu a tornar-se diferente de sua roda, com a qual se confundia. A linguagem tem seu

(*) A prop6sito de "adualismo", lê-se no Vocabulaíre de la Psychologie de Henri Piéron e colaboradores (Presses Universitaires de France, Paris,
4.' ed., 1968): "Este termo foi empregado para designar o traço da psico. logia da criança que implica confusão entre o eu e o não-eu, o subjetivo e o objetivo,
numa indiferenciação primitiva (consciência adualística, de
1. M. Baldwin)". (Nota dos trads.)

54

papel nesse movimento, já que a criança aprende que tem nome, como todo objeto; e já que vai falar de si mesma, de início, na terceira pessoa e, ao fazê-lo, tomar-se,
de algum modo, como objeto entre os outros objetos. Mas logo, entretanto, aparecerão o "eu" e o "mim"(*), mostrando que, a partir desse momento, a criança se considera
como entidade particular distinta de outrem, e com valor bem seu.

Se ajuntarmos, ainda, que o quadro psíquico e social desse desenvolvimento é constituído pelo meio familial, e se sublinharmos que, nesse meio, a mãe é, para a criança,
o centro de referência essencial e constante, teremos situado suficientemente esse período para poder encará-lo, agora, com um pouco mais de pormenores.

os progressos da motricidade

Do ponto de vista do desenvolvimento motor, a atenção se volta, principalmente, para os progressos da locomoção e da manipulação, notavelmente estudados por Gesell
[25], de quem tomamos, novamente, alguns dados essenciais. Entre doze e dezoito meses a marcha substitui gradualmente a reptação; os primeiros passos, hesitantes
e mal seguros, são, naturalmente, com apoio, e a criança tem de enfrentar delicado problema de equilíbrio. 0 andar do principiante é bem conhecido de todos: a criança
joga, de algum modo, a cabeça e o tronco para a frente e o resto do corpo

(*) No original: "mais bientôt cependant le "je" et le "moi" feront leur apparition..." Em francês o uso dos dois pronomes na língua da PsicoIogia e da Filosofia
é algo complexo. Em português, usamos eu e mim para indicar as duas funções desses termos, a de sujeito (eu) e a de complemento (mim).

Nesta matéria, lembrem-se as páginas clássicas de William James, Précis de Psychologie, trad. fr. de E. Baudin e G. Bertier, "Bibliothèque de Philosophie Expérimentale",
Rivière, Paris, 8.* ed., 1929, cap. XII, pp.
227-79. Mais recentes são as observações de Paul Foulquié, Psychologie, Les Êditions de l'Êcole, Paris, 1953, pp. 506 e ss. E como excelente resumo da complexidade
do termo, v. o verbete "eu" do Pequeno vocabulário da língua filosófica, de Armand Cuvillier, trad. e adaptação de Lólio Lourenço de Oliveira e J. B. Damasco Penna,
vol. 82 destas "Atualidades Pedagógicas", São Paulo, 3.* ed., 1976. E v. também o texto (e as notas dos tradutores) do Manual de Psicologia de Paul Guillaume, trad.
port. de Lólio Lourenço de Oliveira e 1. B. Damasco Penna, vol. 60 destas "Atualidades Pedagógicas", São Paulo, 3.' ed., 1967, pp. 278 e 279. (Nota dos trads.)

55

segue assim-assim; os pés, muito afastados para assegurar larga base de apoio, são levantados muito alto em cada passo e pousados por inteiro no chão. Aos dezoito
meses está estabelecido o andar a passinhos miúdos; os passos se alongam, o afastamento dos pés se reduz; a criança pode andar de lado e para trás, pode puxar um
brinquedo, mas as voltas são ainda muito desajeitadas; é capaz de trepar numa cadeira de adulto e capaz de, amparada, subir escada. Aos vinte meses os passos são
regulares e o andar é estável: aparece a corrida. Aos dois anos a criança circula com desembaraço, até nas escadas. De dois a três anos prossegue a automatização
da marcha, mantida pela atitude empreendedora da criança, que a leva, por vezes, como Gesell assinala, a tentar desempenhos superiores às possibilidades; entre as
atividades preferidas notam-se o transporte de móveis, ou de objetos atravancadores; evoluções'nas escadas, corrida. Durante o terceiro e o quarto anos, marcha e
corrida estão perfeitamente controladas; aparecem a marcha na ponta dos pés e o salto, um e outro a marcar progressos do equilíbrio. Entre três e quatro anos a criança
conquista seu primeiro meio de locomoção, o velocípede, e logo o manobra com espantosa habilidade.

Não são menos impressionantes os progressos da preensão e da manipulação; simultaneamente os movimentos se aperfeiçoam, se diferenciam, se coordenam e se "lateralizam",
tendente, cada mão, a desempenhar, cada vez mais, função específica na manipulação, que lhe permite acréscimo de eficiência. Aos quinze meses, a preensão é nítida
e precisa, bem adaptada; a criança pode abrir uma caixa, pode beber no copo ou na xícara, maneja a colher

e o garfo, não, porém, sem alguns acidentes. Aos dois anos começa a colaborar ativamente em sua toilette e experimenta vestir-se sozinha; é capaz de construir uma
torre superpondo corretamente cinco ou seis cubos. No fim do terceiro ano, pode comer só, asseadamente, é capaz de abrir um pacote amarrado, sabe jogar uma bola,
ou seguir com o lápis o traçado de um quadrado.

Todas essas novas possibilidades dão azo a uma experimentação motora intensa e muito extensa. A criança está constantemente em movimento; incessantemente inventa,
descobre, repete, melhora novos gestos, novas coordenações; assistimos a uma floração dos mais diversos jogos motores; andar de todo jeito, saltar, correr, abrir
e fechar portas, fazer bolhas de saliva, pôr a língua no nariz, fazer caretas, apertar a mão a toda gente, pendurar-se nas balaustradas, levar, empurrar, puxar objetos,
trepar em todos

56

os suportes acessíveis, dar cambalhotas, jogar bola, sei lá. . . Em todos esses brinquedos, com inumeráveis variações, a criança descobre sensações novas, agradáveis
ou desagradáveis (existem até, como nota Château [11], "brinquedos para machucar") e pode-se dizer que ela procede a uma verdadeira exploração de suas possibilidades
sensoriais e motoras; descobre-se, sobretudo, a si mesma como agente triunfante dos próprios desempenhos e das modificações materiais que provoca em
seu meio. Toda essa atividade é, por isso, essencialmente prazenteira, fonte contínua de valorização para o pequeno, o qual, por demonstrações e apelos,
procura fazer que 'dela participe sua roda: "Olhe, mamãe. . . ". Nessa atividade motora, a criança se afirma e se confirma, e ao mesmo tempo faz a conquista motora
do mundo material. Aí se nota um traço dominante da infância, a perdurar por longos anos ainda; a criança adquire não apenas domínio motor (que aparecerá
sobretudo no estágio seguinte. , pois no nível do qual nos ocupamos essa atividade é ainda, muita vez, canhestra) mas também, e talvez sobretudo, certa confiança
em seus meios, base indispensável da autonomia e da iniciativa, desse sentimento do próprio valor de que tanto precisa para enfrentar as tarefas decorrentes do crescimento.
0 jogo, tão facilmente denegrido ou diminuído pelo adulto rabugento, se nos apresenta, pois, como forma essencial de atividade, graças à qual a criança explora o
mundo material, entra na posse das próprias aptidões motoras, constitui as bases afetivas de sua atividade futura. Não é menor sua função intelectual, que daqui
a pouco voltaremos a ver. Já Claparède havia assinalado a importância do brinquedo com dizer que é por ele que a criança "se" desenvolve. Seria desejável que os
pais compreendessem, por sua vez, que o brinquedo infantil é coisa inteiramente diversa de um
14passatempo", e nada tem de comum com a pálida pseudo-atividade que constitui para tantos adultos!

A representação

Estaremos lembrados do breve bosquejo dos começos da inteligência apresentado no fim do capítulo precedente: havíamos deixado a criança, entre dez e quinze meses,
ao nível caracterizado pela adaptação a certo número de situações novas, mercê do tateio e da experimentação ativa; e, assim, a criança descobria toda uma série
de novos comportamentos. Numerosos experimentos clássicos mostram que essa forma de adaptação prática é comum

57

à criança e ao macaco antropóide: por isso, certos autores caracterizaram esse nível com o nome de "idade chimpanzé". 0 macaco e a criança que ainda não fala se
comportam mais ou menos da mesma forma, recorrendo ao tateio ante os problemas propostos; cumpre, até, reconhecer que a vantagem toca, por vezes, ao macaco! Mas,
como foi mostrado por Boutan, Gottschaldt e outros, a criança mal demora em tomar a dianteira, assim que aparecem a linguagem e as possibilidades de representação
nas quais a linguagem se funda. Costuma-se ver nisso uma das fronteiras essenciais entre o animal e o homem.

No correr do primeiro semestre do segundo ano, a criança franqueia fase nova e decisiva. Até aqui, era por tateios cumulativos, por combinação de movimentos realmente
efetuados, que ela fazia o descobrimento de condutas novas, capazes de resolver os problemas com os quais se defrontava; era por meio da ação, materialmente efetuada.
No decurso do segundo ano, em resposta a problemas novos propostos à criança, vemos aparecerem soluções súbitas, sem tateios prévios. Piaget dá disso alguns exemplos
muito demonstrativos, ocorrentes por volta dos dezesseis meses. 0 pequeno se tornou, portanto, capaz de representar-se os movimentos adequados antes de efetuá-los,
de combiná-los mentalmente e de antecipar-lhes os efeitos. A solução do problema não é mais descoberta ao grado da ação, é inventada antes de qualquer ação.
0 tateio é ínteriorizado, como diz Piaget, e, ao mesmo tempo, é muito mais rápido do que se fosse concretamente efetuado, donde o caráter súbito e não mais iterativo
das respostas. Essa mudança testemunha a emergência da função representativa, ou simbólica, da capacidade nascente, do filho do homem, de representar-se uma ação
em lugar de efetuá-la, o que logo lhe permitirá agir, de algum modo, sem agir, recorrendo a evocações transpostas de ações concretas. Aí está, como já muita vez
tem sido sublinhado, o fundamento do poder humano.

Resumindo esse desdobramento da inteligência, a elevar-se do plano motor e gestual ao plano da representação, como recordarnos sucintamente com base nos trabalhos
essenciais de Piaget, assim se exprime Hubert, muito oportunamente: "0 conhecimento é, de início, o gesto que vinga, depois o gesto reproduzido intencionalinente,
depois o gesto esboçado ou imaginado" [341. E durante todo o estágio que nos ocupa, como, aliás, ainda depois, veremos quanto o pensamento permanece estreitamente
ligado à ação, n<L qual se funda, e lhe está na origem.

58

A transição entre o motor e o representativo aparece da melhor forma nessa "representação pela ação" que constitui a imitação, pela qual a criança evoca, usados
o corpo e o movimento como intérpretes, uma situação, ou uma atividade, de todo estranhas ao quadro presente e na qual a imagem, antes de ser propriamente pensada,
é materialmente agida. Essa imitação, essa representação pelo gesto floresce, precisamente, em abundância, no decurso do segundo ano, e dá ocasião a uma atividade
bem característica do presente nível, a do " fazer de conta" e do jogo simbólico, ou representativo, tão bem estudado por Piaget [561 e, depois, por Château [11].

Que faz a criança, que com visível prazer finge estar a dormir sobre um jornal a fazer as vezes de travesseiro, ou finge esvaziar um ovo quente mexendo uma colher
numa argola de guardanapo? Que faz a criança mais crescida que brinca de automóvel num sofá, ou cavalga um cabo de vassoura? Aplica uma gesticulação determinada
a um objeto inadequado, ou em situação inadequada; essa gesticulação é simbólica: evoca, representa aquela que, no contexto e com o objeto adequado, seria perfeitamente
realista e adaptada. A criança assimila, pois, a realidade a ela, por seu gesto, transforma a realidade e dela faz coisa diversa do que é; em certa medida, dela
se desprende. Representa-se as situações, representando-as: é sua maneira de pensá-las, de "imagináIas". Mas, em verdade, como bem fez notar Château, a criança imita
bem mais do que imagina, e não cria grande coisa. Apanhamos bem, aqui, esse pensamento, ainda sobretudo ação, mas já, no entanto, deslocado da realidade concreta
(não tanto, todavia, quanto o pensamento verbal, que, esse, já não utilizará como símbolo as ações, mas as palavras).

Assim, pois, ao lado de jogo puramente motor, pelo qual a criança assegura seu domínio corporal, e no qual o prazer reside, primeiro, no próprio funcionamento físico,
depois, na obtenção de um efeito, de um resultado, aparece jogo diferente, no qual o elemento motor continua central, mas tem, sobretudo, por função, a representação,
ela também fonte de prazer e de satisfação. Nesse jogo, que anuncia o pensamento antes de acompanhá-lo, a criança reproduz a realidade, revive à vontade o vivido,
prolonga e reavi-

va a experiência fugitiva. Mediante a ação, assimila, pensa os acontecimentos que a interessaram. Na areia imitará o pedreiro a amassar a argamassa, que observou
naquela manhã; deitado na mesa com ar digno de dó, será o pato morto que viu na cozinha, como

59

num dos exemplos de Piaget; imitando o barulho do motor, fará circular no tapete uma caixa de papelão, tal como o pai dirige o carro. Pela mímica, será gato, avião,
locomotiva, faxineira ou agente de polícia, mãe que faz comida, ou cuida dos filhos. A ação dará significação ao objeto: segundo os movimentos, o pau será fuzil,
personagem, ou ter,-nômetro. A própria criança muda facilmente de papel ao sabor da ação; e não é raro ver o brinquedo "descarrilar" sob o efeito do gesto, continuando
a criança insensível aos disparates, tanto seu pensamento é indistinto do gesto.

Esses símbolos gestuais, evidentemente inseparáveis das tonalidades afetivas que impregnam as experiências às quais se referem, são individuais no mais alto grau,
e quase intransmissíveis, exatamente como nossas imagens de sonho; constituem linguagem de uso pessoal do indivíduo, linguagem autística, se se quiser e, sobretudo,
estruturam um mundo que não está baseado senão na fruição, ou na satisfação da criança. Por isso, têm caráter o seu tanto mágico, perceptível, muita vez, no comportamen
infantil: os gestos apropriados asseguram a satisfação, porque presentam o que se deseja.

No que é assim representado, sublinhou-se a importância da personagem e da atividade adultas, objeto principal do interesse infantil, e assinalou-se, no jogo, ao
lado do aspecto representativo de que acabamos de falar, um aspecto substitutivo e compensatório: a criança fraca e impotente, cuja atividades realistas são muito
limitadas, se assimila ao adulto, brinca de adulto; brinca por não poder entregar-se a atividades de adulto, e seu jogo é atividade de substituição. Em todo caso,
é evidente que o jogo representativo tem, freqüentemente, função compensatória; e nele a criança corrige a realidade, arranjando-a em função de seus desejos ("minha
boneca pode deitar-se quando quiser"!), liquida experiências penosas ou inquietadoras, revivendo-as ficticiamente e assimilando-as fora de seu quadro angustioso
(a boneca é castigada, ou operada das amígdalas!), explora o futuro, antecipando os acontecimentos que lhe anunciaram, ou predisseram (por exemplo, as conseqüências
de uma desobediência, ou a chegada de uma visita inesperada). 0 jogo simbólico aparece como o grande substituto; e é, por isso mesmo, meio de exploração da realidade.
"Todas as necessidades insatisfeitas da imaginação, da especulação, da pesquisa, encontram sua satisfação na atividade lúdica", escreve W. Wolff [85]; e é nesse
mundo de jogo, de ---como se", que se desen-

60

rola grande parte da existência infantil: pôde-se mostrar que no espaço de duas horas a criança de dois anos e meio participa, em média, de seis ou sete situações
imaginárias, e esse número nada tem, seguramente, de excessivo.

Simultaneamente, e paralelamente, o advento das possibilidades de representação se reflete no plano da manipulação; mas, aí também a dominância gestual continua
muito manifesta e, tal como no jogo simbólico, pode-se falar, com Rey [66], de um "realismo dinâmico", bem acusado pela inclusão do movimento e do corpo pró prio
nas construções de certa dificuldade, e pela crença na eficácia da ação, seja qual for, sem adaptação aos dados objetivos da situação.

Todavia, a realização mais notável e mais decisiva que a representação vai permitir será a aquisição da linguagem, da qual escusa assinalar a enorme importância.

A linguagem

Primeira base,da -1* nstituída 1)or um verdadeiro

- @n&q@Lgqm- e ç>------jogp_sensorimoto inteiramente análogo ao que precede e acompanha os princípios da manipulação. Já no fim do segundo mês, com efeito, a
criança emite sons, sobretudo guturai -s, de começo, claramente distintos do grito, do qual não têm o caráter impulsivo. A _partir de tr^ ança--Lmiútq
atenta a esse _was: repete-os, logo vai modificá-los, modulá-los. Pode-se dizer que, desde então, ]já

inca com a voz como brinca com as mãos, reproduzindo efeitos fortuitos, procurando, depois, variações, substituído, aqui, o controle visual ou táctil pelo
auditivo e cinestésico. É o que Pichon [621 chamou de "estágio do chilreio"(*), durante o qual a criança produz uma gama de sons diversos, sem relação alguma, aliás,
com a língua falada por sua roda. Assim se estabelece o domínio gradual do mui complexo aparelho fonador, condição necessária, embora não suficiente, da constituição
da linguagem. A partir de cerca de oito meses a criança faz impor-

(*) A respeito dessa expressão "estágio do chilreio", v. o já citado Pequeno vocabulário da língua filosófica, de Armand Cuvillier, artigo chilreio e também, nesse
léxico, a nota dos tradutores a esse termo, p. 187. (Nota dos trads.)

61

tantes progressos; _torna-se capaz de imitar novos modelos sono- @os. (Piaget) e, pois, de ultrapassar assim seu "repertório", pela aquisição de fonemas de origem
exterior; aparecem, então, certas onomatopéias, assim como são selecionados e fixados certos sons emitidos e repetidos, pela roda, notadamente palavras simples,
como "papá" ou "mamã". Notou-se, aliás, que a criança imitava antes a@ melodia global da frase adulta do que palavras bem diferençadas.

É aqui que, ao lado do elemento sensorimotor, intervém um elemento de natureza intelectual. Os sons, emitidos pelo adulto "que fala à criança" em todas as situações
usuais da rotina diária, a criança os reencontra regularmente quando essas situações se reproduzem. Esses sons adquirem, assim, para ela, valor representativo: como
tantos gestos comuns e tantos objetos, tomam-se, para a criança, os representantes das situações de que ordinariamente fazem parte; tornam-se, a partir de certo
momento, suscetíveis de evocar essas situações. Os sons "habituais" tendem, pois, pelo fim do primeiro ano, a tornar-se representativos, exatamente como

os gestos dos quais falamos; e, ao cabo, são "gestos" de natureza especial. Mas muito tempo será necessário à criança, e muita tentativa, para chegar a fazer coincidir,
de maneira eficaz e proveitosa, a série de seus símbolos sonoros pessoais com a série correspondente das palavras que esses mesmos sons constituem para sua ro-

da; o segundo e o terceiro anos inteiros mal bastarão em matéria de linguagem usual, e o emprego que a criança vai fazer das palavras mostra bem precisamente tudo
quanto estas conservam ainda, por muito tempo, de globalmente simbólico, e de pouco diferençado. A observação revela que a criança é sensível ao valor representativo
da linguagem antes de ser capaz de utilizar a palavra; uma fase de compreensão global e aproximativa precede, entre oito e treze meses, mais ou menos, o momento
em que a

criança se põe a falar.

Convém assinalar, a esse propósito, terceiro elemento fundamental da aquisição da linguagem, o elem 0 grito do pequeno bebé já tem, sem dúvida, tonalidade
emocional muito primitiva e ganha logo, para os circunstantes, valor expressivo bem marcado de angústia ou de alegria. Mas ao lado da signLicação que o adulto acredita
poder dar-lhe (sem muito engano, aliás), esses gritos têm efeitos para a criança, principalmente o de fazer aparecer a mamãe e, com ela, o sossego e o bem-estar;
muito cedo, sem ser ainda linguagem, são meio de ação sobre os outros,

62

fonte de gratificações(*), e a linguagem conservará esse caráter de mando ou de súplica. Dos jogos vocais do chilreio, por outro lado, não está ausente o elemento
afetivo; lembremo-nos de quando o bebé e a mamãe " se falam" e se divertem a imitar-se, ao ponto de não se saber mais qual dos dois encabeça o brinquedo, tanto se
confundem na mesma alegre atividade. Quanto à compreensão, quando se instala gradualmente, é claro que se funda na fusão afetiva de todos os momentos e nos inumeráveis
estímulos fornecidos pelos brinquedos que alegram a rotina diária. Ocupando-se dela, brincando com ela, é que a mãe ensina à criança a língua materna; e essa aquisição
é fortemente ajudada pelos sentimentos da criança para com sua mãe; pois, no começo, não falará "para" qualquer um! A carência desse fator afetivo é que seria respons.'

- - -a- ve@l pelo atraso no aparecimento da linguagem e por sua pobreza nas crianças de instituições, assim como pela regressão
verbal obser--vada nas crianças colocadas, em tenra idade, em meio por demais despido de afetividade. A li . de contato e de expres-@

- 11 pguagem, meio são, implica, evidentemente, o contato e o comércio afetivo.

Concorda-se em situar o aparecimento da primeira palavra pelos dez meses, em média. Pelo meio do segundo ano, o vocabulário chegou a umas vinte palavras. Depois,
como lembra Richelle [68] a quem tomamos estes dados, o movimento se acelera subitamente: umas cem palavras pelos vinte meses, cerca de trezentas pelos dois anos,
perto de mil aos três anos.

Mas essas palavras estão muito longe de ter, de saída, o valor de nossos conceitos; menos precisas, são, em certo sentido, muito mais ricas; na boca da criança dizem
infinitamente mais que para nós; têm, em suma, valor de frase inteira; assim, fala-se, na esteira de Stem [72] de um estágio da "palavra-frase", a esten-

(*) No original: "... une source de gratifications... ". Por influência do inglês, vieram há algum tempo os de língua francesa a usar gratification no sentido de
impressão de satisfação correspondente a um êxito esperado, oposta a decepção, cabida quando a expectativa não é satisfeita. Nada impede que também em português
se dê*o mesmo sentido ao termo, como, aliás, já está reconhecido em léxico especializado, à espera de que o mesmo reconhecimento venha a acorrer nos tardonhos dicionários
da língua portuguesa. 0 léxico especializado é o Dicionário técnico de Psicologia, de Álvaro Cabral e Eva Nick (Editora Cultrix, São Paulo, 1974). E o verbete é
este: "Estado em que um desejo anterior foi cabalmente satisfeito e em que a pessoa sente ter atingido a meta desejada. A gratificação tanto pode ser instintiva
quanto intelectual". (Nota dos trads.)

63

der-se pela primeira metade do segundo ano. Essas palavras exprimem, sobretudo, um estado afetivo, uma atitude mental: lembremo-nos, por exemplo, de tudo quanto
pode exprimir a simples exclamação "Mamãe!" Além disso, uma única palavra pode ser utilizada em muitas situações diferentes, e seu valor está longe de ser sempre
o mesmo; é o que toma, por vezes, tão difícil a compreensão da linguagem infantil. Desse fenÔmeno de "polissemia" não citaremos mais que um exemplo muito clucidativo,
tomado ao psicólogo alemão W. Hansen [321. A criança, brincando com um carretel de linha, pronuncia o vocábulo "rola-rola". Entre o terceiro e o sétimo mês de seu
segundo ano, usou esse termo nas seguintes situações: ao observar qualquer objeto que rola, ao perceber o movimento das rodas de um carro; ao ver passar ciclistas;
ao ver, pela janela, veículos parados, ou em movimento; ao puxar seu carrinho; ao desandar a correr num declive, pela mão do pai. Onde está a unidade de todos esses
usos da mesma palavra? Naquilo que todas essas situações têm de comum para a criança, escreve Hansen: no complexo de ação, de sensação e de coloração afetiva que
está ligado, para a criança, à impressão de rotação, de deslocamento, de movimento rápido. 0 que prepondera, para a criança, e ela exprime, não é, pois, uma situação
objetiva, friamente analisada, mas é ela-na-situação, e a situaçã o-paraela, na fusão completa dos momentos subjetivos e dos elementos objetivos.

Assim é que certas situações, as quais, vistas de fora, nada têm, objetivamente, ou muito pouco têm de comum, têm, ao cabo, para a criança, unidade real, por obra
de suas qualidades vividas; e, então, o mesmo vocábulo convém para exprimi-Ias. Encontramos aí, como no gesto simbólico, uma dessas particularidades em

que a mentalidade infantil se distingue profundamente da nossa; e

quem alcança essa particularidade alcança, do mesmo passo, uma das chaves essenciais do mundo infantil.

à palavra-frase sucede, a partir da metade do segundo ano, a "pré-frase", de duas, depois, de três palavras, a lembrar o estilo telegráfico, no qual as palavras
são colocadas sobretudo segundo a importância afetiva. Na mesma ocasião, a criança entra na primeira "idade perguntadora", na qual se informa do nome de todas as
coisas. A famosa pergunta "Isto, que é que é... e isto?" corresponde, sem dúvida, a uma necessidade de extensão do vocabulário, paralela a uma extensão da experiência,
mas, igualmente, a uma necessidade de orientação no mundo material, pois, para a criança,

64

o nome e a coisa é tudo um. Ao aprender um nome, a criança toma, ao mesmo tempo, posse da coisa: cada objeto é assim, de certo modo, destacado de seu "fundo", confirmado
em sua realidade própria; e não é exagerado dizer que, com suas perguntas, a criança põe ordem no universo. Todavia, até ali pelos quatro anos, essas palavras conservam
as características iniciais de referência à ação e às impressões subjetivas, as particularidades de individual-vivido de que falamos há pouco. Designam antes ações
possíveis que objetos, como Piaget mostrou; e nada o mostra melhor que os substantivos forjados pela criança com referência à ação onde o objeto intervém, como,
por exemplo, o "corta-corta" para o aparador de grama, ou o "pesador" para a balança.

A propósito dessas palavras, Piaget falou de "pré-conceitos", entre dois e quatro anos. Segundo ele, com efeito, a palavra se situa, nessa idade, a meio caminho
entre o símbolo pessoal que lhe está na origem, e o conceito genérico ao qual chegará mais tarde. Vendo, por exemplo, várias vezes, cavalos diferentes, a criança
dirá, de cada vez, "o cavalo", como se se tratasse sempre do mesmo animal e não, "um cavalo", como se se tratasse, em cada vez, de um indivíduo diferente da mesma
classe. A palavra parece, pois, designar um como "protótipo", que ainda não tem o valor geral de uma classe, mas também ainda não é plenamente individualizado como
elemento dentre outros dessa classe.

Ali pelos vinte meses aparece a frase gramatical, que, ao contrário da palavra-frase, exprime um juízo, uma verificação, orienta-se para a narração. A criança se
designa a si mesma na terceira pessoa, como objeto exterior. Com rapidez desconcertante vemos aparecerem as preposições, as formas verbais; o essencial da estrutura
sintática está firmado no começo do terceiro ano, não sem que haja ainda, naturalmente, muita e muita incorreção. Essa aquisição da sintaxe dá lugar, hoje, a grande
número de pesquisas interessantes, nas quais nã o nos podemos deter aqui (Richelle [68]).

Essas canhestrices sintáticas, juntas às deformações que a criança inflige, muita vez, às palavras novas que acumula, dãolhe, à linguagem, o jeito pitoresco ou engraçado
diante do qual o adulto fica pasmado. Essas deformações, nas quais não nos deteremos, eliminam-se bem rapidamente, quando o adulto não as fixa com empregar, ele
próprio, o babytalk, por singular mimetismo, aliás inútil. Essa prática, com efeito, em nada aproveita à

65

criança, que deverá, de qualquer modo, aprender depois a pronúncia correta.

No correr do terceiro ano, o vocabulário continua a estenderse e a precisar-se: as formas gramaticais se diferençam; certas relações aparecem e o arranjo das frases
se aperfeiçoa. Claras dificuldades subsistem acerca dos pronomes pessoais, freqüentemente mal usados; no correr, porém, do segundo semestre, a criança distingue
as relações que tem consigo mesma daquelas que tem com outrem; aparece a primeira pessoa e, conseqüentemnte, fica preciso o uso da segunda e da terceira. Isso implica
certa tomada de consciência de si, como já o dissemos. Pouco tempo após a confusão ainda expressa por uma frase como "É o meu balde de Marc" , nosso filho dava prova
de estar a caminho de adquirir a significação exata da primeira pessoa: à pergunta que a gente lhe fazia, designando-o, "Quem é?", respondia com a sintomática telescopagem(*):
"Moirc". A esse propósito, pode ser lembrada a interessante observação de Decroly, segundo a qual, durante algumas semanas, o "eu" é utilizado em frases de forte
tonalidade emocional, enquanto o nome próprio, ou a terceira pessoa, continuam a servir nas frases simplesmente constatativas. Assinalou-se, igualmente, que o "eu"
é mais tardio nos irmãos mais velhos e nos filhos únicos, os quais, por sua situação, provavelmente são levados a tomar consciência de si menos depressa que os rodeados
de outras crianças.

No mesmo nível, e a culminar pela idade dos três anos, situa-se a segunda "idade perguntadora", na qual a criança já não procura tanto conhecer o nome dos objetos,
mas sua razão de ser. É a idade do "por que", já por alguém relacionada com a chegada das preocupações referentes às diferenças sexuais. Esse Ccpor que" tem, por
certo, função intelectual de informação; mas tem também, sem dúvida, função afetiva: ligar-se ao adulto e forçar-lhe a atenção, assegurar-se e acalmar a ansiedade
suscitada por um mundo em expansão e do qual cada dia se percebe melhor o caráter imprevisto, explorar regras de conduta e usanças impostas pelo adulto. Piaget e
muitos outros autores assinalaram que esse "por que" não tem, absolutamente, orientação causal, mas, realmente, finalista: o que a criança procura e pretende, com

essas perguntas, não é uma explicação objetiva (que, aliás, não

(*) V., a respeito de telescopagem, nossa nota ao cabo do texto, p.
165. (Nota dos trads.)

66

poderia alcançar), mas, antes, a relação possível entre o objeto da pergunta e suas necessidades, seus desejos ou seus temores. Em suma: seu "por que" eqüivale antes
a expressões como: "Para que serve isso?", "Para que presta?", "Que é que se pode fazer com isso?"; e a repetição da pergunta quando lhe respondemos invocando uma
relação causal lhe revela bem a insatisfação.

No nível que nos ocupa, a linguagem constituída aparece sob três aspectos diferentes. Por um lado, acompanha toda a atividade: a criança fala agindo, vai contando
o que faz; sua palavra secunda e exprime a ação, da qual é corno que a sombra. Nessa perspectiva, a criança não cuida, absolutamente, de ser ouvida, nem compreendida:
fala ainda quando esteja inteiramente só. Gradualmente esse monólogo se interioriza e se toma silencioso; logo se destacará da ação, que poderá preceder e conduzir.
Numerosos experimentos, porém, revelam quão longo tempo a interiorização continua precária, e quanto o pensamento continua ligado à motricidade fonadora.

Por outro lado, é claro, a linguagem tem, desde o começo, esse aspecto de comunicação social no qual já insistimos: então a criança quer fazer-se entender, conta-nos
o que faz, chama-nos, dirige-nos seus pedidos, ou suas ordens, ou quer fazer-nos participar de suas experiencias e, sobretudo, de seus triunfos. Nessa perspectiva,
quer ser compreendida; e nada o mostra melhor que sua raiva quando se sente frustrada por nossa incompreensão. Todavia, por força das características egocêntricas
das quais falaremos, não chegará a uma verdadeira conversação antes de mais ou menos começados os quatro anos.

Enfim, o aspecto inicial de jogo vocal, do qual partimos, não desaparece inteiramente. Ao contrário, prolonga-se em jogo verbal, em jogo com palavras, a criança
a chalrar para nada dizer, a repetir sem motivo palavras que lhe parecem estranhas, difíceis ou cômicas, deliciando-se com aquelas falações das quais não compreende
patavina(*); essa atividade, que pode prolongar-se até sete, ou oito, anos, dá lugar a uma espécie de tagarelice "surrealista", de aproximações imprevistas, cuja
essência parece residir no

(*) No original: " ... faisant ses délices de comptines auxquelles il ne comprend mie". Comptine é a "canção que cantam as crianças para de, terminar aquele que
deverá sair do jogo, ou correr atrás dos outros" (segundo o Nouveau Petit Larousse en couleurs, Larousse, Paris, 1968). E vem um exemplo, amontoado de vozes sem
sentido: "Am stram gram Pic et pic et colegram". (Nota dos trads.)

67

prazer de forjar palavras cujo efeito pode parecer divertido, ou até poético, a ouvidos adultos.

Mas, ao mesmo tempo, essa linguagem contribui para a objetivação do universo e do indivíduo, que ela destaca a pouco e pouco da ação e da percepção direta. Permitindo
a reconstituição do passado e a antecipação do futuro, introduz essas dimensões no psíquismo infantil, assim liberado da tutela única do presente e da açã o. Interiorizando-se
aos poucos, contribui para estruturar o pensamento, e para estruturá-lo segundo as linhas propostas da coletividade donde emana; ao fazê-lo, aparece como elemento
essencial de socialização, não apenas pelas trocas que enseja, como, ainda, pelas próprias noções que exprime e veicula, cuja essência é, fundamentalmente, cultural.
A linguagem é, assim, como o lugar por excelência para onde convergem e onde se combinam as contribuições da experiência individual e as da coletividade da qual
a criança faz parte.

0 egocentrismo e a transdução

Essa socialização, contudo, mal se esboça neste nível. As expressões da criança lhe demonstram, sobretudo, o egocentrismo, essa tendência a ligar tudo à própria
experiência, que livremente se expande no brinquedo simbólico. A criança não se baseia senão na própria vivência, não concebe senão um ponto de vista, o seu; vive
a projetar no mundo ambiente o que sente em si mesma, numa espécie de generalização desgovernada: a bola a rolar para o companheiro de brinquedo "quer" ir para ele,
porque "sabe" que ele está lá (Piaget); a lua é gentil por brilhar para nos iluminar, e por acompanhar-nos, até, em nosso ir e vir; o automóvel dorme na garagem;
a gata está contente por ter filhotes; a cadeira quebrada está doente. Tudo é, em suma, calcado na experiência da criança; e a criança não duvida um instante sequer
de que sua roda tenha esses mesmos pensamentos, ou experimente esses mesmos sentimentos. E nada há nisso, sem dúvida, de muito espantoso, pois a criança que começa
a falar ainda não tem conhecimento de qualquer outra experiência além da própria, a qual lhe serve de quadro de referência, de primeira orientação, de primeira explicação.
Ademais, ela pensa no optativo, como disse Wallon; e a busca da satisfação prima sobre qualquer outra consideração; o mundo ambiente não a interessa senão como resposta
a suas necessidades e a seus desejos.

68

0 raciocínio infantil terá, nessas condições, aspecto característico; é a "transdução" (Stern), a ligar sem necessidade lógica os pré-conceitos entre si, indo do
particular para o particular, com base em analogias ou em inferências não controladas, e malogrando sempre que necessários encaixes de classes, ou composições de
relaçõ es(*). Demos-lhe o pitoresco exemplo seguinte, tomado a Piaget. Uma criança doente, de dois anos e dez meses, quer laranjas; como não há laranjas, explicam-lhe
que ainda estão verdes. Ao tomar sua camomila, daí a pouco, a criança verifica: "A camomila não está verde, já está amarela; dá laranja!" Logo, tudo é ligado a tudo,
a criança justapõe e ignora as ligações objetivas; é, aliás, insensível às contradições na marcha do pensamento e não tem, absolutamente, necessidade de prova ou
verificação, pois acredita, sem mais aquela, no próprio pensamento. Esse raciocínio é, pois, muita vez, desvalioso aos olhos do adulto.

A evolução afetiva e social

Já terão notado quanto todo o desenvolvimento que tentamos descrever é, na idade que nos ocupa, profundamente impregnado de afetividade; e sublinhamos, de propósito,
no correr da exposição, o quanto esse aspecto do psiquismo está continuamente presente, e até prepondera, tanto no crescimento motor como no intelectual. Se nos
voltarmos, agora, mais especialmente, para o desenvolvimento afetivo, aí tornaremos a encontrar os prolongamentos da maturação motora, a instauração da representação,
do simbolismo e da linguagem, assim como o tema da tomada de consciência do eu e de sua afirmação.

No capítulo precedente, lembramos alguns dados concementes à emotividade do bebé e formulamos algumas observações acerca do aparecimento das primeiras emoções diferenciáveis.
Compreender-se-á que, com os progressos motores, com a diminuição da incapacidade infantil, com o aparecimento da representação simbólica ou verbal, sensíveis modificações
se introduzam nesse domínio, no sentido de mais clara localização das reações emocio-

(*) Cf. a definição de transdução dada no já citado Pequeno vocabulário da língua filosófica, de Armand Cuvillier: "Pseudo-raciocínio que consiste em passagem direta
do singular ao singular por simples justaposição, sem subordinação a um conceito geral". (Nota dos trads.)

69

nais e de suas causas, e de certa estabilização de sua expressão. Essas reações guardam ainda, sem dúvida, a veemência do nível precedente, tanto mais aparente quanto
os meios motores da criança se vêem consideravelmente acrescidos; seu caráter de descarga cega ainda não desapareceu, mas aparecem cada vez mais como determinadas
por situações bem identificáveis pelo observador, e como mais nitidamente orientadas para dado objeto ou dada pessoa. Como a imitação intervém, a expressão dessas
emoções se codifica, de algum modo, em um jogo de mímicas bem característico e bem socializado.

Hubert [34] tem razão, sem dúvida, em escrever que, tal como no estágio precedente, "a criança goza e sofre de maneira tanto mais aguda quanto está inteirinha na
impressão presente, sem nenhuma inquietude a limitar-lhe a alegria, e nenhuma esperança a limitar-lhe a dor; os pesares da criança são incomensuráveis", e, tal como
o bebé, a criança ainda é João-que-ri e João-quechora, de emoções relativamente fugazes. Nem por isso é menos verdadeiro que é nesse nível que as emoções se vão
destacar um tanto do momento imediato, pois a criança se tornou capaz de r@m@morar e de antecipar satisfações e frustrações vividas, ou provaveis. Grande progresso
é, com efeito, realizado no momento em que a criança fica no ponto de compreender que uma satisfação pode ser retardada sem ser, por isso, recusada, ou uma frustração
pode ser inteiramente momentânea e comportar compensações ulteriores. Mas é, evidentemente, essencial que a criança não seja enganada com afirmações, ou promessas,
falazes.

Enfim, como vimos, a criança dispõe, doravante, de exutórios que o bebé ignorava; pode compensar as penas e realizar os desejos no plano simbólico e, pois, elaborar
comodamente as emoções concomitantes, o que se vê, sobretudo, e muito bem, no medo; pode, além disso, descarregar as tensões de maneira transposta, no jogo ou na
palavra: em vez de sapatear ou de berrar, poderá descarregar a raiva batendo num móvel, por exemplo, ralhando com a boneca, ou proferindo insultos homéricos. É,
assim, apesar de tudo, menos "tomada" por suas emoções; e se ainda não as domina, está, ao menos, um pouco distante delas; exprimir a raiva já é sofrê-la um pouco
menos; e se essa raiva acarreta, no adulto, reações de repreensão e censura, a criança saberá, pouco a pouco, conter-se e tentar controlar a veemência, para não
incorrer nessa retração de amor.

70

Se têm o ar fugaz e superficial, toda a experiência médicopsicológica prova, todavia, que essas emoções infantis podem ser muito profundas. Longe de não deixar traços,
algumas delas têm repercussões longínquas, ainda quando esquecidas. Outro resto, enfim, da indiferenciação inicial: todas as funções podem servir para exprimir emoção:
a criança pode urinar de medo ou de alegria, vomitar de emoção; e hoje se sabe que muita doença pode ter origem emocional, e o simbolismo pode, a esse respeito,
ir muito longe; mas isso não é apaná gio da criança.

A ansiedade é, sem dúvida, o fenômeno afetivo dominante nesta idade, embora seja, em geral, mal identificada pelos pais, mais sensíveis à alegria de viver manifestada
pela criança. Descrevemos-lhe a origem provável no capítulo precedente: resulta da impotência fundamental da criancinha ante as estimulações do mundo exterior, e
as exigências de suas necessidades, e da ameaça que sobre ela pesa, por força da dependência total de outrem a fim de fazer face àquelas e satisfazer a estas. Para
poder subsistir, a criança tem necessidade do quadro adulto, da intervenção dos circunstantes. Ora, à medida que cresce, a criança perde a condição parasitária em
relação à mãe; já no desmamar pode-se dizer que perdeu essa parte de si mesma que era o seio materno, e tudo quanto ele significava de gratificações; continua a
perdê-la na medida em que, crescendo, vê cada vez mais a mãe como objeto exterior e separado. 0 receio da perda do apoio materno e das satisfações provindas de outrem
ganha tanto mais corpo quanto a criança, no curso da breve existência, teve inevitavelmente a experiência de abandonos passageiros e de necessidades iminentes não
satisfeitas de pronto. Em resumo: o adulto, fonte de todos os bens, que se distancia à medida que se vai tornando preciso, pode vir a faltar, e com sua ausência
desaparecem todas as gratificações, todas as satisfações, todas as seguranças, quiçá a própria consistência da criança, que vive em função dessas emanações do adulto.
Ao perder a mãe, a criança, em suma, se perderia a si mesma; e por aí se compreende melhor esse agarramento integral e, por vezes, desesperado, que não faz senão
aumentar com a idade durante esse período, a engendrar inumeráveis manifestações cujo único fim é obrigar a mãe a tomar o filho em consideração e ocupar-se dele;
isso ocorrerá na aprendizagem da marcha e do asseio, como na crise de oposição, à qual ainda voltaremos.

Por outro lado, à medida que cresce, a criança trava conhecimento com novo aspecto do adulto: o adulto tem exigências e

71

proibições, e chega, até, a punir. Ora, a desaprovação, a repreensão, correspondem, para a criança, a uma perda de valor, a essa diminuição do amor que ela deve
a todo custo evitar, para conservar a segurança. A criança, com efeito, depende de outrem para avaliação de si mesma e concebe a própria imagem segundo a imagem
proposta pelo adulto: a gente é gentil, é que ela é gentil; a gente é fria ou brutal, é que ela é má e sem valor (nosso filho fazia muitas artes "porque lhe haviam
dito que era arteiro"!). Foi possível mostrar que a maneira pela qual a criança se considera a si mesma é baseada na atitude dos pais a respeito dela, da qual percebe
os matizes mais ocultos com espantosa sensibilidade. A criança rejeitada, por exemplo, de certo modo convencida de sua imprestabilidade, parece singularmente inclinada
a arranjar, sempre, jeito de ser rejeitada, conservando, assim, a vida inteira, a insegurança decorrente da rejeição inicial. Nesse quadro de aprovação e desaprovação,
a criança encontra, pois, também, fatores ansiógenos; isso mostra, de passagem, quanto a atmosfera geral e os pormenores da atitude afetiva e educativa dos pais
têm importância nessa idade. Muito e muito adulto se esquece de que as ameaças verbais, as advertências sinistras, as predições angustiantes ("Vamos pôr você no
porão e os ratos vão comer você; você vai cair e quebrar a cabeça; seu nariz vai ficar comprido; você vai-se machucar" etc.) são não apenas compreendidas nessa idade,
como, também, facilmente tomadas ao pé da letra pela criança, cuja ansiedade latente vão alimentar.

Terceiro fator da ansiedade infantil se encontra nas próprias características de seu pensamento, no adualismo. Se os limites psíquicos entre o eu e outrem ainda
não estão bem estabelecidos, se a criança tem medo quando nós temos medo, em compensação ela não duvida por um momento de que nós temos medo quando ela tem medo.
Isso é verdadeiro também em suas tendências agressivas, particularmente assinaladas nessa idade: se quiser morder, será mordida; se quiser bater, será batida.
É o reinado do talião, bem posto em evidência pelos freudianos. Em sua agressividade, a criança não duvida de nossa agressividade, da qual, aliás, verifica
por vezes a existência, seja objetiva (quando nos enerva... ), seja na interpretação que a si mesma se dá de nossos atos. Sua agressividade se volta, assim, contra
si mesma, reavivando o medo inelutável de perder o amor. Além disso, como ficou dito, a criança confunde os objetos reais, seus fantasmas, as palavras; seu gesto
e sua palavra têm efeito algo mágico; daí vem que, para ela, o que pensa, o que imagina, é, sempre, mais ou menos verda-

72

deiro, e realizável. Como não tem por seus pais, por vezes frustradores, senão sentimentos calorosos, pode temer a realização de seus desejos agressivos e, pois,
uma vez mais, recear ver desaparecer os pais, e desmoronar a segurança.

Quarto fator, enfim: a criança descobre o "vasto mundo". Este não é, necessariamente, angustiante, pois, para a criança, nada é, a priori, estranho; nele, porém,
pode fazer experiências angustiantes ou desvalorizantes, que lhe confirmem a insignificância; e a mãe nem sempre está ao alcance da mão, ou da voz. Por outro lado,
com limite pouco nítido entre o eu e o não-eu, a criança se arrisca sempre a "diluir-se", a perder esse eu que está no caminho de descobrir. Por isso, como o Pequeno
Polegar ao semear as pedrinhas, a criança estabelece pontos de referência: são os rituais e as cerimônias que semeia ao longo do dia, nos quais reencontra o familiar
e o habitual, nos quais se reencontra. Os intermináveis ritos do deitar, antes de vir a perder-se na noite e na solidão, são, sem dúvida, o melhor exemplo. Enfim,
não é de duvidar que as contradições e as incoerências, aparentes, ou reais, do comportamento adulto contribuam para a insegurança da criança; não é por acaso
que ela gosta de ordem e é, por vezes, "maníaca": sem ordem não pode reencontrar-se num mundo onde tudo muda.

Nessa idade, os medos da criança concemem, sobretudo, aos animais, às tempestades, à obscuridade, aos estranhos, aos médicos. São, claramente, aprendidos e ligados
a experiências desagradáveis, a menos que decorram das estórias apavorantes, ou das ameaças inquietantes dos adultos. A freqüência desses medos cresce até três anos,
para diminuir, ao depois, à medida que o real se for precisando e o adualismo for diminuindo. 0 antídoto está na asseguração da criança, no reforço do sentimento
de seu valor, e na redução de sua ansiedade endógena, base principal de tais medos.

É a Freud e à sua escola que cabe o mérito de haver estabelecido uma como síntese do desenvolvimento afetivo desse estágio, instalada em tomo de um aspecto muito
importante do desenvolvimento motor, do qual ainda não falamos: a aquisição do domínio esfincteriano, do controle da musculatura controladora da excreção. Essa aquisição
tem repercussões psíquicas assaz imprevistas para quem perdeu a lembrança da infância!

Se, durante os primeiros meses da vida, a fruição sensual do bebê tem, sobretudo, caráter de receptividade passiva (muito manifesta na mamada, por exemplo), uma
tonalidade claramente mais

73

ativa aparece quando a dentição começa a atormentá-la, pelos seis/sete meses. Poder-se-ia dizer, com Erikson [191, que depois de haver aprendido a receber, a criança
aprende a apropriar-se ativamente; a boca, nessa idade, torna-se capaz de colher e de segurar, tal como a mão; a criança morde e acha, nessa atividade, inegável
satisfação, pois assim alivia a dor das gengivas irritadas. Ao mesmo tempo, porém, a criança se morde e se machuca, e aí está o caráter particular dessa atividade,
na qual gozo e sofrimento se acham estreitamente misturados. Foi-lhe também assinalado o caráter agressivo e destrutivo, porque morder de vária forma, arrancar mordendo,
é, talvez, magoar a si mesmo, mas é, também, fazer mal aos outros, ou destruir o objeto exterior, apropriando-se dele. Os pais levados a punir essa a .gressividade
primitiva, e a reagir violentamente contra ela, fariam bem em lembrar-se de que está ligada, na origem, às satisfações da ativídade muscular e ao dinamismo próprio
das crianças desse nível, dinamismo que é, talvez, perigoso pretender suprimir. Parece, realmente, que essas reações primitivas, como as outras das quais vamos falar,
se integram utilmente na personalidade, e seu caráter excessivo se reabsorve quando elas podem saciar-se no momento da eflorescência, ao passo que sua repreensão
violenta, vinda do exterior, desencadeia as reações ansiosas da criança, suscetíveis de entravar-lhe a sequencia normal do desenvolvimento. Não é, talvez, inútil
lembrar, de passagem, que as experiências feitas pela criança a propósito da mordida contribuem também para precisar, para ela, a

distinção entre o eu e o não-eu, e para objetivar o mundo exterior; há mordidas que a gente sente, e fazem mal, e existem aquelas de que se notam, talvez, os efeitos,
mas não fazem mal porque não se exercem sobre o próprio indivíduo!

No quadro dessa atividade muscular onde gozo e sofrimento, atividade e agressividade são vizinhos e misturados, logo se destaca nova zona de experiências. Pelo fim
do primeiro ano, com efeito, a retenção e a expulsão das fezes ganha importância, relacionada com o desenvolvimento neuromusctilar e com a mudança de consistência
das matérias. Essa nova ocasião de sensação e de atívidade, estreitamente ligada à impressão de bem-estar, é fonte, para a criança, de inegável prazer, do qual se
encontra eco, aliás, em bastantes expressõ es populares. Mas se a criança descobre nisso um "jogo", entre outros, e satisfações sensuais profundas, logo se apercebe
de que não é a única em interessar-se. Em nossa cultura, com efeito, o meio social, por intermé dio da mãe, entende de reger esse gênero de prazer e submetê-lo a
uma coerção. É jogo

74

que a gente não pode jogar a qualquer hora, em qualquer lugar e, sobretudo, de qualquerJeito; é, até, um jogo que alguém chamará de dever! Para muita mãe, a educação
do asseio é a única coisa de importância nessa idade; quantas vezes não assistimos, como nota Erikson, a uma verdadeira "demonstração, de força" entre a criança,
que não quer renunciar assim aos ensaios pessoais de domínio muscular como à liberdade de suas funções, e a mãe, que pretende, a todo preço, impor-lhe o controle,
como se seu prestígio e sua dignidade de adulta estivessem em jogo?

Eis, pois, atividade que tem seus efeitos sobre o comportamento alheio: "fazer, ou não fazer" determina atitude carinhosa, ou rude, da mãe, conforme sua expectativa
seja satisfeita, ou decepcionada. A criança descobre aí, melhor e mais regularmente que na mordida, certas relações implícitas de causa e efeito; descobre, principalmente,
que tem poder sobre a mãe, quando esta se afasta. Como poderia essa aquisição do asseio ser gradual e agradável, corno poderia situar-se oportunamente e corresponder
a verdadeiro domínio para a criança, se os adultos não têm consciência do componente afetivo intenso que, pelo prazer, dá cor a esses mecanismos fisiológicos e deles
faz algo que tanto "toca" à criança, tal como era a mamada alguns meses antes? Como a evacuação é motivo de gozo e de prazer, não é exagerado ver, em sua regulação,
uma renúncia que a criança aceita para satisfazer a mãe e garantir-lhe o amor: é, provavelmente, a primeira limitação que se impõe por amor a outrem, e Pichon não
erra no dizer que "a evacuação feita limpamente no vaso é o primeiro presente". Renúncias e presentes, todavia, não cabem em atmosfera de tensão, de ameaça ou de
ansiedade; então, justamente, a criança recusa, "finge de constipada", ou resolve-se fora de hora. Pensa-se, atualmente, que há real perigo em querer controlar de
maneira demasiado rígida essa importante função, ou em impor controle prematuro, sobretudo recorrendo a essas verdadeiras agressões da criança pela mãe, que são
as lavagens e outras práticas análogas. Alguns adultos atribuem, à defecação, tamanha importância que tudo quanto lhe respeita será logo tingido de ansiedade para
a criança. Cabe pensar que a aprendizagem da limpeza não virá a ser, por isso, necessariamente, facilitada; parece admitido, até, que o aparecimento de traços de
caráter bem particulares, como a obstinação, ou a meticulosidade, tem relação com tais experiências.

Seja como for, o orgulho da criança que se portou como era esperado não deixa qualquer dúvida; como o acontecimento é ge-

75

ralmente acompanhado de felicitações e de sinais de afeição que encantam o pequeno e o confirmam em seu sentimento de segurança, podemos ficar seguros de que a impressão
"de estar certo", de ser valorizado e assegurado, de estar consoante o desejo materno, associa-se estreitamente à impressão de bem-estar físico conseqüente à ação,
como também à impressão de fazer algo, de conseguir uma realização. Ao inverso, uma tonalidade agressiva pode exprimir-se na recusa de fazer, ou no fato de sujar-se,
quando a criança faz a experiência das exigências do adulto.

Nessa idade em que explora os efeitos de sua atividade, a criança está muito interessada nas matérias que produz; inumeráveis observações permitem pensar que ela
as considera um pouco como obra sua, de sua fabricação, tanto mais interessantes quanto sua mãe também lhes dá tamanho valor. Quantas vezes a criança não nos traz
triunfalmente suas criações? Quantas crianças não querem, a todo preço, manipulá~las, ou com elas não têm emporcalhado paredes e móveis? Os grandes assuntos de conversação
da criança não serão esses, durante todo um período? E o adulto, que dá tanto preço a essas produções, apresenta, a seu respeito, comportamento bem estranho; nada,
para ele, tão premente quanto fazê-las desaparecer, tiradas assim, à criança, certas satisfações exploradoras, que ela poderá reencontrar, todavia, se tivermos o
cuidado de deixá-la manipular água, areia ou pasta de modelagem, as quais têm propriedades análogas. Se lhe não dermos oportunidade, a criança se desforrará na lama
e na sujeira, a menos que lhe tenhamos inspirado tamanho horror disso, que ela venha a tornar-se num desses meticulosos, maníacos da limpeza. Há, no pequeno, nessa
matéria, necessidade profunda, ligada ao desenvolvimento sensorimotor e a essa busca do eu expressa na tendência a dar forma, a imprimir sua marca na matéria, a
deixar um traço, a produzir um efeito.

Entre dezoito meses e dois anos, controle quase integral se

estabelece, se não ocorreu algum desacerto; a partir desse momento a criança poderá anunciar suas necessidades, e logo tratar disso sozinha. É grande passo a mais
para a independência. A atenção se desloca, então, para outra zona, aliás muito próxima. Se o exercício anal consiste, sobretudo, em aprender a "fazer" no momento
desejado, a exercitação uretral consiste, sobretudo, em aprender a "segurar"; e é um pouco mais tardia. Â "idade do vaso" sucede a "idade da torneira", poderíamos
dizer, familiarmente; ao interesse pela defecação sucede o interesse pela micção.

76

Nas reações do adulto a esse respeito, a criança descobre, ainda, um meio de satisfazê-lo, ou de descontentá-lo, e uma técnica a mais para afirmar-se corno "grande",
ou para assegurar-se dos cuidados devidos aos "pequeninos". Demonstra incontestável orgulho em exibir seu domínio nessa função, o qual dá lugar, aliás, a inú meras
brincadeiras.

0 interesse pela função traz, necessariamente, o interesse pelo órgão, tomado objeto de investigações e de manipulações, as quais não são perigosas senão pelas reações
intempestivas que provocam no adulto; o adulto vê logo, aí, a expressão do vício, e profere ameaças tão absurdas quão profundamente nefastas e perigosas para o equilíbrio
infantil. Pelas reações do adulto, como pelas próprias sensações ligadas a essa atividade, a criança percebe tratar-se de zona muito especial e de alto interesse,
e sua curiosidade exploradora para lá se orienta generosamente. Desde então, o rapaz aparece, inevitavelmente, como privilegiado; está muito orgulhoso de seu "a
mais", que exibirá de bom grado, enquanto a inenina se preocupa com aquilo que lhe falta. Muitas observações de crianças e muitos comportamentos mostram à farta
que o rapaz não é de todo indiferente à idéia de que poderia ser mutilado, enquanto a menina indaga de si para si quando e como "aquilo" lhe crescerá: vê-la-emos
muita vez negar, pelos atos, essa diferença, da qual tem, vagamente, a impressão de que lhe é desfavorável.

A criança é, assim, inevitavelmente conduzida a fazer-se perguntas concernentes à diferença entre os sexos; toma consciência de pertencer a uma das duas metades
da humanidade; o outro sexo começa a aparecer-lhe como algo de diferente, e o papai e a mamãe ganham, assim, novo matiz. 0 porquê dessa diferença toma-se preocupação
importante; e, com ela, a sexualidade propriamente dita entra em cena, por volta dos três anos. Veremos, no capítulo seguinte, como vai dominar o quadro do desenvolvimento
afetivo e social.

Pode-se compreender que numa época na qual se dava mais importância ao adestramento esfincteriano que hoje, alguém haja situado nesse contexto particular o esboço
de uma primeira noção do bem e do mal e que se haja, até, falado de uma "moral do vaso". Efetivamente, o "caca", o sujo, o malvado, o culpado estão, durante muito
tempo, associados na linguagem infantil, como o estão, também, o asseado, o agradável, o bem-comportado -

associações, sem qualquer dúvida, induzidas pelo adulto. Mas,

77

cremos que cumpre, hoje, alargar a cena: não é somente no plano da aprendizagem da limpeza que se confrontam e se defrontam as exigências do meio e a afirmação de
um novo "eu" em plena expansão, a descobrir seus poderes realizadores. Há outros domínios também nos quais, ao prazer de satisfazer o adulto, e conforrnar-se a ele,
se opõe o de não o satisfazer e afirmar-se como diferente dele. É em todos os planos do comportamento que se impõe essa dualidade, essa contradição entre a conformidade
e a não-conformidade, entre a satisfação e a afirmação de si, ou o controle dos impulsos em função das exigências do meio, com as vantagens e os inconvenientes inerentes
a cada um dos dois termos da alternativa. É nessa perspectiva que se inscreve a fase de oposição situada por volta dos dois anos e meio.

Assim, de repente, a criança se torna difícil de tratar, oposicionista, obstinada; põe-se a fazer o contrário do que lhe pedem, chora por um objeto, depois o rejeita
quando lho dão; não é somente caprichosa, mas parece, verdadeiramente, desafiar o educador; a respeito de sua mãe, passa da mais viva agressividade à ternura mais
derramada. Freqüentemente se enfurece, bate os pés, rola por terra, ou apresenta comportamentos que estaríamos no

direito de crer desaparecidos desde há dez, ou doze, meses. Tais as observações clássicas que se podem fazer desse fenômeno normal, a estender-se por várias semanas,
ou vários meses, segundo as crianças e, sobretudo, segundo os educadores, ou a limitar-se, simplesmente, a algumas cenas mais ou menos espetaculares.

Wallon [80] lhe sublinhou o aspecto positivo, com mostrar que se tratava, essencialmente, de crise de independência, "que marca ainda a dependência da criança em
relação aos outros". Com efeito, o elemento essencial da crise parece ser o desejo de "fazer sozinha", de agir por si mesma, de querer ela mesma: "sozinha!" ou "eu,
eu!" grita a criança que a gente quer vestir, ou a quem a gente quer mostrar o manejo de um objeto; parece, realmente, seja a imposição da vontade do adulto que
cause principalmente as ce-

nas, a menos que seja a canhestrice da criança ao agir sozinha que desencadeie as reações intempestivas e nervosas do adulto, ou suas intervenções desvaIorizadoras.
Esse desejo de fazer sozinha, de fazer ela mesma, se inscreve na perspectiva do descobrimento dos poderes do eu, e do estudo de seus limites; por isso, os pais deveriam
regozijar-se com isso, e favorecer essas condutas autônomas, coisa que está, em geral, bem longe de acontecer. É, en-

tretanto, por essa via que a criança se encaminha para a indepen-

78

dência e para a confiança em si, e constrói, em si mesma, as forças assecuratórias que lhe permitirão escapar à ansiedade primitiva, por já não estar mais centrada
nos pais para todas essas satisfações essenciais ... e aí está, de fato, aquilo que tantos pais, quiçá, temem inconscientemente. Não será inevitável que a afirmação
da criança se apóie precisamente nas ocasiões oferecidas pelas exigências adultas, as quais são, em suma, outras tantas sugestões para fazer o contrário do que a
ela lhe querem impor? A criança começa a "querer contra" como se ainda não tivesse bastante iniciativa pessoal para inventar o que querer. A observação revela que
intervém, ademais, nesse movimento, um elemento de exploração das ordens adultas: a criança quer ver, como se diz, "até onde pode ir", quais os limites que deve
respeitar (e, aliás, muita vez não respeita!).

De outro lado, porém, e contrariamente ao que acabamos de dizer, há também, na criança, com o suporte das possibilidades crescentes de representação e de antecipação,
um começo de intencionalidade. Cada vez mais a atividade visa a algum objetivo, possui fim mais ou menos claro; a criança tende a "fazer coisas"; o adulto não leva
absolutamente em conta essas coisas e vive a intervir, interrompendo o curso dessa atividade, infligindo, assim, à criança, frustração tanto mais sensível quanto
ela mal começa a

querer e, por vezes, a poder atingir um objetivo. Esse fenômeno de "incisão" na conduta infantil, de interrupção de atividade começada, produz, na criança, verdadeiro
desespero e lhe desencadeia a agressividade; o adulto aparece não apenas como "desmanchaprazeres", mas ainda, e é mais grave, como impediente da realização daquilo
que a gente começou. Há boas razões para crer que essas desastradas interrupções originam muita falta de iniciativa na criança, a qual adquire o hábito de nada fazer
para poupar-se à frustração trazida pela incisão. Esse fenômeno não é, em parte alguma, mais sensível que no jogo simbólico; e Anna Freud escreveu, a esse propósito,
um parágrafo encantador: "A criança que, agora mesmo, era cavalo ou elefante, relinchava ou barria, e andava de quatro patas, deve estar pronta, no instante imediato,
a sentar-se educadamente à mesa e manter-se tranqüila. 0 domador de leões é obrigado a obedecer à empregada, o explorador ou o pirata é forçado a ir deitar-se, justamente
no momento em que o mundo dos adultos estava a tornar-se dos mais interessantes" [23, pp. 100]. E, todavia, é tão simples advertir a criança, deixar-lhe tempo de
aceitar e elaborar a interrupção inevitável, quiçá, até, de integrá-la em seu jogo: a boneca pode muito bem ir ao banho, ou tomar a

79

refeição com a mamãezinha; e isso é tão mais coerente do que deixá-la cair de repente, porque assim convém ao adulto!

A criança sofre, pois, mais frustrações do que, em geral, cuidamos. Essas frustrações resultam, principalmente, por um lado, da distância entre os desejos e as intenções
da criança e os meios de execução de que dispõe e, por outro, do aumento de exigências e de coerções dos pais em relação com a mobilidade e a independência acrescidas
do pequeno, e de seu desejo de agir por si mesmo. Tais frustrações, que cumpre não dramatizar, são a origem de manifestações de cólera e de agressividade, que tampouco
devem ser levadas à trágica. Goodenough [291 pôde mostrar que a freqüência dessas manifestações aumentava até o meado do terceiro ano, para diminuir, depois, de
modo muito sensível, e estava em relação com a rotina cotidiana (situadas as cenas, no mais das vezes, ali por 11h30min e ali por 17h30min), com o grau de fadiga
da criança, com seu estado de saúde, com as atitudes dos educadores e... com o número de adultos da roda da criança.

Viu-se também, na fase de oposição, a expressão da incapacidade de a criança escolher, de resolver uma alternativa de forma satisfatória. Falou-se também do
despertar das curiosidades sexuais, que deparam os tabus adultos. Cumpre assinalar, enfim, o papel do ciúme, que aparece neste estágio onde a criança ainda é
incapaz de conceber a partilha da afeição materna com outrem. Mas havemos de voltar mais oportunamente à matéria, no capítulo seguinte.

Seja como for, guardaremos, sobretudo, o elemento de afirmação de si, de vontade de independência e de realização, o qual, segundo nossas observações, domina o quadro
e explica melhor os fatos. Normalmente, aliás, quando a criança não aprendeu, no decorrer da crise, a arvorar-se em tirano doméstico, ou a ensimesmar-se em comportamentos
regressivos, as coisas se aquietam e, já aos três anos, o negativismo cede o passo a uma forte tendência ao conformismo e à cooperação. A criança momentaneamente
reequilibrada, depois de ter tomado consciência de si mesma e ter conquistado seu lugar ao sol entre os pais, vai pôr a autonomia parcial que adquiriu a serviço
de sua adaptação social. Sua grande preocupação será, doravante, "fazer certo", fazer "como é preciso" e em sua imensa boa vontade perguntará a toda hora se "está
bem assim"; isso indica, aliás, que ainda não está tão inteiramente segura de si quanto parece.

80

Tais seriam os traços salientes do desenvolvimento da criança entre um e três anos mais ou menos, tal como esse desenvolvimento se desenrola no meio restrito da
família, ao qual se limitam aproximadamente as relaçõ es sociais. Não é falso, sem dúvida, dizer que a criança dessa idade vive um pouco num mundo de conto de fadas
onde tudo é possível, em virtude da projeção do psiquismo sobre o universo exterior, e da fronteira mal traçada entre o eu e o não-eu. É, realmente, com efeito,
um mundo onde plantas ou animais pensam, ou têm sentimentos, os mesmos sentimentos da criança: é, realmente, um mundo onde há bons, ou temíveis, gigantes, boas fadas,
ou feiticeiras malvadas, onde a gente recebe uma sorte feliz, ou funesta, que vai com a gente pela vida fora. Mas é um mundo de conto de fadas que é normal,
natural, que não é estranho porque a gente não conhece nada de diferente; e não tem caráter maravilhoso e sobrenatural senão para o adulto, vivente noutro universo,
aquele onde tudo está no lugar certo, onde há barreira bem marcada entre o possível e o impossível, entre o imaginário e o real.

É para esse real, que não passava, até o momento, de "um brinquedo que a criança brinca de bom grado com o adulto", como disse Piaget, que a criança se vai agora
voltar; e é dele que vai tomar consciência.

81

ÇAPITULO IV

0 descobrimento da realidade exterior

(De 3 a cerca de 6 anos)

Caracterização do estágio

Em plano inteiramente prático, o bebé fez uma primeira conquista do mundo circunstante imediato. 0 toddler e o tagarela do qual acabamos de falar estendeu e assegurou
consideravelmente suas conquistas. Esboçou, ademais, primeira transposição dessas conquistas para o plano representativo, segundo perspectiva, necessariamente, de
todo pessoal, que lhe assegurava as aparências de livre disposição do universo, ao sabor de seus impulsos e necessidades. Universo, todavia, encarado numa perspectiva
adualista e egocêntrica, é universo deformado e inconstante, onde a ação é, necessariamente, aleatória, e onde o poder quase mágico do desejo, do gesto, ou da palavra,
não pode deixar de sofrer pungentes desmentidos.

A retificação da perspectiva adualista primitiva prossegue em nossa vida inteira; em todos os níveis nos apresenta problemas por vezes árduos. Esboça-se no estágio
cujo estudo começamos agora, durante o qual, para retomar os termos propostos por freud,,"o @e princípio da realidade' -ganb"orpo e vem opor-se --ao- "pnncipio
do prazer"(*). P_ede@- e dizer, com efeito, que se as formas pri-

(*) Como observa um psicólogo norte-americano, a Psicanálise "abunda em dualismos, ou "polaridades", isto é, em pares de entidades de natureza antagônica" (Laurance
Shaffer, The psychology of human adjustment; an obiective approach to mental hygiene, Houghton Mifflin, Boston, 1936, p. 398). Um de tais dualismos é esse ao qual
se refere o Autor, o do princípio do prazer, oposto ao princípio da realidade. Com efeito, escreve Freud: "A teoria psicanalítica admite sem reservas que a evolução
dos processos psíquicos é regida pelo princípio do prazer. [. . J Sob a influência do instinto de conservação do eu, o princípio do prazer se apaga e cede lugar
ao princípio da realidade, e este faz que, sem renunciar ao objetívo final

82

mitivas do pensamento (e notadamente o "pensamento dramatizado", do qual já falamos) atingem o apogeu pelos três anos e meio e se mantêm ainda durante todo o presente
estágio, por elas profundamente marcado, é, entretanto, a época na qual a criança (que se havia, de algum modo, situado pela crise de oposição e se havia, em certa
medida, dissociado do mundo ambiente) descobre a existência de uma realidade exterior, independente dela e que ela deve levar em conta se quiser chegar a seus fins.
A um mundo no qual basta desejar, ou arremedar, para estar satisfeito, sucede, pouco a pouco, um mundo no qual é preciso "fazer as coisas certo", no qual "é preciso
fazer o que é preciso" para atingir-os objetivos colimados.

0 conformismo, cujo aparecimento assinalamos ao terminar o capítulo antecedente, anuncia essa nova orientação; a partir de quatro anos, atitude incontestavelmente
mais realista e mais objetiva se desenha no comportamento infantil, que aos cinco anos ganha uns ares bem característicos de "competência burguesa", segundo a espirituosa
expressão de Gese11. No correr do sexto ano, a tomada em consideração da realidade exterior será tal que a criança poderá ultrapassar a simples atividade de jogo
e ir empós de fins objetivos independentes da simples satisfação. Aos três anos e meio, ou quatro, fingimos escrever; aos seis, estamos no ponto de aprender a escrever
de verdade, e empregar, com esse fim, grandes esforços; é atingida certa maturidade, que toma possível a escolarização. É, todavia, com seus meios de apreensão
egocêntricos e, evidentemente, de seu ponto de vista próprio que a crian-

constituído pelo prazer, consintamos em adiar-lhe a realização, em não nos aproveitar de certas possibilidades de apressar essa realizaçã o, em suportar até (graças
ao longo rodeio feito para chegar ao prazer) um desprazer momentâneo". ("Au delà du principe du plaisir", nos Essais de Psychanalyse, trad. fr. de S. Tankélévitch,
"Bibliothèque Scientifique", Payot, Paris,
1936, pp. 11 e 14.) Explica Shaffer, na linha do pensamento freudiano, que a determinação da atividade segundo o princípio do prazer "é característica do ld, da
criança e do neurótico", enquanto "o que é feito por conveniência, ou exigido pelo mundo exterior, é pertinente ao princípio da realidade". E continua, sempre na
página 398 de seu, aliás, excelente manual: "Na infâncjg_egesprincfios estão em conflito. mas -o-corre normalmente 4£9_ mod4Z@"La
-

ças_ ao__------------nto de um forte_1@@ bem sucedido na reconciliação entre-as exigências do_prazer e as da realidade". V. também as observações de Louis
P. Thorpe, The psychology of mental health, Ronald Press, Nova York, 1950, pp. 71-74; e, outrossim, as de Albert Collette, Introdução à psicologia dinâmica, trad.
port. e notas de Lólio Lourenço de Oliveira e J. B. Damasco Penna, vol. 98 destas "Atualidades Pedagó gicas",
2.' ed., 1978, p. 20. (Nota dos trads.)

83

ça vai acercar-se dessa realidade exterior e medir-se com ela: por isso reencontraremos, nesse estágio, numerosas características já mencionadas anteriormente.

A realidade surge em todos os planos; a criança que inaugura seu velocípede não se contenta com desejar andar, leva em conta, implicitamente, as particularidades
do engenho e a elas se ajusta. Mas é, sem dúvida, no plano afetivo que se situam as experiências mais fundamentais, nessa matéria; e é nesse plano que a criança
deve fazer face à realidade mais perturbadora, com reconhecer, em sua mãe, individualidade e existência próprias; daí decorre que deva, como nota Mauco [431, fazer
seu "primeiro ensaio para amar alguém que não ela própria". Mas, além disso, essa mãe que durante muito tempo confundiu consigo mesma, a criança vai percebe -r_
_que deve reparti-Ia com o pai, com os irmãos e com as irmãs: prova perigosa, decisiva para a evolução da personalidade. Pode-se notar que, nesse contexf61 a-personagem
pater-n-ã-'a-'dqu'ire relevo particular, que ainda não possuía; como é aquele que vive alhures, e volta ao lar familial cheio dos eflúvios de um universo situado
para além dos muros da casa, o pai é, por excelência, o representante de uma ordem de realidade exterior ao pequeno mundo da criança.

Ao mesmo tempo, a criança deve conservar o amor protetor e seguro que lhe dispensa o adulto e, para isso, conformar-se com as normas que o adulto lhe impõe; a constituição
de instâncias pessoais de controle é um dos aspectos essenciais do reconhecimento, pela criança, de uma realidade exterior a ela. Mas ainda alhures ela descobre
essa realidade, em suas relações sociais, multiplicadas, tal como em sua atividade concreta; experimenta a resistência, aos seus desejos e às suas intenções, em
tudo quanto não é ela. Com efeito, não basta falar para ser compreendida, nem gesticular para que a ação se conclua; tal como os outros a obrigam a tomar sua expressão
compreensível para eles, os objetos que ela manipula a forçam a levar-lhes em conta as características físicas próprias.

Nessa exploração social e material, a linguagem introduz agorà, elemento novo: o -contato verbal, explícito, o comércio com os outros e, sobretud-6, èom õ_-RuTt0.
Este, particularmente, adverte, informa, censura e tranqüiliza a cada passo, e impõe à criança certa v@são do universo. Sem compreendê-la em todos os

casos e interpretando-a, freqüentemente, de modo muito errôneo,

84

por força de seu egocentrismo, a criança é, assim, constantemente iniciada no quadro cultural a que, depois, deverá adaptar-se por si mesma; as aquisições feitas
graças ao contato verbal cotidiano com o adulto lhe permitem, a ela criança, sem dúvida, apreciável economia de tempo e de esforço.

Quanto à prodigiosa exploração sensorial e motora da fase precedente, prossegue com mestria e facilidade aumentadas, de agora em diante mais orientada para o resultado,
para o produto da ação que para a simples satisfação motora.

Os problemas afetivos: @- édip5

Vimos a criança, por volta dos três anos, fazer o descobrimento dos órgãos genitais e dissemos que esse descobrimento estava cheio de conseqüências psíquicas. Segundo
os freudianos, com efeito (e a observação parece, realmente, dar-lhes razão), é agora, neste nível, que se situam os profundos gozos sensuais antes ligados à região
bucal, depois à região anal; e as emoções a isso ligadas adquirem, por esse fato, coloração mais especificamente sexual, à qual não escapam os sentimentos da criança
para com o adulto, sempre estreitamente implicado nessas emoções sensuais. Mais simplesmente, poder-se-ia dizer que um componente mais sexuado intervém agora na
relação afetiva entre a criança e o adulto e, por conseqüência, aparece atração mais assinalada por um dos genitores, o do sexo oposto. Mas o descobrimento, pela
criança, de seus órgãos genitais lhe apresenta, ademais, a inevitável questão das diferenças anatômicas entre os sexos e de ela pertencer a um ou outro dos sexos,
questão que subtende outra, tão capital para a criança, a do "papel" de cada sexo em nossa sociedade, e de sua atividade específica. Trata-se, em suma, de saber,
a um tempo, porque há essa diferença - e, pois, dado o

sentido do por que infantil, para que serve - e de situar-se, a si mesmo, do lado dos papás, ou do lado das mamãs.

Como não é nosso objetivo tratar, aqui, de educação, ou de higiene mental, não nos deteremos nos "por ques", nem nos lIcomos", necessariamente propostos pela criança
em relação a esse campo sexual, ainda sempre carregado de tabus em nossa sociedade; importa, entretanto, assinalar que essas perguntas são inevitáveis entre dois
e cinco anos e não trazem, em si mesmas,

85

nada de mais culposo, nem de mais "sujo", que todas as outras. Em compensação, o fato de fazer que assim pareçam, aos velhos ou crianças, por obra de nossas reações
indignadas, ou constrangidas, é de natureza a falsear irremediavelmente a perspectiva que a criança terá dessas coisas. Sua curiosidade é, afinal de contas, real
e legítima bem que gostamos de saber quem somos e donde vimos! e a experiência mostra que quando a simples pergunta da criança ficar sem resposta igualmente
simples, ela construirá, naturalmente, uma explicação, complicada, falsa, e, muita vez, terrificante, a preocupá-la infinitamente mais que a verdade recebida dos
lábios parentais. A curiosidade malsã das coisas sexuais nunca se origina da certeza clara, mas, ao contrário, da ignorância ansiosa do entrevisto, ou pressentido
mais ou menos obscuramente. Há, enfim, muito boas razões para pensar que jamais se favoreceu o desenvolvimento afetivo da criança ensinando- 'lhe que há assuntos
que melhor será não tratar com os pais, nem seu desenvolvimento intelectual ensinando-lhe, desde a mais tenra idade, que o desejo de saber é culposo!

A percepção das diferenças anatômicas propõe, à criança, muito mais problemas do que cuidamos; e, antes do mais, dá-lhe golpe sério no egocentrismo e na crença implícita
em que toda gente é igual a ela. Eis uma dessas realidades com as quais a criança se defronta agora: existem, em sua roda imediata, entre as pessoas que lhe são
familiares, e das quais não se dissociou até agora senão parcialmente, seres que não têm a conformaçã o que ela tem. 0 menino faz o descobrimento perturbador e decepcionante
das diferenças que o separam dessa mãe com a qual se confundiu durante longo tempo. Essas diferenças comportam, sem dúvida, aspecto valorizador; incitam a uma afirmação
de si, a um tempo inquisitiva e agressiva; ao mesmo tempo, todavia, assinalam cruelmente a inferioridade do pequeno macho ante a maturidade física de sua mãe. Simultaneamente,
o menino se descobre "do mesmo partido" do pai, entre os "providos"; mas essa própria semelhança lhe evidencia, sobretudo, a pequenês e a insignificância. Enfim,
as comparações que fará com sua irmã, se lhe dão vantagem, são, entretanto, de natureza a suscitar o receio da mutilação, que eventuais ameaças do adulto só virão
a corroborar. Na menina as conseqüências são, evidentemente, diversas: a mãe Ilie aparece, também, desfavorecida, confirmando-a, ademais, em sua inferioridade, pelos
atributos de sua maturidade feminina; o pai, aç) contrário, é o ser prestigioso dotado daquilo que a ela lhe falta e, daí, centro de seu interesse e de sua admiração,
um

86

pouco temerosa. Quanto ao irmão, será, eventualmente, para ela, a imagem daquilo que ela poderia ter sido, da condição invejável que lhe não coube; não está, tampouco,
de todo excluída a idéia de mutilação, e veremos muita vez a menina procurar imitar certos comportamentos dos rapazes.

Esses descobrimentos e essas comparações são inevitáveis; são necessários. Têm por efeito modificar a perspectiva segundo a qual o pequeno via os pais e se situava
em relação a eles. Fazem, sobretudo, aparecer a personagem paterna sob nova luz. Pode-se. dizer que o _pai -era até então um como dupW' _que
satélite, ou,.' da mãe; era amadotaLc~,-a-mãe, na medida em que, tal à como a mãe, era fonte de gratificações e fator de segurança. Não era desimportante,
mas, agora, torna-se personagem bem central. Tanto para-o menino como para a menina torna-se objeto de a-dmiração, de inveja e de identificação; o menino e a menina
desejariam ter-lhe tanto o poder quanto a completude. Na menina, todavia, esse sentimento se matiza de desejo e de sedução, e ela lhe fará agrados tão sinceros quão
ingénuos, enquanto, no menino, se matiza de receio e de emulação: "Esse pai, que é como eu, é infinitamente mais poderoso do que eu; mas eu ficarei como ele!". E
aí está o menino, baseado na masculinidade, desejando "ser como o papai", e a menina, baseada na feminilidade, desejando "ter o papai".

Mas, simultaneamente, e paralelamente, passa-se, ainda, outra coisa. Ao longo do estágio anterior vimos sempre a criança ligar-se mais à mãe, à medida que esta mais
lhe aparece como exterior a ela. Sp.@k_- indepen-dência crescente, em todo caso, a partir do terceiro ano, leva-a, cada vez mais, a ver que sua mãe tem exisencia
própria, -da qual ela não é o único centro, mas na qual esse pai prestigioso desempe@qb3,pr@@-@nte,41apç@rimor@l; a criança percebe melhor a intensidade dos laços
afetivos que unem seus pais; quando eles se beijam diante dela, dá-lhe de meter-se entre eles como se quisesse, ao mesmo tempo, participar de sua intimidade e separá-los.
No absolutismo de seus sentimentos, partilhar a mãe eqüivale a perdê-la e, pois, a perder sua segurança, e a_perder-se. Em matéria da relação mãe-filho, tão fusional
não há muito, mas, ainda, tão total, o pai figura como terceiro; é percebido, pela criança, como quem a importuna, quem lhe ameaça a segurança. Entre mais ou menos
três e cinco anos, o pequen ,o vai ter de assimilar essa realidade triangular. Vai viver esse pnmeiro conflito de amor, que o levará a amar sua mãe sem, por
isso, confundir-se com ela.

87

"Em sua forma mais simples", escreve Blum [71, relatando o ponto de vista freudiano, ---o apego já estabelecido do meninozinho à mãe recebe o cunho do impulso sexual
a irromper violento."
0 menino desejaria ter sua mãe só para si, cobre-a de marcas de ternura e se comporta, a respeito dela, como pequeno macho atrevido; assegura-se, até, que tem desejos
sexuais quanto a ela, e certos comportamentos permitem, de fato, admití-lo, embora cumpra notar que esses desejos não podem ter a mesma tonalidade que têm no adu",
e são, provavelmente, a um tempo, mais absolutos e menos específicos. Nessa conjuntura, o_pai é, evidentemente, o importuno, o rival que cumpriria suprimir para
ficar-lhe -nó lug@r. @"quàndo papai morrer, nós nos casaremos"', Esse rival,,' porém, obstáculo ao amor no rapazinho, é, ao mesmo tempo, amado, admirado e temido,
como vimos; assim, a agressividade sentida a seu respeito é, necessariamente, e, sobretudo, como capaz de pôr em perigo a segurança da criança,
pelas reações que poderia suscitar. Por outro lado, essa mãe que jamais se dá inteiramente, que muita vez, até, resiste, que, além disso, educa, exige e ralha, ao
menos uma vez ou outra, ante a qual, enfim, a criança sente, e muito bem, sua inferioridade física, não satisfaz completamente; é, até, frustradora a mais de um
respeito. 0 menino semelha um pouco um apaixonado polidamente rejeitado; não conhece amor feliz, felicidade pura, e seu comportamento, suas dificuldades de conduta
nos dão, muita vez, prova disso.

Tal como o menino, a menina começa, necessariamente, por ser baseada em sua mãe, mas é manifesto que no curso do quarto ano seu apego doravante sexuado e seu interesse
se orientam mais para o pai, provavelmente, sobretudo, na medida em que percebe a importância deste aos olhos da mãe. Não deixa qualquer dúvida essa mudança de orientação:
"não é justo", dizia a seu pai uma meninazinha de cinco anos: "você dorme sempre com mamãe e nunca comigo!". Em relação ao pai vê-se, então, a menina comportar-se
como amorosa, faceira e sedutora ãe

e, para ela, é a m que se toma rival, a que 'cpossui" o pai, rival tão poderosa, tão temível,, quanto o pai é para o filho, mas, sem dúvida, muito mais incômoda,
e muito mais frustradora, pois é, sobretudo, a mãe que educa, e está constantemente com a filha, ao passo que, em nossa sociedade, o rival do menino está mais distante,
menos constantemente presente. Aqui, também, as tendências agressivas a respeito da mãe riv 1 e, todavia, amada, as quais encontram na vida cotidiana mil ocasiões
de exprimir-se, @ga4o@as de culp-abilL-_ dade e de an stia.---

88

Tal seria a situação afetiva na qual se debate a criança no decorrer deste estágio. Se o esquema freudiano pode parecer excessivo, e se, de resto, os especialistas
estão longe de estar todos de acordo a propósito desse famoso "complexo de Êdipo"(*), do qual se fez tamanho cabedal, apresentando-o naturalmente sob coloridos dramáticos
e mórbidos, que não são seus, necessariamente, cumpre, entretanto, reconhecer que ele está baseado em inumeráveis observações, acessíveis a todos os pai-S. Se a
acentuação do amor pelo genitor do sexo oposto é, em geral, muito manifesta, a aversão, ou a agressividade para com o genitor do mesmo sexo é, por vezes, algo menos
manifesta e é, aliás, menos tolerada. Esses sentimentos não excluem, aliás, de modo algum, os inversos: reencontramos, uma vez ainda, a ambivalência dos sentimentos,
e a lógica nada tem com isso, como, aliás, nada tem com os sentimentos da maior parte dos adultos!

Ante esse esquema, cumpre não esquecer, tampouco, que a criança não é o único ator do drama; talvez olvidemos um pouco além da conta o fato de que os pais também
são seres sexuados e, por conseqüência, reagem, diferentemente, ao sexo do filho. Essas reações inconscientes serão facilmente racionalizadas no quadro de pretensas
idéias pedagógicas- pai haverá que, cheio de terna inclinação pela filha, a quem deixará fazer seja lá o que for, será levado a tratar duramente o filho-rival, e
a mostrar-se severo a respeito dele, "para fazer do menino um homem", suscitando, assim, a agressividade, e reforçando a culpabilidade da criança, que pode, muito
bem, vir a tomar-se um resignado; e mãe haverá que, aceitando mal a própria feminilidade, tampouco a aceitará, na filha, e dela fará um "rapaz falhado", com o pretexto
de que as mulheres fracas são infelizes. Há, provavelmente, poucos outros momentos na história da criança em que a qualidade do casal e o equilíbrio afetivo de cada
um de seus componentes tenham importâncía tão capital para ela. É nesse momento, sobretudo, e segundo cremos, que importa ter pai verdadeiramente viril, mãe verdadeiramente
feminina, suficientemente seguros de si mesmos um e outra, para acolher, com a mesma cálida serenidade, a ex~ pressão dos sentimentos ora temos, ora hostis, da criança,
e capazes

(*) Complexo é, na língua da Psicanálise, "conjunto de conteúdos representativos ou de situações que, como conseqüência de experiências especiais dos anos de infância,
possuem, para o sujeito, forte carga emotiva e produzem seus efeitos consciente ou inconscientemente, no decorrer do desenvolvimento psíquico", segundo J. Nuttin,
citado por Cuvillier em seu Pequeno vocabulário da língua filosólica, várias vezes referido nestas notas.

89

de não a fixar, desastradamente, em seu conflito edipiano, reforçando-lhe quer a agressividade, quer o apego e, de qualquer modo, a culpabilidade ansiosa.

A intensidade do drama vivido pela criança, posta entre o receio de ver desaparecer, seja o objeto de seu amor absoluto e insatisfeito, seja o rival amado, ansiosa
por estar a ver-se, a si mesma, reduzida ao nada, pela perda dos apoios afetivos, e pela agressividade que neles teme em virtude do talião, jamais se exprime com
maior violência que nos terrores noturnos e nos pesadelos surgidos como por acaso nessa época; são tanto mais terrificantes quanto, em razão de seu adualismo, a
criança ainda os situa no exterior de si mesma e lhes confere certa realidade materiaUExprime-se, também, pelo jogo simbólico, por vezes extraordinariamente sádico
e brutal, e em todas as espécies de fantasias imaginárias, das quais são eco os contos de fadas, como o medo ao lobo, ou às feiticeiras. Ela é, enfim, muita vez,
responsável, com a cumplicidade inconsciente dos pais, pelas dificuldades da educa- ção, ou pelas "perturbações do caráter", que se esboçam entre três e cinco anos.e
determinam, em geral, a tonalidade da existência inteira.

Como poderá a criança escapar dessa situação aparentemente sem saída? Como poderá amar sem fundir-se, de maneira adualista, com aquele que ama, e aceitando a realidade
de ente exterior a ele? Como poderá aceitar essa outra realidade constituída pela presença e pelos direitos do rival que não pode suprimir? Os autores não são, a
este respeito, nem perfeitamente unânimes, nem perfeitamente claros; uma coisa, porém, é certa: o indivíduo que

Nos termos de Lagache, complexo seria "conjunto estruturado de traços pessoais, geralmente inconsciente e adquirido durante a infância; procedente da cristalização
das relações humanas na roda familial e social a um tempo típica e singular, explica a maneira pela qual o sujeito assimila situações novas às situações antigas
às quais está sensibilizado". (Vocabulaire de Ia Psychologie, de Henri Piéron e colaboradores.)

0 complexo de Édipo seria o "apego da criança ao genitor do sexo oposto, recalcado como conseqüência do conflito com o genitor do mesmo sexo, amado e temido a um
tempo" (Cuvillier, op. cit.). Ou, nos termos de Lagache, "apego erótico da criança ao genitor do sexo oposto, recalcado por força do conflito ambivalente com
o genitor do mesmo sexo, ao mesmo tempo amado, odiado e temido (complexo de Êdipo positivo). 0 complexo de Êdipo é chamado negativo, ou inverso, quando a rivalidade
com o genitor do mesmo sexo é substituída pelo apego erótico ao genitor do mesmo sexo; por e%emplo, no rapaz, a passividade homossexual inconsciente a respeito do
pii". (No mesmo Vocabulaire de la Psychologic.) (Nota dos trads.)

90

vive em quadro normal, com pais normais, chega mais ou menos bem a dominar a situação, e, provavelmente, do modo seguinte.

Para o menino, o pai-rival que vingou e é, como se terá notado, o transgressor de suas próprias interdições, torna-se objeto de identificação; como o pai "possui"
a mãe, basta ao menino tomar-se o pai para "possuir" a mãe, e isso nada tem de impossível dado o modo egocêntrico do pensamento nesse nível. Como é aquele que a
gente quer suplantar, torna-se o pai aquele a quem a gente imita, o modelo e o ideal; com fazê-lo, o menino concilia interiormente o rival que temia e suprime o
receio que dele tinha; ao mesmo tempo, adota-lhe as exigências e as faz suas. Por conseqüência, a relação com a mãe se modifica profundamente: o desejo de fusã o
integral da qual o pai aparecia como interditor, é reprimido, o menino ama sua mãe como o pai lho permite, com afeição, sem dúvida, mas sem possessívidade extremada,
reconhecendo-lhe a qualidade de ente exterior a ele. Assim, conserva a mamãe, sem suprimir o pai.

Quanto à menina, sua segurança exige, tal como ..no, caso do menino, conserve o amor que a mãe lhe tem, o qual teme perder em razão de seu desejo possessivo de fusão
com o pai. Assimilando-se à mãe, "tornando-se como a mãe", poderá continuar a amar o pai sem vir a sentir-se arneaçada, na segurança, pela rival poderosa cujos decretos
interiorizou.

Assim a criança suprime a rivalidade intolerável identificando-se com o genitor-rival, do qual faz suas, ao mesmo'tempo, as exigências e as atitudes; esse rival
se torna o modelo pelo qual nos regramos. A imitação do pai pelo filho, e da mãe pela filha, toma-se, muita vez, flagrante, e não é apenas exterior; é desde então
que se poderá dizer, com razão, "tal pai, tal filho" e "tal mãe, tal filha". Para sermos completo, podemos admitir, com Baudouin [31, que a criança faz, também,
certa interiorização do ser amado ao qual renuncia, e por ele se modela para reencontrá-lo em si mesma. A criança interioriza, pois, o pai e a mãe (ou, quando menos,
a imagem que deles faz); o pai (ou mãe) rival constitui seu ideal, o

genitor do outro sexo se torna corno a imagem e o modelo segundo os quais escolherá o ente exterior ao qual se unirá eroticamente mais tarde. As exigências interiorizadas
do genitor-rival, inibindo os desejos eróticos primitivos para com o outro, levam a criança a substituir a fusão inicial por uma relação interpessoal, afetuosa;
liberada, doravante, das poderosas e primitivas tendências recusa-

91

das pelos piis, a iniciativa própria dessa idade ativa e intrusiva poderá, nos termos de Erikson [191, vencer a culpabilidade e a angústia esterilizantes. Vê-se
bem, ainda uma vez, nessa evolução, toda a importância das personalidades parentais, cuja atitude pode favorecer, ou desfavorecer, as identificações e os desapegos
necessários, quiçá, até, torná-los inteiramente impossíveis.

Não faltará quem objete, com referência a este esquema, que a criança de cinco anos não é tão sutil e que, aliá s, adulto algum se recorda de haver feito semelhantes
raciocínios nessa idade. Assim, convém assinalar que tudo isso não se passa no nível do raciocínio (ainda inexistente, aliás), mas, antes, em nível infraracional
e infraconsciente, conforme com as características egocêntricas e primitivas já assinaladas, e sob a poderosa motivação constituída pela necessidade de conservação
da segurança. Quanto às lembranças, delas quase nada resta, com efeito; todas essas profundas emoções coloridas de ansiedade e de culpabilidade são cuidadosamente
esquecidas ou, mais exatamente, "recalcadas", tornadas inconscientes; mas a experiência psicanalítica mostra que nem por isso deixam de existir. Qualquer um pode,
aliás, verificar esse fenômeno de esquecimento: as numerosas lembranças que a criança tem das idades de quatro, três e, até, dois anos, esfumam-se muito manifestamente
e desaparecem, na maior parte, entre cinco e sete anos. É a amnésia infantil (que Freud pôde assim explicar) que libera a criança de enorme carga afetiva e, ao mesmo
tempo, torna o adulto tão cego a respeito do que sentiu quando criança.

A consciência moral primitiva

Nem por isso deixa de ficar, dessa época, importante herança: a personalidade infantil, que havia começado a afirmar-se pelos dois anos e meio, na oposição aos pais,
encontra-se consideravelmente consolidada e reforçada pela presença, em si, das imagens parentais interiorizadas, presença que lhe assegura, a um tempo, autocontrole
e segurança interna acrescidos e, pois, grande aumento de independência.

-Antes dessa fase, acontecia, sem dúvida, à criança, conformar-se com os pais por imitação, depois, submeter-se, a despeito de seu desejo, às exigências da mãe,
para conservar a segurança emanada de seu amor. Mas bastava, por exemplo, que a mãe

92

estivesse ausente, ou a criança saísse de seu quadro regular, para que logo se produzissem desordens: os "acidentes" do asseio o mostram à farta. Depois, com auxílio
da representação, a criança se tomou capaz de prever certos dissabores e, pois, de conjurá-los, comportando-se do modo requerido: certo número de interiorizações
parciais ocorreu, sempre no propósito de salvaguardar a segurança. A observação mostra claramente que os órgãos de controle do comportamento e da adaptação às coerções
começam a constituir-se bem antes da fase edípiana. Mas, com a interiorização das imagens parentais que asseguraria a liqüidação do édipo, parece que seja todo o
sistema das atitudes, das exigências, das interdições e das expectativas parentais que a criança faz seu. Como tem o pai e a mãe "em si", a criança terá doravante
muito menor necessidade de sua presença efetiva para comportar-se de maneira aceitável e salvaguardar, assim, sua segurança. Assim se constitui sua "consciência
moral"; e a criança lhe ouve a "voz", que outra não é senão a voz dos pais. Essa consciência, herdeira dos país, é, desde então, tal como eles, fonte de ameaça ou
de segurança: estar bem com ela eqüivale a ser querido dos pais, recusar-se a suas injunções suscita culpabilidade e remorso, e reaviva a antiga ameaça da retirada
do amor.

Não há dúvida em que essa aquisição importante tenha o maior valor, pois permite, à criança, conformar-se com as exigencias do quadro social; constitui de fato,
aliás, o fundamento da moralidade futura da criança. Todavia, limitado a esse aspecto positivo, o quadro seria por demais belo; e inteiramente inexato. Pois, o que
a criança interioriza não pode ser uma imagem objetiva de seus pais, e de suas exigências razoáveis; se se identifica com eles, é tal como os vê, com sua própria
ambivalência a respeito deles; se interioriza e faz suas as exigências dos pais, é como as compreende, deformadas por seus próprios sentimentos. Os pais não podem
ser apanhados senão através do prisma deformador do adualismo e do egocentrismo; são, pois, interiorizados como onípotentes, perfeitos, asseguradores, fonte de todo
bem e de toda valorização, mas, ao mesmo tempo, como frustradores e agressivos, carregados de todos os traços temíveis que, como vimos, a criança lhes empresta nesse
estágio. Essa "consciência" moral nascente está, pois, carregada de aderências infantis tão desarrazoadas quão incontroláveis, em cujo primeiro plano figura o princípio
do talião; está obliterada pelos caracteres negativos e ameaçadores do genitor-rival. Por isso, esse "superego", como lhe chamaram os freudianos, aparece, sobretudo,
como órgão de repressão de

93

todas as veleidades instintivas e sensuais, capaz de levar a criança a comportamentos propiciatórios e autopunitivos ao menor pecadilho, ou de mergulhá-la na ansiedade
ao menor surto de qualquer emoção sexual(*). É compreensível, dessarte, vermos, por vezes, a criança punir-se a si mesma, ou privar-se de alegrias legítimas, ou,
ainda, comportar-se de maneira a suscitar a punição do adulto, para aliviar-se da culpabilidade inconsciente. Muitos adultos fazem o mesmo, aliás; e muito malogro,
tanto nos estudos como na vida profissional, ou sentimental, não tem outro móvel profundo. É dizer quanto a criança dessa idade tem ainda necessidade do controle
do adulto, de autoridade exterior firme, mas tranqüilizadora, que lhe poupe culpabilização interior demasiado violenta. Essa consciencia primitiva, da qual há quem
faça, muito facilmente, um ideal - quão infantil! - deve ser superada e ultrapassada: a criança deve ser liberada da "voz" de sua consciência infantil. É, provavelmente,
uma das tarefas essenciais da adolescência essa de substituí-Ia pela verdadeira "consciência" moral, controlada pela razão, fundada num sistema de valores a um tempo
pessoal e coletivo(**).

Os caracteres rígidos e irracionais do superego infantil se manifestam na moral dessa idade, outrora estudada por Piaget

(*) 0 superego seria, em conceituação simplificada, o "setor da personalidade nascido do complexo de Édipo e "fonte de todas as realizações culturais superiores
do homem" (arte, literatura, direito, moral, religião)" (Cuvillier, Pequeno vocabulário da língua filosófica, cit.). Mais extensa e mais completamente seria, "na
estrutura, ou tópica, do aparelho psíquico, grupo de motivações e de ações formado por identificação da criança aos pais, ou aos substitutos dos pais, em particular
ao genitor do mesmo sexo, e cuja ação inconsciente incita o eu, para evitar a culpabilidade, a defenderse contra as pulsões instintuais (sexuais ou agressivas) provenientes
do id" [no original francês está çaj, segundo Lagache, no também já citado Vocabulaire de Ia Psychologie, de Henri Piéron e colaboradores, s, v. surmoi.

Horace B. English e Ava Champney English definem o superego como sistema, dentro da psique, desenvolvido pela incorporação dos padrões parentais, tal como percebidos
pelo ego; ou, algo mais amplamente, pela incorporação dos padrões morais da sociedade, como os percebe o ego. E acrescentam a observação faceta de que o superego
"has been quipped to be that part of the psyche most readily soluble in alcohol" ... É o que se lê em seu A comprehensive dictionary of psychological and psychoanalytical
terms, Lorigmans, Green, Nova York, 1958, s. v. superego. (Nota dos trads.) (**) V., para estudo desse problema da consciência moral na adolescência: Arthur T. Jersild,
Psicologia da adolescência, trad, port. de José Severo de Camargo Pereira, vol. 78 destas "Atualidades Pedagógicas", São Paulo, 6.' ed., 1977, cap. XVIII. (Nota
dos trads.)

94

[57], moral segundo a qual os atos são avaliados em função de sua conformidade material com as regras baixadas pelo adulto, segundo a qual toda infração deve ser
severamente punida, segundo a qual o bem é a vontade dos pais e dos adultos em geral (os quais sempre têm razão, necessariamente), e que a criança toma ao pé da
letra e, muita vez, ao arrepio do bom senso. Assim, Piaget mostrou, entre outras coisas, que, para o pequeno, uma mentira é tanto mais grave quanto é mais manifesta
e menos crível: mentira na qual o adulto acredite até que não é bem mentira! Só com esse exemplo já se vê quanto essa primeira moral infantil, ainda inteiramente
impregnada de egocentrismo, se opõe à moral autêntica; vê-se, também, quanto a educação pode reforçar essa pseudomoral, na medida em que é autoritária como o superego,
ou na medida em que sua chave da abóbada está no prestígio do adulto. . . Muito haveria que dizer, a este respeito, do ponto de vista pedagógico!

Sem nos determos longamente, podemos assinalar, talvez, em relação com as angústias e as tensões dessa idade, que quanto mais tenra a criança, menos poderá compreender
e racionalizar as intervenções médicas que experimenta. Tenderá, sempre, a interpretá-las em sentido agressivo e punitivo; e, pois, hão de provocar-lhe a ansiedade,
o que é tanto mais verdadeiro quanto a criança se encontra em período de crise psíquica. Admira sempre ver o grau de colaboração que se pode obter da criança por
ocasião dos cuidados médicos, quando a gente teve a cautela de dar-lhe as explicações cabíveis em sua idade e de ajudá-la a "ver a utilidade da coisa", insistindo
na natureza da intervenção e nos benefícios dela resultantes. Essa preparação psicológica contribui largamente para reduzir a angústia e, pois, para evitar-lhe as
conseqüências muita vez desastrosas: mal percebemos os fantasmas angustiantes e autopunitivos que podem assombrar a criança em semelhantes ocasiões; são de natureza
a sensibilizá-la profundamente durante muitos anos. Os pais, aliás, têm, igualmente, necessidade dessa preparação psicológica, a fim de que sua própria ansiedade
não venha reforçar a da criança. A despeito dos grandes progressos realizados nesse sentido, e da verdadeira tomada de consciência desses fenômenos ocorrida nos
meios pediátricos, não é ocioso lembrar duas pesquisas já antigas. MacGrew [411, estudando cento e oitenta e nove crianças hospitalizadas, pôde estabelecer que 36%
dos medos apresentados por esses pacientes estavam simplesmente ligados a um desconhecimento total das funções do hospital. Levy [38], estudando cento e vinte e
quatro crianças que sofreram intervençao

95

r"

cirúrgica, verifica que ela tem conseqüências emocionais diretas em 25% das crianças, manifestadas por terrores noturnos, negativismo, regressão afetiva, sobretudo
quando a intervenção ocorre por volta dos três anos. Assim, sugere esse autor retardem-se as intervenções sempre que possível, sejam dadas explicações à criança
e lhe seja assegurada a presença da mãe antes e depois da operação, para evitar a angústia do abandono. Sugere também que se generalize a anestesia preparatória
no quarto, infinitamente menos ansiógena. Se for permitido evocar lembrança pessoal bem longínqua, hão de conceder-nos, sem dúvida, que "sentir-se partir" sob a
máscara, enquanto a gente é firmemente segura por vários adultos contra os quais a gente se debate em vão, não constitui, para a criança, experiência particularmente
assecuratória, adequada a reforçar-lhe a confiança nos adultos circunstantes, a quem os pais, de certo modo, a "entregaram". Quanto às operações "de supetão", das
quais ainda, às vezes, se ouve falar, quase não é preciso assinalar que constituem, necessariamente, grave traumatismo psíquico; deveriam ser proscritas. É, aliás,
desejável que a criança conserve a confiança em seu médico ...

Os problemas afetivos: o ciúme

Podemos, agora, ligar a tudo quanto precede o fenômeno capital que é o ciúme infantil e, de modo particular, o ciúme inevitável entre irmãos e irmãs, causador de
muitas das dificuldades familiais. Não é mais fácil à crianç a repartir sua mãe com seu irmão que com seu pai; é até, talvez, em certo sentido, ainda mais difícil,
na medida em que o irmão é personagem mais semelhante à cniança, e mais próxima. Ao lado do complexo de Êdipo, pode-se, pois, descrever "um complexo de Caim" [3].

0 problema não é o mesmo segundo o sujeito se encontre na posição do garantido possuidor da afeição parental que deve, de repente, repartir (e isso constitui a grande
frustração clássica do mais velho), ou na do recém-chegado, do usurpador que deve conquistar seu lugar ao sol num quadro preexistente.

Baldwin [2] estudou o comportamento de quarenta e seis mães enquanto esperavam o segundo filho; pôde pôr em evidência, de maneira objetiva, ligeira diminuição da
solicitude pelo mais velho, gradualmente acentuada,à medida que se aproxima o nascimento do seguinte; por outro lado, o recém-nascido necessita de cuidados

96

e de atenção, que'não deixam de ocupar bastante a mamãe durante as semanas seguintes ao nascimento. 0 mais velho pode, pois, ter boas razões para sentir-se o seu
tanto largado, quiçá até seriamente ameaçado de abandono. Terá tanto mais razões de sentir-se rejeitado, ou temer uma retração do amor, quanto experimenta sentimentos
hostis a respeito desse recém-chegado que, precisamente, faz a alegria e a felicidade dos pais: é, pois, de algum modo, duplamente culpado. Deveria, por conseqüência,
ser duplamente amado e agradado ... e é o que não fazem os pais, avós, tios e tias na situação clássica em que todos se boquiabrem ante as perfeições do recém-nascido,
sem prestar a menor atenção ao infeliz antecessor, o qual se vê, de súbito, passado para trás, coisa que não pode deixar de atribuir à sua maldade, ou aos seus maus
sentimentos! 0 desastre chega ao cúmulo quando a gente se aproveita muito logicamente desse acontecimento para afastar o mais velho, seja pondo-o numa escola maternal,
seja confiando-o a

outras pessoas, por vezes estranhas à família. Então a ameaça se concretiza para ele e produz, muita vez, graves perturbações do comportamento.

Grande número de crianças manifesta, mais ou menos abertamente, agressividade a respeito do irmão mais novo, seja depre- ciando-o, seja ignorando-o, seja, até, repudiando-lhe
simplesmente a presença, e as vias de fato são mais freqüentes do que se cuida; aparecem também, amiúde, dificuldades de comportamento, pondose o mais velho, principalmente,
a regredir e a "fazer de bebé" de vária forma, como se, com o identificar-se o recém-nascido, fosse reencontrar a solicitude dos pais. Compreende-se a inutilidade,
e até o perigo, de medidas punitivas nessa circunstância: não fariam senão confirmar a criança no temor e na ansiedade. Seria melhor ajudá-la a valorizar-se e associá-la
nos cuidados ao bebé, sem, entretanto, impor-lhe responsabilidade real, nessa matéria.

Tudo quanto já foi dito a propósito do desenvolvimento afetivo permite compreender que a sensibilidade da criança ao nascimento do seguinte seja particularmente
viva entre dezoito meses e quatro anos. A esse respeito, caberia desejar que o recém-vindo não aparecesse senão depois que a personalidade do antecessor estivesse
bem "instalada" e bem encaminhada a reabsorção do édipo. Nesse caso, já interiorizadas as imagens parentais, o mais velho levará ao mais novo sentimentos positivos
e protetores, análogos aos que observa em seus pais e não se sentirá, de modo

97

algum, ameaçado, mas, provavelmente, valorizado. Outras considerações muito válidas pugnam, seguramente, em favor da redução da diferença etária entre os filhos.
Assim como assim, certas pesquisas parecem indicar que a importância do ciúme do mais velho a respeito do mais novo está na proporção inversa da diferença etária
entre eles, assim como do número de filhos na família. É lícito pensar que o fator determinante está situado, todavia, ao nível do comportamento dos pais a respeito
do mais velho: ajudam-no a aceitar a modificação de seu estatuto ou, ao contrário, lhe tornam inaceitável a nova condição?

Quanto ao mais novo, neste estágio, encontrará, no mais velho, algo assim como modelo, uma espécie de intermediário entre ele próprio e os pais, que poderá facilitar-lhe
o édipo e ajudá-lo a realizar a síntese de seu eu; a identificação dos mais novos aos mais velhos não é rara e pode, até, por vezes, assumir aspecto excessivo, prejudicial,
então, à personalidade do mais jovem. Mas se o mais velho desempenha, certamente, o papel de iniciador e de "treinador de crescimento"(*), papel muito positivo,
cumpre não esquecer que desempenha, ao mesmo tempo, queira ou não queira (e geralmente quer!), o de um "teto" impossível de ultrapassar, o do "grande", a fazer tudo
melhor que o pequeno. Isso leva ordinariamente o mais moço a agarrar-se à mãe e a

comportar-se como se não desejasse crescer, ou, ao contrário e no mais das vezes, a afirmar-se como rival agressivo e invejoso, que procurará por toda a vida ultrapassar
os outros. Essa agressividade invejosa jamais se exprime mais normalmente que na provocação, grande arma dos pequenos para chamar a atenção dos grandes e para obrigar
os grandes a tomá-los em consideração, reduzindo, assim, a diferença de idade (assinalada com excessiva generosidade, no entender dos mais moços, pelos privilégios
e vantagens dos mais velhos). Todos esses sentimentos ambivalentes são inevitáveis e, em larga medida, "formam o caráter", como o pretende a sabedoria popular. Os
pais deverão, todavia, velar por isso, lembrando-se de que a justiça familial consiste menos em tratar todos os filhos da mesma maneira, que em assegurar, a cada
qual, a ternura e a atenção particular de que precisa.

(*) No original: entraineur à grandir, locução realmente expressiva, cOni a qual o Autor se refere ao papel de modelo de gente crescida que o @nais vellio representa
para o mais novo, tal como o treinador é modelo para o aprendiz. (Nota dos trads.)

98

A socialização pelos iguais

Esse ciúme fraterno, que foi chamado o protótipo de todos os sentimentos entre iguais, reencontramo-lo na rivalidade presente nas relações que a criança começa a
estabelecer com as da mesma idade.

Cada vez mais, com efeito, a criança freqüenta, desde os três anos, alguma instituição de nível pré-escolar; e, ainda quando permaneça em casa, tem ocasião de encontrar
pequenos camaradas. Parece que estejamos, hoje, muito mais atentos que outrora em favorecer esses contatos e percebamos melhor as condições de sua contribuição positiva
ao desenvolvimento do indivíduo. De qualquer maneira, no quadro dessas experiências sociais, a criança vai defrontar a realidade da existência de outrem.

É cômodo esquematizar a evolução das relações espontâneas entre iguais em quatro grandes fases, reencontradas em Millar [45], por exemplo, a propósito dos comportamentos
lúdicos, ou em Reymond-Rivier [67], em seu belo livro consagrado ao desenvolvimento social. A primeira fase é a da atividade essencialmente solitária: já vimos o
bebé prestar muito pouca atenção aos iguais e propenso a tratá-los como objetos, limitadas suas "relações sociais" com eles, no mais das vezes, a esforços de apropriação
de algum objeto desejado, ou a esses jogos alternativos aos quais já aludimos. A quarta fase é caracterizada pela organização da atividade coletiva, que aparece
pelos seis/sete anos; dela falaremos nos capítulos seguintes. Durante o período que agora nos ocupa, situam-se as duas fases intermediárias, no decurso das quais
as

outras crianças adquirem, gradualmente, figura de parceiros de jogo, cada vez mais indispensáveis, passando o indivíduo de uma atitude de "cada um por si", e de
espectador da atividade alheia ' para interações sociais ativas, embora ainda esporádicas e, de começo, limitadas. Essa evolução é, evidentemente, sustentada pela
melhora contínua das possibilidades de intercâmbio verbal; o vocabulário da criança passa, aproximadamente, de mil para duas mil palavras, entre três e cinco anos,
e assegura comunicação cada vez mais matizada e eficaz.

Essas fases intermediárias são, muita vez, rotuladas de jogo paralelo e de jogo associativo. 0 jogo paralelo aparece no decorrer do terceiro ano: as crianças se
buscam umas às outras e têm prazer em estar juntas, às duas, às três; cada-uma é, seguramente,

99

sensível à presença das outras, mas prossegue em sua atividade individual; as tentativas de comunicação se mostram raras, e pouco frutuosas; e, por isso, ainda não
há nenhuma organização comum da atividade. A partir do quinto ano, fala-se, antes, de jogo associativo; o grupo se estende a quatro ou cinco participantes, entre
os quais as interações se fazem mais freqüentes, e mais longas; vemos aparecerem esboços de entendimentos, de convenções recíprocas, de regulamentação da atividade,
outras tantas tentativas de organização coletiva, tentativas constantemente arneaçadas, senão mantidas em xeque, pelas disposições ao egocentrismo e à afirmação
de si de cada um dos participantes e por sua incapacidade de fazer uma representação coletiva tanto do fim comum colimado quanto dos passos que permitiriam atingir
esse fim. Em realidade, o limite entre essas duas fases intermediárias é assaz flutuante, e são freqüentes as passagens de episódios de jogo paralelo para episódios
de jogo associativo, e vice-versa.

No universo egocêntrico dessa idade, o outro começa, sem dúvida, por ser percebido, sobretudo, como ameaça; não pode, com efeito, deixar de interferir na atividade
individual de cada um, de desordenar os projetos pessoais em vias de elaboração. Assim, disputas e conflitos são regra. Esses conflitos são freqüentes, mas breves,
segundo Thompson [74]; se a freqüência deles tende a diminuir com a idade, a duração, antes, aumenta; os gritos, os prantos, o recurso ao adulto tutelar cedem gradualmente
lugar às disputas verbais temperadas com os mais duros insultos. Colhese de diversas pesquisas que os meninos disputam mais que as meninas, e os parceiros regulares
mais que os camaradas ocasionais; parece, também, que as discussões são tanto mais violentas quanto material, ou propriedades individuais, estão implicados nas atividades.
Fatores individuais intervêm, aliás, pois certas crianças provocam mais disputas que outras. Enfim, o controle exercido pelo adulto não deixa de ter influência,
a qual está longe de ser, sempre, apaziguadora, antes ao contrário!

Contudo, não há apenas o outro como ameaça; há também o outro como rival, e como objeto de identificação. Pôde-se mostrar, em atividades nas quais as crianças eram
convidadas a trabalhar a duas, que a criança de menos de quatro anos pode ficar a tal ponto estuporada pelo que faz o parceiro que suas próprias realizações venham
a sofrer, por isso, consideravelmente. Observase freqüentemente, nesse nível, a busca de uma espécie de fusão com o outro: a criança não procura tanto imitar o outro,
ou ar-

100

rancar-lhe o brinquedo, como ser "o outro-com-seu-brinquedo'I. Aludindo aos jogos de praia, Cousinet [121, que descreveu muito bem o fenômeno, diz jocosamente que
a criança não deseja jogar com seu camarada, nem com a pá do camarada, mas, antes, com 0, "camarada-pá". A compra de brinquedo análogo, com efeito, geralmente não
resolve o problema: vemos muita vez o pequeno se desinteressar do brinquedo novo e precipitar-se, outra vez, Contra o companheiro-com-o-brinquedo.

A partir de quatro anos, a competição se torna mais objetiva; e as crianças levadas a rivalizar em suas realizaçõ es são, efetivamente, estimuladas pela presença
de concorrentes que procuram superar. Pouco mais tarde, a escola tradicionalista não terá embaraço algum em recorrer a esse gênero de motivação primitiva, cujo real
valor pedagógico é discutível num mundo onde a cooperação parece cada dia mais indispensável. A cooperação, porém, como comportamento muito mais evolvido, e necessitado
de maior maturidade social e intelectual, é muito rudimentar no nível que nos ocupa. Podem-se-lhe observar, quando muito, os primeiros balbucios. No começo, pelos
três anos, como lembrou Noelting [511, evocando observações muito clássicas, a criança se põe a contar a seus pequenos companheiros o que está em vias de fazer.
Todo brinquedo é associado a esse acompanhamento verbal - pensamento ainda não interiorizado - que não garante, seguramente, a menor colaboração, mas indica tomada
de consideração do parceiro. 0 fato de chamá-lo, de procurar atrair-lhe a atenção de maneira mais ou menos insistente, prova, realmente, que a criança não é, de
modo algum, indiferente à sua presença. A provocação deve ser, sem dúvida, arrolada entre essas condutas de solicitação da atenção alheia. Mas a criança que começa,
no monólogo coletivo, a representar-se a própria ação com o contá-la, começa, também, a poder representar-se que o outro tem, igualmente, desejos e projetos. Corresponde
a isso confundindo-se com ele, atríbuindo-lhe os próprios desejos, interpretando-lhe egocentricarnente as avançadas. Essa resposta projetiva tolhe, evidentemente,
toda coordenação dos passos e acarreta inevitáveis conflitos.

Não é senão a partir dos cinco anos, segundo Noeltíng, que os desejos dos parceiros começam a ser verdadeiramente tomados em consideração, corno o testemunham as
promessas compensatórias, deste gênero: "Primeiro eu faço isto, depois você pode fazer aquilo". Esses esboços de colaboração se apresentam, talvez, particularmente
nítidos no plano desse "pensamento dramatizado"

101

constituído pelo jogo simbólico, ou representativo, cujo caráter eminentemente individual, e pouco transmissível, já tivemos oportunidade de assinalar.

Essa atividade simbólica, quando reúne várias crianças, conduz, com efeito, ao chamado "jogo dos papéis", no qual cada parceiro representa uma personagem da cena
que se deseja evocar, na base de acordo prévio: " Você era a mamãe e eu, o papai. . . ", "Eu era o elefante e você era o palhaço. . . " Nessa situação a criança
pode, como no passado, identificar-se com a personagem, ou o animal, interessante, e reviver certos episódios que a impressionaram. Mas, além disso, por ser agora
o jogo coletivo, cada um tem de fazer o seu papel e fazê-lo "como deve ser", fazer o que "deve" para que esse papel seja reconhecível; sem isso, o jogo se perde
na confusão e na incoerência, e vêm as brigas. A situação coletiva implica certa constância das ações individuais, necessária à sua complementaridade; aparece, pois,
um elemento de regra no brinquedo. Mas, simultaneamente, a ação individual deve ser inteligível para os parceiros, e, assim, vemos o faz-de-conta e a representação
tender para imitação cada vez mais escrupulosa do real: a alusão gestual, bastante a evocar todo um conteúdo individual, precisa-se e toma-se mais objetivamente
representativa. Podese dizer que o mesmo acontece no tocante ao material do brinquedo, cuja significação, como devemos estar lembrados, era principalmente determinada
pelo gesto e pela intenção do ator. Esse material torna-se também mais "objetivo": ao gesto, agora solidamente apoiado em palavras, vem ajuntar-se todo um arsenal
de significação precisa - as penas do índio, o véu da enfermeira, os utensílios, as armas. Logo a casa desenhada no chão será substituída pela barraca, ou pela cabana
efetivamente construída. Esse realismo crescente da imitação e do material acaba sendo o melhor meio de os parceiros fazerem-se compreender; e, com o elemento do
acordo e da convenção prévia entre os participantes, contribui para assinalar uma socialização, laboriosa aliás, do simbolismo individual, o qual, logo mais, não
subsistirá, na forma primitiva, senão no devaneio.

A socialização da criança encontra, evidentemente, seu terreno de eleição na escola maternal(*) e certos trabalhos revelam

(*) A escola maternal (école maternelle), antiga instituição de ensino em França, recebe crianças de dois anos feitos a seis anos. "0 fim da escola maternal [ ...
1 é assegurar a educação das crianças de idade infraescolar. As ativídades dessa escola [ ... 1 devem todas concorrer para o

102

a incontestável superioridade, do ponto de vista da independência, confiança em si, adaptabilidade social e curiosidade intelectual, das crianças que a freqüentaram,
vantagens subsistentes por vários anos. Cumpre ainda, é evidente, que essa experiência não seja prematura, que seu começo seja gradual (a mãe continua, para a criança
desta idade, a personagem principal) e... que se trate

desenvolvimento físico, para a educação dos sentidos (em particular da vista, do ouvido e do tacto), para despertar as curiosidades intelectuais e para a formação
de hábitos morais." (J. Leif e G. Rustin, Pedagogia geral, pelo estudo das doutrinas pedagógicas, trad. port. e notas de Luiz Damasco Penna e 1. B. Damasco Penna,
vol. 75 destas "Atualidades Pedagógicas", São Paulo, 2.' ed., 1968, p. 327.) Quanto ao método dessas escolas, segundo as instruções oficiais, "consiste em imitar
o mais possível os processos de educação da mãe inteligente e devotada, método essencialmente natural, familial, sempre aberto a novos progressos, sempre suscetível
de completarse e reformar-se". E acrescentam os mesmos autores, a seguir: "A educação dos pequeninos é conduzida por métodos muito ativos, segundo um modo de trabalho
individual ou por grupos" (op. cit., p. 328). V., ademais, para estudo dos fundamentos teóricos da escola maternal, as pp. 181, 223, 260,
262 e 297 dessa mesma excelente Pedagogia geral.

V., ainda (mas com orientação algo diversa), o extenso capítulo de Jearme Bandet, "0 nível "pré-escolar": antes da obrigatoriedade escolar; escolas para os que vão
dos dois aos seis anos", pp. 67-110 do tomo 3 do Tratado das ciências pedagógicas, de Maurice Debesse, Gaston Mialaret e colaboradores (trad. port. de Luiz Damasco
Penna e J. B. Damasco Penna, vol. 115 destas "Atualidades Pedagógicas", Companhia Editora Nacional e Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1977). E atente-se,
por fim, ao que escreve Maurice Debesse, mestre eminente nestes estudos: "já o título é um belo programa. "Escola maternal" sublinha a necessidade de velar pela
criança como a mãe o faria. Por sua vez, a fórmula ambígua e encantadora de Froebel, Kindergarten, jardim de crianças, lembra que se trata, a um tempo, de jardim,
não de escola, e de um grupo de tenros seres que a educadora, a jard-neira, cultiva um pouco como as plantas, ou as flores, de um jardim. E o melhor é que, no conjunto,
essas duas instituições merecem o título. Não temamos dizer: são os melhores estabelecimentos de educação da França de hoje, em toda a nossa organização escolar.
Não têm sido embaraçados, como é o caso nos outros níveis de ensino, por tradições seculares que pesam tão pesadamente em nossa evolução pedagógica. Foram eles que
realizaram o mais considerável esforço para inspirar-se nos dados da psicologia, embora esse esforço esteja longe de ser o bastante. São os únicos, também, que dão
aos alunos o benefício da colaboração entre a família e a escola, da qual todos sentem a necessidade, mas que, nas fases seguintes, continua, entre nós, lamentavelmente
insuf iciente. " "As escolas maternais francesas, muito mais numerosas que os jardins da infância, são algo assim como as boas fadas da infância. Mas s6 poderão
exercer o papel benéfico se conservarem o caráter familial e facultativo. Se se ativerem, também, a seus métodos da idade pré-escolar, quero dizer, se nã o procurarem
ser "escolas" no sentido habitual do termo, lugares onde

103

de "boa" escola maternal ou, mais exatamente, de boa professora
1;rnaternal", consciente das necessidades afetivas e dos conflitos normais dessa idade. Adaptação a esse novo quadro, aliás, nem sempre é fácil; e não é determinada
apenas pela personalidade da educadora, por grande que seja a importância dessa personalidade; as atitudes parentais e as formas de disciplina famílíal às quais
a criança se afez desempenham, também, papel essencial. Pôde-se assim, por exemplo, evidenciar que atitude exageradamente punitiva e severa dos pais, com enorme
dependência emocional e apego excessivo a eles, pelo receio do desprezo afetivo, desvia as crianças do contato com a realidade e lhes torna, assim, particularmente
difícil a adaptação escolar e social. Mostrou-se, ao contrário, que as crianças criadas em regime mais liberal, o qual lhes permite ,,aproveitar seus erros", ou
suas faltas, sem interferências ernocionais, são muito mais aptas a fazer face às realidades, embora desagradáveis, muito mais sociáveis, muito menos dependentes
do adulto. Se pensarmos um pouco em todo o problema afetivo subiacente a esse período, isso nada terá de muito surpreendente.

Para a maioria das crianças é quase certo que, desde os cinco anos, a escola maternal oferece possibilidades de estimulação e de experimentação social e intelectual
que a família atual não está, geralmente, em condições de ministrar. Desejaríamos, todavia, su~ blínhar dois pontos, nessa matéria. Se a criança pode, sem dúvida,
tirar grande benefício de ativídades coletivas e organizadas, cumpre não perder de vista que o nó de sua vida é de ordem afetiva e familial. Se o contato com outros
se nos afigura ingrediente do desenvolvimento de sua personalidade nascente, essa versonalidade tem, igualmente, necessidade de solidão, de tranqüilidade, e de ativídade
autónoma: "mexendo" em seu cantinho, com seus tesouros pessoais, a criança faz descobrimentos importantes e apren-

se dá ensino. Pois, não são verdadeiras escolas; o o nome de casas maternais lhes conviria bem mais. Desconfio da palavra escola na idade do pequerruzho, e digo
antes "a Maternal" que "a Escola Maternal". QuZrZIa de palavras? Não. A tentação é grande, e incessante, e cumpre não a escondamos, de nelas tratar os educandos,
ao menos os maiores, como escolares, Nada seria mais nefasto do que uma emulação que fizesse, das maternais, concorrentes dos graus iniciais das escolas primárías
e as transformasse em urna espécie de estufa, na qual os resultados da psicologia fossem postos a serviço de um ensino prematuro. A criança da maternal, ou do jardim
da infância, é um educando, ainda não é um escolar." (Maurice Debesse, As fases da educação, trad. port. e notas de Luíz Damasco Penna e J, B. Damasco Penna, vol.
88 destas "Atualidades Fedagógicas", São Paulo@ 2.a ed.,
1974, p. 40.) (Nota dos trads.)

104

de a agir sem estar a ser, sempre, motivada, ou conduzida, por outrem.

As características intelectuais: a intuição

0 pensamento da criança desta idade se instala, cada vez mais, no sistema ordenado constituído pela língua falada por sua roda. E ganha, graças a esta, em coerência,
clareza e comunicabilidade; e se desprende, por efeito dela, ao menos em certa medída, da dominância afetiva e ativa que o obliterava tão consideravefmente no nível
precedente. A língua impõe, de certo modo, suas exigências sociais e culturais ao pensamento, e contribui, por isso mesmo, para estruturá-lo.

Com o apoio da linguagem, as classes lógicas se constituem gradualmente, os pré-conceitos ganham em generalidade e em precisão, à custa de inumeráveis experiências,
tanto verbais quanto concretas, subtendidas por curiosidade sem limites e intensa necessidade de contato e de comunicação. A criança observa melhor que antes a realidade
concreta, a cujo respeito o recurso à linguagem lhe permite tomar certo recuo. Cresce-lhe a experiência; pode, cada vez melhor, lembrar-se das situações vividas,
narrá-las e, pois, fazer aproximações. Mais ainda: a criança nos surpreende, muita vez, por suas deduções, perfeitamente legItímas.

A espantosa exuberância verbal desse nível pode, todavia, iludir: mascara muita incompreensão, muita confusão, muita lacuna. A criança recorre abundantemente a locuções
e torneios cujo sentido real lhe escapa de todo; e foi acertadamente que Gesell ,disse, com humor, que quatro anos é a idade na qual a gente sabe contar até quatro
e tem sempre setenta e sete na boca! Algo assim se dá com muitos raciocínios pertinentes, muito lisonjeiros para o amor-próprio dos pais, e que mascaram o aspecto
essencialmente não-analitico e não-sintético de um pensamento ainda pouco sensível às ligações objetivas, ainda estreitamente tributário dos caracteres concretos
e sensoriais da realidade. Depois de haver tomado a realidade concreta como resposta a seus desejos, poderíamos dizer, em estilo familiar, que a criança agora a
aceita como dinheiro de contado.

Parafraseando a bela definição que Delacroix [161 deu da inteligência como "a faculdade de desbordar o dado pelo cons-

105

truído", caberia dizer que o pensamento do presente nível adere
* esse dado, tido como absoluto, e não o desborda pelo construído:
* criança pode pensar o que percebe, o que percebeu, mas seu pensamento não ultrapassa a representação desse percebido. Pode ter a representação de percepções e
de ações, pode ínteriorizá-las; elas continuam, porém - tirante esse descompasso - o que eram -no concreto, pois a criança não ultrapassa essa simples interíorização
por operações lógicas generalizáveis e componíveis entre si. É o próprio do "pensamento intuitivo" deste estágio, magistralmente descrito por Piaget, a quem tomaremos
dois exemplos experienciais para melhor apanhar-lhe as características.

Apresentemos aos pacientes seis ou oito tentos azuis, alinhados com pequenos intervalos entre um e outro e peçamos-lhes que achem outros tantos tentos vermelhos,
os quais poderão tirar de um monte à disposição. Ali pelos quatro a cinco anos, em média, os pequenos farão urna fileira de tentos vermelhos do mesmo comprimento,
exatamente, da dos azuis, mas sem se preocupar com o número dos elementos, nem com fazer corresponder, um a-urn, tento vermelho e tento azul. Há nisso unia forma
primitiva de intuição, consistente em avaliar a quantidade apenas pelo espaço ocupado, isto é, pelas qualidades perceptivas globais da coleção considerada e sem
cuidar da análise das relações. Ali por cinco ou seis anos, observa-se, em compensação, reação muita@ mais interessante: a criança põe um tento vermelho em frente
de cada tento azul e conclui, dessa correspondência termo a termo, pela igualdade das duas coleções. Apenas, afastemos um pouco os tentos extremos da fileira dos
vermelhos, de maneira que já não estejam exatamente sob os azuis, mas um pouquinho de'lado; então a criança (a qual, no entanto, viu muito bem que nada foi tirado
e nada foi posto) acha que as duas coleções não são mais iguais e afirma que a mais comprida tem 'mais tentos". Se juntarmos, simplestriente, uma das duas fileiras
numa pilha, sem tocar na outra, a eqüivalência das duas se perde ainda mais. Ern resumo: há eqüivalência enquanto há correspondência visual, ou óptica, mas a igualdade
não se conserva por correspondência lógica; não há, pois, operação racional, mas simples intuição, Essa intuição é articulada e, não inais, global; mas ainda continua
intuição, isto é, sujeita ao primado da percepção [59, p. 146],

Outro experimento célebre de Piaget leva às mesmas conclusões. Quando deformamos, sob os olhos da criança, uma bola de pasta de modelagem e lhe damos a forma de
bolacha, ou de salsichão, a criança de menos de sete anos está sempre convencida de que há mais, ou menos, pasta nessas formas que na bola inicial, embora tenha
visto, perfeitamente, que nada foi posto e nada foi tirado: há menos pasta na bolacha ou no cilindro alongado, por serem "mais finos" que a bola, a não ser que haja
mais porque a bolacha é "mais larga" e, a salsicha, "mais comprida". Ainda aqui estarnos a ver quanto as qualidades perceptívas são consideradas como absolutas,
e não são postas em relação umas com as outras: a

106

criança não faz, em suma, senão "pensar o que vê", e não ultrapassa os dados da percepção. As contradições que exprime a esse respeito em nada a embaraçam, justamente
porque seu raciocínio é, ainda, processo adití vo, aderente ao sentido único da percepção e, não, organização de conjunto. 0 que constitui, para nós, manifesta incoerência,
não lhe desperta, absolutamente, a crítica, por falta de visão de conjunto de seus juízos. Crendo logo à primeira naquilo que pensa, isto é, naquilo que percebe,
não tem necessidade alguma de verificar o que, para nós, não passa de aparência: o concreto é tomado ao pé da letra.

A primazia do ponto de vista pessoal e momentâneo, a incapacídade de relacionar elementos, observam-se, de resto, de maneira muito flagrante, nas produções gráficas
da criança: quanta vez não vemos desenhos de bonecos cujos olhos, ou cuja boca, estão situados fora do contorno do rosto, ou cujos braços são colocados em qualquer
sítio aberrante do tronco? Essas particularidades, e muitas outras, as quais, por vezes, alarmam inutilmente os pais, ou os levam a desvalorizar a atividade pictórica
das crianças - e, por isso, a peá-la! - não passam de efeitos das mudanças de pontos de vista do pequeno desenhista, que não pode "Pensar em tudo de uma vez", não
cuida de coordenar suas diversas perspectivas, os diversos "momentos" do desenho, e se contenta com justapô-los. Considerados, não há muito, como faltas ligadas
à incapacidade gráfica da criança, hoje se nos apresentam bem mais como a expressão espontânea de seu modo de pensar e de agir, essencialmente aditivo.

Essas mesmas características foram postas em evidência em interessante experimento de Rey [661, que qualquer um pode facilmente reproduzir todos os dias, e consiste
em fazer uma criança procurar um objeto escondido. Observam-se, então, realmente, os passos que se desenrolam ao sabor de impulsos sucessivos, sem ordem nem sistema:

0 sujeito atravessa o quarto para ir levantar uma caixa que acaba de chamar-lhe a atenção, volta com a intençã o de levantar outra, percebida em caminho, abandona-a
sem nela haver tocado, para ir, alhures, examinar um terceiro objeto subitamente aparecido; esses circuitos fazem pensar nos deslocamentos de um infusório numa gota
de água. Tudo se passa como se a busca fosse conduzida do exterior ao sabor dos excitantes sucessivamente oferecidos à vista. Tal conduta expõe a criança a revistar
várias vezes o mesmo lugar e a abandonar outras zonas, etc. [66, p. 198] (*).

(*) André Rey registrava, num esquema, ou plano. do aposento, as idas e vindas de crianças e adultos e, assim, traçava uni "atograma" (isto

107

A criança desse nível, concluí Rey, não tem visão de conjunto do problema, não imagina hipóteses, mas crê, de imediato, na eficácia de sua conduta; a dificuldade
que tem de al>andonar as condutas estéreis, ou infrutuosas, manifestamente falhas, para organizar outras, e fazer novas tentativas, mostra o que, por vezes, se chamou
"a impermeabilidadc à experiência". Trata-se, todavia, nesta observação, de crianças que não haviam passado dos cinco anos; é incontestável que, nos meses seguintes,
a "impermeabilidade" regride em favor de certa capacidade de aproveitar as sugestões feitas pelo adulto, ou pelo próprio material, e de estabelecer certo planning,
por muito rudimentar que possa ser.

As observações precedentes nos mostram quanto o pensamento, a visão do mundo, nesse estágio, continua ainda egocêntrica, e próxima do que era no nível anterior.
Se não é mais francamente adualista, ao menos roç a ainda pelo adualismo a cada passo; é ainda deformante, por excesso de realismo, poder-se-ia dizer, e o real não
é encarado senão na mais concreta e imediata perspectiva. A criança, ante aquilo que ignora, liga muito naturalmente as coisas à própria experiência, como fez até
então; assim, podem-se notar, em sua linguagem, muitas expressões artificialistas (tudo é fabricado), animistas (tudo é vivente) ou mágicas (tudo se liga a tudo).
Numa conversa entre duas crianças, uma de seis e outra, de quatro anos, a mais velha, dirigindo-se à menor, declara: "Desejaria muito saber como se fazem as crianças"
e obtém a resposta artificialista da menor: "Ora, com carne!" Explicação animista de uma criança de quatro anos e meio nos é trazida, entre outros, por Piaget: "As
nuvens se mexem porque faz frio. - Como? Sozinhas; vêm quando faz frio; quando há sol não estão mais; quando faz frio, voltam. - Como? - Elas sabem!" Tomamos, enfim,
ao mesmo autor, um exemplo de pensamento mágico notado em criança da mesma idade: "Dou ponta-pés porque, sem isso, a sopa não é bem boa; se chuto, a sopa fica boa".
Cumpriria, contudo, não perder de vista, que semelhantes expressões podem perfeitamente não ser artifici alistas, animistas, ou mágicas, senão na aparência, e resultar
de impropriedade, ou

é, uni regístro de movimentos). Os "atogramas" de criança e de adulto, além de figurarem no livro de Rey, L'intelligence pratique chez Venfant, citado pelo Autor,
figuram também no opúsculo de Gaston Viaud, L'intelligence, son évolution et ses formes, vol. 210 da cal. "Que sais-je?", Presses Universitaires de France, Paris,
1946, p. 49, e no livro de Paul Guillaume, Manual de Psicologia, cit., p. 363. (Nota dos trads.)

108

canhestrice, de linguagem, de imitação inadequada da linguagem adulta (pois nós dizemos "0 sol se deita", e não é anímismo!) ou, ainda, da reprodução de explicações
adultas mal compreendidas, ou mal apresentadas. Muita vez, também, essas opiniões não passam de respostas "no ar", para livrar-se a gente de perguntas insolúveis,
ou sem sentido, para a criança. Animismo e artificialismo, aliás, não são apanágio somente do pensamento iniantil: diversos autores mostraram-lhes a presença nas
opiniões do adolescente e do adulto, cultivado embora, quando este defronta situações novas, ou problemas a cujo respeito lhe faltem informação e experiê ncia.

Esquecemos muito facilmente quanto nosso universo adulto é estruturado, classificado, categorizado, na base de nossas experiências pessoais e, sobretudo, na base
das de outrem, das quais vivemos a apropriar-nos. A criança não pode entrar, sem dificuldade, nesse universo elaborado. Sua ignorância normal e legítima, a estrutura
egocêntrica de seu pensamento, a insuficiência relativa de sua codificação verbal, fazem que ela viva, necessariamente, num mundo muito diferente do nosso. Não pensamos,
porém, que tenha os meios de ter uma "concepção do mundo", fosse, embora, artificialista ou animista. Está, de resto, muito ocupada em viver para construir sistemas!

A motilídade: a idade da graça

Nosso quadro estaria, com efeito, bem incompleto se não lembrássemos que essa idade de realismo egocêntrico é, ademais, e bem em primeiro lugar, idade de exuberância
motora e sensorial. A atividade motora está, então, no primeiro plano: a criança de quatro ou cinco anos é, antes de tudo, um "serelepe" infatigável, todo entregue
à alegria de sentir-se viver e agir. Se a fase dos três aos cinco anos foi chamada a "idade da graça", é em razão do desembaraço, da liberdade, da espontaneidade,
da graça delicada da motilidade infantil, que perde, no decorrer do quarto ano, os caracteres primitivos de desabrimento e de descoordenação e se torna extraordinariamente
harmoniosa. Sem os analisar, a criança imita com desembaraço os movimentos observados nos outros, e isso lhe facilita numerosas aquisições; seu gesto delicado e
diferenciado lhe acompanha e sublinha a palavra, seus sentimentos se exprimem sem inibição alguma, em seus pulos alegres como em

109

seus trejeitos, ou em suas investidas metediças. Está inteira em

seu gesto e belisca, bate ou põe a língua com o mesmo desembaraço com que salta atrás da bola.

Aos três anos a criança sabe andar de velocípede, arremessar uma bola, correr, virar-se. Aos quatro, saltita num pé só, trepa, pode carregar uma xícara de líqüido
sem entorná~lo. Vestc-se e despe-se sozinha, desde que o adulto lhe dê ocasião e tempo, pode abotoar-se na frente e amarrar os sapatos, começa a prestar, efetivarnente,
pequenos serviços em casa. Capaz de copiar a lápis um quadrado, ou um triângulo, começa a desenhar com prazer, e suas produções são até, por vezes, reconhecíveis;
pode usar tesouras e se esforça por cortar direito. Aos cinco anos, a criança ganha ainda mais em desembaraço e em ousadia; exercita-se em saltar na corda, na patinação,
na bicicleta; pode trepar numa mesa e saltar abaixo, trepa em árvores. Entre cinco e seis anos pode, fisicamente, fazer mais ou menos o que quiser, força à parte.

A bela espontaneidade motora da idade da graça, tão bem expressa por esta ou aquela "cantoria" da Renascença italiana, tende a desaparecer no decurso do sexto ano,
à medida que a criança se impõe tarefas mais precisas e à medida que, por suas exigências, o meio lhe restringe a liberdade de movimentos. Pelo fim deste estágio,
ali por seis anos, a graça esvaecerá ante a força, como alguém já notou, quando a necessidade de ser amada e de estar de acordo for suplantada pela de fazer-se valer,
de afirmar~ se, quando a procura de um público benevolente, ou admirador, for substituída pela dos rivais com os quais a gente possa medir-se.

lio

CAPITULO V

A desagregação da subjetividade primitiva (de 6 a cerca de 9 anos)

Caracterização do estágio: a escolarização

Os três estágios que tentamos caracterizar até aqui são dominados por certos traços fundamentais comuns; e isso permitiria reuni~los em um só grande período do crescimento.
Todos os três se desenvolvem, essencialmente, no quadro mat--rial e social relativamente restrito da célula familial; todos os três, embora de maneira diferente,
são baseados, para a criança, nas onípotentes personagens parentais: são, enfim, profundamente marcados (cada um, é certo, em grau diferente) pelo inevitável egocentrismo
infantil.

Por volta dos seis anos abre-se novo grande período da existência. Tradicionalmente, com efeito, em nossas sociedades ocidentais ocorre, nesse momento, acontecimento
de alcance capital: a entrada na escola. Era, não há muito, a primeira experiência que a criança ia fazer de um segundo meio, extrafamilial. Hoje em dia, a criança
que entra na "grande" escola já tem, geralmente, dois ou três anos, ao menos, de experiência em meio pré-escolar. A novidade não reside tanto, pois, para ela, na
adaptação a um segundo meio, quanto no fato de que esse segundo meio se modifica de maneira bastante abrupta. De maneira muito mais marcada que na instituição pré-escolar,
a criança vai fazer a experíência de um meio afetivamente neutro a Seu respeito, onde deverá ela própria conquistar seu lugar ao sol, sem se beneficiar do prejuízo
favorável do amor parental: pela primeira vez, vai ter de adaptar-se sem mais demora a inevitáveis coerções, entre as quais não cresceu e ante as quais malogram
as manifestações de charme, ou de afeição, tão operantes em casa. E ainda quando a escola maternal já lhe haja ensinado a ser um dentre vários, vai dever aceitar
a igualdade perante a lei democrática, e isso não é pequena

111

prova Para seu egocentrismo. Ocorre ruptura na vida do pedacinho de gelIte que franqueia o limiar da escola obrigatória; e talvez não haja '@rr, em falar, a esse
propósito, de novo "desmame afetivo", que neM sempre se dá sem choques. Enfim, o mestre, o professor PrimátiO, a professora primária, oficiantes desse mundo afetivamente
Ilcutro e igualitário, detentores e dispensadores dos mistérios dO saber adulto, dão nova imagem do adulto, bem diferente, Por certo, da dos pais, mas bein diferente,
também, da imagem das educariOras do nível pré-escolar.

4 entrada na escola é também a entrada na antecâmara de um MUndo particular, mundo inteligível que o adulto construiu acima do mundo sensível, acima daquilo que
se pode ver e tocar(*). Dísso resulta, para a crianç a, prodigiosa expansão de seu universo, desta vez no plano mental, e não mais no plano manipulatório. Liberada
das lutas afetivas que lhe absorveram a energia ao nível precedente, tranqüilizada, em larga medida, pela interíorização das imagens parentais, a criança se volta
agora, com a-l>idez, para o mundo exterior. A escola, e o ensino que ela dispensa, vêm na hora justa responder~lhe à curiosidade, à necessidade 'lc realização, ao
desejo de ser grande. A atitude mais objetíva da criança, em esboço desde os cinco anos, os progressos da represebtação verbal aos quaís aludimos, vão, de ora em
diante, tornar Possível a aquisição de conhecimentos para além da maniPulaÇ@O prática; a capacidade de buscar um fim exterior, e seguir uma ordem imposta, se reforça
paralelamente e, orientada a ativídade Para a produção, a criança vai travar conhecimento com o trabalhei, fonte, para ela, de alegria e de orgulho, confirmação
de seu valeir e de seu poder, pela "obra" objetiva resultante. A esse

Até na expressão o começo de 0 Atheneu, o grande e hoje quase esquecido r,:@mince de Raul Pompéia, se assemelha a esta passagem de desCr'Ção da,critrada na escola-.
'Va@s encontrar o mundo, disse-me meu pai, à porta do Atheneu. Coragein N@a a luta'.

"Ba@@tante experimentei depois a verdade deste aviso, que me despia, num gestQ, das ilusões de criança educada exoticamente na estufa de carinho que é o riegime
do amor doméstico, diferente do que se encontra fora, tão diferente, Qlue parece o poema dos cuidados maternos um artifício sentimental, com a vantagem única de
fazer mais sensível a criatura à impressão rude do I@`TiIrneiro ensinamento, têmpera brusca da vitalidade na influência de um nciv<@i clima rigoroso". Atente-se
também na expressão "estufa de ca,rinho", '@JeIignativa das condições que explicam a "desmarna afetiva", da qual fala 0 Autor. (Cítomos o Atheneu segundo a 3.' edição
definitiva, Alves, R!o, s/d, p, S.) (Nota dos trads,)

112

INkN

respeito, pode-se dizer que a partir do sexto ano, aproximadamente, certo nível de maturidade é atingido na confrontação com as exigências exteriores, aparece uma
primeira forma de responsabilidade; é, aliás, a idade em que, nas sociedades primitivas, a criança começa a exercer certas funções úteis à comunidade.

Madura para o trabalho escolar, a criança, graças a ele, dá um salto para a frente na assimilação intelectual do mundo circunstante e da cultura de seu meio social.
A orientação do pensamento ainda continua essencialmente concreta, sem dúvida; tratase, todavia, de um concreto menos imediato, mais destacado da percepção direta;
o egocentrismo deformante continua a desagregar-se ao contato do real, do ensino e dos intercâmbios sociais, e as primeiras operações lógicas vão substituir a intuição
do nível precedente. A criança vai tomar-se capaz de raciocínio e de compreensão objetiva nos limites do concreto.

A entrada na escola, contudo, é ainda bem mais: é o descobrimento da vida social, da vida pública, e não apenas da vida "profissional". De forma regular e constante,
a criança entra em sociedade com seus pares e faz parte de grupo onde será, em possibilidades físicas e mentais, igual aos companheiros de idade; desde então vai,
como o adulto, medir-se com iguais, em lugar de ser continuamente comparada a seres que a ultrapassam, mas dos quaís depende. E ai está, provavelmente, para a criança,
a contribuição essencial desse estágio. Vai-lhe ser dada ocasião de ela própria estabelecer seu estatuto, e travar relações de reciprocidade com seres que são, verdadeiramente,
"iguais a ela", que lhe não são superiores ex-officio e não estão, por definição, animados de boa vontade para com ela. Pode-se dizer que, a partir de cerca de sete
anos, a sociedade dos companheiros ganha, ao menos, tanta importância quanto a família, a qual pode, até, eclipsar; a preocupaçã o maior da criança é encontrar constantemente
seus "camaradas", rivalizar com eles, afirmar-se entre eles. A conformidade com

os padrões do grupo vai prevalecer, e muito, sobre a conformidade com os desideratos dos adultos. Ora, é no seio do grupo que o egocentrismo infantil vai experimentar
os mais pungentes malogros; e a coerência interna, a reciprocidade dos pontos de vista, a cooperação, os sentimentos altruístas vão encontrar terreno favorável para
desabrochar.

Desenvolvimento social e desenvolvimento intelectual constituem os aspectos principais do crescimento da personalidade neste nível, caracterizado pela ruptura do
quadro familial e da menta-

113

lidade infantil primítiva; são subtendídos por intensa expansão motora, por atividade transbordante, por unia espécie de movimento perpétuo, todavia mais fino, mais
diferençado, mais orientado e mais controlado que nas fases precedentes. Situando assim, sumari,9mente, os aspectos essenciais desse estágio, podemos tomar a Gesell
[261 a caracterização de cada uma das idades componentes: seis anos, idade de extremismo, de tensão, de agitação; sete anos, idade de calma, de absorção em si mesmo,
de meditação, na qual aparece pela primeira vez a "ínterioridade", traço dominante no estágio seguinte; oito anos, "idade cosmopolita" de expansão, de extravagância,
de interesse universal; nove anos, enfim, idade da autocrítica, da autodeterminação, idade das classificações e- dos recenseamentos gerais em que se manifestam as
transformaçoes conducentes ao individualismo mitigado da fase ulterior.

A vida em grupo e o desenvolvimento social

A importância da necessidade de associação e a atração exercida pelas atividades coletivas nesse nível parecem bem demonstradas por uma verificação feita por Froyland-Nielsen
[24] rio correr de suas investigações sobro o comportamento das crianças tomadas em grupo: entre cinco anos e meio e seis anos e meio, setenta por cento das crianças
ocupam-se ainda isoladamente, e as interações não têm senão o caráter ocasional já referido; entre seis anos e meio e sete anos e meio, em compensação, todos os
indivíduos do grupo trabalham em associação. Seria, sobretudo, no decorrer do sétimo ano que as crianças tenderiam espontaneamente a agrupar-se e exprimiriam o desejo
de brincar, ou trabalhar, com outras.

Os outros, pois, não aparecem mais, verossimilmente, corno aineaça de interferência ou de frustraç@@o para um eu fraco; parecem, realmente, ao contrário, constituir
ensejo de valorização e de afirmação para um eu tornado mais consistente, mas que, não mais confundido com o adulto, tomou consciência de sua pequenez
4 da limitação de seus recursos. A criança compreende agora que Pão passa de criança, nisso ajudada, aliás, por sua roda adulta e

Or seu superego; compreende perfeitamente que não é o centro p mundo, e o universo adulto lhe está fechado; mede melhor a Mstância que a separa do adulto ao qual
está sujeita. Desembara-

Mo-se, por isso, desses contatos doravante menos necessários

114

à sua segurança, a criança se refugia junto dos iguais, entr o q

o 5 Urá encontra bem mais ocasiões de mostrar-se grande e ser aceita como tal. Se é sempre o desejo de ser grande que a anima, como o sublinha Château [11], essa
realização é obstada pela presença adulta e tudo quanto essa presença implica; assim, é agora no grupo que melhor se exprimirá esse desejo. 0 recurso ao grupo teria,
pois, de algum modo, caráter compensatório; o único meio de não ser "o pequerio" é associar-se aos outros pequenos, procurar dominá-los, procurar, com eles, imitar
os mais velhos desse inundo infantil. Diversos estudos confirmaram essa dupla evolução, já esboçada no fim da fase precedente; de um lado, nota-se tendência crescente
à independência em relação ao adulto, pois a criança deseja, cada vez mais, agir por si mesma, "arrumar-se" sozinha, e até, em certa medida, excluir o adulto de
sua atividade; por outro lado, manifesta-se tendência inversa à dependência social, e a criança procura chamar a atenção dos companheiros pela provocação e pelo
exibicionisino, tratando de fazer-se interessante por mil modos e de ímpor~se a eles.

Entre a busca de um refúgio, ou de uma valorização, na cooperação, e a realização efetíva e durável dessa cooperação, vai distância. Assim, parece acertado ver,
nessa primeira "idade do grupo", a da "instalação" da colaboração, de suas primeiras tentativas mais ou menos frutuosas; o estágio seguinte, a partir de cerca dos
nove anos, será o do grupo convenientemente constituído. 0 problema que as crianças devem enfrentar é, com efeito, muito complicado e não poderia ser resolvido de
pronto, Trata-se, com efeito, para cada parceiro, de nada menos que assegurar a afirmação de si e a valorização buscada; ora, para isso ele tem necessidade dos outros,
dos quais não se pode alhear; mas esses outros têm exatamente o mesmo desejo e procuram também afirmar-se. Vai ser preciso, pois, conciliar entre si essas tendências
contraditórias, assegurar a cada qual a satisfação de seu desejo, sem deixar de manter a coesão do grupo necessária a cada um; essa é, realmente, a tentativa que
vemos desenhar-se desde os seis anos em um dos brinquedos coletivos mais elementares, o célebre e clássico brinquedo de "pegador", no qual a organização é, a

um tempo, espacial, na complementaridade assegurada pela "divisão do trabalho" (aquele que "ai está", aqueles a quem deve perseguir), e temporal, na reciprocidade
do "cada um por sua ve2@' (o perseguido alcançado torna-se logo perseguidor). Noelting [511 mostrou que nas situações de trabalho em comum (atividade de construção)
encontra-se, nesse estágio, essa mesma "procura da

115

teciprocidade e da composição das atividades", que já vimos anunciar-se a propósito da coletivização do jogo simbólico. Assim aparece a regra do jogo, acordo - que
não poderíamos chamar de' tácito! - quanto aos direitos de cada um, pois cada um tem necessidade dos outros, e controle que cada um, sem deixar de afirmar seus direitos,
exerce sobre os parceiros para que estes não ultrapassem os seus. Regra do jogo e organizaçã o de atividade coletiva resultam, pois, do acordo, por fazer, entre
a necessidade de afirmação individual e a de conservar o grupo que, só ele, permite essa afirmação. Não se trata, todavia, de geração espontânea; por um lado, os
mais moços aprendem brinquedos e atividades com os mais velhos, por eles observados com admiração; por outro lado, vimos os primeiros tateios da organização na fase
precedente, e talvez, até, seja possível, com Château, encontrar, para a regra, origens inteiramente individuais, no nível das manias e dos rituais da primeira idade.
Assinalemos ainda que, além do acordo e do controle recíprocos, a organização da atividade coletiva implica, também, a compreensão, de parte de cada um, da atividade
dos outros, e que a complernentaridade exige, não imitação ou identificação, mas adaptação ao comportamento do parceiro, diferenciação, portanto. Vê-se quanto, nessa
relação de pontos de vista e perspectivas individuais, o aspecto intelectual e o aspecto social são estreitamente solidários.

Assim como assim, o aparecimento, já aos seis anos, de jogos coletivos e organizados, prova bem que uma colaboração se tornou possível, ao menos em condições bem
determinadas e, notadamente, com o auxílio dos "modelos" fornecidos pelos mais velhos, observáveis pelos pequenos na rua, ou no pátio de recreio. Que essa colaboração
seja ainda difícil, é o que prova a abundância de conflitos e disputas. Muita vez os mais jovens, imitando um brinquedo dos grandes, não lhe compreenderam bem as
regras e as aplicam a torto e a direito, ou as violam involuntariamente; muita vez a afirmação de si vem perturbar vigorosamente a organização coletiva por meio
da provocação e da desordem; alteia-se amiúde o desejo de ser mais que os parceiros e leva a criança a transgredir egocentricamente as regras estabelecídas, que
ela, entretanto, vela por fazer acatadas pelos camaradas. Em cada vez, o controle mútuo já mencionado intervém e ocasiona contestações e altercações, às quais a
criança, ao menos até os oito anos, reagirá, no mais dos casos, com uma saída amuada: "Assim, não brinco mais!" Aquele que dessarte se exclui do brinquedo parece
esperar parar, com isso, a ativí dade do grupo, e fazer sentir, aos outros,

116

quanto têm necessidade dele; mas, fazendo-o, vê-se também frustrado de maneira intolerável, porque tem igual necessidade dos outros. Por isso, no mais das vezes
não demora em retomar o lugar, embora submetendo-se rigorosamente à decisão dos camaradas. Pois, após cada briga, o grupo se reforma e novas experiências coletivas
são tentadas, com os zangados, ou sem eles, porque, como nota Cousinet 1121, "o essencial é que o brinquedo dure", e pouco importa com quem. Até os nove anos, com
efeito, a composição do grupo continua flutuante, pois os camaradas não são, ainda, senão elementos necessários à atividade da criança e à sua afirmação e, não,
pessoas plenamente individualizadas. As discriminações pessoais só começarão a desempenhar o papel mais tarde.

Cumpre notar, de resto, que as crianças quase não têm possibilidade de escolher os parceiros; nas fases precedentes, são praticamente impostos pelo adulto, segundo
as relações sociais deste; em seguida, pela organização escolar e pela repartição, mais ou

menos arbitrária, em classes, ou em grupos, de trabalho. Numerosos fatores estranhos à criança são, pois, preponderantes; e cabe dizer que ela toma os companheiros
onde os encontra, na mesma classe, no mesmo prédio, ou no mesmo bairro, sem verdadeira escolha baseada em afinidades pessoais. Assim, falta coesão ao primeiro grupo
infantil, necessariamente pouco estável e pouco organizado. As camaradagens infantis, por sólidas que sejam, conservam algo desse caráter exterior e flutuante, de
certo modo acidental, e por ai se distinguem das amizades, muito mais íntimas e mais pessoais, que florescerão no começo da adolescência. Pequeno exemplo ilustra
a evolução dessas relações: nos meios onde a criança tem possibilidade de convidar os coleguinhas por ocasião do aniversário, vemo-la, no começo da escolaridade,
exprimir o desejo de convidar a classe inteira, quiçá, até, a professora; mas, à medida que avança em idade, restringe-se o grupo de convidados, para limitar-se,
finalmente, a alguns colegas, sempre os mesmos, os "camaradas" que formam um "bando" cada vez mais estável e fechado, do qual o adulto é inteiramente excluído. Não
é, todavia, senão pelos nove/dez anos que o bando se organiza e se estabiliza, para tornar-se, com seu código secreto, suas senhas, seus sinais particulares, o verdadeiro
centro da vida infantil; e é mais tarde ainda, pelos onze anos, que a constância na amizade virá a tornar-se regra, a crescer, em seguida, regularmente, em função
da idade.

117

Quando da entrada na escola, ainda é o adulto corno que o eixo do grupo infantil. Como assinala Hubert [341, a ação do mestre é o primeiro cimento da solidariedade
da classe, fundada em desejo comum de conformação com a autoridade do professor: o "Nós é que ternos o melhor mestre", o "Nossa professora é a mais bonita", estão,
realmente, na base do sentimento do grupo.
0 prestígio e a autoridade do mestre, herdeiro da onipotência parenta], dominam incontestavelmente a vida coletiva aos seis e sete anos, como é revelado pelo fenômeno
da delação: no começo da escolaridade, cada criança está, de algum modo, "do lado do mestre", e desejosa de satisfazê-lo; por isso, é corrente e normal o "mexeàcai",
que os pequenos praticam largamente. "0 apelo à aliança de uma potência estrangeira mais poderosa que o grupo", segundo a fórmula de Cousinet, é a medida clássica
de asseguração à qual recorre a criança, ainda perdida ria massa dos colegas e ainda pouco socializada; nos primeiros anos, os colegas não pensam em censurá-la por
isso: "estar bem" com o mestre é fonte de consideração. Mas desde os oito anos já não acontece o mesmo,

e a delação regride em proveito da lealdade ao grupo; o "denunciante" torna-se objeto da reprovação geral, logo correrá, até, o risco de ser expulso do grupo; é
mais comum, aliás, seja criança com atraso de socializaçã o e com perturbações afetivas. Embora o mestre não seja o "inimigo", como pretende uma imagem clássíca
(e, ai de nós! ainda, muita e muita vez, realista!), já agora, contudo, não é mais ele o pólo de atração para a criança: a grande questão não é mais estar de acordo
com a vontade do professor, mas ser plenamente aceito pelo grupo, pelos "companheiros". A criança é, doravante, muito sensivel à opinião dos colegas; ímporta-se
com o êxito social, com a popularidade (que entreterá, se preciso, com presentinhos), senão mais, ao menos tanto quanto com o rendimento escolar, ou com a aprovação
de seus educadores.

Essa popularidade não tem, seguramente, tanta importância aos olhos dos pais, mais cuídosos da opinião dos outros adultos a propósito de seu rebento, que da opinião
dos camaradas deste. Em regra geral, o mestre tampouco se incomoda com isso, descuídando assim (um pouco por força das coisas, é verdade) essa importante missão
da escola - a integração social da criança entre os iguais. Se se pode lastimar, com Cousinet (121, que no mais das vezes, ao menos no ensino tradicional, a socialização
deva fazer-se quase clandestinamente, e à margem das atividades "oficiais" do escolar, cumpre ajuntar que - ai de nós! - bem raras

118

são as famílias em cujo seio a criança é preparada e exercitada em vista da experiência social constituída pela escolarização. As experiências que a criança não
pode deixar de fazer no seio do grupo são, entretanto, tão capitais para seu desenvolvimento que é altamente desejável possa ela estabelecer relações harinoniosas
com os colegas, e seja preparada para isso.

Pois, no grupo, e somente no grupo (como nunca seria demais insistir) é que a criança pode fazer a experiência da reciprocidade e da solidariedade tão essenciais
a seu crescimento mental e a seu equilíbrio futuro(*). É no decurso das inevitáveis desavenças já referidas que ela aprende a afirmar e a defender seus direitos,
ou aquilo que entende como seus direitos; e se começa a fazê-lo pelo amuo, pelo insulto e pela pancada, logo o fará, também, pela discussão. Após haver-se contentado
com afirmar, peremptoriamente, ou com recorrer ao célebre "Foi papai quem disse", dos sete/oito anos, a criança vai tentar convencer os companheíros, vai procurar
os argumentos ou as provas que lhes carrearão o assentimento. A presença dos parceiros, e a resistência deles a suas afirmações dela orientam a criança para a argumentação
e para a demonstração mais ou menos objetiva, para a busca de ajustes que levem em conta a perspectiva do adversário; elas a constrangem a tomar coerentes atos e
palavras: qualquer contradição, com efeito, lhe será impiedosamente assinalada pelos camaradas, tão ávidos quanto ela de valorizar~se, e ter razão.

Nem tudo é, aliás, provocação e rivalidade no grupo; há também o auxílio recíproco necessário, o socorro mútuo, a cum-

(*) Dessas idéias referentes à importância da vida social e do traba. lho em grupo, dá Roger Cousinet (1881-1973) excelente transunto no capítulo com o qual contribuiu
para a obra coletiva dirigida por Maurice Debesse, Psicologia da criança do nascimento à adolescência, trad. port. e notas de Luíz Damasco Penna e 1. B. Damasco
Penna, vol. 108 destas "Atualídades Pedagógicas", 1972, pp. 254-270 ("A vida social e o trabalho em grupos"). V., ademais, do mesmo Cousinet, A educação nova, trad.
port. de Luiz Damasco Penna e J. B. Damasco Penna, vol. 69 destas " Atualidades Pedag<Sgicas", 1959, passim. E v., afinal, para estudo do lugar dessas ídéias do
eminente pedagogista francês no conjunto de sua pedagogia, a nota preliminar, de J. B. Damasco Penna, "De um grande educador e de suas idéias", a um livro de Cousinet,
A formação do educador e a pedagogia da aprendizagem, trad. port. e notas de Luiz Damasco Penna e 1. B. Damasco Penna, vol. 112 destas "Atualidades Pedag6gicas",
Companhia Editora Nacional e Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1974, pp. XV-XLI. (Nota dos trads.)

119

plicidade, a combinação com vista aos mesmos fins; existem as trocas materiais, o dá-cá, toma-lá, e vem a necessidade de coordenar seu próprio ponto de vista com
o de outrem; e disposição de compreender o outro, sem deixar de fazer-se compreender. Há, enfim, a co-partícipação nos mesmos feitos, nas mesmas alegrias, nos mesmos
riscos, nas mesmas dificuldades, o que tudo cría, a um tempo, a solidariedade e a valorização recíproca. Pelos outros, a criança é, alternativamente, cumprímentada
ou censurada; para o grupo, é o herói de tal aventura audaciosa, ou o responsável por tal malogro coletivo; a crítica dos outros a leva continuamente à autocritica;
avaliada por outrem, aprende a avaliar-se e reconhecer, nos outros, as qualidades dos outros. A criança vem, assim, gradatívamente, a considerar que facilidades,
capacidades e vantagens são relativas e, ao cabo, equilibram-se: "Eu trepo melhor em árvores, mas X corre mais e Y é extraordinário na bola". Ganha ela, dessarte,
consciência de seu valor, tanto quanto do valor dos outros; aceita, assim, a igualdade natural dos membros do grupo, onde dantes não conhecia senão seu egocentrismo
e a onipotência do adulto.

Essas experiências sociais têm importantes reflexos no plano da moral infantil. Esta se limitava, com efeito, até então, à submissão ao adulto, representante de
todo bem e de toda virtude, promulgador de toda regra e de toda lei, aquele a cujo respeito a criança se encontrava na posição de inferior. No grupo, é
diferente: se é bem controlada pelos camaradas, estes não lhe são, todavia, superiores em nada, tanto assim que os controla, também, constantemente. No grupo,
a criança é, alternativamente, quem se submete à autoridade e quem a exerce, em razão do controle recíproco; cada vez mais será um e outro simultaneamente, na medida
em que houver contribuído para promulgar as regras às quais se dobra, ou na medida em que, quando menos, as houver aceito voluntariamente, em acordo prévio com os
camaradas. A criança descobre, pois, uma forma de obrigação diferente da emanada da coerção adulta; descobre a obrigação decorrente de acordo entre iguais e de adesão
pessoal. Assim, como foi magistralmente mostrado por Piaget em seu belo livro consagrado ao juízo moral na criança [57), a criança vai de uma moral de respeito unilateral
e de submissão ao adulto para uma moral de respeito mútuo, de convenção entre iguais, a qual não atingirá, todavia, pleno desenvolvimento senão no estágio seguinte,
quando o grupo houver adquirido toda a consistência.

120

As transformações do pensarnento: a lógica

Em seus desejos e intenções egocêntricas a criança está exposta aos companheiros e descobre, assim, a obrigação de tomá-los em consideração em sua realidade própria;
o mesmo sucede com as coisas sobre as quais exerce atividade: pela resistência oposta à sua vontade, elas lhe aparecem, cada vez mais, como exteriores a elae indiferentes
a seus desejos, 0 mundo exterior é coisa diversa do que a gente desejaria, e, até diversa do que a gente percebe ingenuamente. Assim, o universo vem a cíndir-se,
sempre, e cada vez mais, em duas zonas distintas: aquela na qual tudo se prende a tudo e onde tudo é possivel, zona da projeção do eu e do simbolísmo, do imaginário
e do conto, e a zona do dado, do real, do verdadeiro, onde nem tudo é possível e onde, para realizar alguma coisa, cumpre ter em conta as propriedades dos objetos.
Ao realismo egocêntrico do estágio precedente, sucede um realismo objetivo. A sensibilidade da criança a essa cisão aparece, principalmente, no prazer que lhe proporciona
o caráter gratuito e irreal dos contos míticos, ou das estórias, de que saboreia tanto melhor a extravagância quanto agora sabe bem que as coisas jamais são assim,
ao passo que aos três/quatro anos mal as compreendia e preferia as pequenas estórias triviais, terra-a-terra e realistas, como "a do menino que toma banho" ou a
"da menina que ajudava sempre a mamãe", nas quais voltava a encontrar seu universo familiar.

É manifesto que, a partir do sexto ano, o pensamento se torna mais analítico e mais sensível às relações objetivas. Aparece certa crítica; e aparece o sentimento
da impossibilidade, ou da contradição. Para GeselI, sete anos é "a idade da borracha", da autocrítica, a idade do "mas" e do "entretanto", a idade na qual a reflexão,
a relação dos elementos, sobreleva a simples afirmação baseada na crença no desejo, nas aparências perceptivas. Não é por acaso que a sabedoria das nações põe nessa
altura "a idade da razão53! (*).

(*) Lembrem-se, como amostra da "sabedoria das naç5es", os versos de Alvarenga Peixoto compostos quando sua filha completava sete anos. Aqui está a primeira quadra
do soneto A María Iphigenia: "Amada filha, é já chegado o dia,

Em que a luz da razão, qual tocha acesa, Vem conduzir a simples natureza-
- É hoje que o teu mundo principia.' (Nota dos trads.)

121

Assim, aos quatro, ou cinco, anos, bem pouco importam as circunstâncias objetivas da atividade de São Nicolau, ou de Papai Noel: o essencial é que traga os presentes
desejados, e pouco importa saber como o faz. Aos seis ou sete anos, os presentes não são menos desejados; ao contrário, os desejos são, muita vez, bem mais precisos;
mas a estreiteza do cano da chaminé traz certas apreensões e propõe problema, a menos que a gente indague de como é possível que a prestigiosa personagem visite
todas as casas da cidade numa única noite, ou faça simultaneamente as distribuições em diferentes lojas: topam-se impossibilidades materiais que a esperança, sozinha,
não basta para superar. Hansen. [32] dá exemplo do garoto de três anos a dar de comer ao cavalo de pau, enquanto seu irmão de dez anos caçoa dele e lhe acha ridícula
a conduta. 0 pequeno bem sabe, sem dúvida, que o cavalo é de pau, e não está sendo enganado por seu simbolismo; ficaria até, provavelmente, muito assustado se o
brinquedo se comportasse, de repente, como animal de verdade; isso não o impede, porém, de dar-lhe de comer, pois esse ato entra na perspectiva do brinquedo, na
linha de seu desejo de ser cocheiro e ter um cavalo de verdade; essa perspectiva o satisfaz, e lhe basta. 0 mais velho, ao contrário, é chocado pela contradição:
"Um cavalo de pau, como é que pode comer?"; a gente não trata brinquedo como trata animal de verdade; vê o brinquedo em sua realidade própria de objeto inanimado
e, não, numa perspectiva egocêntrica dominada pelas necessidades do momento.

As célebres investigações de Piaget evidenciaram muito claramente essa modificação essencial, com assinalar o "destaque", a "descentração" em relação ao ponto de
vista individual, ocorrente no pensamento infantil, neste nível. As explicações dadas pela criança, os raciocínios formulados, são cada vez menos calcados no que
ela própria experimenta, em seus desejos, em suas impressões perceptivas; indicam um modo de encarar as coisas como cada vez mais exteriores a ela, e mais independentes
de sua própria atividade, ou de sua vontade.

Estamos lembrados do artificialismo ou do animismo do qual dava prova o pequenino: aos quatro, ou cinco, anos considerava naturalmente os astros como produzidos
pela indústria humana, e as nuvens como dotadas de consciência, a saber aonde deviam ir. Entre seis e nove anos, já não acontece o mesmo: o sol é concebido como
"bola de fogo que foi jogada aos ares há milhares de anos", e a origem das nuvens é menos antropocêntrica, como

-2-2

se ve desta conversa com uma meninazinha de oito anos: "Que são as nuvens? - É fumaça. - E donde vêm? - Das usinas de Obourg, ou dos trens, quando respiram" (1).
A criança de cinco anos pode crer que os ribeiros são artificiais; neste estágio pensa, talvez, ainda, que o leito deles foi cavado pelos homens, mas concede origem
natural à água que neles corre. Na mesma ordem de idéias, Piaget obteve respostas indicativas de evolução paralela da causalidade: até os seis anos a criança pensa
que as nuvens se movem porque nos obedecem, ou porque são viventes, enquanto, a partir de sete anos, antes admite que são movidas por alguma força natural; aos oito
anos a criança faz um raciocínio muito interessante, "em círculo", do tipo dos que a gente encontra nos antigos: o vento leva as nuvens, mas são elas que, ao deslocar-se,
produzem esse vento! (Uma menininha de oito anos nos apresentava raciocínio um tanto análogo ao explicar-nos que as rodas dianteiras de um automóvel puxavam as rodas
traseiras, fazendo-as, assim, mover o veículo!) Todos esses ensaios de explicação mostram bem a criança a desprender-se do recurso à intervenção humana, e a procurar
estruturar a realidade de modo diverso da assimilação a si mesma e à sua experiencia: o mundo se torna aos poucos independente dela e recebe explicação mais objetiva
que dantes, embora ainda não exata, nem científica. No estágio seguinte, pelos oito/nove anos, o homem não terá mais nada que ver com a origem dos fenômenos naturais
e tudo se explicará pela ação de princípios agentes em circuito fechado: a natureza existirá independentemente de nós e do que façamos. 0 limite entre o eu e o não-eu
se desenha, pois, sempre cada vez mais.

É ainda a Piaget [581 que cabe o. mérito de haver demonstrado magistralmente, por engenhosos experimentos, como a criança, desprendendo-se das impressões sensoriais
e tomando-se capaz de resistir a elas, vai suspender o juízo intuitivo e substituir a intuição pelo raciocínio, e haver posto em evidência o elemento central dessa
transformação, a saber, o aparecimento, pelos sete anos, da reversibilidade do pensamento.

Recordamos sumariamente, no capítulo anterior, o experimento da pasta de modelagem; estamos lembrados de que toda modificação da forma acarretava, aos olhos da criança,
alteração da quantidade de pasta, em razão da predominância das impres-

(1) Trata-se, evidentemente, de locomotivas a vapor!

123

sões perceptivas. Piaget mostrou que, a partir do oitavo ano, já não ocorre o mesmo: seja qual for a forma dada à pasta, bolacha, salsicha ou, até, multiplicidade
de pedacinhos, a criança acha, agora, que a quantidade de pasta permanece invariável, a despeito da modificação das aparências. A razão que ela dá não é somente
o nada haver sido posto e o nada haver sido tirado, mas, sobretudo, o fato de, com os pedaços, a salsicha ou a bolacha, ser possível refazer uma bola em todos os
pontos iguais à do ponto de partida. Uma ação aparece, pois, agora, como suscetível de ser anulada pela ação inversa, fundada, a conservação da quantidade de substância,
nessa possibilidade implícita de volta ao ponto de partida, ainda quando isso não seja materialmente feito. Não registraremos, aqui, senão um único de numerosos
experimentos que confirmam abundantemente essa nova atitude mental: refere-se à dissolução do açúcar na água. As respostas das crianças de menos de sete anos são,
em geral, muito precisas a esse respeito: o açúcar que "se derreteu" desapareceu, destruiu-se, nada mais resta dele na água e isso está bem conforme, com efeito,
aos dados da percepção; o próprio gosto da água açucarada está destinado a dissipar-se logo. A partir do oitavo ano, ao contrário, a criança está persuadida da conservação
do açúcar, e invoca alguma mudança de estado para explicar a modificação observada: o

açúcar ter-se-á liquefeito e misturado na água, ou, ainda (como se pode, aliás, observar), ter-se-á desagregado em parcelas cada vez mais ténues e logo invisíveis.
Nem por isso deixa de existir, pois é virtualmente possível reunir de novo essas parcelas e reconstituir, assim, o torrão inicial. 0 açúcar não "sumiu", pois, como

pensam os pequenos de acordo com o que vêem, mas "a gente diria que sumiu"; apenas mudaram as aparências, e a criança de sete/ oito anos considera que isso é evidente.
Onde poderíamos invocar melhor "o construído a desbordar do dado", de Delacroix, em sua

definição da inteligência?,

Essas respostas infantis de tipo novo, características do presente estágio, mostram'bem que o pensamento ultrapassa, doravante, a impressão sensorial do momento,
coordenando-a com as

impressões anteriores: a bolacha achatada de agora é posta em

relação com a bola de há pouco, o açúcar "ausente" é relacionado com o torrão bem visível que mergulháramos na água. Os diversos momentos são mantidos simultaneamente
presentes no pensaniento, o qual, em vez de caminhar progressivamente no sentido único imposto pela sucessão das percepções, efetua uma espécie de
4Ç vaivém", que lhe permite considerar, a um tempo, momentos su-

124

cessivos, e reuni-los em totalidade coerente, na qual figure tanto o percebido agora como o percebido anteriormente. Assim, são coordenados entre si tanto "os pontos
de vista sucessivos do indivíduo (com volta possível no tempo e antecipação de sua seqüência) quanto as modificações perceptíveis, ou representáveis, dos objetos
(anteriormente, atualmente ou por desenvolvimento ulterior)" [58, p. 170]. Os fenômenos observados são, pois, englobados numa totalidade mais vasta e ligados entre
si por um sistema de relações que permite corrigir a intuição perceptiva, outrora havida por absoluta.

A intuição do nível precedente era, com efeito, de certo modo,

uma como simples constatação de fato interiorizada, sempre cen-

trada em estado particular e momentâneo do objeto, e dependente de ponto de vista particular e momentâneo do sujeito. Como tal, não permitia senão adaptações momentâneas
a um real necessariamente variável, flutuante e incoerente: a mesma casa vista de longe era pequena, enquanto, vista de perto, era grande. Integrando, ao contrário,
num conjunto, cada perspectiva particular e momentânea, fazendo dela como que o elo de um sistema de relações, o pensamento deste nível introduz a coerência, a estabilidade
e o equilíbrio no real, ultrapassando, pela construção, aquilo que é simplesmente percebido.

De intuitivo, esse pensamento se torna "operatório", pelo agrupamento, em um conjunto de implicações, das relações intuitivas dantes encaradas isoladamente por si
mesmas. E Piaget mostrou como esse agrupamento, pelo qual as ações se transformam em operações, obedece, sempre, a cinco condições ligadas entre si e sempre presentes
simultaneamente em cada "contexto": ,1.a, duas ações sucessivas podem coordenar-se numa só; 2.a, o esquema de ação torna-se reversível; 3.a, o mesmo ponto pode ser
atingido, sem ser alterado, por duas vias diferentes; 4.a, a volta ao ponto de partida permite encontrá-lo idêntico a si mesmo; 5.a, a mesma ação, repetindo-se,
ou nada ajunta a si mesma, ou é ação nova com efeito cumulativo" [58, p. 1691. Chega, assim, a criança, a essas noções de permanência, ou de invariância, das quais
tivemos exemplo em matéria da quantidade de massa plástica, ou de açúcar, mas que têm sido verificadas, igualmente, por outros experimentos concernentes, por exemplo,
aos comprimentos e às superfícies. 0 eminente psicólogo genebrino, demonstrou magistralmente como essa "conversão inteira do pensamento" permitia e acarretava a
constituição das operaçõ es lógicas de encaixe das classes e de seriação das relações, e trazia, por sua vez, a consti-

125

tuição do sistema dos números e o das operações estruturadoras do tempo e do espaço.

Graças à organização de sistemas de conjunto, o pensamento tem, pois, acesso à lógica e adquire consistência e coerência que até então não possuía e das quais dão
provas as numerosas aquisições intelectuais que a criança vai fazer a partir desse momento. Encontra ela, sem dúvida, na linguagem e nas informações recebidas na
escola, muitas das estruturas pré-formadas que emprega, amiúde, bem antes de apanhar-lhes verdadeiramente o sentido e o alcance. E, sem dúvida, a presença desses
elementos apressa o descobrimento do conteúdo dessas estruturas; ainda assim, a criança deve fazer esse descobrimento à sua custa, em função das próprias experiências,
o que não é possível senão em dado momento de seu desenvolvimento. A escola fornece, à criança, "estruturas pré-fabricadas", "resultados de crescimento" prontos
e acabados, que lhe permitem, sem dúvida, economizar tempo considerável; há sempre, contudo, o perigo de esses resultados não serem os do crescimento próprio da
criança, de seus descobrimentos pessoais. Cai-se, então, no mais oco e estéril dos verbalismos, tanto mais provável quanto menos apelo fizer o ensino à atividade
mental própria da criança; há difícil concordância entre a construção, pela criança, de soluções novas para ela, e a imposição, pela escola, dessas mesmas soluções,
prontas e acabadas, e, pois, não verdadeiramente assimiladas pelo aluno. E isso permite dizer, uma vez mais: a escola deve ser oficina e laboratório, lugar de experiências
e de reflexão e, não, estúdio de gravação. Essa conclusão fundamental da psicologia pedagógica parece ser das mais difíceis de pôr em prática em cada um dos andares
do edifício escolar.

Sejam quais forem as transformações fundamentais do pensamento, nesse estágio, e a ascensão da criança à ló gica, importa formular, entretanto, importante reserva.
Essa lógica ainda não está destacada de seu contexto, ainda não é aplicável a qualquer noção, nem a qualquer domínio. Não só a criança não raciocina logicamente
senão quando pode manipular os objetos nos quais incide seu raciocínio, e se mostra totalmente incapaz disso desde que se trate de simples proposições verbais, como
também, até no plano concreto, os raciocínios não são transferíveis de um domínio para outro, e observam-se descompassos, nos quaís Piaget insistiu. É assim, para
retomar nossos exemplos iniciais, que é muito curioso verificar isto: a criança de sete/oito anos, convencida da conservação da quantidade de pasta de modelagem,
ou de açúcar, a despeito das modificações da forma, está, 'ao contrário, persuadida da alteração do peso, ou do volume, em conseqüência dessas mo-

126

dificações. Embora o raciocínio por fazer seja absolutamente do mesmo tipo, a criança recai na intuição; embora a quantidade de matéria seja a mesma, está persuadida
de que a bolacha de pasta vai pesar menos que a bolota, "porque é mais fina", ou de que o peso do açúcar diminuirá, "derretido" o torrão. E só ali pelos dez anos
é que se instalará o raciocínio correto em matéria de peso; e, adquirida a noção de conservação do peso, não será senão pelos onze/doze anos que a criança admitirá
a do volume. "A mesma forma lógica", escreve Piaget, "não é, pois, ainda, antes dos onze/doze anos, independente de seu conteúdo concreto": ainda estamos longe de
uma lógica formal, aplicável em todas as circunstâncias. Neste estágio, e até o fim do seguinte, convém, pois, falar de "lógica concreta", já presentes as operações
lógicas, mas ainda ligadas tanto ao contexto no qual se formaram quanto à presença material dos objetos sobre os quais versam.

Nem por isso deixa de resultar, daí, enorme benefício, tanto no referente à aquisição de conhecimentos mais ou menos objetivos, que súbito se tornam ricos de sentido
e interesse, quanto no

concernente à adaptação, mediante a ação e mediante a manipulação, às situações materiais. É principalmente aos oito anos, idade de expansão e de extravagância,
idade "na qual a gente nunca tem tempo", como nota GeselI, que se assinala prodigiosa extensão do mundo mental. A curiosidade e o interesse da criança são, nessa
altura, insaciáveis, mais, talvez, que em qualquer outra idade: países longínquos, costumes de povos estrangeiros, épocas passadas, começam a apaixoná-la, tanto
quanto, aliás, o funcionamento do próprio corpo, ou a estrutura do globo terrestre. Já não vive mais aqui e agora, mas se interessa pelos homens préhistóricos ou
pelos esquimós, pelo mundo das plantas e dos animais, pelos fenômenos de crescimento e de reprodução. Até o problema da morte é proposto à sua curiosidade. Numa
palavra: estamos em presença de verdadeira assimilação maciça desse mundo vasto e novo revelado pela escola, pela leitura e pelos contatos com os outros, e dá-se
prodigioso trabalho de agrupamento, relação, dedução: o mundo se mostra, à criança, em sua riqueza e em sua diversidade. Depois dessa expansão intensa, algo desordenada
e caótica, a criança entrará, aos nove anos, em fase mais calma e mais sistemática, durante a qual procederá à classificação e à

"arrumação" de todos os conhecimentos tão avidamente armazenados.

Quanto à inteligência prática, continua a ganhar em eficácia, em virtude dos progressos do pensamento, o qual cada vez mais

127

precede a ação e a dirige, ao invés de seguir-se a ela, ou acompanhá-la. A reversibilidade(*) repercute no plano da manipulação e da construção. Se os resultados
ainda são, muita vez, bem im-

(*) A noção de reversibilidade é, hoje, da maior importância em psicologia genética. Por isso, aqui transcrevemos boa porção da nota que, nessa matéria, apusemos
ao texto de outro livro do Autor, também dado à estampa nestas "Atualidades Pedagógicas": Fazer adultos; pequena introdução à psicologia educacional (trad. port.
e notas de Luiz Damasco Penna e 1. B. Damasco Penna, vol. 91, São Paulo, 2.' ed., 1971, p. 22). Eis o texto dessa nota, aqui e ali alterado, nesta transcrição, além
de consideravelmente ampliado: "A reversibilidade (caráter daquilo que é reversível, isto é, pode reverter, voltar para trás, desandar o caminho, do latim revertere
[re + verterel) é característica do que Piaget chama de pensamento operatório, estágio no qual a criança se torna capaz de operações racionais, ou lógicas, que são
ações reversíveis: p. ex., dado um número, multiplicá-lo por 3, sabendo voltar ao número dado mediante uma divisão por 3. "0 aparecimento das ações reversíveis ou
operações racionais é característico da inteligência" (Piaget, Classes, relations et nombres, p. 13, citado por Paul Foulquié e Raymond Saint-Jean, Dictionnaire
de Ia langue philosophique, Presses Universitaires de France, Paris, 2.' ed., 1969, arts. "opération" e "reversibilité"). Também de Piaget é este pensamento: "A
inteligência da mobilidade reversível: eis o caráter essencial das operações da lógica viva" (citado por Armand Cuvillier, Pequeno vocabulário da língua filosófica,
já referido numa destas notas). De modo geral, reversibilidade é a "capacidade de inverter uma operação do espírito, ou de estudar um problema de dois pontos de
vista opostos", conforme a definição proposta por Cousinet no Vocabulaire de Ia Psychologie, de Piéron e colaboradores, cit.

V., outrossim, o verbete respectivo do Lexique de Ia Psychologie, de Arlette e Roger Mucchielli, citado numa destas notas: "Processo mental segundo o qual o sujeito
é capaz de inverter uma operação do espírito, ou de estudar um problema de dois pontos de vista opostos (concepção de Piaget)". E v., também, a parte mais propriamente
técnica do verbete .reversibilité" do Dictionnaire de Ia langue pédagogique, de Paul Foulquié (Presses Universitaires de France, Paris, 1971): "Reversibilidade (das
proposições e dos juízos). Caráter de uma operação mental que pode ser invertida, como os dois termos de uma equação. "Pierre é irmão de Paul", "André é
vizinho de Jacques" são reversíveis; "Antoine é pai de Louis", "Philippe é empregado de Jules", não o são. A criança não vê muito bem essa reversibilidade.
Assim, sabendo que Pierre é irmão de Paul, de Jean e de Simon, hesitará na enumeração dos irmãos de Paul, ou de Jean".

V., ainda, para estudo mais detido dessa noção, tanto no plano da psicologia pura quanto no de suas aplicações pedagógicas, um dentre os muitos livros
de Jean Piaget, no qual se condensam as idéias desse eminente psicólogo, na matéria: Psicologia da inteligência, trad. port. de Eglé a de Alencar, Fundo de Cultura,
Rio, 1958; e Hans Aebli, Didática psicológica: aplicação à didática da psicologia de jean Piaget, trad. port. de João Teodoro. D'Olim Marote, vol. 103 destas "Atualidades
Pedagógicas", São Paulo,
3.a ed.@ 1978. (Nota dos trads.)

128

perfeitos, e impregnados de realismo ingénuo, não é menos verdade que são verdadeiras realizações "com sentido" e não mais, apenas, os "diziam que. . .", de antes.
A manipulação construtiva desempenha papel de tal ordem que se pôde falar, com razão, de uma "idade do mecânico", a partir dos seis anos; essas construções não contribuem
pouco para a valorização da criança. Esta adquire, aliás, pela observação e pela experimentação, verdadeiros "jeitos" e receitas objetivas, que utiliza a sabendas,
mas ainda não constituem princípios gerais.

Os progressos motores

Todas essas realizações práticas não são apenas favorecidas pelo progresso do pensamento e da previsão, mas, ainda, pelo progresso das possibilidades motoras. A
força cresce regularmente durante toda essa fase, e tem, desde os seis anos, papel importante nos brinquedos violentos de luta e de acrobacia com os quais a criança
se delicia, para culminar por volta dos nove anos, idade da força, na qual a criança não procura senão bater-se, carregar cargas pesadas, brilhar pelas proezas físicas,
por vezes, até, com excesso, à beira do esgotamento.

Por sua vez, a coordenação não progride menos; aos seis anos a criança pode fazer pular uma bola diante dela e pegá-la acertadamente; experimenta usar ferramentas,
ou costurar com pontos largos. No correr do oitavo ano, a escrita se regulariza e se toma fácil; o desenho e a pintura são fonte de grandes satisfações e

produzem "obras" por vezes interessantes, até, quiçá, vigorosas. 0 nono ano, idade de pular corda entre as meninas, mas também idade da imitação e dos trejeitos,
mostra progressos que ainda terão efeito nas habilidades domésticas e nos trabalhos manuais corretos das idades ulteriores.

0 desenvolvimento prosseguirá, sobretudo no sentido da precisão e da enduração: jogos de grupos e competições organizadas serão o terreno de eleição desta e daquela,
na fase eminentemente social da qual nos resta falar. E aí está o bastante para fazer idéia dos progressos motores no decorrer deste estágio.

A evolução afetiva

Segundo certos autores, as transformações assinaladas no

plano intelectual e social não seriam possíveis sem a reabsorção do édipo. Todas as energias da criança, até então concentradas num único ponto - garantir a segurança
e oamor - tornar-se-iam

129

disponíveis e permitiriam, assim, a intensa orientação para o mundo exterior já referida. Tudo se passaria como se a criança, liberada das preocupações afetivas
dominantes no nível precedente, "pudesse enfim ocupar-se de outra coisa" e se tornasse, pois, capaz de encarar o mundo de maneira objetiva. Essa interpretação corresponde,
sem dúvida, a certos aspectos da realidade e explica de maneira sedutora essa disponibilidade que a criança mostra, a partir de perto de seis anos, a respeito da
realidade social e material circunstante. Cumpre não esquecer, entretanto, que a orientação da criança para o exterior existe desde meado do primeiro ano, que a
"aptidão" para a socialização e para a superação do eu já é operante em nível muito precoce, e que se, nos estágios anteriores, a criança é levada a tudo encarar
em relação a si mesma e a seus desejos, nem por isso é menos levada a contínuas correções de suas perspectivas, pela própria força desses contatos efetivos com a
realidade. Cumpre não esquecer, ademais, que, a partir ali do sexto ano, a sociedade propõe e impõe à criança novas formas de contato com outrem, novos conhecimentos
e novos modelos de pensamento. A liqüidação do édipo é, sem dúvida, passagem capital; não deve, porém, fazer perder de vista a continuidade do @esenvolvimento geral:
o que surge plenamente no presente nível ja se preparava e esboçava nas fases precedentes, fosse qual fosse a importância do problema afetivo.

Nem por isso é menos certo que essa reabsorção tem repercussões importantes e se assinala por modificações fáceis de observar. Em primeiro lugar, suprime a fixação
afetiva excessiva no genitor, ou na genetriz, e libera a criança da agressivididade e do temor em relação ao genitor do mesmo sexo; só vão subsistir, de um lado,
o amor "permitido", isto é, a ternura, a afeição, as manifestações sublimadas do amor e, por outro lado, o desejo de ser grande, de afirmar-se positivamente de maneira
condizente com o próprio sexo. 0 amor perde o aspecto captativo(*) e absoluto, ao

(*) Aspecto captativo e, algo adiante, oblatividade, termos empregados principalmente por Daniel Lagache, que assim define esses conceitos no Vocabulaire de Ia Psychologie
de Henri Piéron, no qual colaborou: "Captatividade - significação funcional das condutas pelas quais um sujeito procura satisfazer necessidades pessoais, por exemplo,
ser amado por um parceiro sexual e dele dispor sem condições. Oblatividade - significação funcional das condutas pelas quais um sujeito prefere, pela renúncia ou
pelo sacrifício de si mesmo, satisfazer as necessidades de outrem". (Vocabulaire de Ia Psychologie, de Henri Piéron e colaboradores, Presses Universitaires de France,
Paris, 4.a ed., 1968, artigos "captativité" e "oblativité".) (Nota dos trads.)

130

menos nos casos em que não foi fixado; causar prazer, dar, até, quiçá, consentir em alguma limitação, ou em algum sacrifício, tomam o lugar do açambarcamento inicial
e do medo da frustração afetiva. A criança começa a gostar das pessoas de maneira mais objetiva e mais matizada, menos impulsivamente total, menos egocentricamente
interessada; torna-se capaz de apego a outras pessoas que não apenas os pais. E como diminui a culpabilidade em relação ao adulto, pela própria força da redução
da agressividade, ver-se-á até a criança, menos dependente, procurar, por vezes, igualar, ou sobrepujar, o adulto, o qual perdeu a superioridade absoluta que tinha,
até então, aos olhos da criança. Sob as aparências de liberdade maior, apoiada, aliás, nas contribuições, para o eu da criança, de suas experiências sociais e de
suas conquistas intelectuais, o superego, todavia, continua a representar o papel de guardião contra as ameaças da esfera instintiva, mas estas se fazem, sem dúvida,
menos virulentas que dantes. Que a infantil "consciência inconsciente" existe sempre, é o que revelam certas manifestações inesperadas e pueris de moralismo tão
intransigente quão pouco racional, ou de oblatividade excessiva, marcada pelo cunho de tendências autopunitivas muito suspeitas para o observador avisado. Isso se
encontra, aliás, também no adulto! Em suma: de modo geral, o caráter excessivo e exigente das relações afetivas se enfraquece, incontestavelmente, depois de um último
recobro de tensão e de ambivalência, por perto dos cinco anos e meio; e os conflitos, como as efusões dos períodos precedentes, se es-'umam sob o efeito da amnésia
infantil.

Tudo isso, todavia, não é verdadeiro senão na medida em que o édipo tenha podido efetivamente reabsorver-se e em que o indivíduo não venha a encontrar-se muito brutalmente
posto em face de situações suscetíveis de reavivar os problemas da primeira infância. Com efeito, não é raro que, por ocasião de acontecimentos tais como colocação
num internato - quase sempre sentido como um ser-posto-de-lado, como frustração de afeição - o nascimento de outra criança na família, a morte, ou o novo casamento,
do pai ou da mãe, venham a ocorrer regressões afetivas, a suscitar novamente dificuldades que teríamos o direito de acreditar definitivamente superadas. Inabilidades
educacionais, proibições angustiantes, terrores, podem, igualmente, estar na origem de "recaídas" às vezes espetaculares, com problemas difíceis para o educador.
Todos os conflitos afetivos da primeira infância, que ficaram em

suspenso, são, aliás, de natureza a perturbar quase que infalivelmente o presente período e travar a expansão da personalidade.

131

A criança, tem, agora, um passado; e esse passado é, por vezes, bem carregado, do ponto de vista educacional!

Não é de duvidar que o intenso desenvolvimento social e intelectual já mencionado seja tal que possa eclipsar um pouco os fenômenos afetivos, antes situados no primeiro
plano. Por outro lado, a prática psicanalítica que qualifica o presente estágio de "período de latência"(*), com referência às modificações instintuais que acabamos
de lembrar, tende, também, a fazer crer que, no plano da personalidade afetiva, "nada se passa" até as transformações da puberdade. A observação permite afirmar
não ser isso o que ocorre; mas é certo que a evolução afetiva se faz, agora, mais discreta e, sobretudo, mais íntima.

Gesell insistiu no fato de que, tal como aos dois anos e meio/ três anos, a criança de cinco anos e meio/seis anos vivia urna fase de transição, na qual sua vulnerabilidade
física era maior e seu comportamento menos "simples" do que no nível que acabava de deixar. A imagem material dessa transição nos é dada pela

(*) Período de latência (em alemão, língua na qual Freud escrevia, Latenzperiode ou Latenzzeit e, também, por vezes, Aufschubsperiode, de AuIschub, adiamento, dilação)
é aquele período que vai do declínio da sexualidade infantil (quinto ou sexto ano de vida, aproximadamente) até o começo da puberdade; esse período marca um tempo
de parada na evolução da sexualidade. V., a esse respeito, a contribuição de dicionários especializados, os seguintes, entre outros: Horace B. English e Ava Champney
English, em seu já citado A comprehensive dictionary of psychological and psychoanalytical terms; Dicionário de termos de Psicanálise de Freud, tradução e organização
de Jurema Alcides Cunha, Editora Globo, Porto Alegre,
1970; J. Laplanche e J.-B. Pontalis, Vocabulaire de Ia Psychanalyse, "Bibliothèque de Psychanalyse", Presses Universitaires de France, Paris, 1971 (com importantes
prefácios, dos autores e de Daniel Lagache, diretor da publicação); Pierre Fedida, Dictionnaire abrégé, comparatif et critique des notíons principales de Ia Psychanalyse,
col. "Les dictionnaires de l'homme du XXe. siècle", Larousse, Pari6, 1974; Norbert Sillamy, Dictionnaire de Ia Psychologíe, col. "Les dictionnaires de l'homme du
XXe. siècle", Larousse, Paris, 1965; Alvaro Cabral e Eva Nick, Dicionário técnico de Psicologia, cit.; Arlette e Roger Mucchielli, Lexique de Ia Psychologie, Entreprise
Moderne d'Edition e Editions Sociales Françaises, Paris, 1969. Desses léxicos, foram postos em português o de LapIanche e Pontalis (Vocabulário da Psicanálise, trad.
de Pedro Tamen, Moraes Editores, Lisboa, 1970) e o de Sillarny (Dicionário de Psicologia, sem indicação de tradutor, "Dicionários do homem do século XX", Larousse
do Brasil, Rio, s/d).

Em sua excelente Introdução à psicologia dinâmica, cit., Albert Collette (que foi, aliás, discípulo do Autor deste livro) estuda por miúdo o período.de latência,
no capítulo III, em que versa "o desenvolvimento da

132

_À -

queda dos dentes de leite e pelo aparecimento dos primeiros molares definitivos, mas há, seguramente, transformações orgânicas ainda bem mais profundas. A "desmama
afetiva" que a criança experimenta pela entrada na escola não é, tampouco, provavelmente, estranha ao caráter algo irritadiço dessa idade. Por outro lado, o universo
é, para a criança, menos claro e menos evidente que no tempo do egocentrismo integral. Esse período começa, por isso, sob o signo da bipolaridade do comportamento,
da ambivalência; a gente quer e não quer, tende para os extremos e para os atos excessivos, custa a escolher, a modular a conduta. Tudo se passa como se a reversibilidade
do pensamento devesse, primeiro, manifestar-se, efetivamente, na conduta e nos sentimentos; a criança chora e ri alternadamente, exprime, a breve espaço, amor ou
ódio pela mesma personagem, parece achar igual prazer em satisfazer o adulto como em decepcioná-lo, e tanto é levada a mostrarse grande e razoável quanto a fazer-se
de bebé. Faz lembrar um pouco esses dias de abril, nos quais a gente não sabe que tempo faz. Procurando impor-se por todos os meios e chamar para si a atenção, da
roda, é barulhenta, deliberadamente brutal e indelica-

personalidade". E escreve, a esse respeito, as judiciosas palavras a seguir transcritas, em excurso algo estirado, mas proveitoso, e afinado com o pensamento do
Autor: "0 período de latência inicia-se por volta dos seis anos e prolonga-se até o limiar da pré-puberdade. 0 termo latência foi escolhido pelos teóricos ortodoxos
exatamente para mostrar que a criança atravessava um estágio muito longo, uma vez que dura pelo menos seis anos, durante o qual há um relaxamento no plano da sexualidade.
Impressionaram-se, ao parecer, com a relativa calma sexual que parece instalarse, após um período em que a sexualidade é exacerbada, e antes dos sinais precursores
da puberdade, em que terão proeminência os fenômenos sexuais. Para os freudianos, o traço essencial deste período será, pois, uma diminuição espetacular das tendências
e dos interesses sexuais. A um estágio de alta atividade sexual, sucederia um estágio mais moderado. Atribuem essa regressão a uma diminuição da libido." [ ...
] "É difícil dizer em que se fundam os teóricos ortodoxos para avançar a hipótese de uma diminuição libidinal e de um enfraquecimento dos interesses sexuais. Ê pouco
provável que a energia instintual se enfraqueça subitamente e durante período tão longo. Dificilmente se percebe por que os instintos, subitamente, perderiam em
potenciall'dade, enquanto se manifestaram de modo tão declarado entre os três e os 'seis anos. Mais parece que os freudianos se deixaram seduzir por certas aparências.
As condutas sexuais da criança de seis a doze anos manifestam-se menos ostensivamente e de modo menos visível do que as da idade precedente. As pressões educativas
conseguiram fazê-la perder a espontaneidade e o caráter exibicionista. Seria falso, porém, inferir daí que a criança tenha menor interesse do que antes pelos problemas
da sexua. lidade." (o.c., pp. 113-114). (Nota dos trads.)

133

da e não poupa insultos, por vezes saborosos. Em suma, idade em que parece normal nada ter de criança-modelo!

Passada, porém, essa breve fase, o quadro clareia e aparecem novos progressos. Se cumpre, seguramente, pôr no primeiro plano das reações emotivas desse estágio a
rivalidade, o ciúme, a cólera, por força da própria extensão das relações sociais, e das tentativas de organização de atividades coletivas, convém, entretanto, sublinhar
o controle crescente dessas reações, e de sua expressão: aos sete anos, já não se fazem "cenas" no caso de conflitos com os adultos, ou com os companheiros; a gente
se afasta precipitadamente, para ir chorar, ou arrufar-se, em seu canto, muito envergonhada, aliás, se for descoberta em semelhante atitude. Esse melhor controle,
esse cuidado de não ser surpreendido por outrem em situação desvalorizadora, revela mais clara consciência de si, e de seu standing(*). Essa nova perspectiva do
"eu a olhar-se" é índice do emergir gradual de nova dimensão psíquica: a da interioridade, contrapartida necessária e inevitável da objetivação do mundo exterior.
De ora em diante, já o dissemos, mundo exterior e mundo interior não estão mais no mesmo nível; sua continuidade ou, melhor, sua indissociação já não existe; a partir
de seis/sete anos, a criança tem o ar reservado; já se não observará, senão muito esporadicamente, o comportamento franco, totalmente aberto e espontâneo, encanto
particular das idades de quatro ou cinco anos.

Não é raro, com efeito, dar com a criança de sete anos aérea ou sonhadora, ensimesmada, com uns longes de melancolia que parecem prefigurar a adolescência. Surge
nova timidez, não mais, como outrora, receio dos estranhos, mas necessidade de defenderse, de defender sua intimidade psíquica das incursões dos outros, que provavelmente
a julgariam pueril e dela escarneceriam. Aos sete anos, temos segredos que não interessam a ninguém; ocorrem coisas, na criança, não mais imediatamente projetadas
na atividade exterior, a qual, entretanto, é transbordante nessa idade; há necessidade de isolamento, de refúgio em lugar tranqüilo em que a gente esteja só, "consigo"
mesma: o celeiro silencioso, o fundo do jardim, a árvore na qual o adulto não nos pode atingir, tornam-se os lugares inspirados dessa nova interioridade, desse aprofunda-

(*) Em inglês no original. Standing, aqui, é posição, situação, posição Social, prestígio; como por exemplo, na locução a man of high standing, homem de alta posição.
(Nota dos trads.)

mento. É aquela idade em que a gente precisa ser constantemente advertida e "chamada", pois "está longe". É também a idade, tal como nos lembramos, na qual a gente
vai verdadeiramente saborear contos e lendas, porque trazem, a um tempo, como a imagem desse eu interior e do futuro misterioso para o qual estamos agora conscientes
de ir caminhando inelutavelmente.

A enorme expansão característica da idade de oito anos não refreia essa evolução da interioridade: provam-no os arrependimentos, os remorsos, a grande sensibilidade
às intenções e aos sentimentos. Como a criança se torna capaz de discutir com os outros, discute consigo mesma e interioriza numerosos comportamentos sociais. Tal
como faz sua consciência moral interiorizando as regras objetivas de seu grupo e de sua família, aprende também a não exteriorizar tudo quanto pensa ou quanto sente.
A interioridade favorece certa duplicidade, e as primeiras mentiras verdadeiras, os primeiros álibis conscientemente combinados aparecem (testemunhas de progressos
do pensamento e da autonomia) onde, até então, não havia, em suma, senão "mentiras-reflexos" pela negação das quais a criança acreditava, de algum modo, suprimir
os fatos. Pode-se lembrar, a esse respeito, o fato de haver, sem dúvida, crianças mais "mentirosas" que outras; mas, se acontece, a todas as crianças, mentir uma
vez por outra, a observação mostra que a freqüência das mentiras cresce na proporção da severidade do adulto; pais existem que não apenas mentem desavergonhadamente
à criança, ou diante dela, como ainda, de quebra, são mestres consumados na arte de estimular a mentira e torná-la necessária, por força da severidade excessiva
e das exigências.

A euforia, a extravagância e a expansão dos oito anos, a

alegria de viver em um mundo que a gente pode assimilar a si mesmo, voltam a encontrar, de algum modo, a interioridade, no plano da propriedade e do colecionismo.
Todos os objetos, de agora em diante "objetivos", têm valor, valor tecnológico, como diz Hubert, isto é, podem servir para fazer coisas, das quais a gente pode vir
a precisar, mas têm, também, valor todo pessoal; confirmam o eu em sua realidade, sublinham-lhe as potências virtuais; além disso, têm valor de troca e, pois, de
afirmação social. Para nos convencermos dessa importância da propriedade, basta ver uma

criança a arrumar seu armário, ou sua carteira, basta inventariar os bolsos de um rapazinho,... Lá também está o seu eu e estão todas as promessas de realização
que esse eu comporta!

Pode-se admitir a existência de modificações importantes no

plano da busca de satisfações de ordem sensual; por certo esse

135

domínio, sempre implicado na afetividade da criancinha, é atualmente contrabalançado por importantes interesses de outra ordem, e cabe dizer que a criança de seis
a nove anos é, talvez, menos sensual do que era aos três ou quatro anos; aludimos a isso ao falarmos da liquidação do édipo. Nem por isso é menos forçoso considerar
certos jogos sexuais e certas explorações anatômicas como parte normal do quadro deste estágio. Parece, todavia, que essas atividades possuam teor menos sensual
e menos erótico que dantes, tonalidade mais intelectual; talvez coubesse dizer que a criança nelas procura, agora, antes um saber - e uma valorização social! - que
um prazer. Aliás, a curiosidade por tudo quanto se refira às relações entre os sexos, à procriação, ao nascimento e ao desenvolvimento anatômico, faz parte da grande
sede de conhecimentos característica desta fase: tomando mais consciência de si mesma, a criança se propõe o problema das origens, e indaga de como terá ela principiado.
Cita GeselI, a esse propósito, o papel do pai na procriação como parte das preocupações da criança de nove anos. Essa pesquisa, mais intelectual que a precedente,
oferece, aos pais, excelente oportunidade para retomar, ainda uma vez, as explicações já dadas nas idades anteriores, e para ajudar as crianças a fazer, de todo
esse campo, síntese simples, clara e completa; semelhante medida será adequada a reduzir a influência nefasta de certas conversações duvidosas, ou de certas experiências
perturbadoras, quase inevitáveis nessa idade, ou na seguinte.

A consciência das diferenças entre os sexos está, evidentemente, bem estabelecida; e pode-se começar a observar tendência espontânea à segregação dos sexos, a partir
de mais ou menos oito anos, o que revela sensibilidade a essas diferenças. Não apenas meninos e meninas parecem mostrar-se reticentes a respeito de qualquer contato
físico, como ainda a provocaçao aparece entre eles; talvez, até, o desdém dos meninos pelas meninas indique a sensibilidade dos meninos ao ligeiro avanço das meninas
no desenvolvimento geral, avanço que não fará senão acentuar-se no correr dos três ou quatro anos seguintes. Seja como for, nota-se, desde agora, clara divergência
nos interesses e nos brinquedos preferidos pelos meninos, ou pelas meninas. Parece certo, em todo caso, que o domínio psicossexual e instintivo não sofre, durante
esse período, o eclipse quase total de que, por vezes, se fala.

A partir de perto de nove anos, esse "eu interior", do qual a criança fez o descobrimento, está suficientemente delineado para

136

desempenhar papel diretor; à expansão vai suceder a concentração, ao primado do grupo e ao gregarismo sucedem certa autodeterminação e a busca de objetivos pessoais.
Essa concentração em si mesma, essa autodeterminação, que não impedem, aliás, intensa vida social no grupo, doravante estável e bem organizado, parece-nôs de natureza
a delimitar um derradeiro estágio da infância, aquele que se pôde apropositadamente designar como "maturidade infantil".

137

CAPITULO VI

A maturidade infantil

(de 9 a cerca de 12 anos)

caracterização do estágio

Se, no começo da escolaridade, o indivíduo entra, inegavelmente, em nova fase de desenvolvimento, caracterizada pela intensificação e pelo estabelecimento das relações
sociais entre iguais, pela emergência de atitude mais objetiva a respeito da realidade, pela superação da intuição mediante o raciocínio no plano concreto, e pelo
aparecimento discreto daquilo a que chamamos de interioridade, caberia acreditar, à primeira vista, que a evolução não faz senão prosseguir nesse tríplice sentido
até os confins da adolescência; e não tem lugar, pois, distinguir fase intermediária cujo início se situasse nos arredores do décimo ano.

A observação atenta da criança leva, entretanto, a reconhecer, a partir de cerca de nove anos, a existência de certas modificações que lhe dão novo colorido à personalidade:
estaríamos tentados a subscrever a opiniã o de Gesell, quando escreve: "A idade de nove anos assinala uma encruzilhada: o indivíduo não é mais criança, mas ainda
não é adolescente". Essa afirmação nos parece, todavia, estar a pedir uma reserva: em nossa opinião, o indivíduo ainda é criança. Certo, as características afetivas
e intelectuais da idade pré-escolar estão, realmente, ultrapassadas, assim como numerosos traços evocados no capítulo precedente. Certo, vemos aparecerem, por momentos,
fenômenos prenunciadores da doce melancolia do período pubertário, como o tédio, a propensão a apiedarse de si mesmo, ou os sonhos ambiciosos e a identificação com
certas personagens. Mas, se devaneia, o indivíduo sabe também brincar, e não apenas em grupo; e, se pensa, ainda não argumenta e a lógica não é seu recurso preferido;
ademais, apresenta ainda a exuberância motora das idades anteriores, mais controlada, seni dúvida, mas sempre dominante. Mostra, por certo, au-

138

tonomia e autodeterminação que não lhe conhecíamos até então, e isso é, realmente, um dos traços essenciais dessa fase; mas, ao mesmo tempo, continua muito sensível
às sugestões de seu grupo e, se começa manifestamente a distanciar-se dos pais, não podemos, entretanto, dizer que se feche a eles, longe disso! Não é senão mais
tarde que conhecerá o sentimento de isolamento tão característico do jovem adolescente. Por ora, está ainda mais interessado nas coisas e nas pessoas que em si mesmo:
é ainda criança, mas criança que, por momentos, tende a ultrapassar a infância e, mais que em qualquer idade precedente, prolonga a infância no futuro.

Houve quem acreditasse poder dizer, a propósito dessa fase, que a criança é, então, mais membro do grupo que indivíduo; é, sem dúvida, porque só a estudou em coletividade,
ou só a viu entre os iguais. A intensa vida de grupo da criança dessa idade em nossa sociedade, constitui, por certo, o fato mais aparente; a organizaçã o das atividades
coletivas de que vimos os começos, é coisa deste estágio, e o grupo adquire consistência e estabilidade que não tinha até então. No seio desse grupo, a criança tem
seu lugar, sua função, seu estatuto e vive aventuras que tanto lhe satisfazem a necessidade de ação quanto a de afirmação do eu. Não é, todavia, membro de apenas
um grupo; não está apenas filiada a este ou àquele clube secreto; é, ao mesmo tempo, membro de sua classe, de um rnovímento de juventude, ou de um grupo de lazer;
é filho, escolar, irmão ou irmã , irmão mais velho ou caçula, que sei eu: aparece, antes, como o lugar em que se encontram e se interpenetram influências e preocupações
muito diversas, padrões sociais e morais variados e, bem por isso, é sempre muito diversa de simples membro de grupo: é ela mesma.

E, se sua vida de grupo a cativa e a fascina, isso se dá, precisamente, na medida em que, pelo estatuto e pela liberdade que essa

vida lhe concede, pode afirmar-se no grupo tal como é, como indivíduo.

Ora, esse aspecto pessoal se nos afigura igualmente importante nessa idade; prolonga essa "dimensão interior" cujo aparecimento assinalamos ali pelos sete anos.
Se, por momentos, a críança dá a impressão de perder-se na comunidade dos iguais, no co-

letivo, cumpre não esquecer que, em outros momentos, toma posse de si mesma corno pessoa bem diferençada, conscientemente orientada para um futuro individual. É
nessa perspectiva que cum-

pre inscrever a intimidade e o segredo, a iniciativa, a escolha e a

139

persecução de objetivos pessoais, incontestável senso de responsabilidade, que dela faz "alguém com quem se pode contar", em limites bastante amplos, o aparecimento
discreto de preocupações morais e, até, filosóficas, o apego admirativo a certas pessoas e os tocantes esforços para assemelhar-se a elas. Bem longe de ser apenas
o ser social e gregário a todo custo que alguns têm descrito, ela é tanto quanto, e mais ainda que em qualquer outra idade anterior, aquela que pretende ser ela
própria, ter originalidade própria. Que esse esforço de afirmação e de definição do eu tenha, ainda, caráter bem ingénuo é coisa que não nos admirará e não nos fará
duvidar-lhe da realidade, ainda quando não tenha a acuidade e a extravagância que terá no jovem adolescente inteiramente centrado em si mesmo. Em suma, a criança
desse estágio tem um "peso", uma consistência e até, caberia dizer, uma espécie de sabedoria e de profundeza que a distinguem daquilo que era na fase precedente,
tanto quanto do que será na fase seguinte.

Enfim, terceiro aspecto capital desse estágio, perfeitamente solidário com os outros dois: o desenvolvimento intelectual. Ã primeira vista, nota-se aqui, simplesmente,
o aperfeiçoamento das aquisições características do estágio anterior, a saber, o acabamento das operações concretas, e sua extensão a contextos muito variados, bem
como a organização dos conhecimentos. fundamentais armazenados entre seis e nove anos. Cada vez mais, porém, e sobre conjuntos cada vez mais extensos, a construção
desborda do dado, e o toma coerente e maneiro; cada vez mais o pensamento se destaca do concreto, a tal ponto que, ainda aqui, se assinalará uma orientação nova,
a diferençar esse estágio do precedente; culminará, a partir dos doze anos, no aparecimento das operações formais e das possibilidades de raciocínio hipotéticodedutivo,
que assegurarão, ulteriormente, ao pensamento, a plena expansão.

Talvez não esteja mal, para terminar estes preliminares, caracterizar, com Gesell [27], as idades componentes do presente estágio; assim se verá melhor que esse
estágio aparece, a um tempo, como o coroamento do período infantil e como o começo da adolescência.

Nove anos, idade da autodeterminação e da autocrítica, é dominada, à uma, pela intensidade de vida e de expenencia e por certa tensão, ligada à nascente vontade
de controle e de domínio. Dez anos, com seu equilíbrio, sua boa adaptação, sua calma, mas viva, segurança, seu andar distenso, constitui, ver-

140

dadeiramente, o cimo da infância, o momento do pleno desenvolvimento e da perfeita integração das características do menino grande. Pode-se situar pelos onze anos
a primeira fase do deslizar para a adolescência, tanto em razão das transformações intelectuais e físicas, a esboçar-se, como em razão de certa inquietude e de certa
agitação, a brotar. Aos doze anos ganha corpo o interesse predominante por si mesmo, o próprio do jovem adolescente; é idade de ardor e de razão, na qual, segundo
GeselI, aparecem "modos de pensar, de sentir e de agir que prefiguram o espírito adulto", é a idade da revelação, por excelência, das potencialidades futuras, que
a educação deveria respeitar e explorar. Aos treze anos, deixamos a infância; o indivíduo se interioriza e interioriza o mundo ambiente: absorve-se em si mesmo.
A atitude típica de toda a infância, ardorosamente voltada para o mundo exterior, vem a inverter-se. 0 pólo interior se avantaja, com o devaneio narcísico e a ruminação
que exprimem essa reviravolta. Afastando-se do mundo circunstante, o jovem se vai sentir só, único, incompreendido. Aqui está, pois, uma fronteira, que não franquearemos
nesta obra; há de compreender-se, contudo, pelo presente capítulo, que as fases ulteriores do desenvolvimento se inscrevem, não obstante, em perfeita continuidade
com as descritas; não há ruptura nítida no desenvolvimento.

0 acabamento da inteligência infantil

Encaremos primeiro, sumariamente, a evolução intelectual neste estágio. Não é, sem dúvida, a mais espetaculosa, ao menos até o momento-limite no qual emergem as
estruturas próprias da adolescência; parece-nos, contudo, que subtende todos os outros aspectos do desenvolvimento, dos quais trataremos com mais pormenores. Ver-se-á,
como nos estágios precedentes, que é indissociável desses outros aspectos, os quais não poderemos compreender se a desprezarmos.

Esse desenvolvimento intelectual se caracteriza não apenas por intensa curiosidade, sede de conhecimentos conducente à acumulação de dados de toda ordem, mas, sobretudo,
como nota Gesell [26], pela tendência muito acentuada a integrar esses dados em conjuntos mais vastos, a organizá-los uns em relação aos outros: a criança de nove/dez
anos compraz-se nas enumerações que pretenderia exaustivas, nas classificações tão comple-

141

tas quão possível, nas hierarquias. Pode-se, a esse propósito, citar como exemplos o interesse da criança pelos postos militares, ou pelas funções públicas, e pelos
respectivos poderes, seu conhecimento, às vezes surpreendente, dos tipos de automóvel, ou de avião, seu gosto pelas coleções, a necessidade, que mostra, de informar-se
do parentesco entre colaterais da mesma família, suas perguntas, enfim, acerca da autoridade desta pessoa sobre aquela outra, ou da "força" respectiva de engenhos
de marcas, ou serventias, diferentes. Sã o suas noções e seus conhecimentos que a criança "põe em ordem", estrutura, instala numa rede de relações diversas; e aí
se podem ver em ação as operações de encaixe de classes, de seriação de relações, de numeração, surgidas no nível precedente. Após a fase de constituição de operações
concretas, Piaget [53] distingue, de nove a onze anos, um estágio de acabamento dessas operações, caracterizado, sobretudo, pela coordenação das perspectivas e pelo
estabelecimento de certos "sistemas de conjunto", máxime no plano espacial e temporal.

Domínios cada vez mais numerosos se "logicizam" um após outro, segundo as características próprias de seu conteúdo, do qual a estruturação lógica ainda não se pode
libertar. Daí resultam esses "descompassos" verificados por Piaget, aos quais já aludimos: os raciocínios que levaram a criança de sete anos a afirmar, por exemplo,
a conservação da quantidade de matéria a despeito das transformações impostas à bola de plastilina, não aparecem senão no correr dos dez anos, a propósito da conservação
do peso nas mesmas condições, e pelos doze anos somente, no tocante à conservação do volume. 0 que é válido num domínio e se torna, em dado momento, evidente para
a

criança, não o é, pois, necessariamente, em outro domínio, no mesmo momento. As conquistas do raciocínio ocorrem por setores; mas permanecem ligadas a esses setores
e não os transcendem. Caberia dizer que a sujeição às qualidades concretas das situações de algum modo impede a criança de alcançar que as

leis por ela aplicadas são suscetíveis de estender-se a todos os contextos. Venham a interferir operações heterogêneas, ou cam-

pos diferentes se vejam implicados simultaneamente, escreve Piaget, e já a criança recai no nível pré-lógico, por falta de um quadro geral de referências, feita
abstração dos dados concretos.

Assim é, por exemplo, com a causalidade, quando a criança co~día necessidade física e obrigação moral: aí se verifica a

142

evolução para uma explicação racional, liberta de aderências egocêntricas. Os barcos - para retomar exemplo de Piaget - já não flutuam "porque têm de flutuar" ou
"porque são fortes", ou porque há muita água no mar para sustentá-los, mas, antes, por causa de uma relação que se manifesta entre seu peso e o peso do líqüido deslocado.
Semelhante atitude não-egocêntrica continua, entretanto, parcelar: ante conjuntos mais vastos, ou menos circunscritos, a criança (tal como, aliás, a maior parte
dos adultos) recai nas explicações morais, ou finalistas. Se certo determinismo aparece em domínios limitados, nem por isso estamos diante de princípio universal,
de lei geral aplicável a todos os casos: isso constituirá uma das conquistas da adolescência.

A inteligência propriamente infantil atinge, aqui, o apogeu, com o acabamento das operações concretas e seu aparecimento em campos cada dia mais numerosos. No correr
do décimo segundo ano esboçam-se, todavia, novas modificações, a bem dizer capitais: ao pensamento concreto vai sobrepor-se um pensamento formal, apoiado em si mesmo,
liberado das incidências concretas e ultrapassante do quadro particular de cada domínio de experiência. Penetramos, então, no "estágio racional", cuja fase de instalação
se estende até por volta dos catorze anos, se-

gundo Piaget [531, e cujas modalidades vão colorir de maneira determinante todo o período da adolescência.

Já aos onze anos, com efeito, a inteligência principalmente acumuladora e ordenadora da criança parece tomar aspecto mais dinâmico e mais original; seu funcionamento
se torna mais evidente ao observador, e mais consciente à própria criança. VemoIa a refletir, a propor-se problemas, pesar os prós e os contras antes de tomar decisão,
avaliar diferentes eventualidades, emitir hipóteses. A criança suspende a ação e "pesa seus pensamentos", submete suas elaborações a uma autocrítica mais cerrada.
A discussão ganha cada vez mais importância e vai até transfor-

mar-se em hobby, como nota Gesell [271: não estamos longe da idade da discussão, na qual, segundo o mesmo autor, e como bem sabem os pais do jovem adolescente, "
'ele adora discutir; não há jeito, porém, de discutir com ele!" Na conversação aparecem termos abstratos corretamente utilizados (ou quase), noções ge~ rais, como
o bem, ou a justiça. A leitura suscita paixão inextinguível, que chegará, até, ao máximo, por volta dos treze/catorze anos; a iniciação às matemáticas suscita entusiasmo
quando bem conduzida; as habilidades manuais e as construções mecânicas mos-

143

tram elaboração prévia muito adiantada. Enfim, os domínios do. passado, do longínquo, do futuro, do utópico, do imaginário exercem sedução, indicativa da capacidade
crescente de destacar-se a gente do contexto concreto onde vive.

A análise revela, com efeito, novas possibilidades, novos tipos de operação, admiravelmente postos em evidê ncia pelos trabalhos de Piaget e de seus colaboradores
[60]. Por um lado, a criança se torna capaz de raciocinar não mais sobre objetos, como anteriormente, a estabelecer relações entre eles, mas sobre essas próprias
relações, a estabelecer relações entre elas; a lógica das proposições se superpõe, pois, à das classes e das relações entre os objetos. Por outro lado, aparecem
"a capacidade de raciocinar e de representar-se segundo dois sistemas de referência ao mesmo tempo", as operações combinatônias, as proporções, as correlações, etc.
Toda uma rede de operações abstratas vem, assim, coroar a evolução intelectual, e, assegurando ao pensamento coerência interna, vai permitir raciocínio rigoroso
a partir de assunções hipotéticas (e não mais de fatos concretos), postas de lado sua verdade e sua realidade material, sem recurso à verificação da experiência;
o real, escreve, em substância, Piaget, não será, desde então, mais que caso particular do possível, enquanto, ao nível concreto, o possível não era senão um corno
prolongamento duvidoso do real.

Com a simples alusão a essa reviravolta fundamental, a essa reestruturação num plano puramente abstrato, a essa nova superação do pensamento, a desbordar do real
para melhor explicá-lo, deixamos, todavia, a idade infantil, pela dos sistemas abstratos e das teorias, o próprio da adolescência. Por isso, podemos ficar por aqui,
nessa matéria.

A vida social: a "turina-"

Vimos que concordamos com Beets [4] em achar que não é com o estudá-la unicamente no grupo dos companheiros que podemos fazer idéia completa da mentalidade da criança
desta idade. Conformar-nos-ernos, entretanto, com o uso, no conceder alguma importância ao aspecto social, sem dúvida o mais saliente do quadro. Refere-se Cousinet
[12], com efeito, ao presente está-

144

dio, como "idade de graça social"(*), na qual o indivíduo vive em simbiose com o grupo mais do que em qualquer outro momento da vida; e os autores concordam em considerar
esse período como o de maior intensidade de vida social para o indivíduo.

No estágio precedente, vimos formarem-se, no seio da classe, no pátio do recreio, ou na rua, grupos efêmeros, de objetivos momentâneos: tratava-se, no mais das vezes,
de reunir parceiros em número suficiente para este ou aquele brinquedo; acabado o jogo, ou interrompido, o grupo se dissolvia por si mesmo. A partir de cerca dos
nove anos, entretanto, verifica-se que esses grupos ganham gradualmente consistência e estabilidade; são sempre, doravante, as mesmas crianças que os compõem, e
podem ser distinguidos, entre elas, os chefes, os importantes, que imprimem direção às atividades coletivas. Os grupos ganham, simultaneamente, em homogeneidade,
eliminados os indivíduos de idade muito diferente. Os mais jovens, com efeito, são considerados como "criancinhas", como "fedelhos", nesse quadro em que a gente
quer afirmar-se como grande; os mais velhos, por sua vez, se desinteressam das atividades lúdicas da turma, ou são vistos como quase adultos, cuja presença é por
demais desvalorizante para os membros do grupo. Por outro lado, a homogeneidade se

realiza, também, quanto ao sexo: após haver -desempenhado, possivelmente, alguma função secundária, durante certo tempo, as crianças do outro sexo são eliminadas,
ou se retiram espontaneamente. É interessante observar que essa segregação se dá até nus meios onde há co-educação. Diversas pesquisas efetuadas no quadro de escolas
mistas parecem evidenciar clara evolução, nessa matéria. Até sete/oito anos meninos e meninas brincam e trabalham naturalmente juntos, sem distinção; a partir de
oito/ nove anos, começam a mostrar nítida preferência pelos com-

panheiros do mesmo sexo, em todo caso no tocante ao brinquedo, e rejeitam os outros invocando motivos diversos. Entre nove e doze anos, a ruptura atinge o máximo
e se manifesta por pronunciado antagonismo, consideravelmente divergentes os interesses dominantes, as leituras e os jogos. A partir de doze anos, enfim, desenha-se
certa reaproximação, não ao nível de grupos, mas ao nível das relações individuais. 0 presente estágio seria,

(*) "Ãge de grâce social" é aquela fase na qual os contatos sociais são particularmente fáceis, na qual a criança se compraz na companhia de outras crianças. Graça
é, aqui, facilidade, desembaraço nas relações sociais. (Nota dos trads.)

145

pois, aquele no qual a distância é maior entre os sexos, acrescida, às diferenças intrínsecas de "mentalidade", uma diferença notável do ritmo de desenvolvimento,
com as meninas a apresentar maturidade maior que a dos meninos. Constituir-se-ia, assim, a "turma", a gang, fenômeno central dessa idade, sem dúvida mais acentuado
nos rapazes, mas também existente entre as meninas, fenômeno que dá, a cada sexo, oportunidade de afirmar as características próprias e até, em certa medida, de
exaltá-las.

Um dos caracteres interessantes da turma é que, por oposição aos grupos iniciais já referidos, ela se forma espontaneamente, sem intervenção do adulto, num bairro,
no seio de uma escola, ou de uma classe, ao acaso das circunstâncias. É manifesto, também, que não engloba todos os indivíduos que dela, teoricamente, poderiam participar;
há, pois, escolha, seleção dos membros do grupo, cujas modalidades nem sempre são de fácil discernimento. Contrariamente ao que se passava no começo, a personalidade
dos indivíduos entra, agora, em jogo, e as crianças a levam em conta: foi-se o tempo em que qualquer um seria parceiro aceitável. Essa aceitabilidade social, essa
popularidade, depende muito menos das particularidades do grupo ou de seus objetivos momentâneos, que da personalidade da criança e, pois, das experiências que contribuíram
para formá-la. Os dramas da vida social infantil, como os vividos pela criança desprezada, pelo bode expiatório, pelo "armazém de pancadas" e, não raro, até pelo
chefe que pretende impor-se a todo custo (e que não são pequenos dramas senão para o adulto), nem sempre são próprios de inferioridades físicas, ou motoras, mas
também, muita vez, o prolongamento de dramas familiais. Convém lembrar que quanto menos se sentiu a criança ameaçada, até então, em suas relações com os pais, e
em sua segurança interior, mais estará em condições de integrar-se no grupo e nele desempenhar papel positivo. Estudos comparativos de crianças populares e impopulares
perante os camaradas revelam que a impopularidade pode, em regra geral, ser considerada' como índice de inadaptação afetiva, inadaptação que a própria impopularidade
só poderá reforçar. Pareceria que as crianças rejeitadas pelos companheiros seriam, essencialmente, indivíduos fechados e tímidos, ou, ainda, gabarolas, bulhentos,
briguentos, desinteressados das atividades àlheias, nos dois casos, em suma, sujeitos a quem a autodeterminação traz problemas. Aquele que, sem razão ou com razão,
adquiriu o sentimento de ser rejeitado pelos pais, ou de ser desvalioso a seus olhos, reagirá ao grupo em função desse sentimento, ou

146

dessa auto-estimação, e no grupo reproduzirá a situação a que o acostumaram suas relações familiais: sua ínaceitabilidade social estará na medida de sua inaceitação
familial. Conclusão pedagógica interessante desses estudos é que há mais crianças impopulares entre as que conheceram regime familial autoritário e severo, e mais
crianças populares entre as que se beneficiaram de regime liberal e democrático. Os primeiros, com efeito, `são comportados, "bem educados" e conformistas em face
do adulto, mas se revelam brigões e pouco atenciosos para com os ca~ maradas; distinguem-se, além disso, pela falta de curiosidade, de imaginação e de iniciativa.
Os segundos, ao contrário, apresentam qualidades de iniciativa, de audácia, de espírito empreendedor, que os levam a assumir responsabilidades nas atividades do
grupo; interessam-se pelas atividades dos companheiros; em compensação, falta-lhes conformidade com as exigências formalistas da sociedade adulta! Se esses resultados
fossem confirmados por outras pesquisas, os pais não teriam mais que escolher entre uma, ou outra, das atitudes, segundo o fim que se propusessem atingir!

0 grupo assim selecionado se solidifica e se estrutura gradualmente, sob o impulso de alguns indivíduos francamente dominadores, e particularmente atraentes, que
lhe constituem um como núcleo, e entre os quais alguns se imporão como chefes e condutores. Nada seria, com efeito, mais falso que imaginar a turma, dada a espontaneidade
de sua origem, como sociedade democrática, ou igualitária. É, ao contrário, sobretudo autocrática e aristocrática, como lembra Hubert 1341: sua organização emana
da vontade do chefe, rodeado de "vassalos", que constituem um escol a dar o tom ao grupo. Às outras crianças toca, poder-se-ia dizer, o papel de " tropa", a seguir
com maior ou menor obediência a direção imposta pelos chefes; não têm voz no capítulo senã o em condições excepcionais: o chefe reina e governa, cercado de seu conselho
e de seus cortesãos. Essa submissão da massa não exclui, entretanto, conspirações, revoltas, sublevações; pode acontecer que novo Fü hrer suplante o precedente.
E não é senão ali pelo fim desta fase, por volta dos doze anos, que a turma ganha caráter mais democrático, mais aparentado ao de uma equipe na qual todos os membros
têm unia palavra por dizer, e na qual o chefe varia segundo a competência, em função das atividades que o grupo se propõe empreender.

147

Indagou-se quais eram as qualidades particulares que permitiam, ao chefe, impor-se às tropas. Sem nos estendermos nessa questão, aliás controvertida, limítar-nos-emos
a lembrar que não é necessariamente a inteligência, sobretudo sob a forma que assegura bom rendimento escolar; bem longe disso! Parece, ao contrário, que os bons
alunos tenham, amiúde, preocupações mais livrescas, ou mais maduras, que seus contemporâneos, e desdenhem o seu tanto as atividades da turma, a não ser que sejam
considerados, pelos camaradas, como espécie de trânsfugas suspeitos porque demasiado ocupados em agradar ao adulto. Alguns autores atribuem às aptidões motoras dos
chefes o prestígio de que os cheies gozam; outros notaram, entre os chefes, certo avanço do desenvolvimento físico, o qual os situaria mais perto das modificações
pubertárias que seus camaradas. Outros, ainda, analisando a personalidade dos chefes num grupo de rapazes, verificaram que os condutores se distinguem dos conduzidos
por melhor identificação com a imagem paterna, por melhor reabsor~ ção do édipo e, pois, por maior maturidade afetiva; os conduzidos, ao contrário, seriam caracterizados
por traços de natureza pré-edipiana. Em suma, o que faz o condutor é que ele se apresenta, aos outros, como o protótipo daquilo que desejariam ser: ao mesmo tempo
grande, e não-adulto. Se seduz e subjuga os iguais, é porque cristaliza, de algum modo, todas es suas aspirações à afirmação do eu, particularmente pelas qualidades
de audácia, de imaginação, de astúcia, de "topete" e de não-compromisso com o adulto; a força física, ao cabo, é bem secundária. 0 chefe é modelo; e é seguido porque
esse é o meio de a gente realizar-se segundo esse modelo, de ser, em certa medida, confundido com ele. Ou, seja: a ação do chefe pode ter efeitos muito diversos,
tanto no melhor, como no pior! Talvez possamos distinguir, com certos autores, dois tipos principais de chefes: os chefes "integrativos" que contribuem para essa
realização do eu de cada um e que, sendo modelos (nem sempre no

sentido em que o adulto desejaria!), ajudam a criança a tornar-se ela própria, e a realizar as características de sua idade e de seu sexo; e os "tiranos", indivíduos
mais ou menos perturbados que, por compensação, experimentam incoercível necessidade de impor-se aos outros, para obter, assim, a valorização que não encontram doutro
modo, e reinam pela força, às vezes, até, pelo terror, com grande detrimento dos "súditos". Seja qual for o tipo ao qual pertença, o poder do chefe sobre seu grupo
é muito mais considerável do que geralmente se pensa; o educador hábil sabe bem

148

que só há um meio de impor-se a uma turma homogénea e obterlhe o controle, ou a colaboração: é ganhar o respeito, ou a afeição, dos chefes, é fazer, de algum modo,
junto a eles, o papel de condutor que eles fazem junto aos camaradas; tentar reduzir-lhes o prestígio, ou provocar-lhes a queda, é empresa infinitamente mais arriscada
e, aliás, estéril, pois eles serão fatalmente substituídos; as medidas disciplinares e as sanções não têm, nessa matéria, grande eficácia. 0 poder do educador parece
bem insignificante ao lado da atração do grupo, e do prestígio de seu chefe.

Como a fénix, o grupo sempre renasce das cinzas; é que é o único em condições de satisfazer certas necessidades profundas da criança. Se Muchow [48] sublinhou, com
razão, o prazer vital que as crianças experimentam em estar juntas, a satisfação de estar lado a lado em empresas comuns, a alegria e a exaltação resultante de serem
muitos nas atividades de seu agrado, parece-nos, realmente, que esse prazer, essa satisfação, essa exaltação só podemos plenamente compreendê-los na perspectiva
da afirmação do eu e do desejo de ser grande. Se a turma goza desse favor, não será porque libera a criança da sujeição do adulto, e da dominação deste, porque a
libera de sua condição de inferioridade? No mundo adulto, com efeito, a criança não passa de criança, deve esperar crescer para fazer coisa que preste, deve trabalhar
para o futuro e submeter-se a incontáveis exigências, das quais muitas não têm, para ela, sentido algum; nesse mundo ela é, de certo modo, um estranho apenas tolerado
- com a condição de ficar quieto; não (@será" senão no futuro. Na turma, muito ao contrário, a criança é grande e pode realizar, de pronto, grandes coisas; não precisa
esperar; as exigências impostas pelos companheiros, ela as compreende, tanto mais quanto contribuiu para elaborá-las, e delas se beneficia. E, sobretudo, "está em
casa": o adulto, lembrança perpétua de sua insuficiência e de seu infantilismo, lembrança perpétua das tarefas aborrecidas e das restrições frustradas, está ausente.
Caberia dizer, paradoxalmente, que, no mundo adulto, a criança "é cozida na água fria", é mantida como criança (e tanta educação parece não ter outro fim!), enquanto,
no mundo infantil, é grande e solicitada a superar-se continuamente.

É, pois, quase fatalmente que a turma ganha caráter antiadulto mais ou menos acentuado. Não que o adulto seja, sempre, o inimigo; mas é aquele que lembra que a gente
é pequena, aquele que desvaloriza pela simples presença, aquele que, agora que vos olhais a vós mesmos, vos dá uma como vergonha, um como constran-

149

gimento de ainda não serdes como ele. Tem-se amiúde assinalado o caráter agressivo da turma a respeito do adulto ou, quando me-

nos, do tipo de adulto rigorosamente incapaz de levar a criança a sério; seria, talvez, mais justificado assinalar-lhe o caráter eminentemente defensivo: a turma
é, para a criança crescida, um refúgio. Os códigos secretos, as senhas, dela afastam o adulto, e nela uma atmosfera de conspiração e põe contrafeito e, poder-se-ia
dizer, o inferioriza, por sua vez. A turma tem seu lugar de reunião, seu refúgio, secreto também e, de preferência, fora do alcance dos pais, ou dos professores;
não é tanto para cometer atos repreensíveis, como para a gente "estar com a turma", a fim de traçar em comum planos aventurosos de inumeráveis façanhas, para entregar-se
a certos ritos tão misteriosos quão, geralmente, inofensivos, que distinguirão, os iniciados, dos "outros". Esse elemento de mistério é como o eco coletivo dessa
interioridade secreta da qual vimos o aparecimento, e da qual voltaremos a falar. A turma vive de segredos, sobretudo pelos dez/onze anos; e, tal como nota Muchow,
o fato de ter segredos é mais importante que o próprio conteúdo desses segredos: é algo de que o adulto está excluído.

Quanto às atividades em si, um Louis Pergaud, em La guerre des boutons, ou um Gilbert Cesbron, em Les innocents de Paris, entre outros, nos deram exemplos, presentes
na memória de todos: explorações, combates homéricos, pilhagem, expedições vingadoras, proezas de toda sorte, brinquedos de mosqueteiros, ou de caçadores, brinquedos
de grupo, por vezes atividades construtivas e, talvez, sobretudo (ou, em todo caso, mais do que se cuida), deliberações sem fim, elaboração de tradições, de regulamentos,
de hierarquias, procura de divisas, organização de projetos que jamais' serão realizados ... Conhecemos, realmente, nessa idade, uma sociedade secreta que nunca
teve outra atividade além do estabelecimento de estatutos e insígnias e da arrecadação de contribuições: "a gente fazia parte" e bastava! Pelo fim desse estágio,
e

com a ajuda do desenvolvimento do pensamento formal, a atividade verbal tende, até, a ganhar cada vez mais a dianteira, e uma i.urisprudência bizantina e inteiramente
teórica prevalecerá sobre qualquer realização concreta: camínha-se para os "clubes" de pura discussão.

Para afirmar-se como grande, e oferecer-se à valorização dos companheiros, só há, evidentemente, um meio: mostrar que a gente já não é pequena e, pois, desdenhar
qualquer sujeição às leis adultas. Tal demonstração não pode ser mais bem feita do que

150

pelo recurso a comportamentos mais ou nienos repreensíveis, quiçá, até, francamente delituosos. E não é, sem dúvida, por acaso que os atos de desobediência ao adulto
atingem a mais alta freqüência no curso desse estágio, aos nove anos entre os meninos, aos doze entre as meninas. Essa verificação, relatada por Blair e Burton [61
no caso dos Estados Unidos da América, ilustra bem a tendência à emancipação e à rejeição das normas adultas. 0 grupo, como meio, ou lugar, de emancipação, convida,
por isso mesmo, a ações que a criança não cometeria sob os olhos paternos, e ela se sente tanto mais forte para cometê-las quanto está em bando. Segundo os mesmos
autores, na turma, onde se esbatem as diferenças sociais (com as quais a criança bem pouco se preocupa), a imagem dessa emancipação é fornecida da maneira mais eloqüente
pelos elementos cuja educação é mais relaxada e se abeira, até, por vezes, do abandono moral. Esses elementos se tomam, para os companheiros, objeto de identificação
particularmente atraente, tanto mais quanto estão mais distanciados dos ideais socialmente valiosos aos olhos do mundo adulto. É fácil compreender que essa atração
para o pior se exercerá, mais facilmente, sobre a criança mais submetida a uma autoridade adulta opressiva, ou que se encontra, quase continuamente, em situação
desvalorizante, por exemplo no plano escolar. Não é, pois, raro, quando o clima social se presta, ver a turma oferecer terreno favorável ao aparecimento da delinqüência
coletiva, ou individual; não é exagerado dizer, aliás, que todo bando de crianças crescidas pode vir, sempre, num momento ou noutro, a achar-se em estado de "pré-delinqüência",
muito felizmente passageiro, na maior parte dos casos. Percebe-se, ainda unia vez, quão importante será o papel do chefe; a chave do êxito de certos grupos de juventude
reside no fato de haver podido encontrar como chefe não esse objeto de identificação "por baixo", de que acabamos de falar, mas, ao contrário, o indivíduo, jovem
embora e plenamente integrado no grupo, suscetível de provocar o entusiasmo por atividades e valores socialmente aceitáveis.

De qualquer modo, a emancipação e os comportamentos pelos quais queremos demonstrá-la perante os iguais, ainda quando nada tenham de repreensíveis, são de natureza
a chocar a moral infantil primitiva, quja origem já vimos. Contrariar as exigencias parentais interiorizadas e, até, simplesmente, subtrair-se ao controle parental,
é romper com as velhas imagens de identificação, é ficar surdo à voz da "consciência", é comer o fruto proibido e despertar as ameaças de retirada do amor. 0 renegar
dos ideais infantis, que essa

151

emancipação constitui, não pode, pois, deixar de desencadear a culpabilidade; e é bem sabido que isso não se dá apenas com as crianças! Ser ela mesma, ter sua "reserva",
já é, sempre, ser um pouco culpada aos olhos dos elementos dominantes da coletividade, no caso os adultos, com os quais a criança pequena tanto desejaria estar conforme.
Afirmar-se diferente de seus modelos comporta risco imanente de punição, insegurança que só se pode acalmar, de certo modo, com a aprovação entusiasta dos iguais
e a valorização que só eles podem oferecer, como compensação: não ser conforme em bando dá, como se sabe, uma tranqüilidade que a criança ainda não encontra na autonomia
de uma personalidade madura, mas já não encontra na aprovação dos modelos abandonados. Aí está, sem dúvida, razão suplementar da atração exercida pelo grupo.

A participação no grupo, contudo, não deve ser vista, apenas, sob o aspecto negativo, ou ameaçador: no capítulo precedente assinalamos os aspectos positivos. A intensa
vida de grupo, culminante, talvez, pelos onze anos, permite, à criança, estabelecr relações interpessoais de natureza muito particular, nas quais a solidariedade
se encontra no primeiro plano, e nas quais os antagonismos inevitáveis acabam, no mais das vezes, em reconciliações; após as reconciliações, cada um considera melhor
as posições do adversário. Já aos nove anos, o ostracismo no grupo representa ameaça de tal gravidade, que a lealdade à gang se torna, quase automaticamente, a maior
virtude para a criança. A criança tem orgulho de pertencer à turma, de participar-lhe dos segredos e das atividades misteriosas; essa participação corresponde a
urna necessidade, como já vimos; por isso, a criança lhe sacrifica muita coisa, e, notadamente, o egocentrismo, que antes perturbava as relações sociais. Segundo
Gesell [27] a camaradagem levaria até, aos dez anos, vantagem sobre a competição: a gente deseja eqüivaler aos outros, sem dúvida, mas já não é preciso sobrepujá-los
para afirmar o valor próprio; é capital ser conforme aos outros membros do grupo, não mais, porém, distinguir-se deles. Em suma: o sentimento do "nós" sobreleva
gradualmente o do "eu", até aí tão poderoso. Considera-se cada vez mais a presença dos outros e de seus desejos, presta-se atenção a suas opiniões e a seus sentimentos,
sobretudo no fim deste estágio; e aí estão bens essenciais que bem compensam certos desconchavos.

Graças ao grupo, a criança pode, entre nove e doze anos, fazer sua primeira experiência de uma sociedade cujos membros

152

são, ao mesmo tempo, diferentes e semelhantes e elaborar suas púmeiras relações sociais perfeitamente recíprocas, antídoto eficaz contra seu egocentrismo original.
Pode, até, nesse quadro, constituir, implicitamente, uma imagem de si mesma e tomar consciência, graças à presença dos outros e às reações desses outros, de algumas
das características e das aspirações dela própria. Os treze anos a encontrarão muito mais fechada, menos gregária. 0 individualismo, o novo egocentrismo próprio
dos púberes, traz a dissociação da turma. As amizades nascentes, agrupando os indivíduos numa solidão a dois, ou a três, as identificações entusiastas com heróis
mais velhos, dar-lhe-ão o golpe de misericórdia. Mais sensível às diferenças caracteriais, ou sociais, mais consciente de si mesmo, o púbere se afastará de numerosos
antigos camaradas com os quais não se sente mais em comunhão. Ocorre uma hierarquização, ademais, no plano do rendimento intelectual e dos estudos empreendidos.
Fora dos meios predispostos à delinqüência, logo a turma não subsistirá senão no plano lúdico: para Cousinet, a equipe esportiva lhe seria o último resto estruturado.

As experiências coletivas feitas no seio da turma contribuem, de maneira importante, para o desenvolvimento intelectual da criança; é evidente que não contribuem
menos para a evolução de sua moral e de suas relaçõ es com os pais.

A moral da criança crescida

Lembramos, no capítulo precedente, com base nos trabalhos de Piaget, como as obrigações emanadas da coerção adulta são substituídas, graças a essas experiências
coletivas, pelas obrigações fundadas na vontade comum e na adesão do indivíduo às decisões do grupo, como regras de jogo e regras de conduta tendiam a aparecer cada
vez mais, à criança, a modo de resultado, seja de um acordo, seja de uma necessidade cuja natureza objetiva ela compreendia cada vez melhor. Essa evolução fica bem
clara, num inquérito muito simples. Perguntando às crianças por que razões não se deve mentir, Piaget [57] pôde agrupar em três estágios as respostas dadas: até
seis anos, não devemos mentir porque somos punidos: a regra é ainda inteiramente exterior e, de algum modo, material; de seis a oito anos, a gente não deve mentir
porque é malfeito: a regra é interiorizada, mas ainda não emana do indivíduo; a partir do décimo ano, as crianças respondem que a mentira

153

suprime a confiança recíproca e prejudica a afeição e a harmonia: "se todos mentissem, a gente não saberia mais como seriam as coisas", disse-nos uma criança dessa
idade. A obrigação se tornou, propriamente, interior; e emana de necessidade reconhecida pelo próprio indivíduo. Para Piaget (que traz, aliás, muitos outros fatos
em apoio dessa tese) é graças à cooperação nascida no seio do grupo que a criança chega, pouco a pouco, a uma moral objetiva e consciente, enquanto a coerção adulta
- inevitável, sem dúvida, nas fases anteriores - não a leva senão a um moralismo inteiramente exterior e convencional. A partir dos dez anos, pode-se, aliás, verificar
real sensibilidade moral na criança; podem-se notar, por exemplo, incontestáveis esforços no sentido da lealdade e da veracidade. Nessa idade constituem-se convicções
morais que a criança fez suas, e à s quais procura conformar-se, com boa vontade por vezes comovente.

A participação simultânea em vários grupos e o fato de, neles, estar em situações sociais diferentes e desempenhar diferentes papéis, agem em sentido análogo. Com
efeito, opiniões e crenças, usos e costumes desses meios diversos jamais coincidem de todo, e nunca se superpõem integralmente àquilo que a criança conhece na própria
família. Assim, descobre ela que há mais de uma moral, e mais de um savoir-vivre, e participa de códigos diferentes. Essa pluralidade é de natureza a também tornar
relativo o ideal até então representado pelas imagens perfeitas e intangíveis do pai e

da mãe.

A vida social: o adulto e a família

Os pais tiveram sua hora de apogeu no fim do período edipiano. Depois, apareceu o mestre, de quem o jovem escolar admirava a onisciência; mas essa prestigiosa personagem,
fonte de valorização e de desvalorizaçã o, de saber e de informação, tal como o eram os país, não contribuiu pouco para diminuir-lhes o

prestígio. Por outro lado, o mestre viu decrescer o seu, em virtude de comparações com outras pessoas. Tornando-se mais numerosos os adultos influentes, à medida
que se alargava o universo infantil, a criança pôde verificar divergências, pôde ver que todos esses adultos estavam longe de ser, sempre, unânimes. Graças aos camaradas,
descobriu, em seguida, que há performances das quais esses deuses são, realmente, incapazes, e que a infalibilidade deles é duvidosa. Empenhou-se até, já aos oito
anos, em pô-los em

154

contradição uns com os outros e em explorar-lhes os limites da perspicácia com o propor-lhes mil charadas ambíguas, ante as quais eram forçados, realmente, a "entregar
os pontos". 0 grupo, enfim, permitiu as valorizações recíprocas das crianças fora do quadro adulto, e a vida coletiva trouxe as modificações da moral às quais acabamos
de aludir, enquanto a extensão dos contatos sociais, a leitura, o cinema e a televisão revelaram, à criança, imagens do adulto diferentes das que ela conhecia em
sua roda e, em geral, bem mais atraentes! Oue resulte, de tudo isso, redução sensível do prestígio parental é coisa que, pois, não admirará e tampouco nos deverá
afligir: é a condição do acesso gradual da criança à autonomia que deverá atingir ulteriormente.

Numerosos pais são muito sensíveis a essa redução de prestígio, à qual reagem com certo mau humor, como se importasse em desvalorização de suas pessoas. Vê-se então
aparecer, nestes, um como desinteresse decepcionado a respeito do filho, que tem o ar de não mais "crer" neles e, por isso, lhes parece menos amável e menos terno;
e, naqueles, um recrudescimento de severidade, subitamente tornada necessária para abater o rebento desabusado que ousa julgá-los, ou mostrar menor submissão. Assim,
esses pais cortam as asas da avezinha no momento em que aprende a voar só; afastam-se dela, ou afastam-na de si; e logo se queixarão de "perder o filho" no momento
preciso em que poderiam reencontrálo no plano de um contato interindividual positivo, e no quadro de intercâmbio consciente e pensado. Não mostrariam maior maturidade
mental, e dose maior de realismo, reconhecendo que não são infalíveis e tolerando que o filho estabelecesse, com eles, relações mais igualitárias e, pois, mais enriquecedoras
para ele... e para eles próprios, dando maior importância à confiança e à franqueza que à submissão, real ou fingida? 0 adulto, porém, está naturalmente compenetrado
de sua superioridade; e como a criança de dez anos quase não é, em geral, propensa a respeito excessivo, é, sem dúvida, mais simples, recorrer à boa velha coerção
"que tem provado bem" e encontrará sempre, no superego infantil, aliado bem disposto. Apenas, não percebemos assaz que isso é frear o desenvolvimento e retardar
o encaminhamento para a autonomia. Fique bem claro, todavia: não se trata, absolutamente, de os pais "fazerem-se de criança", conio se vê, por vezes, ou de abdicar
de toda autoridade por demagogia, na falaciosa esperança de conservar, assim, a afeição do filho; trata-se, simplesmente, de ajustar essa autoridade à imagem mais
realista que a criança passa a fazer do adulto.

155

Cumpre, aliás, não dramatizar as coisas; e se a perda de prestfgio do adulto é incontestável nesse período, não é menos

verdade que a criança devota, aos pais, afeição profunda. É no

quadro familial que pode escapar àquilo que a opressão do grupo tem, por vezes, de excessivo, e pode libertar-se do antiindividualismo reinante no clã. Pois, no
seio do grupo, como notou acertadamente Beets [4], nem tudo é perfeito: a criança pode sentir-se muito isolada, em certos momentos. Talvez nunca seja mais feliz,
e mais sossegada, que nas horas da boa convivência familial, partilhada com pais capazes de interessar-se por ela e de levá-la a sério. Que satisfação, por exemplo,
a de entregar-se a alguma atividade com o papai ou a mamãe, ajudá-los, participar de unia ou de outra de suas tarefas, sair uma tarde ou unia noite com eles! Entã
o, bem mais ainda que na turma, a gente está entre os grandes, em "conivência" com eles, e pela conversação mantida, ou pelo interesse demonstrado, a gente se esforça
por mostrar-se "à altura" da situação; somos como os adultos, fazemos como

eles: já estamos, assim, no futuro. E até no ralho e no perdão, lembra Beets, há, depois das tolices, ou das brigas, o conforto do apoio enco 1ntrado junto dos pais
que, sublinhando a responsabilidade da criança, ajudam-na a "ser grande"; há a felicidade profunda do acordo restabelecido.

Toda a importância da vida em grupo não pode fazer perder de vista qúanto a criança de dez/onze anos é apegada à família e mostra boa vontade, às vezes até delicadeza,
a fim de contribuir para a harmonia filial. Gesell [27] chega a notar que esse apego ganha naturalmente, no correr dos doze anos, aspecto o seu tanto excessivo:
a criança se revela, por vezes, "agarrada", não larga mais os pais, vai-lhes no encalço sem parar, interfere-lhes nas ocupações, ao ponto de fazer-se, por vezes,
rejeitada. A mãe, em

particular, parece ser objeto de um recrudescimento de ternura e

afeição, cujas manifestações, por vezes excessivas, não deixam de lembrar um pouco a idade de três anos. Os irmãos e irmãs também desempenham papel importante: esta
menina se ocupa carinhosa e competentemente do irmãozinho, aquela é orgulhosa do irmão mais velho e não lhe poupa admiração se o rapaz condescende em dela ocupar-se
vez por outra. Em compensação, a criança, tão bem adaptada aos companheiros de grupo, aceita, muita vez, bem mal a presença de irmãos ou de irmãs de idade aproximada;
com esses, abundam discussões e brigas, às quais a família se ajustará como puder.

156

Sem que, por isso, a afeição venha a diminuir, em nada, veremos a pouco e pouco desenharem-se as marcas exteriores da perda de prestígio do adulto. Serão, de começo,
por momentos, respostas, quiçá até palavrões tomados ao vocabulário da turma; será, por vezes, a rebelião franca, em geral de curta duração; será, em seguida, a
crítica, aberta ou dissimulada, às vezes fina e espirituosa, tanto mais desagradável quanto mais perspicaz venha a tornar-se. Assim se faz, pela negativa, a tomada
de posição da criança a respeito dos pais. Entra-se em nova fase quando, nos arredores dos treze anos, a relação filho-pai tende a tomar-se menos confiante, quando
certo embaraço aparece, a indicar o desenvolvimento da interioridade na criança, cuja crítica se faz mais acerba e cujas posições se afirmam de maneira mais declarada.
0 jovem dessa idade parece retirar-se em si mesmo; sua participação no círculo familial torna-se menos espontânea e menos aberta. É, doravante, a outros adultos
que se dirigirão seu apego e suas confidências; e a outros é que devotará admiração. Assim se modifica, muito gradualmente, o que foi a primeira relação afetiva
interindividual da criança, o próprio fundamento da construção de sua personalidade. Mas aquilo que será a relação do adolescente com os pais, dependerá, não obstante,
profundamente, do que tiver sido durante a infância.

A autodeterminação e a vontade

A criança crescida deste estágio não é, apenas, o membro ativo e entusiasta de seu grupo, nem o companheiro afetuoso e, por vezes, irritante da roda familial. Vejamo-la
instalar-se e ornamentar seu quarto, ou seu canto, segundo seu gosto - inspirado, aliás, em outrem - vejamo-la entregar-se a qualquer ocupação de sua escolha: é
também aquela que vive em seu mundo pessoal, segue as próprias iniciativas, tenta ser ela mesma.

Parece realmente que o "eu interior", cuja existência se tornou manifesta pelos sete anos, se faz, agora, suficientemente preciso para assumir papel diretor. Já
aos nove anos, com efeito, impressiona ver como a crianç a se dirige, cada vez mais, de maneira autônoma, propondo~se fins e oúanizando a própria ação em

9 função dos projetos: tem cada vez menos necessidade de estímulos extemes. Leva a sério o trabalho escolar, não tanto mais "para ser obediente" e conveniente quanto
porque deseja progredir; seus

157

lazeres se tornam mais produtivos, e são mais bem organizados. Vê~se que a criança tem planos, elabora projetos para além do concreto imediato. Seu comportamento
inteiro ganha, aliás, caráter arrazoado e lógico, culminante pelos doze anos e que, sem ser rigorosamente constante, se distingue, entretanto, da impetuosidade espontânea
das idades anteriores. Gesell nota que uma frase típica dos dez anos seria: "Deixem-me pensar!" Essa frase indica, realmente, segundo parece, que em lugar de seguir
ingenuamente os impulsos, os estímulos ou as sugestões do momento, a criança se atém mais ou menos conscientemente a uma instância diretora interior. Há, nisso,
transformação essencial.

A criança, pois, controla-se de maneira muito mais geral e manifesta que até então, isto é, procura conformar o comportamento a exigências não mais unicamente exteriores,
como acabamos de ver a propósito das regras morais. A origem dessas exigencias e, sem dúvida, externa; mas a criança as interiorizou gradualmente e as fez suas,
por imitação, por identificação, por cuidado de asseguração, ou de valorização, pelo reconhecimento da necessidade objetiva. Foi construindo, assim, aos poucos,
um quadro de referência pessoal, que a ajuda a definir-se e a orientar seu comportamento. Certo, esse quadro ainda é lacunoso; e não possui o caráter geral que permitiria,
à criança, fazer face, de maneira autônoma, a todas as situações: é, também, sujeito a modificações ao sabor de certas experiências. Mas é suficiente para dar, desde
já, ao comportamento infantil, os traços de autodeterminaçao e de coerencia característicos do presente nível; a decisão voluntária, o comando estável da ação, se
superpõe ao comportamento simplesmente reativo dominante nos níveis precedentes, tal como o raciocínio se superpõe às impressões intuitivas. Pode-se, doravante,
falar da "vontade" da criança. Piaget [59] insistiu, mais de uma vez, no interessante paralelismo entre vontade e lógica, que vem, uma e outra, na mesma época, pôr
mais coerência no pensamento e na ação; uma e outra marcam o mesmo distanciamento a respeito do imediato e do espontâneo, uma e outra asseguram resistência análoga
às interferências das estimulações adventícias, uma e outra revelam a regressão das posições estreitamente egocêntricas das idades precedentes.

Essa tendência à coerência, à estabilidade, à unidade e à continuidade do comportamento vem a revelar-se, claramente, na organização da atividade pela criança, na
busca relativamente perseverante de seus fins, nos esforços para conformar-se com as re-

158

gras morais, ainda quando acarretem alguma contrariedade, na aptidão crescente para tomar decisões em resposta a incontáveis possibilidades, à medida que estende
seu campo de ação e de experiência. A criança não é mais, simplesmente, levada por uma corrente que segue as linhas de menor resistência; "conduz" sua atividade.
Já aos dez anos, é de admirar o senso muito claro que ela pode ter do dever, daquilo que deve fazer - ou daquilo que "deveria ter feito!" - e quando se lhe confiam
responsabilidades a ela proporcionadas, ela as encara com consciência. Pelos doze anos poderemos, até, notar a procura de verdadeira disciplina pessoal, que pode
confinar com o ascetismo, em certos aspectos, e leva o indivíduo a alcançar reais vitórias sobre si mesmo, não sem coragem, por vezes. Breve sua vontade será, para
ela, motivo de preocupação, ou de orgulho; contribuirá para a constituição dessa espécie de imagem ideal que fará de si mesma, e à qual, jovem adolescente, tentará
ajustar-se.

A nova atitude também aparece, de modo geral, no plano afetivo: a criança já não é, como dantes, o joguete de seus sentimentos, e de suas emoções; mas se, ao contrário,
procura dominálos, e não tem mais tamanha necessidade de exteriorizá-los para vivê-los, isto não significa, entretanto, que já não os experimente. Quando pode abrir-se,
pode até, por vezes, analisá-los, não sem finura. Verificando a estabilidade de humor e a emotividade, aparentemente menor, da criança crescida, alguns autores pensaram
que ela passava, entre nove e doze anos, por uma fase de sensibilidade e de reatividade emocional reduzidas. 0 contato diário e individual com a criança parece mostrar-nos
que nada disso se dá. Os prantos se tornam, sem dúvida, excepcionais, e rareiam os grandes desesperos; mas alegrias, raivas ou desgostos, posto menos espetaculosos
que outrora, nem por isso deixam de existir e são até, talvez, mais duráveis. Por outro lado, podem-se observar manifestaçõ es de tacto, ou de pudor, reveladoras
de sensibilidade muito acentuada, por vezes, até, ante sentimentos de outrem. Os medos diminuíram muito, por certo, desde a idade de seis, ou sete, anos; e a criança
chega a mostrar-se naturalmente audaciosa; certos trabalhos assinalam, entretanto, o aparecimento de medos novos e de novas ansiedades, como o receio do que estará
reservado no futuro, ou a ansiedade "social", em relação com os episódios da vida de grupo e das relações entre crianças. Caberia assinalar também o "medo dos exames",
tão desastradamente explorado em tanta escola e em tanta família. Muchow [48] indica como característico desse estágio o medo da derrota, o medo de ser in-

159

ferior, de "perder o prestígio" ante camaradas, ou adultos; e há nisso, realmente, algo de típico. Esses temores, muita vez tácitos, por vezes, até, inconscientes,
podem perturbar o equilíbrio da criança bem mais do que se crê comumente; e bastam para explicar certos comportamentos aberrantes, ou certos rituais obsessivos observáveis
nessa idade.

Não cremos, pois, de modo algum, que a criança seja menos ernotiva, ou menos sensível; estaríamos, até, inclinados a pensar que o seja ainda mais. Já não exprime,
porém, ingenuamente, tudo quanto nela se passa; antes, procura dissimular esses estados; "contém-se melhor", demasiado cuidosa de seu standing(*) social e de sua
dignidade de "grande" para dar livre curso às emoçoes, as quais, aliás, sente melhor que só a ela lhe pertencem. Esse controle emocional culmina, sem dúvida, no
correr dos onze anos, e contribui para dar, a essa idade, os caracteres exteriores de equilíbrio, de segurança e de domínio que a fizeram qualificar, por excelencia,
de "maturidade infantil". Logo, aliás, sofrerá eclipse; o humor se fará mais variável, ocorrerão explosões brutais e curiosas alternâncias de comportamentos infantis
e adultóides. Aos treze anos, em regra geral, o controle emocional parecerá mais problemático do que nunca.

A impressão de domínio que dá a criança crescida tem, aliás, seus limites; e cumpre evocar prontamente o caráter algo excessivo que seu comportamento pode tomar.
Entre nove e doze anos, com efeito, a criança vive com intensidade considerável, tanto mais acentuada quanto se aplica ao que faz; dá-se inteira, com paixão, a toda
atividade. Nem sempre tem meias medidas: "adora" os livros, "detesta" os tomates, "odeia" uma velha tia rabugenta; os camaradas são "formidáveis" ou, então, "idiotas"
e todas as aventuras do grupo são "extraordinárias" '. Não somente é ativa, como, ainda, aberta e receptiva, pronta ao entusiasmo. É nessa sede de ação e de experiência
que seu controle é, por vezes, pilhado desprevenido: a criança pode, de repente, perder totalmente a medida e mostrar uma avidez cujo componente sensual é incontestável;
para a gente se convencer disso, não há como ver comer uma criança de onze anos! É que as energias instintuais estão em pleno crescimento; não tardarão em repor
em discussão as barreiras laboriosamente edificadas no decurso dos anos anteriores.

Em inglês no original, tal como já ocorreu. (Nota dos trads.)

160

Sentimos bem, pois, que essa criança crescida, tão estável e tão equilibrada, tão bem socializada, tão bem apoiada no presente e no real, tão segura de si e, aparentemente,
tão isenta de problemas, é, no fundo, muito complexa. Nela existe uma como duplicidade; talvez seja mais secreta do que em qualquer outra idade, justamente porque
não o parece. Contato intensivo, observação atenta, revelam-nos profundezas das quais tanto menos suspeitávamos quanto a criança, se já não lhes projeta ingenuamente
o conteúdo no real, delas ainda não está, entretanto, claramente consciente. Bem vistas as coisas, o bom controle externo possui, talvez, coloração defensiva que
lhe disfarça o aspecto adaptativo, e a sociabilidade intensa reveste, talvez, aspecto compensatório, escapo às observações de grupo.

0 "eu interior" e a expectativa

Menos que o adulto, por certo, mas de maneira bem mais acentuada e distinta do que até então, a criança crescida vive, a

um tempo, no mundo exterior e num mundo interior. A cisão entre os dois continua a marcar-se cada vez mais. Concordamos com

Beets [4] no pensar que essa vida interior é dominada por um sentimento mais ou menos confuso de expectativa de algo ainda não revelado.

0 objeto dessa expectação a um tempo impaciente e ansiosa é, se assim se pode dizer, "ser, enfim, grande", "ser, enfim, ela mesma"; e a contrapartida é uma como
secreta vergonha de ainda não o ser. Na criança crescida, sob as aparências estáveis e ex-

pansivas, há, ao mesmo tempo, expectativa do que vem, não Sem

certo temor, e insatisfação do que está sendo, não sem certa reticência no afastar-se disso. A menina de onze anos que mede periodicamente o busto, nem por isso
abandonou todos os seus brin~ quedos de meninazínha; o herói do grupo de meninos que cada dia realiza proezas físicas mais ousadas, não abandonou, talvez, os ritos
da hora de deitar que remontam à primeira infância; e ficaria muito triste se a mamãe não viesse ajeitar-lhe as cobertas. Um e outra olham o futuro com ardor e vivem
a antecipar o porvir; mas, a um tempo, agarram-se à segurança que o passado representa. Um e outra experimentam como que a necessidade de sair de seu infantilismo,
de sua inferioridade presente, e aspiram a aparecer, enfim, como "valiosos" aos próprios olhos, e aos

161

olhos de sua roda; mas suas tentativas são havidas por insuficientes, ou anacrônicas, e guardam, por isso, naturalmente, caráter secreto e profundamente íntimo.
Um e outra vêem-se grandes, a fazer grandes coisas, mas seu meio material e, sobretudo, social, se encarrega de lembrá-los de que ainda são pequenos. É a essa ambivalência
que se prendem a indecisão, o devanio, a "perambulação" inativa que o adulto censura na criança de onze, ou doze, anos, como culposa perda de tempo. É, sem dúvida,
também para fugir dela, como para escapar da impressão ocasional de vazio interior e de melancolia, que a criança crescida se refugia entre os iguais, ou se entrega,
de corpo e alma, a brinquedos violentos e absorventes.

Já aos onze anos, uma fase de crescimento físico muita vez intenso vem trazer, à criança, primeira confirmaçã o de sua expectativa. Essa fase alegra a criança, sem
dúvida, mas, ao mesmo tempo, a intriga e a preocupa. Volta, com ela, o interesse pelo corpo próprio, no qual se esquadrinham os menores indícios de desenvolvimento;
revaloriza afetivamente as zonas significativas da sexualidade. Pelos treze anos, todas essas preocupações estarão no primeiro plano. Simultaneamente se esboça o
ressurgimento instintual já mencionado, ressensualização gradual, que atingirá plena intensidade com as modificações orgânicas profundas dos catorze anos. Que esse
ressurgimento comporte conotações ameaçadoras, eis o que nada tem de extraordinário se nos lembrarmos das condições de inibição da sensualidade infantil, no decurso
do segundo e, sobretudo, do terceiro estágio do desenvolvimento; parece realmente que o aparecimento da vontade e do autocontrole nã o deixa de ter estreita relação
com a ameaça que as pulsões instintivas despertam no inconsciente; haveria um como mecanismo defensivo e regulador, que se afirma tanto mais quanto mais premente
a ameaça. Por outro lado, esse risco, obscuramente pressentido, de invasão por forças desconhecidas (e, talvez, um

pouco "reconhecidas", em certo sentido) faz aparecer o período infantil intermediário como oásis de segurança familial, o que toma ffiais difícil o ganhar distância
dessa fase.

A criança desse estágio é atraída para o futuro, para o longínquo; caracteriza-se, segundo Beets, pela tendência à exploração (o que, entretanto, nos parece característico
de cada estágio!). Sua maior autonomia a conduz a toda espécie de empresas, nas quais ultrapassa continuamente a segurança do lar e se encontra na necessidade de
não contar senão consigo mesma. Quer se trate

162

de volta de bicicleta, na qual se encontre, de repente, em bairro desconhecido, ou de viagem de trem para passar o domingo em casa de algum parente, multiplicam-se
as ocasiões nas quais a criança deve tomar iniciativas e lançar-se na aventura sem estar cercada de presenças tutelares. Nessas circunstâncias, experimenta a dúvida
de si, os sentimentos de inferioridade, compensados pela busca de performances no seio do grupo e pela busca de valorizações diversas. É também a consciência dessa
inferioridade, o temor, muito assinalado, de "desacreditar-se" que dão, a essa idade, caráter ordinariamente gabola e fanfarrão, sem deixar de fazer a criança ter
saudades da segurança do círculo familiar. Enfim, essas penas são, sem dúvida, reforçadas pelas exigências acrescidas que, em todos os planos, os adultos lhe impõem;
e pela consciência crescente de um futuro que a gente mesma deverá "fazer". Em suma, foi-se a idade do feliz descuido, como a da espontaneidade absoluta.

Nem tudo é, pois, tão simples na criança crescida como estávamos no direito de pensar ao observá-la no grupo de iguais. Blair e Burton [61 não deixam, sem dúvida,
de ter razão quando escrevem que "os estudos de grupos a fazem aparecer como descuidosa, alegre e brincalhona, enquanto os estudos individuais revelam não poucas
tensões e conflitos". Essas tensões e esses conflitos ainda não têm, contudo, o aspecto dramático que virão a ganhar, muita vez, no período pubertário: a criança
crescida ainda encontra recurso na atividade exterior, nos contatos com os pais, ou com os iguais. 0 quadro se vai tomando sombrio a partir dos treze anos mais ou
menos, quando a consciência de si se torna verdadeiramente aguda e absorve o jovem ao ponto de que ele vem a sentir-se rigorosamente único e isolado e, absorvido
em si mesmo, não procura mais contato com o exterior. Desde essa "idade do espelho", na qual se esquadrinha física e mentalmente, na qual procura, como caberia dizer,
"fazer-se coincidir consigo mesmo", o jovem saiu, definitivamente, da infância.

0 fim da infância

Assim chegamos ao cabo de nossa empresa. 0 desabrochar do pensamento abstrato e da reflexão, a prolongarem-se nos mais inatuais e gratuitos dos planos, a redução
da "turma de camaradas" ao pequeno círculo de íntimos e às amizades de eleição, o

163

fechamento defensivo do indivíduo em si mesmo e a exaltação desconfiada de seu eu, as preocupações egocêntricas de colorido mais ou menos metafísico, a sensualização
do indivíduo e o reaparecimento da agitação instintual sob a ação das transformações pubertárias, essas próprias transformações da pessoa física - eis aí fenômenos
mais ou menos simultâneos, precoces nestes, mais tardios naqueles, a marcar o começo de nova fase da vida. Se alguns desses fenômenos já se desenham no curso deste
estágio, talvez, sobretudo, nas meninas, seu pleno desabrochar caracteriza a primeira adolescência ou, se se quiser, a fase pubertária. Em perfeita continuidade
com este estágio, essa nova fase já está, todavia, fora do quadro que traçamos para esta obra.

Fim do livro.
164

Nenhum comentário: